• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Catecismo cica
 

Catecismo cica

on

  • 3,184 views

catequeses do cica

catequeses do cica

Statistics

Views

Total Views
3,184
Views on SlideShare
3,184
Embed Views
0

Actions

Likes
5
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Catecismo cica Catecismo cica Presentation Transcript

    • C.I.C.A. ESQUEMAS E religião SÍNTESES CATÓLICA Apoio no C.I.C., biblia e nos documentos da santa igreja
    • BALEN, Hendrick van Santa Trindade 1620s Sint-Jacobskerk, Anberes O mistério da Santíssima Trindade
    • Compêndio do Catecismo  Qual é o mistério central da fé e da vida cristã?  232-237  O mistério central da fé e da vida cristã é o mistério da Santíssima Trindade. Os cristãos são baptizados no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
    • de ordem natural (Existe cancro e sida, mas não sabemos a cura). Mistérios de ordem sobrenatural (Entre as verdades que Deus nos ensinou existem algumas que não entendemos; A nossa mente não pode compreender Deus totalmente, porque Ele é infinito).
    • Os mistérios não se compreendem, mas, ao conhecê-los, a fé torna-se firme e operativa.
    • O maior mistério da nossa fé é o da Santíssima Trindade Este mistério consiste em que há um só Deus e três Pessoas distintas, que são o Pai, o Filho e o Espírito Santo
    • Deus Pai criou-nos. Deus Filho salvou-nos, morrendo na Cruz. Deus Espírito Santo santifica-nos, em especial através dos sacramentos. Tudo recebemos da Santíssima Trindade.
    • Este mistério existe, porque Jesus o revelou. “Eu e o Pai somos um só” (João 10,30) “Recebei o Espírito Santo” (João 20,22)
    •  A Trindade é algo parecido com o sol:  o sol está no céu e produz luz e calor; a luz e o calor não são diferentes do sol.
    • Temos de louvar a Santíssima Trindade  Deus ama-nos duma maneira incrível. Temos de corresponder a tanto amor, e a vida cristã tem que ser um contínuo louvor à Trindade.  Professamos a fé na Santíssima Trindade  quando nos benzemos e persignamos, dizendo "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo";  ao rezar o "Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo" ;  quando rezamos o Gloria ou o Credo na Santa Missa e no fim da Oração eucarística
    • O homem que vive em graça é templo vivo da Trindade Beatíssima (João 14,23).
    • No céu veremos a Santíssima Trindade  O grande prémio do céu consiste em ver a Deus, contemplar, louvar, amar e gozar por toda a eternidade a Trindade Beatíssima:  Toda a grandeza, toda a formosura, toda a bondade de Deus se reverte sobre esta pobre criatura que somos cada um de nós.  No céu a alma terá a possibilidade de ver o que Moisés quis ver na terra: a majestade de Deus. LÓPEZ Y PORTANA, Vincente Adoração da Trindade 1791-92 Colecção privada
    • Lê-se no Génesis 2, 18: “ Desde o princípio que Deus tinha preparado um jardim Bíblia delicioso onde colocou o homem que tinha formado e onde o Senhor Deus tinha feito nascer da terra toda a espécie de árvores belas à vista e de frutos agradáveis ao paladar.”
    • No princípio, Deus criou o céu e a terra”. Verdade de fé cristã e também os judeus e os muçulmanos. Deus cria „do nada’. A criação a partir do nada é um mistério da fé. Lê-se no CIC 296: «Deus cria „do nada‟. Cremos que Deus não necessita de nada preexistente, nem de qualquer ajuda para criar. (…)».
    • No princípio, só existia Deus. Depois Deus criou todas as coisas. No primeiro dia criou a luz. E começou assim o dia e a noite. No segundo Deus criou o céu e separou a água da terra. No terceiro dia criou as árvores, as ervas e as plantas para encher a terra.
    • No quarto dia, Deus criou o sol, a lua e as estrelas para encher o céu. No quinto dia, encheu de vida o mundo. Primeiro criou os pássaros e os peixes. E depois Deus criou todos os animais da terra. Leões, coelhos, macacos, ursos, burritos, gatos... e muitos mais.
    • E por fim , no sexto dia, criou o que mais deseja: os homens. Ao primeiro homem chamou-lhe Adão. E à primeira mulher, Eva. Deus pôs Adão e Eva no Paraíso. O Génesis (3,8) regista a relação de grande amizade que Deus tinha com o homem e a mulher. O Paraíso era um lugar muito bonito, maravilhoso.
    • Deus viu que tudo o que tinha criado era muito bom. E no sétimo dia descansou. Deus é o nosso Pai que está no céu. Deus criou tudo, porque nos quer bem.
    • Deus comprova todos os dias da criação que o que fez é bom. Não faz parte da sua intenção criar nada defeituoso, manchado ou marcado pelo mal. Não há seres radicalmente originados no mal desde o princípio. Veremos a aparição do mal mais adiante.
    • Os sete dias da Criação são dias tomados em sentido metafórico. São etapas sucessivas na acção de Deus, que correspondem ao equilíbrio e harmonia que contemplamos nas realidades naturais.
    • Esta situação de bondade, felicidade e amizade converteu-se noutra muito diferente quando o homem cometeu o primeiro pecado. O mal que existe no mundo – mentiras, morte, a dor, os sofrimentos, ódio, guerras, as calamidades, etc. – teve origem no pecado original cometido por Adão e Eva no Paraíso.
    • Este primeiro pecado chama-se original porque foi a origem de todos os outros pecados.
    • Compêndio do Catecismo  Em que consiste o primeiro pecado do homem?  396-403 415-417  O homem, tentado pelo diabo, deixou apagar no seu coração a confiança em relação ao seu Criador e, desobedecendo-lhe, quis tornar-se «como Deus», sem Deus e não segundo Deus (Gn 3, 5). Assim, Adão e Eva perderam imediatamente, para si e para todos os seus descendentes, a graça da santidade e da justiça originais.
    • O demónio, vendo aquela felicidade, que ele tinha perdido por se ter revoltado contra Deus, teve inveja de Adão e Eva e incitou-os a desobedecer ao mandato divino.
    • Lê-se no Génesis 3, 4: “Então a serpente disse à Bíblia mulher: „Não, não morrereis. Mas Deus sabe que, no dia em que comerdes o fruto, os vossos olhos abrir-se-ão e tornar-vos-eis como deuses, conhecedores do bem e do mal‟.”
    • Deus havia recordado a Adão e Eva o perigo da desobediência (“se comerdes do fruto, morrereis”), não porque quisesse o castigo dos homens, mas para os prevenir do caminho que se abre fora da união com Deus.
    • O tentador oferece-lhes uma divinização falsa, porque não tem em conta a Lei e o Amor de Deus para com eles. É “pai da mentira” (Jo 8, 44).
    • “Os olhos da alma embotam-se; a razão crê-se auto-suficiente para entender tudo, (…). Arrastada por essa tentação, a inteligência humana considera-se o centro do universo, entusiasma-se de novo com o „sereis como deuses‟ e, enchendo-se de amor por si mesma, volta as costas ao amor de Deus”. São Josemaría, em Cristo que passa
    • Adão e Eva desobedeceram a Deus e cometeram um pecado gravíssimo: o pecado original. Foi um pecado de soberba, pois quiseram ser como Deus, e se submeteram ao demónio. Todos os homens herdaram este pecado. Em Adão pecou todo o género humano: ao receber dos nossos primeiros pais a natureza, recebemo-la manchada com aquela culpa e, portanto, privados da graça e de todos os outros dons.
    • “Todavia, a transmissão do pecado original é um mistério que nós não podemos compreender plenamente. Mas sabemos, pela Revelação, que Adão tinha recebido a santidade e a justiça originais, não só para si, mas para toda a natureza humana; consentindo na tentação, Adão e Eva cometeram um pecado pessoal, mas este pecado afecta a natureza humana que eles vão transmitir…”.
    • Segundo ensina a Igreja, o pecado original transmite-se a todos os homens – com excepção de Nossa Senhora – juntamente com a natureza humana por «propagação», quer dizer, como uma espécie de contágio universal. O pecado original é-nos perdoado quando recebemos o sacramento do Baptismo.
    • “O Baptismo, ao conferir a vida da graça de Cristo, apaga o pecado original e reorienta o homem para Deus, mas as consequências para a natureza, enfraquecida e inclinada para o mal, persistem no homem e convidam-no ao combate espiritual”. (CIC 405)
    • Uma história de pecado Adão e Eva desobedeceram a Deus e pecaram. Foi um pecado de soberba, pois quiseram ser como Deus, e se submeteram ao demónio. O pecado entrou no mundo com a desobediência de Adão e Eva. Com este pecado perderam a amizade divina (graça) e os dons; as suas forças naturais ficaram feridas e sentiram a inclinação para o mal. A Bíblia conta como se multiplicaram os pecados sobre a terra: “Caim mata o seu irmão Abel” (Génesis, 4, 3-10) “Corrupção dos contemporâneos de Noé” (Génesis, 6, 5-7) “Soberba dos construtores da torre de Babel” (Génesis, 11)
    • com a pregação do Reino de Deus começou a fundar a Igreja e a eleição dos Apóstolos. JESUS CRISTO instituindo a Eucaristia, morrendo na Cruz. a fundação concluiu e da Igreja e enviando o Espírito Santo no dia de Pentecostes.
    • FORMAÇÃO DA IGREJA - 4 etapas - 1ª) Jesus escolheu 12 Apóstolos Para estarem com Ele e para os enviar a pregar. 2ª) Jesus escolheu Pedro para chefe dos Apóstolos e Pastor de toda a Igreja. 3ª) Jesus morreu e ressuscitou para nos reconciliar com Deus e reunir todos os baptizados num só Povo que é a Igreja. 4ª) A vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes Neste dia, a Igreja manifestou-se publicamente, desenvolvendo-se rapidamente pela força do Espírito Santo.
    • O fim da Igreja fundada por Jesus é ensinar a todas as gentes o caminho para alcançar a felicidade eterna no Céu.
    • Projecto IGREJA de Salvação (novo Povo de Deus) dos Homens Jesus deu origem ao novo povo que é a Igreja Uma Cabeça invisível Cristo Uma Cabeça visível Papa e o Colégio Episcopal Uma Alma (que lhe dá a vida) Espírito Santo Uma Lei O mandamento do Amor Os membros Todos os baptizados Anunciar e antecipar Uma missão já neste mundo a plenitude do Reino de Deus
    • ORTODOXA PROTESTANTE IGREJAS CRISTÃS ANGLICANA CATÓLICA UNA QUAL A A que tem todas as características SANTA FUNDADA POR que Jesus quis que a Sua Igreja tivesse: JESUS? CATÓLICA APOSTÓLICA
    • (a mesma) FÉ (os mesmos) SACRAMENTOS UNA HIERARQUIA (PASTORES) (a mesma) HIERARQUIA (os mesmos PASTORES) Para a Igreja local Para a Igreja universal Significa que não há diversas igrejas fundadas por Jesus, mas apenas uma. O Bispo O Papa
    • O SEU FUNDADOR, JESUS CRISTO, É SANTO A DOUTRINA QUE NOS ENSINA É SANTA SANTA PROMOVE A SANTIDADE DE TODOS E OFERECE OS MEIOS OS Significa que é santa na sua SACRAMENTOS A Cabeça (Jesus Cristo) e em muitos dos seus membros, ORAÇÃO (são santos) e que possui todos os meios para santificar os homens. para a alcançar
    • CATÓLICA e APOSTÓLICA Significa que é universal. Significa que Jesus Jesus fundou a sua Igreja fundou a Sua Igreja para que o Evangelho sobre os Apóstolos fosse pregado por e seus sucessores, toda a terra. o Papa e os bispos.
