A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história

on

  • 1,116 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,116
Views on SlideShare
1,116
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história A verdade sobre a trajetória da igreja católica ao longo da história Document Transcript

  • A VERDADE SOBRE A TRAJETÓRIA DA IGREJA CATÓLICA AO LONGODA HISTÓRIAFernando Alcoforado*Aqueles que professam o catolicismo não têm a mínima percepção dos enormes desviospraticados pela Igreja Católica ao longo de sua história em relação ao que pregava JesusCristo acreditando piamente que ela representa Deus na Terra. A Igreja Católica, criadahá 2 mil anos tem sua história marcada, entretanto, com mortes, traições, roubos,pecados e até mesmo associação com alguns dos piores vilões da história dahumanidade. Após a morte de Jesus Cristo o cristianismo foi difundido pelos apóstolosPedro e Paulo enfrentando forte oposição do Império Romano, sobretudo durante ogoverno do imperador romano Nero, quando os cristãos foram torturados, empalados ehostilizados nas arenas durante espetáculos públicos.No ano 313, para fazer frente à crise e decadência do Império Romano, o ImperadorConstantino resolveu dar liberdade de culto aos cristãos e, adicionalmente, adotou aestratégia de dividir o Império Romano em duas partes: a ocidental, com a capital emRoma, representava o Império Romano do Ocidente; e a parte oriental, com a capital emConstantinopla (atual Istambul na Turquia) representava o Império Romano do Oriente.Em 390, a Igreja Católica tornou-se a religião oficial do Império Romano com atoinstituído pelo Imperador Teodósio.O papa (bispo de Roma) resistiu às insistentes tentativas de domínio do imperadorbizantino em Constantinopla, ao mesmo tempo em que os bizantinos não aceitavam enão acreditavam na figura do papa como chefe de todos os cristãos. O conflito entre obispo de Roma e o imperador bizantino levou ao que se denominou de Cisma doOriente, também chamado de Grande Cisma ou Cisma Ocidente-Oriente, quando aIgreja Católica Apostólica Romana se separou da Igreja Ortodoxa de Constantinopla.Após as invasões dos povos germânicos (bárbaros) e com a crescente crise e decadênciado Império Romano, a Igreja Católica aliou-se aos bárbaros, cristianizando-os,dominando e conquistando os vastos territórios ocidentais do Império Romano.A Igreja Católica, que no início era formada por alguns pobres homens pregando apalavra de Deus, tornou-se uma poderosa organização capaz de coroar e derrubar reis,sendo dona de vastas terras e imensa riqueza. Assim, em meados do século X, ela eraimbatível e nada temia. Parecia que nada poderia deter a poderosa Igreja Católica, atéque surgiu um inimigo à altura, uma nova religião, que poderia abalar seus alicerces: areligião muçulmana que surgiu por volta do século VII e vinha ganhando muitosadeptos, conquistando muitas terras que iam da Espanha até a Índia. A resposta daIgreja Católica foi a de promover o que hoje é conhecida como Primeira Cruzada sob opretexto de retomada da cidade de Jerusalém.A Igreja Católica chama a Primeira Cruzada de “Guerra Santa”, mas não era nadamenos do que a tentativa de diminuir a força da nova religião que surgia. Em 1095, sobas ordens do Papa Urbano II, os europeus foram para a “Guerra Santa” em nome deDeus que, após muito derramamento de sangue, a Igreja Católica conseguiu assumir ocontrole de Jerusalém e da Terra Santa. De 1095 a 1270, o confronto entre a IgrejaCatólica e os mulçumanos contribuiu para que fossem realizadas 8 cruzadas quelevaram à conquista inicial de Jerusalém pelos cristãos, seguida da reconquista pelosmulçumanos e assim sucessivamente até a derrota final da Igreja Católica na oitava 1
  • cruzada. A Igreja Católica era, nesta época, um poder econômico, territorial e bélicomaior do que o de muitos reinos europeus transformando-se em uma monarquiacomandada por papas ou tiranos mesquinhos.Durante a Idade Média (século V ao século XV), a Igreja Católica se tornou uma dasmaiores instituições religiosas e políticas do mundo ocidental. Ela era a grandedetentora de propriedades de terra, exercia o monopólio no campo do saber, erapossuidora das maiores bibliotecas medievais e era em seus mosteiros onde os estudosfilosóficos ocorriam quase sempre. Nesta época, a Igreja Católica havia abandonadototalmente a pregação de Jesus Cristo e como se não bastasse ela ainda iria criar algopara usar contra seus inimigos. Em um dos movimentos mais cruéis da história, elacriou