Participação de Eugenio Rocha em matéria na Revista Logweb.

1,275
-1

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,275
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Participação de Eugenio Rocha em matéria na Revista Logweb.

  1. 1. DA MÍDIA OFICIAL | www.logweb.com.br | edição nº105 | Nov | 2010 | R$ 12,00 |referência em logística
  2. 2. DA MÍDIA OFICIAL | www.logweb.com.br | edição nº105 | Nov | 2010 | R$ 12,00 | referência em logística Profissionais de logística:Imagem: stock.xchng mais estratégia, menos operacional
  3. 3. 4 | edição nº105 | Nov | 2010 |
  4. 4. | edição nº105 | Nov | 2010 | 5 ○ ○ ○ ○ Editorial ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ referência em logística ○ ○ Publicação mensal, ○ especializada em logística, Os profissionais ○ da Logweb Editora Ltda. ○ ○ Parte integrante do portal ○ www.logweb.com.br ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ de logística Redação, Publicidade, Os dois principais assuntos desta edição da revista Logweb estão ○ Circulação e Administração: ○ interligados: eles tratam dos profissionais de logística, o primeiro enfocando as ○ Rua dos Pinheiros, 240 - conj. 12 pessoas, o segundo, as empresas. ○ 05422-000 - São Paulo - SP ○ Fone/Fax: 11 3081.2772 No primeiro caso, trata-se de um enfoque tradicional da revista Logweb, ○ já inserido em sua primeira edição, em 2002, e de grande valia para os que estão ○ Nextel: 11 7714.5379 ID: 15*7582 ○ iniciando na profissão e para aqueles que, atuando neste mercado “corrido”, ○ Redação: usam as informações para seu aprimoramento profissional. ○ ○ Nextel: 11 7714.5381 ID: 15*7949 Especificamente nesta edição, os enfoques são: o que mudou na atuação ○ do profissional de logística neste último ano; as novas atribuições do profissional ○ Comercial: ○ Nextel: 11 7716.5330 ID: 15*28966 de logística; a importância dos programas de trainee para a formação dos ○ profissionais de logística; e a importância dos cursos na área na preparação ○ ○ dos profissionais para o mercado. ○ Editor (MTB/SP 12068) Como se pode notar, um apanhado de assuntos, tratados por profissionais ○ ○ Wanderley Gonelli Gonçalves com reconhecida atuação no segmento, que vai enriquecer o conhecimento dos ○ jornalismo@logweb.com.br que atuam no setor. ○ ○ Redação O segundo destaque é o já consagrado Prêmio Top do Transporte agora ansporte, ○ Carol Gonçalves em sua quarta edição, uma realização conjunta das editoras Logweb e ○ redacao@logweb.com.br ○ André Salvagno FROTA&CIA. e que é o mais completo ranking do transporte rodoviário de ○ cargas produzido no Brasil. ○ redacao2@logweb.com.brOs artigos assinados e os anúncios não expressam, necessariamente, a opinião da revista. ○ Este trabalho de peso, elaborado a partir de uma metodologia reconhecida ○ Diretoria Executiva pelo mercado, leva em conta as notas atribuídas aos fornecedores de transportes ○ Valeria Lima ○ valeria.lima@logweb.com.br pelos próprios clientes, relativa a cinco indicadores de performance, comumen- ○ ○ temente adotados pelas empresas embarcadoras, para fins de avaliação de seus ○ Marketing fornecedores: custo/benefício, capacidade de negociação, nível de serviço, ○ José Luíz Nammur ○ jlnammur@logweb.com.br gestão da qualidade e tecnologia da informação. ○ Nesta edição, o caderno especial do Top do Transporte 2010 reúne as ○ Administração/Finanças ○ informações das 120 empresas citadas na 4ª Pesquisa Nacional “Desempenho ○ Luís Cláudio R. Ferreira dos Fornecedores de Serviços de Transportes”, a base para a premiação, dando ○ luis.claudio@logweb.com.br ○ destaque às ganhadoras nas sete categorias: indústria automotiva, de perfumaria, ○ Diretoria Comercial cosméticos e higiene pessoal, química, farmacêutica, ○ Maria Zimmermann ○ eletroeletrônica, de calçados e siderúrgica. Pelo seu conteúdo, ○ Cel.: 11 9618.0107 consolidado através das edições anteriores da “Revista Top ○ maria@logweb.com.br ○ do Transporte”, a publicação reúne todas as condições de se ○ Assistente Comercial tornar uma referência no mercado de fretes, colaborando ○ Rita Galloni ○ para a identificação e a contratação das transportadoras ○ comercial.2@logweb.com.br rodoviárias de cargas de mérito reconhecido pelo próprio ○ ○ Gerência de Negócios mercado. ○ Nivaldo Manzano ○ Cel.: (11) 9701.2077 ○ ○ nivaldo@logweb.com.br ○ ○ Gustavo Galhato ○ Cel.: 11 8141.8045 ○ gustavo@logweb.com.br ○ ○ Wanderley Gonelli Gonçalves ○ Projeto Gráfico e Diagramação ○ Fátima Rosa Pereira Editor ○
