Your SlideShare is downloading. ×
0
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Portifolio charlene
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Portifolio charlene

2,596

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,596
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CAMPUS II – ALAGOINHAS - BAHIA PORTFÓLIOTurma 2010.2
  • 2. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEBDEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CAMPUS II – ALAGOINHAS - BAHIA Portfólio apresentado ao curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade do Estado da Bahia, DCET, Campus II como requisito Avaliativo do Componente Curricular Estágio Supervisionado II, sob regência da Profa. Cláudia Regina Teixeira de Souza. Alagoinhas - BA 2011
  • 3. “Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.Charlene Rodrigues Carneiro A data é um convite para que todos, pais, alunos, Autora sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.” Paulo Freire
  • 4. ÍNDICE Pág.O Estágio ..................................................................... 1A Escola ....................................................................... 3A Turma ....................................................................... 5O livro didático ............................................................ 7A professora regente ................................................... 9Período de regência .................................................. 11Auxilio na conduta do estágio ................................... 20Resultado .................................................................. 26Considerações Finais ................................................. 27Referências ................................................................ 29
  • 5. 1 O Estágio O estágio é um momento em que o acadêmico pode vivenciarexperiências, colocando na prática tudo ou parte daquilo que lhe éapresentado na teoria, tomando uma consciência da responsabilidade edeveres de sua futura profissão. De acordo com Francisco e Pereira(2004) o estágio surge como um processo fundamental na formação doaluno estagiário, pois é a forma de fazer a transição de aluno paraprofessor “aluno de tantos anos descobre-se no lugar de professor”.Estágio Supervisionado parte da necessidade de uma formaçãoprofissional mais ampla, e que acompanhasse as tendências de ummercado de trabalho cada vez mais globalizado. A capacitação técnicaadequada, a formação linguística e a experiência de trabalho, foramfatores fundamentais para solidificação de uma visão global, dasperspectivas de mercado para o futuro profissional.
  • 6. 2 No momento estágio percebi que meu medo em “comandar”uma sala de aula pode ser vencido, quer a insegurança foi superada.Coloquei em prática tudo aquilo que aprendi nas aulas teóricas, foi ummomento valioso para minha formação. O Estágio Supervisionado na área de Licenciatura em CiênciasBiológicas deve englobar a aprendizagem do processo produtivo, favorecerum envolvimento na rotina da escola, facilitando a troca de conhecimentose experiências. Segundo Dorneles (2007) este processo é de sumaimportância para o desenvolvimento da vida profissional, pois é nestaetapa que os conhecimentos técnicos adquiridos ao longo da vidaacadêmica são colocados em prática, aprimorando a forma decompreendê-los e analisá-los. O Estágio de Licenciatura é umaexigência da Lei de Diretrizes e Bases daEducação Nacional (nº 9394/96). Oestágio é necessário à formaçãoprofissional a fim de adequar essaformação às expectativas do mercado detrabalho onde o licenciado irá atuar. Assimo estágio dá oportunidade de aliar ateoria à prática.
  • 7. 3 A Escola O local de estudo foi um colégio de Ensino Fundamental II (6°ano ao 9° ano) e Ensino Médio, o qual funciona em três turnos. Suaestrutura física se apresenta de forma precária, são notórias algumasdeficiências no âmbito de organização, higiene e espaço físico. As salas de aula são amplas, porém não arejadas; paredes eiluminação precisam de reparos bem como suas instalações sanitárias(banheiros); além de bebedouros sem higienização adequada; ascarteiras não são conservadas e nem há quantidade suficiente paratodos os alunos. Possui um espaço para a biblioteca, quadra esportiva,sala de vídeo com TV e DVD, ainda que precárias. Possui ainda espaçosque servem de secretaria, sala da direção e sala dos professores. Essasdeficiências interferem diretamente na vida escolar do aluno, uma vezque este ambiente será cenário de estudo, discussão, debates,reflexões, convívios sociais e lazer.
