• Like
Sociedades pré colonias da amazônia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Sociedades pré colonias da amazônia

  • 16,368 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
16,368
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
169
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. HISTÓRIA DO AMAZONASEsquema de estudos
    Escola Estadual Sen. Petrônio Portella – Tempo Integral - 3º Ano – Ensino Médio
    ProfºMsc. Erivonaldo Nunes de Oliveira
  • 2. SOCIEDADES PRÉ-COLONIASDA AMAZÔNIA
    O QUE SIGNIFICA “SOCIEDADES PRÉ-COLONIAIS DA AMAZÔNIA”?
    * Sociedades que viviam na região, antes da chegada dos europeus!
  • 3. |------------------1500|------------------|1822 -----------1889|
    | *Período Pré- | *Período | *Período
    | Colonial. | Colonial. | Monárquico
    1889-----------------------------------------------------------2011
    Período Republicano
    Linha do tempo
  • 4. O INÍCIO DA ARQUEOLOGIA NA AMAZÔNIA:
    *A descoberta do Homem da Lagoa Santa, em Minas Gerais, entre os anos de 1834 e 1844, por L. W. Lund.
    *Desde o século XIX os arqueólogos encontraram evidências materiais da ocupação humana na Amazônia!
    *Sítios arqueológicos de 10.000 e 4.000 a.C.
    O início da arqueologia da Amazônia
  • 5. Pesquisas – Século XX
  • 6. Pesquisas – Século XX
  • 7. Segundo Eduardo Góes Neves: “não existe um quadro consensual básico da pré-história da Amazônia”.
    Motivos: falta de conhecimento primário sobre a arqueologia de muitas áreas da região. Isso apesar da tradição centenária das pesquisas na região!
    A opinião de Eduardo Góes Neves
  • 8. Eduardo Góes Neves
  • 9. As pesquisas de arqueólogos, como:
    *André Prous;
    *Anna Roosevelt;
    *Pedro Ignácio Schmitz;
    *Eduardo Góes Neves e outros...
    As contribuições atuais
  • 10. Segundo Eduardo Góes Neves: o sistema de periodização da pré-história da Amazôniase diferencia da do Velho Mundo e do restante da América. Vejamos:
    *VELHO MUNDO | AMÉRICA | AMAZÔNIA
    -Paleolítico -Paleoíndio -Paleoindígena
    -Mesolítico -Arcaíco -Arcaíco
    -Idade da -Formativo -Pré-História
    Pedra Tardia
    As fases da pré-história da Amazônia
  • 11. |11.200 a.C---------------10.900-----------------8.500 a.C.|
    *Fase Paleoindígena: segundo, Anna Roosevelt a ocupação humana na Amazônia ocorreu nesse período.
    CARACTERÍSTICAS:
    *A população da cultura paleoindígena era pouco numerosa;
    *Dispersa;
    *Nômade;
    *Organizada socialmente em bando.
    Fase Paleoindígena
  • 12. A pesquisadora na Amazônia.
    Anna Roosevelt
  • 13. As populações paleoindígenasda América do Norte davam ênfase à caça da chamada megafauna:
    *Mastodonte; bisontes, cavalos e elefantes antigos; preguiças e tatus gigantes e antas.
    *As populações paleoindígenas da América do Sul davam ênfase à coleta de moluscos, de plantas e à caça de animais de pequeno porte.
    A dieta alimentar na fase Paleoindígena
  • 14. |7.500 a.C.----------------------------------- 1.000 a.C.------
    *Fase Arcaica.
    Obs: data deste período a cerâmica marajoara!
    *De acordo com o arqueólogo PEDRO IGNÁCIO SCHMITZ a cultura dessa fase seria mais diversificada que a da Fase Paleoíndígena.
    *A experimentação e o conhecimento acumulado levariam à domesticação de plantas e de animais.
    Fase Arcaica
  • 15. |----------1.000 a.C.---------------------- 1.000 d.C.---------
    *Pré-História Tardia.
    *Esta fase é caracterizada pelo surgimento de sociedades indígenas com grau de complexidade: os chamados CACICADOS COMPLEXOS DA AMAZÔNIA.
    -Na economia, na demografia e nas suas organizações políticas e sociais.
