Relevo e seus agentes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Relevo e seus agentes

on

  • 913 views

 

Statistics

Views

Total Views
913
Views on SlideShare
911
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
24
Comments
0

1 Embed 2

http://hugomorais.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Relevo e seus agentes Relevo e seus agentes Presentation Transcript

  • Prof. Hugo Morais GEOGRAFIA DE UM JEITO MAIS FACIL www.hugomorais.com.br www.conexao.com
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Dob. Modernos Escudos Cristalinos/ Plataformas Continentais/ Maciços Antigos Bacias Sedimentares Planalto Cristalino Planície Montanha Estrutura Geológica Forças Interna Forças Externas Erosão Transporte Sedimentação/ Acumulação Escudos cristalinos (ou maciços antigos) São blocos de rochas cristalinas muito antigos. Bacias sedimentares são depressões preenchidas por sedimentos de áreas.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Os agentes externos são os elementos que, atuando em conjunto, modificam o relevo da superfície terrestre. A modificação é geralmente lenta, constante tende a aplainar o relevo. A intensidade com que atuam os agentes externos depende do clima e do tipo de rocha da área, e sua ação engloba três fases: erosão, transporte e deposição. Relevo são as formas das paisagens que sofrem a ação e evolução constante, desde suas origem, dos agentes internos e externos.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais INTEMPERISMO ou METEORIZAÇÃO É o processo de decomposição das rochas, quando expostas à atmosfera. Pode ser químico, físico ou biológico. Químico: desintegração das rochas pela ação da água. Físico: desintegração das rochas devido às oscilações de temperatura. Biológico: desintegração das rochas devido à ação dos seres vivos. Agentes externos realizam um trabalho escultural ou de modelagem da paisagem terrestre e têm atuação contínua e prolongada. Principais agentes erosivos: Rios, Geleiras, Chuvas, Ventos e Mares
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Agentes de meteorização Ação mecânica do vento e da água; Dilatações e contrações térmica por efeito da água nos interstícios e poros da rocha; Transporte Os materiais resultantes da meteorização são, em regra, transportados pela água e pelo vento para outros locais; Durante o transporte sofrem modificações como arredondamento e granotriagem. Sedimentação Ocorre quando o agente transportador perde energia e os materiais transportados ficam depositados (sedimentos). A deposição dá-se, geralmente, em camadas sobrepostas (estrados), horizontais e paralelos.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais EROSÃO FLUVIAL A ação das águas dos rios e das torrentes sobre a superfície terrestre é chamada de erosão fluvial. Esse trabalho compreende o escavamento do leito, o transporte e a deposição ou acumulação de sedimentos. Enquanto escavam, seu leito e modelam as vertentes, as águas dos rios formam os vales fluviais, que podem ter diferentes aspectos. Em seu curso os rios escavam leitos, formam vales, destroem e transportam rochas e sedimentos, depositando-os produzindo novas feições.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Os rios apresentam três partes: as mais alta é o curso superior ou alto vale (em que ocorre mais erosão), o cursos médio e o curso inferior (nesses encontram-se a foz e ocorre mais sedimentação e a formação de planícies aluvionais).
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Leito menor ordinário - corresponde ao leito por onde corre um curso de água durante os períodos de estiagem (de seca). Em algumas regiões, o rio chega mesmo a secar. Leito normal - como o próprio nome indica corresponde ao leito normal do rio. Leito maior, de inundação ou de cheia - nos períodos de chuvas intensas, por vezes, as águas sobem e transbordam as margens do leito normal.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Duas bacias hidrográficas de dois cursos de água são separadas por uma linha de cumeeira.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais 1 1 1 1 2 3 3 4 5 6 7 8 9 1. Nascente 2. Rio Principal 3. Afluente 4. Subafluente 5. Foz ou desembocadura 6. Margem esquerda 7. Margem direita 8. Jusante 9. Montante Os leitos de cada curso de água desenham uma rede mais ou menos complexa e hierarquizada, isto é, onde cada linha de água tem, face às restantes, a sua importância relativa. Daí o uso de expressões como curso principal e tributários e, entre estes, afluentes e subafluentes, consoante a sua posição relativa na rede. Esta rede é chamada de rede hidrográfica ou de drenagem. Se seguíssemos ao longo de um curso de água para montante, veríamos que ele se divide em tributários cada vez mais pequenos, numa rede de drenagem que apresenta um padrão ramificado característico.