    • CATÓLICA e APOSTÓLICA fundada sobre os UNIVERSAL APÓSTOLOS FUNDADA POR JESUS para todos os homens e mulheres A Igreja descende dos Apóstolos. espalhados por todas as nações da terra O Papa (Bispo de Roma) de todos os tempos e outros Bispos de todas as raças e línguas são os sucessores dos Apóstolos. ensina toda a doutrina de Jesus Cristo e não só parte dela, como o fazem outras confissões cristãs. Há muita gente no mundo que não conhece Jesus Cristo, o Salvador dos homens. Por isso, é necessário que o Evangelho de Jesus seja ensinado até ao último recanto da terra, para que todos os povos tenham acesso à salvação. Muitos cristãos realizam esta tarefa apostólica, em particular, os missionários.
    • (a mesma) FÉ (os mesmos) SACRAMENTOS UNA HIERARQUIA (PASTORES) (a mesma) HIERARQUIA (os mesmos PASTORES) Para a Igreja local Para a Igreja universal Significa que não há diversas igrejas fundadas por Jesus, mas apenas uma. O Bispo O Papa
    • O SEU FUNDADOR, JESUS CRISTO, É SANTO A DOUTRINA QUE NOS ENSINA É SANTA SANTA PROMOVE A SANTIDADE DE TODOS E OFERECE OS MEIOS OS Significa que é santa na sua SACRAMENTOS A Cabeça (Jesus Cristo) e em muitos dos seus membros, ORAÇÃO (são santos) e que possui todos os meios para santificar os homens. para a alcançar
    • CATÓLICA e APOSTÓLICA Significa que é universal. Significa que Jesus Jesus fundou a sua Igreja fundou a Sua Igreja para que o Evangelho sobre os Apóstolos fosse pregado por e seus sucessores, toda a terra. o Papa e os bispos.
    • CATÓLICA e APOSTÓLICA fundada sobre os UNIVERSAL APÓSTOLOS FUNDADA POR JESUS para todos os homens e mulheres A Igreja descende dos Apóstolos. espalhados por todas as nações da terra O Papa (Bispo de Roma) de todos os tempos e outros Bispos de todas as raças e línguas são os sucessores dos Apóstolos. ensina toda a doutrina de Jesus Cristo e não só parte dela, como o fazem outras confissões cristãs. Há muita gente no mundo que não conhece Jesus Cristo, o Salvador dos homens. Por isso, é necessário que o Evangelho de Jesus seja ensinado até ao último recanto da terra, para que todos os povos tenham acesso à salvação. Muitos cristãos realizam esta tarefa apostólica, em particular, os missionários.
    • PASTORES DA IGREJA Todos os que recebemos o baptismo formamos a Igreja. E todos temos uma missão a cumprir: ser bons discípulos de Jesus Cristo e estender o seu Reino por todo o mundo. Uns fazem-no como fiéis correntes; Outros com uma autoridade recebida de Deus para guiar o novo Povo de Deus até ao Céu. Estes são os Pastores da Igreja. Na Igreja, os pastores são, principalmente, o Papa e os Bispos que guiam o povo cristão em nome de Jesus Cristo. Quando fundou a sua Igreja, Jesus quis estabelecer uma autoridade nuns Pastores, que se encarregaram de dirigir e servir todos os cristãos. Esses Pastores foram os Apóstolos.
    • HIERARQUIA DA IGREJA PAPA Sucessor de São Pedro e bispo de Roma. É o pastor da Igreja universal. Chama-se Vigário de Cristo porque representa Jesus Cristo na terra. É também designado por Santo Padre, Romano Pontífice e Sumo Pontífice. A palavra papa deriva do grego e significa Pai. BISPOS São os sucessores dos Apóstolos. Governam, em comunhão com o Papa e sob a sua autoridade, uma fracção da Igreja chamada diocese. SACERDOTES São os membros do Povo de Deus que receberam a ordenação sacerdotal para exercer o ministério como colaboradores dos bispos. O sacerdote que está à frente de uma paróquia chama-se pároco. Paróquia é a Igreja que atende espiritualmente os fiéis de uma determinada zona. DIÁCONOS São os cristãos que receberam o sacramento da ordem para colaborar com o bispo e com os sacerdotes de uma diocese em diversos serviços para o bem da Igreja.
    • OUTROS MEMBROS DA IGREJA OS LEIGOS OU SECULARES São membros do Povo de Deus chamados a dar testemunho de Cristo no Mundo, levando o espírito do Evangelho a todas as actividades humanas. OS RELIGIOSOS São os homens e mulheres que consagram a sua vida a Deus, dando testemunho público de castidade, pobreza, obediência e de esperança no Céu.
    • MISSÃO DOS PASTORES DA IGREJA 1ª) Ensinar a Palavra de Deus Os Pastores realizam esta missão quando ensinam aos fiéis as verdades cristãs por meio do Magistério da Igreja. O Papa ensina-nos com os seus discursos, encíclicas, etc. Os bispos com as suas cartas pastorais, homilias, etc. Os sacerdotes com a sua pregação e catequese. 2ª) Santificar os fiéis Os pastores da Igreja santificam os fiéis, em nome de Jesus Cristo, principalmente quando celebram e administram os sacramentos. 3ª) Guiar e governar a Igreja Os pastores da Igreja guiam e governam os fiéis, quando os conduzem pelo caminho da salvação, sempre com espírito de serviço.
    • A IGREJA E A FRATERNIDADE Nesta sociedade os apóstolos SOCIEDADE PAGÃ Pedro e Paulo pregam a igualdade DOS dos homens perante Deus. PRIMEIROS TEMPOS DO CRISTIANISMO HOMENS LIVRES Os papas S, Cornélio ESCRAVOS e S. Calisto tinham sido escravos. S. Calisto tinha na fronte a marca do ferro. Considerados como coisas, propriedade Anos mais tarde, por influência do Cristianismo, do seu dono e destinados ao seu serviço. a escravatura foi abolida e o mundo experimentou Compravam-se e vendiam-se como se grande progresso na justiça e fraternidade, fossem gado ou qualquer outra mercadoria. graças à pregação do Evangelho.
    • A IGREJA AO SERVIÇO DO REINO DE DEUS Jesus expôs várias parábolas para explicar “O Reino de Deus é semelhante o Reino de Deus ou Reino dos Céus . a um grão de mostarda que um homem semeia no campo. Sendo uma semente tão pequena, O Reino de Deus, pouco conhecido a princípio, torna-se, ao crescer, uma árvore espalhar-se-á por toda a terra e muitas nações tão grande que as aves do céu correrão para ele, a fim de encontrarem a paz e o vêm poisar nos seus ramos” repouso. O Homem é Jesus Cristo; o campo, (Mateus 13, 31-32) o mundo. O grão de mostarda entende-se da pregação do Evangelho e da Igreja: com uns princípios muito pequenos chega a estender-se por todo o mundo. ensinando o Evangelho, A Igreja está ao serviço a caridade do Reino de Deus e realiza esse serviço e a justiça por todo o mundo.
    • A IGREJA AO SERVIÇO DO REINO DE DEUS Jesus expôs várias parábolas para explicar “O Reino de Deus é semelhante o Reino de Deus ou Reino dos Céus . a um grão de mostarda que um homem semeia no campo. Sendo uma semente tão pequena, torna-se, ao crescer, uma árvore tão grande que as aves do céu vêm poisar nos seus ramos” (Mateus 13, 31-32) ensinando o Evangelho, A Igreja está ao serviço a caridade do Reino de Deus e realiza esse serviço e a justiça por todo o mundo.
    • A IGREJA ANUNCIA O EVANGELHO A Igreja continua a cumprir o mandato de Jesus Cristo ao anunciar o Evangelho por todo o mundo. A este dever de ensinar a doutrina de Jesus Cristo chama-se Magistério. A Igreja exerce-o por meio do Papa e dos Bispos, que são os sucessores dos apóstolos. A Igreja guarda e explica, portanto, com autoridade, a Palavra de Deus que lhe foi confiada. Também os leigos têm o dever de ensinar aos outros com o seu exemplo e com a sua palavra. No dia da Ascensão ao Céu, o Senhor deu aos Seus Apóstolos a missão de ensinar o Evangelho do Reino de Deus, dizendo-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a todas as criaturas (…) (…) E eles, partindo dali, pregaram em toda a parte (Marcos16, 15 e 20) Os Actos dos Apóstolos contam-nos o modo como os apóstolos pregaram o Evangelho de Jesus, primeiro na Palestina e depois em muitos outros países.
    • O que é o Magistério da Igreja? Magistério (da Igreja) : ensinamentos que a Igreja dá aos fiéis, através do Papa e dos Bispos.
    • DEVEMOS OBEDECER AO MAGISTÉRIO A Igreja conservará sempre a autêntica fé de Jesus, uma vez que Jesus e o Espírito Santo estão sempre com a Sua Igreja para evitar que ela, quando ensina, se engane. Todos os fiéis devem obedecer ao Magistério da Igreja que lhes chega através do Papa e dos Bispos. Ao obedecerem aos ensinamentos Ao fazê-lo, estamos a obedecer ao próprio do Magistério da Igreja, os cristãos Jesus que disse: “Quem vos ouve, a Mim estão a espalhar o Reino de Deus ouve; quem vos despreza, a Mim no mundo. despreza (Lucas 10, 16).
    • ACÇÃO CARITATIVA DA IGREJA A Igreja conservará sempre a autêntica fé de Jesus uma vez que Jesus e o Espírito Santo estão sempre com a Sua Igreja para evitar que ela, quando ensina, se engane. curou os enfermos, Com as suas obras Jesus consolou os tristes, demonstrou o seu grande deu de comer aos famintos amor aos homens: etc. pobres Os primeiros cristãos, animados pelo órfãos exemplo de Jesus e dos apóstolos, atendiam às necessidades dos viúvas doentes hospitais, Hoje, a Igreja cuida também dos Infantários, enfermos e dos pobres através dos seus Casas para emigrantes, etc.
    • A IGREJA E A PROMOÇÃO DA PAZ A Igreja, segundo os ensinamentos do Senhor, é a grande impulsionadora da justiça e da paz no mundo. O Papa assume um papel de grande relevo na promoção da paz entre os homens e as nações. É, sem dúvida, quem dá o maior contributo. ESCOLAS, A Igreja sempre COLÉGIOS contribuiu para o UNIVERSIDADES progresso cultural IMPULSO DAS ARTES, dos homens etc. através de:
    • O DEVER DE FAZER APOSTOLADO “Os leigos têmo direito e o dever de ser apóstolos. Ao pertencer, Nós devemos fazer apostolado, pelo Baptismo, ao Corpo Místico de Cristo, fortalecidos pelo Espírito através da como nos recorda o Concílio Vaticano II: Confirmação, são destinados pelo Senhor ao Apostolado”. Fazer apostolado significa ajudar os outros, com o bom exemplo e a palavra, a conhecer mais e melhor a Deus. Todos os baptizados têm o direito e o dever de fazer apostolado, contribuindo, deste modo, para a propagação do Reino de Deus no mundo.