    Fase da Pré-História Tardia
  • 16. “Quando Cristóvão Colombo aportou na América, mais precisamente nas Antilhas, encontrou-a densamente ocupada por uma população de língua arawak conhecida como Taino. Esse povo, que seria dizimado em poucas décadas por epidemias e maus tratos, denominava seus chefes kasiktermo a partir do qual os espanhóis criaram o neologismo cacicazgo para designar uma província subordinada a um “cacique (...)”.
    O que é Cacicados?
  • 17. “(...) Portanto, cacicado é a rigor o sistema político taino. A palavra inglesa para cacicado é chiefdom e foi utilizada pela primeira vez com categoria tipológica em 1955, por KalervoOberg, em um artigo sobre tipos de estrutura social na América do Sul e Central”.
    FAUSTO, Carlos. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2000. p. 36.
    Obs: as palavras em destaque com grifos são de nossas responsabilidades!
    Cacicado...
  • 18. *Eram sociedades que tinham domínios culturais tão grandes ou até mesmo maiores que os de muitos Estados pré-industriais do Velho Mundo.
    *Discordâncias acerca da ideia da existência de cacicados complexos na Amazônia:
    -Denise Maria C. Gomes: “devido ao estágio de investigação científica, não existem evidências conclusivas quanto à ocorrência dos cacicados na Amazônia”.
    Cacicados Complexos
  • 19. “não há porque negar a existência de cacicados sul-americanos (...), tampouco o papel da Conquista em sua desarticulação. Porém, sugerimos que não se proceda com tanta pressa na interpretação das evidências arqueológicas e das fontes históricas, para não se cometer certas imprudências e simplificações, nem se disseminem ideias gerais pouco precisas sobre essas sociedades”.
    (Fausto. In: Cunha, 1992, p.388).
    A opinião de Carlos Fausto(1992)
  • 20. As economia dessas sociedades:
    *Agricultura com produção em larga escala.
    *Para garantir maior produtividade: obras de terraplanagem para o controle das águas, dos campos agrícolas, “das habitações, dos transportes e da defesa”.
    *Viveiros de quelônios.
    *Represas de pesca.
    Cacicados complexos da Amazônia
  • 21. Como a Amazônia era vista até bem pouco tempo:
    -Uma região portadora de um meio ambiente pobre e incapaz de sustentar uma densa população humana.
    -Todos os vestígios de “civilização” encontrados na região teriam sido trazidos de ambientes mais favoráveis.
    -As mais antigas culturas complexas conhecidas do continente sul-americano se desenvolveram nas áreas andinas por volta de 2.500 a.C. a 1.000 a.C., e que esses tipos de culturas só surgiram na Amazônia, em torno do primeiro milênio a. C..
    Dos Andes para a Amazônia ou o contrário?
  • 22. A cerâmica mais antiga:
    -De Valdívia (Equador) – Datação: 3.200 a.C.
    -De Puerto Hormiga(Venezuela) – Datação: 3.090 a.C.
    **A opinião da arqueóloga norte-americana, BettyMeggers: comparações entre a cerâmica de Valdívia e a do Japão: a cerâmica de Valdívia é resultado de uma introdução transpacífica.
    Cerâmica mais antiga da América.
  • 23. **Anna Roosevelt: uma nova visão sobre a pré-história da Amazônia começa a emergir das novas pesquisas e da reavaliação das anteriores.
    **Começa a ser desfeita a ideia de que a Amazônia seria um ambiente pobre para o homem, um falso paraíso que inibiu o crescimento populacional e o desenvolvimento cultural.
    Uma nova visão sobre a pré-história da Amazônia
  • 24.
  • 25. Motivos da extinção dos cacicados complexos da Amazônia:
    **O processo de colonização europeia, ou seja, a chegada dos europeus na América.
    **Em nome da “civilização cristã” e uma intensa busca de poder e riqueza material, os europeus destruíram os cacicados amazônicos!
    Extinção dos cacicados
  • 26. Extinção dos cacicados amazônicos.
    Os índios sobreviventes: estes se internaram na floresta e formaram aldeias independentes!
    Do ponto de vista cultural: parece ter havido um retorno aos padrões que antecederam ao surgimento dos cacicados.
    Consequências da Colonização
  • 27. SANTOS, Francisco Jorge dos. História do Amazonas. 3ª Série – Ensino Médio. 1ª edição. Editora Ática. São Paulo, 2007. Capítulo 01: pp. 11-28.
    Bibliografia