• Like
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas

  • 205 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
205
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. BLACK BLOC: VÂNDALOS, FASCISTAS OU ANARQUISTAS? Fernando Alcoforado* A violência das manifestações de junho de 2013 em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras trouxe como fato novo os adeptos do “Black Bloc” que são denominados por alguns analistas de vândalos e por outros de fascistas e anarquistas. Independentemente da denominação que lhes sejam atribuídas, não há dúvidas de que a violência dos manifestantes traduz a insatisfação contra as instituições políticas corruptas do Brasil e contra o governo central que demonstra ineficiência e incapacidade total para atender as demandas da sociedade. A violência dos adeptos do “Black Bloc” tem também um caráter anticapitalista e antiglobalização porque o capitalismo e a globalização, sobretudo a financeira, são considerados os maiores responsáveis pela crise mundial que avassala o planeta e pelo agravamento da situação econômica e social em todo o mundo. Os adeptos do “Black Bloc” surgiram no Brasil também porque grande parte dos partidos políticos, sindicatos e organizações da Sociedade Civil se omitem diante da grave situação política, econômica e social vivida em nosso país haja vista que alguns deles foram cooptados pelos atuais detentores do poder e, outros, esmagados por estes demonstram incapacidade total de mobilização popular. Na prática, os adeptos do “Black Bloc” ocupam o espaço de reivindicação abandonado pelos partidos políticos, sindicatos e organizações da Sociedade Civil que apoiam o governo do PT. Os adeptos do “Black Bloc” não possuem, entretanto, uma pauta clara dos objetivos que pretendem atingir. Os adeptos da tática “Black Bloc” pregam a depredação do patrimônio privado de grandes empresas (tendo como alvos preferenciais, no Brasil, as agências bancárias e concessionárias de veículos). Fazem isso como ação simbólica de ataque às corporações capitalistas e, em última instância, ao capitalismo como sistema. A revolta dos adeptos do “Black Bloc” se manifestou, também, contra os governantes do Brasil na depredação do patrimônio público que também foi atingido nas manifestações de junho de 2013. Ao mesmo tempo, seus integrantes defendem a democracia direta desqualificando com razão as instituições da democracia representativa e do Estado brasileiro que estão a serviço dos monopólios nacionais e internacionais em detrimento dos interesses da população brasileira. As concepções anarquistas são, em geral, muito atraentes para aqueles que valorizam a democracia radical (direta) e a justiça social no enfrentamento do capitalismo e suas iniquidades. No entanto, esse radicalismo de caráter anarquista não contribui para a derrocada do capitalismo. Basta avaliar os resultados da tática “Black Bloc” nas ações antiglobalização na Europa e nos Estados Unidos como o “Occupy Wall Street”. Vejase o exemplo da Espanha que, depois das revoltas dos “indignados”, a direita voltou ao poder nas eleições seguintes e a política econômica de “austeridade”, adotada pelos neoliberais espanhóis do Partido Popular, só aprofundou a recessão e o desemprego, principalmente entre os jovens. Um fato indiscutível é o de que esquerda e direita têm projetos político-econômicos incompatíveis. Para as esquerdas, a defesa da igualdade social é um ponto essencial. Para as esquerdas, é fundamental a atuação do Estado na promoção da igualdade social. Para isso, os impostos devem ser cobrados de maneira proporcional à riqueza e à renda dos cidadãos e das empresas, algo que, como se sabe, não ocorre no Brasil. Nem mesmo 1
