• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Android
 

Android

on

  • 1,301 views

Texto sobre o S.O. Android

Texto sobre o S.O. Android

Statistics

Views

Total Views
1,301
Views on SlideShare
1,301
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
64
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Android Android Document Transcript

    • UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO VALE DO TELES PIRES LICENCIATURA PLENA EM COMPUTAÇÃO SISTEMAS OPERACIONAIS ANDROID COLIDER/2012
    • UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO VALE DO TELES PIRES. LICENCIATURA PLENA EM COMPUTAÇÃO SISTEMAS OPERACIONAIS ANDROID Trabalho acadêmico apresentado como subsídios para a avaliação da disciplina de SISTEMAS OPERACIONAIS do curso de Licenciatura em Computação, ministrado pela Professora Elaine Alves da Rocha. COLIDER/2012
    • IDENTIFICAÇÃOTítulo: AndroidDepartamento: Licenciatura em ComputaçãoDisciplina: Sistemas OperacionaisDiscentes: Alexandro Nardeli Leite, Douglas Silva Rocha, Everson Wolf, Sergio Pereira.Docente: Elaine Alves da RochaPúblico Alvo: Acadêmicos do 4º semestre do Curso de Licenciatura em ComputaçãoINTRODUÇÃO Várias empresas de tecnologia e celulares, como T-Mobile, HTC, Qualcomm,Motorola e outras se uniram e em novembro de 2007 anunciaram a criação do Open HandsetAlliance (OHA), uma aliança de multinacionais com líderes da indústria de tecnologia edispositivos móveis, para gerenciar o desenvolvimento do Android, a primeira plataformarealmente aberta e abrangente para dispositivos móveis. Eles pretendiam com o desenvolvimento do Android, baratear os dispositivos móveis,pois, ele é totalmente gratuito, o que pode ocasionar a queda de preços desses dispositivos, jáque as empresas não precisam pagar para ter um sistema operacional rodando em seusdispositivos. Hoje o Android ainda desenvolvido pelo Open Handset Alliance (OHA), mas oGoogle é o responsável pela gerência do produto e engenharia de processos.JUSTIFICATIVA O objetivo deste trabalho é atender os educandos, para que os mesmos possamconhecer o sistema operacional Android, um sistema livre, ou seja, open Source, seufuncionamento, pelo motivo de ele ser Open Source, contribuindo para a ampliação de seusconhecimentos e no desenvolvimento do ensino-aprendizagem.OBJETIVOS GERAIS Proporcionar ao acadêmico o conhecimento da história de sua origem e de seukernel, suas características, a popularidade do sistema Android e suas vantagens diante de
    • outros sistemas, permitindo que a partir daí o mesmo possa apreender e compreender estesconceitos.OBJETIVOS ESPECÍFICOS- Conhecer a história.- Apontar suas vantagens e desvantagens.- Ilustrar suas versões.- Relatar sua Kernel.- Citar os tipos de sistema de arquivos.METODOLOGIA Através de pesquisas na internet, foi recolhidas informações sobre o sistemaoperacional Android. Através desta pesquisa foram montados slides para apresentar o trabalhorealizado em sala de aula, utilizando data show e notebooks.CONTEUDO DESENVOLVIDO A crescente evolução dos dispositivos móveis, impulsionada pelo modo em que osfabricantes vêm trazendo aparelhos cada vez mais sofisticados. A presença de GPS (Sistemade Posicionamento Global), conexão Wi-Fi, acelerômetros (sensores de movimento) eaumento na capacidade de processamento, fazem com que estes aparelhos estejam aptos aportar aplicações mais robustas e adquirir novas funcionalidades. Assim precisam de sistemasoperacionais mais complexos, e com capacidade de gerenciar os novos componentes, quesempre estão em estado de evolução. Devido a essa grande necessidade, alguns sistemasoperacionais surgiram para resolver este ponto, dentre eles podemos citar: Symbian OS,Iphone OS, Google Android e Windows Mobile. Os dispositivos mobile foram a cada dia setornando um objeto comum no gosto das pessoas, assim empresas como a Google, sejuntaram para formar a OHA (Open Handset Alliance), aliança entre as maiores empresas doramo de telefonia. Entre os integrantes dessa aliança, estão: HTC, LG, Motorola, Samsung,Sony Ericsson, Toshiba, Sprint Nextel, China Mobile, T-Mobile, Asus, Intel, Garmin e outrasmais. A junção dessas empresas para criarem a OHA, porque se juntaram? Pelo fato que nãotinha interesse nos sistemas operacionais que rodavam no aparelho, mas sim na venda do
