UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
COLÉGIO TÉCNICO
SETOR DE BIOLOGIA
DESNUTRIÇÃO
Anna Letícia
Cristina Santos
Esther Fro...
CONCEITO
O termo desnutrição (ou subnutrição) refere-se a
um estado patológico causado pela falta de
ingestão ou absorção de nutrie...
DIAGNÓSTICO
DE ACORDO COM O CÁLCULO DO IMC.
https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-
ash4/p480x480/298960_454006531333739_15...
indicadores Pontos de corte classificação
Peso/idade <Percentil 0,1
>=P1 e < P3
>= P3 e < P10
>= P10 e < P97
>= P 97
Peso ...
PERCENTIS DA TAXA DE IMC DE MENINOS DE 0 A
5 ANOS
PERCENTIS DO PESO PARA MENINAS DE 0
A 10 ANOS.
EXAMES
Os exames dependem do distúrbio específico. A
maioria dos exames de diagnóstico inclui
avaliação nutricional e exam...
SINTOMAS
Em alguns casos, a desnutrição é muito leve e não apresenta
sintomas. No entanto, outras vezes, pode ser tão grave que
os ...
Em casos crônicos, destacamos os seguintes sintomas:
 Hipotermia
 Hipoglicemia
 Anemia grave
 Taquicardia
 Tendências...
Casos moderados
Casos
severos
Desnutrição
aguda
moderada
Desnutrição
aguda severa
TIPOS DE
DESNUTRIÇÃO
KWASHIAKOR -
Tipo de desnutrição causada pela carência de
proteína.
Privado de nutrientes o corpo consome seus
próprios re...
CARACTERÍSTICAS DO KWASHIOKOR
 Mantém-se certa quantidade de gordura;
 Aparecimento de lesões de pele;
 Atraso no cresc...
MARASMO -
 Tipo de desnutrição causada pela falta de calorias.
Sem receber os nutrientes necessários para
manter as funçõ...
CARACTERÍSTICAS DO MARASMO
 Emagrecimento imediato;
 Perda intensa de tecido subcutâneo;
 Pele pregueada: sinal da calç...
CAUSAS
A causa mais frequente da desnutrição é uma má
alimentação.
Porém há outras causas possíveis todo e qualquer
outro problem...
Nas situações de fome, a desnutrição pode afligir
dezenas de milhares de pessoas. Isso
acontece, por exemplo, com pessoas ...
O corpo necessita de mais nutrientes em certas fases da
vida:
 Infância
 Adolescência
 Gravidez
 amamentação
 Idosos ...
FISIOPATOLOGIAS E CASOS
CLÍNICOS
Em um indivíduo primeiramente com estado
nutricional normal, ao ter sua alimentação altamente
limitada, sofre primeirament...
Com o esgotamento da glicose, a próxima fonte
de energia a ser utilizada é o glicogênio
armazenado nos músculos e no fígad...
Em seguida, a gordura (triacilglicerol) é liberada das
reservas adiposas, é quebrada em acido-graxo mais
glicerol. O glice...
A pele fica mais grossa, sem o tecido adiposo
subcutâneo. Nessa etapa, as proteínas dos
músculos e do fígado passam a ser ...
CONSEQUÊNCIAS
 Coração: o coração perde massa muscular, assim como os
outros músculos do corpo. Em estágio mais avançado
há insuficiênc...
 Sangue: É possível ocorrer um quadro de anemia
ferropriva relacionada à desnutrição.
 Trato gastro-intestinal: há menor...
 Quando não há o que comer o corpo entra num ciclo
vicioso: a falta de alimentação gera falta de energia e
fadiga. Ao per...
HTTP://WWW.SCIELO.BR/IMG/REVISTAS/EA/V20N58/14Q1.GIF
TRATAMENTO
Em geral, esta doença pode ser corrigida com a
reposição dos nutrientes de que carece a pessoa e, se
resultar de algum pro...
Quando há casos de desnutrição não grave o
paciente deve ser tratado em casa (principalmente
no caso de crianças), visto q...
Emagrecimento
acentuado visível
OU
Edema em
ambos os pés
DESNUTRIÇÃO
GRAVE
Dar Vitamina A;
Tratar a criança
para evitar ...
