Your SlideShare is downloading. ×
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
O processo de S&OP no Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O processo de S&OP no Brasil

7,283

Published on

Primeiro artigo de uma série de 3 publicados na revista Mundo Logística sobre o processo de S&OP no Brasil.

Primeiro artigo de uma série de 3 publicados na revista Mundo Logística sobre o processo de S&OP no Brasil.

Published in: Education
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
7,283
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
242
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Artigo publicado na edição 05 julho/agosto de 2008Assine a revista através do nosso sitewww.revistamundologistica.com.br
  • 2. m: : Melhores práticas O processo de Sales & Operations Planning (S&OP) ou, em língua portuguesa, Planejamento Integrado de Vendas e Operações (PIVO), é apontado como umas das mais importantes ações na gestão da cadeia de valor em tempos recentes. Contudo, o foco dos estudos atualmente disponíveis sobre a utilização desse processo nas organizações recai predominantemente sobre empresas localizadas em países da América do Norte e Europa, fato que levanta o questionamento sobre a aderência de suas conclusões ao cenário vivenciado por empresas localizadas em território brasileiro. Nesse sentido, este artigo abre uma série de três publicações sobre o uso do processo de S&OP em território nacional. Nesta primeira etapa, focamos no debate sobre a importância do processo, na descrição de suas principais atividades, assim como na apresentação de três casos de aplicação do processo em empresas nacionais. O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil – Parte 1 Este artigo abre uma série de três publicações sobre o processo de S&OP buscando retratar seu atual estado em empresas localizadas no território brasileiro Carlos Frederico Bremer Rodrigo Cambiaghi Azevedo Leandro de Freitas Matheus (carlos.bremer@axiaconsulting.com.br): é engenheiro (rodrigo.cambiaghi@axiaconsulting.com.br): é graduado (leandro.matheus@axiaconsulting.com.br): é graduado e doutor em Produção pela USP São Carlos, com pós- e mestre em Engenharia de Produção Mecânica pela USP e mestre em Engenharia de Produção Mecânica pela USP doutorado pela Universidade de Aachen, Alemanha. É São Carlos e cursa doutorado na área de Supply Chain São Carlos. É certificado CPIM e CSCP pela APICS e PMP certificado CPIM e CSCP pela APICS e membro do Supply Management (SCM) pela Université Laval na cidade de pelo Project Management Institute. Atuou em projetos de Chain Council na América Latina. Tem 15 anos de experiência Québec, Canadá. É certificado CPIM pela APICS e membro transformação da cadeia de valor de empresas do setor acadêmica e desde 2001 atua em projetos de consultoria em do Supply Chain Council na América do Norte. Atuou em alimentício, metal-mecânico, siderurgia e mineração no Supply Chain Management. Atualmente é sócio-diretor da diferentes projetos de transformação da cadeia de valor Brasil e na China, com foco na implantação dos processos do Axia Consulting. no Brasil e exterior. Atualmente, é responsável pela área de Planejamento Integrado. Atualmente, é gerente de projetos Inovação e Gestão do Conhecimento na Axia Consulting e líder da iniciativa de S&OP na Axia Consulting.68 www.revistamundologistica.com.br
  • 3. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil atual cenário econômico mundial tem proporcionado ambientes em- sas nos respectivos períodos [5,6]. presariais divergentes em diferentes regiões do globo. Enquanto em Mas afinal, por que o processo de S&OP é atualmente tão demandadovários países desenvolvidos a economia tem desafiado muitos setores com reduções pelas organizações? Conceitualmente,nas margens de lucro e nas taxas de crescimento de suas empresas, em países emer- o S&OP é vital para uma organização,gentes as empresas têm gozado de aumentos significativos de receita e rentabili- pois ele é o processo de negócio res-dade por meio de um maior consumo de seus mercados internos, assim como de