• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
FRANCO, Augusto - Resista à Tentação de Pertencer a um Grupo
 

FRANCO, Augusto - Resista à Tentação de Pertencer a um Grupo

on

  • 586 views

 

Statistics

Views

Total Views
586
Views on SlideShare
584
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

1 Embed 2

https://twitter.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    FRANCO, Augusto - Resista à Tentação de Pertencer a um Grupo FRANCO, Augusto - Resista à Tentação de Pertencer a um Grupo Document Transcript

    • AUGUSTO DE FRANCO RESISTA À TENTAÇÃO DE PERTENCER A UM GRUPOSobre as dificuldades de se atirar na correnteza quando é tão maisfácil construir diques e ficar boiando na tranqüilidade da represa Publiquei este texto na Escola-de-Redes no dia 11/04/2011. Até hoje (26/09/2011) ele recebeu 62 comentários que vão publicados no final. Vale a pena ler o comentários para ter uma idéia dos fluxos de conversações na E=R. É a parte mais rica.As reflexões expostas a seguir são sobre redes sociaisvoluntariamente articuladas. Mais precisamente sobre a interaçãoentre pessoas em prol de objetivos comuns fora de organizaçõeshierárquicas ou do que chamo de grupos proprietários. Venho 1
    • ruminando-as há algum tempo. A primeira versão dessas idéiaspubliquei-a, ainda no início de 2009, no texto Cada um no seuquadrado http://goo.gl/SqcfpNa mesma época expressei mais ou menos assim uma convicção queestava se formando:"- Não faça patotas, não construa igrejinhas".O mundo girou, a luzitana rodou, e tal convicção somenteamadureceu. Então vou publicá-la antes que apodreça (sim,conhecimento guardado costuma estragar).Em geral as pessoas estão acostumadas a interagir em espaçosproprietários (fechados), não em redes (abertas). Não estão abertasà interação com o que chamei de outro-imprevisível. Por isso fazemescolas, erigem igrejas, urdem corporações e partidos e servem àinstituições hierárquicas (sejam sociais, estatais ou empresariais). E,às vezes, seu quadradinho é um espaço proprietário virtual, um blogou uma página no Facebook.Mesmo quando se aventuram a fazer redes, as pessoas, em geral,organizam grupos proprietários, estabelecem contextos que separamquem está dentro de quem está fora, criam sulcos que acabamdisciplinando a interação por meio de regras (muitas vezes tácitas,mas não por isso menos efetivas), de um glossário próprio (pelo qualressignificam os termos que usam recorrentemente gerando algumtipo de jargão) não importando para nada se esta "wikipedia" (ou"contextopedia") privada está ou não publicada em um site aberto oufechado; enfim, fazem tudo para promover o seu grupo – às vezeschamado de comunidade – à condição de instância mais estratégicado que as demais (os outros ambientes em que interagem, inclusiveas midias sociais onde se registram). Este é um dos motivos pelosquais sua interação nesses outros ambientes é, em geral, tão poucointensa ou tão pouco freqüente. Pudera! Seu tempo está tomado peloseu próprio grupo (seja uma organização da sociedade formal ouinformal, seja um órgão estatal, seja uma empresa).E o mais interessante é que, muitas vezes, essas pessoas estãoconvencidas intelectualmente de que devem se organizar em rede. 2
    • Não raro denominam de redes suas organizações hierárquicas ouseus grupos proprietários. Não estão – em sua maioria – mentindo oufazendo propaganda enganosa. Elas acreditam mesmo que suasorganizações sejam redes, desde que seus membros estejamconvencidos (ou “tenham consciência”) de que agora entramos na eradas redes (por algum motivo elas acham que consciência é algocapaz de determinar comportamentos coletivos).Chega a ser fascinante observar como essas pessoas não conseguemviver fora do seu quadrado. E como racionalizam tal aprisionamentolançando mão das mais variadas teorias sociológicas sobre grupos (asociologia vem aqui, não raro, como um socorro contra a política,como uma proteção contra a experiência direta de uma política não-autocrática). Ah! é difícil, como é difícil se atirar na correntezahttp://goo.gl/CJxs1 quando é tão mais fácil construir diques e ficarboiando na tranqüilidade da represa!Pois bem. Tudo isso - que já foi dito e repisado, por mim e poroutros, nos últimos dois anos - me leva agora a refletir sobre oseguinte: se quiserem realmente tecer redes as pessoas não devemse agregar a outras pessoas em grupos proprietários, comunidades 3
    • exclusivas, inner circles, bunkers para se proteger do mundo exteriorou outras formas de organização constituídas na base do “cada umno seu quadrado”. Sim, pode parecer surpreendentementecontraditório, à primeira vista, dizer o que vou dizer agora:- Se você quer fazer redes, resista a tentação de pertencer a umgrupo.Se você se deixa capturar por um grupo ou se põe a capturar outraspessoas para um grupo (que seja considerado - ou funcione como, dáno mesmo - o seu grupo), então você terá imensas dificuldades deinteragir em rede de modo mais distribuído do que centralizado. Sevocê quer, porque acha que precisa, porque sente, às vezesdesesperadamente, a vontade de se juntar a outras pessoas paraexecutar algum projeto coletivo, compartilhar com elas suas idéias,seus sonhos (e também suas ansiedades), somar esforços, apoiar ereceber apoio praticando a ajuda-mútua dentro de um campo decumplicidade, enfim, constituir um grupo e coesioná-lo a partir deuma visão comum, de um “falar a mesma língua”, de uma sintoniafina de sentimentos e emoções, então se prepare para fazer o maisdifícil: matar essa vontade!Simplesmente mate essa vontade. Se preciso, vá para o deserto epasse um tempo lá. Se você já está conectado a outras pessoas, porque diabos quer também forçar uma clusterização que selecionará apriori algumas conexões como mais fortes do que outras, algunscaminhos como mais válidos do que outros, alguns planos feitos intramuros (quer dizer, dentro daquele clusterzinho que foi urdido antesda interação) como mais estratégicos do que outros?Não há qualquer problema em se reunir com muitos grupos parapropósitos diversos, públicos ou privados, interagir em váriosaglomerados, atuar coletivamente em várias instâncias. O problemasó surge quando você faz tudo isso não a partir de você mesmo, massempre a partir de um grupo que encara os demais ambientescoletivos como campo de atuação (e uma atuação inevitavelmentetática, mesmo quando você proteste o contrário) desse grupo.Trabalhar em rede distribuída é diferente de trabalhar num grupoproprietário, numa organização nuclear que compartilha uma visão 4
    • comum e exige essa visão comum para continuar interagindo. Naverdade, o problema está na construção de mundos baseados naparticipação.Portanto, se você quer experimentar redes (mais distribuídas do quecentralizadas), nada de grupo participativo, nada de chegar a algumformato com base em participação. Redes não são ambientes departicipação http://goo.gl/ZQm8w e sim de interação. Não temos quedecidir o que todos farão em bloco. Vamos interagir e ver o queacontece. O formato final de qualquer ação coletiva será sempre umacombinação fractal, emergente, de certo modo inédita e imprevisível,das contribuições de cada um.Em outras palavras, se você quer fazer redes não pode esquecerjamais uma coisa: você é uma pessoa. Paulo Brabo (2007), em umtexto que não me canso de citar http://goo.gl/ytbZg, escreveu assim:“A primeira coisa a fazer, se você ainda não fez, é desiludir-se porcompleto de todas as iniciativas comunitárias ou governamentais, pormais bem intencionadas que sejam, e raramente são. Esqueça, meucaro discípulo, o coletivo. A salvação não virá de ongs ou ogs, Goguesou Magogues, poderes ou potestades. A salvação não virá de igrejas,assembléias, organizações de bairro, sindicatos, asilos, orfanatos oucampanhas de assistência. As ongs têm a tremenda virtude de nãoserem governamentais, mas contam com a imperdoável falha deserem organizações. Repita comigo: as instituições não existem. Sóexistem pessoas”.É claro que é necessário entender o contexto confessional (outeologal) em que Brabo escreveu sua bela homilia herética e fixar-senas suas mensagens centrais: desiluda-se por completo dasiniciativas comunitárias, esqueça o coletivo, reconheça a imperdoávelfalha das organizações (aquela que deriva do fato de seremorganizações) e convença-se de que as instituições não existem: sóexistem pessoas.Fale como uma pessoa. Seja uma pessoa. Não aja como se fosse umgrupo, um projeto, uma organização (nem mesmo tuite como sefosse uma coletividade abstrata). Uma pessoa jurídica é uma pessoaimaginária (ou seja, uma não-pessoa). A vida gastou 3,9 bilhões de 5
