Your SlideShare is downloading. ×
Movimentos sociais no brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Movimentos sociais no brasil

56,747
views

Published on

Material disponibilizado pelo Professor Gil Camelo, para os alunos do 2o. ano do Colégio Espaço Aberto - Fortaleza - Ce

Material disponibilizado pelo Professor Gil Camelo, para os alunos do 2o. ano do Colégio Espaço Aberto - Fortaleza - Ce


1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
  • poderia ter mais algumas considerações!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
56,747
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
297
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL Uma breve análise dos movimentos sociais do Brasil Prof. Gil Camelo
  • 2. ORIGEM E OBJETIVO  A análise dos movimentos sociais no Brasil revelam forte enfoque teórico oriundo do marxismo, sejam eles vinculados ao espaço urbano e/ou rural.  Exemplos: 1. espaço urbano: as lutas por creches, por escola pública, por moradia, transporte, saúde, saneamento básico etc. 2. espaço rural, a diversidade de temáticas expressou-se nos movimentos de bóias-frias (das regiões cafeeiras, citricultoras e canavieiras, principalmente), de posseiros, sem-terra, arrendatários e pequenos proprietários.
  • 3. EXEMPLOS PODEM OCORRER MOBILIZAÇÃO PÚBLICA POR DIVERSOS MOTIVOS: 1. para a geração de empregos no campo; 2. ações coletivas que denunciam o arrocho salarial (greve de professores e de operários de indústrias automobilísticas); 3. ações coletivas que denunciam a depredação ambiental e a poluição dos rios e oceanos (lixo doméstico, acidentes com navios petroleiros, lixo industrial); As passeatas, manifestações em praça pública, difusão de mensagens via internet, ocupação de prédios públicos, greves, marchas entre outros, são características da ação de um movimento social.
  • 4. MST O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, também conhecido pela sigla MST, é um movimento social brasileiro de inspiração marxista cujo objetivo é a implantação da reforma agrária no Brasil. Teve origem na aglutinação de movimentos que faziam oposição ou estavam desgostosos com o modelo de reforma agrária imposto pelo regime militar, principalmente na década de 1970, o qual priorizava a colonização de terras devolutas em regiões remotas, com objetivo de exportação de excedentes populacionais e integração estratégica. Contrariamente a este modelo, o MST declara buscar a redistribuição das terras improdutivas.
  • 5.  O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) surgiu em 1997 da necessidade de organizar a reforma urbana e garantir moradia e a todos os cidadãos. Está organizado nos municípios do Rio de Janeiro, Campinas e São Paulo. É um movimento de caráter social, político e sindical. Em 1997, o MST fez uma avaliação interna em que reconheceu que seria necessária uma atuação na cidade além de sua atuação no campo. Dessa constatação, duas opções de luta se abriram: trabalho e moradia.  Estão em quase todas as metrópoles do País. São desdobramentos urbanos do MST, com um comando descentralizado. As formas de atuação variam de um movimento para outro. Em geral, as ocupações não têm motivação política, apenas apoio informal de filiados a partidos de esquerda. O objetivo das ocupações é pressionar o poder público a criar programas de moradia e dar à população de baixa renda acesso a
  • 6. O FÓRUM SOCIAL MUNDIAL (FSM) É UM EVENTO ALTERMUNDIALISTA ORGANIZADO POR MOVIMENTOS SOCIAIS DE DIVERSOS CONTINENTES, COM OBJETIVO DE ELABORAR ALTERNATIVAS PARA UMA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL GLOBAL. SEU SLOGAN É UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL. É UM ESPAÇO INTERNACIONAL PARA A REFLEXÃO E ORGANIZAÇÃO DE TODOS OS QUE SE CONTRAPÕEM À GLOBALIZAÇÃO NEOLIBERAL E ESTÃO CONSTRUINDO ALTERNATIVAS PARA FAVORECER O DESENVOLVIMENTO HUMANO E BUSCAR A SUPERAÇÃO DA DOMINAÇÃO DOS MERCADOS EM CADA PAÍS E NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. O Fórum Social Mundial se reuniu pela primeira vez na cidade de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul, Brasil, entre 25 e 30 de janeiro de 2001, com o objetivo de se contrapor ao Fórum Econômico Mundial de Davos. Esse Fórum Econômico tem cumprido, desde 1971, papel estratégico na formulação do pensamento dos que promovem e defendem as políticas neoliberais em todo mundo. Sua base organizacional é uma fundação suíça que funciona como consultora da ONU e é financiada por mais de 1.000 empresas multinacionais.
  • 7. Os "hippies" (no singular, hippie) eram parte do que se convencionou chamar movimento de contracultura dos anos 60 tendo relativa queda de popularidade nos anos 70 nos EUA, embora o movimento tenha tido muita força em países como o Brasil somente na década de 70. Uma das frases ideomáticas associada a este movimento foi a célebre máxima "Paz e Amor" (em inglês "Peace and Love") que precedeu á expressão "Ban the Bomb" , a qual criticava o uso de armas nucleares. As questões ambientais, a prática de nudismo, e a emancipação sexual eram idéias respeitadas recorrentemente por estas comunidades. Adotavam um modo de vida comunitário, tendendo a uma espécie de socialismo-anarquista ou estilo de vida nômade e à vida em comunhão com a natureza, negavam o nacionalismo e a Guerra do Vietnã, bem como todas as guerras, abraçavam aspectos de religiões como o budismo, hinduismo, e/ou as religiões das culturas nativas norte-americanas e estavam em desacordo com valores tradicionais da classe média americana e das economias capitalistas e totalitárias. Eles enxergavam o patriarcalismo, o militarismo, o poder governamental, as corporações industriais, a massificação, o capitalismo, o autoritarismo e os valores sociais tradicionais como parte de uma "instituição" única, e que não tinha legitimidade.