AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA
                                                                                 ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Plano De AvaliaçãO DomíNio C

1,897 views
1,840 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,897
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
94
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Plano De AvaliaçãO DomíNio C

  1. 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira PLANO DE AVALIAÇÃO - Domínio/Subdomínio a avaliar: C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade C.1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular INDICADORES C.1.2 Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural na escola/agrupamento Pontos Fortes - A BE trabalha em parceria com a Biblioteca Municipal de Caldas da Rainha em actividades de dinamização da leitura - A BE mantém uma parceria com a Livraria Martins Fontes (Caldas da Rainha), na vinda de escritores à escola, nas feiras do livro e “montra de novidades” usufruindo de uma percentagem de 10% sobre todas as vendas Colaboração das Juntas de Freguesia de Santa Catarina, Carvalhal Benfeito e Alvorninha - A BE participa/colabora activamente nas actividades culturais da escola/agrupamento - O programa de actividades da BE é integrado no Plano Anual da escola/agrupamento - A BE trabalha em estreita colaboração com a Coordenadora do PNL na aquisição de livros, divulgação e implementação de projectos e nas actividades de animação da leitura ao longo do ano lectivo, com especial ênfase para a Semana da Leitura Pontos Fracos - A promoção da BE e a divulgação da sua programação cultural é feita apenas na escola e através da página da BE na plataforma Moodle - Os pais/encarregados de educação só se envolvem nas actividades/projectos da escola em situações pontuais como é exemplo a Semana da Leitura e em número reduzido - Na sua maioria, os docentes e os alunos não aderem por iniciativa própria às propostas de actividades da BE Factores críticos de sucesso  Os alunos encontram na BE um conjunto de propostas de actividades visando a utilização criativa dos seus tempos livres, que lhes permitem desenvolver a sensibilidade estética e o gosto e interesse pela artes, ciências e humanidades  Os alunos usufruem de um programa de animação cultural, regular e consistente, traduzido num conjunto de iniciativas, de que são exemplo: exposições, espectáculos de música e de teatro, palestras/colóquios, debates, sessões de poesia/contos, teatro, concursos, jogos, celebração de efemérides, outros Evidências a recolher/ Instrumentos a - Plano Anual de Actividades da BE - Grelha de avaliação do Plano Anual de Actividades da escola/agrupamento das actividades dinamizadas na BE por período utilizar - Aplicação do questionário aos alunos QA3 - Registos de reuniões/encontros com a equipa sobre a preparação, o desenvolvimento e a avaliação das actividades realizadas - Actas do Conselho Pedagógico - Registo fotográfico/vídeo de todas as actividades dinamizadas pela BE (exposições, comemoração de efemérides, encontros com escritores/ilustradores, sessões de leitura, concursos, jogos, participação/colaboração em actividades de carácter cultural da escola/agrupamento entre outros) - Página da BE na plataforma Moodle (avaliação estatística de utilização pelos alunos) - Utilizar diversos meios de comunicação e divulgação do programa de animação cultural da BE à comunidade local (através do Director de turma para os pais/encarregados de educação, cartazes, imprensa local, página Web da escola/agrupamento, página da BE na plataforma Moodle, outros)
  2. 2. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira PLANO DE AVALIAÇÃO - Domínio/Subdomínio a avaliar: C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade C.1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular INDICADORES C.1.2 Dinamização de actividades livres, de carácter lúdico e cultural na escola/agrupamento Limitações Colaboração dos docentes, pais/encarregados de educação e alunos Levantamento de necessidades - Verbas para cobrir despesas relacionadas com a dinamização de actividades Intervenientes/amostras a utilizar - Equipa da BE/colaboradores internos e externos - Director - Docentes - Pessoal não docente - Coordenadora do PNL - Pais/Encarregados de educação - Alunos (o inquérito será aplicado a 10% do número de alunos em cada nível de escolaridade, de modo a obter uma amostra representativa) Acções para melhoria a empreender - Melhorar os mecanismos de promoção de marketing da BE, divulgando junto da comunidade local - Promover acções de voluntariado para pais/encarregados de educação e alunos (convites para os pais/encarregados de educação virem à BE ler ou contar uma história; criar uma comunidade de Leitores)