  • 8. 4 No momento que entrei na escola, pela primeira vez,percebi que a escola tinha uma péssima administração, “como oaluno pode gostar de ir assistir aula em um lugar sujo?!” Onde faltacadeiras, mesa, bebedouros e banheiros sujos, visto que o ambienteinfluência bastante na aprendizado. Segundo CORRÊA (1995), o espaço físico da escola deve serconvidativo para os alunos, um lugar que represente relações deintimidade e afetividade, em que se manifesta através de apreciaçãovisual ou estética e pelos sentidos a partir de uma longa vivência(p.15). Sendo assim, cria-se vínculos afetivos e possibilita um espaçofacilitador para o desenvolvimento cognitivo, além de estabelecer ourestabelecer valores como preservação e valorização de um espaçosocial.
  • 9. 5 A Turma A turma eracomposta por vinte e cincoalunos matriculados, masaproximadamente dezoitoalunos frequentavam asaulas, com idade devariando de dezoito a vinteanos e era uma turma debons alunos e a maioria dezona rural de Feira deSantana. Os alunos eram muito agitados e se dispersavam com muitafacilidade e conversavam muito. Nessa turma, foi possível formar váriosgrupos de alunos: os atenciosos, os desinteressados, mas com facilidade paraaprender; os atenciosos com dificuldade para aprender; e os desinteressadoscom dificuldade para aprender. Nem todos participavam da aula,perguntando, questionando.
  • 10. 6 Em relação ao cumprimento dasregras e a resolução de atividades, uma grandemaioria eram indisciplinados não realizandotanto as atividades de casa como as de classe.Contudo, havia um percentual considerável dealunos que faziam todas as atividadestrabalhadas em sala. Havia também aquelesalunos que não frequentavam as aulas porestarem aprovados na disciplina. Senti receio nas primeiras aulas pois osalunos possuía um carinho e amizade pelaprofessora regente, gostavam da metodologiadela. Segundo ABREU & MASETTO (1990),afirma que “é o modo de agir do professor em salade aula, mais do que suas características depersonalidade que colabora para uma adequadaaprendizagem dos alunos; fundamenta-se numadeterminada concepção do papel do professor,que por sua vez reflete valores e padrões dasociedade”.
  • 11. 7 O Livro Didático O livro didático (LD) utilizado pela escola era Biologia dosOrganismos de Amabis e Martho. Mas os alunos não utilizava o livro emsala de aula, pois alegavam que esse era muito pesado. Com isso, utilizeiapostila em sala de aula e solicitava exercício do livro no final de toda aula,na tentativa. O LD representou uma ferramenta importante nas aulas, mas elesempre foi utilizado de forma complementar nas aulas. O Ministério da Educação afirma que o livro didático brasileiro, ainda hoje, é uma das principais formas de documentação e consulta empregado por professores e alunos. Nessa condição, ele às vezes termina por influenciar o trabalho pedagógico e o cotidiano da sala de aula (BRASIL, 2003, p. 275).
  • 12. 8 De acordo com SANDRIN (2005) o LD constitui um dosrecursos mais tradicionais utilizados pelos docentes da escola básicacomo material de apoio aos processos de ensino e aprendizagem, e temsido alvo de intensa avaliação em diferentes aspectos: conceitual,industrial, comercial, adoção, avaliação e utilização. O LD é ainda a fonte de acesso ao saber institucionalizado deque dispõem professores e alunos (CARMAGNANI, 1999) e constitui ocentro do processo de ensino-aprendizagem em todos os graus deensino no cenário atual da educação brasileira (CORACINI, 1999),cabendo, portanto, ressaltar três questões principais que precisam serurgentemente revistas: a noção dos assuntos, os critérios adotados e ashabilidades trabalhadas.
  • 13. 9 A Professora Regente A professora regente estava prestes a se aposentar edesmotivada com o desempenho dos alunos no últimos anos. O perfil do professor em sala emuito importante para os alunos, umavez que este será um facilitador doconhecimento. A relação da educadoracom os alunos é considerada excelente,pois é sempre simpática. Ela era pontuale um pouco desorganizada, articulavaaulas simples sem muitoaprofundamento do conteúdo, alegandoque aulas mais rebuscadas, os alunosacabariam não entendendo e atrasandoa programação curricular. O desânimo da professorajustificava-se com o desinteresse dosalunos.