    • anos e as coletividades humanas formadas pela convivência gastaramuns 300 mil anos para constituírem essa tão surpreendente quantoimprovável realidade que somos (o humano, a pessoa: o encontrofortuito do simbionte natural em evolução com o simbionte social emprefiguração) e na hora em que vamos nos apresentar a alguém,sobretudo a alguma coletividade, temos vergonha de dizer que somos“apenas” uma pessoa e preferimos declarar que estamosrepresentando alguma dessas organizações vagabundas que, emmédia, não conseguem sobreviver mais do que poucos anos e que,além de tudo, são não-humanas, quando não desumanas.Mas... atenção! Pessoa não é o mesmo que a abstração chamadaindivíduo. Redes sociais não são redes de indivíduos e sim depessoas. O conjunto dos pensionistas do previdência social nãoconstitui uma rede social, assim como não constitui uma rede social apopulação de um país. O social, como sempre dizemos, não é acoleção dos indivíduos e sim as configurações móveis geradas a partirdo que ocorre entre eles (que, então, deixam de ser indivíduos parapassar a ser pessoas). Quando interagimos, tornamo-nos pessoas.Assim, pessoa já é rede http://goo.gl/pE0oM.Se você não tem liberdade para interagir nos seus próprios termos,como uma pessoa, se você diz: “vou consultar primeiro meu chefe oumeus companheiros” antes de decidir sobre isso ou aquilo, então suaporção-borg http://goo.gl/B7erl cresce e sua porção-social diminui.Em outras palavras, sua porção-rebanho cresce e sua porção-pessoadiminui. Em outras palavras, ainda: você perde um pouco daquelaqualidade da alma que chamamos de humanidade.Se você se define como participante de qualquer grupo, quer dizer,restringe suas possibilidades de interagir para se enquadrar nostermos já estabelecidos por outrem (ou, até, por você mesmo, porémantes da interação), então você terá muitas dificuldades de entender,experimentar e atuar em rede (distribuída).Toda realização em rede distribuída é um projeto que vai seconstruindo à medida que avança, que vai se formando ao sabor defluzz http://goo.gl/NA5xt, que vai gerando ordem a partir – e noritmo – da interação. Em tal contexto é desnecessário, a rigor, 6
    • combinar antes o script. É inútil – e freqüentementecontraproducente – mobilizar energia para direcionar um grupo.Se você quer fazer redes, nada de formar uma comunidade que váalém do seu propósito específico e declarado (como se fosse umcomunidade de destino). Não existe „a‟ comunidade: existemmúltiplas, diversas, comunidades. Se você acha que existe aquelacomunidade que é „a‟ comunidade (porque é “a sua”, a escolhida, apredestinável), é sinal de que você se deixou aprisionar por um grupo(às vezes uma prisão que você mesmo engendrou). E aí não vãotardar a surgir aquelas manifestações horríveis de pertencimentoexclusivo, de fidelidade... Mesmo que você aceite o direto de umapessoa de abandonar uma comunidade, isso não basta. É necessárioaceitar o direito de uma pessoa de pertencer a várias comunidades aomesmo tempo! Ou seja, é necessário desconstituir a cultura (ouquebrar a linha de transmissão de comportamento) do “cada um noseu quadrado”.Você já notou que este direito não é reconhecido nas organizaçõeshierárquicas, mesmo nas privadas, como os partidos e as empresas?Nas empresas esse direito só existe para os donos ou acionistas.Quando lhe pagam um salário, é como se dissessem: “comprei você eagora você é meu; nada de transar fora do meu quadrado”.Se você quer fazer redes, nada de alinhar visões. Na maioria dasorganizações burocráticas, sejam sociais, empresariais ougovernamentais, o tempo das pessoas é gasto em reuniões paraalinhamento (ou seja, agrupamentos forçados para discutir comorealizar melhor as diretivas estabelecidas por cima ou por fora da suainteração). Mal saem de uma reunião os “colaboradores” (umeufemismo empresarial para empregados, quer dizer, subordinados)já entram em outra reunião. E assim passam o dia: entre ocomputador, o banheiro, o café e as indefectíveis reuniões. Revela-seóbvio o motivo de tais reuniões: são ambientes de direcionamentovoltados à reprodução de comportamentos, são campos deadestramento, são artifícios para proteger as pessoas da experiênciade empreender http://goo.gl/6LWLa, de criar, de inovar.Se você quer fazer redes, nada de virar escola http://goo.gl/RTKir,nem mesmo escola de pensamento. As comunidades ditas de livre 7
    • adesão, em sua maioria, são algum tipo de escola de pensamento, oude igreja, ou de corporação, ou de partido, ou de alguma coisa queexija que você adote e professe uma visão coletivamente construídapara pertencer ao grupo e poder falar em seu nome. Mas se vocêquer fazer redes, nada de criar coesões que separem os de dentrodos de fora.Estar em rede é sempre uma aposta: a aposta de que da nossainteração desorganizada vai surgir algo interessante, não antes, noensaio (“a vida é beta”, como diz o Silvio Meira), mas sobretudo ali,na hora exata em que ocorre, bottom up. 8
    • Comentários1 - Comentário de Ceila Santos em 11 abril 2011 às 9:57 Hummmmmmmmmmmm identifiquei que estou presa... mas ao mesmo tempo achei que escrevia mais para as práticas empresariais, para indivíduos que estabelecem quem entra e quem tá fora, certo? Eu me identifico e ajo nas redes sociais como a mãe. Sinto que faço parte da blogosfera materna e seu texto me mostrou que estou presa a este pertencimento. Antes disso me sentia mais perdida pq perambulava por outras redes como de jornalistas, blogueiros e produtores culturais, mas não conhecia a rede de mães que era a razão de eu estar na rede. Agora que conheço sinto que pertenço... e pertencer dá um alivio danado. Talvez o alivio seja retrogrado...talvez! Mas fiquei com uma pulguinha atrás da orelha: a escola das redes é um grupo? Estamos aprisionados pela obsessão ao conhecimento das redes sociais, ou não?2 - Comentário de Tarás Antônio Dilay em 11 abril 2011 às10:04 OK, concordo com sua linha de pensamento. Fiquei com uma dúvida: a partir do ingresso em uma rede pré-estabelecida como é a Escola de Redes, o Fecebook, o twitter, etc, não estou já aceitando uma conceituação e um código de postura já previamente estabelecido? A própria web já não é um processo hierarquizado de interação? Achei que o texto confundiu mais a minha cabeça do que esclareceu... Abraço3 - Comentário de Augusto de Franco em 11 abril 2011 às10:06 A E=R não é um grupo, no sentido de grupo proprietário, Celia. São milhares de grupos. Como uma rede voluntariamente articulada, a Escola-de-Redes tem um propósito. Mas não é necessário professar algum ponto de vista particular sobre como realizar tal propósito para se conectar à ela. 9