    • dispositivo móvel que elas fabricassem. Com essa aliança criaram uma plataforma dedesenvolvimento de código aberto, única e flexível. (Martins, 2011) Baseado no sistema operacional Linux, que poderá ser instalado em qualquerdispositivo fornecido por fabricantes que pertencem a OHA. Em sua arquitetura foiintroduzido conceitos de integração e flexibilidade. Essa flexibilidade torna-se interessantepara os fabricantes de celulares, pois se torna possível inserir alguma forma de marketing nainterface com o usuário. Além de possuir fácil integração com serviços oferecidos pelaGoogle. O Android a cada dia, adquiri simpatizantes entre os desenvolvedores de dispositivosmóveis. O que incentiva isso é o fato da Google lançar concursos no desenvolvimento deaplicativos, oferecendo prêmios para desenvolvedores do mundo inteiro. O grande impactopara a comunidade de usuários do sistema operacional é a quantidade crescente de aplicativosconstruída durante o processo de avaliação, e de que a maioria destes códigos é marcadacomo livre por seus criadores, estando ao acesso a todos os usuários que usam dispositivosmóveis com o SO Android. Além de contar com uma loja virtual, a Android Market, quepossibilita ao desenvolvedor disponibilizar uma aplicação gratuitamente para o usuário final,ou lucrar com a sua venda seguindo o modelo à Appstore, loja virtual de aplicativos doIphone. Apenas no Android há um componente que permite exibir e manipular mapa doGoogle Maps, serviço de mapas do Google. Somente no Android todos os aplicativos sãocriados igualmente. Ou seja, nele não há diferença entre aplicações nativas e as demaisaplicações, o que possibilita uma grande personalização do sistema, podendo até substituirtodos os aplicativos nativos por criados em terceiros. Além de ter acesso às mesmasfuncionalidades.Ambiente de Desenvolvimento Android As aplicações Android, por serem aplicações voltadas para dispositivos móveis,requerem um ambiente diferenciado de desenvolvimento, em outras palavras elas sãodesenvolvidas em um ambiente-host de desenvolvimento para rodarem em definitivo emdispositivos móveis que podem ter diferentes características. O ambiente dedesenvolvimento Android requer basicamente o mesmo conjunto de ferramentas,independente do sistema operacional. São necessárias as ferramentas: (Salaberri, 2010)  O Eclipse IDE ( Opção do desenvolvedor );
    •  Kit de desenvolvimento para Java da Sun (JDK);  Kit de desenvolvimento de Software Android (SDK):  Ferramenta para o desenvolvedor Android (ADT), que é um plug-in especial do Eclipse que adapta a IDE Eclipse para o desenvolvimento para Android.Conceitos de uma aplicação para Android Como dito anteriormente o desenvolvimento de aplicativos se da na linguagem Java.Quando o código Java é compilado para plataforma Android, é feita uma conversão debytecod (. class) para Dalvik Executable (. dex) e logo após é criado um arquivo AndroidPackage File (. apk) que é composto pelo arquivo. dex e outros arquivos dependentes, comoimagens e arquivos XML.