ponsável por desdobrar o plano estra-exportações para tradicionais mercados consumidores. tégico em diretrizes para a execução Todavia, independentemente se o ambiente empresarial vivenciado pelas em- das atividades diárias, assim como rea-presas é de um país desenvolvido ou emergente, os últimos anos foram marcados limentar as estratégias com indicativos de desvios e tendências da realidadepor aumentos significativos da presença das chamadas iniciativas de Supply Chain de mercado e operações [8]. Dessa for-Management (SCM) nas organizações. Tais iniciativas, como, por exemplo, Vendor- ma, ele coordena de forma integradaManaged Inventory (VMI), Collaborative Planning, Forecasting and Replenishment o desenvolvimento dos planos táti-(CPFR), compra estratégica de materiais diretos e indiretos, Sales & Operations Plan- cos de vários departamentos, visandoning (S&OP), lean manufacturing, entre outras, têm como principais intuitos a busca analisar alternativas de planejamentopor excelência operacional e a inovação dos modelos de negócio das organizações para atendimento da demanda, forne-de forma a gerar um diferencial competitivo de mercado [3]. Nesse sentido, Poirier & cendo melhor visibilidade do negócio para a alta gerência, melhorando a in-Quinn [4] realizaram um estudo junto a 120 empresas para analisar o retorno que as tegração entre as diferentes áreas dainiciativas de SCM têm proporcionado em termos de redução de custos e aumento empresa envolvidas com a operaçãode receitas para as organizações. Exceto pelo fato de que uma considerável parcela e, conseqüentemente, garantindo odos entrevistados não soube precisar exatamente os resultados alcançados pelas ini- balanceamento dos custos de estoca-ciativas (veja gráfico 1), a pesquisa constatou significantes proveitos em termos de gem e logísticos com o nível de serviçoredução de custos e aumento de receitas vinculadas a tais iniciativas. Somente 2% oferecido aos clientes.e 3% das iniciativas foram classificadas sem nenhum retorno no volume de receita e Na prática, a intensa demanda pelocustos, respectivamente. A maioria dos resultados indica ganhos de 1% a 10% (gráfi- processo de S&OP é justificada pelos benefícios creditados à sua existênciaco 1), justificando o grande interesse da comunidade empresarial. nas organizações, entre eles [9]: • 21% − 30% de redução de estoques; 37% Não sei / não estou certo 19% • 13% − 20% de aumento de produti- vidade operacional; Iniciativa falhou em alcançar os objetivos 2% propostos 3% • 9% − 13% de redução em custo de suprimento; 5% Reduziu/Aumentou mais de 20% 3% • 18% − 25% de melhoria no nível de 8% serviço aos clientes. Reduziu/Aumentou entre 11 e 20% 11% O estágio da corrida para a imple- 19% mentação de um processo formal de Reduziu/Aumentou entre 6 e 10% 36% S&OP nas empresas foi mensurado por 29% uma pesquisa conduzida pelo Forres- Reduziu/Aumentou entre 1 e 5% 28% ter Research. Tal pesquisa constatou que dentro de uma amostra de 28 0% 10% 20% 30% 40% organizações, 82% afirmaram já ter o Impacto em redução de custo Impacto em aumento de receita processo de S&OP em uso, 4% ainda Gráfico 1. Impacto das iniciativas de Supply Chain Management em termos de redução não possuíam o processo, mas consi- de custos e aumento de receitas [4]. deravam sua implementação, e 14% ainda não tinham nenhum plano para a implementação do processo [2]. Essa Esse mesmo estudo [4] procurou entender quais as iniciativas eram mais uti- tendência foi corroborada com a re-lizadas pelas empresas na busca de tais resultados. Constatou-se com isso que o cente pesquisa promovida pelo Aber-processo de Sales & Operations Planning (S&OP) apareceu como a segunda ini- deen Group que averiguou, em umaciativa mais mencionada, ficando logo atrás de iniciativas de compra estratégica amostra de 380 organizações, quede materiais diretos. Tal evidência confirmou as primeiras versões desse mesmo 92% já possuíam em seus modelos deestudo durante os anos de 2003 e 2004, em que o processo de S&OP havia sido gestão um processo de S&OP [5].mencionado como a terceira e a segunda iniciativa mais almejadas pelas empre- Todas essas pesquisas e números Ano 1 • edição 5 69
