Your SlideShare is downloading. ×
0
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ihc Aula.15

2,563

Published on

Slides baseados no livro: …

Slides baseados no livro:
DESIGN DE INTERAÇÃO
Além da Interação
Homem-Computador

Jennifer Preece
Yvonne Rogers
Helen Sharp
-
Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos
O quê, como e por que?
O que são Requisitos?
Coleta de Dados
Interpretação de dados e análise
Descrição de tarefas
Análise de Tarefas

Design, Prototipação e Construção

Prototipação de construção
Design conceitual
Design Físico

Published in: Technology, Business
1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
2,563
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
201
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Slides baseados no livro: DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece Yvonne Rogers Helen Sharp DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  2. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O quê, como e por que? </li></ul><ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><li>Coleta de Dados </li></ul><ul><li>Interpretação de dados e análise </li></ul><ul><li>Descrição de tarefas </li></ul><ul><li>Análise de Tarefas </li></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  3. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O quê, como e por que? </li></ul><ul><ul><li>O que estamos tentando alcançar com a atividade de Design? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Identificação de necessidades; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Produzir requisitos. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  4. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><ul><li>Como podemos conseguir isso? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Início da Atividade: estabelecer requisitos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Meio da Atividade: coleta de dados, interpretação. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Identificar necessidades e estabelecer requisitos são por si só uma atividade interativa em que as subatividades informam e refinam umas às outras. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  5. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><ul><li>Por que se incomodar? A importância de fazer as coisas certas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Entender o que o produto em desenvolvimento deveria realizar e assegurar que ofereça suporte às necessidades dos stakeholders são atividades muito importantes no desenvolvimento de qualquer produto. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  6. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><ul><li>Por que estabelecer requisitos? </li></ul></ul><ul><ul><li>O termo “análise de requisitos” é normalmente utilizado para descrever a atividade de investigação e análise de um conjunto inicial de requisitos que foram coletados, elicitados e capturados. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  7. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><ul><li>Por que estabelecer requisitos? </li></ul></ul><ul><ul><li>Escolhe-se o termo estabelecimento de requisitos a fim de representar o fato que os requisitos surgem as atividades de interpretação e coleta de dados e que foram estabelecidos a partir de um entendimento saudável acerca das necessidades dos usuários. Isso também implica que os requisitos podem ser justificados por e relacionados ao dados coletados. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  8. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Um requesito consiste em uma declaração sobre um produto pretendido que especifica o que ele deveria fazer oucomo deveria operar. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  9. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Um dos objetivos da atividade de estabelecimento de requisitos é torná-los o mais específicos, não-ambíguos e claros possível. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  10. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Diferentes tipos de requisitos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Requisitos Funcionais: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Dizem o que o sistema deveria fazer </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Requisitos Não-funcionais: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Indicam quais são as limitações no sistema e em seu desenvolvimento. </li></ul></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  11. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>O Design de interação exige que entendamos a funcionalidade exigida e as restrições sob as quais o produto deve operar ou ser devenvolvido. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  12. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Lista de Requisitos que devemos prestar atenção: </li></ul></ul><ul><ul><li>Requisitos Funcionais </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Captam o que o produto deve fazer </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  13. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Requisitos de Dados </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Captam o tipo, volatidade, tamanho/quantidade, persistência, precisão e valor das quantidades de dados exigidos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Requisitos ambientais ou contexto de uso </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Referem-se à circustância em que se espera que o produto interativo opere: </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  14. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ambiente Físico: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Quanto ao Barulho, luz e poeira há no possível ambiente operacional. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ambiente Social: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Aspectos Sociais como colaboração e coordenação. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ambiente Organizacional: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Infra-estrutura. </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ambiente Técnico: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Tecnologias que o produto utilizará, compatibilidade e limitações tecnológicas. </li></ul></ul></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  15. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Requisitos do usuário </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Capturam as características do grupo de usuários pretendido. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Requisitos de usabilidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Captam as metas de usabilidade e as medidas associadas para um produto em particular. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  16. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>O que são Requisitos? </li></ul><ul><ul><li>Requisitos do usuário </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Capturam as características do grupo de usuários pretendido. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Requisitos de usabilidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Captam as metas de usabilidade e as medidas associadas para um produto em particular. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  17. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos <ul><li>Coleta de Dados </li></ul><ul><ul><li>O propósito da coleta de Dados é reunir informações suficientes, relevantes e apropriadas, de forma que um conjunto de requisitos estável possa sr produzido. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  18. DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp Técnica Boa Para Tipo de Dados Vantagens Desvantagens Questionários Responder a questões específicas Dados Qualitativos e Quantitativos Pode atingir várias pessoas com poucos recursos O design crucial. O índice de resposta pode ser baixo. As respostas podem não ser o que você deseja. Entrevistas Explorar Questões Alguns Dados quantitativos, mas mais qualitativos O entrevistador pode guiar o entrevistado se necessário. Encoraja o contato entre desenvolvedores e usuários Requer tempo. Ambientes artificiais podem intimidar o entrevistado Grupos de foco e Workshops Coletar vários pontos de vista Alguns dados quantitativos, mas mais qualitativos Ressalta áreas de consenso e conflito. Encojara o contato entre desenvolvedores e usuários Possibilidade de dominarem certos tipos de personalidade Observação Natural Entender o contexto da atividade do usuário Qualitativo Observar o trabalho real oferece percepções que outras técnicas não podem oferecer Requer muito tempo. Grandes quantidades de dados Estudo de documentação Aprender sobre procedimentos, regulamentações e padrões Quantitativo Não compromete o tempo dos usuários Trabalho diário será diferente dos procedimentos documentados
  19. Design, Prototipação e Construção DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  20. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Prototipação de construção </li></ul><ul><li>Design conceitual </li></ul><ul><li>Design Físico </li></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  21. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Prototipação de construção </li></ul><ul><ul><li>O que é um protótipo? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Um protótipo pode ser qualquer coisa desde um Storyboard de papel a uma parte complexa de um software e de uma maquete de cartolina aum pedaço de metal moldado e prensado. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ele possibilita que os Stakeholders interajam com um produto imaginado visando a adquirir alguma experiência de com utilizá-lo em um ambiente real e a explorar os usos para ele imaginados. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  22. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><ul><li>Por exemplo, quando a idéia do PalmPilot estava sendo desenvolvida, Jeff Hawking (fundador da empresa) esculpiu em um pedaço de madeira um protótipo do aparelho com a forma e o tamanho que imaginava. Costumava carregá-lo par atodos o lugar onde ia e simulava inserir informações nele, só para experimentar como seria um protótipo bastante simples que no entanto, serviu para simular cenários de uso. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  23. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Por que fazer protótipo? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>São dispositivos que facilitam a comunicação entre membros das equipes e que consistem em uma maneira eficaz de testar ideias para você mesmo. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A atividade de construir protótipos encoraja a reflexão sobre do Design, conforme descrito por Schön(1983) E reconhecido por designers de muitas disciplinas como um aspecto importante do processo de design. Liddle (1996), ao falar sobre o design de softwares, recomenda que a prototipação sempre anteceda qualquer escrita de código. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  24. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Vídeos: </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  25. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Vídeos: </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  26. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Prototipação de baixa fidelidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É aquele que não se assemelha muito ao produto final: ele utiliza, por exemplo, materiais muito diferentes da versão pretendida, como papel e cartolina, em vez de eletrônicas e metal. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  27. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Prototipação de baixa fidelidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>São úteis porque tendem a ser mais simples, baratos e de rápida produção. Isso também significa que podem ser rapidamente modificados, oferecendo, portanto, suporte à exploração de designs e idéias alternativas. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex. Storyboard. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  28. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Prototipação de alta fidelidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utiliza materiais que você espera quer estejam no produto final e realiza um protótipo que se parece muito mais com algo acabado. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Por exemplo, o protótipo de um software desenvolvido no Visual Basic apresenta maior fidelidade do que o de uma maquete em papel; pedaço moldado de plástico com um teclado simulado é um protótipo do PalmPilot com maior fidelidade do que o pedaço de madeira. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  29. Design, Prototipação e Construção DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp Tipo Vantagens Desvantagens Protótipo de Baixa-Fidelidade <ul><li>Custo mais baixo de desenvolvimento; </li></ul><ul><li>Avalia múltiplos conceitos de design; </li></ul><ul><li>Instrumento de comunicação útil; </li></ul><ul><li>Aborda questões de layout de tela; </li></ul><ul><li>Útil para identificação de requisitos de mercado. </li></ul><ul><li>Proof-of-concept (demonstrações de que o conceito funciona). </li></ul><ul><li>Verificação limitada de erros; </li></ul><ul><li>Especificação pobre em detalhe para codificação. </li></ul><ul><li>“ Uso” conduzido pelo facilitador; </li></ul><ul><li>Utilidade limitada após estabelecimento dos requisitos; </li></ul><ul><li>Utilidade limitada para testes de usabilidade; </li></ul><ul><li>Limitações de fluxo e navegação. </li></ul>
  30. Design, Prototipação e Construção DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp Tipo Vantagens Desvantagens Protótipo de Alta-Fidelidade <ul><li>Funcionalidade completa; </li></ul><ul><li>Totalmente interativo; </li></ul><ul><li>Uso conduzido pelo usuário; </li></ul><ul><li>Define claramente o esquema de navegação; </li></ul><ul><li>Uso para exploração e teste; </li></ul><ul><li>Mesmo Look and Feel do produto final; </li></ul><ul><li>Serve como uma especificação viva; </li></ul><ul><li>Ferramenta de venda e marketing; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento mais caro; </li></ul><ul><li>Sua criação demanda tempo; </li></ul><ul><li>Ineficiente para designs proof-of-concept (demonstrações de que o conceito funciona); </li></ul><ul><li>Não serve para coleta de requisitos. </li></ul>