  • 14. 10 A competência do professor não está no fato de “dar uma boaaula”. E sim quando ele consegue articular os diferentes saberes e darsignificado ao que ensina (OLIVEIRA & LAMPERT, 2004, p. 141). Perrenoud(1999) define competência como sendo “uma capacidade de agireficazmente em um determinado tipo de situação, apoiada emconhecimentos, mas sem limitar-se a eles” (p.7). Em relação ao tratamento dado à estagiária, a professoraregente se apresentou disposta a ajudar e orientar sempre quenecessário e possui uma boa relação com os seus colegas de trabalho,mostrando-se simpática.
  • 15. 11 Período de Regência O exercício da regência naárea de educação propicia ao estagiário,possibilidades de enfrentar as diversasvariáveis que interferem em seu campode trabalho. A vivência adequada e bemorientada destes dois momentospermite aos estagiários experimentaremrealidades que encontrarão em sua vidaprofissional. O Estágio Supervisionado IIprocedeu-se em duas etapas, a deobservação e a de atuação. Aobservação é uma etapa muito valiosa,é nesse momento que nos é permitidoperceber e avaliar o âmbito de atuaçãoe conhecer a turma. A Observação foiem duas aulas onde a professoraregente corrigiu exercícios e entregouprovas e notas da terceira unidade.
  • 16. 12 A execução da regência em sala de aula proposta pelo EstágioSupervisionado II, teve início no dia 19/10 e término no dia 14/12/2010,da citada escola, para que esse fosse efetivado de maneira formal. Deacordo com Freire & Verenguer (2007, p.115), [...] além de compreender as características do público atendido, é importante que o profissional compreenda as particularidades das diferentes áreas de intervenção profissional. Isso estimula o desenvolvimento da competência para a investigação científica, sendo um momento de criação ou recriação de conhecimentos, essencial para que o profissional possa pesquisar e compreender sua própria intervenção e construir novas propostas para a área. E, faz com que o estagiário conheça o ambiente real de intervenção profissional, se preparando para identificar, interpretar e propor soluções para os problemas que enfrentará no cotidiano da profissão.
  • 17. 13 A etapa de atuação foi um tanto complicada, senti algumasdificuldades e medos no início, e foi bem diferente do imaginado. Nessaetapa percebi que não necessitamos só conhecermos as leis, as teoriase tantas outras coisas que nos é pregado desde o momento em queingressamos na universidade. É preciso saber como por em prática tudoque aprendemos ao longo da nossa vida acadêmica, a níveisintelectuais, éticos, morais e controle de turma. E acima de tudo épreciso saber como nos portar diante das diferenças e eventualidades,quebrando tabus e tentando alcançar a zona desenvolvimento proximal,a qual é tão defendida por Vygotsky (1978). A grande maioria das minhas aulas foram baseadas noconstrutivismo. Trabalhei o mesmo assunto de maneiras distintas,visando atingir as principais zonas de aprendizagem, utilizeiapontamento no quadro e apostilas (como complemento), mesmo aturma possuindo livro didático, não foram muitas as aulas áudios-visuaisdevido dificuldade da utilização desse recurso na escola. Não foi umtrabalho fácil, eu me sentia fracassada e insatisfeita toda fez que nãopercebia o interesse deles pela aula, e por isso tentava sempre trazerinovações que despertasse o interesse deles.