  • 4. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil são de grande valia para O S&OP tem um papel O processo de Sales & Ope- justificar a importância do uso do processo de crucial dentro do modelo de rations Planning (S&OP) S&OP atualmente nas gestão das organizações, pois empresas. Entretanto, ele é o responsável por manter o Nesta seção, o processo de S&OP é deve ser levado em alinhamento entre as decisões nos descrito em termos de seus objetivos, consideração também níveis estratégico e operacional principais atividades e papéis organizacio- que tais estudos, em sua nais. Cabe ressaltar que o processo aqui maioria, são elaborados apresentado é resultado da evolução de com base em empresas situadas em uma série de modelos disponíveis na literatura, assim como da experiência prá- regiões de países desenvolvidos, tica em 17 implementações do processo em empresas de médio e grande porte como América do Norte e Europa. localizadas no Brasil e no exterior. Por exemplo, a amostra aferida pela Como previamente mencionado, o S&OP tem um papel crucial dentro do pesquisa elaborada pelo Aberdeen modelo de gestão das organizações, pois ele é o responsável por manter o ali- Group era constituída por 58% de nhamento entre as decisões nos níveis estratégico e operacional. Sua existência empresas norte-americanas, 18% faz com que os planos táticos de várias áreas funcionais de uma empresa sejam de empresas européias e 12% de desenvolvidos de maneira integrada, buscando, dessa forma, o melhor cenário empresas da região Ásia-Pacífico [7]. de planejamento para toda a organização e não somente para cada área indivi- Já a pesquisa apresentada por Poirier dualmente. A figura 1 resume os quatro papéis principais do processo de S&OP & Quinn [4] levou em consideração nas empresas:  Gestão e tratamento das informações para 120 empresas das quais a maioria gestão da cadeia Visibilidade das provinha da América do Norte, mais Operações  Previsão de demanda  Capacidades restritivas especificamente dos EUA. Sales &  Desempenho da cadeia Esse fato conduz ao questiona- Operations mento da aderência dos resultados Planning  Geração de alternativas de utilização dos Alternativas de recursos da cadeia para atendimento da apresentados por tais pesquisas ao ce- Atendimento demanda considerando diretrizes estratégicas e impactos financeiros nário empresarial brasileiro. Por exem- plo, o estágio de uso do processo de  Promover a decisão de planejamento tático em Apoio para S&OP pelas empresas é o mesmo no Tomada de consenso pela organização por meio da condução das reuniões de pré-S&OP e S&OP Brasil e nos EUA? O retorno alcançado Decisão executiva pelo uso desse processo no ambiente nacional é comparável com os resulta-  Acompanhamento da aderência da execução Acompanhamento em relação ao planejado dos relatados no exterior? Quais são da Execução  Análise do desempenho da cadeia as maiores deficiências e qualidades (indicadores) do processo em empresas nacionais? Figura 1. Papéis do processo de S&OP. Esses e outros questionamentos sus- tentam as discussões da série de três O processo possibilita maior visibilidade das operações na medida em que desen- artigos em que os autores pretendem volve estruturas e padrões para o tratamento das informações relacionadas à cadeia retratar o uso do processo de S&OP (previsão de demanda, capacidades restritivas etc.). Posteriormente, ele utiliza essas considerando empresas predominan- informações para suportar a definição de cenários (alternativas) de atendimento da temente localizadas em território bra- demanda que, por sua vez, são levados para análise e debate nas reuniões de pré- sileiro. Nas seções subseqüentes deste S&OP e S&OP executiva. Nessas reuniões, são tomadas decisões relativas às opera- primeiro artigo, é apresentado com ções e à priorização no atendimento, quando necessário. Por fim, cabe ainda ressaltar detalhes o funcionamento do proces- que os responsáveis pela condução do processo de S&OP normalmente acompa- so de S&OP, assim