    • 4 - Comentário de Ceila Santos em 11 abril 2011 às 10:16 Então, a questão não está no pertencimento, mas no funcionamento do grupo. Ou seja, mesmo que eu pense diferente de vc, posso continuar pertencendo a Escola de redes. Deveria então resistir à tentação de estabelecer pontos de vistas comuns, "consensos" ou regras que determinam quem entra e quem está fora? fiquei confusa com seu feedback. P.S.: Meu nome é Ceila. E não célia. Tks5 - Comentário de MARIA OTÁVIA LIMA EÇA DALMEIDA em11 abril 2011 às 10:20 Que presentaço de aniver, grata!6 - Comentário de Gabriel Artur Marra e Rosa em 11 abril2011 às 10:23 Excelente! Sempre achei que a constituição de um grupo deveria seguir certo apriorismo de objetivos, interesses, etc. Agora percebo que esses interesses comuns existem, mas também estão presentes os interesses e desejos das pessoas que constituem esse grupo, essa rede. Talvez, seja a interação destes últimos o fator de inovação e de reconfiguração dos primeiros estabelecidos e partilhados. Nesse sentido, creio eu, o pertencimento varia de acordo com a necessidade e as possibilidades de cada pessoa, que se mesclam às demais conformando uma interação reativa e inovadora.7 - Comentário de Daisy Grisolia em 11 abril 2011 às 10:33 A Escola de Redes é uma rede de pessoas que se interessam por um determinado tema, o que não diz nada sobre o modo que elas entendem este tema. As pessoas se conectam, mais ou menos, interagem em graus variáveis ao longo do tempo, se agrupam e desagrupam, articulam-se para outros projetos ou não. Facebook, twitter e o próprio NING são ferramentas que permitem e em algumas situações facilitam que estas interações aconteçam. Lendo o texto é 10
    • inevitável sentir um certo arrepio, típico de quem está prestes a se lançar num esporte radical, quando, por melhor que sejam os equipamentos, você percebe que está por sua conta e risco. Há um longo caminho a percorrer...8 - Comentário de Carlos Boyle em 11 abril 2011 às 10:48 Para posicionarme con respecto al "sujeto", "persona" e "individuo" voy a citar este texto de Michel Onfray: "Del sujeto podemos decir, desgraciadamente, que ha sido exacerbado en esta época y en estos lugares. Define al ser por la relación y la exterioridad, negándole una identidad propia que se le atribuye solamente por y en la sumisión, la subsunción a un principio trascendente, superándolo: la ley, el derecho, la necesidad o cualquier otra cosa que incita a hacer la economía de sí en provecho de uma entidad estructurado por su participación, su docilidad. El sujeto es siempre de algo o de alguien. De modo tal que siempre encontramos um sujeto menos sujeto que otro, en la medida en que, apoyado sobre el principio en cuestión, uno se siente incesantemente autorizado para someter a otro: el juez, el político, el docente, el prelado, el moralista, el ideólogo, todos aman tanto a los sujetos sometidos que temen o detestan al individuo, insumiso. El sujeto se define en relación con la institución que lo permite, de ahí la distinción entre los buenos y los malos sujetos, los brillantes y los mediocres, es decir: aquellos que consienten el principio de la sumisión y los otros. Con su preocupación por la conciencia que se rebela y no acepta, Antelme recuerda que un sujeto no se define por su conciencia libre sino por su entendimiento sometido, fabricado para consentir la obediencia.La persona tampoco me agrada. Aquí también la etimología, etrusca en este caso, recuerda que la palabra proviene de la máscara utilizada en la escena. Que el ser sea con relación a lo que se somete o por su modo de presentarse, no me convence, ni en uno ni en otro caso. La metáfora barroca del teatro, la vida como sueño o novela, la necesidad de la astucia o de la hipocresía, del juego social que presupone la persona del teatro, implican también el recurso al artificio: el ser para el otro no es el ser en su resplandor, ni en su miseria. El campo de concentración olvidó al hombre, celebró al sujeto, tornó improbable a l persona y puso de manifiesto al individuo. Las tres figuras de la sumisión funcionaron en la juridicidad, el humanismo y el personalismo. Quedan por formular las condiciones de posibilidad de un individualismo que no sea egoísmo Lejos de la red, de la estructura, de las formas exteriores que 11
    • dibujan los contornos provenientes de lo social, la figura del individuo remite a la indivisibilidad, a la irreductibilidad Es lo que queda cuando se despoja al ser de todos sus oropeles sociales. Bajo las sucesivas capas que designan al sujeto, al hombre y la persona, encontramos el núcleo duro, entero, la mónada cuya identidad nada, salvo la muerte - y quizá ni eso-, puede quebrar. Unidad distinta en una serie jerárquica formada por géneros y especies, elemento indivisible, cuerpo organizado que vive su propia existencia, que no podría dividirse sin desaparecer, ser humano en cuanto identida biológica, entidad diferente de todas las otras, si no unidad de la qu se componen las sociedades: el individuo sigue siendo irreductiblement la piedra angular con la que se organiza el mundo."9 - Comentário de Raulino Oliveira em 11 abril 2011 às 10:52 Antes de irmos para o deserto seria interessante: - ver o que fazer com esta patota aqui. - seria o caso de nos espalharmos todos no FaceBook e no Twitter? - Vamos declarar morte ao Ning!? Abração Augusto10 - Comentário de Carlos Boyle em 11 abril 2011 às 11:00 Dicho esto creo que no existe un individuo como tal , como una bola irreductible un cuerpo con ideas coma tal, sino un cuerpo que se va individualizando y desindividualizando de acuerdo a los principios que resume Vega Redondo para la conformación de una red. 1. Búsqueda: los individuos están en una búsqueda permanente de otros individuos a fin de poder procesar los Fluzz de la manera mas conveniente. Para eso tienen que interactuar y a partir de la interacción saldrá, se conformará una forma de organización que estará determinada por los Fluzz. 2. Volatilidad. Esa búsqueda se desarrolla dentro de un medio que a veces permanece estable, proveyendo Fluzz constantes y parejos, en donde la organización de la red ( búsqueda) se estabiliza. Si el entorno es volatil tanto que varía en una gran magnitud, como en muchos pequeños cambios, la organización se adptará a esa volatilidad. 12
    • 3. Ante un gran cambio la red podrá quedar mas cerrada "en su cuadrado", o totalmente desintegrada. Esto significa que no hay UNA red distribuida, si es distribuida es justamente una gran red dispersamente vinculada que PULSA al ritmo de la volatilidad del medio y de la posibilidad de lo Fluzz, a veces la encontrarás totalmente cerrada sobre si misma, otras totalmente desvinculada. En realidad esto pasa porque es un fractal como vos decís. Es decir un patron de interlinkeo aprendido (tal vez por la historia, tal vez por la resiliencia) que reconfigura la red en función de sus disponibilidades y de sus necesidades. Pero el arbol fractal, siempre está. Me gusta como van madurando estas ideas.11 - Comentário de Carlos Boyle em 11 abril 2011 às 11:06 Esto de Onfray tal vez sea la clave: Quedan por formular las condiciones de posibilidad de un individualismo que no sea egoísmo.12 - Comentário de jandira feijo em 11 abril 2011 às 11:11 Augusto, teus textos sempre causam tsunamis e provocam em mim sentimentos contraditórios! E isto é maravilhoso. Ainda bem que não deixas o conhecimento mofar e estimulas novos horizontes. Concordo com o conselho para que resistamos à tentação de pertencer a um grupo, na verdade é assim que tento me construir diariamente e, bem ou mal, que tenho conseguido sobreviver com relativa coerência entre este jeito de olhar o mundo e me relacionar com as pessoas. Entretanto, o que me angustia é como localizar onde estão os outros que assim também pensam e agem dentro de uma instituição tão arcaica quanto a área estatal (tão visceralmente embricada com as organizações partidárias). Atuo num ambiente adversarial, 13