    • A PRESENÇA DA IGREJA NAS MISSÕES Chamam-se “missões” às actividades promovidas pela Igreja para a pregação do Evangelho entre povos ou grupos que ainda não conheceram Jesus Cristo. A primeira actividade missionária da Igreja foi realizada pelos primeiros cristãos ao evangelizarem vastos territórios da zona mediterrânica. Na Idade Média, já quase toda a Europa fora evangelizada. As missões iniciaram-se na Ásia durante o século XII no tempo do famoso Gengis Khan. A América foi evangelizada pelos espanhóis e pelos portugueses, a partir de 1492, A actividade missionária na África e na Oceânia foi notavelmente Impulsionada desde meados do século XIX..
    • A PRESENÇA DA IGREJA NA PROMOÇÃO DA CULTURA A Igreja foi a principal impulsionadora da cultura, principalmente até à Idade Moderna. As primeiras universidades do mundo apareceram por iniciativa da Igreja durante o século XIII, como resultado do desenvolvimento das antigas escolas episcopais e monacais. Assim nasceram as famosas universidades de Paris, Salamanca, Bolonha, etc. Esta actividade em favor da cultura continuou, ao longo dos séculos, até aos nossos dias. São numerosíssimas as universidades e escolas católicas nos cinco continentes.
    • A PRESENÇA DA IGREJA NA PROMOÇÃO DA CULTURA Ainda assim, a Santa Sé promove a presença da Igreja no mundo da cultura, através do Conselho Pontifício da Cultura. Mas são principalmente os leigos que são chamados a assegurar a presença do Evangelho em todas as manifestações da cultura.
    • PROMOÇÃO DA ACTIVIDADE CARITATIVA Os primeiros cristãos, viveram pobres intensamente o “mandamento novo” órfãos de Jesus, atendendo aos viúvas mais necessitados doentes hospitais, A Igreja , ao longo da história, não cessou asilos, de praticar esse mandamento, promovendo orfanatos, todo o tipo de iniciativas leprosarias, em favor dos serviços de assistência aos pobres e dos desvalidos: doentes com sida, etc.
    • PROMOÇÃO DA ACTIVIDADE CARITATIVA É cada vez maior o número de leigos que participam em todo o mundo nas actividades de caridade e assistência, através do moderno “voluntariado”. São numerosíssimas em todo o mundo as ordens religiosas que se dedicam a essas tarefas. A Igreja também nelas colabora, através de instituições, como a “Caritas”.
    • OBRAS DE ASSISTÊNCIA DIRIGIDAS PELA IGREJA HOSPITAIS DISPENSÁRIOS LEPROSARIAS ORFANATOS ÁFRICA 961 3886 266 835 AMÉRICA 1966 4930 60 3166 ÁSIA 964 3086 443 865 EUROPA 1420 2738 21 3158 OCEANIA 147 166 3 192 TOTAL 5478 14806 793 8216
    • PROMOÇÃO DA JUSTIÇA E DA PAZ A Igreja é uma permanente promotora da paz e da justiça no mundo, pois a mensagem dos Papas, através dos seus ensinamentos (principalmente as encíclicas) contribuem decisivamente para se ir formando um ambiente internacional de maior respeito pela dignidade da pessoa humana.
    • SANTA MARIA, MÃE DA IGREJA É venerada por milhões de cristãos, católicos e não católicos. Sábios e pessoas simples, jovens e adultos, artistas, teólogos, poetas, veneram Nossa Senhora com muito carinho. As suas imagens multiplicam-se aos milhões. Erguem-se catedrais, santuários, ermidas, etc., em sua honra. Cumprem-se rigorosamente à letra as palavras proféticas que Ela proferiu durante a visitação a sua prima Santa Isabel: “Todas as gerações me chamarão Bem-aventurada” (Lucas 1, 48).
    • Do mesmo modo que na família a relação de maternidade é única e irrepetível, assim a nossa relação com a Mãe do Céu é única e diferente para cada cristão. E do mesmo modo que João a acolheu em sua casa, cada cristão há-de “entrar” no raio de acção daquela “caridade materna”. A cada um quer como se fosse o único filho, e se desvela pela nossa santidade, pela nossa salvação, como se não tivesse outros filhos na terra. Muitas vezes temos de chamá-la Mãe!... A maternidade divina de Maria é a raiz de todas as perfeições e privilégios que a adornam. Por esse título, foi concebida imaculada e está cheia de graça, é sempre virgem, subiu ao Céu em corpo e alma, foi coroada rainha de toda a criação, acima dos anjos e dos santos. Mais que Ela, só Deus.
    • Do mesmo modo que na família a relação de maternidade é única e irrepetível, assim a nossa relação com a Mãe do Céu é única e diferente para cada cristão. E do mesmo modo que João a acolheu em sua casa, cada cristão há-de “entrar” no raio de acção daquela “caridade materna”. A cada um quer como se fosse o único filho, e se desvela pela nossa santidade pela nossa salvação como se não tivesse outros filhos na terra. Muitas vezes temos de chamá-la Mãe!... A maternidade divina de Maria é a raiz de todas as perfeições e privilégios que a adornam. Por esse título, foi concebida imaculada e está cheia de graça, é sempre virgem, subiu ao Céu em corpo e alma, foi coroada rainha de toda a criação, acima dos anjos e dos santos. Mais que Ela, só Deus.
    • Nossa Senhora na História da Salvação Maria ocupa um lugar singularíssimo e irrepetível nos Planos de Deus para a salvação dos homens. Está associada à tarefa redentora do Seu Filho. No Paraíso Deus disse à serpente: «Ponho perpétua inimizade entre ti e a MULHER, entre a tua descendência e a Sua; ela te esmagará a cabeça» (Génesis 3, 14-15). A grandeza de Maria provém do facto de ser Mãe de Deus. O principal título de Maria é o da sua maternidade divina. Quando a Virgem livremente respondeu sim aos desígnios que o Criador lhe revelou, o Verbo Divino assumiu a natureza humana – a alma racional e o corpo formado no seio puríssimo de Maria.
    • PRINCIPAIS PRIVILÉGIOS MARIANOS 6 PRIVILÉGIOS E PRERROGATIVAS NOSSA SENHORA Conjunto de qualidades e perfeições com que Deus dotou Sua Mãe. a) Maternidade divina de Maria. b) Imaculada Conceição c) Virgindade perpétua d) Assunção aos céus e) Maria é Corredentora f) Maria é Medianeira de todas as graças
    • PRINCIPAIS PRIVILÉGIOS MARIANOS 6 Sendo Mãe de Jesus Nossa Senhora é verdadeiramente Mãe de Deus. Maternidade divina de Maria. AAnunciação e Encarnação. maternidade divina de Nossa Senhora é a causa (raiz) de todas as suas perfeições e privilégios. Em atenção aos méritos e santidade de Jesus Cristo, o Redentor, “a Virgem Maria foi Imaculada Conceição preservada de todo o pecado. Limpa imune de toda a mancha de pecado original desde o primeiro instante da sua Conceição…”. (Pio IX, Bula do dogma da Imaculada Conceição, 8 –XII -1854). Maria concebeu no seu seio o Filho de Deus por obra do Espírito Santo (Lucas 1, 35 e Mateus 1, 20). Virgindade perpétua «Não conheço varão». Este Filho, Jesus, nasceu virginalmente por milagre de Deus. Senhor quis que virgindade antes, durante e depois do parto do Seu Filho Jesus.
    • PRINCIPAIS PRIVILÉGIOS MARIANOS 6 Os cristãos acreditam que Nossa Senhora foi elevada aos Céus em Corpo e Alma. Deus não permitiu a corrupção do corpo Assunção aos céus Subiu ao Céu emno sepulcro Alma. da Mãe de Seu Filho Corpo e e fê-la participante da Glória do Seu Filho, levando-a em corpo e alma para o Céu. O Papa Pio XII definiu este dogma, em 1950. Nossa Senhora participou intimamente em toda a obra redentora do seu Filho, Maria é Corredentora estando presente no Sacrifício do Calvário Sofreu juntoseu próprio sacrifício pela e oferecendo o da Cruz de Jesus. salvação de todos os homens, ( oferecendo o Seu Filho ao Pai, juntamente com a sua dor de Mãe), pelo que merece o título de corredentora. Com a sua poderosa intercessão, obtém Maria é Medianeira Envia-nos todas as graças. para nós todas as graças. Por ser nossa de todas as graças Mãe continua, no Céu, a sua missão salvadora.
    • MARIA, MÃE DA IGREJA A 21 de Novembro de 1965, nos últimos dias do Concílio Vaticano II, Nossa Senhora foi proclamada Mãe da Igreja pelo Papa Paulo VI. Nossa Senhora é Mãe da Igreja; por ser Mãe de Cristo é também Mãe de todo o seu Corpo Místico que é a Igreja. Pode dizer-se que a Igreja nasceu principalmente nos seguintes dois momentos; nesses momentos Nossa Senhora teve um papel de primordial importância: 1 No Calvário, a Igreja nasceu do sangue de Cristo e aí Maria foi constituída por Jesus Cristo Mãe dos cristãos (ver Evang. São João). 2 No dia de Pentecostes nasceu publicamente a Igreja. Os seus membros, nesse dia, estavam reunidos sob o amparo de Nossa Senhora (ver Actos dos Apóstolos).
    • O culto a Nossa Senhora O povo cristão, consciente do papel de Nossa Senhora como Medianeira de todas as graças, invoca-a de inúmeras maneiras diferentes: Mãe, Advogada, Refúgio dos pecadores, Causa da nossa alegria, Auxílio dos cristãos, Saúde dos enfermos, etc. A Igreja dedicou sempre a Nossa Senhora um culto de veneração especial: na celebração das suas festas, nas orações e cantos que lhe são dedicados, na imitação das suas atitudes cristãs mais profundas, etc. Os santuários, catedrais e igrejas dedicadas a Nossa Senhora espalham-se pelas cidades, vilas e aldeias.
    • PRINCIPAIS DEVOÇÕES MARIANAS a) TERÇO A recitação do Terço, considerando os mistérios, repetindo os Pai Nossos e as Avé Marias, os louvores à Santíssima Trindade e a invocação à Mãe de Deus, é um contínuo acto de fé, de esperança de amor, de adoração e reparação. Convém rezar o Terço diariamente, melhor em família (indulgência plenária), se possível . Rezar o Terço conduz à contemplação da vida de Jesus e de Maria. É algo mais que uma pura repetição de palavras, pois as pessoas que se querem, sempre dão um sentido renovado ao seu trato habitual. A Virgem recomendou nas aparições de Lurdes e de Fátima a recitação do Terço, e todos os Papas dos últimos tempos têm prometido a sua devoção. b) ANGELUS OU REGINA COELI É uma paragem no nosso dia para saudar a nossa Mãe com alegria. É como que uma citação/récita amorosa que diariamente temos com Ela e que requer sermos pontuais. Recordamos-lhe o instante em que disse fiat ! (o sim, faça-se!) a Deus, tornando possível a nossa salvação.