como, sua aplicação nham ativamente as operações do negócio, visando garantir, sempre que possível, em três empresas nacionais. Na segun- a aderência da execução com o planejamento assim como analisar o impacto na ca- da publicação da série, os autores dis- deia sempre que se busque aproveitar oportunidades de curto prazo. cutirão os resultados obtidos por meio Outros dois fatores importantes relacionados ao processo são seu horizonte e de uma pesquisa aplicada em âmbito ciclo de planejamento. O horizonte de planejamento normalmente varia entre três nacional em que o uso do processo de meses e três anos, já o ciclo de execução do processo de S&OP é habitualmente men- S&OP nas empresas foi detalhadamen- sal com uma rígida agenda de atividades ao longo do mês [3]. Durante seu ciclo de te mapeado. Finalmente, será dedica- execução, o processo é constituído de cinco principais fases (figura 2): prever vendas, da uma publicação para a discussão planejar vendas, planejar operações, selecionar cenário e comunicar decisões. das necessidades e tendências de ino- • Prever vendas: realizado logo no início de todo ciclo de planejamento, esse vação do processo de S&OP nos próxi- processo tem como objetivo usar ferramentas de inteligência de mercado para mos anos no cenário nacional. estatisticamente prever a demanda futura. Com o fechamento dos números70 www.revistamundologistica.com.br
  • 5. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil do mês anterior (volume de ven- das e faturamento), esses são então atualizados aos dados históricos, fato que permite a utilização de modelos matemáticos para rever a tendência das demandas futuras. A seleção do modelo matemático mais adequado para cada unidade de previsão (produto, família de produto, cliente, mercado etc.) é su- portada pela análise da acurácia das previsões anteriores assim como as suas possíveis causas-raízes de des- Figura 2. Processo de S&OP: subprocessos, principais resultados e reuniões. vio. Conclusivamente, o principal resultado desse subprocesso é a que o plano de vendas apresentado é também chamado de plano irrestrito de previsão estatística da demanda fu- demanda pelo fato que a exeqüibilidade deste por parte da cadeia ainda não tura que servirá de base para o time foi avaliada. comercial planejar as vendas para • Planejar operações: o plano de vendas irrestrito gerado pela equipe comercial os próximos períodos. é analisado nesse subprocesso em termos de viabilidade operacional. Análises• Planejar vendas: em posse da das capacidades restritivas de produção, suprimentos, armazenagem e entre- previsão estatística sugerida por gas fazem com que eventuais desbalanceamentos entre demanda e operações modelos matemáticos, o time sejam identificados. Tais desbalanceamentos despertam a necessidade para comercial da empresa é responsável que possíveis cenários de planejamento sejam então definidos. Por exemplo, por prever a demanda de produtos caso a demanda irrestrita supere a capacidade produtiva atualmente existen- e serviços para o próximo período te, cenários em que eventuais reduções no nível de demanda ou aumento da de planejamento. Nesse momento, capacidade produtiva (horas extras, otimização de lotes de produção, subcon- vendedores e gerentes comerciais tratações etc.) devem ser gerados. Os cenários de planejamento são posterior- são responsáveis por ajustar a mente valorizados em termos de faturamento e resultado financeiro operacio- previsão existente com informações nal, como, por exemplo, lucro líquido sobre faturamento, EVA (Economic Value advindas do mercado (ajustes de Added), EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortiza- preços, ações de concorrentes tion), entre outros. Tais cenários, com suas visões integradas de demanda, ope- etc.). Nessa fase, também é rações e resultados financeiros, constituem o principal resultado dessa fase do discutido o planejamento de processo. ações e eventos de incentivos a • Selecionar cenário de planejamento: em posse de possíveis cenários de aten- demanda (promoções) assim como dimento da demanda, dois níveis de tomada