    • hierárquico, centralizado, burocrático, anacrônico, onde não há espaço para relações verdadeiras, nem interesse institucional de mudar o status quo. Para cada aparente avanço, um alto preço. Não existe interação, portanto, não existe rede dentro destes espaços estatais. Aqui é mais do que cada um no seu quadrado; é cada um no seu curral, ou na sua jaula, e esta não é uma crítica à gestão de A ou de B, mas sim à estrutura secular. Mas, como onde existe vida existe relação e interação, posso presumir que nos dutos destas instituições governamentais deva existir algum oxigênio. Ou estou equivocada? Afirmas que "é necessário desconstituir a cultura (ou quebrar a linha de transmissão de comportamento) do “cada um no seu quadrado”. Ok, tenho certeza disso, mas como? Espero que o fluxo da vida gere o maremoto?13 - Comentário de Augusto de Franco em 11 abril 2011 às11:12 Tarás e Ceila, talvez para entender o que pretendia dizer (ou aumentar ainda mais a confusão, o que não é ruim em princípio) seja preciso ler o textos linkados. Penso que se não entendermos a diferença entre interação e participação, o restante fica meio sem sentido. Então vou tornar a linkar aqui um texto que trata especificamente desta distinção: REDES SÃO AMBIENTES DE INTERAÇÃO, NÃO DE PARTICIPAÇÃO http://www.slideshare.net/augustodefranco/redes-so-ambientes-de-interao-no-de- participao Raulino, o bom da história é que não precisamos para nada ver o que fazer com esta patota aqui. Não é uma patota, como você já deve ter percebido. Abração também. Daisy, gostei imensamente de sua imagem: "Lendo o texto é inevitável sentir um certo arrepio, típico de quem está prestes a se lançar num esporte radical, quando, por melhor que sejam os equipamentos, você percebe que está por sua conta e risco". 14
    • Boyle, concordo. As diferenças entre o que você disse e o texto são mais terminológicas do que conceituais. Um ser humano concreto é sempre uma unidade biológico-cultural, não um exemplar da espécie (biológica), nem somente uma particular configuração (cultural). Chamo de pessoa a esta unidade, que não é algo dado e sim em construção. Tornamo-nos pessoas à medida que interagimos com outros seres humanos. Daí que pessoa já é rede e o indivíduo, como tal, é uma abstração (não é um ser humano concreto, se for um exemplar da espécie é uma condição do humanizável, não uma consumação do humano).14 - Comentário de jose de assis silva em 11 abril 2011 às11:41 Achei super bacana o texto de Augusto Franco. Acredito que é um bom material para se trabalhar numa sala de aula onde adolescentes se gabam por terem e fazerem parte de uma comunidade de 2000 amigos. Disputam entre si quem tem mais amigos e se esquecem que na verdade, estão solitários e meio sem rumo, atirando para qualquer lado.15 - Comentário de jaime fractal em 11 abril 2011 às 11:53 Se você quer fazer redes, resista a tentação de pertencer a um grupo. Se vc entrar numa rede seja o mais aberto possível, não seja preconceituoso e não se ache o mais preparado de todos, entre para aprender e criar com os membros as condições e o conteúdo da rede. Nas redes não estamos numa competição, estamos numa pessoalização e em uma customização que satisfaz a maioria.16 - Comentário de Cida em 11 abril 2011 às 12:30 É de grande alívio o que escreveu. E entusiasmante!17 - Comentário de Clara Pelaez Alvarez em 11 abril 2011 às13:38 Interessante o texto! Só fico me perguntando o seguinte: 15
    • 1. Somos seres sociais. Clusterização é fenômeno de rede. Parece-me que regras para clusterização, sobram! Esse "deve/não deve" ser assim me incomoda demais. 2. A ER é uma "comunidade" (ou esse termo não se aplica aqui?) de estudo de redes, cujas regras foram delineadas por você, Augusto. Qual a diferença desta comunidade para outras? Pra mim não ficou claro!18 - Comentário de jaime fractal em 11 abril 2011 às 14:50 Concordo plenamente com: "Toda realização em rede distribuída é um projeto que vai se construindo à medida que avança, que vai se formando ao sabor de fluzz, que vai gerando ordem a partir – e no ritmo – da interação. Em tal contexto é desnecessário, a rigor, combinar antes o script. É inútil – e frequentemente contraproducente – mobilizar energia para direcionar um grupo". Estruturar e direcionar não adianta mesmo, mas treinar como interagir e conhecer as ferramentas das redes é fundamental, como um arqueiro zen precisa estar aberto e preparado para o que acontecer.19 - Comentário de Augusto de Franco em 11 abril 2011 às14:52 Acho que dentro da E=R, Clara, se formam comunidades. Aliás, era este o propósito desde o início: a escola-não-escola que é esta rede deveria almejar a formação de múltiplas comunidades a partir de agendas compartilhadas, lembra? Isso de fato tem ocorrido, aqui e ali. O diabo é que as pessoas usam a palavra comunidade com vários sentidos. Há aquela grande comunidade (de que falava Althusius, que acabou se confundindo até com o conceito de nação), há a pequena comunidade vicinal de convivência de Dewey e, mais recentemente, qualquer grupo de aprendizagem, de prática ou de projeto é chamado também de comunidade (mesmo quando, claramente, é um grupo proprietário). 16
    • Não delineei regras propriamente para a Escola-de-Redes e sim para iniciar esta plataforma que utilizamos, que exige isso porque, como sabemos, é uma plataforma p-based e não i-based (mais baseada em participação do que em interação). Então "o criador" (hehe, é assim que chama ou chamava o Ning) obriga você a optar: aceita a adesão de qualquer um ou tem que pedir para entrar? (Conquanto depois, o próprio Ning Team nos aconselhou a modificar o que era totalmente aberto, para evitar os programas invasores); aceita comentários (em que lugar? - e aí vem uma lista imensa)?; qualquer membro de um grupo pode enviar comentários para os outros membros do grupo? etc. etc. A lista de opções de administração é realmente extensa. É claro que numa plataforma p-based, que logo atingiu milhares de membros, não se pode - e não se deve - submeter tais decisões e outras (como as regras básicas de convivência sem as quais não sobreviveríamos, como, por exemplo, a proibição de fazer propaganda política ou de produtos e serviços comerciais) a nenhum tipo de consulta capaz de gerar artificialmente escassez. Se isso ocorresse teríamos que discutir antes, quais as condições, quem seria o colégio apto a se manifestar e cairíamos em um sem-número de armadilhas semelhantes. Parece que não haverá solução para isso enquanto não tivermos plataformas baseadas em interação. A participação, qualquer participação, obriga as pessoas a se conformarem em ambientes com regras já estabelecidas ex ante à interação (e disso não escapa este Ning da E=R). Mas o que o texto queria explicitar é que se não falamos em nosso próprio nome, seja onde for, nos nossos próprios termos e sim em nome de um coletivo mais estratégico, quer dizer, como "representantes" do nosso quadrado (constituído ex ante à interação), então temos dificuldades imensas de interagir com o outro- imprevisível.20 - Comentário de Guaraciara de Lavor Lopes em 11 abril2011 às 19:09 Primeiramente, adoro os textos do Augusto porque eles sacodem, mas confesso que precisei imprimir o texto para entender melhor. Pois é, sem o papel não consigo ser minimamente inteligente. Se eu entendi, a questão é o rabo balançar o cachorro. A instituição é o rabo e o cachorro perde a identidade se ficar cotó. É a velha historia, quando a gente se apresenta logo perguntam de onde, de qual família (sim, isto 17
