Your SlideShare is downloading. ×
0
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Relevo do Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Relevo do Brasil

856

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
856
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Hugo Morais GEOGRAFIA DE UM JEITO MAIS FACIL www.hugomorais.com.br www.conexao.com
  • 2. O Brasil está totalmente contido na Plataforma Sul- Americana (o que explica a relativa estabilidade tectônica), cuja evolução geológica é marcada por dois fatores principais: -A inexistência de dobramentos modernos. -Antigas formações geológicas, desgastadas pelo longo e intenso processo erosivo (o que explica as baixas altitudes). Assim, o embasamento rochoso do país acha-se exposto em grandes escudos cristalino (36% da superfície dos país), separados entre sei por coberturas de rochas sedimentares (58% da superfície). www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • 3. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais PLANALTO PLANÍCIE DEPRESSÃO ALTITUDE PROCESSOS DE IMTEMPERIMSO QUANTIDADE DE UNIDADES TIPOS OU GRUPOS Altos Entre 200 e 2000 metros Baixos e planos Variam Erosão Sedimentaçã o Erosão 11 unidades 6 unidades 11 unidades 4 2 Costeiros e Continentais 3 Depr. Periférica Depr. Interplanáltica Depr. Marginal
  • 4. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Planaltos - Apresentam superfícies irregulares ou mais ou menos planas. Os processos de erosão predominam e superam os de sedimentação. Situam-se acima de 200 m, podendo ultrapassar os 2 mil metros de altitude. Em suas bordas, aparecem escarpas, comumente chamadas de serras.
  • 5. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Planícies - Superfícies pouco acidentadas, mais ou menos planas, geralmente situadas a poucos metros do nível do mar, mas que podem ocorrer em altitudes maiores. Tipos de Planície: Planícies costeiras ou marinhas; Planícies continentais
  • 6. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Chapada Relevo sedimentar de forma tabular e topo plano.
  • 7. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Depressão Superfície mais plana, com altitudes entre 100 e 500 metros, apresentando inclinação suave, resultante do processo erosivo sobre rochas cristalinas ou sedimentares. Formas residuais
  • 8. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Década de 40 (AROLDO DE AZEVEDO). Nível altimétrico (Critério) PLANALTOS: Superfícies aplainadas com mais de 200 metros de altitude. PLANÍCIES: Superfícies aplainadas com menos de 200 metros de altitude. 8 unidades de relevo; 4 planaltos (59%) e 4 planícies (41%) Dividiu o Brasil em 8 unidades de relevo: quatro planaltos e três planícies.
  • 9. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Década de 50 (AZIZ AB’SABBER). Tipo de alteração dominante na superfície, processo de erosão ou de sedimentação. (Critério morfoclimático) PLANALTO: Superfície aplainada, onde o processo de erosão estaria predominando sobre o sedimentar. PLANÍCIE: o inverso, sedimentar sobre o erosivo. Dividiu o Brasil em 10 unidades: 7 planaltos (75%), e 3 planícies (25%) Mares de Morro
  • 10. www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • 11. www.hugomorais.com.br www.conexao.com Prof. Hugo Morais GEOGRAFIA DE UM JEITO MAIS FACIL

×