Jornal da PUC-Campinas_abril2012

303 views
266 views

Published on

Projeto gráfico + editoração by Neo Arte Design.

Published in: Design
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
303
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal da PUC-Campinas_abril2012

  1. 1. 5 a 18 de abril/2010 Ano VI - Número 102 www.puc-campinas.edu.br Fotos: Ricardo Lima Nos últimos dez anos, foi Quanto mais registrado um crescimento de 134% da área verde na Região Metropolitana de Campinas (RMC), de acordo verde melhor com o Inventário Florestal do Estado de São Paulo. Para o aluno Thiago Etto (foto), da Faculdade de Engenharia Ambiental, o aumento das matas colabora para a manutenção do clima regional e para a preservação da fauna. “Outro ponto importante, é a proposta de corredores ecológicos. Enquanto grandes fragmentos são importantes para a manutenção da variedade genética e variedade de espécies, os pequenos fragmentos são importantes, pois servem de "trampolins ecológicos", que ajudam no deslocamento entre os fragmentos”, contou o estudante. PÁGINA 04São Paulo é Cartas sobre a mesaP PObras de artistas plásticosde reconhecimentointernacional Mesmo com o passar dos anos o avanço das tecnologias, a troca de correspondência continua sendo um hábito saudável entre pessoas de várias idades. “A carta passa cumplicidade e nela eu consigo contar todos os detalhes”, opinou a estudante Beatrizapresentam seus A justiça na mídia Amaral (foto), da Faculdade de Publicidade e Propaganda. As cartasprincipais trabalhos em O juiz titular da 1ª Vara do Júri de Campinas, José também funcionam como registros dosSão Paulo. Saiba quem são Henrique Rodrigues Torres (foto), docente da acontecimentos mais importantes. Saibae onde estão as exposições Faculda-de de Direito, analisa a ação da imprensa como as correspondências ajudam ade Andy Warhol e Hélio durante a cobertura de investigações policiais e construir a história de uma família e atéOiticica. PÁGINA 08 julgamentos judiciais. PÁGINA 06 mesmo de Campinas. PÁGINA 07
  2. 2. Jornal da PUC-Campinas5 a 18 de abril/2010 2 A facilidade da informação EDITORIAL As cartas manuscritas foram por muito tempo o principal meio de se. Paralelamente, as pesquisas avançaram na conexão desses equipa- comunicação entre os povos. Desde as cartas doutrinárias do apóstolo mentos em rede interna do ambiente de trabalho para, finalmente, fazer Paulo, por exemplo, até as personalizadas, íntimas e reveladoras troca- a conexão com o lado de fora, com a rede mundial de computadores. das entre pessoas conhecidas e desconhecidas também. Com o passar do Formada em Computação, acompanhei esses avanços. O início, tempo, as cartas foram se tornando menos frequentes, ganharam um com equipamentos de grande porte, que utilizavam cartões e fitas perfu- caráter mais literário e histórico, aliando-se às ferramentas da internet para radas como meio para a entrada dos dados, passando por terminais com cumprir o papel de comunicação. papéis para, finalmente, o uso de vídeo. O avanço no desenvolvimento A rede mundial de computadores, ou internet, como se apresenta hoje de novas aplicações caminhou juntamente com o avanço tecnológico. é, relativamente, recente. Ela surgiu em plena Guerra Fria (após o tér- Um supera o outro a todo o momento. mino da II Guerra Mundial). Criada com objetivos militares, foi uti- Ao acompanhar esse desenvolvimento, observo a inventividade e lizada como uma das formas das Forças Armadas dos Estados Unidos celeridade com que surgem as inovações para essa tecnologia – MSN de manter as comunicações em caso de ataques inimigos que destruíssem (1999), MySpace (2003), Orkut (2004), Facebook (2004), YouTube os meios convencionais de telecomunicações. Nas décadas de 1970 e (2005), Twitter (2006). Alguns destes, grandes sucessos por permitir o 1980, além de ser utilizada para fins militares, a internet também foi diálogo entre as pessoas de forma on-line. A comunicação ficou muito um importante meio de comunicação no meio acadêmico. mais fácil e imediata. A internet permitiu que o uso do computador A década de 1990 tornou-se a era da expansão da internet que ganhasse um sentido mais rico e mais dinâmico. Se tornou uma janela passou a ser utilizada por vários segmentos sociais, principalmente para o mundo. nos centros de pesquisa e universidades. Começaram com o surgimen- Foram implantados, na PUC-Campinas, o catálogo on-line do to dos bulletin boards, sistemas utilizados para a comunicação com Sistema de Bibliotecas e Informação, o site aluno e o site do professor, conexão discada. além da rede wi-fi, disponibilizada na Praça de Alimentação do Campus Iniciamos, no então Instituto de Informática na PUC-Campinas, I e brevemente em toda a Universidade. a busca pela instalação da moderna e mais alta tecnologia existente para Com a disponibilidade de acessar o computador, mudaram-se as oferecer aos nossos alunos. Em 1995, foi publicado o primeiro