Relevo estrutura geologica

35,294 views
35,148 views

Published on

Estrutura do relevo brasileiro,vc conhecerá as formas mais antigas da formação de nosso continente,com imagens maravolhosas.

Published in: Education
4 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
35,294
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
912
Comments
4
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relevo estrutura geologica

  1. 1. O espaço brasileiro Relevo e estrutura geológica
  2. 2. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Relevo: são as diversas formas da superfície terrestre, resultantes dos chamados agentes internos e externos de formação do relevo. </li></ul><ul><li>A ciência que se ocupa no estudo do relevo é a Geomorfologia. </li></ul><ul><li>O estudo do relevo divide-se em duas: Relevo Submarino e Relevo Continental. </li></ul>
  3. 3. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica
  4. 4. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Formas de relevo submarino </li></ul><ul><li>Plataforma continental : continuação do continente, chegando até 200 m de profundidade e com importantes atividades econômicas associadas; </li></ul><ul><li>Talude Continental : região de transição entre a plataforma continental e a região pelágica – declive acentuado. </li></ul><ul><li>Região pelágica : região marcada por diversas formas de relevo e profundidades que variam de 1000m até 5000 m. </li></ul><ul><li>Região abissal : profundidades superiores a 5000m, com pouca luminosidade e grandes pressões – Seres vivos estranhos. </li></ul>
  5. 5. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica
  6. 6. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Seres das profundezas </li></ul>
  7. 7. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Relevo Continental </li></ul><ul><li>Montanhas : Regiões geralmente acima de 3000 m de altitude, formadas por dobras, falhas, arcos vulcânicos e erosões. </li></ul><ul><li>Planaltos : superfícies irregulares com altitudes acima de 300 m, onde o processo de erosão é maior que o processo de sedimentação. </li></ul><ul><li>Planícies : superfícies planas com altitudes inferiores a 100 m, onde o processo de sedimentação é maior que o de erosão. </li></ul><ul><li>Depressões : áreas mais ou menos planas que sofreram prolongados processos de erosão. As altitudes variam de 100 a 500 m e dividem-se em depressões relativas e depressões absolutas. </li></ul>
  8. 8. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica
  9. 9. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>O relevo no Brasil </li></ul><ul><li>O relevo brasileiro caracteriza-se por ser bastante antigo e com baixas altitudes; </li></ul><ul><li>Essa antiguidade e baixas altitudes estão diretamente relacionadas aos agentes internos e externos de formação do relevo; </li></ul>
  10. 10. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Agentes Internos </li></ul><ul><li>Tectonismo </li></ul><ul><li>Por estar localizado no centro da placa tectônica Sul-Americana, o Brasil apresenta relativa estabilidade geológica; </li></ul><ul><li>A Serra do Mar, da Mantiqueira e do Espinhaço são originárias de movimentos Orogênicos na Era Pré-Cambriana. </li></ul>
  11. 11. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Conjunto de Serras do Brasil </li></ul>
  12. 12. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Agentes Internos </li></ul><ul><li>Vulcanismo </li></ul><ul><li>As principais manifestações vulcânicas no Brasil aconteceram nas regiões de Poços de Caldas em MG, em São Paulo, no Paraná e nas ilhas oceânicas. </li></ul><ul><li>Recentemente foi descoberto um grande vulcão adormecido na região amazônica. </li></ul>
  13. 13. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Vulcões brasileiros </li></ul><ul><li>vulcão Cabugi vulcão de Nova Iguaçu vulcão do Pará </li></ul>
  14. 14. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Agentes Externos </li></ul><ul><li>Os agentes externos caracterizam-se basicamente pela ação das águas e dos ventos sobre as diversas formas de relevo. </li></ul><ul><li>A atuação desses agentes está diretamente relacionada ao Intemperismo e a formação dos Solos. </li></ul><ul><li>O Intemperismo consiste na alteração das rochas ao encontrar com a água, o ar, as mudanças de temperatura e os seres vivos. </li></ul><ul><li>O Intemperismo pode ser Químico, Físico ou Biológico. </li></ul>
  15. 15. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Resultado dos Agentes Externos </li></ul>
  16. 16. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Estrutura Geológica </li></ul><ul><li>A estrutura Geológica divide-se basicamente em três formações: </li></ul><ul><li>Escudos Cristalinos </li></ul><ul><li>Estrutura mais antiga também conhecida como Maciços Antigos – Era Pré-Cambriana. É formado basicamente por rochas magmáticas e metamórficas sendo associados vários minerais ( Ferro, Bauxita, ouro e prata). </li></ul><ul><li>Bacias Sedimentares </li></ul><ul><li>Era Mesozóica com associação de combustíveis fósseis (Petróleo e Carvão Mineral). </li></ul><ul><li>Dobramentos Modernos </li></ul><ul><li>Estrutura geológica mais recente, formados basicamente por choque de placas tectônicas (Himalaia, Andes, Alpes) </li></ul>
  17. 17. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Estrutura Geológica </li></ul><ul><li>No Brasil encontramos basicamente duas estruturas geológicas: Os Escudos Cristalinos e as Bacias Sedimentares. </li></ul><ul><li>As Bacias Sedimentares ocupam cerca de 64% do território e os Escudos Cristalinos ocupam 36%. </li></ul><ul><li>Não encontramos os Dobramentos Modernos (montanhas) no Brasil devido a sua centralidade na Placa Sul-Americana. </li></ul>
  18. 18. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Mapa de Estrutura Geológica do Brasil </li></ul>
  19. 19. O espaço Brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Classificações do Relevo Brasileiro </li></ul><ul><li>Aroldo de Azevedo </li></ul><ul><li>Foi a primeira grande classificação do relevo brasileiro, realizado na década de 1940. </li></ul><ul><li>As unidades de relevo demonstradas foram os planaltos e planícies. </li></ul><ul><li>O critério utilizado foi a Altimetria, estabelecendo o limite de 200 m para diferenciar uma forma da outra. </li></ul><ul><li>Preocupou-se em individualizar cada área. </li></ul>
  20. 20. O espaço Brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Mapa de Aroldo de Azevedo </li></ul>
  21. 21. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Classificações do Relevo Brasileiro </li></ul><ul><li>Azib Ab’ Saber </li></ul><ul><li>Renomado geógrafo e discípulo de Aroldo de Azevedo. </li></ul><ul><li>Utilizou o critério morfoclimático (formas de relevo segundo ação do clima). </li></ul><ul><li>Acrescentou novas unidades de relevo e baseou-se no processo de erosão e sedimentação para diferenciar planaltos de planícies. </li></ul><ul><li>Seu trabalho foi publicado na déc. 1960. </li></ul>
  22. 22. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Mapa de Azib Ab’ Saber </li></ul>
  23. 23. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Classificações do Relevo Brasileiro </li></ul><ul><li>Jurandyr S. Ross </li></ul><ul><li>Fez uso das modernas tecnologias (Sensoriamento Remoto e Aerofotogrametria) </li></ul><ul><li>Sua classificação é bem detalhada chegando mais próximo da realidade; </li></ul><ul><li>Destacou uma nova forma de relevo: as Depressões; </li></ul><ul><li>Foi publicada em 1989 e é a mais aceita atualmente no campo acadêmico. </li></ul>
  24. 24. O espaço brasileiro: relevo e estrutura geológica <ul><li>Mapa de jurandyr S. Ross </li></ul>
  25. 25. <ul><li>OBRIGADO </li></ul><ul><li>PELA </li></ul><ul><li>ATENÇÃO </li></ul>

×