de decisão são sucessivamente entrada e retirada de produtos e aplicados. No primeiro, a reunião de pré-S&OP reúne os principais gerentes e serviços do portfólio da empresa. pessoas-chave das áreas, como vendas, manufatura, suprimentos, logística e Normalmente, o planejamento da finanças, para discutir a exeqüibilidade dos cenários gerados. O principal re- demanda acontecesse de forma sultado da reunião de pré-S&OP é a seleção de um ou mais cenários que serão construtiva na equipe comercial, na levados à reunião executiva de S&OP para as decisões e aprovações finais. Na qual inicialmente o planejamento reunião executiva de S&OP, a diretoria e a alta gerência da empresa discutem é feito em níveis mais detalhados as restrições e alternativas de atendimento apresentadas com relação as atu- (mercados, canais, regiões e ais estratégias da empresa, tomando as decisões necessárias para viabilizar a clientes) e sucessivas consolidações execução do cenário de planejamento escolhido. Dessa forma, o cenário de e validações são então elaboradas. planejamento integrado e as decisões tomadas na reunião executiva de S&OP O resultado final do subprocesso constituem os principais resultados desta etapa. de planejamento de vendas é um • Comunicar decisões: as alternativas de utilização das capacidades e de forne- plano definido em consenso entre cimentos críticos, os volumes de vendas e produção, assim como outras deci- o time comercial. Cabe ressaltar sões relativas à operação tomadas na reunião de S&OP são comunicadas por Ano 1 • edição 5 71
  • 6. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil meio da ata da reunião e do desdo- • Analista de Inventário ou Estoques: tem o papel de gerenciar todas as infor- bramento das informações dentro mações referentes a volumes e qualidade dos estoques, definir os níveis e polí- de cada uma das áreas da empresa ticas de estoques de segurança, além de preparar relatórios de itens com data por seus respectivos gerentes. O de validade próxima ao vencimento. Também é responsável pela confecção de principal resultado esperado neste análises de posicionamento dos estoques ao longo da cadeia, além de ser, em subprocesso é o alinhamento da muitos casos, responsável pelo planejamento do abastecimento das filiais e empresa com relação às decisões e centros de distribuição. Finalmente, tem a responsabilidade de monitorar os vo- ações a serem tomadas na operação lumes diários de estoque para identificar e agir sobre itens que corram risco de para os próximos meses, de acordo ruptura, negociando aumento de produção ou postergação da disponibilidade com o cenário de planejamento de- de entrega; finido na etapa anterior. • Analista de Operações: realiza a análise das restrições de capacidade da ca- Finalmente, para finalizar a carac- deia (produção, suprimentos, armazenagem e entregas) e planejamento dos terização do processo de S&OP, vale volumes macros de produção. Muitas vezes, cabe a ele também a consolidação ressaltar que o seu caráter multidis- das informações e preparação dos cenários de planejamento para a reunião de ciplinar requer que um time seja res- S&OP; ponsável pela coordenação de suas • Analista de Indicadores: tem a missão de estruturar a coleta de dados para atividades. Esse time é normalmente composto pelos seguintes papéis que cálculo dos indicadores de desempenho da cadeia. Suporta o time de S&OP e podem eventualmente ser combina- as demais áreas envolvidas no processo com as informações necessárias sobre dos em algumas organizações: o desempenho do negócio. Prepara também análises sobre o desempenho do • Gerente ou Líder do Processo: processo para serem apresentadas nas reuniões de S&OP (pré e executiva). cabe a ele coordenar as atividades do time de S&OP, distribuindo as ati- Uso do S&OP em empresas brasileiras vidades, cobrando prazos, liderando A aplicação dos conceitos e práticas do S&OP na gestão da cadeia de valor as reuniões de pré-S&OP e S&OP de empresas brasileiras tem evoluído fortemente nos últimos anos. Nessa seção, executiva assim como promovendo dá-se início a busca do atual