  5. 5. 6 | edição nº105 | Nov | 2010 | ○ Sumário ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Movimentação ○ ○ Alimentos & Bebidas ............... 32 ○ ○ ○ Empilhadeiras a combustão: ○ ○ ○ Sucos, energéticos e isotônicos ○ o tipo de combustível faz a diferença ........... 6 ○ ○ ○ ○ Ultrapan: Altos valores de pedágios ○ ○ ○ refletem nos preços dos produtos ○ ○ Evento ○ ○ ○ ○ ○ ○ Prefeitos do ABCD Paulista ressaltam ○ ○ Logística & Meio Ambiente .............. 34 ○ ○ importância da CeMAT South America ....... 10 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Multimodal ................................... 36 ○ ○ Montadoras ○ ○ ○ ○ Iveco lança caminhão voltado para ○ ○ ○ Distribuição e manuseio ○ a nova economia brasileira .......................... 14 ○ ○ ○ ○ Transportadoras e ○ ○ NC² inicia operações no Brasil e ○ ○ ○ ○ lança caminhão neste mês .......................... 16 OLs: várias medidas ○ ○ ○ ○ ○ ○ garantem a segurança ○ ○ ○ ○ ○ ○ Matéria de capa ○ das cargas ○ ○ ○ ○ ○ Profissionais ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ de logística: ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ mais estratégia, ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ menos operacional ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ? ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ..................................................................... 18 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Negócio Fechado......................... 28 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Agenda ........................................................ 44 ○ ○ ○ ....................................................................... 45 ○ ○ ○ ○
  6. 6. | edição nº105 | Nov | 2010 | 7○ ○ ○ Carta ao leitor ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○○○○○ A hora chegou:○○○○ PLANEJAMENTO’11!○○○○○○○ Um planejamento sólido e bem elaborado detalha as ações○○ necessárias para atingir os objetivos de toda a empresa e, iniciado○ com antecedência, permitirá que a estratégia adotada seja mais○○ bem otimizada.○ Falo especificamente do plano de marketing, onde o○○ destaque da marca e as vantagens dos serviços oferecidos devem○ estar em evidência em primeiro lugar.○○ Como o plano de mídia está incorporado ao plano de○ negócios, é instrumento indispensável para o sucesso da empresa.○○ Os seguintes pontos devem ser primeiramente avaliados:○ ✓ Realidade financeira da empresa;○○ ✓ Otimização da renda;○ ✓ Efetividade;○○ ✓ Tempo necessário de divulgação;○ ✓ Elencar mídias idôneas, com auditoria;○○ ✓ Planejar tanto a mídia impressa quanto a eletrônica.○○○ A estratégia maior é defender as vendas, conquistar seu○ mercado consumidor.○○ PENSE, VEJA e TENHA atitudes criativas com relação ao○○ mercado.○ A Revista e o Portal LOGWEB são mídias atualizadas e○○ absolvem velhos “clichês” que, na maioria das vezes, em outras○ publicações, são adaptados por conta de um “pioneirismo” que já○○ faz parte do passado.○ Temos tudo de novo a acrescentar, nunca desprezaremos○○ parcerias e nem notícias que serão sempre importantes para o○ mercado como um todo.○○ Faça seu mapa operacional de mídia, quantifique e integre○ todas as variáveis de vendas.○○ Usuários, atentem onde investirão seu○ capital, pois adquirir conhecimento em uma○○ mídia é acrescentar o novo, mudar constante-○ mente, disponibilizar informações na íntegra,○○ inclusive no Portal!○ E isso, meus caros leitores, é coisa da○○ LOGWEB!○ Bons negócios e ótima leitura.○○○○○○○○ Maria Zimmermann○ Diretora Comercial○○ da Revista Logweb○
  7. 7. 8 | edição nº105 | Nov | 2010 | Movimentação Empilhadeiras a combustão: o tipo de combustível faz a diferença A diesel, GLP ou gasolina. Conforme o combustível, as empilhadeiras apresentam um tipo de desempenho. Mas isto não é tudo: a facilidade de abastecimento e o local de operação também fazem a diferença – neste último caso, a questão do meio ambiente se faz presente. omo escolher o combustível O uso do ção da Commat Comércio de C da empilhadeira? Qual oferece o melhor desempe- nho? É possível as empilhadeiras combustível deve levar em conta o Máquinas (Fone: 11 2808.3306). Segundo ele, o diesel, por exemplo, é adequado para equi- operarem com biodiesel, etanol local de pamentos de maior capacidade, ou outro combustível? operação da acima de 7 toneladas. Este com- Estas