    • PRINCIPAIS DEVOÇÕES MARIANAS c) JACULATÓRIAS São pequenas orações, que podemos repetir durante todo o dia – com o São frases que podemos dizer na rua, no local de trabalho, no elevador, coração – sem necessidade de palavras; são “setas” dirigidas ao coração no carro, enquanto comemos..., e que podemos tirar de orações de Nossa Senhora. Quando queremos muito a uma pessoa, recordamo-la tradicionais ou inventá-las nós próprios, segundo a nossa necessidade. muitas vezes ao dia. Isso mesmo devemos fazer com a Virgem, recordá-la Bendita és! Mãe, ajuda-me! Obrigado, minha Mãe, etc. muitas vezes e dizer-lhe alguma frase carinhosa, de poucas palavras. d) TRÊS AVE MARIAS DA NOITE É um bom costume rezar três Avé Marias antes de deitar, pedindo a virtude da santa pureza e) ORAÇÃO LEMBRAI-VOS Se pensarmos um pouco manifestar-se-ão uma série de necessidades pelas quais temos de pedir : pessoais, familiares, da sociedade, da Igreja, etc.
    • PRINCIPAIS DEVOÇÕES MARIANAS f) SAUDAÇÕES À IMAGEM DA VIRGEM A imagem de Nossa Senhora, que não deve faltar nos nossos lares – em sítio Ao sair ou ao entrar em nossa casa ou no nosso quarto nosso não deve faltar visível -, as imagens que encontramos nos nossos percursos diários, as que a saudação amorosa à imagem que tenhamos. há nas igrejas que frequentamos, devem ser ocasião de expressarmos Hábito de saudar ( não são precisas palavras, o pensamento basta ). o nosso o nosso carinho, dos nossos olhares amorosos, dos nossos piropos. g) ESCAPULÁRIO DO CARMO Segundo a tradição foi entregue pela Santíssima Virgem ao General da É frequente trazermos connosco fotografias dos entes queridos. Ordem, S.Simão Stok, no o amor denossa Mãe é ter com as seguintes(usar) o Um costume que indica dia 16 à Julho de 1251, imposto e trazer palavras: escapulário da Virgem do Carmo. Pode serele não padecerá o tela (expressão Recebe este hábito, o que morrer com um escapulário de fogo eterno. Há uma tradição de que doVirgem concederá aos que morrem com o abreviada do hábito a Carmo) ou uma medalha escapulário Santo Escapulário e expiam noestar benzidos). (devem Purgatório as suas culpas, a graça de alcançar, quanto antes, a Pátria Celestial, ou, o mais tardar, Está autorizado o seu uso com a condição de que tenha numa das faces no Sábado seguinte à sua morte. (Privilégio sabatino) a imagem do Sagrado Coração de Jesus e na outra a da Santíssima Virgem Pode ganhar-se indulgência plenária no dia em que nos foi imposto É o Escapulário; na solenidade Mãe de Deus aos seusCarmo,16/7; um símbolo de protecção da de Nossa Senhora do devotos e um sinal da sua consagração a Maria. na festa de S.Simão Stok, 16/5, etc
    • PRINCIPAIS DEVOÇÕES MARIANAS h) ROMARIA DE MAIO Muitas Almas têm o costume de realizar, realizar, principalmente no mês de Maio, romarias a ermidas ou santuários da Virgem. Pode-se fazer de muitas maneiras; por exemplo: rezar à ida uma parte do Rosário; na ermida ou santuário, a parte que corresponde ao dia e, de regresso, a 3ª parte. Trata-se de obsequiar a Virgem com a oração que lhe é tão grata, dando a esta romaria carácter penitente – que custe algum sacrifício – e sentido apostólico; por isso, procuramos que nos acompanhem os amigos, a família, etc. i) Dedicar um dia da semana - o Sábado Ou habituam-se a dedicar à Senhora um dia da semana – o Sábado -, oferecendo-lhe alguma pequena delicadeza e meditando especialmente a sua maternidade. Ou rezando, por exemplo, a Salve Rainha, aos sábados.
    • OS SACRAMENTOS DE JESUS CRISTO Hoje, por meio dos sacramentos, também é Jesus que actua na sua Igreja. Jesus ficou connosco nos sete sacramentos. Os sacramentos são sinais sensíveis instituídos Sinal sensível é uma coisa conhecida que manifesta outra menos conhecida; se vejo Igreja por Jesus Cristo e confiados à fumo, para nos descubro que há fogo. a vida divina. dar a graça, isto é,
    • BAPTISMO DA A. INICIAÇÃO CONFIRMAÇÃO CRISTÃ: EUCARISTIA
    • PENITÊNCIA DE B. CURA: UNÇÃO DOS DOENTES
    • ORDEM SACERDOTAL AO SERVIÇO C. DA COMUNIDADE MATRIMÓNIO
    • OS SACRAMENTOS DA IGREJA 7 a) No Sacramento do BAPTISMO Jesus perdoa-nos pecado original. b) Na CONFIRMAÇÃO dá-nos força para ser suas testemunhas no mundo. c) Na PENITÊNCIA Jesus perdoa-nos os pecados cometidos depois do Baptismo. d) Na EUCARISTIA Jesus dá-nos o Seu Corpo e o Seu Sangue como alimento espiritual. e) Na UNÇÃO DOS DOENTES alivia-nos e dá força e esperança para aceitar a doença e a morte. f) Na ORDEM SACERDOTAL consagra os sacerdotes como seus ministros e servidores dos seus irmãos. g) No MATRIMÓNIO santifica a união do homem e da mulher e ajuda-nos a viver bem o matrimónio.
    • SACRAMENTOS DA INICIAÇÃO CRISTÃ
    • O Sacramento do Baptismo O Baptismo é um novo nascimento. Jesus, ao despedir-se dos seus discípulos, deu-lhes um O Baptismo baptizai todas as gentes mandato muito concreto: “Ide e é em nome do Pai, e do Filho epela graça, nascemos19). o sacramento pelo qual, do Espírito Santo” (Mateus 28, No dia devida nova em Cristo.falou aos judeus e para a Pentecostes, São Pedro Limpa o pecado disse-lhes que Jesus era o Messias e que eles O haviam crucificado. faz-nos filhos de Deus e membros da Igreja. original e Disse-lhes: ”Arrependei-vos e baptizai em nome de Jesus Cristo, para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Eles aceitaram a sua palavra e baptizaram-se e naquele dia converteram-se mais de três mil almas” (Actos 2, 14-41).
    • Efeitos do Baptismo 1. Perdoa o pecado original e quaisquer outros pecados cometidos pelo baptizando. 2. Faz-nos Filhos de Deus, membros de Cristo e templos do Espírito Santo. 3. Incorpora-nos na Igreja de Jesus Cristo. Faz-nos também membros da Igreja. 4. Além disso, o Baptismo imprime na alma um sinal indelével que se chama “carácter”, que nos faz cristãos para sempre. No Baptismo nasce a nossa vocação à santidade e ao apostolado.
    • Liturgia do Baptismo * 1. Começa com o rito de acolhimento. O Sacerdote que Vai administrar o Baptismo vai à porta da Igreja onde está quem vai ser baptizado com os seus pais, padrinhos, etc. Todos juntos dirigem-se para o altar. 2. Leitura e explicação da Palavra de Deus e unção com os santos óleos. O Sacerdote faz o sinal da cruz sobre a testa do baptizando, ungindo-o. 3. Derrama de seguida água sobre a sua cabeça, dizendo: “N (diz o nome), eu te baptizo em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”. É o momento chave do Baptismo * 4. Na administração de cada Sacramento seguem-se Em seguida o sacerdote entrega aos pais e padrinhos uma umas cerimónias significa chamam liturgiaacesa na alma do . vela acesa que a que se a luz de Cristo do Sacramento baptizado, pois Ele disse: “Eu soucerimónias: No Baptismo celebram-se estas a luz do mundo”.
    • O Sacramento da Confirmação Como o corpo cresce e se fortalece, também A Confirmação é a vida cristã cresce e se robustece. Isto sucede de igual modo o sacramento que nos aumenta a graça no Sacramento da Confirmação. do Espírito Santo para nos fortalecer na fé e Quando recebemos o sacramento fazer-nos apóstolos e testemunhas de Cristo. da Confirmação, o Espírito Santo assiste-nos com maior intensidade.
    • Efeitos da Confirmação 1. Fortalece a nossa fé que passa a ser uma fé adulta. Passa de ser uma fé infantil para ser uma fé vigorosa, de pessoas que deixaram de ser crianças. 2. O Espírito o Espírito Santo descer sobre vós”, disse o “Quando Santo dá-nos forças para ser apóstolos Senhor aos seus apóstolos, ”recebereis forças e testemunhas de Cristo no meio do mundo, mostrando aserdes fé mesmo em situações adversas, para nossa testemunhas” (Actos 1, 8). 3. Além disso, a Confirmação imprime na alma um sinal indelével que se chama “carácter”, que nos faz cristãos para sempre
    • Liturgia da Confirmação 1. As primeiras pessoas Confirmação, ordinariamente, é O Sacramento da a administrar a Confirmação foram administrado por um Bispo. O ministro ordinário da os apóstolos (Actos 8, 14-17). Seguindo o desejo de Confirmação também pode ser um Sacerdote Jesus, a Igreja continua a administrar este sacramento. designado pelo Bispo. 2. Ao começar a cerimónia estende as mãos sobre os que vão ser confirmados, enquanto pede para eles a vinda do Espírito Santo. Em seguida o Bispo impõe a sua mão sobre a cabeça de cada confirmando e unge-o na fronte com o santo crisma, enquanto pronuncia estas Palavras: “N (aqui diz o nome de cada confirmando) recebe por este sinal o Dom do Espírito Santo”. 3. Ao recebermos a Confirmação, tornamo-nos filhos adultos da Igreja e devemos dar testemunho de Cristo onde quer que estejamos.
    • A SANTA MISSA Na Última Ceia, Jesus Cristo pegou no pão em Suas mãos e disse: “Isto é o meu Corpo que será Na Eucaristia ou Santa Missa, Jesus renova entregue por vós” e converteu o pão no Seu Corpo. o sacrifício da Cruz, por meio do sacerdote; Edá-se-nos como alimento espiritualo vinho, disse: depois, tomando o cálice com e mantém-nos “Tomai e bebei, esteàéSanta Igreja. que será unidos o Meu Sangue Jesus está presente com o Corpo, pecados”. Derramado para o perdão dos vossos Sangue, Alma e Divindade. E o vinho converteu-se no Seu Sangue. E acrescentou: Fazei isto em memória de Mim”
    • Assistimos à Eucaristia para: 4 FINS DA SANTA MISSA 1º) Adorar a Deus. 2º) Dar-Lhe graças por todos os seus benefícios e seu amor. 3º) Pedir-Lhe ajuda para nós e para os outros. 4º) Pedir-Lhe perdão pelos nossos pecados.
    • Adorar a Deus. Fim latrêutico Dar-Lhe graças Fim de por todos os seus benefícios e Acção seu amor. de Graças FINS DA SANTA MISSA Pedir-Lhe ajuda Fim para nós e impetratório para os outros. Pedir-Lhe Fim perdão pelos propiciatório nossos pecados.
