Your SlideShare is downloading. ×
O imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O imperativo da revolução no pensamento humano

81

Published on

Published in: Science
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
81
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 O IMPERATIVO DA REVOLUÇÃO NO PENSAMENTO HUMANO Fernando Alcoforado* A comunicação com os outros, tanto quanto a comunicação consigo mesmo, depende da codificação. Toda percepção, bem como sua avaliação, depende da codificação. É esta que torna o meio pensável e comunicável. Uma das mais comuns codificações é a binária, que pode ser chamada regra de duplicação polar. Considerando o fenômeno (A) seu oposto não é (B) ou (C), mas o não (A). O oposto do ser existente não é um outro ser mas o nada. Seguindo o código binário duplica-se a existência na não existência, o impulso na falta de um impulso (Ver o artigo Caos e ordem na teoria sociológica de Franz Josef Brüseke publicado no website <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_22/rbcs22_07.htm>). Segundo Brüseke, mestre e doutor em Sociologia pela Westfälische Wilhelms Universität Münster, Alemanha, este último princípio, utilizado com sucesso pelo computador, permite a impressionante velocidade com que trabalha, respondendo, conforme uma programação específica, sim ou não. Os computadores fazem parte de nossas vidas desde a segunda metade do século XX. Como poderemos fazer uma máquina entender as nossas ordens? Através de um compilador, o programa que traduz a sofisticada linguagem do programador (mais próxima do pensamento humano) para um código binário de “zero” e “um”, que é como pensam os cérebros eletrônicos. O código binário traz como vantagem a redução das informações complexas a um grau mínimo de complexidade, possibilita a criação de regras claras de reflexão e elimina, dentro da comunicação codificada, qualquer dúvida. Se alguém não agiu certo, agiu errado. O que não está atrás está na frente. O que é da esquerda não é da direita. O mundo complexo divide-se assim em Leste e Oeste ou em Norte e Sul, em livre e não livre, em pobre e rico. O que para uns é a burguesia e o proletariado, para outros é homem e mulher. Quem foge de tudo isso tem pelo menos uma certeza: uma teoria é racional ou irracional. A reflexão, em opostos desse tipo, trabalha com o código binário para ordenar os sinais caóticos que assaltam o sistema comunicativo. Na opinião de Brüseke, o esquema binário dissolve em tempo mínimo, o máximo de fenômenos complexos em duplicações polares. Além disso, ele é, como regra de comunicação, fácil de entender, fortalecendo, por causa da sua estrutura simples, a capacidade de agir e de decidir. É nisto que se baseia o seu sucesso, se medirmos esse sucesso com o critério da eliminação. Ele também é responsável pela própria incapacidade de entender fenômenos e sistemas que não tenham uma estrutura binária. Ultrapassar o código binário parece tão difícil como não alcançar o seu grau de diferenciação. O pensamento racional do tipo ocidental parece sofrer paralisação, ou tornar-se impossível abaixo da polarização. A história do pensamento ocidental é a história da luta pelo entendimento de estruturas complexas. Na ciência moderna da natureza triunfou o código binário. Todos os sistemas comunicativos do mundo estruturam sua comunicação com o apoio do código binário. Assim, trabalha o sistema jurídico com o código justiça e injustiça, a economia, referindo-se a propriedade, com o código possuir e não possuir etc. O código binário é uma forma específica de simplificar a reflexão e a comunicação humana. Entretanto,
  • 2. 2 podemos constatar também desenvolvimentos teóricos que o ultrapassam, tornando-se, em consequência, mais difíceis de serem entendidos. A dominância do código binário sobre outras formas do pensamento e da comunicação é um produto histórico. No entanto, o pensamento em duas dimensões renuncia à possibilidade de entendimento mais abrangente do mundo e das possibilidades nele ainda não realizadas, segundo Brüseke. Em contraposição ao código binário que impera em nossa sociedade urge a introdução do pensamento holístico. Cabe observar que o termo holismo vem do grego holos, quer significa todo, tudo. É a ideia de que as propriedades de um sistema não podem ser explicadas apenas pela soma de seus componentes. É também chamado não reducionismo, por ser o oposto do reducionismo. É uma teoria que estabelece o mundo como um todo integrado, como um organismo. Vivemos uma era em que é preciso preparar um ser humano critico e reflexivo para a realidade atual desse mundo tecnológico. Nesse contexto, o viável é uma abordagem progressista juntamente com o ensino e a pesquisa numa perspectiva holística. Entende- se por holística, do grego "holos", "total", doutrina que privilegia a consideração da totalidade na tentativa de explicar a realidade. Embora ao longo da história diversos pensadores tenham afirmado, de uma forma ou de outra, o princípio do holismo, o primeiro filósofo que o instituiu para a ciência foi o francês Augusto Comte, ao instituir a importância do espírito de conjunto (ou de síntese) sobre o espírito de detalhes (ou de análise) para uma compreensão adequada da ciência em si e de seu valor para o conjunto da ciência e da existência humana. O holismo é o resgate da dimensão ética no sentido mais profundo. Consiste num compromisso com o todo, com o global, com a humanidade, com a preservação da natureza e com o estabelecimento de uma relação revolucionária entre homens, animais e plantas. Todos os elementos fazem parte de um grande corpo. O holismo traz uma proposta de vida integral. Trata-se de um caminho que não é novo, haja vista que encontra respaldo no pensamento dos pré-socráticos. O holismo deve se impor porque, nos últimos séculos, o projeto cartesiano na ciência tem sido insuficiente ao pretender romper a matéria em pedaços cada vez menores, na busca de conhecimento. Em 1973, Edgar Morin traça novas perspectivas para o avanço do pensamento humano. Trata-se de um prelúdio de sua importante obra: O Método, que será desenvolvido durante cerca de trinta anos. O objetivo de “O Método” é o de promover uma reforma do pensamento. Um procedimento do espírito que procura rearticular aquilo que a pesquisa especializada separou. Isso não significa a promoção de um pensamento “holístico” que aboliria as diferenças, mas de retomar o desafio já proposto por Blaise Pascal: “Eu defendo a ideia de que é impossível compreender o todo sem compreender cada uma das partes, assim como compreender cada uma das partes sem conhecer o todo”. O Método não pretende pesquisar uma “pedra filosofal” destinada a resolver todos os problemas. À diferença do Discurso do Método de Descartes, o procedimento de Morin recusa, de inicio, a ideia de uma verdade definitiva, que seria possível de ser atingida, e de um conhecimento absolutamente rigoroso a ser colocado em ação. A ideia do inacabado, da incerteza, da relatividade do conhecimento está no centro do seu pensamento. Trata-se inicialmente de aprender a ultrapassar as oposições binárias natureza/cultura, indivíduo/sociedade, determinismo/liberdade, sujeito/objeto.
  • 3. 3 *Fernando Alcoforado, 74, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.

×