são as perguntas empilhadeira, bustível é mais poluente, mas respondidas pelos profissionais em função do oferece facilidade de manuten- do setor de empilhadeiras nesta seu grau de ção, requer motor com menor matéria especial da revista geração de quantidade de peças em relação Logweb. poluentes a outro motor a combustão e, portanto, apresenta vida útil maior. Escolha O GLP é facilmente encontra- do em grandes centros urbanos e Sobre a escolha do combus- certo período de tempo. Tal Clark Empilhadeiras (Fone: 19 é o combustível mais usado tível – GLP, gasolina ou diesel – quantidade de partículas de 3856.9095). Segundo ele, a nessas regiões. É menos José Roberto Roque, gerente de carbono suspensas no ar é escolha do combustível pode ser poluente e mais barato e não rental da Aesa Empilhadeiras prejudicial à saúde, o que invia- determinada pelo tipo de ope- precisa de grandes estoques (Fone: 11 3488.1466), diz que biliza a utilização deste combus- ração, material a ser movimen- “A combinação GLP e gaso- deve ser levado em conta, tível. Já em operações a céu tado e área de movimentação. lina decorre da vulnerabilidade principalmente, o ambiente onde aberto, longos percursos e Outros fatores, como disponibili- de acesso a um dos combustí- o equipamento será operado. máquinas pesadas, o diesel leva dade de abastecimento (pit stop) veis – na falta de um, o outro “Em locais cobertos é essencial vantagem pela maior eficiência, e consumo de combustível por pode ser usado imediatamente. o uso de máquinas a GLP pela economia e baixa manutenção. hora trabalhada, podem fazer Algumas empresas dão maior menor emissão de carbono. Além disso, é um combustível diferença na escolha do equipa- preferência a esta opção do que As máquinas com motor diesel menos volátil que o GLP ou a mento. Por exemplo, em ambien- apenas ao GLP”, completa apresentam elevado nível de gasolina, resultando em maior tes com operação confinada Niglio, da Commat. carbono nos gases de escape e, segurança no armazenamento.” (áreas fechadas) ou movimenta- Emerson Viveiros, diretor quando operadas em ambiente Ainda segundo Roque, da Aesa, ção de perecíveis não se reco- executivo da UN Forklift (Fone: coberto, pode ser notada no teto equipamentos a gasolina caíram menda o uso de equipamentos 19 3395.0486), aborda esta a fuligem acumulada depois de em desuso devido ao alto custo, movidos a diesel ou gasolina, questão apontando que os moto- porém alguns equipamentos devido à emissão de gases, res a GLP/gasolina são mais utilizam este tipo de combustível também aponta Camargo. populares no mercado, principal- como secundário, caso termine a “A escolha de uma empilha- mente para capacidades até reserva de GLP. “Além destes, deira de determinado tipo de 3.5 toneladas. Os clientes e está sendo usado nas operações combustível depende, ainda, de usuários veem facilidade no o GNV, pela disponibilidade no variáveis como potência da abastecimento (troca do cilindro mercado e baixo custo.” máquina, facilidade de acesso de gás) e, também, por acharem A escolha do combustível Resposta semelhante a esta (compra) e estocagem do combus- o modelo menos poluente. deve levar em consideração, pergunta tem Luiz Henrique tível que abastece as máquinas.” “No entanto, modelos a diesel a também, a facilidade de Gonçalves Camargo, gerente de A análise, agora, é de Hugo partir de 5 toneladas ganham abastecimento suporte ao produto da Dabo - Niglio, engenheiro de manuten- mais aceitação do que os modelos
  8. 8. | edição nº105 | Nov | 2010 | 9GLP, já que essa capacidade ou urbanos, onde existe a abundân- mento a diesel ser menor que osuperior necessita de motores cia de todos os tipos de combus- do a GLP, muitos dão preferênciamais robustos e que ofereçam tíveis, o GLP é mais usado pelo ao equipamento a GLP pelamaior durabilidade. A tecnologia fato de ser o mais barato, facilidade de aquisição ede motor a diesel vem evoluindo salienta ele. No caso de cidades armazenamento, considera Ítalo.muito nos últimos anos”, atesta. afastadas de grandes centros e “A escolha de uma empilha- Há, ainda, outros pontos a de frotistas que possuam a deira por tipo de combustívelserem considerados na compra maior parte de veículos com está condicionada às condiçõesde uma empilhadeira, como motorização a diesel, a escolha operacionais, condições decustos com manutenção e passa a ser o diesel, apesar de mercado (oferta/procura) econsumo