    • SANTA MISSA O Sacerdote aproxima-se do altar e beija-o, como se beijasse o próprio Jesus Cristo. No Início O sacerdote faz o sinal da cruz, recordando que a Missa é a renovação do sacrifício da Cruz. Todos juntos pedimos perdão No Acto Penitencial pelos nossos pecados. Escutamos a Palavra de Deus Na Liturgia da Palavra com atenção para a pôr em prática.
    • SANTA MISSA A Liturgia Eucarística É a parte central da Santa Missa, actualização do sacrifício da Cruz. Na Apresentação O sacerdote apresenta o pão e o vinho. das Oferendas Nós oferecemos a nossa vida a Deus. É o momento principal da Missa. Jesus Cristo, A Consagração por intermédio do sacerdote, converte o pão e o vinho no seu Corpo e Sangue.
    • SANTA MISSA Rezamos juntos o Pai Nosso – a oração dos filhos de Deus – e o sacerdote dá a COMUNHÃO. Devemos guardar o jejum eucarístico e ter a alma em graça. Para Comungar Se temos consciência de pecado grave, aproximamo-nos primeiro da Confissão. Ao terminar a Santa Missa, o sacerdote abençoa-nos a todos e despede-se de nós. Nós damos graças a Deus.
    • CONDIÇÕES PARA SE FAZER UMA BOA COMUNHÃO 1ª) Estar na graça de Deus. A Não ter consciência de estar em pecado mortal. Comunhão eucarística realiza a Quem comunga, tendo consciência de estar em pecado mortal, unidade entre os cristãos comete um pecado muito grave chamadoa fraternidade e fortalece “sacrilégio”. entre os discípulos de Jesus. 2ª) Guardar o jejum eucarístico. São Paulo Consiste em não tomar qualquer alimento ou bebida ensina esta verdade com estas palavras: uma hora antes de comungar. “O pão é um, e de necessidade pode-se beberque e tomar medicamentos. Em caso assim nós, mesmo água sejamos muitos, tomamos um só corpo, porque comemos todos 3ª) Saber Quem recebemos. do mesmo pão” (1 Cor 10,17). Evitar comungar por rotina. Devemos fazê-lo com fé viva e por amor a Jesus.
    • EFEITOS DA SAGRADA COMUNHÃO 1ª) Aumenta a nossa união com Cristo. 2ª) Perdoa-nos os pecados veniais e preserva-nos dos pecados mortais. 3ª) Fortalece a unidade com toda a Igreja. Participamos na Santa Missa de um modo mais perfeito através da Sagrada Comunhão. Assim o afirma o Concílio Vaticano II: “Recomenda-se especialmente a participação mais perfeita na Missa que consiste em que os fiéis, depois da comunhão do sacerdote. Recebam o corpo do Senhor no mesmo sacrifício”.
    • entrada, saudação do altar, que o sacerdote beija, saudação da assembleia; Ritos Iniciais o acto penitencial; o Kýrie eléison; Liturgia da o Glória in excelsis; SANTA MISSA Palavra e a oração colecta. (4 PARTES) Liturgia Eucarística Rito de Conclusão.
    • Ritos Iniciais leituras bíblicas; Evangelho; Liturgia da SANTA MISSA Palavra a homilia; (4 PARTES) a profissão de fé ou Credo; Liturgia e a oração universal; Eucarística Rito de Conclusão.
    • Ritos Iniciais preparação dos dons; Liturgia da a oração sobre as oblatas; SANTA MISSA Palavra a oração eucarística; (4 PARTES) Liturgia o rito da comunhão; Eucarística a oração dominical ou Pai Nosso; o rito da paz; Rito de Conclusão. a fracção do pão; e a comunhão.
    • Ritos Iniciais Liturgia da SANTA MISSA Palavra (4 PARTES) Liturgia Eucarística o sacerdote dá a bênção, Rito de despede a assembleia, Conclusão. beija o altar, e retira-se.
    • SACRAMENTOS DA CURA
    • O Sacramento da Penitência, Conversão, Reconciliação ou Confissão No Evangelho vemos como, A Penitência é Jesus disse a uma mulher pecadora: ”Os teus pecados Revela assim o grande amor que Deus tem durante a sua vida na terra, estão perdoados” (Lucas 7, 48). E a São Pedro, depois pelos pecadores que se arrependemos pecados Jesus que nos perdoa (Lucas 22, faltas o sacramentoperdoava aos pecadores das suas deste o ter negado, também lhe perdoou 34-62), e cometidosestavam voltar a cometê-las. se quando depoisarrependidos: . esforçam por não do Baptismo ao bom ladrão, à mulher adúltera, etc.
    • CONDIÇÕES PARA RECEBER BEM O SACRAMENTO DA PENITÊNCIA 5 1ª) Exame de consciência. é recordar todos os pecados ou faltas Exame de consciência cometidos desde a última confissão bem feita. 2ª) Dor (arrependimento) dos pecados. É um sentimento de pesarsobrenatural por ter ofendido a Deus, isto é, arrepender-se sinceramente de os ter cometido. . 3ª) Propósito de emenda. É a firme resolução de não tornar a pecar.
    • CONDIÇÕES PARA RECEBER BEM O SACRAMENTO DA PENITÊNCIA 5 4ª) Dizer os pecados ao confessor. Devemos confessar e todos os pecados mortais e devemos confessar também os veniais. Pecado é toda a desobediência voluntária à Lei de Deus. Quem omite conscientemente algum pecado mortal comete um sacrilégio, e não fica perdoado dos pecados confessados. 5ª) Cumprir a penitência. que o confessor impuser.
    • CONDIÇÕES PARA RECEBER BEM O SACRAMENTO DA PENITÊNCIA Na parábola do filho pródigo, Jesus apresenta um exemplo de arrependimento e perdão que ajuda a entender como nos devemos preparar para nos confessarmos, isto é, para recebermos o Sacramento da Penitência (Lucas 15, 11-32).
    • A Unção dos doentes A Unção dos doentes é dada pelo sacerdote, A Unção dos doentes é Para fortalecer os doentes graves e aqueles em nome de Jesus Cristo. queo sacramento com que Jesus Cristo, o são já muito idosos Jesus Cristo instituiu A cerimónia consiste em ,ungir o doente com por meio dos santos óleos doentes. Por meio e as palavras que Sacramento, da Unção dos dizem estas palavras: óleo sagrado enquanto se deste Sacramento, Jesus alivia e reconforta um acompanham a unção, comunica ao doente “Por esta Santa Unção e pela sua piíssima misericórdia, o Senhor os cristãos ajuda espiritual para lhe dar alívio, a grande que se encontram em perigo de vida venha em teu auxílio com a graça do Espírito Santo. Amen. força e esperança naou velhice.na morte. por doença doença e Para que, liberto dos teus pecados, Ele te salve e, na sua bondade, alivie os teus sofrimentos. Amen”.
    • EFEITOS DO SACRAMENTO DA UNÇÃO DOS DOENTES 1ª) fortalece a fé de quem o recebe; 2ª) perdoa os pecados do enfermo quando este, arrependido, não pode confessar-se; 3ª) por vezes, se a Providência divina assim o dispõe, produz melhoras da doença; 4ª) sempre conforta o doente durante a doença e o ancião na debilidade da velhice.
    • SACRAMENTOS AO SERVIÇO DA COMUNIDADE
    • O Sacramento da Ordem Antes da Ascensão Jesus deu aos apóstolos Na Última Ceia o Eternosacerdotal é da Ordem Jesus éensinar instituiu o sacramento «Ide e Jesus A Ordembaptizar ao dizer-lhes: e Sumo Sacerdote aDepois da ressurreição concedeu-lhes o poder de missão de e eaoo mediador entre Deus e os homens, uma vez que, é dar aos apóstolos o poder de consagrar a Eucaristia ensinai todas as gentes, baptizando-as em cristãosPai perdoar os «Fazeiqual memória de donome quando lhes disse:derramado naalguns reconciliou o sacramentopecados (João 20, 22-23). Mim» com o Seu sangue pelo isto em Cruz, nos e do Filho e do Espírito Santo» (Mateus 28,19). são consagrados como perdoam os pecadosdizer, sacerdotes, quer (Lucas 22,19); fez os seus apóstolos sacerdotes. comAgora, Ele sacerdotes Deus. os próprio escolheu os doze apóstolos Agora, osos sacerdotesPenitência. Agora, sacerdotes têm esse Cristo. no sacramento da ensinam-nos como ministros sagrados de poder. . para serem sacerdotes da Nova Aliança o Evangelho em nome de Jesus.
    • O Sacramento da Ordem O Sacramento Celebrar a Santa Missa da Ordem 1ª) As missões que Jesus Bispo,Ensinar ao consagra recebe-o o sacerdote do que Palavra de Deus  Administrar os Sacramentos deu aos seus e lhe transmite o poder de celebrar fiéis 2ª) Santificar os a sacerdotes Santa Missa e de perdoar osapecados,Deus  Pregar Palavra de 3ª) Guiar e governar a Igreja em nome de Jesus Cristo.  Guiar os homens até Deus
    • Com o Papa Participam e sob aSãoautoridade, sua os dirigem plenamente a Igreja, especialmente sucessores Os Bispos a parte que está confiada do sacerdócio dosde Cristo. apóstolos a cada um deles, chamada . diocese. Pelo sacramento São colaboradores SACRAMENTO 3 graus dosOrdem da bispos. DA subordinados Os Sacerdotes participam Também se chamam entre si desde a sua ORDEM origem. do sacerdócio presbíteros. de Cristo. Colaboram Receberam também o com os presbíteros, sacramento da Ordem. Os Diáconos realizando Não são sacerdotes, mas ministrosserviços diversos de Cristo eeclesiais. da Igreja
    • Quando JESUS celebram a Eucaristia e os outros SACERDOTE sacramentos. A Igreja, cumprindo o OS Quando mandato de Jesus, representam JESUS anunciam o Evangelho SACERDOTES continua a ordenar e pregam a MESTRE sacerdotes que têm Palavra de Deus. a mesma missão do Senhor. Quando ensinam os cristãos JESUS a viver como tal PASTOR e a lutar para ser santos.
    • O Sacramento do Matrimónio O Matrimónio cristão é, portanto, um O Matrimónio é sacramento instituído por Jesus Cristo Deus criou o Matrimónio no Paraíso terrestre. o sacramento dele, que um a e é, através que santifica Jesus Cristo elevou o matrimónio cristão à dignidade união homem e uma mulher entre o homem e a mulher de Sacramento, Deus abençoa e santifica a união do e lhes unemgraça para formar se dá a perante Deus homem com a mulher. com o fim de formar para sempre uma família cristã. uma comunidade de vida e de amor.
    • O Sacramento do Matrimónio Deus criou o Matrimónio no Paraíso terrestre: 1 Para que o homem e a mulher se amassem e, amando-se, se ajudassem mutuamente e fossem felizes. 2 Para que o seu amor fosse fecundo, quer dizer, para que tivessem filhos e os educassem como pessoas e como filhos de Deus.