  3. 3. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira PLANO DE AVALIAÇÃO - Domínio/Subdomínio a avaliar: C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade C.1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular INDICADORES C.1.3 Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição dos recursos Pontos Fortes - A BE dispõe de um horário alargado, assegurando a abertura à hora do almoço e cobrindo todos os tempos de permanência dos alunos na escola - O horário da BE é assegurado pela assistente operacional, professora bibliotecária, elementos da equipa e colaboradores - A BE usufrui neste ano lectivo, de uma equipa/colaboradores constituída por docentes de vários níveis de ensino: Equipa - uma Educadora, uma professora do 1.º ciclo, duas professoras de Língua Portuguesa do 3.º ciclo sendo uma delas coordenadora do PNL, uma professora de História do 3.º ciclo; Colaboradores – um professor de Língua estrangeira do 3.º ciclo, uma professora de EMRC com competências na área TIC, uma professora de Ciências da Natureza do 2.º ciclo - Os alunos adquirem hábitos de utilização da BE decorrente da formação de utilizadores (1.º ano e 5.º ano) - Todos os alunos, individualmente ou em pequenos grupos, usufruem livremente do espaço da BE, num clima de respeito e descontracção - A BE dispõe de condições adequadas para trabalho em grupo e individual, de uma zona infantil e de uma zona de leitura informal - A BE dispõe de uma boa colecção na área da literatura infantil/juvenil - O catálogo da BE está totalmente informatizado e inclui recurso online (acessível a pesquisa online através do sítio da RBE), disponível na página da BE na plataforma Moodle - A BE disponibiliza 10 computadores do PTE para utilização dos alunos - A BE disponibiliza livremente a sua página na plataforma Moodle - Os alunos utilizam os computadores da BE para acederem à plataforma Moodle da escola usufruindo do seu carácter didáctico e lúdico, para realizarem trabalhos individuais ou em grupo e para pesquisarem - A BE incentiva a aquisição de hábitos de leitura livre e o empréstimo domiciliário aos alunos - A BE promove a itinerância de fundo documental entre as bibliotecas escolares do Agrupamento através do projecto “CIRCULENDO” - A BE dispõe de um Centro de Recursos para os alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo no Centro Educativo Pontos Fracos - A BE dispõe de uma fraca colecção ao nível dos jogos educativos, música e filmes de ficção - Falta de recursos humanos que assegurem o completo funcionamento do Centro de Recursos no Centro Educativo - A BE não dispõe de equipamento áudio para os alunos - A Rede do PTE ainda não se encontra activa, funcionando ainda a rede antiga com algumas limitações (falhas no acesso à Internet)
  4. 4. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira PLANO DE AVALIAÇÃO - Domínio/Subdomínio a avaliar: C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade C.1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular INDICADORES C.1.3 Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição dos recursos Factores críticos de sucesso  Os alunos beneficiam de acesso livre e permanente à BE  Os alunos adquirem hábitos de utilização livre da BE, cultivando um clima de liberdade, respeito e descontracção  Os alunos dispõem de condições favoráveis à utilização individual e em pequenos grupos  Os alunos desfrutam de uma boa colecção na área da literatura infantil/juvenil, dos jogos educativos, da música e dos filmes de ficção Evidências a recolher/Instrumentos a - Horário da BE (divulgação junto da comunidade escolar e nos espaços próprios - Registos de entrada autónoma e voluntária dos alunos na BE e análise estatística dos mesmos por período e divulgação à utilizar comunidade - Registos de utilização autónoma e voluntária dos computadores, pelos alunos e análise estatística dos mesmos por período e divulgação à comunidade - Requisição domiciliária e levantamento estatístico mensal por aluno, turma, ano de escolaridade, livro mais lido, (aluno+, turma+, Livro+) - Aplicação da grelha de observação de utilização da biblioteca em contexto livre (O5) - Utilização e rentabilização do Centro de Recursos no Centro Educativo à hora do almoço dinamizando actividades diversificadas (leitura informal, utilizar jogos educativos, visionamento de filmes, ouvir e contar histórias) Limitações - Falta de verbas para equilíbrio da colecção - Falta de recursos humanos que assegurem o Centro de Recursos no Centro Educativo à hora do almoço Levantamento de necessidades - Recursos humanos necessários para assegurar o funcionamento do Centro de Recursos no Centro Educativo - Reforço de verbas para aquisição de equipamento áudio, jogos educativos, CDs áudio, filmes de ficção… Intervenientes/amostras a utilizar Alunos – Aplicação da grelha de observação (O5), mensalmente, por aluno e em grupo de alunos de forma diferenciada, no 2.