Peso Muito
Baixo para a
Idade
PESO MUITO
BAIXO
Avaliar a
criança ensinar a
tratar o PMB em
casa;
Se menor de 6
meses: av...
Peso baixo
OU
Ganho de peso
insuficiente
PESO BAIXO
OU GANHO DE
PESO
INSUFICIENTE
Avaliar a
criança e
aconselhar a
mãe;
...
Peso não é baixo
PESO NÃO É
BAIXO
 Aconselhar a
mãe
 Alimentação adequada;
 Uso do óleo sobre o prato feito;
 Aumento da quantidade de refeições diárias;
 Dieta para trat...
INCIDÊNCIA
Normalmente a desnutrição atinge pessoas de
baixa renda e, sobretudo, crianças dos países mais
pobres. Os países em desenv...
(HTTP://WWW.DESNUTRICAO.ORG.BR/GRAFICOS/GR_9.GIF)
O aumento de renda das famílias brasileiras e o
declínio substancial da pobreza observados entre
1970 e 1980 certamente de...
NOS ADULTOS
NORTE
NORDESTE
SUDESTE
SUL
CENTRO-OESTE
35,4
42,9
14,9
15,7
20,0
38,1
59,7
34,3
28,4
34,0
36,2
48,8
17,0
18,3
...
PROFILAXIA
CURIOSIDADES
 A desnutrição é, de acordo com o Fundo das Nações
Unidas para a Infância (UNICEF), a principal causa de
morte dos lacten...
 Há um tipo intermediário de desnutrição protéico-
calórica é chamado Kwashiorkor- marasmático.
Crianças com esse tipo re...
 A desnutrição é uma das principais causas de
nascimentos de crianças abaixo do peso normal, crianças
que tem mais chance...
BIBLIOGRAFIA
 http://conceito.de/desnutricao#ixzz2XphVS6RK
 http://extremos-biobio.blogspot.com.br/2009/10/vou-comecar-com-uma-
breve...
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor

23,109

Published on

conceito, diagnóstico, sintomas, causas, fisiopatologia, consequencia, tratamento, profilaxia, incidência, curiosidades

Published in: Health & Medicine
0 Comments
12 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
23,109
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
432
Comments
0
Likes
12
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Desnutrição, trabalho, marasmo, Kwashiakor

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS COLÉGIO TÉCNICO SETOR DE BIOLOGIA DESNUTRIÇÃO Anna Letícia Cristina Santos Esther Frois Julia Maria
  2. 2. CONCEITO
  3. 3. O termo desnutrição (ou subnutrição) refere-se a um estado patológico causado pela falta de ingestão ou absorção de nutrientes como proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas e sais minerais. Dependendo da gravidade do quadro clínico, esta doença pode ser dividida em primeiro, segundo e terceiro grau. Em suma, é a deficiência energética crônica.
  4. 4. DIAGNÓSTICO
  5. 5. DE ACORDO COM O CÁLCULO DO IMC. https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak- ash4/p480x480/298960_454006531333739_1578007663_n.jpg
  6. 6. indicadores Pontos de corte classificação Peso/idade <Percentil 0,1 >=P1 e < P3 >= P3 e < P10 >= P10 e < P97 >= P 97 Peso muito baixo para a idade Peso baixo para a idade Risco nutricional Adequado ou eutrófico Risco de sobrepeso Peso/altura* < P3 >= P3 e P10 >= P10 e < P97 >P97 Baixo peso Risco nutricional Adequado ou eutrófico Obesidade Altura/idade* < P3 >= P3 e P10 Baixa estatura para a idade Desaceleração do crescimento
  7. 7. PERCENTIS DA TAXA DE IMC DE MENINOS DE 0 A 5 ANOS
  8. 8. PERCENTIS DO PESO PARA MENINAS DE 0 A 10 ANOS.
  9. 9. EXAMES Os exames dependem do distúrbio específico. A maioria dos exames de diagnóstico inclui avaliação nutricional e exame de sangue.