  • 2. o imposto sobre “grandes fortunas”, previsto na Constituição de 1988, foi regulamentado. A pauta da direita, por outro lado, é a da liberdade dos negócios, mesmo que à custa dos interesses das maiorias e, principalmente, em detrimento dos direitos das camadas mais pobres e sofridas da população. E o que querem os adeptos do “Black Bloc”, além de enfrentar a polícia e protagonizar ações que simbolizam a “destruição do capitalismo”? Que projeto têm os adeptos do “Black Bloc”? Pelo que se pode ler em sites do “Black Bloc” na internet, só há a rejeição radical ao capitalismo. Cabe observar que a tática “Black Bloc” surgiu no seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia no início da década de 1980 permanecendo muito pouco conhecida fora do Velho Continente até o fim do século XX. Foi só com a formação de um “Black Bloc” durante as manifestações contra a OMC em Seattle, em 1999, que as máscaras pretas ganharam as manchetes da imprensa mundial. É natural, portanto, que muita gente ache que a tática tenha surgido com o chamado “movimento antiglobalização” e tenha se baseado, desde o início, na destruição dos símbolos do capitalismo. O lamentável é a desinformação demonstrada sobre o assunto por certos expoentes e segmentos da esquerda tradicional brasileira que chegaram ao ponto de qualificar a tática “Black Bloc” de fascista. Os adeptos do “Black Bloc” não são nem vândalos, estrito senso, nem fascistas. Eles são anarquistas que chegaram ao Brasil por influência da experiência norte-americana. Ressalte-se que um “black bloc” é um “bloco negro”, ou seja, um grupo de militantes que optam por se vestir de negro e cobrir o rosto com máscaras da mesma cor para evitar serem identificados e perseguidos pelas forças da repressão. A corrupção desenfreada em todos os poderes da República e a incapacidade do governo brasileiro e das instituições políticas em geral de oferecer respostas eficazes para as demandas da população na atualidade tendem a aumentar a violência política no Brasil, sobretudo em 2014 quando serão realizadas eleições para a Presidência da República, os Governos de Estado e o Parlamento. Os detentores do poder utilizarão de todas as armas legais e ilegais para se manterem no comando da nação e seus adversários farão de tudo para galgarem o poder. As eleições de 2014 serão decisivas para o futuro do Brasil porque a manutenção do PT do poder ou sua substituição pelo PSDB significará o não atendimento das demandas da população com a continuidade da política neoliberal e antinacional que infelicita a nação brasileira desde 1994. A vitória de Eduardo Campos nas eleições presidenciais de 2014 com a ascensão ao poder do PSB pode significar uma mudança radical na vida brasileira se houver um rompimento com a política neoliberal e antinacional adotada pelo atual governo. Se houver mudança no comando da nação com a adoção de uma nova política econômica e financeira diametralmente oposta à atual, o futuro governo poderá se defrontar com a oposição de setores econômicos prejudicados. O País poderá ficar desorganizado e convulsionado como aconteceu na década de 1960 do século XX quando a direita arquitetou o golpe de estado que derrubou o presidente João Goulart. O caos poderá se instalar no Brasil com o incremento das manifestações da população e a volta dos adeptos do “Black Bloc” às ruas. Neste contexto, a direita, que sempre esteve voltada para a defesa dos interesses das classes dominantes e do capital internacional, tentará articular o apoio de certas parcelas da sociedade para alijar os detentores do poder. É sabido que, historicamente, em épocas de convulsões sociais, a direita se une. Em um ambiente de convulsão social, a violência dos adeptos do “Black Bloc” pode oferecer a justificativa necessária para a direita patrocinar um novo golpe de estado no Brasil para manter a política neoliberal e antinacional em vigor. 2
  • 3. Dois cenários precisam ser evitados a todo o custo pelo povo brasileiro com as eleições de 2014: o primeiro, o da continuidade dos atuais detentores do poder devido à incompetência demonstrada e o descompromisso com os reais interesses da nação que podem alimentar a convulsão social no País e, o segundo, o do insucesso de um governo de oposição ao atual que assumindo o poder adote uma política voltada para o atendimento dos interesses da nação e do povo brasileiro e que, devido a este fato, se defronte com obstáculos que levem à desorganização do País e, também, à convulsão social. Ambos os cenários podem criar, portanto, a justificativa necessária para a direita patrocinar um novo golpe de estado no Brasil para manter a política neoliberal e antinacional em vigor se os continuadores do governo atual ou um governo de oposição venha a assumir o poder e não reúna capacidade para evitar o aprofundamento da crise econômica e política e a convulsão social dela resultante. *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros. . 3