site da formas de armazenamento das informações. E com a internet, as for- Universidade. mas de buscá-las e de socializá-las. A Tecnologia da Informação e a Comunicação têm alguns marcos As oportunidades de aquisição de informações ficaram muito mais significativos até chegarmos ao formato utilizado pela internet atualmen- acessíveis. É preciso, no entanto, ser bastante criterioso com os resultados te. O primeiro deles foi a chegada dos computadores pessoais, os micro- obtidos na busca. Existem muitas armadilhas e conteúdos incorretos. É computadores. Mas, ainda assim, não era fácil usá-los e, com isso, fica- necessária, portanto, uma análise crítica por parte das pessoas que dela vam restritos aos centros de computação, cuja utilização era direcionada se utilizam, para filtrar o que realmente tem valor. para o desenvolvimento de aplicações para apoio dos processos nas empre- A popularidade da internet pode ser medida pelo número de usuá- sas e nas Instituições de Ensino Superior (IES). rios - em 2009, era de 1,5 bilhão - e mais de 100 bilhões de pági- A popularização do uso desses equipamentos ocorreu após o lança- nas ativas. mento, em 1981, de um sistema operacional com uma interface de comu- Angela de Mendonça Engelbrecht nicação por intermédio de janelas, o conhecido Windows e o uso do mou- Reitora da PUC-Campinas CACI inicia notas Reprodução 9ª Mostra de Cinema Inter´Arte A Coordenadoria Geral dePalestra aborda a Atenção à Comunidadeconstrução civil no Brasil Interna (CACI) da PUC- Campinas dará início no diaNo próximo dia 14 de abril, a partir das 19h30, no 6 de abril, a 9ª Mostra deAuditório Dom Gilberto, Campus I, ocorre a palestra Cinema Inter´Arte 2010, no“A arte de projetos e construir estruturas: passado, Campus I, na Sala 900 dopresente e futuro”. A atividade será ministrada pelo Prédio H-02. Serão exibidosprofessor da Escola Politécnica da Universidade de São filmes que pretendemPaulo (USP) Paulo Roberto do Lago Helene. A palestra propiciar um enriquecimentoirá abordar o histórico das estruturas de construções no cultural da ComunidadeBrasil e no mundo, além de perspectivas futuras. Univer-sitária. As sessões ocorrem nos horários das Informativo quinzenal da Pontifícia 11h35 e às 17h, sempre às Universidade Católica de Campinas 3ª e 4ª feiras, com exceção do dia 22 de abril. No Campus II, ocorre no mês de maio, no Auditório da Biblioteca, tam- bém às 3ªs e 4ªs feiras, somen- te no horário das 11h35. A programação pode ser vista REITORA - Angela de Mendonça Engelbrecht; no portal da Universidade VICE-REITOR - Eduard Prancic; www.puc-campinas.edu.br. CONSELHO EDITORIAL- Wagner José de Mello, Celso Pedroso Campos Filho e Lindolfo Alexandre de Souza; 06 a 13/ 04 COORDENADOR DO DEPARTAMENTO DE ALUNOS DA PUC-CAMPINAS EXPÕEM NO IAB Encontro dos clien- agenda COMUNICAÇÃO SOCIAL - Wagner José de Mello; A exposição “Fotografias da Arquitetura e da Cidade” do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) é composta por tes de projetos de EDITORA - Ana Paula Moreira (MTb. 48.963); REPÓRTERES - Adriana Furtado, Amanda Artioli, 50 fotografias que revelam as tendências e as características das arquiteturas utilizadas nas cidades. As fotos foram Relações Públicas Ana Paula Moreira, Ciça Toledo, Du Paulino produzidas por 30 alunos da Prática de Formação que leva o mesmo nome da exposição. A curadoria é do pro- e Henderson Arsênio; fessor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Sidnei Tamai. A diretoria do IAB foi oficialmente empossada no 08/04 REVISÃO - Marly Teresa G. de Paiva; dia 29 de março e está formada por professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUC-Campinas. Reunião das FOTOGRAFIA - Ricardo Lima; A presidente é a professora Débora Frazatto. A exposição ocorre até o dia 25 de abril, das 9h às 18h, de segun- Câmaras e TRATAMENTO DE FOTOS - Marcelo Adorno; da a sexta-feira, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) - Rua Odila Maia Rocha Brito, 169 – Nova Campinas. Comissão do PROJETO GRÁFICO E EDITORAÇÃO Conselho ELETRÔNICA - Neo Arte; Universitário IMPRESSÃO - Grafcorp; (CONSUN). REDAÇÃO - Campus I da PUC-Campinas, Rodovia D.Pedro I, km 136, Parque das Universidades. CIAD oferece vagas para bolsistas e voluntários 16 e 26/04 TELEFONES: (19) 3343-7147 e 3343-7674. Faculdade de Durante todo o ano, o Centro Interdisciplinar de Atenção ao Deficiente (CIAD) oferece bolsas de estudo E-MAIL: jornaldapuc@puc-campinas.edu.br Administração a estudantes que queiram colaborar com os projetos do Centro. As vagas são destinadas também a realiza a palestra voluntários e alunos de qualquer faculdade da PUC-Campinas. Se selecionado, o candidato pode escolher “Conversando sobre Siga a PUC-Campinas no twitter se deseja atuar no período matutino, vespertino ou integral. Mais detalhes e ficha de inscrição estão gerenciamento www.twitter.com/puccampinas disponíveis no site do CIAD, www.puc-campinas.edu.br/ciad. de crise”.