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais De um modo geral, podemos considerar três tipos de bacias hidrográficas. As regiões sem rede fluvial – como acontece, por exemplo, nos desertos arenosos – dizem-se arreicas (sem rede). Outras caracterizam-se pelo facto de a respectiva rede fluvial convergir numa zona interior e, portanto, não serem drenadas para o mar. Tais regiões dizem-se endorreicas (rede interior). Alguns exemplos de áreas endorreicas são as envolventes dos lagos Tchad, em África, Eive, na Austrália, Baical, na Sibéria e todas as que tenham por centro de convergência das águas um local interior, isto é, um lago. Por fim, designam-se por exorreicas (rede exterior) as regiões drenadas por redes hidrográficas que desaguam no mar. De fato, o exorreísmo é a situação mais comum e generalizada à escala continental, desde um simples abarrancamento virado ao mar até à grande bacia do rio Amazonas, no Brasil. Há, ainda, quem considere um quarto tipo de bacia hidrográfica, a criptorreica (rede oculta), típica de regiões carsificadas, indo, posteriormente, desaguar num lago ou num oceano. Fonte: http://geodinamica.no.sapo.pt/html/pagesgex/rios1.htm#fig3_24
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Inicialmente o curso de água instala-se numa superfície recentemente formada, aproveitando os desníveis do relevo (A). Gradualmente, escava um vale mais fundo e abre novos vales (B). Começa a formar-se uma planície aluvial , devido à acumulação de sedimentos - materiais transportados pelo rio e resultantes do desgaste a montante (C). A continuação deste processo origina a formação de planícies aluviais nos vales de alguns afluentes, o alargamento da planície principal e a formação de meandros - Curvas no leito do rio formadas pela maior acumulação de
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Nas planícies aluviais, o encaixe do rio aprofunda aí um sulco, de modo que aqueles depósitos ficam elevados relativamente ao novo leito, constituindo degraus ou terraços fluviais. O prosseguimento desta evolução fluvial pode criar nova planície aluvial topograficamente abaixo da anterior. A repetição de vários ciclos é a causa da existência de vários níveis de terraços fluviais, sendo os mais antigos aqueles que se encontram a uma cota superior e sucessivamente mais modernos os mais baixos. Evolução de terraços fluviais: a) por sucessivos rebaixamentos rápidos do leito; b) por rebaixamentos profundos seguidos de longos períodos de assoreamento do leito.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais EROSÃO MARINHA O trabalho de destruição e de construção do relevo realizado pelo mar nas áreas litorâneas, transformando as paisagens, chama-se erosão marinha ou abrasão. A erosão marinha denominada abrasão marinha varia em função de transgressões e regressões marinhas. Abrasão marinha é o trabalho de destruição: Falésias. O trabalho de depósito ou acumulação forma: Praias, Restingas e tômbolos, dunas.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais EROSÃO GLACIAL Erosão restrita aos dobramentos modernos e as zonas glaciais. A erosão glacial se realiza de duas maneiras: por compressão (quando a agua infiltra-se em fendas de rochas e depois se congela, quebra rocha, visto que a água sob a forma sólida tem maior volume que em estado líquido); por desgaste mecânico (grandes blocos de gelo movem-se lentamente, por ação da gravidade, causando desgaste das rochas).
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais EROSÃO EÓLICA Consiste na retirada de sedimentos sob a ação do vento, sendo também denominada de deflação. As principais áreas de ocorrência da deflação são os desertos e as praias, onde os grãos de areia são pouco consolidados devido à escassez de água e sua rápida circulação. Ocorrência em áreas de poucas chuvas, onde a vegetação natural é escassa e sopram ventos fortes.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais EROSÃO ACELERADA e ANTRÓPICA Realizada na superfície terrestre pela intervenção humana e de seres vivos em geral. Ocasiona um desequilíbrio litológico. É o aceleramento da erosão nas camadas superficiais do solo motivado por desflorestamento, corte de barrancos em estradas, etc. A erosão antrópica é definida como o desenvolvimento de processos que transformam a paisagem natural após a realização de um trabalho feito pelo homem.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais Movimento de massas Movimentos de massa definem-se como situações em que se dá o deslocamento, mais ou menos lento, de conjuntos de materiais sólidos (rochosos), normalmente de forma brusca e inesperada, ao longo de uma vertente.
  • www.hugomorais.com.br Prof. Hugo Morais
  • www.hugomorais.com.br www.conexao.com Prof. Hugo Morais GEOGRAFIA DE UM JEITO MAIS FACIL