  • 18. 14 Em alguns momentos usei de autoritarismo na tentativa denão perdesse o controle da turma, mesmo sabendo que essa prática émuito criticada por vários autores. Segundo (FREIRE, 2000a, p. 99). “oautoritarismo é a ruptura em favor da autoridade contra a liberdade e alicenciosidade, a ruptura em favor da liberdade contra a autoridade" Nas avaliações (teste e prova) busquei trabalhar com questõesobjetivas e subjetivas, cobrando somente aquilo que foi discutido emsala de aula, buscando treina-los a escrever sobre aquilo que foiexplanado e apreendido, na tentativa de torna-los críticos sobre oassunto. Procurei avaliar também, durante todo o processo, usandoestratégias de verificação de aprendizagem que desenvolvessem oraciocínio, a criatividade dos educandos, considerando a participação ecompromisso nas atividades propostas, com isso foi possível perceberde forma mais clara, a dificuldade de muitos alunos em relação àciência. O conjunto de todas as atividades produzidas durante o estágioe a prova constituiu a nota final dos alunos
  • 19. 15Primeiros dias ...Aulas sobre Poríferos e CnidáriosNo início estava muito nervosa porque nãoconhecia direito a turma, apesar de já ter feito aobservação. Mas depois fui ficando a vontade, aturma parecia muito bom. Quando fui explicandoo assunto eles prestaram bastante atenção eparticiparam da aula. Mas o tempo era meu piorinimigo, tudo que planejei não deu certo, ospouquíssimos minutos passaram “voando”.
  • 20. 16 O planejamento um instrumento direcional de todo o processoeducacional, pois estabelece e determina as grandes urgências, indica asprioridades básicas, ordena e determina todos os recursos e meiosnecessários para a consecução de grandes finalidades, metas e objetivos daeducação.” (MENEGOLLA & SANT’ANNA, 2001)
  • 21. 17Dias que se seguem ... A aula sobre Platelmintos e Nematelmintos A aula foi muito proveitosa, os alunos participaram e questionaram bastante. Como os recursos audio-visuais era quase que “utópicos”, levei imagens impressa em folha de papel oficio para facilitar a aprendizagem. Quando finalmente consegui cronometrar o tempo de aula outra dificuldade veio à tona, não conseguia impor autoridade. Segundo FERNANDES (1998), a maioria dos alunos vê a biologia apresentada em sala, como uma disciplina cheia de nomes, ciclos e tabelas a serem decorados, enfim, uma disciplina “chata”. Assim, a questão que se coloca é: como atrair os alunos ao estudo e como estimular seu interesse e participação? A resposta, claro, não é simples e nem há uma receita pronta. O mesmo autor argumenta que para esta questão não pode haver uma fórmula universal, pois cada situação de ensino é única. Acredita, porém, que é necessário buscar soluções, refletir sobre o assunto e trocar experiências.
  • 22. 18Dias que se seguem ...FeriadosQuando já estava conseguindo meadaptar à turma, eis que surgem osferiados, dificultando ainda maisminhas aulas. Então soliciteiatividades, como lista de exercício eestudo dirigido, para serem resolvidasem casa.A utilização de outras modalidadesdidáticas tais como: audiovisuais,ferramentas computacionais, práticasno laboratório e na sala de aula, Para Moura e Vale (2003), osatividades externas, programas de professores devem enfatizarestudo por projetos e discussões, atividades que favoreçam aentre outras, quando ocorre, se dá por espontaneidade do aluno e seusiniciativas esporádicas de alguns conceitos cotidianos, permitindo queprofessores, levadas a diante por (o aluno) construa noçõesenorme esforço pessoal de tais necessárias para a compreensão daprofissionais. ciência.
  • 23. 19Dias que se seguem ... Teste O teste transcorreu normalmente, não houve reclamações e nem problemas. O teste foi uma “novidade” para essa turma, pois não era comum nas atividade solicitadas pela professora regente. Segundo Vendramini (2004) uma avaliação bem estruturada seja na forma de dissertação, teste, em grupo, entre outras, deve proporcionar aos docentes condições de conhecer seus educandos, quais suas reais dificuldades na aprendizagem, determinar se os objetivos propostos pelo educador foram alcançados, bem como promover o desempenho acadêmico.
