êXodo pentateuco - estrutura

on

  • 2,131 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,131
Views on SlideShare
1,832
Embed Views
299

Actions

Likes
1
Downloads
37
Comments
0

5 Embeds 299

http://escolabiblicasamaritana.blogspot.com.br 292
http://www.escolabiblicasamaritana.blogspot.com.br 4
http://escolabiblicasamaritana.blogspot.com.br&_=1339712849968 HTTP 1
http://www.blogger.com 1
http://escolabiblicasamaritana.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

êXodo   pentateuco - estrutura êXodo pentateuco - estrutura Presentation Transcript

  • Estrutura do Pentateuco (Teokos = estojos)
  • * Ex 1-15
  • * Ex 1-15- Centro teológico mais antigo e axial na Bíblia (Gn 4,1-16; 6-9; 12,10-20; Ex 20,2; Lv 26,13; Dt 5,6; 6,21-23; 26,5b-10a; ... (Evento fundante, anterior à aliança do Sinai, que supõe o Êxodo. É para a Bíblia como o pavio na vela ou o pau da barraca)- Revela o nome ou a identidade de Deus, seu agir libertador (Ex 3,1ss; 6,2s)- O Êxodo é o fundamento teológico do decálogo que regula as relações humanas (Ex 20,2; Dt 5,6), do culto (Dt 26,1-11)- Êxodo do Egito: modelo para os êxodos dos demais grupos que participaram da formação de Israel tribal- Objetivo: viver livre em terra repartida, cultuando Yahweh, presença libertadora no meio do povo- Guardiães da memória do Êxodo: sacerdotes levitas (tribalismo) profetas e profetisas (monarquia)
  • ** Sinai/Horeb
  • 1 – Sinai da tradição 3 – Evento junto ao mar (tradição)2 – Sinai histórico 4 – Evento junto ao mar (histórico) 3 4 1 2
  • ** Sinai/Horeb- Centro narrativo/teológico para os sacerdotes do 2º templo, os editores finais d Pentateuco no IV século a.C., tendo em vista a legitimação, em nome de Moisés, de toda lei posterior a ele.- Mudança de eixo: de Yahweh Emanuel, passa-se para o Deus glorioso, santo, puro, inacessível.- Em textos mais antigos, o povo tinha acesso a Deus como a um amigo. Textos tardios afastam o povo: Compare Ex 24,9-11 e 33,9-11 (cf. Gn 3,8-9) com Ex 19,21; 33,20; 40,34-35; Nm 4,20).- Reforço da doutrina da retribuição: bênção (riqueza, saúde, vida longa, muitos filhos, honra) e maldição (pobreza, doença, morte pré-matura, esterilidade/só filhas, desonra).- Leis de impureza étnica (estrangeiros/listas genealógicas/circuncisão) e ritual/cúltica/templo (alimentos, doenças de pele, mortos, fluxos de sangue e de sêmen, profissões).- Principais acréscimos: Ex 24,12-40,38; Lv (exceto 17-26 = época do exílio) e Nm 1-10 (mais 15-19; 26-31; 33-36). Além disso, os sacerdotes fizeram a edição final do Pentateuco.
  • *** Pentateuco
  • *** Pentateuco-A promessa de povo numeroso já foi realizada (Ex 1,7)-No entanto, ainda falta libertar as terras das mãos dos reis cananeus, a promessa/bênção ainda não se cumpriu (Situação dos judeus no período persa, quando eram escravos em suas próprias terras (Ne 9,36-37)- O Pentateuco não termina com a libertação e partilha da terra, pois essa é tarefa constante. Chama a um Êxodo permanente, a atravessar outra vez as “águas libertadoras”.
  • **** Pentateuco composição em etapas Um grande lago em que deságuam inúmeros rios/tradições
  • **** Pentateuco composição em etapas - Repetições - Histórias fundidas - Diversidade de vocabulário - Diversidade de estilo literário - Anacronismos - Diferenças e oposições - Diferentes fontes teológicas
  • Repetições:Narrativas da Criação (Gn 1,1-2,4a; 2,4b-3,24)Descendências de Adão e Eva (4 e 5)Narrativas sobre Hagar e seu filho (Gn 16; 21,8-21)Mulheres no harém do rei (Gn 12,10-20; 20; 26)Alianças de Deus com Abraão (15 e 17)Narrativas da vocação de Moisés (Ex 3,1-4,17; 6,2-13)Decálogos (Ex 20,2-17; Dt 5,6-21)Festas (Ex 23; 34; Lv 23; Dt 16)
  • Histórias fundidas:Dilúvio (Gn 6-9; compare 6,20 com 7,2 e 7,17 com 7,24)Evento junto ao mar: Ex 14,21ab.26-27 24-25 21c-23.28ss
