Your SlideShare is downloading. ×
Purpura
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Purpura

6,622
views

Published on

Published in: Technology, Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,622
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sinônimos e nomes populares: Equimoses, manchas roxas, hemorrias de pele, hematomas, os.
  • 2.  O que é?  É a presença de sangue fora dos vasos sangüíneos na pele ou nas mucosas. Como a camada cutânea é levemente transparente, este sangue é então visto como uma mancha roxa. Seu tamanho é variável, conforme o volume de sangue extravasado. Se a quantidade de sangue é muito pequena, mas as pequeninas manchas são em grande número costuma-se chamá-las de petéquias, guardando o nome de púrpura para as manchas maiores.
  • 3.  Essa doença ocorre quando o baço e o tecido linfático produzem anticorpos contra as plaquetas
  • 4.  Por que o baço?  O baço é um dos órgãos do corpo que trabalha como o filtro de um carburador-eliminando desperdícios e corpos estranhos. Normalmente, as plaquetas passam pelo baço mas com a Purpura o baço filtra, por engano, as plaquetas cobertas por anticorpos.Também se acha que é nesse órgão onde se produz parte do anticorpo antiplaquetário.
  • 5. Como se adquire?  A púrpura é provocada pela ruptura de pequeníssimos vasos do sistema circulatório, chamados de capilares por analogia a fios de cabelo, por onde flui o sangue. Essa ruptura é geralmente ocasionada por traumatismo na pele ou nas mucosas. Em mulheres e crianças é freqüente o aparecimento de púrpura nas pernas e coxas com traumatismo mínimo ou mesmo sem traumatismo, de um tamanho de até cinco centímetros de diâmetro, em pessoas normais. Pode também ocorrer quando o traumatismo é ocasionado por uma injeção intramuscular ou na coleta e
  • 6.  O que se sente?  Na maioria das vezes, essas manchas são indolores quando pequenas. Quando maiores, indicando que a quantidade de sangue extravasado dos capilares ou pequenas veias é maior, podem ser dolorosas.
  • 7.  Quando é possível identificar a causa da manifestação, o tratamento é feito com a eliminação do fator (por exemplo, do contato com a substância que o induziu).  Os hematomas podem ser controlados inicialmente com compressas frias após o trauma. Após formados, podem ser reduzidos com compressas quentes e pomadas anticoagulantes. No entanto, estes tratamentos só irão surtir efeito após a normalização dos níveis plaquetários.
  • 8.  O tratamento inicial é feito à base de corticóides (corticosteróides, antiinflamatórios hormonais), para controle da reação auto-imune. Quando não surte o efeito desejado, uma das alternativas é a realização (remoção cirúrgica do baço).  Devido à presença de anticorpos antiplaquetários, transfusões sanguíneas não são o tratamento adequado para essa doença, já que os níveis plaquetários voltam a decrescer um certo tempo após a realização da transfusão.
  • 9.  Como se previne?  Quando há uma causa identificada, um maior cuidado com traumatismos no dia a dia auxilia a atenuar esta manifestação.  Nos casos em que uma causa não pode ser identificada é importante que o paciente esteja consciente de que, apesar dos transtornos estéticos que a púrpura pode acarretar, essa não é uma manifestação de doença grave.
  • 10.  O que significa quando a Púrpura é crônica?  Púrpura é considerada por muita gente como uma condição crônica se dura mais de seis meses,outros dizem que depois de doze. Nas crianças, a Púrpura pode desaparecer por conta própria depois desse prazo. Não tem diferença na doença em si se for crônica. A diferença está no manejo da doença. A meta do tratamento é de proporcionar a seu filho uma vida tão normal e livre quanto possível.
  • 11. Agradecimentos www.guida.com.br

×