    • O Matrimónio é obra de Deus. Deus cria o homem e a mulher um para o O Matrimónio e o amor conjugal estão outro e chama-os a um amor profundo. condenados à procriação e educação dos filhos, segundo o Lê-se no Génesis 2,II: Concílio Vaticano 18: Concílioque o 1, 28: Concílio. Vou “Não éno Génesis homem Lê-se bom Bíbliaeautêntico do amor Bíblia multiplicai-vos esteja só Vaticano ajuda lado “ OCrescei uma II Vaticano II “ cultivo dar-lhe conjugal…semadeixar de e enchei terra.” proporcionada a ele. os demais fins do matrimónio, E criou-os homem e mulher.” obriga os esposos a cooperar (…) com o amor do Criador.”
    • Propriedades do Matrimónio O Matrimónio é de um homem UNIDADE 2 com uma mulher. A união matrimonial INDISSOLUBILIDADE é para toda a vida.
    • O Sacramento do Matrimónio Santo Agostinho falava nos três bens do matrimónio: 1º) O bem da prole: os filhos; 2º) O bem da unidade; 3º) O bem da indissolubilidade.
    • O Sacramento do Matrimónio O matrimónio cristão é uma realidade natural instituída por Deus, sendo suas características a unidade e a indissolubilidade. A unidade significa que o matrimónio é uma união de um homem com uma mulher, que ficam ligados por um vínculo jurídico: o vinculo conjugal. A indissolubilidade significa que essa união, que está ordenada a gerar filhos que seus pais devem educar, está destinada a durar por toda a vida dos cônjuges. Apenas a morte de um deles é capaz de dissolver o vínculo.
    • A moral do homem novo O que é a moral? Qual é a ciência que nos ensina a A Ciência que comportarmo-nos bem com Deus, ensina o homem com os nossos pais e irmãos, com os a comportar-se bem vizinhos e toda a gente que há no mundo? éa Moral. A Moral é, portanto, a ciência do bem e do mal, que ensina o que se deve fazer, porque é «bom» e o que se deve evitar, porque é «mau».
    • Oso homemactuam por instinto. Osbem animais pode escolher entre o seus Só Deus, no Antigo Testamento, deu-nos actos não se podem considerar e o Dez Mandamentos para nosverdade, mal: pode mentir ou dizer a ensinar os «bons» ou «maus»: obedecer ouO amar a Ele etrabalhar ou desobedecer, aos homens. o caminho para actuam obrigados pelos instintos. não fazer nada, amar o próximo ou maltratá-lo.
    • Jesus, no Evangelho, confirma o Decálogo, novo e atinge a sua plenitude com o seu Jesus ensina-nos também mandamento do amor: que, só vivendo assim, cumprimos a vontade de Lê-se em João 13, 34-35: Deus e somos felizes. Bíblia Por isso, ensinou-nos “ Amai-vos uns aos outros também as Bem- como eu vos amei.” -Aventuranças, que são o caminho para alcançar a felicidade no Céu.
    • Esta é a moral do homem novo, quer dizer, daqueles que conheceram Jesus e querem viver como Ele viveu e ensinou a viver.
    • O bem e o mal Por experiência, sabemos que existe o ”bem físico”- saúde, comida, casa, etc. e também o ”mal físico”- fome, doenças, acidentes na estrada, terramotos, etc. «bem moral»: ajudar os outros, O mal moral lesa sempre amar o próximo, o homem. dizer a verdade, etc. O bem moral, beneficia «mal moral»: o homem e ajuda-o a ser insultar, agredir, mentir, melhor como pessoa desejar mal aos outros, e como filho de Deus. etc.
    • ACTOS BONS ACTOS ACTOS MAUS
    • ajudar um pobre, Mesmo que alguém dissesse ACTOS BONS amar os pais, EM SI que eram actos maus, MESMOS dizer a verdade, nós sabemos que são bons. etc. Existem blasfemar, ACTOS MAUS Mesmo quementir, dissesse alguém EM SI que eram actos bons, MESMOS matar, nós sabemos que são maus. etc.
    • LIBERDADE E RESPONSABILIDADE A realize livremente (isto é, querendo fazê-la) Para que é uma acção seja necessário que a pessoa e “boa”ou “má” conscientemente (isto é, sabendo o que está a fazer). A liberdade é que permite que um acto seja «bom» ou «mau». O homem é livre porque pode escolher entre o bem e o mal. É muito importante, por isso, educar e fortalecer a vontade (a liberdade) para fazer bem uso dela. Ligada à liberdade encontra-se a responsabilidade. Quando um homem realiza um acto porque quer, e disso tem consciência, é responsável por esse acto, e é merecedor de prémio ou castigo.
    • A CONSCIÊNCIA E A LEI MORAL Na vida moral existem dois elementos de grande importância: a consciência e a lei. A consciência é o que cada pessoa tem de mais íntimo e sagrado, porque, através dela, o homem ouve a voz de Deus que lhe diz o que deve fazer e o que tem de evitar. A lei é a norma que nos manda fazer o bem e não fazer o mal. natural Há vários mosaica tipos de leis: evangélica positiva
    • A CONSCIÊNCIA E A LEI MORAL Na vida moral existem dois elementos de grande importância: a consciência e a lei. A consciência é o que cada pessoa tem de mais íntimo e sagrado, porque, através dela, o homem ouve a voz de Deus que lhe diz o que deve fazer e o que tem de evitar. A lei é a norma que nos manda fazer o bem e não fazer o mal.
    • A CONSCIÊNCIA E A LEI MORAL é a que está inscrita no interior de cada homem natural e lhe permite conhecer o bem e o mal. é aquela que foi dada mosaica por Deus a Moisés: Há vários os dez mandamentos. tipos de leis: é a que nos foi dada evangélica por Jesus, o Filho de Deus. é a que é ditada positiva pelos homens.
    • A LEI DE DEUS E A CONSCIÊNCIA Conhecemos a lei de Deus: a) Pelos dez mandamentos que recebemos de Deus. b) Pelo que Jesus nos ensina no Evangelho. c) Pelos mandamentos da Igreja que nos ajudam a cumprir a lei de Deus.
    • A LEI DE DEUS E A CONSCIÊNCIA A consciência, falando no nosso interior, também nos indica a vontade de Deus: Se o acto que A vamos praticar consciência diz-nos: “deves fazê-lo”. é bom, Devemos É necessário, porém, obedecer-lhe formar muito bem a consciência, sempre de acordo com a lei de Deus.. A Se o acto consciência “não deves fazê-lo”. é mau, diz-nos:
    • O pecado, ofensa e ruptura com Deus Pecado é um pensamento, desejo, palavra, acto ou omissão contrário à lei de Deus. Para que haja pecado, é necessário que se realize com advertência (isto é, sabendo o que faz) e consentimento (isto é querer fazê-lo). Deus, no Antigo Testamento, deu-nos os Dez Mandamentos para nos ensinar o caminho para O amar a Ele e aos homens.
    • Quando o homem, com consciência plena e querendo, rompe a amizade MORTAL com Deus, porque a sua falta é grave. PECADO Quando o homem, com consciência plena e querendo. enfraquece VENIAL a sua amizade com Deus, porque a sua falta não é grave.
    • O pecado, ofensa e ruptura com Deus O filho pródigo rompeu com o pai e abandonou-o. O pecado também é: 1º) Uma ruptura com Deus: porque, pelo pecado, o homem ofende a Deus e separa-se dele. 2º) Uma ruptura com os outros: porque do pecado provém tudo o que nos separa dos outros homens – inveja, ódio, guerra, etc. 3º) Uma ruptura consigo próprio: porque o pecado prejudica quem o comete, que deixa de ter alegria e paz.
    • Advertência Consentimento Matéria Adorar a Deus. Adorar a Deus. plena. Deliberado. grave. PECADO Advertência MORTAL Adorar a Deus. Consentimento plena. Deliberado. Advertência Adorar a Deus. Matéria grave. PECADO plena. VENIAL Matéria Consentimento grave. Deliberado.
    • A conversão: voltar para Deus O filho pródigo «arrependeu-se» do que tinha feito e disse: «Irei ter com o meu pai… e, levantando-se, pôs-se a caminho de casa do pai» (Cfr. Lucas 15, 11-24). Converter-se a Deus quer dizer voltar para Deus e pedir-Lhe perdão por ter pecado. Ninguém se pode converter, se Deus não o ajudar com a graça do Espírito Santo.
    • A conversão: voltar para Deus O cristão, para não tornar a pecar, deve: 1º) Aborrecer o pecado. Esta é a primeira condição: «Aborrecei o pecado, vós que amais a Deus» (Salmo 97, 10). 2º) Abandonar as ocasiões de pecado, pois que: « Quem ama o perigo, cairá nele» (Eclesiástico 3, 27). 3º) Receber com frequência o sacramento da penitência. Este sacramento não serve apenas para perdoar os pecados, mas também para aumentar a graça, isto é, a ajuda de Deus.
    • Vida nova pela graça  A vida cristã gera-se e desenvolve-se na Igreja:  A vida da graça é gerada pelo Baptismo.  fortalece-se com a Confirmação.  cura-se pela Penitência.  é alimentada com o próprio Corpo de Cristo na Eucaristia.  Àqueles que, sem culpa, não conhecem nem a Igreja, nem Cristo, Deus não deixa de outorgar-lhes as graças necessárias por caminhos que só Ele conhece.
    • CIC 1963: O pecado venial não destrói o estado de graça, mas “enfraquece a caridade, traduz um afecto desordenado aos bens criados, impede o progresso da pessoa no exercício das virtudes e na prática do bem moral; e merece penas temporais. O pecado venial deliberado e não seguido de arrependimento, dispõe, a pouco e pouco, para cometer o pecado mortal”.
    • Vida nova pela graça Ao nascer, Deus dá-nos a vida através dos nossos pais. vida nova Quando somos baptizados, Deus dá-nos uma por meio da graça santificante. A graça santificante é um dom gratuito que Deus nos concede no baptismo. Através dela, convertemo-nos em herdeiros do céu. A partir deste momento, Deus vive em nós e está connosco enquanto não o expulsarmos da nossa alma pelo pecado mortal. Além dagraça santificante, Deus concede-nos graças actuais. Estas são ajudas concretas de Deus para fazer o bem e evitar o mal.
    • Vida nova pela graça OS SACRAMENTOS Podemos receber com frequência a Penitência e a Eucaristia. MEIOS A ORAÇÃO para conseguir/aumentar «Pedi e dar-se-vos-á», diz Jesus (Mateus 7,7). a graça AS BOAS OBRAS Aumentam a graça santificante e multiplicam as graças actuais.
    • SOMOS FILHOS DE DEUS Ao nascer, a criança recebe a vida natural de seus pais e é, portanto, seu filho. Com o Baptismo, recebe a vida sobrenatural de Deus e passa a ser também filho de Deus. Assim o revelou Cristo: «Quando orardes dizei: Pai nosso que estais no Céu…» (Mateus 6, 9).
    • SOMOS FILHOS DE DEUS Ser filho de Deus é um facto muito real. Não quer dizer apenas que Deus nos trata como se fosse nosso pai e quer que O tratemos como se fôssemos seus filhos, mas que Ele é realmente nosso Pai e nós somos verdadeiramente seus filhos pela graça recebida no baptismo: «Considerai que amor nos mostrou o Pai: que quer que sejamos chamados filhos de Deus e o sejamos de verdade» (1 João 3, 1).