  • Diversidade de vocabulário: - Nomes divinos Yahweh (Gn 2,4; 16,3-14) El (Gn 33,20; 35,7; 46,3; Nm 23,22; 24,8) El Shaddai (Gn 17,1; 28,3; 49,25; Ex 6,3) El dos hebreus (Ex 5,3; 3,18; 7,16) Elohim/Elohê (Gn 1,1; 21,9-29; 31,53; Ex 6,3) El Olam (Deus Eterno – Gn 21,33) El Betel (Deus de Betel - Gn 31,13) Elohê Abot (Deus dos pais - Gn 26,24; Ex 3,6) El de Nacor, de Abraão, de Isaac e Jacó (Gn 31,53; Ex 3,6) El Elyon (Deus Altíssimo – Gn 14,18-22) Pahhad Isaac (Terror de Isaac – Gn 31,42.53) Abbir Jacó (Poderoso de Jacó – Gn 49,24; Sl 132,2.5; Is 49,26; 60,16) El Roí (Deus que vê - Gn 16,13) El Berit (Deus da Aliança - Jz 8,33; 9,46) -Montes: Sinai (Ex 19,1; Nm 10,12) Horeb (Ex 3,1; Dt)- Nomes de pessoas Sogro de Moisés (Raguel – Ex 2,18; Jetro – Ex 3,1; Hobab – Nm 10,29) Esposa de Moisés (madianita/Séfora – Ex 2,15-21; quenita - Nm 10,29; Jz 1,16; 4,11;
  • Diversidade de estilo/gênero literário,de linguagem:Legal (Ex 20-23; Lv 11-16; 17-26)Narrativas (Gn; Ex 1-19; Nm 11-36)Prescrições rituais (Lv 1-7)Exortações, oratória, retórica (Dt)Novela (José – Gn 37; 39-50)Sagas/lendas (Gn 3,13-14.16.17-19; 19,30-38; 32,32)Hinos (Ex 15,1-21)
  • Anacronismos:Gn 12,6; 13,7Gn 21,34; 26,14.15.18; Ex 13,17Gn 36,31
  • Diferenças e oposições:Caos inicial nas narrativas da criação (Gn 1 e 2)Homem-Mulher (Gn 1 e 2)Um ou sete casais na arca (Gn 6,19-20 e 7,2)Ismaelitas ou madianitas? (Gn 37,28.36; 39,1)Maná: milagre ou fato natural? (Ex 16,14-35; Nm 11,6-9)Arca: no centro ou fora do acampamento (Ex 33,7; Nm 2,2)Nuvem, Arca ou Hobab? (Nm 9,17s; 10,29-32; 10,33)Altar ou cidades de refúgio? (Ex 21,12s; Nm 35,9-24; Dt 19,1-3)Festa das tendas: 7 ou 8 dias? (Lv 23,36; Dt 16,15)
  • Tradições/correntes/fontes/escolasou documentos teológicos. L. Sicre: O mais sensato seria terminar de vez com a hipótese dos quatro documentos. Não há dois autores que coincidam na divisão dos textosavista 950 Monarquia Jerusalém Bênção Ex: Gn 2-4; 16loísta 850 Israel Samaria Ciclo de Jacó; Êxodo/Moisés Ex: Gn 21,9-21euteronomista 650 (Israel) Judá Jerusalém Um só Deus/povo/templo/lei Dt (+ OHD)acerdotal (P) 550 Babilônia/Judá Jerusalém Leis de impureza étnica e cúltica... Gn 1; 17; Ex 25-
  • O ÊXODO NA BÍBLIA(Congresso Bíblico — Goiânia/GO — 2006)
  • O ÊXODO NA BÍBLIA (Congresso Bíblico — Goiânia/GO — 2006)- O Êxodo é, na Bíblia, o que é o barbante na vela. Sem o pavio, ela não ilumina. (Francisco Rodrigues Orofino)- O Êxodo é o mito/relato fundante que é permanentemente relido/atualizado em momentos de crise. (Orofino)- Yahweh “Aquele que está”: a certeza da presença libertadora de Deus. “Aquele que é”: da existência de Deus ninguém duvida. A crise é se ele está! (Orofino)- A profecia é memória do Êxodo como resistência diante da opressão do reinado. (Orofino)- A Aliança não é o centro da teologia bíblica. Sem Êxodo não há Aliança. Esta supõe aquele. (Orofino)- A violência de Yahweh na OHD não é só para legitimar teologicamente a violência de Davi/Josias/Estado, mas é também a perspectiva deuteronomista do monoteísmo javista que busca eliminar tudo o que não adere a Yahweh. (Norman Gottwald)
  • O ÊXODO NA BÍBLIA (Congresso Bíblico — Goiânia/GO — 2006)- A Bíblia tem sentido na medida em que enxergamos o que está por trás daspalavras. Ficar na letra não gera necessariamente vida. É o Espírito que dá vida (2Cor 3,6). É como se simplesmente olhássemos para um violão. Seu valor somente é percebido no momento em que vamos além do que os olhos veem, no momento em que buscamos o seu significado, em que imaginamos a música que ele pode produzir. (Jacil Rodrigues de Brito)- A memória do Êxodo não é judaíta, mas é carregada por círculos levíticos eproféticos em Israel. Somente com a reforma de Josias em 622 a.C. (2Rs 22-23; cf.23,21-23), quando se passou a celebrar a Páscoa em Jerusalém, é que o Êxodo foi incorporado às tradições do Reino do Sul. (Milton Schwantes)- As pragas no Êxodo: O 1° sinal (Ex 7,9-13) é a derrota da “serpente” do faraó, isto é, do “poderpolítico” do império. A queda de braço entre os sacerdotes de Yahweh e os das divindades do faraó é o reflexo do conflito social entre o povo hebreu e seus opressores. A derrota das serpentes é como que uma celebração antecipada da vitória deYahweh. O sentido simbólico do último sinal, a morte dos primogênitos do Egito, “desde o primogênito do faraó, herdeiro do trono” (Ex 11,5; 12,29), é o mesmo, isto é, o