Design e Experiência De Marca

3,546 views
3,393 views

Published on

No contexto das palestras Design+ organizadas pela Escola de Design Unisinos, o escritório Sceno Design (Roberto Bastos, Gabriel Gallina e Fernando Franco) apresenta a contribuição do Design para construir a experiência de marca.
Os ambientes são interpretados como mídias estratégicas para o desenvolvimento de significados para as marcas, em particular através das ferramentas do design gráfico e do design management.
A Escola de Design Unisinos está evoluindo estas temáticas com atenção, ofertando cursos específicos nos níveis de especialização e extensão universitária.

Published in: Design, Business

Design e Experiência De Marca

  1. 1. Design e experiência de marca: os ambientes como mídias estratégicas para construção de significados para as marcas. SCENO Environmental Graphic Design Design+ ESCOLA DE DESIGN UNISINOS Dezembro de 2009
  2. 2. Design+Marca+Ambiente SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  3. 3. Design SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  4. 4. médico > saúde arquiteto > construção contador > dinheiro verdureiro > comida SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  5. 5. designer > ? SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  6. 6. “Design is everywhere - and that's why looking for a definition may not help you grasp what it is.” SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  7. 7. Antecedentes SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  8. 8. Espanha, final do século XVIII 1775, inaugura em Barcelona a primeira Escola gratuita de Disseny. 1783, são criadas as Escuelas de Diseño de Madrid, Zaragoza y Tàrrega (Lleida). 1786, a de Girona. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  9. 9. Naquela época não só existiam na Espanha productos diseñados, como também a noção e a prática do design e Escolas nas quais se ensinava design gráfico. O DESIGN foi causa e efeito, ao mesmo tempo, do processo de industrialização na Catalunya e na Espanha. J. M. Garrut - Breve historia de la “Escola de Llotja”, publicada con motivo del 2º Centenario de la Escola de Llotja de Barcelona, en 1976. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  10. 10. A “Real Junta Particular de Comercio” declarou que esta iniciativa tinha como objetivo “formar buenos dibujantes proyectistas, auxiliares de las manufacturas de estampados en algodón y seda, que atendiendo a las necesidades de la industria y la conveniencia del comercio, permitiesen mejorar su calidad y extender su producción en competencia con el extranjero.” Nesta declaração podemos ver claramente reconhecidas três idéias essenciais: SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  11. 11. • a idéia de projetista e de projeto já era perfeitamente entendida naquela época como a substancia do design; • a idéia de design para a indústria era implícita pois esta disciplina nasceu com os problemas estabelecidos pela produção industrial; • e a idéia de design como um meio para melhorar a qualidade dos produtos e reforçar a competitividade das empresas. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  12. 12. Alemanha, inicio do século XX Em 1907, em plena era industrial uma grande empresa, AEG, toma uma decisão desconcertante para a época. Sem precedentes na na história do management. O diretor geral da AEG contratou duas figuras insólitas para uma pequena planta industrial. Nada menos que um designer e um sociólogo! SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  13. 13. O alemão Peter Behrens, arquiteto, desenhista industrial, grafista, tipógrafo e professor de design. E o austríaco Otto Neurath, sociólogo. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  14. 14. O que faziam um designer e um sociólogo entre operários, mecânicos, soldadores, metalúrgicos, montadores e contadores? Quem havia tomado a decisão de contratá-los respondia assim: “Os incorporei à equipe da direção da AEG para que se ocupem dos temas vitais da empresa”. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  15. 15. www.aeg.com It may seem incredible today, but there was a time when industrial production was purely functional. Artistic merit and aesthetic sense were largely irrelevant in mass-produced goods; there was little harmony between form and function. At least, that was how it was until 1907, when a certain architect was appointed Artistic Consultant to AEG. Allow us to introduce Professor Peter Behrens – a designer from Germany. Fonte: www.aeg.com SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  16. 16. Logo for AEG (Allgemeine Elektricitäts-Gesellschaft), designed by Peter Behrens, 1907. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  17. 17. Logo for AEG (Allgemeine Elektricitäts-Gesellschaft), designed by Peter Behrens, 1907. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  18. 18. Ad for AEG metallic filament light bulb. Color lithograph. 67 x 52 cm. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  19. 19. Electric Kettle, 1909. Fan (model GB1), 1908.
  20. 20. Fábrica de turbinas da AEG, 1910. Projeto de Peter Behrens. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  21. 21. Fábrica de turbinas da AEG, 1910. Projeto de Peter Behrens. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  22. 22. A mentalidade da época – início do século XX - votada à produção, era incapaz de compreender o que faziam na AEG dois diretores “improdutivos”. Porém o mais importante desta historia é que em 1908, o design e a comunicação entravam no mundo das empresas. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  23. 23. O desenho industrial SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  24. 24. BAUHAUS O Desenho Industrial se formulou inicialmente na BAUHAUS (1919-1933) arte | indústria | sociedade
  25. 25. Marcel Breuer Cartaz Cadeira Modelo No. B3 Wassily Exposição Bauhaus 1925-1927 1923
  26. 26. Fundada em 1952 por Inge Scholl, Otl Aicher, Max Bill, durou até 1968. As idéias e ideais da BAUHAUS deram origem à Hochschule für Gestaltung Ulm (Escola Superior da Forma de Ulm)