status do uso desse processo em território nacional. a integração da equipe. Tem um pa- Para isso, são relatados na seqüência três casos de implementação do processo pel-chave de integrador, negociador de S&OP em grandes empresas brasileiras. e apaziguador de interesses entre as diferentes áreas da cadeia; Caso 1. Empresa do Setor Metal-mecânico. • Analista de Demanda: tem a res- O primeiro caso consiste na implementação do S&OP em uma empresa do ponsabilidade de coordenar as setor metal-mecânico, multinacional com sede no Brasil e líder mundial em etapas de prever e planejar ven- seu mercado de atuação. Para retratar o tamanho da companhia, vale ressal- das, monitorando os indicadores tar que esta encerrou o ano de 2007 com um faturamento de 1,2 bilhões de de erro da previsão e utilizando-se dólares e com aproximadamente 10 mil funcionários diretos espalhados por de ferramentas estatísticas para três continentes. geração dos números de base do Em resumo, os principais desafios que motivaram a corporação a imple- mentar o processo de S&OP foram: planejamento de vendas. Também conduz reuniões sobre diretrizes • a empresa não tinha um processo de planejamento e análise das operações estratégicas de mercado com as que considerasse toda a cadeia global, ou seja, a visão por unidades de ne- áreas de Marketing, Vendas e De- gócio era predominante. Tal visão fazia com que decisões tomadas nas uni- senvolvimento de Produtos para o dades de negócio habitualmente conflitassem com políticas corporativas; alinhamento das iniciativas de estí- • a inexistência de um modelo de gestão balizado por indicadores de desem- mulo da demanda com a inserção penho; e retirada de produtos do portfólio • o alto crescimento da demanda nos últimos anos; da empresa. Adicionalmente, lidera • o restrito conhecimento sobre os níveis de serviço exigido pelos clientes as reuniões de consenso da equipe e, conseqüentemente, seus respectivos impactos no dimensionamento de comercial em que são definidos os estoques de produtos finais; volumes finais do plano de vendas • os constantes atrasos nas entregas e o conseqüente uso de fretes aéreos irrestrito; para atendimento expresso às linhas de montagens dos clientes globais;72 www.revistamundologistica.com.br
  • 7. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil• as freqüentes ocorrências de falta • Melhoria do OTIF (On Time In Full) – Houve uma melhora de 30% para 60% de de matéria-prima; entregas OTIF. O OTIF consiste no percentual de pedidos que foi entregue na sua• a indefinição sobre a melhor estra- quantidade total e na data requisitada pelo cliente; tégia de manufatura para atender • Redução do lead time de entrega – Houve uma redução de 33 para 17 dias no à demanda (por estoque ou tam- lead time médio de entrega. Este lead time consiste no tempo, em dias, desde a bém denominada de MTS (Make- entrada do pedido até sua entrega no cliente. to-Stock) ou por ordem (MTO – Make-to-Order)). Caso 2. Empresa do Setor Alimentício. Dessa forma, como objetivos cen- O segundo caso aqui apresentado consiste na implementação do S&OP em umatrais da estruturação do processo de empresa nacional do setor alimentício, que tem forte presença nos mercados de fari-S&OP buscava-se: nhas para alimentação infantil e tabletes para alimentação nutricional. A empresa ob-• melhorar o EVA (Economic Value teve no ano de 2007 um faturamento anual bruto da ordem de R$ 260 milhões e pro- Added) da companhia; porciona cerca de 1.100 empregos diretos considerando suas duas unidades fabris.