um tribunal para julgar seus inimigos: a Inquisição.A fim de demonstrar seu poder político e também contribuir para a salvação das almasdos hereges, instalou a Santa Inquisição ou Tribunal do Santo Ofício onde as pessoasacusadas de heresias eram interrogadas por membros do clero, torturadas ou queimadasnas fogueiras. Até mesmo os Cavaleiros Templários foram considerados hereges etorturados pela Inquisição fazendo-os desaparecerem da face da Terra, apesar de seremreconhecidos como grandes devotos que rezavam e seguiam a palavra de Deus ao pé daletra.Com o advento do Renascimento na Europa, possuidores de imensa riqueza, os Papaseram os principais compradores de arte contratando os melhores artistas comoMichelangelo e Rafael para pintarem suas obras. Os Papas esbanjavam em tudo quefaziam mostrando que a Igreja Católica não diferia das monarquias europeias. AlgunsPapas, que deveriam ser os principais representantes de Deus na Terra, eram corruptos,tinham amantes e eram temidos pelos reis europeus. No Século XV, a Igreja Católicaexerceu papel fundamental na catequização e dominação dos indígenas do continenteamericano pelos colonizadores europeus no período das Grandes Navegações MarítimasEuropeias. Aliás, a difusão do cristianismo foi um dos motivos para o empreendimentomarítimo europeu.No século XVI, Lutero e Calvino, monges pertencentes à Igreja Católica, iniciaramtentativas de mudanças nos ritos católicos e colocar um fim na cobrança deindulgências, entre outras. O movimento de reforma de Lutero e Calvino alcançou umadimensão que eles próprios não haviam planejado. A reforma foi decisiva, não porromper com a fé cristã, mas por contestar as doutrinas e os ritos católicos, fundandoposteriormente o gérmen inicial da Igreja Protestante que, atualmente, concorreplenamente com a Igreja Católica quanto ao número de fiéis e adeptos pelo mundo.Depois de todas as atrocidades cometidas pela Igreja até a Idade Média, nem mesmoseus amigos confiavam nela e com o surgimento de governos mais fortes no final doperíodo, diversos países, como Espanha e França não queriam mais saber da religião seintrometendo na política, dando início à decadência da poderosa Igreja Católica cujasituação ficou mais difícil com a Revolução Burguesa de 1789 na França que levou opaís à modernidade pondo um fim ao regime absolutista. Um dos primeiros atos dessarevolução foi confiscar os bens do clero e colocar a Igreja Católica em seu devido lugar:longe das decisões políticas. Sob o comando de Napoleão, a França invadiu a Itália eocupou o Vaticano, levando o Papa Pio VI como prisioneiro. 2
  • Tudo indicava que a Igreja Católica ruiria. No entanto, para sua sorte, Napoleão foiderrotado em 1815 na Batalha de Waterloo e novamente um Papa reinou sobre oVaticano. Porém a situação era difícil porque, com o passar dos anos, cada vez mais opoder que a Igreja Católica tinha foi diminuindo e suas terras foram confiscadas pordiversos países. Chegou-se ao ponto em que se acreditava que nem mesmo a Cidade doVaticano ficaria para a Igreja Católica, apesar dos esforços do Papa Pio IX. A Igrejaestava cambaleando quando em 1920, o Papa Pio IX começou as negociações paraconseguir para que ao menos o Vaticano se tornasse uma espécie de país independente.A situação era difícil porque quem mandava na Itália naquela época era Mussolini, ofundador do fascismo. Mesmo assim, o Papa assinou com Mussolini em 1929 o Tratadode Latrão, especialmente para sediar e abrigar no Vaticano o alto clero da Igreja,ganhando sua independência e recebendo uma astronômica quantidade em dinheiro dotirano italiano, dinheiro este que foi usado para tornar o Banco do Vaticano um dosmais poderosos do mundo, que até hoje é dono de grandes empresas. Para se manterforte e sem problemas, a Igreja Católica apoiou, através do cardeal Eugene Pacelli (quedepois seria o Papa Pio XII), a assinatura da lei que dava poderes de ditador a ninguémmenos que Adolf Hitler na Alemanha.Foi desta maneira que a Igreja Católica se tornou parceira dos dois maiores vilões dahistória da humanidade no século XX (Mussolini e Hitler). Em 1933, o Partido deCentro, que era a legenda católica na Alemanha, apoiou Hitler a virar um ditador.Durante a Guerra, a Igreja jamais condenou os nazistas pelo Holocausto e virava a caracomo se nada estivesse acontecendo, enquanto milhões eram mortos na sua frente. Epara piorar, no final da Guerra, o Vaticano e a Igreja Católica ajudaram diversosnazistas católicos que queriam fugir para a