  27. 27. Sucessora da Bauhaus por seus métodos de ensino, disciplinas lecionadas, ideais políticos e por também acreditar que o design tinha um importante papel social a desempenhar. A didática da ULM: - curso comum a todas as áreas; - depois ramifica-se em duas ênfases: Produto e Comunicação. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  28. 28. Inseriu novas disciplinas como a Ergonomia, a História da Cultura e a Semiótica, que caracterizam até hoje os cursos de design. Uma outra grande inovação foi a aquisição e a aplicação ao processo projetual de um método. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  29. 29. A Escola Superior da Forma de ULM enfatizou a importância da técnica e da metodologia no Design. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  30. 30. O desenho industrial no Brasil SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  31. 31. ESDI Escola Superior de Desenho Industrial Rio de Janeiro Primeira escola de Design fundada na América Latina, em 1962 SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  32. 32. Desenho Industrial (DESIGN) é o equacionamento simultâneo de fatores ergonômicos, perceptivos, antropológicos, tecnológicos, econômicos e ecológicos no projeto dos elementos e estruturas físicas necessárias à vida, ao bem-estar, e/ou à cultura do homem. Joaquim Redig, Sobre Desenho Industrial, 1977 SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  33. 33. Design disciplines SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  34. 34. British Design Council Helping businesses become more successful, public services more efficient and designers more effective. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  35. 35. British Design Council SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  36. 36. British Design Council Types of design Product Design | Retail Design | Packaging Design Graphic Design | Ergonomics | Interaction Design Information Design | Automotive Design | Building Design | Temporary Exhibition Design | Workplace Design | Experience Design | Service Design SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  37. 37. Desenho Industrial | Design Produtos | Artefatos Gráfico | Comunicação Visual Ambientes SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  38. 38. No léxico de uma gama crescente de empresas a palavra design passou a significar a totalidade das atividades e competências que recolhem todas as informações relevantes e as transformam em um novo produto ou serviço. Lojano e Zaccai (2004, p. 99) SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  39. 39. “Good design is good business.” Tom Watson, chairman, IBM SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  40. 40. Design é uma ferramenta estratégica na construção da experiência de marca. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  41. 41. Marca SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  42. 42. “Um símbolo identificador…que distingue um produto ou companhia de seus concorrentes.” www.investor.com.br SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  43. 43. “A soma intangível de atributos de um produto: seu nome, sua embalagem e preço, sua história, sua reputação e a forma como ele é anunciada.” David Ogilvy SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  44. 44. “Marca é uma promessa.” Walter Landor SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  45. 45. Estão no nosso dia-a-dia. Consumimos, vestimos, usamos, nos relacionamos, compramos, vendemos, escolhemos, enfim... nos identificamos com as marcas. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  46. 46. Segundo estudo realizado pela empresa francesa Nomen, os nomes de marcas já respondem por 2/5 das palavras que uma pessoa conhece. Um francês com nível médio conhece cerca de 3 mil palavras e 2 mil grifes. Jornal Zero Hora, 07/09/2003. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  47. 47. The Brand Gap, Marty Neumeier. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  48. 48. The Brand Gap, Marty Neumeier. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  49. 49. The Brand Gap, Marty Neumeier. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  50. 50. Brand is a person's gut feeling about a product, service or organization. Marty Neumeier "The Brand Gap” SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  51. 51. Porque marca? 1. As pessoas tem muitas opções e pouco tempo 2. Ofertas com qualidade e características similares 3. Escolhas de compra baseadas na confiança The Brand Gap, Marty Neumeier. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  52. 52. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  53. 53. Produto Embalagem Serviço Pessoas Ambientes
  54. 54. Ambiente SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  55. 55. Os ambientes são mídias estratégicas para construção de significados para as marcas SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  56. 56. Devem inspirar e provocar os nossos cinco sentidos. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  57. 57. ENVIRONMENTAL GRAPHIC DESIGN é a disciplina do design responsável pela criação de ambientes realmente transformadores SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  58. 58. Larkin Administration Building Frank Lloyd Wright 1904 SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  59. 59. Instituto de Educação Fernando Corona 1869 SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  60. 60. SIGNALÉTICA AMBIENTAÇÃO INTERPRETAÇÃO SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  61. 61. Através da SIGNALÉTICA, ou wayfinding SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  62. 62. identifica SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  63. 63. orienta SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  64. 64. informa SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  65. 65. Através da AMBIENTAÇÃO, ou placemaking SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  66. 66. diferencia SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  67. 67. configura SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  68. 68. dá forma aos espaços SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  69. 69. INTERPRETAÇÃO, ou interpretive design SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  70. 70. comunica SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  71. 71. educa SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  72. 72. inspira SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  73. 73. Através da signalética, da ambientação e da interpretação, o EGD planeja e dá forma aos espaços, tornando-os mais legíveis e mais inspiradores. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  74. 74. Alinha o espaço tridimensional com o posicionamento de marca. Constrói identidade e, orientado pela semiótica, cria significados e valores. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  75. 75. Em uma visão sistêmica, é um instrumento complementar ao design de produto, à arquitetura, à propaganda, e ao merchandising e às demais ações de comunicação e marketing. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  76. 76. É uma das mais estratégicas ferramentas para construção de marca. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  77. 77. Define o cenário da marca. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  78. 78. Experiência SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  79. 79. MARCA EXPERIÊNCIA conjunto de apreensão ou percepções na conhecimento sobre algo mente das pessoas obtido através dos sentidos: ver, ouvir, interagir SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  80. 80. EXPERIÊNCIA DE MARCA É o que ocorre cada vez que um cliente/ consumidor vê, ouve ou interage com uma marca. SCENOENVIRONMENTAL GRAPHICDESIGN
  81. 81. SCENO é uma empresa especializada em desenvolver, a partir da orientação estratégica das marcas, sistemas de identidade e de comunicação para os ambientes. Nossa missão é construir IDENTIDADE para as organizações, através de projetos que contribuam para a acessibilidade e o bem estar das pessoas nos ambientes, valorizando aspectos culturais, estéticos, econômicos e funcionais.

×