    • ainda é comum) e a titulação. Minha resposta é geográfica: - de Volta Redonda e não tenho titulação porque não pertenço à nobreza. Acredito que a necessidade do pertencimento vem da construção de nossa identidade. Como somos identificados pelo outro e assim nos estruturamos, precisamos de um grupo. Realmente o grupo é necessário, mas a interação não precisa do grupo. Pra mim a interação surge quando algo ou alguém desperta meu interesse, se vai acontecer alguma coisa ou não, não importa. Valeu porque de algum modo cresci. E seu entendi corretamente o Augusto, vou enlaçando e esparramando minha rede na maior parte do meu tempo. Se não entendi nem um cadiqui, por favor, providenciem tradução simultânea21 - Comentário de Augusto de Franco em 11 abril 2011 às20:45 Pois é, que bom que o post gerou bons comentários. O que pretendi dizer é simples e poderia talvez ser resumido naquela sentença inicial (de 2009): não faça patotas, não construa igrejinhas, articule redes. Não chame suas organizações hierárquicas ou seus grupos proprietários de redes (no sentido em que a palavra vem sendo entendida aqui, como redes mais distribuídas do que centralizadas). Sei que é difícil. Queremos nos proteger do outro, do concorrente, daquele que julgamos como adversário ou inimigo porque divide ou disputa (ou pode vir a dividir ou disputar) conosco alguma posição. Passei anos e anos amargando e chafurdando mesmo em ambientes deletérios, alguns dos quais compostos por pessoas que hoje ocupam as mais destacadas posições no topo das hierarquias mais altas da República... Lembro bem que dizia, fazendo piada de humor um tanto sinistro, que o mais difícil era aguentar a vontade de ir ao banheiro por horas a fio (sim, as reuniões demoravam uma eternidade), pois que do contrário corria-se o risco de alguém (não um inimigo, mas um companheiro) sentar no seu lugar... Era isso: todos eram potencialmente inimigos, todos disputavam. É claro que num ambiente assim (e a maioria dos ambientes hierárquicos são assim, mesmo quando queiramos vestir o manto da humildade, da compaixão, do amor ao próximo, como fazem os cardeais no seu colégio) alguém só sobrevive entrando em uma patota. Mais ou menos como ocorre nas prisões. Revoltei-me contra isso muito antes de entender a possibilidade de organização em rede distribuída. Quando descobri as redes, vi que era 18
    • possível, sim, interagir sem pertencer, se conectar sem professar, se associar sem obedecer e sem mandar, atuar junto sem se deixar arrebanhar. Desde, é claro, que se aceite a lógica da abundância. Mas o fato é que, mesmo se não tivemos oportunidade de vivenciar essas manifestações de desumanidade em seu paroxismo, continuamos procurando proteção de um grupo para chamar de nosso (o que, no fundo, é uma proteção contra o mundo exterior). Não é nossa natureza gregária ou social, como se diz, que nos leva a isso e sim exatamente o contrário: são tendências anti-sociais (geradas por programas verticalizadores que rodam na rede social) que nos compelem a nos proteger do outro-imprevisível. Parodiando nosso amigo José Pacheco (no que diz em relação à escola tradicional), hoje posso declarar que estou nisso (articulação e animação de redes) por vingança.22 - Comentário de Guilherme de Barros em 11 abril 2011 às21:00 Hmmmm... fica sempre minha dúvida se é possível construir algum sistema (rede) sem os padrões presentes em todos, TODOS os sistemas (redes) do universo conhecidos por nós: Centralidade - todo sistema tem um centro visível ou não, tangível ou intangível; Familiaridade - todos os sistemas se agrupam por afinidade formando sistemas menores (ao infinito) e maiores (ao infinito tb); Individuação - toda parte de qualquer sistema quer ser única e um universo ou sistema por si só. Pretender que um conjunto de pessoas possa exisitir sem constituir tecido (igrejinha, patotinha, etc) é o mesmo que querer que haja um fígado sem células ou células (úteis) que não façam parte de um tecido qualquer. Tudo se encadeia no universo para servir e ser útil em um sistema sempre mais complexo que a parte. Agora, se as células de um fígado formam um câncer, esse problema não é do fígado como idéia original, e sim das células que não sabem trabalhar de maneira harmoniosa. 19
    • 23 - Comentário de Augusto de Franco em 12 abril 2011 às6:00 Não é fácil mesmo aceitar o fluxo, Guilherme. São seis mil anos de inseminação de uma metafísica como esta que você expõe abaixo. Tenho para mim - seguindo as especulações do matemático Ralph Abraham - que isso começou em uma calma tarde sábado, em algum momento da pré-história sumeriana. E tão influente foi essa metafísica que até hoje, seis mil anos depois, ainda continuamos ignorando as descobertas científicas ou mentindo em nome da ciência. Vamos ver. Centralidade. Não há qualquer evidência de que todo sistema tenha um centro. Em termos topológicos, nenhum sistema distribuído tem centro. Qual é o centro da vida (a capa biosférica que envolve o planeta Terra)? Qual é o chefe do cérebro? Quem é o comandante de um bando de pássaros que voam em formação delta (seguindo sua metafísica diríamos que é aquele que está no vértice, conquanto a ciência já tenha desmascarado isso: não existe aquele, eles se revezam e a formação visa apenas diminuir a resistência do ar ao deslocando do bando)? Existe mesmo uma rainha nas colmeias e nos formigueiros (ou isso foi apenas uma projeção dos nossos padrões societários: veja as descobertas de Deborah Gordon)? Familiaridade. Tudo que interage tende a clusterizar, mas isso nada tem a ver com afinidade (tal como usamos este conceito em nossa sociedade). Não ocorre por efeito de alguma imanência, como supõem os esquemas míticos de interpretação do mundo. A própria origem da palavra familiaridade é reveladora da tentativa de transposição não- hermenêutica de padrões da sociedade hierárquica para outras esferas da realidade. Individuação. Não é bem que toda parte de qualquer sistema queira ser única. Na maioria dos casos elas não podem "querer" nada (posto que não têm vontade, suas características intrínsecas não podem explicar o comportamento dos emaranhados onde existem como tais). Nossas observações - da cibernética à matemática do caos e dos sistemas complexos - revelam outros padrões que remetem a conceitos como holon e fractal. 20
    • Um conjunto de pessoas em interação constitui, sim, sempre, umtecido. Mas isso não é a mesma coisa que patota, igreja, grupoproprietário. Os exemplos que você cita refutam suas premissas. Ofígado, como parte de um organismo, tem um padrão de rede. Toda avida - organismos, partes de organismos e ecossistemas - se organizaem rede (como disse nossa querida bióloga Lynn Margulis, "a vida nãose apossa do globo pelo combate e sim pela formação de redes" e valea pena ler aqui na E-R o post A vida como rede fractal de seresinterdependentes). Tudo que é sustentável tem o padrão de rede.Por último, a hipótese do câncer como resultado de uma ignorânciadas células hepáticas que, como você aventa, "não sabem trabalharde maneira harmoniosa". Que coisa, heim Guilherme? Este éexatamente o mesmo schema mítico da queda dos anjos. Tudo estavaplanejado pelo grande arquiteto para ser justo e perfeito... mas aíhouve a queda. Alguns seres da hierarquia se corromperam e o mal foiintroduzido no mundo. Veja que é o mesmo padrão de pensamentoque urdiu a idéia do pecado original. Sobre isso tuitei outro dia que oproblema não é a queda dos anjos e sim os anjos.Ao entender fluzz - que foi a maneira que encontrei para falar dofluxo, quer dizer, da ordem que surge continuamente a partir dainteração - entendemos que não existe uma ordem preexistente, queo universo se cria a medida que se desenvolve.Para quem teve sua consciência colonizada por idéias feita paraescravos (sim, é disso que se trata), é realmente muito duro descobrir 21
    • que estar interligado a tudo é estar realmente só, como um viajante dos multiversos...24 - Comentário de CARLOS EDUARDO DE OLIVEIRA PRAESem 12 abril 2011 às 6:59 Fascinante! Grupos funcionam como padrão e padrão tende a nos aprisionar no passado, redes abertas possibilitam achar o desvio padrão, o diferente, ai tudo começa a ficar bonito e projeta futuro. Seres humanos possuem um dos mecanismos cerebrais como reptiliano e por muitas vezes somos acometidos pelo efeito neurônio espelho ou efeito manada, isto é, se 10% de um grupo caminha para uma direção ou tem uma opinião os outros 90% seguem o mesmo sem questionar, como vimos no artigo, isto aprisiona, redes ao contrário os vetores são tantos que exercemos nosso livre arbítrio e não caímos na cilada do efeito manada.25 - Comentário de Angela Regina Pilon Vivarelli em 12 abril2011 às 9:49 Isso! Vamos sair... 22