  3. 3. 3Jornal da PUC-Campinas 5 a 18 de abril/2010Que justiça é essa? OPINIÃOA credibilidade do Poder Judiciário é, “Hoje É um somatório de forças negativas que deixa a justiça morosa. Faltam juízesmuitas vezes, colocada em cheque sim. Mas , também, muitos advogados, com receio de perder seus clientes,pelos brasileiros. O Jornal da as pessoas entram com recursos em diferentes esferas judiciais e acabam gerando traba-PUC-Campinas conversou com o lhos em duplicidade. Agora, um ponto positivo, mas que também contribui paraministro do Supremo Tribunal Federal acionam o aumento de processos é o avanço cultural do povo brasileiro. Hoje as pessoas(STF), Marco Aurélio Mello, sobre o acionam muito mais a cidadania do que antigamente.assunto. Ele aponta as principais muitodificuldades do sistema e as mudançasque deveriam acontecer para a justiça mais a Então, o que é preciso mudar na justiça do Brasil?ser mais ágil. cidadania Muitas coisas. Uma delas é enxugar a competência do Supremo T ribunal Federal do que (STF). Um exemplo, é como a extradição é julgada em outros países, em primei-Jornal da PUC-Campinas - Em sua opinião, ra ou segunda instância. Aqui no Brasil, o julgamento é no Supremo. Alguns julga-qual o nível de excelência da justiça bra- antigamente.” mentos poderiam ser redistribuídos para que o Supremo pudesse se dedicar aos Arquivo pessoalsileira? casos de maior complexidade. Mas só isso também não adiantaria. Simultaneamente seria preciso ampliar a quantidade de juízes nas instâncias inferiores para diminuirMarco Aurélio Mello - Nossa justiça tem um pro- o descompasso, que é grande. A reforma do judiciário teria de acontecer maisblema sério; uma avalanche de processos. A quanti- intensamente, por enquanto ela está superficial, simples e paliativa.dade é muito grande e a cobrança por celeridadetambém. Mas não é possível comprometer o con-teúdo e nesse ponto acaba desencadeando a moro- Por muitas vezes o povo brasileiro já viu rigor em casos simples, Marco Auréliosidade e a sensação de impunidade. Por exemplo, a como um furto de produtos em supermercados, e bastante fle- Mello -prisão preventiva, que deveria ser uma exceção, é tra- xibilidade em casos de crimes de corrupção no Congresso. Em sua Ministro do STF opinião, por que isso acontece? desde 1990tada com regra. O ideal é investigar para prender. e professor daComo isso não é feito, os prazos vencem e os acu- Universidadesados são liberados. Essa é uma imagem distorcida. A lei é universal e vale para todos. O problema é de Brasília. que a defensoria pública brasileira é mal estruturada e oferece pouco apoio e recur- sos para aqueles menos afortunados. Veja o caso do governador do DistritoO que tem contribuído para esse excesso Federal, José Roberto Arruda. É uma prova de que a instituição está funcionan-de processos? do. Eu como relator do pedido, neguei o habeas corpus. Fotos: Ricardo Lima galeria “É preciso estabelecer critérios para priorizar os “Justiça processos. A morosidade das não se traduz decisões impede que a justiça num órgão. seja feita. Eu mesmo aguardo O que precisa Justiça é política há cinco anos o desenrolar de mudar na pública um processo. Por conta disso, justiça brasileira? em prática, como nem sei qual será o tamanho saneamento, moradia do meu prejuízo.” e educação.” Nilton Crepaldi Deni Mendes - Vicente - PROFESSOR DA ALUNO DO FACULDADE DE MEDICINA 2º ANO DA FACULDADE DE DIREITO “A população tem de levar a sério as leis. Se elas existem, devem ser cumpridas. Falta conscientização”. Paola Regina Buoro - ALUNA DO 3º ANO DA FACULDADE DE PSICOLOGIA “Parece q quanto m ue dinheiro ais “É difícil pensar em tem, ma a pessoa mudança ou melhora suscetív is ela está na justiça brasileira. corrupç el a Ela está justiça p ão. Daí a comprometida pelos seu pa erde o Bru pel.” no próprios políticos”. Fernando de de MenLeonardo “As leis têm de ser claras. ALUNO D ezes - Toledo - ALUNO Hoje elas são muito frágeis. DA FAC O 1º ANO DO 1º ANO DA É preciso uma reformulação.” ULDA ODONTO DE DE FACULDADE DE Renato Marchi - LOGIA FISIOTERAPIA PROFESSOR DA FACULDADE DE MEDICINA “A justiça no Brasil precisa de prisão perpétua para coibir a violência. Talvez essa seja uma maneira radical, porém eficaz, para as pessoas entenderem de uma vez como se comportar numa sociedade.” Bárbara de Castro Fernandes - ALUNA DO 1º ANO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM “Muita técnica e pouca humanização. É preciso tratar as relações sociais e não apenas a tipificação legal.” Filipe Jorão Monteiro- ALUNO DO 5º ANO DA FACULDADE DE DIREITO
