Your SlideShare is downloading. ×
0
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
7 apres v oficina jorge
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

7 apres v oficina jorge

887

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
887
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. IMPLANTAÇÃO DA EBBS EM FLORIANÓPOLIS Síntese de avanços, limitações e desafios
  2. Principais marcas da EBBSTransversalidade das ações x verticalidadeCartografia de iniciativas locais e consideração dos contextosIntervenções promotoras de ambientes facilitadores do desenvolvimentoSustentação institucional para a intersetorialidade Função apoiador
  3. Cenário de implantação 2010 Alta cobertura de APS; NASF e PSE Monitoramento dos nascimentos e vinculação entre maternidade e APS Baixa mortalidade infantil e materna Grupos na APS e projetos nas creches Monitoramento dos nascimentos e vinculação entre maternidade e APS Articulação intersetorial prévia Apoiador – interessado, médico, gerente
  4. Escolhas estratégicas Fortalecer iniciativas locais: da cartografia ao observatório de práticas Trabalhar o GEL como Comitê Intersetorial - Alinhamento de ideias para foco definido - Integração de profissionais da gestão e assistência - Estímulo à comunicação informal e blog municipal - Articulação macro e micropolítica Integrar funções de apoiador e gerente Integrar agenda da EBBS na agenda do município
  5. Sobre a cartografia Um facilitador da construção da cartografia e da “penetração” da EBBS no município foi a posição do apoiador, pelo acesso às informações e aos técnicos. Grande parte da cartografia foi montada de memória. Por outro lado, esta facilidade pode ter limitado o envolvimento de profissionais na cartografia, dispositivo importante de mobilização, alinhamento conceitual e demonstração de viabilidade da Estratégia
  6. PRODUTO - CARTOGRAFIA Ações propostas para a EBBS Ações em curso no municípioAções sobre o universo psicossocial Grupos de gestantes e novos paisda mãe adolescente Oficinas com adolescentesApoio matricial e institucional para as Apoio matricial e os NASFequipes de referência Apoio institucional na SM e APSIntegração dos equipamentos sociais PSE, Floripa Saudável 2040,do território discussão de casos com CRASCapacitação e qualificação de Grupos de educadoras em creche comcuidadores infantis NASF
  7. Sobre a transversalidade A potencialização de ações poderia ser feita por incorporação de temas e enfoques relacionados ao desenvolvimento infantil, ampliação das parcerias ou apoio à disseminação das práticas. A intenção era evitar que a EBBS fosse identificada como mais uma ação programática ou tarefa paralela sem integração com tudo que já era feito para promoção do desenvolvimento infantil. Muitas vezes introduzi o tema de maneira sutil e busquei adesão das equipes.
  8. PRODUTO - PLANO DE AÇÃO1. Levantamento e disseminação de boa práticas de cuidado na rede de atenção2. Compartilhamento de informações sobre as crianças entre secretarias;3. Integração dos territórios da saúde, educação e assistência;
  9. PRODUTO - DISSEMINAÇÃOhttp://brasileirinhospmf.blogspot.com/
  10. PRODUTO - INTRA E INTERSETORIALIDADE Ênfase na agenda da criança e integração de setores na saúde Criação e sustentação de comitê intersetorial com saúde, assistência social e educação Territorialização dos CRAS (mapas) e PBF Revisão de critérios para creches (NIS) Interfaces do infosaúde para outros setores DESAFIOS: Como trazer esportes/cultura, judiciário, conselhos (ampliar a roda do comitê) Como aumentar autonomia dos parceiros (empoderar o grupo) Como produzir ações de interesse mútuo (criar objetos de investimento comum)
  11. Mapeando as relações: por uma intersetorialidade estrutural • Trabalho em rede – Envolve troca de informações para benefício mútuo. Requer pouco tempo e confiança entre os parceiros. • Coordenação – Envolve também alteração de atividades por um propósito comum. • Cooperação – Envolve também divisão de recursos. Requer bastante tempo, alto grau de confiança e compartilhamento de “capital” entre os parceiros. • Colaboração -. Envolve também fortalecimento da capacidade dos parceiros para benefício mútuo e por propósito comum. Requer a doação de parte de seu “capital” pela criação de um sistema de serviços melhor.
  12. PRODUTO - SAÚDE DA CRIANÇA E APS Saúde da criança / adolescente Monitoramento do AME Comitê de mortalidade materna Ampliação do PSE e do trabalho em creches Atenção primária Ampliação de acesso na APS Pediatras em função de apoio ... Rumo a uma agenda comum Integração da alta da UTI com APS Discussão dos óbitos nos centros de saúde Acompanhamento CRAS-ESF/NASF do PBF
  13. Sobre a agenda do apoiadorEm alguns momentos, a EBBS funcionou como modificador deagenda da gerência de atenção primária: priorizandoenvolvimento direto com ações sinérgicas aos objetivos daEstratégia, dedicando energia a espaços que pudessemfacilitar sua implantação, valorizando ações das equipes desaúde com potencial de contribuir para o desenvolvimento daEBBS enquanto política efetiva. É preciso destacar que estapriorização se faz em meio a um campo de disputas demúltiplas tarefas e demandas burocráticas, gerenciais,políticas, de atores externos, áreas programáticas, categoriasprofissionais.
  14. Sobre a função apoiador O apoiador, diferente de um consultor, supervisor ou do gerente, deve se implicar nas soluções que ajuda a construir, propagar as mudanças que propõe, criar condições para ampliação das potencialidades que identifica. Seu objeto são as práticas e os processos de trabalho dos coletivos que apóia. O apoiador dispara um processo junto a um coletivo, aciona movimentos de mudança das práticas de saúde e acompanha este processo de mudança. Sua função de referência, presença e constância de objetivo garantem alguma regularidade ao processo de mudança.
  15. TRADUZINDO POLÍTICASQue ações eu teria feito apenas como gerente?Que constrangimentos meu lugar trouxe ao desenvolvimento da EBBS?Por que o Comitê se manteve pequeno?Que valor estes constrangimentos têm como modificadores da intervenção?(Eficácia x Efetividade)Como acontecem as traduções entre as demandas e os cenários de programas, setores, município?

×