• melhorar o nível de serviço presta- A seguir, são listados os principais desafios de negócio que levaram a empresa a do aos clientes; implementar o processo de S&OP:• promover maior integração entre • Mudança do perfil do negócio nos anos 90. A empresa mudou seu foco do seg- os planejamentos de vendas, ma- mento institucional, no qual tinha o governo federal como principal cliente, para nufatura e materiais; o varejo, passando a atender desde grandes redes supermercadistas até estabe-• promover maior integração entre lecimentos comerciais menores em todo território nacional, além de países na as decisões dos níveis estratégico e América Latina, África e Ásia; operacional; • Projeção de continuidade do elevado crescimento anual, com aumento dos volu-• definir políticas de estoque para mes e do portfólio de produtos para se tornar mais competitiva. Isso resultou em produtos acabados; um grande aumento na complexidade da gestão das operações da empresa;• definir indicadores para análise • Expectativas de nível de serviço crescente. A necessidade de equalizar estoques corporativa das operações; para evitar rupturas e prover melhor atendimento aos clientes (sobretudo das• dar maior visibilidade das opera- grandes redes) se tornou vital para o crescimento do negócio; ções para suportar a tomada de • Estruturar e focar no planejamento tático, proporcionando maior estabilidade das decisão. operações e reduzindo o excesso de decisões de curto prazo. Havia uma carência Passados dois anos da implemen- de processos e ferramentas estruturadas para suportar o planejamento tático dastação, além de ganhos intangíveis operações e proporcionar um aumento na produtividade do trabalho.como a melhora na comunicação en- Dessa forma, para suportar o alcance de tais necessidades de negócio, a es-tre as diversas áreas da empresa, im- truturação do S&OP tinha como objetivos centrais:portantes resultados financeiros e de • estruturar um modelo de gestão para o Supply Chain da empresa, com o objetivomelhoria do desempenho da cadeia de suportar seu crescimento;foram atingidos, entre eles: • melhorar a integração dos planos táticos das principais áreas da empresa proven-• Liberação de capital de giro de- do dessa forma uma melhor visibilidade para toda a organização; vido à redução nos níveis de es- • melhor compreender os fatores responsáveis pela variabilidade da demanda as- toque de produto acabado – As sim como seus impactos no planejamento das operações; reduções dos níveis globais de esto- • reduzir as variabilidades e promover um melhor conhecimento do plano de su- ques proporcionadas pelo processo primentos para as demais áreas pelo fato deste ser um elemento crítico para o atingiram a grandeza de USD 60 mi- desempenho da cadeia. lhões no período de um ano e meio Pelo fato de ser uma implantação recente, realizada durante o segundo semestre após a implementação do S&OP; de 2007, seus resultados obtidos ainda são predominantemente de estruturação da• Melhoria no nível de serviço – Hou- gestão, de integração e alinhamento das informações e decisões da cadeia, como, ve uma melhora de 55% para 88% por exemplo, a melhora no nível de serviço por meio da redução de pendências de no nível de serviço proporcionado fim de mês; a padronização dos processos de previsão de vendas e melhor entendi- aos clientes. O nível de serviço con- mento de seu comportamento; a visibilidade do desempenho da cadeia por meio dos indicadores de SCM e de um painel diário das informações das operações; assim siste no percentual de pedidos que como o alinhamento de papéis e responsabilidades para gestão da cadeia. foi entregue na sua quantidade total e até a data requisitada pelo cliente; Contudo, adicionalmente a tais resultados intangíveis, algumas tendências de Ano 1 • edição 5 73
  • 8. Melhores Práticas • O retrato do processo de Sales & Operations Planning (S&OP) no Brasil melhoria nos resultados de negócio já todo Brasil; conseguem ser atribuídas ao S&OP, en- • garantir a integração no planejamento de suas várias unidades de negócio tre elas: que contavam na época com 14 unidades produtivas localizadas em diversos • aumento de quatro pontos percen- Estados nacionais, além dos 16 centros de distribuição já mencionados; tuais no OTIF; • Aumentar o controle do desempenho dos processos operacionais e de plane- • aumento de seis pontos percentuais jamento em toda cadeia de valor. na acurácia da previsão de demanda Com a implementação ocorrendo entre os anos de 2004 e 2006, os principais nos primeiros três meses após a es- resultados de negócio atrelados à existência do processo no modelo de gestão tabilização do processo; da companhia