  4. 4. 5 a 18 de abril/2010 Jornal da PUC-Campinas 4 Fotos: Ricardo Lima CONSCIENTIZAÇÃOPara os próximosdez anos, o municípiode Campinas pretendeaumentar dez Maisvezes a área verdepor habitante VERDEC Ana Paula Moreira anasouza@puc-campinas.edu.br ampinas teve um aumen- to de 5,58 mil hectares de matas, que ocupam 7% do município. Há dez anos, eram 2,6% de vegetação.Os dados são do Inventário Florestal do Estadode São Paulo. Para os próximos dez anos, aPrefeitura pretende elevar o índice de 6,4metros quadrados de área verde por habitan-te para 64 m², meta recomendada pelaOrganização das Nações Unidas (ONU), de12 m² por pessoa. De acordo com o secretário de MeioAmbiente, Paulo Sérgio Garcia de Oliveira,esse aumento da área verde da cidade e a metapara os próximos dez anos já podem ser per- O secretário de Meiocebidos no município. “O projeto surgiu da Ambiente,necessidade de acabar com os vazios ambien- Paulo Sérgiotais. Já é possível perceber um controle das Garciaenchentes, a qualidade do saneamento bási- de Oliveira (no alto, àco da cidade e a melhora da qualidade de vida esquerda) edo campineiro”, afirmou o secretário. a professora Uma medida que ajudará a alcançar os da Faculdade de Engenhariaobjetivos é o decreto municipal nº 16.974 Ambiental(04/02/2010), que dispõe da Criação do Banco Regina Longode Áreas Verdes do Município de Campinas. (acima)Com o decreto, é possível a isenção do ImpostoPredial e Territorial Urbano (IPTU) para asáreas preservadas, os descontos variam de 20%,50% e 100%. Segundo a professora da Faculdade deEngenharia Ambiental, Regina Longo, amedida de preservação é importante e urgen-te. “O município ocupa uma superfície de RESPONSABILIDADE AMBIENTALaproximadamente 810 km² com uma área Pensando em colaborar com a preservação da área verde de Campinas, o estudante doestimada em 1.145.000 m² de área verde. Ao 5º ano da Faculdade de Engenharia Ambiental Thiago Luiz Etto, está fazendo seutentar elevar esse número em 10 vezes (atin- Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) sobre remanescentes florestais urbanos. A proposta é analisar materiais em 3 fragmentos florestais localizados em Campinas (Matagindo 64m²/habitante) estaríamos próximos Santa Genebrinha, Mata do Quilombo e Mata Santa Cecília). “Estes materiais podema níveis encontrados na cidade de Curitiba no servir de indicadores da pressão que as ações humanas impõem sobre esses ecossiste-Paraná, por exemplo, que é de 51 m². mas”, contou Etto. A ideia surgiu após enviar um trabalho para o Congresso InternacionalGarantindo aos habitantes melhorias, por de Ingeniaría Agrícola (Chillán/Chile), que fazia uma análise da fragilidade ambiental dosexemplo, na qualidade do ar, na qualidade fragmentos florestais de uma bacia hidrográfica. Para o estudante, o aumento da áreade vida e um melhor fluxo gênico das espé- verde do município é essencial para a manutenção do microclima local. “Outro pontocies de fauna e flora regionais. Porém essa importante, é a proposta de corredores ecológicos. Enquanto grandes fragmentos são importantes para a manutenção da variedade genética e variedade de espécies, osmeta deve ser garantida a todas as regiões da pequenos fragmentos são importantes, pois servem de "trampolins ecológicos", quecidade, pois existem no município zonas bem ajudam no deslocamento entre os fragmentos”, contou o estudante.mais arborizadas do que outras, estando assegundas localizadas principalmente nas áreasmais periféricas”, explicou a professora. tes como as áreas de proteção ambiental de Reprodução CONSCIENTIZAR Para aumentar a área verde do município, Joaquim Egídio e Santa Genebra, preservar DESDE CEDO -a Prefeitura pretende criar novas unidades de os remanescentes florestais já existentes, espe- Com o objetivo deconservação ambiental, tais como a finaliza- cialmente o entorno que sofrem em dema- aproximar osção do Parque Linear Rio das Pedras, que vai sia com as ações do homem, um bom exem- alunos da natureza plo disso é a Mata do Quilombo, localizada e conscientizarda nascente do Rio das Pedras, no Alto do desde cedo, oT aquaral, até a Rodovia D. Pedro I. Outra ação, em Barão Geraldo; revegetar áreas de pre- Colégio deé ampliar de 10% para 20% do total que deve- servação permanente nos rios que cortam o Aplicação Pio XIIrá se manter permeável em novos parcela- município o que muito iria contribuir tam- realiza visitas aomentos do solo, implantação de projetos habi- bém para a solução dos problemas de enchen- Bosque dos tes; aumentar e fazer a manutenção nas áreas Jequitibás,tacionais, industriais, comerciais ou de servi- localizado próximoços em terrenos ou áreas construídas acima já existentes como parques, bosques, praças ao colégio. A últimade 1,5 mil metros quadrados. e espaços recreativos e esportivos; garantir e ocorreu no dia 11 de fevereiro, os alunos do 3º ano A, foram A professora da Engenharia Ambiental intensificar a arborização de ruas, dentre estudar os seres vivos e o espaço em que vivem. As visitas sãoainda cita quais ações poderiam contribuir outras medidas simples e interessantes que organizadas pelas professoras Ana Maria do Carmo Milani epara a melhoria ambiental da cidade. garantiriam que a meta proposta fosse implan- Ana Rita Casella de Carvalho. “Nas visitas, as crianças têm a tada com sucesso pelo município” explicou possibilidade de ver a realidade e se conscientizar da importância“Aumentar o número de Unidades de Con- de preservar o espaço”, explicou a professora Ana Maria.servação (UC), somando àquelas já existen- Regina.
