Your SlideShare is downloading. ×
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1

5,844

Published on

A qualidade de vida nas cidades

A qualidade de vida nas cidades

Published in: Education, Technology, Real Estate
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,844
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Recuperação da qualidade urbana
  • 2. O planeamento O planeamento procura prevenir e resolver os problemas urbanos. Parte da realidade física e humana e procura gerir a utilização do espaço de forma equilibrada , de forma a criar condições de vida adequadas para a população.
  • 3.
    • Nos últimos anos assistiu-se em Portugal a uma valorização das politicas de ordenamento territorial e de desenvolvimento regional e local através de diversos instrumentos legais de gestão do território urbano
  • 4.  
  • 5. QUADRO DOS INSTRUMENTOS RELEVANTES PARA ORDENAMENTO DO TERRIOTÓRIO E AMBIENTE
    • INSTRUMENTOS DO ORDENAMENTO
    • DO TERRITÓRIO
    • PEOT
    • Planos Sectoriais
    • PROT
    • PMOT: PDM
    • PU
    • PP
    REGIONAL MUNICIPAL LOCAL
  • 6. PDM - Planos Directores Municipais
  • 7. O PDM é um instrumento de gestão territorial de nível local, que fixa as linhas gerais de ocupação do território municipal
  • 8. O PDM permite aos municípios definir a sua politica de gestão territorial, de acordo com as directrizes traçadas pelos planos nacionais e regionais de ordenamento do território
  • 9. O PDM deve estabelecer uma estrutura espacial para o território concelhio, com base na classificação dos solos , na delimitação dos perímetros urbanos e nos indicadores urbanísticos tendo em conta os objectivos do desenvolvimento O PDM tem um carácter dinâmico o que implica uma continua avaliação e definição de estratégias para responder ás novas necessidades. Tem um prazo de vigência de 10 anos
  • 10.
    • Os PDM integram os Planos de Urbanização que definem a organização espacial da parte do território municipal integrada no perímetro urbano.
  • 11. Plano de Pormenor do Alvito C.M.Lisboa Planos de Pormenor Desenvolvem e concretizam propostas de organização de qualquer área específica do concelho definindo a sua ocupação.
  • 12.
    • Além dos instrumentos legais de ordenamento do território , têm sido criados outros planos , programas e iniciativas para promoverem a valorização das cidades.
  • 13. Recuperar e revitalizar as cidades
    • Como as carências de habitação e as fracas condições de habitabilidade estão na origem de muitos problemas sociais as autarquias com o Poder Central têm desenvolvido acções no sentido de responderem as estas questões.
  • 14. REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DA CIDADE
    • A dinamização do tecido económico e social é decisiva para manter a centralidade e o seu repovoamento. É essencial para atrair população mais jovem e promover a competitividade.
  • 15. Reabilitação Urbana Intervenção em áreas degradadas para melhorar as condições físicas do património edificado, mantém-se o uso e estatuto dos residentes e actividades instaladas PRAUD – Programa de Reabilitação das áreas Urbanas Degradadas RECRIA, REHABITA e RECRIPH Apoiam financeiramente o restauro e a conservação de edifícios degradados com ocupação residencial em áreas degradadas
  • 16. REABILITAÇÂO RECRIA Regime Especial de Comparticipação na Recuperação de Imóveis Arrendados, a que se dá a designação abreviada de RECRIA, tem por vista apoiar a execução de obras de conservação e beneficiação em fogos e imóveis arrendados, em estado de degradação, mediante a concessão de uma comparticipação financeira A aplicação deste programa, traduz-se na concessão de uma comparticipação a fundo perdido pelo Estado a proprietários ou a arrendatários e municípios, estes quando se substituam àqueles na realização das obras
  • 17. REQUALIFICAÇÂO
    • A revitalização também é feita através da alteração funcional de edifícios ou espaços, devido à redistribuição da população e actividades económicas.
    Programa Polis Tem como objectivo melhorar a qualidade de vida urbana apoiando intervenções urbanísticas e ambientais
  • 18.      O  QUE  É  O  POLIS?                                     POLIS - Programa Nacional de Requalificação Urbana e Valorização Ambiental das Cidades   .  Visa melhorar a qualidade de vida nas cidades, através de intervenções nas vertentes urbanística e ambiental. Essas acções consideradas exemplares têm como objectivo melhorar a atractividade competitividade de pólos urbanos que têm um papel relevante na estruturação do Sistema Urbano Nacional.
  • 19. Quem desenvolve o POLIS ?
    • A concretização do Programa é assegurada por parcerias entre o Governo e Câmaras Municipais. É através do POLIS que as autarquias ou entidades gestoras recebem o financiamento para as intervenções candidatas.
  • 20. RENOVAÇÂO
    • Por vezes procede-se à demolição total ou parcial dos edifícios e estruturas de uma área que é ocupada com novas funções e por uma classe social mais favorecida.
  • 21.
    • As acções de renovação urbana , geralmente obedecem a um processo de planeamento urbanístico decidido pelo poder politico
    Parque das Nações
  • 22. Renovação implica realojamento
    • O Plano Especial de Realojamento PER promove a erradicação de bairros de habitação precária proporcionando aos municípios apoios para o realojamento das famílias.
  • 23. URBAN II
    • O realojamento pretende também combater a marginalidade e diminuir as situações de risco para os jovens. A iniciativa URBAN II está vocacionada para intervir em áreas criticas do ponto de vista sócio económico
  • 24. URBAN II ÁS ÁREAS DE INTERVENÇÃO , DETERMINADAS PELOS ESTADOS – MEMBROS CORRESPONDEM A ÁREAS URBANAS QUE SE ENCONTREM EM SITUAÇÃO CRITICA RELATIVAMENTE AOS SEGUINTES CRITÉRIOS: DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL;NECESSIDADE DE RECONVERSÃO;PRESENÇA DE IMIGRANTES E MINORIAS;BAIXO NÍVEL DE INSTRUÇÃO E ABANDONO ESCOLAR;CRIMINALIDADE E DELIQUÊNCIA;AMBIENTE DEGRADADO…
  • 25. Financiamento
    • O volume financeiro total da Iniciativa Comunitária Urban II é de 743,6 milhões de euros. É financiada pelo FEDER e também poderão ser obtidos empréstimos do Banco Europeu de Investimentos. Ao abrigo desta Iniciativa, Portugal obteve uma dotação financeira de 19,2 milhões de euros, para 2000-2006.
  • 26. Acções prioritárias URBAN II
    • Requalificação funcional das áreas degradadas
    • Promoção da capacidade empresarial
    • Desenvolver sistemas integrados de transportes
    • Reduzir e tratar os resíduos
  • 27. Para melhorar a qualidade de vida do espaço urbano
    • Melhorar a gestão do tráfego
    Construir parques de estacionamento na entrada da cidade. Criar interfaces adequados às necessidades especificas de cada centro urbano
  • 28. Alargar os serviços de acompanhamento de crianças .
    • Espaços de tempos livres
    • Equipamentos desportivos
    • Salas de estudo
  • 29. Desenvolver os serviços de apoio à população idosa
    • Acompanhamento domiciliário
  • 30. Aumento dos espaços verdes e construção de equipamentos colectivos
    • Pensar a cidade como espaço de qualidade
  • 31.  
  • 32. FIM Trabalho realizado por Professora Adelaide Pereira

×