    • A luta do cristão DEMÓNIO São DE convites ambiente O QUE SÃO? TENTAÇÕES ONDE pouco cristão a cometer PROVÊM PROCEDEM? DO(A) pecados as nossas más inclinações A tentação nunca provém de13) Deus não tenta ninguém (Tiago 1, Deus. Deus não permite as tentações, mas não deixa Deus permitirá que sejais tentados acima das vossas forças que elas superem as10, 13) (I Coríntios nossas forças.
    • A luta do cristão Em caso Deus ajuda-nos os meios de lhe resistir (I Coríntios 10, 13). de tentação dar-vos-á a vencer as tentações. ORAÇÃO Pedindo ajuda a Jesus e à nossa É o Como próprio Jesus Mãe do Céu para lutar e vencer. Quem nos ensina se os meios combatem? para vencermos MORTIFICAÇÃO Oferecer pequenos sacrifícios unidos as tentações. a Jesus na Cruz para reparar os nossos pecados e os de todos os homens,
    • OS DEZ MANDAMENTOS
    • 1º 6º AMAR A DEUS SOBRE NÃO COMETER TODAS AS COISAS ACTOS IMPUROS 2º 7º NÃO PRONUNCIAR NÃO ROUBAR O SANTO NOME DE DEUS EM VÃO 8º NÃO DIZER FALSOS TESTEMUNHOS 3º NEM MENTIR SANTIFICAR AS FESTAS DE GUARDA 9º NÃO CONSENTIR EM PENSAMENTOS 4º OU DESEJOS IMPUROS HONRAR PAI E MÃE 5º 10º NÃO MATAR NÃO COBIÇAR OS BENS ALHEIOS
    • Primeiro Mandamento Os dez mandamentos dividem-se em “dois rolos”: os três primeiros referidos a Deus e os sete restantes referidos à conduta da própria pessoa e à sua relação com os outros. Jesus precisa: “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a este: amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas” (Mt 22, 37-40).
    • Primeiro Mandamento AT NT 1º AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS 1º 2º “Amarás o Senhor teu Deus NÃO PRONUNCIAR O SANTO NOME DE DEUS DEUS com todo o teu coração, com EM VÃO toda a tua alma e com todas as tuas forças”. 3º SANTIFICAR AS FESTAS DE GUARDA
    • Primeiro Mandamento AT NT 3º SANTIFICAR AS FESTAS DE GUARDA 4º HONRAR PAI E MÃE 5º NÃO MATAR Conduta da própria 2º amarás o teu próximo pessoa e a sua relação como a ti mesmo. 6º NÃO COMETER com os outros ACTOS IMPUROS 7º NÃO ROUBAR 8º NÃO DIZER FALSOS TESTEMUNHOS NEM MENTIR 9º NÃO CONSENTIR EM PENSAMENTOS OU DESEJOS IMPUROS 10º NÃO COBIÇAR OS BENS ALHEIOS
    • Primeiro Mandamento Jesus ensina-nos com o seu exemplo a amar Seu Pai sobre todas as coisas. Jesus ensina-nos que só a Deus devemos adorar. Só Deus merece culto de adoração, porque só Ele é nosso Criador e Senhor. O homem deve prestar culto a Deus para reconhecer a Sua grandeza, agradecer os Seus dons e pedir-Lhe aquilo de que necessita. Não adoramos Nossa Senhora, porque não é Deus, mas, por ser Mãe de Deus, prestamos-lhe um culto especial de veneração. Também veneramos os Santos.
    • Primeiro Mandamento O 1ª mandamento manda-nos crer em Deus, ter esperança n‟Ele e amá-Lo sobre todas as coisas, isto é, viver as virtudes da Fé, da Esperança e da Caridade. a idolatria, a superstição, Proíbe-nos todos os actos a magia e o espiritismo, que vão contra a honra acreditar em coisas contra a fé, devida a Deus: desconfiar de Deus, etc.
    • Primeiro Mandamento “Dar glória a Deus” equivale a aceitar a sua grandeza e a adorá-Lo. O homem dá glória a Deus Quando vive quando crê n‟Ele, a fé, se n‟Ele põe toda a sua confiança quer dizer, a esperança e se o ama sobre todas as coisas; e a caridade. O primeiro mandamento (amar Deus sobre todas as coisas) abarca estas três virtudes.
    • Primeiro Mandamento Ter fé supõe também ter confiança em Deus e manter a esperança de que se alcançará a vida eterna; A esperança em Deus requer a fé n‟Ele, pois se está seguro de que Deus sempre é fiel à sua palavra e mantém as suas promessas; A caridade é a virtude teologal pela qual se ama a Deus, sumo bem, e aos homens por Deus.
    • Primeiro Mandamento dúvida voluntária ou involuntária, Incredulidade menosprezo da verdade revelada, quando não somente se defende heresia um erro contra a fé, mas também se Pecados contra a fé desobedece à advertência da hierarquia, o que abandona e impugna a fé apostasia que tinha professado, separação da Igreja católica cisma e não aceitação da autoridade e obediência ao Papa.
    • Primeiro Mandamento por defeito, desespero; Pecados contra a esperança por excesso, presunção.
    • Primeiro Mandamento (se descuida Indiferença a Deus); ou se repudia amor (não se reconhece o amor que Deus nos tem ou nãoIngratidão amor); se lhe devolve esse quando (trata-se com negligência Tibieza e descuido as coisas referentes a Deus); (preguiça espiritual: despreza o gozo Pecados contra da entrega aAcedia Deus, sente-se tristeza em segui-lo); o amor a Deus (razão última: orgulho; ocasião: Ódio a Deus de que costuma ser o facto Deus condene o pecado e o castigue); Ódio ao próximo: (supõe um agravo directo Ódio incluem-se murmuração, a Deus, ao próximo crítica, etc.); (falta grave quando por acção ou omissão Escândalo se induz deliberadamente outro a pecar).
    • Segundo Mandamento O amor que temos a Deus faz com que pronunciemos o Seu nome com o maior respeito e veneração. Como o amor que temos aos nossos pais faz com que pronunciemos o seu nome com respeito e fiquemos incomodados se alguém os desconsidera. O segundo mandamento manda-nos, respeitar e usar bem o nome de Deus, que é santo.
    • Segundo Mandamento Assim, cumprimos o segundo mandamento: “Não pronunciarás o nome de Deus em vão”. O segundo mandamento proíbe-nos de blasfemar, ou seja, dizer palavras ou fazer gestos injuriosos contra Deus, Nossa Senhora e os Santos. Também proíbe jurar sem verdade e sem necessidade (jurar é invocar Deus como testemunha).
    • Segundo Mandamento Abusar do nome de Deus; injúria directa de pensamento, Blasfémia palavra ou obra contra Deus e os santos; profanação ou lesão de uma pessoa, Pecados contra o coisa ou lugar sagrado Sacrilégio (especialmente grave a recepção Segundo Mandamento da Eucaristia em pecado mortal); Perjúrio Incumprimento dos votos
    • Terceiro Mandamento As famílias celebram os aniversários de nascimento, do baptismo, do casamento. Nesses dias todos estão mais alegres e sentem-se mais unidos. Do mesmo modo, os cristãos, que formam uma grande família, têm os seus dias de festa. No Novo Testamento, os primeiros cristãos transferiram « No primeiro dia da semana (domingo) reunimo-nos para partir a festa judaica de sábado para domingo, porque o pão (para celebrar a Eucaristia)» (Actos 20, 7-11). foi num domingo que Cristo ressuscitou.
    • Terceiro Mandamento Domingo significa «dia do Senhor». No domingo os cristãos celebram a ressurreição de Jesus Cristo. É por isso que esse dia é especialmente dedicado ao culto divino (com a assistência à Santa Missa) e ao descanso. Temos outros dias de festa em que se comemoram outros acontecimentos importantes da vida do Senhor, de Nossa Senhora e de alguns Santos. São os chamados «dias de preceito» em que se dá culto a Deus de modo semelhante ao domingo.
    • Terceiro Mandamento Obrigação de ouvir Missa aos domingos e festas de preceito. “Todo o fiel que tenha chegado ao uso da razão, está obrigado a confessar fielmente os seus pecados graves ao menos uma vez por ano” (CIC 989). Mandamentos da Igreja Comungar pela Páscoa da Ressurreição. Jejum na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa. Abstinência nas sextas-feiras da Quaresma. Ajudar a Igreja nas suas necessidades.
    • Terceiro Mandamento PARTICIPAR NA SANTA MISSA Nela celebramos a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Renova-se em cada Missa o sacrifício da Cruz e todos os cristãos se sentem unidos, como uma família, junto ao altar do Senhor, «No domingo e outros dias santos de preceito, os fiéis têm COMO obrigação de participar na Missa». SANTIFICAR O (Catecismo da Igreja Católica, nº 2192). DOMINGO DESCANSAR DO TRABALHO CORPORAL Dedicar-se mais tempo ao Senhor. Estar mais tempo com a família. Descansar e passar bem o tempo, fazendo desporto, excursões, etc.
    • Terceiro Mandamento CIC 2192: “No domingo e nas outras festas de preceito (de guarda) os fiéis têm obrigação de participar na Missa, e devem, além disso, abster-se de trabalhos e actividades que impeçam dar culto a Deus, gozar da alegria própria do dia do Senhor ou desfrutar do devido descanso da mente e do corpo”. Assistir à Santa Missa: “Os que deliberadamente faltam a esta obrigação cometem pecado grave” (CIC 2181). Descanso: proibição do que impede dar culto a Deus, viver a alegria cristã ou obstaculiza o devido descanso da mente e do corpo (cfr. CIC 2185).
    • Quarto Mandamento Jesus teve, como nós, uma família. José, Maria e Jesus viviam numa aldeia da Galileia, chamada Nazaré, cujos habitantes se dedicavam à agricultura, a tratar do gado, à pesca, etc. A pessoa mais importante da Sagrada Família é Jesus, porque é Deus. Mas Ele obedecia em tudo aos pais.
    • Quarto Mandamento Jesus ensina-nos, assim, a cumprir o quarto mandamento: ”Honrar pai e mãe”. Os filhos devem aos seus pais respeito, gratidão, obediência e ajuda. Também devemos amar, respeitar e ajudar os nossos irmãos e familiares e respeitar e obedecer a quem tem autoridade legítima sobre nós.
    • CIC 2199: O quarto mandamento dirige-se expressamente aos filhos nas suas relações com seu pai e sua mãe, porque esta relação é a mais universal. Mas diz respeito igualmente às relações de parentesco com os membros do grupo familiar. Exige que se preste honra, afeição e reconhecimento aos avós e antepassados. É, enfim, extensivo aos deveres dos alunos para com o professor, dos empregados para com os patrões, dos subordinados para com os chefes e dos cidadãos para com a pátria e para com os que administram e governam. Este mandamento implica ou subentende os deveres dos pais, tutores, professores, chefes, magistrados, governantes, todos aqueles que exercem uma autoridade sobre outrem ou sobre uma comunidade de pessoas.
    • Quarto Mandamento AMAR Amamos os nossos pais quando os tratamos com carinho, lhes damos alegrias, evitamos dar-lhes desgostos e rezamos por eles. RESPEITAR HONRAR Respeitamo-los quando não lhes damos más respostas nem gritos, mas os tratamos sempre com veneração e carinho. Quando é os respeitamos e lhes obedecemos, damos a Deus uma grande alegria. OBEDECER Obedecemos-lhes quando cumprimos aquilo que nos mandam fazer e os encargos que nos dão, imitando Jesus, que como diz o Evangelho, “era-lhes submisso” (São Lucas 2, 51). Quando desobedecemos aos nossos pais, ofendemos a Deus, porque eles são os Seus representantes na terra.