  5. 5. 5Jornal da PUC-Campinas 5 a 18 de abril/2010Crescimento Paulo Sérgio Miranda MendonçaSUSTENTÁVELAula inaugural para os alunos ingressantes do CEA tevecomo tema a sustentabilidade nas grandes empresas Fotos: Ricardo LimaOO Centro de Economia e Administração(CEA) da PUC-Campinas realizou, no dia24 de março, a aula inaugural para osalunos ingressantes. A palestra“Sustentabilidade é mais um modismo?”foi ministrada pelo professor daUniversidade de São Paulo (USP) de ENTREVISTARibeirão Preto e pesquisador doConselho Nacional de DesenvolvimentoCientífico e Tecnológico (CNPq) nasáreas de varejo e serviço e sustentabili-dade, Paulo Sérgio Miranda Mendonça.O professor abordou a importância daresponsabilidade socioambiental dasgrandes organizações brasileiras. “Apartir de agora, serão as grandes corpo-rações que vão permitir que a sustenta-bilidade do mundo melhore”, explicouMendonça. Em entrevista ao Jornal daPUC-Campinas, o palestrante bilidade de maiores ganhos. Quais dicas o senhor daria às empresas queesclareceu por que esse assunto é tão pretendem implantar projetos de sustenta-importante nas organizações. bilidade? O que os futuros administradores e gestores Ana Paula Moreira podem fazer para que, no futuro, ao assu- anasouza@puc-campinas.edu.br Pensar em uma nova forma de produzir, criarJornal da PUC-Campinas - O Estado contribui uma cultura para o consumo consciente. mirem uma empresa, cultivem atitudes sus-para a responsabilidade ambiental? Conhecer processos e produtos. Também é tentáveis? importante ser fornecedor de grandes cadeiasPaulo Sérgio Miranda Mendonça - As empresas de compradores que tenham essa conscien- Os alunos têm um perfil imediatista. Os estu-são dependentes de duas variáveis. Uma delas tização sustentável. Incentivar a equipe de tra- dantes precisam entender como a empresaé a qualidade dos governados: felizmente, as balho sobre como executar um bom desem- funcionará no futuro, quando ele assumireleições deste ano caminham para ter como penho. Além, claro, de procurar ajuda em uni- cargos. As empresas procuram profissionaisprincipais candidatos dois técnicos, o que per- versidades e empresas júnior, o que é muito que entendam o agora, mas o funcionamen-mite que as organizações tenham mais ação comum atualmente. to de amanhã é importante. São os alunos dedentro do Governo. Outro fator relevante é agora que terão que trazer as mudanças paraa profissionalização da máquina pública: há as empresas. Um ponto importante são osmuitas áreas que são desqualificadas e é neces- Qual impacto positivo as empresas ganham intercâmbios para o exterior, para conhecersário fomento para a regularização dos diver- ao adotar políticas de gestão ambiental? novas culturas, outras realidades e diferen-sos setores públicos. O caminho mais rápido tes formas de pensar. Ver como funciona ose eficiente é a organização do terceiro setor. Melhorias nos processos industriais, novos mercados europeus, americanos e asiáticos,As empresas devem procurar fomentar pro- produtos que podem ser inseridos nesse perceber como eles estão acompanhando essacessos produtivos de sustentabilidade, pro- mercado sustentável. As mudanças passam evolução sustentável. O futuro profissionalmovendo um intercâmbio de conhecimento, a atrair um perfil diferenciado do consu- precisa saber equilibrar o interesse por cons-que pode existir a partir das parcerias com uni- midor. Também há uma mudança dos pro- truir uma carreira global, mas também seversidades e centros de pesquisas. E, a partir fissionais das empresas, são qualificados interessar pela política interna e problemasdisso, induzir o consumo consciente. para esse trabalho. Sem dúvida, há possi- do nosso país. Hospital é visitado para recertificação O Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP) te, divulgará o resultado. da PUC-Campinas recebeu nos dias 30 e 31 de mar- Para a diretora do (CCV), Miralva Aparecida de ço, técnicos dos Ministérios da Educação (MEC) e Jesus Silva, o HMCP se apresenta como um cená- da Saúde (MS) que realizaram uma visita de recer- rio imprescindível para o desenvolvimento das prá- tificação. A visita tem o objetivo de avaliar a qualida- ticas pedagógicas das Faculdades do Centro de de do atendimento de um Hospital de Ensino. Ciências da Vida. “A recertificação como Hospital De acordo com o superintendente do HMCP , Universitário é de fundamental importância para Antônio Celso de Moraes, a visita representa uma nossa Instituição que busca permanentemente a qua- busca na excelência do atendimento do hospital. lificação no ensino, na pesquisa e na extensão”, afir- “Atuar com qualidade na promoção da saúde, assis- mou a diretora. tência e reabilitação dos pacientes, por meio da ges- A recertificação corresponde à Portaria Interminis- A equipe do MEC e Ministério da Saúde com tão dos recursos conveniados e próprios por meio de representantes do HMCP, Reitoria e CCV terial nº 2.400, de outubro de 2007. Desde 2004, o parcerias, estimulando o ensino, a pesquisa e o apri- HMCP é certificado pelo MEC e Ministério da Saúde moramento, contribuindo assim para a melhoria da contou com a presença da Superintendência, como Hospital de Ensino, conforme Portaria do qualidade de vida se seus clientes e das equipes de cola- Diretorias do Hospital, Reitoria, além de represen- Ministério da Saúde nº 2.378, de 26/10/2004. O boradores”, afirmou o superintendente. tantes e alunos do Centro de Ciências da Vida (CCV) Hospital está entre as seis instituições que aderiram Na ocasião, foram realizadas diversas reuniões, da Universidade. Os avaliadores deverão apresentar ao Programa no Interior Paulista e entre as 30 pri- visitas às principais instalações, além da verificação de o relatório conclusivo à Comissão Interministerial. meiras certificadas no âmbito nacional. (Ana Paula documentações. A visita, que ocorre a cada dois anos, A Comissão avaliará esse relatório e, posteriormen- Moreira e Crislaine Gava)