de combustível. “Se a ser mais caro. devido à facilidade de aquisiçãomáquina irá operar em ambiente O uso de gasolina em desse combustível. O GLP, porinterno é preciso levar em empilhadeiras no Brasil caiu exemplo, tem distribuiçãoconsideração que as empilha- drasticamente devido ao seu nacional, de fácil aquisição paradeiras a gasolina ou diesel maior custo – continua o diretor uso. Já o diesel é usado ememitem mais gases poluentes comercial da Brasil Máquinas. equipamentos de grande porteque as a GLP, e para tanto será “Existem muitas operações que Saiki, da TCIM: o GNV já é (acima de 7 toneladas) emprega-necessário um ambiente com exigem determinados combustí- realidade em algumas dos em portos, aeroportos, side-ótima circulação de ar”, analisa veis por uma questão de seguran- empresas, porém é neces- rúrgicas ou em locais em que oRenan Sanches, analista de ça, visto que o GLP é um gás sário investimento para a GLP não pode ser usado pormarketing da Jungheinrich Lift pesado e que pode se acumular instalação de um pit-stop perigo de explosão. Existe aindaTruck (Fone: 11 4815.8200). em galerias mais baixas e o híbrido GLP + gasolina, a Por sua vez, Roberto Mazzutti, explodir caso tenha algum tipo custos de aquisição e armazena- combinação mais utilizada emdiretor comercial da Brasil de ignição”, completa Mazzutti. gem do produto. Empresas com operações com empilhadeira emMáquinas (Fone: 11 2137.4200), Por seu lado, Ítalo Fagá, grande quantidade de equipa- áreas de armazenagem em áreaacredita que a escolha do com- gerente comercial da Meggalog mentos buscam o armazenamen- externa”, avalia, agora, Fábiobustível deve ser de acordo com (Fone: 11 4409.0909), destaca to adequado de combustível em Pedrão, diretor executivo daa facilidade e o custo. Geral- que a escolha do combustível seus estabelecimentos. Apesar Retrak Empilhadeiras (Fone: 11mente, em grandes centros está diretamente atrelada aos do custo operacional do equipa- 2431.6464).
  9. 9. 10 | edição nº105 | Nov | 2010 | Adolpho Troccoli Filho, geren- facilidade em abastecer, é o GLP, mais no interior ou em cidades completa Niglio, da Commat. te comercial da Still Brasil (Fone: devido ao fato de as empresas distantes das grandes capitais. “A principal desvantagem do 11 4066.8100), também faz sua fornecedoras deste combustível uso da gasolina como combustí- análise sob este foco. Segundo entregarem no local solicitado. vel é o alto custo, que inviabiliza ele, a escolha do combustível Quanto à aplicação, também as Combustível e a operação, já o diesel apresenta geralmente está relacionada ao máquinas a GLP são mais utili- desempenho um preço mais atrativo. Uma boa tipo de aplicação do equipamen- zadas (por ser um combustível opção pode ser o uso do GLP, que to e, também, à disponibilidade mais puro) – elas emitem menos Quando a questão é sobre é um combustível mais limpo e do mesmo no local. poluentes –, no entanto os qual o combustível que oferece econômico que os demais e “Na região Norte, o combus- motores a diesel têm uma melhor desempenho, Roque, da facilita o funcionamento do tível mais utilizado nas empilha- durabilidade mais longa. Alguns Aesa, diz que é o diesel. motor, proporcionando uma deiras é o diesel, devido à exemplos são empresas que já Motores turbodiesel eletrônicos operação mais suave e silencio- logística de distribuição do abasteçam frota a diesel inter- geram alta potência aliada ao sa dentro da categoria de combustível. Os equipamentos namente (ex: caminhões), porém baixo consumo, por isso são motores a combustão”, expõe que utilizam o GLP ainda são os é utilizada em áreas externas”, utilizados em máquinas de Sanches, da Jungheinrich. mais vendidos no Brasil. Geral- ensina Saiki, da TCIM. grande porte, diz ele. “Em nosso entendimento, mente, o diesel é utilizado nos Roberto Ueda, gerente de “O diesel proporciona melhor o GLP é o que oferece melhor equipamentos com grande capa- vendas da Toyota BT (Fone: 11 desempenho, pois o motor tem desempenho, pois temos atesta- cidade de carga e os equipamen- 3511.0405), também pensa de maior torque em baixa rotação, do que evidencia uma perfor- tos movidos a GLP e também a modo semelhante. Segundo ele, além de os custos operacionais mance de 17,5 horas no botijão energia elétrica até 7 tonela- a escolha do combustível da serem bem menores que os dos P20, o que é muitíssimo satisfató- das”, completa o gerente