Argentina. Assim diversos vistos para oscriminosos de guerra foram conseguidos graças à Igreja Católica e sua influência.Outras ações vergonhosas da Igreja Católica vieram a público, pois o Banco doVaticano, um dos mais ricos do mundo, viria a se envolver com a Máfia italiana, com asonegação de impostos, a lavagem de dinheiro, a corrupção e tantos outros crimes. Osparceiros nazistas e fascistas haviam caído durante a guerra, mas dessa parceria, a IgrejaCatólica havia angariado muito dinheiro que Mussolini pagou a ela na forma de umaindenização, além de que se fala que muito dinheiro que foi confiscado de judeusacabou indo parar nos cofres do Vaticano durante a Segunda Guerra. Com toda essafortuna, os chefes católicos resolveram investir em algo que lhe desse ainda maisdinheiro: um banco. Já em 1958, a Igreja tinha mais de 500 milhões de dólares além dos940 milhões de dólares investidos no IOR (Instituto para Obras da Religião), maisconhecido como o Banco do Vaticano.Em 1978, um novo Papa foi eleito, João Paulo I, que prometeu acabar com todos oscrimes e com o envolvimento do Banco do Vaticano com a Máfia. Misteriosamente,apenas um mês depois de assumir, João Paulo I foi encontrado morto. Os porta-vozes daIgreja falaram que ele foi vítima de um infarto, mas muitos acreditam que ele foi mortopela Máfia devido as suas ameaças. Apesar dos escândalos e envolvimento com a MáfiaItaliana, a Igreja jamais perdeu suas fortunas, ainda mais pelo fato de ela não pagarimpostos em praticamente nenhum lugar do mundo, o que lhe dá grande vantagem, poispode movimentar dinheiro da maneira que bem entender e investir nos mais diversosmercados. 3
  • A Igreja Católica não lida com pouco dinheiro. Suas fortunas chegam facilmente à casados bilhões, fora escolas, empresas e outras coisas de que é dona de maneira meioescondida mundo a fora. Fala-se que ela é uma das maiores acionistas de uma empresaque fabrica armas, chamada Pietro Beretta Ltda, uma das maiores do mundo. Com essadiversificação de negócios, a Igreja conseguiu muitos lucros montando um império semprecedentes. O Museu do Vaticano possui 120 mil obras de arte de grande valor, maselas não estão precificadas, mas certamente chegariam à casa das centenas de bilhões dedólares.A Igreja Católica tem mais de cem mil propriedades em todo o mundo, sendo quemuitas delas são hospitais, universidades, colégios, etc. Apenas na Alemanha, a IgrejaCatólica possui meio trilhão de reais em propriedades. Em ações, o Vaticano tem maisde oito bilhões investidos nos mais diversos negócios ao redor do mundo. Enfim, essa éa fortuna da Igreja, que talvez tenha mais dinheiro do que as maiores empresas domundo e certamente possui muito mais do que a grande maioria dos países desseplaneta. Talvez com todo esse dinheiro que ela possui pudéssemos acabar com boaparte, se não toda a fome do mundo, mas os Papas jamais deixariam esse dinheiro seroferecido porque, afinal, eles e a Igreja Católica precisam manter seu status.Esta é a real história da Igreja Católica. Lamentavelmente, com a imagem de umainstituição considerada santa por muitos católicos e vista como a representante de Deusna Terra, sua trajetória ao longo da história é antítese da pregação de Jesus Cristo.BIBLIOGRAFIA:BLAINEY, Geoffrey. Uma breve história do cristianismo. Curitiba: EditoraFundamento.HILL, Jonathan. Historia do cristianismo. São Paulo: Editora Rosari.KAUTSKY, Karl. A Origem do cristianismo. Rio: Editora Civilização Brasileira.MINILUA. O lado oculto da Igreja Católica. Disponível no website<http://minilua.com/o-lado-oculto-da-igreja-catlica-9/>.*Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regionalpela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico,planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor doslivros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordemMundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000),Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade deBarcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento(Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e ObjetivosEstratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of theEconomic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. MüllerAktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e CatástrofePlanetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil ecombate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) eOs Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entreoutros. 4
  • STORIA DO 5