  6. 6. Jornal da PUC-Campinas5 a 18 de abril/2010 6 JUDICIÁRIO Informação com QUALIDADE Professor comenta o desempenho dos veículos da imprensa na cobertura de grandes casos judiciais Ricardo Lima Ciça Toledo se julgamento, observei que alguns poucos e a decisão judicial. “Não é possível partir daO cicatoledo@puc-campinas.edu.br veículos de informação tiveram essa preocu- afirmação de que alguém já é culpado. É pre- julgamento de Ale- pação”, analisa. ciso fiscalizar, criticar, opinar, divulgar, mas xandre Nardoni e Durante a cobertura de investigações poli- sempre com a intenção de garantir que os Anna Carolina Jatobá “É democrática ciais e julgamentos judiciais, a imprensa deve fatos sejam apurados e as pessoas julgadas trouxe à tona uma e legítima a com absoluto respeito àqueles princípios cons- estar atenta para questões relevantes à demo- questão que costuma cracia. “A sociedade deve ser informada de atuação da titucionais, os quais constituem garantias para incomodar o juiz titu- que existe um princípio constitucional segun- imprensa na todos nós”, afirma. lar da 1ª Vara do Júri do o qual ninguém pode ser considerado cul- divulgaçãode Campinas, José Henrique Rodrigues T orres: pado até que seja concluído o processo penal dos casos Indignaçãoa cobertura da imprensa. Docente da Faculdade regular. Antes de uma condenação judicial submetidos à Se por um lado a cobertura da imprensade Direito da PUC-Campinas, Torres presi- definitiva, todos os investigados e acusados investigação no julgamento dos Nardoni comoveu a opi-de júris de crimes dolosos contra a vida há 18 têm o direito constitucional de serem con- policial e nião pública pela brutalidade do crime, poranos no Fórum Central de Campinas, já siderados inocentes e, por isso, também julgamento outro despertou a indignação da sociedade ”comandou mais de mil julgamentos e duran- devem ser tratados como inocentes”, expli- judicial (...) frente à violência, indiferença e omissão dote esses anos acompanhou a cobertura da ca. Apesar da existência dos indícios coleta- Estado e da sociedade diante das condições mas aimprensa em julgamentos que mobilizaram a dos durante as investigações policiais e de socioeconômicas de milhares de crianças, imprensasociedade. Para ele, nem sempre a ação dos provas colhidas no processo judicial, Torres jovens e idosos no país. “São pessoas, milha-jornalistas contribui positivamente para a for- também percebe que, em alguns julgamentos, nem res ou milhões que vivem na miséria, aban-mação da opinião pública. deveria donadas, sem condições dignas de existên- sempre os jornalistas conseguem explicar à Segundo o juiz, a imprensa tem o direito sociedade o que realmente está acontecendo. aproveitar (...) cia”, analisa. “Mas a indignação não pode see o dever de informar à população, já que a “É necessário manter a serenidade e tranqui- para mostrar transformar em ira, intolerância e vingança”,liberdade de expressão, manifestada na liber- lidade para aguardar a decisão, que só pode- à população a alerta.dade de imprensa, é imprescindível para o rá ser proferida no curso de um processo importância Na opinião do juiz titular da 1ª Vara do JúriEstado de Direito Democrático. A popula- penal regular, durante o qual devem ser garan- dos de Campinas, alguns veículos de comunica-ção também tem o direito à informação. “É tidas aos acusados a ampla oportunidade de procedimentos ção costumam dar mais destaque a fatos quedemocrática e legítima a atuação da impren- defesa, a possibilidade de manifestação sobre judiciais e ocorrem próximos ao mundo das classes pri-sa na divulgação dos casos submetidos à inves- todos as provas produzidas e a oportunida- dos princípios vilegiadas. “Infelizmente essas classes costu-tigação policial e julgamento judicial, bem de de produzir contraprova. Esses princípios constitucionais mam ficar indignadas apenas com a violênciacomo a crítica que realiza com relação à atua- democráticos são extremamente importan- que as atinge e não com a que castiga os excluí- que devem serção dos profissionais envolvidos nessas inves- tes para a convivência democrática, da mes- dos, os inferiorizados, os miseráveis”, reflete. observados etigações e julgamentos”, analisa. “Mas a ma forma como é importante a liberdade de “Muitos outros fatos, de igual ou maior gra-imprensa também deveria aproveitar algu- garantidos...” imprensa”, explica. vidade às relações humanas ocorrem todos osmas oportunidades, como o julgamento dos Por piores que sejam as provas, evidên- dias, aos milhares, em Campinas e pelo Brasil,Nardoni, para mostrar à população a impor- cias e indícios apresentados durante a cober- mas, lamentavelmente, porque acontecem nastância dos procedimentos judiciais e dos prin- tura de investigações policiais e julgamentos periferias, favelas e guetos distantes dos cen-cípios constitucionais que devem ser obser- judiciais, o juiz alerta para a necessidade de se tros de poder, não chamam tanto a atenção davados e garantidos. No caso da cobertura des- aguardar e respeitar o trâmite dos processos mídia”, alerta.