empilhadeira deve levar em equipamentos a GLP”, completa rio, uma vez que a média do comercial da Still. consideração duas importantes Ítalo, da Meggalog. equipamento encontrada no Sérgio K. Saiki, supervisor variáveis: qual o tipo de operação Na análise de Niglio, da mercado é de 10 h por botijão de comercial da TCIM Empilhadei- e qual a facilidade de abasteci- Commat, empilhadeiras com GLP”, acrescenta Saiki, da TCIM. ras e Peças (Fone: 11 4224.6480), mento. Máquinas a diesel, motores a GLP apresentam, Por seu lado, Ueda, da também aponta que tudo tem de segundo Ueda, normalmente são como maior vantagem, a menor Toyota BT, diz que no caso das ser analisado do ponto de vista mais usadas em locais onde o agressão ao meio ambiente empilhadeiras da sua empresa, prático no reabastecimento em abastecimento da gasolina ou devido ao baixo nível de emissão como o motor é industrial, ou cada local. “O mais usado, pela GLP é mais difícil. Isto ocorre de monóxido de carbono, e isso seja, foi desenvolvido especial- ocorre devido à melhor condição mente para o uso em equipa- de queima que o gás tem na mentos industriais, apresentam câmara de combustão. baixa rotação e alto torque e, “Entre os três combustíveis neste caso, tanto o GLP como a mais utilizados, GLP, gasolina e gasolina permitem um excelente óleo diesel para empilhadeiras, desempenho. as diferenças de rendimentos Já para Mazzutti, da Brasil entre os equipamentos de mesma Máquinas, “apesar de o custo- capacidade de carga são muito benefício do GLP ser melhor, pequenas, considerando sempre além de possuir uma octanagem uma mesma área de trabalho das menor que a gasolina e o custo máquinas”, avalia o engenheiro de aquisição ser menor, acredito de manutenção da Commat. que o melhor desempenho ainda Segundo ele, uma vantagem é da gasolina. No caso do diesel, apresentada pelas empilhadei- ele possui uma excelente ras a diesel são os motores, que potência na sua combustão, no têm uma vida útil maior, por entanto, a manutenção de trabalharem com rotações mais motores a diesel é maior e mais baixas, mas esta vantagem está custosa para o cliente final”. sendo reduzida pois, com as Pelo seu lado, Camargo, da peças eletrônicas sendo instala- Dabo – Clark, considera que a das nestes motores para redução avaliação de desempenho de- da emissão de gases poluentes, pende de fatores como qualida- os custos de manutenção estão de do combustível fornecido, se igualando aos dos motores horas trabalhadas, manutenção que usam outros combustíveis, periódica do sistema de fazendo com que esta vantagem alimentação e operadores seja reduzida e igualando-se aos treinados. Um equipamento pode motores a GLP e/ou gasolina. desenvolver boa velocidade de No caso de empilhadeiras movimentação por conta do tipo de 10 toneladas ou de maior de combustível, no entanto a capacidade, quase a totalidade falta de manutenção pode é importada, e seus motores a aumentar o consumo e diesel acabam sendo uma única inviabilizar o desempenho, opção e, com isto, fica impossí- destaca o gerente de suporte ao vel fazer qualquer comparativo, produto.
  10. 10. | edição nº105 | Nov | 2010 | 11Combustíveis álcool na década de 90 caiu em complementa Saiki, da TCIM. desuso, sua produção foi Nesta linha de visãoalternativos descontinuada”, informa também está Ueda, da Toyota. É possível as empilhadeiras Mazzutti, da Brasil Máquinas. De acordo com ele, ainda não foioperarem com biodiesel, etanol Falando pela Dabo – Clark, desenvolvido nenhum projetoou outro combustível? Na opinião Camargo revela que a busca por para ter uma empilhadeirade Roque, da Aesa Empilhadei- combustíveis que poluam menos movida a biodiesel, etanol ouras, sim. De acordo com ele, as e fontes alternativas de energia outro combustível. “A Toyotaempilhadeiras podem operar faz com que as montadoras tem, no mercado mundial, umacom, virtualmente, qualquer forneçam equipamentos que empilhadeira híbrida – gasolinacombustível, desde que sejam rodem com bicombustível, por e elétrica”, completa o gerentefeitas as devidas adaptações. exemplo GLP-gasolina. Algumas de vendas. “Sim, é possível, porém é frotas, por exemplo, já utilizam Camargo, da Dabo-Clark: Outra visão também temnecessário verificar os custos biodiesel em concordância com um equipamento pode Pedrão, da Retrak: como osoperacionais para não se tornar as normas de emissão de desenvolver boa velocidade motores das empilhadeiras