    • 26 - Comentário de jaime fractal em 12 abril 2011 às 10:00 Já saí do quadrado e agora estou vendo redondo! É isso?27 - Comentário de Cida em 12 abril 2011 às 10:06 Angela Regina Pilon Vivarelli Vc é uma é uma excelente intérprete. Traduziu objetivamente. Grata.28 - Comentário de Augusto de Franco em 12 abril 2011 às11:02 É isso, Angela, mas não basta ver redondo: tem que sair rolando feito uma bola!29 - Comentário de jaime fractal em 12 abril 2011 às 11:07 É sair redondo e não descer redondo que nem a cerveja! Ou descer rolando que nem uma bola!30 - Comentário de Angela Regina Pilon Vivarelli em 13 abril2011 às 8:31 “O Teorema de Von Foerster sobre a Conexão e a Organização: Aplicações Semânticas", de Benny Shanon e Henri Atlan: "Quanto mais (rigidamente) conectados forem os elementos de um sistema, menos influência terão sobre o sistema como um todo. (...) Quanto mais (rigidas) forem as conexões, maior grau de "alienação" do todo apresentará cada elemento do sistema."31 - Comentário de jaime fractal em 13 abril 2011 às 8:53 Angela, se rigidez significar formalidade e seguimento de padrões já definidos acho que é perfeito esse teorema sobre ligação/conexão. 23
    • Rigidez leva a alienação e a menos influência e movimentação no grupo.32 - Comentário de Guaraciara de Lavor Lopes em 13 abril2011 às 11:09 Angela, além de interprete você me ajudou a dar palavras a percepção de minhas vivências ao me apresentar o teorema. Tenha uma excelente tarde33 - Comentário de Angela Regina Pilon Vivarelli em 13 abril2011 às 16:19 Pensando... "Em 1976, no que foi chamada a "conjectura de von Foerster", este ciberneticista sugeria um tipo de relações aparentemente paradoxal entre o comportamento global de um sistema de elementos interconectados e o comportamento individual de cada um destes elementos. Quanto mais "trivial" – ou seja, predeterminado e previsível, por "unívoco" (ou seja, atuante sempre da mesma maneira) no estado do sistema – fosse o comportamento individual, mais fraca seria sua influência no comportamento global. De forma metafórica, os indivíduos "trivializados" se sentem, então, "excluídos" pelo comportamento global do grupo, uma vez que não há reconhecimento de sua especificidade pelo sistema; ao contrário, quanto menos "trivial", ou seja, predeterminado, for o comportamento do indivíduo, tanto maior a influência que ele exerce sobre o grupo e menos se sente "excluído" Ler mais em: http://goo.gl/a5Z5N34 - Comentário de Sérgio Luis Langer em 13 abril 2011 às18:55 As conexões formuladas e produzidas devem acima de tudo, inferir-se como complementares e m sua integridade. Integridade, esta, nutrida e fomentada pela responsabilização ética e conectiva de uma 24
    • preocupação maior... a coletividade parceira de uma consciência do amadurecimento social. Todos temos capacidade para dissociarmos pensamentos, atos, questionamentos e observações sobre a vivência compartilhada dos anseios da humanidade; porém, os grupismos e amiguismos nunca serão diferenciais para com a conquista benemérita do conhecimento. A aplicação das idéias capacitadas a promoverem uma análise comportamental torna reflexiva a expressividade das nossas preocupações solidárias. Sempre estivemos embasados no desenvolvimento evolutivo de relações. Um universo interrelacionado com as dinâmicas de transformação, tradução e transcrição de condutas segundo princípios particulares de formação ... intencionais e regidos pela nossa vontade, interesse e comprometimento para com a valorização da vida (coletiva e prioritária de nossos semelhantes), em todas as suas instâncias, tendo nela uma unidade de significado e propósito pelo qual existimos.35 - Comentário de Carlos Nepomuceno em 14 abril 2011 às4:54 Augusto, gosto de quem me desequilibra e você faz isso. Rompe e provoca. Bom. Entendo a idéia das igrejas e gosto de chamar esse movimento de "conhecimento líquido", ou fluxo, como você escreveu mais adiante nos comentários. Porém, não acho que a questão está no grupo se formar em sim, mas nas paredes que criamos em torno deles. Lembro de participar de grupos de poesia que quando chegavam a um ponto de não mais querer criticar os poetas "isso é bom dentro do seu projeto poético" era hora de sair, pois perdia-se o que foi-se buscar: a opinião sincera. Assim, a tendência por grupos e por estarmos com pessoas que nos dão significado não acredito que vamos perder, porém, concordo contigo que se fechar nisso é algo que deve ser evitado, pois acaba nos levando a um ponto de saturação. Grupos sim, mutantes e sem fronteiras, líquidos... 25
    • Que dizes? abraços, Nepô.36 - Comentário de jaime fractal em 14 abril 2011 às 9:59 O que me motiva entrar em um grupo não é somente o assunto ou tema que foi estabelecido mas tb a possibilidade de conhecer os membros e fazer contatos. Cada membro é uma possibilidade e embora muitos possam ser bem parecidos a diferenciação se faz no contato e nas relações sociais que são feitas.37 - Comentário de Ceila Santos em 14 abril 2011 às 10:58 Nossa, Augusto, acabei de ler o link indicado (obrigada!!!!) e agora realmente pirei...Vou ter insônia com a minha consciência por um bom período ou por vidas...Exagero? Não sei. Mas o fato é que não consegui me agarrar em nada e deu pânico de cair na roda porque ela começou a fazer sentido. Entendi que o pertencimento ao grupo no sentido de defender a posse do que ele representa nos coloca numa posição de luta. ou seja, eu quando assumo o lugar de mãe histórico (ou seja, acredito na luta e vivo na prática para atingir seu ápice comigo mesma), cujas características são estabelecidas por um ideal assumo uma atitude de defesa com o restante da humanidade. Não há interação verdadeira, mas defesa do lugar que represento. Quando tomo consciência disso posso até acreditar no idealismo de mãe, mas posso interagir de forma aberta sem a obrigação de seguir aquele modelo. UAU! É fantástico, extremamente inseguro, mas de uma fraternidade tamanha... Acho que tô despertando pra esse netweaving, mas como tenho cabeça de papel (sou jornalista) e uso muita ferramenta da turma do software não consigo desligar toda essa questão cultural da prática de produzir conteúdo. Ainda produzo e penso no conteúdo muito como a academia (universidade) em busca dos "donos de conhecimento" (biografia/referências) e isso é se fechar em gueto? 26
    • Qual sua visão sobre o interagir na hora de produzir conteúdo em ferramentas como blog que funciona ainda no regime da escassez?38 - Comentário de Augusto de Franco em 14 abril 2011 às14:24 Carlos Nepomuceno, a fronteira é apenas o resultado da interação entre o que está "dentro" e o que está "fora". Se você muda a estrutura que separa, muda o que foi separado. Assim, o que é contido por uma membrana é diferente do que é contido por uma parede (opaca). A chave não é o tipo de parede que criamos e sim o modo como nos organizamos: a parede é conseqüência. Ceila, ainda é assim mesmo. Mas cada vez mais o conhecimento é relação social, sem dono, e fica distribuído na rede.39 - Comentário de Guaraciara de Lavor Lopes em 14 abril2011 às 14:53 Lembrei demais do Augusto, agora a pouco. Viagem Sabará/Carmo de Minas, duração sete horas. Passando por Olimpio Noronha e sem ver sinalização pergunto a um senhorzinho sentado na calçada: - Como faço para chegar a Carmo de Minas. Resposta imediata: - Quando acabar a rua, tem um trevo. Corta o trevo e segue o “fruxo”. Tem erro não dona. Seguindo o fluxo, cheguei sem erro.40 - Comentário de jaime fractal em 15 abril 2011 às 15:23 Guaraciara, dessa vez vc teve sorte com o famoso sinhozinho mineiro, num é sempre assim naum!41 - Comentário de Nei Grando em 17 abril 2011 às 15:24 Quando estamos nos grupos, nas redes, o melhor que temos a compartilhar é nós mesmos, inteiros com nossos reais pensamentos, reflexões, sentimentos, paixões, buscas, mas sempre com o propósito 27