  • 24. 20Dias que se seguem ... Aula sobre Peixes Bem a aula foi bem interessante, pois dividi com minha companheira de estágio Paula Gabriele. Fiquei nervosa devido à presença da professora orientadora Cláudia Regina me observado, é difícil saber que você esta sendo avaliada. Estava me sentido muito segura com o conteúdo, visto que o conhecia bastante. Os alunos “responderam” de forma positiva, prestando atenção no que era explanado, percebi isso através dos olhares atento ao que falava e as perguntas. A aula com o auxílio data show foi recurso no qual pude mostrar figuras dos animais e das estruturas morfológicas, o que facilita a visualização dos alunos. A utilização de slides que, apesar de parecer um recurso “fora de moda” nestes tempos de informática é defendida por FERNANDES (1998). Segundo ele, os slides permitem uma projeção de alta resolução, enfatizando cores, beleza e detalhes, visíveis de qualquer ponto de uma sala de aula.
  • 25. 21Dias que se seguem ...Aulas sobre Anfíbios e RepteisNão houve problemas durantes as aulas, os alunos participaram da correçãodos exercícios e tiraram dúvidas sobre os assuntos.De acordo com GADOTTI (1999: 2), o educador para pôr em prática odiálogo, não deve colocar-se na posição de detentor do saber, deve antes,colocar-se na posição de quem não sabe tudo, reconhecendo que mesmoum analfabeto é portador do conhecimento mais importante: o da vida.
  • 26. 23Dias que se seguem ...Aulas sobre Aves e MamíferosInicialmente alunos estavam um pouco agitados, com isso dificultou umpouco a aula. Mas a comecei a questioná-los sobre o assunto, fazendo queeles interagissem, o conteúdo da IV unidade foi concluído, me despedi dosalunos e agradeci pela compreensão dele em alguns momentos e por teremaceito minha presença em sala de aula.O professor não deve preocupar-se somente com o conhecimentoatravés da absorção de informações, mas também pelo processo deconstrução da cidadania do aluno. Apesar de tal, para que isto ocorra, énecessária a conscientização do professor de que seu papel é de facilitadorde aprendizagem, aberto às novas experiências, procurando compreender,numa relação empática, também os sentimentos e os problemas de seusalunos e tentar levá-los à autorealização (SOUZA E SILVA, 2007).
  • 27. 24Ultimo dia ... A prova final O último dia de aula foi encerrado com a aplicação de um prova com 10 questões. A prova transcorreu normalmente, não houve reclamações e nem problemas. Segundo Freire (1996) “o professor autoritário, o professor licencioso, o professor competente, sério, o professor incompetente, irresponsável, o professor amoroso da vida e das gentes, o professor mal-amado, sempre com raiva do mundo e das pessoas, frio, burocrático, racionalista, nenhum deles passa pelos alunos sem deixar sua marca”.
  • 28. 25Auxílio na condução do Estágio Durante o desenvolvimento da regência era realizado o acompanhamento semanal e individual com a professora do componente curricular, Cláudia Regina Teixeira de Souza. Esses momentos eram reservados para esclarecer dúvidas para o melhor desempenho durante as atividades relacionadas ao estágio, com a apresentação de planos de aulas. Cláudia Regina Teixeira de Souza Motivadora
  • 29. 26 Resultados A proposta de trabalho teve resultados favoráveis, visto queno momento da correção da prova foi possível notar que os alunos queprestavam atenção na aula tiveram um excelente resultado, enquantoaqueles que não assistiam às aulas, ou não prestavam atenção, nãotiveram um resultado muito favorável. Mostrando assim que ametodologia utilizada em sala foi satisfatória. Percebi também que nasaulas prática e as que usei recursos áudios-visuais, ocorreu uma maiorinteração dos alunos com o conteúdo. A experiência adquiridadurante o Estágio me fez ver aimportância que este representa naformação docente. Foi o momento emque procurei ver com outros olhos ateoria sendo posta em prática na sala deaula, e reafirmei opção pela profissão dedocente em Ciências Biológicas.