sãomais caros que os atuais”, poluentes para determinada por conta do combustível, importados, o uso de combustí-emenda Ítalo, da Meggalog, operação, salienta o gerente de mas a falta de manutenção veis como o etanol é quase nulo,complementado por Troccoli suporte ao produto da Dabo – aumenta o consumo devido a seu baixo emprego foraFilho, da Still, segundo o qual a Clark. do Brasil. Já o uso de combustí-empilhadeira que utiliza motor a De outro lado vem a avalia- veis alternativos é pontual ecombustão interna (gasolina ou ção de Sanches, da Jungheinrich. uso de biodiesel em empilhadei- específico. A Retrak ainda nãodiesel) pode utilizar outros tipos Segundo ele, ainda não estão ras devido ao menor número na recebeu qualquer consulta parade combustível (biodiesel, etanol, disponíveis para o mercado venda destes motores. O etanol essa aplicação, diz o diretorGNV), desde que o fabricante do estes tipos de motores para ainda não se fez uso prático executivo.motor informe as alterações empilhadeiras, no entanto uma nestes equipamentos no Brasil, Por último, Viveiros, da UNnecessárias para tal substitui- alternativa que as empresas agora, o GNV já é uma realidade Forklift, diz que a sua empresação. “No passado já existiram encontram é a adaptação dos em algumas empresas, porém é está em fase de testes para esteempilhadeiras que funcionavam motores GLP para GNV (gás necessário um investimento tipo de motorização e ofereceráa álcool (etanol), entretanto, natural). inicial para a instalação de um ao mercado em um futurocomo tudo que funcionava a “Ainda não temos relatos do pit-stop para reabastecimento”, próximo. ●
  11. 11. 12 | edição nº105 | Nov | 2010 | Evento Prefeitos do ABCD Paulista ressaltam importância da CeMAT South America e 4 a 7 de abril de 2011, no sas interessadas em atividades D Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, SP, acontecerá a primeira edição logísticas, inclusive enquanto usuárias”, comenta Marinho. “Eventos dessa natureza da CeMAT South America, contribuem para o aumento dos evento que promete mexer com negócios e o aperfeiçoamento Foto: Júlio Bastos – Prefeitura de Santo André o cenário logístico não só da dos canais das empresas e de capital do Estado, mas também suas relações com mercados de regiões próximas, como o mais abrangentes”, acrescenta. ABCD Paulista, formado pelos Nesse sentido, o prefeito de municípios de Santo André, São São Bernardo do Campo enfatiza Bernardo do Campo, São que há uma preocupação cons- Caetano do Sul e Diadema. tante em estimular a participa- Idealizada há cerca de 10 ção das empresas do município anos como um dos setores da em todas as oportunidades de Feira industrial de Hannover, na negócios e os processos de Alemanha, onde é realizada aperfeiçoamento. “É fundamental tradicionalmente, a CeMAT O parque industrial paulista teve início na Avenida que elas se exponham, ampliem cresceu e expandiu suas frontei- do Estado, que liga a capital ao ABCD seus relacionamentos técnicos e ras, já tendo sido realizada em comerciais. Esta é mais uma países como China, Rússia, oportunidade nesse sentido”, Turquia e Índia. Hoje, é conside- Ao decidir trazer o evento compõem uma parcela conside- explica, ressaltando a importância rada referência internacional para a América do Sul, a rável do custo de um produto, da presença dos empresários da para os segmentos de movimen- Deutsche Messe, organizadora ainda mais quando se leva em cidade na CeMAT. tação de materiais, logística e da CeMAT, constatou que o conta o estreitamento das Da mesma forma, o prefeito intralogística. Brasil é um país no qual os margens de lucro das empresas de São Caetano do Sul, José setores de movimentação e neste cenário atual de economia Auricchio Júnior, entende que a logística apresentam ótimas globalizada. Neste contexto, ele realização da feira organizada taxas de crescimento. Como a explica que a evolução logística pela Hannover Fairs Sulamerica feira também cresce ano a ano, das empresas, com a absorção é de fundamental importância os alemães entenderam que de novas ferramentas e tecno- para a região do ABCD, tendo realizar a versão sul-americana logias, representa a evolução do em vista que se trata de uma do evento por aqui será a próprio município, o qual grande oportunidade para trocar Foto: Mauro Pedroso - Prefeitura de Diadema combinação perfeita. depende das corporações na experiências, atualizar