  10. 10. SINTOMAS
  11. 11. Em alguns casos, a desnutrição é muito leve e não apresenta sintomas. No entanto, outras vezes, pode ser tão grave que os danos ao corpo são permanentes, mesmo sobrevivendo ao problema. Alguns dos sintomas a que se deve estar atento no âmbito de um possível quadro (clínico) de desnutrição:  Cansaço  Enjoos,  Desmaios  Ausência de menstruação  Crescimento deficiente da criança  Perda de peso  Diminuição da resposta imune do organismo
  12. 12. Em casos crônicos, destacamos os seguintes sintomas:  Hipotermia  Hipoglicemia  Anemia grave  Taquicardia  Tendências hemorrágicas  Pneumonia  Desidratação  Sarampo  Icterícia (aspecto amarelado da pele)  Sinais de colapso circulatório (mãos e pés frios, pulso fraco e consciência diminuída).
  13. 13. Casos moderados Casos severos Desnutrição aguda moderada Desnutrição aguda severa TIPOS DE DESNUTRIÇÃO
  14. 14. KWASHIAKOR - Tipo de desnutrição causada pela carência de proteína. Privado de nutrientes o corpo consome seus próprios recursos e modifica suas funções, como o equilíbrio celular. A água das células migra de forma diferente, formando edemas que incham o corpo. Por isso algumas crianças desnutridas têm o estômago, o rosto, os braços, as mãos e os pés inchados. Além do inchaço, a pele ressecada se rompe com a pressão e surgem úlceras que infeccionam. Os cabelos se tornam brancos ou avermelhados.
  15. 15. CARACTERÍSTICAS DO KWASHIOKOR  Mantém-se certa quantidade de gordura;  Aparecimento de lesões de pele;  Atraso no crescimento ponderal e depois estatural;  Peso abaixo do Percentil 3;  Edema constante, ora na face, ora nos pés;  O cabelo é escasso e descorado;  Aparecimento de diarréia;  O alimento é rejeitado.
  16. 16. MARASMO -  Tipo de desnutrição causada pela falta de calorias. Sem receber os nutrientes necessários para manter as funções vitais como respiração e batimentos cardíacos, o corpo passa a buscar energia nas reservas de gordura e nos músculos. A criança com marasmo está extremamente emagrecida, tem os traços emaciados, os músculos atrofiados. A pele parece grande demais para o corpo. É como a pele de um idoso.
  17. 17. CARACTERÍSTICAS DO MARASMO  Emagrecimento imediato;  Perda intensa de tecido subcutâneo;  Pele pregueada: sinal da calça larga; o Diminuição da força para sugar; o Abdômen proeminente devido à magreza; oA altura é retardada com o prolongamento; oApetite preservado; oDesaparece o bom humor, a criança não sorri.
  18. 18. CAUSAS
  19. 19. A causa mais frequente da desnutrição é uma má alimentação. Porém há outras causas possíveis todo e qualquer outro problema no corpo capaz de interromper o processo de nutrição Ex: falta de ingestão de alimentos (desnutrição primária), até a falta de utilização de nutrientes pelas
  20. 20. Nas situações de fome, a desnutrição pode afligir dezenas de milhares de pessoas. Isso acontece, por exemplo, com pessoas que fogem em meio a guerras, sem tempo ou capacidade de levar alimentos, ou quando pragas ou secas impossibilitam a colheita para populações essencialmente agrícolas.
  21. 21. O corpo necessita de mais nutrientes em certas fases da vida:  Infância  Adolescência  Gravidez  amamentação  Idosos (caso à parte)
  22. 22. FISIOPATOLOGIAS E CASOS CLÍNICOS
  23. 23. Em um indivíduo primeiramente com estado nutricional normal, ao ter sua alimentação altamente limitada, sofre primeiramente com o gasto energético. Se gasta rapidamente os ATP produzidos pelas mitocôndrias e em seguida a glicose dos tecidos e do sangue com a liberação de insulina.
  24. 24. Com o esgotamento da glicose, a próxima fonte de energia a ser utilizada é o glicogênio armazenado nos músculos e no fígado. Ele é rapidamente lisado em glicose e fornece um aporte razoável de energia. Sua depleção irá causar apatia, prostração e até síncopes - o cérebro que utiliza apenas a glicose e corpos cetônicos, como fonte de energia sofre muito quando há hipoglicemia.