  • 30. 27 Considerações Finais A partir da realização desse trabalho, foi percebida afragmentação e carência do ensino público no âmbito municipal. Aindahá muito que ser feito, em termos estruturais como também pessoais. Epor isso, pela vivência em sala de aula através das observações eregência, que é possível afirmar que o estágio supervisionado pode nosfrustrar, quando se pensa em seguir uma vida docente e de repentedepara-se com uma realidade muito além da imaginada, ou pelocontrário, o estágio pode nos instigar a buscar maneiras para contornaras dificuldades impostas pelo sistema educacional, trabalhando deforma simples, com estruturas precárias, porém, buscando o interessedos educandos. Ao término deste estágio, percebi também aimportância do mesmo para o cotidiano acadêmico(estando em umaLicenciatura), e quais dificuldades que se enfrenta por não realiza-lo.Analisei também as possibilidades e soluções para construí-lo etrabalha-lo no dia-a-dia, na construção de cidadãos reflexivos, críticos etransformadores, pois a educação está nos atos e atitudes, nasresponsabilidades, no interesse, no se dispor para o aprender-ensinar ena busca de uma sociedade justa e igualitária.
  • 31. 28Com a observação e regência foi possível constatar a fundamentalimportância desta etapa para o desenvolvimento do profissionaldocente. Foi através de comportamento do professor e dos alunosque percebi o que devo aprender e o que não devo. A regênciapossibilitou uma experiência para avaliar a atuação em sala de aula,percebendo se erros tão criticados se fazem presente. Desta forma, o desenvolvimento do estágio foi extremamentepositivo, cumprindo com os objetivos anteriormente apresentados.A forma como o processo de aprendizagem foi elaborado ao longodo período de trabalho tornou possível não somente a aquisição,mas também a aplicação de diversos conhecimentos que foramadquiridos ao longo da vida acadêmica.
  • 32. 29 ReferênciasBRASIL. MEC - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa Nacional do LivroDidático 2004. Guia de livros didáticos 1ª a 4ª Séries. V. 2, 275p. Brasília: MEC, 2003CORRÊA, Roberto L. Espaço, um conceito-chave da Geografia In: CASTRO, I. E., CORREA, R. L. e GOMES, P. C.C. (orgs.). Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, p. 15-47.CARMAGNANI. A concepção de Professor e de aluno no livro didático e o Ensino de Redação em LM e LE. In:CORACINI, M. C. (Org). Interpretação, autoria e legitimação do Livro Didático. SP: Ed. Pontes, 1999.CORACINI, M. C. Interpretação, autoria e legitimação do Livro Didático. SP: Ed. Pontes, 1999.DORNELES, I. H. Relatório de estágio supervisionado. Universidade Hochschule Niederrhein – University ofApplied Sciences – Alemanha. Santa Maria: Hochschule Niederrhein, 2007. Disponível em<http://marta.tocchetto.com/site/?q=node/54>. Acesso em 15 de agosto de 2010.
  • 33. 30 ReferênciasFRANCISCO, C. M. e PEREIRA, A. S. Supervisão e Sucesso do desempenho do aluno no estágio, 2004.Disponível em internet. http://www.efdeportes.com/efd69/aluno.htm. Acesso em 31 Jul. 2010.FREIRE, E. S. & VERENGUER, R. C. G. Estágio supervisionado: a nova proposta para o curso de bacharelado emeducação física da universidade presbiteriana mackenzie. Barueri: Revista Mackenzie de Educação Física eEsporte, 6(2):115-119, 2007.FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP,2000.OLIVEIRA, M.O. de.; LAMPERT, J. Revisitando os saberes para o exercício da docência: a formação inicial doprofessor em Artes Visuais. In: MEDEIROS, M.B. de (Org). Arte em pesquisa: especificidades. Vol. 2. Brasília:ANPAP/UnB, 2004. p. 141-147.SANDRIN, M. F. N.; PUORTO, G. & NARDI, R. Serpentes e acidentes ofídicos: um estudo sobre errosconceituais em livros didáticos. Porto Alegre: Investigação no ensino de ciências, Vol.10, n.3. 2005.<http://www.if.ufrgs.br/public/ensino>. Acesso em 11 de abril de 2010.VYGOTSKY L. S. (1978). Mind in Society – The Development of Higher Psychological Processes. CambridgeMA : Harvard University Press.

×