(Extensible Markup Language). Esse arquivo é o veiculo dedistribuição para que usuários possam instalar uma aplicação em seu dispositivo. No entanto,o desenvolvedor não precisa se preocupar com estas conversões, pois a IDE (IntegratedDevelopment Environment) se encarrega deste serviço. Todo arquivo.apk contem ummanifesto aonde são declarados todos os componentes da aplicação. Esse arquivo demanifesto é estruturado na linguagem XML, além das especificações das bibliotecas usadas,permissões, versões e requisitos. Por padrão, cada aplicação é executada em um processopróprio e cada processo tem sua máquina virtual. Toda aplicação é referenciada por um ID deusuário Linux. Uma aplicação não tem um único ponto de entrada e são construídas utilizandocomponentes que somente são instanciados no momento em que se tornam necessário.Existem quatro tipos de componentes básicos: atividades, serviços, provedores de conteúdo ereceptores de broadcast. Uma atividade corresponde à interface com o usuário. Um serviço não possui umainterface visual, pois são utilizados para executar processamentos em segundo plano. Osprovedores de conteúdo têm como função disponibilizar dados específicos de uma aplicaçãopara outras aplicações. Por último, os receptores de broadcast são componentes que ficaminativos e respondem a eventos. Todos os componentes são ativados através de mensagensassíncronas, exceto os provedores de conteúdo. Intent é o nome de um objeto que éresponsável por conter uma mensagem com uma ação que se deseja executar. Para iniciar umaatividade é necessário enviar um Intent cujo conteúdo especifique essa intenção. Existem doistipos de Intent: explícitos e implícitos. No primeiro, o componente que deve ser executado jáé definido explicitamente. No segundo, a escolha do componente é feita pelo sistemaoperacional que, baseia em alguns critérios, determina qual componente responde melhor
    • àquela intenção naquele momento. Quando um componente é executado, um processo comuma única thread é iniciado. Todos os componentes de uma aplicação serão executados nessethread. O sistema pode destruir processos caso a memória do sistema começar a ficar escassa.Se um processo for destruído, todos os componentes associados a ele também serãoeliminados. Para determinar qual processo será excluído o Android leva em conta a importância doprocesso para o usuário, aonde será excluído aquele processo que contem uma atividade quenão esta mais visível na tela. Cada componente pode ter seu estado alterado diversas vezes emseu ciclo de vida. O ciclo de vida começa quando ele é instanciado e termina quando édestruído. Os objetos podem ser organizados de forma linear, relativa ou absoluta, dentro de umaregião especifica na tela. Embora exista a possibilidade de organizar esses objetos em umlugar especifico na tela isso não é recomendado. Em sistemas para dispositivos móveis, umadas grandes preocupações é a adaptação da interface (resolução e tamanho distintos), pois asdimensões variam de um aparelho a outro. O sistema Android disponibiliza maneiras de seanimar uma aplicação. Uma das possibilidades é uma animação chamada de quadro a quadro,que será gerada através de imagens que vão se alternando em um intervalo de tempo.Também é possível utilizar a animação Tween, que executa uma serie de transformaçõessimples (posição, tamanho, rotação e transparência) em um objeto View, também conta comrecursos para internacionalização, aonde é possível disponibilizar recursos dependendo dalíngua ou das configurações do dispositivo.Armazenamento de informações Android não contem um sistema de arquivos comum, como é encontrado em sistemasdesktop. Todos os dados são visíveis apenas para uma aplicação. Quando uma aplicaçãonecessita acessar uma informação presente ou outra aplicação, é utilizado um componente dotipo provedor de conteúdo. Uma aplicação pode também armazenar dados em um dispositivode memória removível, ou internamente no aparelho usando arquivos. A aplicação pode,alternativamente, com o SQLite (banco de dados descrito na linguagem C), armazenarinformações em tabelas em um banco de dados. A plataforma suporta ainda o acesso aoperações de rede que podem ser utilizadas para guardar ou requisitar dados.Provedores de localização