  7. 7. 7Jornal da PUC-Campinas 5 a 18 de abril/2010 Fotos: Ricardo LimaMesmo com CARTASdiversas ferramentas O professor davirtuais, as cartas Faculdade de Letras,continuam sendo um Carlos de Aquino Pereira: “A cartameio para se ficará cada vez mais restrita,comunicar com mas não acabará nunca.”familiares e amigos,além de guardarlembrançasNa ponta do lápis...N Amanda Artioli amanda.artioli@puc-campinas.edu.br a gaveta da cristaleira, uma caixinha amarrada com fita vermelha, desbotada pelo tempo. Apesar de pequena, nela estão guardadas grandes e afetuosas histórias. É com essa simplicidade que a alu-na da Universidade da Terceira Idade, ÍldeceRega Portella, mantêm vivas as lembrançasdos amigos e parentes que mandavam notí-cias por meio de cartas. “Tenho cartas de 60anos atrás. Algumas delas estão com o papelamarelado, outras rasgadas, mas todas trazemboas recordações de um tempo que não vol-ta mais”, contou a saudosa aluna. Para o professor especialista em JornalismoLiterário, Fabiano Ormaneze, a possibilida- As alunas Beatriz Alberti Amaral (ao lado) da Faculdade O registrode de guardar a carta, de cheirá-la e até mes- de de Publicidade e Muitas cartas deixaram seus conteúdos eter- Propaganda emo rasgá-la, se torna uma forma de estar mais nizados. Aquelas que no passado contavam inti- Íldece Regaperto de quem escreveu. É uma materializa- Portella (acima), midades, paixões proibidas, estratégias políticas,ção. “Há um vestígio de quem escreveu da Universidade descobertas, etc. Hoje, constroem a história.naquele papel que recebemos e guardamos”, Terceira Idade T ornaram-se documentos e obras de arte. Asafirmou. primeiras impressões do Brasil, por exemplo, Quem pensa que guardar cartas é mania foram registradas em cartas, por Pero Vaz dede pessoas mais velha, se engana. A aluna do Caminha, e estão presentes em todos os livros2º ano de Publicidade e Propaganda, Beatriz que contam a história do descobrimento doAlberti Amaral, de apenas 19 anos, tem uma país. Já o pintor Van Gogh, deixou cartas aopasta exclusiva para guardar as centenas de irmão, Theo, que hoje são acessíveis por meiocartas que troca com a prima e com as ami- de livros. A história de amor da produtora ruralgas que moram em Jaboticabal. Todos os de Iowa (EUA), Francesca Johnson, foi conta-meses, desde a infância, elas colocam no papel da ao mundo inteiro, em 1995, por meio do fil-as novidades, os anseios, as confidências e me As Pontes de Madison, baseado na carta quedespacham pelo correio. “A carta passa cum- deixou aos filhos revelando o romance complicidade e nela eu consigo contar todos os um fotógrafo.detalhes. Por telefone fica muito caro e por O professor Aquino ressalta a força e ae-mail não é a mesma coisa. Quando sinto representatividade que “As Cartas de Campinas”saudade delas releio as cartas, já os e-mails eu tiveram num passado recente. Em 1996, anunca guardo”, afirmou a aluna. PUC-Campinas, juntamente com outras uni- versidades do país, se reuniram e redigiram aO virtual não basta primeira Carta apoiando a causa da indepen- O tempo passou, a internet chegou e ain- dência do povo do Timor Leste, submetido aoda que os e-mails sejam rápidos, modernos e domínio opressivo do governo indonésio. Aeficientes, as cartas sustentam seu papel de Carta foi publicada na presença de José Ramos-registrar e documentar a informação. O pro- Horta, um dos principais líderes do Timor pelafessor Ormaneze cita um bom exemplo em liberdade e que recebera naquele ano o Prêmio O professorque o texto virtual foi parar no papel. “No para ver o quê? Cartas!”, contou o professor especialista em Nobel da Paz. Hoje, presidente do país. No anoano passado, teve destaque no Brasil, na Festa O professor da Faculdade de Letras, Jornalismo Literário, seguinte, outra carta foi preparada com a mes-Literária Internacional de Paraty (FLIP), a Carlos de Aquino Pereira, vê com bons olhos Fabiano Ormaneze: ma finalidade e a terceira delas, em 1999. “As “Há um vestígioescritora francesa Sophie Calle. Ela transfor- o e-mail na ampliação do gênero epistolar, Cartas de Campinas foram dirigidas ao mun- de quem escreveumou um e-mail de rompimento recebido do a facilidade e o controle que ele proporcio- naquele papel do e com muita repercussão. Por meio de umamante em uma carta enviada a dezenas de na na comunicação. “Ainda assim, a carta que recebemos e plebiscito, o povo timorense pôde optar pela ultrapassa o limite do rápido e do moderno. guardamos”mulheres. Cada uma delas analisou o que ele sua independência. Nossa missão de solida-havia escrito e transformou suas interpreta- Ela tem caráter revelador e de confiabilida- riedade foi cumprida”, explicou orgulhoso oções numa carta que virou a exposição ‘Cuide de. A carta ficará cada vez mais restrita, mas professor que esteve à frente do movimento,de você’. Milhares de pessoas foram visitá-la não acabará nunca.” representando a PUC-Campinas.