  25. 25. Em seguida, a gordura (triacilglicerol) é liberada das reservas adiposas, é quebrada em acido-graxo mais glicerol. O glicerol é transportado para o fígado a fim de produzir novas moléculas de glicose. O ácido-graxo por meio de beta-oxidação forma corpos cetônicos que causa aumento da acidez sanguínea (ph sanguíneo normal 7,4). O acumulo de corpos cetônicos no sangue pode levar a um quadro de cetomia, sua progressão tende a evoluir com o surgimento de ceto-acidose (ph<7,3) compensada pelo organismo com liberação de bicarbonatos na circulação.
  26. 26. A pele fica mais grossa, sem o tecido adiposo subcutâneo. Nessa etapa, as proteínas dos músculos e do fígado passam a ser quebradas em aminoácidos para que esses por meio da gliconeogênese passem a ser a nova fonte de glicose (energia). Na verdade, o organismo pode usar ainda várias substâncias como fonte de energia além dessas, se for possível. Há grande perda de massa muscular e as feições do indivíduo ficam mais próximas ao esqueleto. A força muscular é mínima e a consequência seguinte é o óbito.
  27. 27. CONSEQUÊNCIAS
  28. 28.  Coração: o coração perde massa muscular, assim como os outros músculos do corpo. Em estágio mais avançado há insuficiência cardíaca e posteriormente morte.  Sistema imune: torna-se ineficiente. O corpo humano não vai ter os nutrientes necessários para produzir as células de defesa. Logo, é comum infecções intestinais subsequentes, respiratórias e outros acometimentos. A duração das doenças é maior e o prognóstico é sempre pior em comparação a indivíduos normais. A cicatrização é lentificada.
  29. 29.  Sangue: É possível ocorrer um quadro de anemia ferropriva relacionada à desnutrição.  Trato gastro-intestinal: há menor secreção de HCl pelo estômago, tornando esse ambiente mais propício para proliferação bacteriana. O intestino diminui seu ritmo de peristalse e a absorção de nutrientes fica muito reduzida.
  30. 30.  Quando não há o que comer o corpo entra num ciclo vicioso: a falta de alimentação gera falta de energia e fadiga. Ao perder as forças, a pessoa deixa de se mexer, de falar, e os mecanismos reguladores da fome deixam de funcionar: não se tem mais a sensação de fome ou sede, e o estômago se atrofia. Aos poucos se perde o contato com o mundo. A desnutrição severa pode provocar falência dos órgãos, anemia, infecção generalizada e outras patologias graves.
  31. 31. HTTP://WWW.SCIELO.BR/IMG/REVISTAS/EA/V20N58/14Q1.GIF
  32. 32. TRATAMENTO
  33. 33. Em geral, esta doença pode ser corrigida com a reposição dos nutrientes de que carece a pessoa e, se resultar de algum problema específico do organismo, com um tratamento adequado que trave e inverta a deficiência nutricional. Se não for detectada a tempo ou se a pessoa em causa não for devidamente assistida por um médico, a desnutrição pode dar origem a alguma deficiência (incapacitação), seja mental ou física, a outras complicações (doenças) e, inclusive, ser mortal.
  34. 34. Quando há casos de desnutrição não grave o paciente deve ser tratado em casa (principalmente no caso de crianças), visto que o ambiente hospitalar propicia, através de contágio, o aparecimento de doenças em organismos debilitados. Quando, porém, o quadro do paciente é crônico ou ele habita um lugar com condições deploráveis de vida, ele deve ser imediatamente hospitalizado
  35. 35. Emagrecimento acentuado visível OU Edema em ambos os pés DESNUTRIÇÃO GRAVE Dar Vitamina A; Tratar a criança para evitar a hipoglicemia; Recomendar à mãe para manter a criança agasalhada; Referir urgentemente ao Hospital.
  36. 36. Peso Muito Baixo para a Idade PESO MUITO BAIXO Avaliar a criança ensinar a tratar o PMB em casa; Se menor de 6 meses: avaliar amamentação; Marcar retorno para 5 dias
  37. 37. Peso baixo OU Ganho de peso insuficiente PESO BAIXO OU GANHO DE PESO INSUFICIENTE Avaliar a criança e aconselhar a mãe; Se menor de 6 meses: avaliar amamentação; Marcar retorno para 30 dias.