    • A plataforma conta com provedores de localização para obter a posição corrente dodispositivo. Para esse suporte, geralmente é usado o GPS e a rede da operadora de telefoniamóvel. Estes provedores variam dependendo das especificações do dispositivo. Vale ressaltarque, para utilizar um provedor de localização, é necessária uma respectiva permissão. Apósescolher um provedor de localização, é possível receber informações sobre mudanças delocalização, determinar um tempo mínimo e uma distância mínima entre as atualizações. Ocomponente central de localização é o objeto LocationManager, que prove uma forma delistar os provedores de localização disponíveis e registrar para receber informações sobrelocalização, aproximação de um determinado local definido em termos de latitude e longitude.O Google Maps disponibiliza uma biblioteca para exibição de mapas na tela. Ela não é padrãoda plataforma, e é necessário se registrar para obter uma chave para poder usá-la em umaaplicação. O componente MapView exibe um mapa cujo conteúdo é requisitado em temporeal utilizando uma conexão com a internet, disponibilizando métodos para controlar o mapa euma classe especial (Overlay) que implementa (programa) uma camada sobre ele na qualpodem ser desenhados diversos elementos.(Machado, 2010)Versões do Android A seguir uma lista das versões do Android atualmente no mercado: Android 1.1 (lançado em Fevereiro de 2009) O que estava incluso: Alarm Clock, API Demos, browser, calculadora, câmera,contatos, Dev. Tools, dialer, email, Maps (e StreetView), mensagem, música, imagens(galeria) e configurações.Cupcake (versão 1.5 lançada em Maio de 2009) Cupcake traduzido para o português significa bolo. Primeira versão do Android a ser lançada, em um grande número de aparelhos, traziarecursos de transferência de vídeos direto para o YouTube. Não é mais usada em nenhumaparelho, mas ainda está presente em modelos antigos. Além de gravação de vídeos, bluetooh,A2DP, conexão Bluetooth automática, fazer upload de vídeos para o YouTube e Picasa ecopy & paste.
    • Donut (versão 1.6, lançado em Setembro de 2009) Donut traduzido para o português significa rosquinha. Ainda usada em aparelhos menos potentes, trouxe melhorias na loja de aplicativos doAndroid e uma nova interface para os aplicativos de câmera, foto e vídeo, com multi-seleção edeletar, busca por gestos, busca por voz, integração de aplicativos, grande melhoria no text-to-speech. Foi aí que as pessoas começaram a ver o potencial, e que a Apple e a Microsoftcomeçaram a se ligar que não estavam sozinhas no mercado. O HTC Hero com Android 1.6era um celular muito bom para a época, e a maioria das pessoas queria tê-lo.Eclair (versão 2.1, lançado em janeiro 2010). Eclair traduzido para o português significa biscoito. Trouxe muitos avanços em relação à versão 1.6. Além de modificações na interface,veio com um novo aplicativo de contatos suporte para câmeras com flash. Ainda é uma versãousada em muitos aparelhos de ponta disponíveis no Brasil. Suas características: Velocidade dehardware otimizada, mais opções de tamanhos e resolução de telas, uma UI bem melhorada,suporte ao Exchange, live wallpapers, teclados virtuais melhorados, bluetooh 2.1, GoogleMaps 3.1.2.Froyo (versão 2.2, lançado em Maio de 2010). Froyo traduzido para o português significa iogurte gelado. Trouxe melhorias na velocidade dos aplicativos e principalmente do navegador (com atecnologia V8 para leitura de Java Script). Trouxe também a possibilidade compartilhar umaconexão 3G por meio de Wi-Fi. É a versão usada em alguns aparelhos mais sofisticadosdisponíveis no Brasil. Tinha suporte ao Flash 10.1 completo, processamento até 5x maisrápido, Hotspot para até oito aparelhos, homescreen melhorada com atalhos dedicados,suporte completo ao calendário. Melhoria da câmera de vídeo, como botões de controle natela, possiblidade de salvar aplicativos no cartão SD, poder fazer discagem pelo Bluetooth emais.Gingerbread (versão 2.3 e 2.4, lançado em Dezembro de 2010).