  8. 8. 5 a 18 de abril/2010 Jornal da PUC-Campinas 8 Imagens: Reprodução Como chegar >A exposição “Andy Warhol, Mr. America” pode ser visitada até 20 de maio, na estação Pinacoteca. As visitas ocorrem de terça a domingo, das 10h às 18h. A entrada é R$ 6 e R$ 3 (meia). Grátis aos sábados. A estação fica no Largo General Osório, 66. Informações pelo telefone Arte 3335-4990. Para chegar de metrô: Desça no Terminal Rodoviário Tietê, pegue o metrô sentido Estação Como chegar Jabaquara e desembarque > A exposição “Hélio Oiticica – Pop na Estação Luz. Museu é o Mundo” pode ser visitada até o dia 16 de maio, no Itaú Cultural, em São Paulo. Todas as atividades no Itaú Cultural têm entrada franca. Para chegar de metrô: desça no Terminal Rodoviário Tietê, pegue o metrô sentido Estação Jabaquara, faça transferência na linha verde e desça na estação Exposições dos artistas Andy Warhol Brigadeiro. O espaço fica na Avenida Paulista, 149. e do brasileiro Hélio Oiticica podem Informações no site www.itaucultural.org.br. ser visitadas em São Paulo CO M OsA i Ana Paula Moreira anasouza@puc-campinas.edu.br I Imagens de personalidades dos anos 60, como Marilyn Monroe e Elvis Presley, além de símbolos publicitários, como latas de sopa. Essa é a temática da exposição “Andy Warhol, Mr. America”, que pode ser visitada na Estação Pinacoteca, em São Paulo. A mostra apresenta cerca de 170 obras, entre 26 pinturas, 58 gravuras, 39 trabalhos fotográficos, duas ins- talações e 44 filmes, que exploram temas da política e da cul- tura popular norte-americana, com ênfase para os trabalhos realizados entre os anos 1961 e 1968, considerada a fase mais criativa do artista. Outra exposição que pode ser visitada é “Hélio Oiticica – Museu é o Mundo”, no espaço Itaú Cultural, em São Paulo. Estão expostas 117 de obras, contemporâneas e atuais em suas propostas. Algumas das obras estão espalhadas por parques e espaços da cidade. No portal do Itaú Cultural, também é pos- sível ver o acervo digitalizado do artista. Na década de 1960, Hélio Oiticica criou o conceito Parangolé, que era uma pin- Andy Warhol é um dos principais tura ambulante, parecida com uma bandeira, ou estandarte. nomes da Pop Art. Surgida nos anos Oiticica também ajudou a consolidar a estética do movimen- Em 16 de outubro 1950, na Inglaterra, o movimento to tropicalista na música brasileira. de 2009, um incêndio teve seu ápice na década de 1960. A Para o diretor da Faculdade de Artes Visuais, Flávio destruiu cerca de duas mil Pop Art se caracteriza pela utiliza- Shimoda, os dois artistas representam movimentos de reno- obras de Hélio Oiticica, cerca ção de imagens do universo do con- vação da arte contemporânea. “O Hélio no T ropicalismo, de 90% do acervo (avaliado sumo (embalagens de produtos) e movimento de renovação da arte brasileira. Infelizmente ele em US$200 milhões), no da cultura de massa (televisão, é pouco conhecido no Brasil, mas teve um reconhecimento Rio de Janeiro. Na exposição cinema, revistas de celebridades, internacional nos Estados Unidos. A arte dos dois está pre- é possível ver o que quadrinhos, propaganda). A mostra foi recuperado já passou na Colômbia e Argentina. sente na nossa cultura. As obras profetizavam distribuir arte do incêndio. por meio de vários canais”, explicou o professor.

×