    • de contribuir, de edificar e sempre considerando e respeitando o outro.42 - Comentário de Nei Grando em 17 abril 2011 às 15:27 Augusto, parabéns pelo artigo! Seus pensamentos me chamaram a refletir, muito obrigado! @neigrando43 - Comentário de Maria Rita Marques de Oliveira em 18abril 2011 às 0:18 Não falo aqui com conhecimento de causa, falo de certa forma encorajada pelo dito aqui que a escola de um pensamento não seria desejada. Li o texto e vários comentários em meio a "turbulências" e "calmarias" não me sinto confortável concordando ou discordando dessa linha de pensamento. Em que medida o autor dessas idéias não é ele próprio um centro? Pode não estar interessado em ser o centro e, muito menos sinta-se conectado a um outro. Me parece que ao "tornar-se pessoa" paradoxalmente, se corre o risco de virar centro. Talvez não seja nada disso, eu precise apenas rever o meu conceito de centro/hierarquia.44 - Comentário de jaime fractal em 18 abril 2011 às 12:54 Maria Rita, na vida real às vezes falo muito, proponho idéias e acabo virando o centro, o que eu não gosto nem um pouco porque isso traz muita responsabilidade. O Augusto, mesmo que não deseje acaba virando o centro porque é o gestor aqui da escola de rede e tb teórico e divulgador de conhecimento das teorias e práticas das redes sociais. Se um determinado membro acaba virando o centro porque os membros do grupo voluntariamente desejam não vejo mal algum e de forma alguma impede que os membros se tornem pessoas e desenvolvam os seus egos. Uma estrutura hierárquica em que os membros são obrigados a obedecer involuntariamente isso sim sempre foi um grande problema. Abraço! 28
    • 45 - Comentário de Augusto de Franco em 18 abril 2011 às15:14 Penso que é mais ou menos como disse o Jaime, Maria Rita. Ninguém centraliza a rede porque expõe suas idéias. A centralização é um condicionamento de fluxos, quando se obriga esses fluxos a passar por determinados caminhos (porque outros caminhos foram suprimidos ou obstruídos). Leia o texto O poder nas redes sociais para entender esse ponto de vista. No texto indicado os conceitos de poder e hierarquia são apresentados do ponto de vista da topologia das redes.46 - Comentário de Angela Regina Pilon Vivarelli em 19 abril2011 às 8:05 Penso que a centralização nas redes é como um caleidoscópio... Não é mesmo bonito isso? Veja no Youtube: http://goo.gl/15a3C47 - Comentário de Douglas Rocha Liberato em 24 abril 2011às 13:06 Nós temos um ego, temos um comportamento egóico e somos cobrados por uma sociedade coletiva e inconscientemente egóica. Assim, "vale" o que a comunidade ou a sociedade diz e quer e não aquilo que cada um gostaria. Assim é, não que devesse ser. Quando cada pessoa estrutura seu ego, lá pelo seu terceiro ou quarto ano de vida, de modo simples, podemos dizer que ela vai descobrindo comportamentos, crenças e maneiras de se relacionar que a fazem se sentir aceita diante dos outros. Aceita e aprovada. Ou quase. Tudo vai caminhando, até que um dia surgem as "redes" sociais. Então, como bem escreveu o Augusto, formaliza-se as relações, quem tem mais amigos no Orkut ou Facebook, é tido como mais querido, é legal, gente boa, e desperta a inveja de outros, enquanto sustenta um orgulho, que contrapõe a sua baixa auto-estima. Então, as pessoas passam a acreditar que precisam pertencer a algo, uma comunidade, um grupo, um clube, e quando vemos, elas fizeram esses mesmos lugares pertencerem a elas. Ou pensam que pertencem, isso as faz sentir-se distintas do "resto" da humanidade, dá sentido à vida e valor a ela como membro da sociedade. Grandes e perigosas ilusões do ego, as quais por termos crescidos e sido condicionadas a elas, não as percebemos, tomamo-las como verdadeiras, necessárias e 29
    • fundamentais. Então surgem os Paulo Brabo da vida para nos ajudar a acordar, sair do sonambulismo social e viver como pessoas e não somente indivíduos. Eis um grande exercício, parar de tentar pertencer a qualquer coisa que seja, para descondicionar e poder perceber que você pertence à única coisa real em relação a você, que pertencemos todos à uma raça, uma espécie, a qual por vários motivos mais sublimes chamamos de humanidade. Já pertencemos. Agora é só compartilhar, sem medo de ficar sem, de perder, sem medo de não ser ou de não valer o que pensa que precisa valer para ser. Já somos o que pensamos que precisamos ser. Desiludamo-nos de nós. Fique bem.48 - Comentário de Daisy Grisolia em 22 junho 2011 às16:22 Existe um ego e existe um self que é muito mais que um ponto de luz chamado ego.49 - Comentário de CLARICE COPSTEIN em 22 junho 2011 às16:32 Gentem!!!! Após a leitura de todo texto sugerindo e justificando inteligentemente a mudança de paradigmas o que mais me chocou foi o seguinte: tentem entrar como se não fossem pertencentes à escola de redes; mudem de navegador, não façam login; e o que surge como se fizesse ainda parte do texto... Comentar | “Você precisa ser um membro de Escola de Redes para adicionar comentários!” | Entrar em Escola de Redes Contracensos da vida!! Adorei o texto e já vinha me questionando sobre esse mundinho fechado de pertencimento que estamos envolvidos... att, Clarice 30
    • 50 - Comentário de Augusto de Franco em 22 junho 2011 às17:53 Não precisa se registrar nesta plataforma para ler qualquer texto aqui. Também não é necessário qualquer registro para baixar mais de 800 textos. Mas usamos uma plataforma Ning que exige o registro para fazer comentários. Ning ainda é uma plataforma p-based (baseada em participação) (e não i-based, baseada em interação) e não podemos desativar suas funcionalidades, vamos dizer assim, orientadas para a participação, que exigem algum grau de pertencimento. A despeito disso, qualquer pessoa pode se registrar (não gasta nem 5 minutos) e, depois, cancelar o seu registro. E pode escrever o que quiser. E pode entrar de novo. E pode sair novamente. E pode escrever de novo. Essa foi a maneira que encontramos de contornar as fronteiras. Ademais, os comentários aqui são abertos, não- mediados. O contrasenso que você aponta, Clarice, não é da vida, nem do pessoal da Escola-de-Redes e sim do caráter da plataforma (que não fomos nós que desenhamos e não temos outra melhor para colocar no lugar). Estamos tentando estimular a criação de plataformas i-based, que não farão tais exigências. Veja uma discussão sobre isso no Grupo PENSANDO UMA PLATAFORMA DE NETWEAVING http://goo.gl/PCpOI Abraços.51 - Comentário de UBIRAJARA THEODORO SCHIER em 22junho 2011 às 21:17 Muito bom artigo... de fato é mesmo difícil nos livrarmos dos dogmas que nos prendem à estruturas hierárquicas... acredito que a solução para isso é poder se sentir livre em um ambiente em que todos se sintam naturalmente motivados a fazer alguma coisa, não para alguém, mas fazer pelo simples prazer de fazer... "- Se você quer fazer redes, resista a tentação de pertencer a um grupo." - me lembra o verso 36 do Tao Te King (Lao Tzu): "para comprimir algo, é preciso deixar que se expanda bem; para enfraquecer, deves deixar que se fortaleça bem". 31