    • Gingerbread traduzido para o português significa pão de gengibre. Versão mais recente para smartphones trouxe melhorias no recurso de copiar e colar egerenciador de downloads. Adição do “gerenciador de aplicativos” no menu da Home,suporte a SIP, suporte a câmera frontal, e vídeo conferência nativo. O aparelho Nexus S,vendido nos Estados Unidos, é um dos poucos com essa versão.Honeycomb (versão 3.0 e 3.2, mostrado na CES 2011). Honeycomb traduzido para o português significa favo de mel. Versão criada para tablets está disponível nos aparelhos Galaxy Tab 10.1, daSamsung, e Xoom, da Motorola. Possuía um novo design, apropriada para telas grandes,melhorias na notificação e na aceleração de hardware com gráficos 2D e 3D, tendo suporta aprocessadores que contém mais de um núcleo.Ice Cream Sandwich (versão 4.0, lançado em outubro 2011) Ice Cream Sandwich traduzido para o português significa sanduiche de sorvete. Versão mais nova. Disponível para tablets e smartphones. Vem com notificações maiselegantes e com mais informações. Widgets aparecem em uma aba do menu de aplicativos.Reconhecimento facial para desbloqueio do aparelho. Google+ com Messenger e Hangouts.Fotos panorâmicas com o movimento do aparelho. Android Beam: compartilha arquivos edados com um aparelho próximo. Função Speech-to-text aprimorada, decodifica palavras emtempo real.Jelly Bean (lançado em junho 2012) Jelly Bean, tradução para o português, feijão de geleia. O Jelly Bean foi construído sobre o Ice Cream Sandwich. "Ele faz tudo melhor, maisrápido e com mais fluidez", disse a Google. Com isso, as notificações ficaram maisdinâmicas, a interação entre e-mail, chamada e calendário foi melhorada, o teclado ficou maisinteligente e preciso, podendo completar palavras. O controle por voz também melhorou,mesmo em conexão de dados 3G.
    • A busca no Jelly Bean é feita já por meio do novo modelo que a Google chama de"gráfico de conhecimento". Em teste nos Estados Unidos, é uma nova maneira a fornecer aosusuários acesso rápida a respostas sem que eles sejam obrigados a deixar a página do motorde buscas.A arquitetura do Android Um dos pontos marcantes da plataforma Android é sua arquitetura, que estrutura acriação dos aplicativos de forma a manterem um mesmo padrão. Conforme ilustrado abaixo,esta arquitetura é dividida em quatro camadas: Aplicação, Framework de Aplicação,Bibliotecas e Kernel Linux. (Salaberri, 2010) A Google geralmente se refere ao sistema operacional Android como uma pilha desoftwares. Cada camada da pilha agrupa vários programas que suportam funções específicasdo sistema operacional. A base da pilha é o kernel. A Google usou a versão 2.6 do Linux para construir okernel do Android, o que inclui os programas de gerenciamento de memória, as configuraçõesde segurança, o software de gerenciamento de energia e vários drivers de hardware. O próximo nível de software inclui as bibliotecas do Android. As bibliotecas sãoconjuntos de instruções que dizem ao dispositivo como lidar com diferentes tipos de dados.Por exemplo, a biblioteca do framework de mídia suporta a reprodução e a gravação de váriosformatos de áudio, vídeo e imagem. Outras bibliotecas incluem aceleração tridimensional(para dispositivos com acelerômetros) e uma biblioteca de navegadores Web.