  31. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Prototipação de construção </li></ul><ul><li>Design conceitual </li></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  32. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Design conceitual </li></ul><ul><ul><li>Preocupa-se com transformar os requisitos e as necessidades do usuário em mom modelo conceitual. </li></ul></ul><ul><ul><li>Modelo Conceitual </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Define-se como uma descrição do sistema proposto – no que diz respeito a um conjunto de idéias integradas e de conceitos sobre o que ele deveria fazer, como se comportar e com o que se parecer – que seria compreensível pelos usuários da maneira pretendida. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  33. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>As idéias apra um modelo conceitual podem emergir durante a coleta de dados, no entanto, deve-se separar os requisitos reais das idéias para soluções. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  34. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Os princípios chaves norteadores do design conceitual são os seguintes: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Manter a mente aberta, mas nunca esquecer os usuários e seu conceito. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Discutir idéias com outros Stakeholders o máximo possível. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utilizar prototipação de baixa-fidelidade para obter o rápido feedback. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Iterar, iterar e iterar. Lembre da primeira lei de Fudd sobre a criatividade: “para ter uma boa idéia, tenha muitas idéias” (Rettig, 1994) </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  35. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><ul><li>LEMBRETE: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Stakeholder (em português, parte interessada ou interveniente ), é um termo usado em administração que refere-se a qualquer pessoa ou entidade que afeta ou é afetada pelas atividades de uma empresa. Fonte: Wikipedia. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  36. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><ul><li>LEMBRETE: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Stakeholder (em português, parte interessada ou interveniente ), é um termo usado em administração que refere-se a qualquer pessoa ou entidade que afeta ou é afetada pelas atividades de uma empresa. Fonte: Wikipedia. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  37. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Prototipação de construção </li></ul><ul><li>Design conceitual </li></ul><ul><li>Design Físico </li></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  38. Design, Prototipação e Construção <ul><li>Design Físico </li></ul><ul><ul><li>Envolve em considerar questões concretas e detalhadas acerca do projeto de uma interface, como design de tela ou do teclado, quais ícones utilizar, como estruturar os menus, etc. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  39. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Não há fronteira rígida entre design conceitual e design físico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Produzir protótipo significa inevitavelmente ter que tomar algumas decisões que envovlem detalhes, ainda que constituam uma tentativa. </li></ul></ul><ul><ul><li>O design diz respeito a fazer escolhas e decisões, e o designer deve se esforçar para contrabalançar requisitos ambientais, do usuário, de dados e de usabilidade com requisitos funcionais. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  40. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>RECOMENDAÇÕES ( GUIDELINES) para Design Físico: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Esforce-se pela consistência; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Possibilite que usuários frequentes utilizem atalhos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ofereça Feedback informativo; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Projete diálogos para encerar as ações; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ofereça prevenção contra erros e manuseio fácil dos mesmos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Permita uma reversão fácil das ações; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Forneça suporta para um local interno de controle; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reduza a cara de memória a curto prazo. </li></ul></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  41. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Tipos diferentes de Widgets </li></ul></ul><ul><ul><li>Um widget é um componente de uma interface gráfica do usuário (GUI), o que inclui janelas, botões, menus, ícones, barras de rolagem, etc. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  42. Design, Prototipação e Construção DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  43. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Tipos diferentes de Widgets </li></ul></ul><ul><ul><li>Outro emprego do termo são os widgets da área de trabalho, pequenos aplicativos que flutuam pela área de trabalho e fornecem funcionalidade específicas ao utilizador (previsão do tempo, cotação de moedas, relógio, ...) </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  44. Design, Prototipação e Construção DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  45. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Alguns widgets tem por objetivo receber dados do usuário e com isso gerar algum tipo de registro, como os controles de formulário. Componentes como entrada de texto, caixa de seleção, menu de seleção, botões de múltipla escolha e outros são capazes de definir a natureza dos dados a serem coletados, e dessa forma enumerar todas as possibilidades de dados a serem apresentados pelo usuário. Entradas de texto melhor representam dados aleatórios, ao passo que menus de seleção e grupos de botões de múltipla escolha determinam um conjunto finito de possibilidades para o usuário. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  46. Design, Prototipação e Construção <ul><ul><li>Afirma-se que o termo widget é uma derivação da junção de duas palavras inglesas, “window&quot; e “gadget&quot;, porém isto é improvável. A primeira ocorrência desta foi encontrada em Beggar on Horseback (1924), uma peça escrita por George S. Kaufman e Marc Connelly. A peça se refere à protagonista que vivencia a dúvida entre ser um artista, com pouco ou nenhum retorno financeiro ou trabalhar em uma linha de produção de widgets , em que o autor se referencia claramente a objetos inanimados com um valor puramente mercantil e sem nenhuma ligação espiritual ou artística. </li></ul></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp
  47. Design, Prototipação e Construção <ul><li>FIM </li></ul>DESIGN DE INTERAÇÃO Além da Interação Homem-Computador Jennifer Preece / Yvonne Rogers / Helen Sharp

×