são: • redução de 30% no tempo médio de • aumento do giro de estoque de produtos finais em 40% para o mercado do- atendimento dos pedidos. méstico; • aumento em 40% no OTIF para atendimento ao mercado externo; Caso 3. Empresa do Setor Alimentício. • diminuição de perdas por validade de produto em 21%; • suporte ao crescimento de 26% do volume de vendas no mercado interno. O terceiro caso apresentado trata- se da implementação do S&OP em ou- Além desses ganhos, o processo proporcionou também uma melhor visibili- tra grande empresa nacional do setor dade das operações e melhor integração entre as áreas para tomada de decisão. alimentício, que atua no segmento de carnes e alimentos industrializados. Considerações finais Com faturamento no ano de 2007 por volta dos R$ 7,8 bilhões e geração de As discussões acima conduzidas abrem uma seqüência de debates sobre a cerca de 40 mil empregos diretos, a utilização do processo de S&OP em território nacional. Processo este que vem empresa enfrentava na época do pro- recebendo abundante atenção das comunidades empresariais e acadêmicas nos jeto o desafio de continuar crescendo últimos anos. rapidamente e de forma sustentável. O relato dos três casos apresentados sugere que as empresas nacionais tam- Dessa maneira, a inserção do processo bém vêm alcançando expressivos retornos operacionais e financeiros com a inser- de S&OP em seu modelo de negócio ção do processo de S&OP em seus modelos de negócio. Todavia, o caráter restrito almejava os seguintes objetivos: da descrição de casos conduz a necessidade de uma pesquisa mais abrangente que proponha medir a situação do processo em âmbito nacional. Nesse sentido, • obter melhores decisões de alo- uma pesquisa sobre o atual status do uso do processo de S&OP em território bra- cação de volume de produtos nos sileiro foi realizada por meio de uma parceria entre a Axia Consulting e a empresa diferentes mercados. Dessa forma, Ciclo Desenvolvimento. Essa pesquisa analisou 90 empresas de diversos setores e com as operações da empresa for- posição na cadeia de valor (varejistas, atacadistas, distribuidores, OEM, fornecedo- res etc.). O resultado dessa pesquisa é o foco da próxima publicação da série. temente “empurradas” pela cadeia agropecuária (que dita a disponi- bilidade de insumos), o desafio es- : : Referências tava em prever a demanda futura [1] Muzumdar, M. & Fontanella, J. (2006), “The Secrets to S&OP Sucess”, Supply Chain Manage- existente de forma a determinar ment Review, Vol. 10, Nº. 3, pg. 34. eventuais escassezes ou abundân- [2] Radjou, Navi (2004), “A New Way to Balance Demand & Supply”, Supply Chain Management cias de produtos nos mercados Review, Vol. 8, Nº. 5, pg. 26. [3] Grimson, J.A. & Pyke, D.F. (2007), “Sales and Operations Planning: an exploratory study and interno e externo. Tal visibilidade framework”, The International Journal of Logistics Management, Vol. 18, Nº. 3, pp. 322- possibilitaria que os executivos pu- 346. dessem tomar melhores decisões [4] Porier, C.C. & Quinn, F.J. (2006), “CSC-SCMR Survey says: Solid Gains”, Supply Chain Manage- de alocação de produtos para cada ment Review, Vol. 10, Nº. 1, pg. 34. mercado baseados em análises de [5] Poirier, C.C. & Quinn, F.J. (2003), “A Survey of Supply Chain Progress”, Supply Chain Manage- ment Review, Vol. 7, Nº. 5, pp. 40-48. rentabilidade de médio prazo; [6] Poirier, C.C. & Quinn, F.J. (2004), “How are we doing? A Survey of Supply Chain Progress”, • definir níveis de serviços aos clien- Supply Chain Management Review, Vol. 8, Nº. 8, pp. 24-31. tes e conseqüente políticas de es- [7] Aberdeen Group (2007), “Executive Sales and Operations Planning: Process and Technology toque de produtos finais; Strategies”, June 2007. • otimizar o processo de movimen- [8] APICS (2005), “APICS Dictionary”. Dicionário APICS. tação de produtos para os 16 cen- [9] Ventana Research (2006), “Sales and Operations Planning – Measuring Maturity and Oppor- tunity for Operational Performance Management”, Research Report Ventana Research. tros de distribuição existentes em74 www.revistamundologistica.com.br

×