    • Quarto Mandamento AJUDAR Este mandamento lembra aos filhos adultos que, tanto quanto lhes é possível, devem prestar aos pais ajuda material e moral, nos anos de velhice e no tempo da doença, da solidão e do desânimo. Jesus lembra este dever de gratidão, HONRAR é GRATIDÃO tudo o que os teus pais já fizeram e Se pensares em continuam a fazer por ti, descobrirás uma grande quantidade de coisas: deram-te a vida, cuidaram de ti quando eras bebé e agora continuam a alimentar-te e a vestir-te. Educam-te e preocupam-se contigo…
    • Quarto Mandamento Como é que os filhos cumprem o quarto Mandamento da Lei de Deus? Amando, respeitando e obedecendo a seus pais e contribuindo para a paz e unidade da família.
    • Quinto Mandamento O QUE NOS MANDA MANDA-NOS O QUERER BEM A TODOS E PERDOAR QUINTO MANDAMENTO? AOS NOSSOS INIMIGOS. O QUE NOS PROÍBE PROÍBE-NOS DE FAZER O MAL À PRÓPRIA VIDA OU À DOS OUTROS COM QUINTO MANDAMENTO? PALAVRAS, OBRAS OU DESEJOS.
    • Quinto Mandamento A nossa vida é um dom de Deus, o maior que, na ordem natural, podíamos receber. O corpo foi-nos dado através dos nossos pais, ao passo que a nossa alma foi criada directamente por Deus. Jesus ensina-nos a amar a vida. Ele próprio cuidava da vida dos outros, curando as suas doenças.
    • Quinto Mandamento Um dos modos de amar a vida é cuidar da saúde. Dar ao nosso corpo o alimento suficiente, Por isso Mantê-lo limpo e forte através devemos: da higiene e do exercício físico Evitar tudo o que possa prejudicar a saúde.
    • Quinto Mandamento quem põe a vida em perigo com exercícios e brincadeiras arriscadas , com desportos imprudentes; Desobedece quem come e bebe em excesso; a Deus quem consome drogas; quem conduz com imprudência ; quem se arrisca para além das próprias forças.
    • Quinto Mandamento Devemos também proteger a vida da alma através da oração e dos sacramentos, em especial a Penitência e a Eucaristia. A vida é um dom de Deus e só a Ele pertence. Há homens, contudo, que se atrevem a destruí-la, movidos pelo ódio, vingança, ambição ou inveja. Por isso Deus protege a vida com o quinto mandamento: NÃO MATARÁS.
    • Tirar voluntariamente a vida uma pessoa Quinto Mandamento O homicídio inocente (a não ser em caso de legítima defesa). O suicídio Tirar a vida a si próprio. O aborto provocado Matar uma criança antes do seu nascimento. Tirar a vida às pessoas idosas ou A eutanásia activa doentes e às crianças com malformações, Amputar uma parte do corpo. A mutilação Só é permitida para salvar uma vida. Não respeita a vida Pecados contra o usa de violência física ou moral, para e ofende Deus e o próximo arrancar confissões,tortura A para castigar os culpáveis, Quinto Mandamento quem praticar: intimidar aos que se opõem, satisfazer o ódio. O ódio quer dizer, os que querem o mal para os outros. Por ex., quem põe a vida em perigo com exercícios e brincadeiras arriscadas , com desportos imprudentes, quem come e bebe Atentar contra adrogas, conduzindo em excesso; tomando própria saúde perigosamente, quem se arrisca para além das próprias forças. etc. A culpa recai sobre os que a provocam e sobre osguerra injusta A que não empregam todos os meios para a evitar.
    • CIC 2297: “O terrorismo que ameaça, fere e mata sem discriminação é gravemente contrário à justiça e à caridade”. É intrinsecamente perverso, jamais justificável, mesmo que se trate de iludir o juízo moral justificando-o ideologicamente. Idem: A tortura, que usa de violência física ou moral, para arrancar confissões, para castigar os culpáveis, intimidar aos que se opõem, satisfazer o ódio, é contrária ao respeito da pessoa e da dignidade humana”.
    • Quinto Mandamento Para que possa falar-se de “legítima defesa”, que não se opõe ao quinto mandamento, mesmo que possa seguir-se a morte do injusto agressor, são requeridas as seguintes condições: 1 que o agressor intente causar um mal muito grave; 2 que se trate de verdadeira agressão física (não bastam as ameaças a não ser que se esteja seguro de que são o prelúdio da agressão); 3 que a agressão seja, de verdade, injusta; para se defender legitimamente não se requer que o agressor actue de modo 4 voluntário (louco...); 5 que o agredido não tenha outro meio para se defender (fugir...); 6 que a reacção defensiva seja imediata à agressão (não vingança); 7 deve guardar a “moderação devida”.
    • Quinto Mandamento Jesus manda-nos amar, não odiar Jesus condena o ódio, a ira e a vingança. Não ama o próximo quem odeia os outros, troça ou discute O Senhor ensina-nos a perdoar : com eles; quem os insulta, engana, procura vingar-se ou lhes tem Com o Seu exemplo; rancor, assim como quem discrimina os outros por razões de raça, Com a Sua palavra. cor, condição social, língua, sexo ou religião.
    • Sexto e Nono Mandamento O homem e a mulher são os seres mais perfeitos da terra. Temos uma alma espiritual e imortal e um corpo de grande perfeição e harmonia. Temos olhos para ver, língua para falar, mãos para trabalhar e ajudar, órgãos reprodutores, etc. Todos os membros do nosso corpo são bons. Também devemos respeitar o nosso corpo, porque é santo. Deus vive na nossa alma em graça enquanto não O afastarmos pelo pecado mortal. Assim o explica São Paulo: «Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo que habita em vós? Glorificai, pois, a Deus, no vosso corpo» (I Coríntios 6, 15, 19-20).
    • Sexto e Nono Mandamento Sexto Guardar castidade Mandamento nas palavras Deus protege a dignidade e nas obras do nosso corpo com o sexto e nono Nono mandamentos. castidade Guardar Mandamento nos pensamentos e nos desejos
    • Sexto e Nono Mandamento Jesus disse uma vez no monte das Bem-aventuranças. «Bem-aventurados os limpos de coração porque verão a Deus» (Mateus 5, 8) A Santa pureza é a virtude que nos faz respeitar o nossos corpo e o dos outros, tanto nas nossas conversas e actos, como nos nossos pensamentos e desejos.
    • Sexto e Nono Mandamento AFASTAR AOS OCASIÕES DE PECADO conversas, leituras, filmes e fotografias impuras, etc. FREQUENTAR OS SACRAMENTOS MEIOS Especialmente a Penitência e a Eucaristia. que nos fortalecem espiritualmente. para viver a santa pureza TER DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA E pedir-lhe ajuda para vencer nas tentações. ESTAR OCUPADO COM O TRABALHO o estudo, o desporto, etc.
    • Oitavo Mandamento Os homens vivem em sociedade. As palavras, por meio das quais comunicamos uns com os outros, devem ser verdadeiras, cheias de amor e de justiça. Jesus, com o seu exemplo, ensina-nos a amar a verdade. Ele sabia que ia ser condenado à morte se dissesse a verdade e não hesitou em dizê-la. Todos os homens devem amar a verdade. Não se deve mentir nem que seja para se desculpar ou desculpar alguém. Muito menos, ainda, com a intenção de causar dano a outro. Mentir é dizer o contrário do que se pensa, com a intenção de enganar.
    • Oitavo Mandamento Deus quer que respeitemos a boa fama de todos os homens e protege-a com o oitavo mandamento: «Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)».
    • Oitavo Mandamento A CALÚNIA Consiste em dizer mal de outro sabendo que é mentira. A DIFAMAÇÃO Dar a conhecer, sem necessidade, defeitos do próximo que ninguém ou poucos conhecem, tirar o bom nome. PECADOS contra o O FALSO TESTEMUNHO OITAVO Declarar em juízo ou ante as autoridades, coisas que MANDAMENTO não são verdadeiras e que prejudicam o próximo. A MURMURAÇÃO (OU CRÍTICA) comentar os defeitos do próximo nas suas costas. JUÍZO TEMERÁRIO pensar mal do próximo sem motivo nem fundamento.
    • Oitavo Mandamento Quem destrói a boa fama do próximo e ouve com agrado as difamações, comete pecado que pode ser grave, se o dano produzido for grave e tem obrigação de reparar o prejuízo causado.
    • Sétimo e Décimo Mandamento Todos os homens têm direito a possuir e conservar os bens que lhes permitam viver – a ele e à sua família – com dignidade.
    • Deus defende esteDécimo Mandamento Sétimo e direito com dois mandamentos: Não furtar Sétimo (nem injustamente reter ou danificar Mandamento os bens do próximo). Décimo Não cobiçar Mandamento as coisas alheias.
    • Sétimo e Décimo Mandamento quem rouba ou ajuda a roubar, quem não devolve o que lhe emprestaram, quem não trabalha como deve, quem não paga os impostos e os salários justos, Não cumpre estes mandamentos: quem cobiça os bens alheios, quem tem inveja daquilo que é dos outros, quem danifica (destrói) as coisas que são de uso comum (p. ex. os bancos dos parques, os móveis do colégio, os caixotes do lixo das ruas, os jardins, etc.).
    • Sétimo e Décimo Mandamento Deus quer que o homem domine a natureza, cuidando dela, trabalhando nela e transformando-a, não só para benefício próprio, mas também para o bem de todos.
    • Sétimo e Décimo Mandamento Ás vezes os homens destroem ou danificam a natureza para obterem bens imediatos; destroem as florestas com incêndios provocados, contaminam os rios, etc. Desobedecem assim a Deus e correm o perigo de deixar sem recursos os seus próprios descendentes.
    • Sétimo e Décimo Mandamento Todos os bens criados estão ao serviço de todos os homens. Mas na história de todos os tempos e civilizações aparecem grandes desigualdades sociais e injustiças entre ricos e pobres. Os bens da terra estão mal distribuídos (repartidos). Enquanto que alguns acumulam terras e dinheiro, outros não têm o necessário. Os cristãos devem repartir os seus bens com os mais necessitados. Foi sempre este o ensinamento da Igreja.
    • Sétimo e Décimo Mandamento Assim o recorda Jesus na parábola do rico avarento e de Lázaro. O rico negava ao pobre até as migalhas da mesa. Quando o rico morreu, foi condenado porque não pôs a riqueza ao serviço do necessitado (Lucas 16, 19-31), Santo Ambrósio, no século VI, ensinava: «Não é uma parte dos teus bens que tu dás ao pobre; o que tu dás pertence-lhe, porque te aproprias do que foi dado a todos». A esmola aos pobres é um testemunho de caridade fraterna: é também uma prática de justiça que agrada a Deus (Catecismo da Igreja Católica, nº 2462).
    • Sétimo e Décimo Mandamento O cristianismo tem muito a contribuir no campo da justiça, dado que a moral cristã ensina que deve ser completada com o exercício da caridade. “A melhor caridade consiste em exceder-se generosamente na justiça” (São Josemaria, Amigos de Deus 83).