º e 3.º período, de modo a obter um quadro mais representativo Acções para melhoria a empreender - Valorizar os espaços/tempos de leitura informal tornando-o mais apelativo e cativando os alunos através de uma política de marketing - Promover acções para angariação de verbas que permitam um maior equilíbrio da colecção das áreas em deficit (equipamento áudio, jogos educativos, CD’s de música e filmes de ficção)
  5. 5. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira CALENDARIZAÇÃO/Fases do Processo Novembro de 2009 Seleccionar o domínio a avaliar juntamente com o órgão de gestão Dezembro de 2009 Proceder à selecção e adaptação dos instrumentos à biblioteca e às necessidades da escola, a utilizar na recolha de evidências, definição da amostra Janeiro de 2010 Dar a conhecer ao Conselho Pedagógico (P.Point construído) o modelo de auto-avaliação e domínio a ser avaliado no presente ano lectivo Fevereiro /Março de 2010 Primeira fase Recolha de evidências Aplicação do questionário aos alunos (QA3) Aplicação da grelha de observação (O5) Abril de 2010 Tratamento e análise dos dados obtidos no segundo período Abril/Maio de 2010 Segunda fase Recolha de evidências Aplicação do questionário aos alunos (QA3) Aplicação da grelha de observação (O5) Junho de 2010 Tratamento e análise dos dados recolhidos Reflexão sobre os resultados obtidos na 1.ª e 2ª fase, conclusões Registo no quadro ‐ síntese Decisão sobre o nível de desempenho da BE Julho de 2010 Elaboração do relatório de auto ‐ avaliação Comunicação dos resultados à Direcção da escola/agrupamento, Conselho Pedagógico, Conselho Geral, estendendo-se a toda a comunidade Definição de acções de melhoria a implementar no ano seguinte Divulgação dos resultados à comunidade educativa
  6. 6. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira Relatório Final de auto-avaliação De acordo com o previsto no modelo de auto-avaliação, o relatório final de avaliação dará uma visão global do funcionamento da BE e será discutido e aprovado em Conselho Pedagógico, tal como o Plano de melhoria que vier a ser delineado que se assumir-se-á como instrumento de sistematização e de difusão de resultados, a ser apresentado junto dos órgãos de gestão e de decisão pedagógica. A avaliação da BE deverá ainda estabelecer ligações com a avaliação da escola. Do relatório de avaliação da BE deverá transitar uma síntese que venha a integrar o relatório da escola permitindo à avaliação externa da escola pela Inspecção, avaliar o impacto da BE na escola, mencionando-a no relatório final de avaliação da escola. A comunicação dos resultados da avaliação deverá fazer uso dos diferentes canais de comunicação da BE com o exterior Impacto esperado Espera-se que a avaliação da BE conduza à reflexão e à mudança de práticas, que envolva efectivamente toda a escola e proporcione um melhor conhecimento da BE, que as acções de melhoria a implementar constituam um compromisso da escola e que a cooperação e articulação curricular se assuma, e tenha reflexos nos resultados escolares dos alunos. Conclusão A avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que deverá conduzir à reflexão e originar mudanças concretas na prática. A auto-avaliação deverá contribuir para a elaboração do novo plano de desenvolvimento, ao possibilitar a identificação mais clara dos pontos fracos e fortes, o que orientará o estabelecimento de objectivos e prioridades, de acordo com uma perspectiva realista face à BE e ao contexto em que esta se insere. Esse plano deve instituir-se como um compromisso da escola, na sua globalidade, já que um melhor desempenho da biblioteca irá beneficiar o trabalho de todos, docentes e alunos.
  7. 7. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CATARINA Eudora Maria Pereira Bibliografia Modelo de Auto – Avaliação das Bibliotecas Escolares, RBE, 2009 Guia da sessão: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte I)

×