  38. 38. Peso não é baixo PESO NÃO É BAIXO  Aconselhar a mãe
  39. 39.  Alimentação adequada;  Uso do óleo sobre o prato feito;  Aumento da quantidade de refeições diárias;  Dieta para tratar o peso muito baixo;
  40. 40. INCIDÊNCIA
  41. 41. Normalmente a desnutrição atinge pessoas de baixa renda e, sobretudo, crianças dos países mais pobres. Os países em desenvolvimento respondem por 95% do total de desnutridos do planeta.
  42. 42. (HTTP://WWW.DESNUTRICAO.ORG.BR/GRAFICOS/GR_9.GIF)
  43. 43. O aumento de renda das famílias brasileiras e o declínio substancial da pobreza observados entre 1970 e 1980 certamente devem ter contribuído para o declínio da desnutrição apontado pelos inquéritos nutricionais realizados entre 1974-1975 e 1989, mas a ausência de informações confiáveis sobre a variação de outros determinantes da desnutrição infantil nesse período impede uma avaliação semelhante à realizada para o período mais recente.
  44. 44. NOS ADULTOS NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE 35,4 42,9 14,9 15,7 20,0 38,1 59,7 34,3 28,4 34,0 36,2 48,8 17,0 18,3 22,3 PROPORÇÃO (%) DE PESSOAS POBRES*. BRASIL: 1999.
  45. 45. PROFILAXIA
  46. 46. CURIOSIDADES
  47. 47.  A desnutrição é, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a principal causa de morte dos lactentes (crianças de peito) e crianças novas em países em vias de desenvolvimento.  Segundo Médicos sem Fronteiras, a cada ano 3,5 a 5 milhões de crianças menores de cinco anos morrem de desnutrição.
  48. 48.  Há um tipo intermediário de desnutrição protéico- calórica é chamado Kwashiorkor- marasmático. Crianças com esse tipo retêm algum flúido e tem mais gordura corporal do que as que tem marasmo.  Como as crianças desenvolvem Kawashiokor depois que são desmamadas, eles são geralmente mais velhas do que as que tem marasmo.  Nove crianças morrem a cada minuto pela falta de nutrientes básicos.
  49. 49.  A desnutrição é uma das principais causas de nascimentos de crianças abaixo do peso normal, crianças que tem mais chances de adoecer durante a infância, adolescência e vida adulta. Há estudos recentes que indicam a existência de vínculos entre desnutrição infantil e o surgimento de doenças como hipertensão, diabetes e doenças coronárias. Até manifestações leves de desnutrição podem limitar o desenvolvimento físico e intelectual de uma criança, fazendo com que esta tenha maiores chances de evadir- se da escola com tenra idade, fato que pode contribuir para manter o atual índice de analfabetismo entre as populações de baixa renda.
  50. 50. BIBLIOGRAFIA
  51. 51.  http://conceito.de/desnutricao#ixzz2XphVS6RK  http://extremos-biobio.blogspot.com.br/2009/10/vou-comecar-com-uma- breve-introducao-ao.html  http://pt.wikipedia.org/wiki/Desnutri%C3%A7%C3%A3o  http://www.msf.org.br/conteudo/29/desnutricao/  http://www.scielo.br/img/revistas/rbepid/v1n2/06f1.gif  MONTEIRO, Carlos Augusto. A dimensão da pobreza, da desnutrição e da fome no Brasil. Estud. av. [online]. maio/ago. 2003, vol.17, no.48 [citado 14 Outubro 2005], p.7-20. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 40142003000200002&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 0103-4014.  PAES-SOUSA, R. Pobreza e desnutrição: uma análise do Programa Fome Zero sob uma perspectiva epidemiológica Saúde e Sociedade . Saúde e Sociedade V.12 Nº 1 jan-jul/2003  SAWAYA, A.L. et al. Os dois Brasis: quem são, onde estão e como vivem os pobres brasileiros Estud.v. v.17 n.48 São Paulo maio/ago. 2003.
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×