    • No mesmo nível da camada de bibliotecas, a camada de tempo de execução doAndroid inclui um conjunto de bibliotecas do núcleo Java - programadores de aplicaçõesAndroid construíram suas aplicações em linguagem de programação Java. Ele também incluia Máquina Virtual Dalvik (DVM). Uma máquina virtual é uma aplicação de software que se comporta como se fosse umdispositivo independente com seu próprio sistema operacional. Essa máquina virtual poderodar em qualquer computador. Isso é importante por algumas razões. Primeiramentenenhuma aplicação é dependente de outra. Segundo, se uma aplicação para, ela não afetaquaisquer outras aplicações rodando no dispositivo. Terceiro isso simplifica o gerenciamentode memória. A próxima camada é o framework de aplicação. Isso inclui os programas quegerenciam as funções básicas do telefone, como alocação de recursos, aplicações de telefone,mudança entre processos ou programas e ficar de olho na localização física do aparelho. Osdesenvolvedores de aplicações têm acesso total ao framework de aplicações do Android. Issopossibilita que eles tirem vantagem das capacidades de processamento do Android e suportemrecursos quando estão construindo uma aplicação Android. Pense no framework de aplicaçõescomo um conjunto de ferramentas básicas com o qual um desenvolvedor pode construirferramentas muito mais complexas. No topo da pilha estão as aplicações em si. É onde você se encontra funções básicasdo dispositivo, como fazer chamadas telefônicas, acessar o navegador Web ou acessar sualista de contatos. Se você é um usuário comum, esta é a camada que você mais usará. Vocêfaz isso com a interface de usuário. Apenas os programadores da Google, os desenvolvedoresde aplicação e os fabricantes de hardware acessam outras camadas mais baixas da pilha.Características do sistema operacional Android Com o lançamento do SDK, características e especificações para o Android sãolentamente distribuídas. Handset layouts A plataforma é adaptada tanto para dispositivos VGA maiores e os layouts maistradicionais de smartphones. Conectividade O Android suporta uma grande variedade de tecnologias de conectividade incluindoBluetooth, EDGE, 3G, e Wi-Fi.
    • Mensagens Tanto SMS como MMS são formas disponíveis de envio de mensagens. Navegador O navegador disponível no sistema é baseado no framework de Código abertoconhecida como WebKit. Multimídia O sistema irá suportar formatos de áudio e vídeo como: MPEG-4, H.264, MP3, eAAC. Suporte Adicional de Hardware O Android é totalmente capaz de fazer uso de câmaras de vídeo, tela sensível ao toque,GPS, acelerómetros, e aceleração de gráficos 3D. Máquina virtual Dalvik Dalvik é uma máquina virtual criada para o sistema Android e responsável por rodaros programas no mesmo. Ela requer pouca memória e permite que várias instâncias (ouprogramas) sejam executadas ao mesmo tempo. O sistema operacional Android cuida doisolamento dos programas, gerenciamento da memória e o controle de várias execuções aomesmo tempo. Alguns usuários acreditam que a máquina virtual Dalvik seja uma máquinavirtual Java, mas isso não é verdade, pois o bytecod dela é diferente da JVM. Desenvolvida pela Google onde foi escrita por Dan Bornstein e outros engenheiros daGoogle e fez uma homenagem a uma vila de pescador situada em Eyafjörõur (Islândia)chamada de Dalvík, na qual moravam alguns antepassados de Bornstein. A Dalvik veio juntocom o lançamento da SDK do Android no final de 2007. Criada com base na especificaçãoPOSIX para sistema operacional UNIX onde o intuito de “Reinventar a roda” era de melhorarno gerenciamento de processo e isolamento de thread. (Salaberri, 2010.) Você deve estar se perguntando “reinventar a roda”, é isso mesmo, como o J2ME ébastante limitada pelo motivo de alguns aparelhos não