conheci- Do ponto de vista do prefeito composição da arrecadação. mentos e, também, pela de Diadema, Mário Reali, o Por sua vez, Luiz Marinho, abertura de oportunidades e acontecimento será muito prefeito de São Bernardo do inovações que ocorrerão com importante no sentido de trazer Campo, diz que é muito importan- esse evento. tecnologia e proporcionar a te que o setor produtivo, os Ele acredita que com inova- troca de informações entre os profissionais e os cursos de ções, possibilidades de novos envolvidos na cadeia logística. logística existentes na cidade se negócios, novas tecnologias e “A Europa tem muita expertise, atualizem constantemente e experiências, a CeMAT poderá uma estrutura logística exemplar destaca que a CeMAT South contribuir para o desenvolvimen- com total integração de modais, America é uma grande oportuni- to logístico de São Caetano e Reali, de Diadema: ao passo que por aqui há muitos dade para que isso ocorra. das empresas presentes na a CeMAT vai trazer desafios logísticos a serem “Sem dúvida, todos os cidade. “Temos boas expectati- tecnologia e proporcionar superados”, compara. eventos na área de logística, em vas”, resume Auricchio Júnior. a troca de informações Aidan Ravin, prefeito de nossa cidade ou nas proximida- Perguntado sobre a possibili- entre os envolvidos na Santo André, destaca que itens des, são importantes para os dade de o evento se tornar o cadeia logística como armazenagem e transporte operadores do setor e as empre- principal canal de desenvolvi-
  12. 12. | edição nº105 | Nov | 2010 | 13mento tecnológico e de alavan- André está inserida. Estamos ao de Congonhas, a 23 km docagem de negócios do setor de lado do Porto de Santos, o maior Aeroporto de Cumbica, emlogística no país e em toda a terminal de cargas da América Guarulhos, SP, e a 100 km doAmérica do Sul, o prefeito de Latina, e ganhamos um ramal Aeroporto de Viracopos, emSão Caetano do Sul considera importantíssimo de escoamento Campinas, SP. Além disso, estáque é possível e explica como: ao Interior de São Paulo com a situada a menos de 7 km da Via Foto: Wilson Magão - Prefeitura de São Bernardo“a CeMAT poderá ocupar lugar de chegada do Rodoanel”, observa Anchieta, somente a 14 km dadestaque à medida que agregar Ravin, de Santo André. Imigrantes e a 38 km daalto desempenho e qualidade Anhanguera.nas propostas, nos investimen- “Esta localização torna atos e na condução do evento”. ABCD tem cidade extremamente atrativa A Hannover Fairs Sulamerica para a indústria e para oentende que por ter sido bem- localização que comércio”, comemora o prefeitosucedido ao evitar grande parte privilegia a Auricchio Júnior, ressaltandodo impacto da crise financeira logística que a região do ABCD conta commundial em 2008, apresentar o apoio da Agência de Desenvol-boas perspectivas econômicas e Considerando os objetivos vimento Econômico, que atuater vários investimentos progra- da realização de uma feira deste em parceria com representantesmados na área de infraestrutura, porte no país, não há como não das associações comerciais, Marinho, de São Bernardo:o Brasil é sem dúvida um merca- pensar na região do ABCD sindicatos e diversas entidades eventos dessa naturezado atrativo e que certamente Paulista, um dos principais polos justamente para dar respaldo contribuem para o aumentodemandará soluções e troca de industriais brasileiros. E como técnico aos investidores que dos negóciostecnologias de movimentação de onde há indústrias, há demanda estão e aos que querem semateriais e logística avançada. por serviços logísticos, é funda- firmar na região.E este é o propósito da CeMAT mental que haja infraestrutura. Já Marinho lembra que São do Rodoanel ampliou essa vanta-South America 2011. Neste contexto, é essencial a Bernardo do Campo, conhecida gem logística. “Já existem “A feira é muito bem-vinda localização privilegiada. como Cidade do Automóvel, está empresas de logística e transpor-na medida em que se trata de São Caetano do Sul, por às margens das duas rodovias te na cidade, mas temos notadosetor importante para nossa exemplo, fica a 12 km do centro que ligam a capital ao Porto de o aumento do interesse de outrascidade e para a região do de São Paulo, a 77 km do Porto Santos (Anchieta e Imigrantes) e empresas do ramo em se instalarGrande ABC, na qual Santo de Santos, a 9 km do Aeroporto diz que a abertura do Trecho Sul em nosso território”, revela.