    • Mas é o desafio... vamos lá!52 - Comentário de Paulo Marins Gomes em 23 junho 2011às 0:29 Augusto, só não lhe chamo de "caro Augusto" porque seria redundância e puxassaquismo hehehehe. Tenho algumas dúvidas expressáveis (outras ainda estou remoendo): Sobre o que você disse: "É inútil – e frequentemente contraproducente – mobilizar energia para direcionar um grupo." concordo perfeitamente, mas isso não se aplica também às RDLs? Quanto à questão: "por algum motivo elas acham que consciência é algo capaz de determinar comportamentos coletivos" entendo que esse é um conceito fundamental na sua teoria das redes. Mas ainda não consegui entender como pode a consciência não ter relação com o comportamento. Afinal, o objetivo desse texto "Resista à tentação de pertencer a um grupo" não é uma tentativa de conscientização?" E só mais uma coisa: "se você diz: vou consultar primeiro meu chefe ou meus companheiros antes de decidir sobre isso ou aquilo, então sua porção-borg cresce e sua porção-social diminui". Acho que você se referiu ao consultar no sentido de "pedir permissão", não no sentido de se aconselhar, neh? Abraço!53 - Comentário de Flavio Gut em 23 junho 2011 às 3:38 Eu gostei, está me fazendo pensar. Destaco especialmente esse final: Estar em rede é sempre uma aposta: a aposta de que da nossa interação desorganizada vai surgir algo interessante, não antes, no ensaio (“a vida é beta”, como diz o Silvio Meira), mas sobretudo ali, na hora exata em que ocorre, bottom up. 32
    • 54 - Comentário de Augusto de Franco em 23 junho 2011 às6:46 Caro Paulo, hehe. 1) Sim, penso que isso também acontece com as chamadas Redes de Desenvolvimento local. Esta é uma das razões pelas quais estamos propondo uma modificação radical nas metodologias de indução do desenvolvimento local. Leia este texto e você entenderá as razões: DESENVOLVIMENTO LOCAL http://goo.gl/Xwlsv 2) O conceito de "conscientização" foi um daqueles equívocos do pensamento do século 20, se é possível falar assim. Estava baseado na idéia de que a transferência de um certo conteúdo de um emissor para um receptor pudesse transfundir consciência. E que tal consciência tomada a partir da apreensão de um conteúdo poderia levar a mudança de comportamento. Foi assim que, como escrevi em Fluzz, "líderes, condutores, reformadores, sempre apelaram para nossa consciência, acreditando que a mudança se daria quando alcançássemos determinada visão..." No entanto, a descoberta da fenomenologia da interação revelou que o comportamento coletivo não depende de "termos consciência (individual) do que está se passando. Ao viver a vida da rede, apenas vivemos a convivência: não precisamos mais tentar capturá-la e introjetá-la, circunscrevê-la ou mandalizá-la para conferir-lhe a condição de totalidade, erigindo um grande poder interior de confirmação para nos completar da falta dos outros e nos orientar nos relacionamentos com eles. Tal necessidade havia enquanto podia haver a ilusão da existência do indivíduo separado de outros indivíduos; ou quando um (ainda) não era muitos. Toda consciência é consciência da separação, inclusive a consciência da unidade, da totalidade, ou da unidade na totalidade, é uma resposta à separação. No abismo em que estamos despencando ao entrar em fluzz, não há propriamente isso que chamávamos de consciência". 3) Sim, a a frase que você cita se refere a submissão da pessoa a algum coletivo proprietário que passa a sobredeterminar suas escolhas. A pessoa deixa de ser uma pessoa e passa a ser um representante da organização. 33
    • 55 - Comentário de ROBERTA GARCIA RIBEIRO em 23 junho2011 às 13:22 Demais o texto, augusto! Para ser um indivíduo precisamos de pertencimento, mas para ser pessoa nada é preciso, só a realização daquilo que é. Abraços,56 - Comentário de Maria Otávia dAlmeida em 23 junho2011 às 15:04 Uma rosa é uma rosa, ela simplesmente é! Um fenômeno que independe do observador, segundo Kierkegaard e Perls. Quizá um dia consigamos isso com pessoas...57 - Comentário de Sérgio Luis Langer em 24 junho 2011 às1:18 Vivemos, segundo uma concepção de desenvolvimento volúvel e um tanto, mecanicamente, pragmática, reconhecida como a Sociedade do Acesso. O economista Jeremy Rifkin (o qual tenho em suas idéias e pensamentos, uma identificação e referência), é muito preciso quando define a velocidade da transformação ecossocioeconômica à qual deparamo-nos. A interação de comportamentos e a integridade ética de uma conduta devem ser o instrumento que rege a partilha do significado e importância de nossa presença nas tomadas de decisões sobre o meio no qual estamos inseridos, onde o nosso próximo é uma extensão da própria existência e alma... "as necessidades de um, devem ser compartilhadas por todos". Essa sensação de preocupação, causando o enfrentamento dinâmico para com a realidade é motivadora da responsabilização e compreensão pela qual observa-se que o conjunto de oportunidades, possibilidades, respeito e consideração para com a inclusão ... dimensiona a solidez do grupo; a definição de seus propósitos, e, a 34
    • clareza para assegurar-se uma comunicação sensível, complementar e pertencente à coletividade. A individualidade é restritiva dos direitos existenciais e harmônicos da qualificação por um desenvolvimento almejado. Assim sendo, uma consciência compromissada, tange o limiar de uma estratégia sincrônica de potencialidades que afloram segundo a valorização desta postura, como unidade a ser formada na essência de uma conquista chamada conhecimento (o qual somente, poucos têm capacidade para adquiri-lo, por méritos estendidos quanto à dedicação pessoal, considerada para com os valores da vida)... cuja coragem, é determinada à obrigação para transformarmos angústias e medos (entre a exclusão e a indiferença) em um novo momento a ser, suavemente, trilhado como sendo: a reavaliação de paradigmas educacionais provenientes da visão humana voltada à um crescimento agressivo de imposição manifestada pela arrogância do individualismo. Para isso faz-se necessário considerar que a plenitude do crescimento, pautado em um processo de desenvolvimento justo, há de ser permeável para com a identidade interpretativa das adversidades da vida; uma vez que, o compartilhamento de experiências agrega valores fadados à responsabilidade de nossos atos para com nossos semelhantes e o futuro das gerações que ansiamos preparar. Um abraço.58 - Comentário de Stefano Carnevalli em 26 junho 2011 às23:03 Tudo isso faz muito sentido. Compartilho. Só não sei ainda como lidar no dia a dia, no trabalho, onde tudo está voltado para ser grupos pré definidos, formatados, com pessoas que "passam o dia: entre o computador, o banheiro, o café e as indefectíveis reuniões".59 - Comentário de Vanildo Silva Oliveira em 27 junho 2011às 17:12 Concordo plenamente com o comentário do Stefano. Os objetivos profissionais nem sempre proporcionam esta abertura de pensamento. O fato é que existe a necessidade de se criar grupos nas chamadas 35
    • mídias sociais para que determinada marca faça suas ações, convertendo em resultado. Simples como fogo...60 - Comentário de Ana Valéria Haddad em 3 julho 2011 às8:52 A nossa necessidade de pertencer advém da dificuldade brutal que temos de vivenciar o espaço vazio que existe entre "mim" e o outro, e que insistimos em preencher, buscando a participação em grupos, que nos dá a sensação ilusória de estar construindo pontes para preencher este vazio. Pois é justamente a manutenção deste vazio que nos mantém na integralidade, e nos possibilita contribuir, integrar-nos.61 - Comentário de Maria Otávia dAlmeida em 3 julho 2011às 10:44 E é um vazio pouco visitado, pois "as igrejas", "os grupos" estão aí para impedir...62 - Comentário de Caleb Salomão Pereira em 22 agosto2011 A superação do conceito de "indivíduo" para uma introjeção dos valores contidos na idéia de "pessoa" (como rede!) parecem ecoar certos conceitos de Emanuel Lèvinas... É muito bom ler um texto tão provocativo!O texto continua aberto a comentários no link abaixo:http://goo.gl/d7SpG FIM? 36