suportarem tecnologias como: gráfico3D, SIP e Bluetooth. Isso torna um incomodo para desenvolvedores da plataforma, visto quedependendo do aplicativo o mesmo não será compatível com alguns aparelhos. Então, a frase“escreva uma vez, executa em qualquer lugar” não se encaixa perfeitamente no J2ME. Outroitem importante que a Google destacou sobre não ter adotado o J2ME foi a especificação JSR(Java Specification Request) que é um processo bastante burocrático e necessário para quesejam inseridos novos recursos na plataforma. Em contra partida, a Google tem o controle
    • completo e pode impulsionar a adoção de novas funcionalidades em uma forma mais rápida esimples. Na plataforma Android os arquivos .java também são convertido para .class e atravésde uma ferramenta chamada de “dx”(faz parte do SDK do Android) são convertidos para aextensão .dex que é interpretada pela VMD (Virtual Machine Dalvik). Considerando que umarquivo .class contém apenas uma classe o arquivo .dex contém várias classes, de modo areduzir o tamanho do arquivo e operações de I / O (entrada e saída), e acelerar a velocidade debusca. O arquivo .dex foi otimizado para o uso de memória e o designer principal éimpulsionado para o compartilhamento de dados. Esses tipos de arquivo uniram todas asclasses formando um só arquivo e apenas uma única cópia é necessário. Com essaconsolidação, a DVM é capaz de aumentar o seu desempenho, eliminando a capacidadedescompactar um arquivo jar com os seus .class redundantes.(Salaberri, 2010.) Otimizando um arquivo.Dex O Android Package Tool (APT) compacta os arquivos .dex e o androidManifeste.xmlcomo binário e cria uma extensão .apk. Após a geração do arquivo .apk que já podem serdisponibilizados para os dispositivos com Android, os arquivos .dex são otimizados antes daexecução. Os arquivos são otimizados e salvos para uma região de cache onde são convertidospara um tipo de extensão customizada chamada de.dey . Compilado uma vez, a DVM (DalvikVirtual Machine) executa o arquivo.dey diretamente se a estrutura de pacotes da aplicaçãonão mudar.CONCLUSÃO O sistema operacional Android trouxe bastante beneficio para as pessoas que usamdispositivos móveis, tornando o aparelho mais barato e mais acessível a todos, devido aosistema ser gratuito, está se tornando mais seguro a cada dia, em consequência as empresasestão conseguindo baratear os dispositivos, batendo de frente com a concorrência.CRONOGRAMAAções Tempo de execuçãoPesquisa 8 horasElaboração 2 horas e 30min.
    • Estudo para apresentação 4 horasApresentação 30 min.Total: 15 horasREFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS SALABERRI, D. B.; “Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas com Android”,2010. Pelotas-RS. MACHADO, R. S. F; “Modelagem e prototipação de uma aplicação LBSutilizando a plataforma Android.”, 2010. Porto Alegre-RS. MARTINS, G. R.; RAFALSKI, J. P.; RESENDE, R. F.; “Protótipo de rede tolerantea falhas e desconexões utilizando comunicação via bluetooh entre dispositivos móveisAndroid.”, 2011. Vila Velha. LIMA, I. C.; LEITHARDT, V. R.; “Um estudo sobre Android”, 2011. Gravataí-RS. Disponível em: http://www.oficinadanet.com.br/artigo/2239/google_android_o_que_e.Acesso em agosto de 2012. Disponível em: http://www.ibm.com/developerworks/br/library/os-android-devel/.Acesso em agosto de 2012. Disponível em: http://www.euandroid.com.br/geral/2010/11/historia-do-android/.Acesso em agosto de 2012. Disponível em: http://diolinux.blogspot.com.br/2012/07/como-surgiu-o-android.html.Acesso em agosto de 2012. Disponível em: http://www.openhandsetalliance.com/press_110507.html. Acesso emagosto de 2012. Disponível em: http://oglobo.globo.com/tecnologia/google-revela-nova-versao-do-android-jelly-bean-5331218#ixzz24077WCqJ. Acesso em agosto de 2012.