  13. 13. 14 | edição nº105 | Nov | 2010 | Visando ao desenvolvimento 25ª do País em relação ao PIB – Santo André já possui porto logístico da cidade, ele salienta Produto Interno Bruto, como seco e entreposto aduaneiro, que várias obras viárias estão reflexo de um parque industrial proporcionando maior proteção em andamento em São Bernardo maduro e diversificado no qual das mercadorias e agilidade nos do Campo, tais como o rebaixa- se destacam os setores procedimentos alfandegários”, mento da Avenida Lions, a qual metalmecânico, petroquímico e comenta, acrescentando que a recebeu um viaduto sobre a de plástico e borracha. cidade conta com mais de 800 Avenida Lauro Gomes, com o Ravin aponta, ainda, que a estabelecimentos prestadores de objetivo de melhorar o tráfego chegada do Trecho Sul do serviços no ramo de transporte, entre o bairro de São Mateus Rodoanel potencializa a atrativi- de armazenagem e de logística. (em São Paulo), Santo André, dade de Santo André e abre uma Reali, prefeito de Diadema, São Bernardo e Diadema, inter- avenida de novas oportunidades entende que a proximidade com Foto: Mauricio Taboni ligando-se com a Via Anchieta. para empresas interessadas em a cidade de São Paulo é um fator Santo André também é acessar diversos mercados com importante para o desenvolvi- privilegiada do ponto de vista agilidade e economia. “Nosso mento logístico do ABCD e logístico. “A cidade está situada território conta com áreas livres lembra que o parque industrial na Região Metropolitana de para receber novas empresas. paulista teve início na Avenida São Paulo, o maior mercado de Ravin, de Santo André: Em plena área urbana, por do Estado, que liga a capital à consumo do Brasil, tem acesso a evolução logística das exemplo, temos vasta área livre região, favorecida também pela rápido ao Porto de Santos pelo empresas representa a no entorno da Avenida do localização próxima ao Porto de Complexo Anchieta/Imigrantes evolução do próprio Estado”, revela. Santos e ao Rodoanel, obra e, com a inauguração do Trecho município De acordo com ele, a cidade responsável pelo crescimento da Sul do Rodoanel, passou a está de portas abertas para demanda interna de distribuição oferecer também acesso atender aos empreendedores de carga no ABCD, ocasionando facilitado rumo ao interior de O prefeito de Santo André interessados em utilizar estas aumento da procura pelas áreas São Paulo”, destaca Ravin, indo afirma que a condição logística áreas como plataforma de próximas da via, por parte das ao encontro dos pontos é um dos fatores que colocam a armazenagem e distribuição de empresas. destacados pelos representan- cidade na condição de 10ª econo- produtos acabados e insumos de Diadema, segundo o prefeito, tes das cidades vizinhas. mia do Estado de São Paulo e produção. “Vale ressaltar que é sede de quase 300 empresas
  14. 14. | edição nº105 | Nov | 2010 | 15de transporte e logística. Além cidades totalizam uma área de No século XIX foi construída adisso, conta com cerca de 1.800 825 km² e contam com mais de ferrovia São Paulo Railwayindústrias de vários setores, 2,5 milhões de habitantes, Company, que mais tarde passoucomo petroquímico, cosméticos segundo estimativas do IBGE – a se chamar Santos-Jundiaí, ee plásticos, entre outros, os Instituto Brasileiro de Geografia inicialmente tinha o propósito dequais demandam serviços de e Estatística, datadas do ano de facilitar o escoamento da Foto: Divulgação – Prefeitura de São Caetanologística e transporte de 2007. produção agrícola de São Pauloqualidade. Contudo, a expressão ABCD para o Porto de Santos. “A logística é estratégica e é mais comumente utilizada por A presença da ferroviaa cidade de Diadema está em um fazer referência às quatro atraiu empresas e contribuiuponto favorável, mas precisamos cidades que formam um dos para o desenvolvimentoinvestir em infraestrutura”, principais polos industriais do industrial da região. A partir daanalisa. “Estamos buscando Brasil – senão o maior –, o qual década de 1950, com a chegadadiscutir investimentos na área tem forte atuação nos segmen- da indústria automobilística, ode mobilidade e estamos indo tos automotivo, petroquímico- ABCD passou a se destacaratrás de recursos para receber plástico, metalúrgico, etc., além definitivamente como um dosesta vocação logística da de ser dono de uma crescente principais polos industriais docidade”, revela. demanda por serviços logísticos. Auricchio Júnior, de Brasil e da América Latina. Reali, prefeito de Diadema, São Caetano: estamos Com o passar dos anos e o conta que a história do desen- muito bem localizados crescimento da indústria de volvimento industrial da cidade do ponto de vista automóvel, a região passou aImportância e da região vem desde os anos logístico sediar, também, indústriashistórica de 1960. “O desenvolvimento de complementares, como a de técnicas como kanban, just in autopeças e de embalagens. Há quem chame a região de time e da logística em geral que hoje abriga empresas como Hoje, pode-se dizer que asABCDMR, acrescentando à sigla trouxe muitos benefícios ao Volkswagen, Ford, Toyota, Scania produções de plásticos eas iniciais dos municípios de ABCD”, explica, fazendo menção e Mercedes-Benz. metalurgia ocupam posição deMauá, Ribeirão Pires e Rio à presença maciça de monta- A vocação logística do ABCD, destaque no cenário industrialGrande da Serra. Juntas, as sete doras de automóveis na região, no entanto, vem de muito antes. do ABCD. ●

×