• Save
História do Design Impresso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

História do Design Impresso

on

  • 12,395 views

Seminário da disciplina BIB02019 - Mídia Impressa, do curso de Comunicação Social - Relações Públicas da UFRGS

Seminário da disciplina BIB02019 - Mídia Impressa, do curso de Comunicação Social - Relações Públicas da UFRGS

Statistics

Views

Total Views
12,395
Views on SlideShare
12,287
Embed Views
108

Actions

Likes
27
Downloads
0
Comments
1

3 Embeds 108

http://www.slideshare.net 105
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://static.slidesharecdn.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • mt bom !
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    História do Design Impresso História do Design Impresso Presentation Transcript

    •  
    • O Pôster Artístico
      • Paris, séc. XIX
      • Tipografia
      • Tipologia
      • Xilografia
      • Litografia
      • Cromolitografia
      “ Bolhas” , Sir John Millais
    • O Pôster Artístico La Löie Fuller , 1893 Quinquina Dubonnet , 1896
    • O Pôster Artístico Pierre Bonnard La Revue Blanche , 1894
    • O Pôster Artístico
      • Toulouse-Lautrec
      Astride Bruant em seu cabaré , 1893 Moulin Rouge: La Goulue, 1898
    • O Pôster Artístico
      • Eduard Vuillard
      Bécane: tônico restaurador aperitivo de extrato de carne , 1890
    • O Pôster Artístico
      • Alphonse Mucha
      Job , 1898 Job , 1896
    • O Pôster Artístico
      • Lonetto Capiello
      Thermogène aquece você , 1909 Eschenauer Bordeaux , 1907
    • O Pôster Artístico
      • Leopoldo Metlicovitz
      Extrato de carne Liebig , 1894 Fleurs de Mousse , 1897
    • O Pôster Artístico
      • Thomas Theodore Heine
      Simplissimus , 1896 Simplissimus , 1900 Simplissimus, 1931
    • O Pôster Artístico
      • Will Bradley
      The Chap-Book , 1895 O pôster moderno , 1895
    • O Pôster Artístico
      • William Morris
    • O Pôster Artístico
      • Aubrey Beardsley
      Avenue Theatre , 1894
    • O Pôster Artístico
      • Begarstaffs
      • William Nicholson & James Pryde
      Hamlet , 1894 Rowntree’s Elect Cocoa , 1895
    • O começo do Design na Europa William Morris - Produção de livros com bordas e ilustrações em xilogravuras.
      • Em Viena as letras do alfabeto foram estilizadas e sofreram distorções,estilo criticado por Rudolf von Larisch em Decorative Type in the Service of Art (livro).
      • Egon Schiele e Oskar Kokoschka: destaques da primeira fase do expressionismo que tem como característica a intercambialidade entre figura e fundo encontrados nas letras de Lariscn. Mais tarde esse se tornaria um princípio do ensino básico de design gráfico.
      • Na virada do século os designers incorporaram as lições da Escola de Artes e Ofícios e prenunciaram os movimentos de vanguarda na área de design que surgiram após a Primeira Guerra mundial.
      • Koloman Moser criava designs para notas promissórias bancárias e selos de correio. Os primeiros selos a utilizar fotografias foram os da Bósnia- Herzegovina em 1906.
      • Com a parceria de revistas e marcas famosas, houve um grande interesse por parte dos diretores de grandes empresas alemãs em fazer uso da imagem corporativa.
      • Depois da Primeira Guerra Mundial o movimento vanguardista impulsionou o design gráfico. Começou-se a reproduzir designs de poster em formas de cartazes e anúncios esmaltados, eram também copiados em fitas perfuradas, como selos postais e adaptados para embalagens.
      • Do começo do século até a Primeira Guerra desenvolveu-se um novo estilo de se fazer anúncios. Nos pôsteres usava-se apenas a imagem do objeto anunciado e a marca do produto como texto, estilo esse, conhecido como Sachplakat cujo designer de maior destaque foi Lucian Bernhard.
    • Guerra e Propaganda: de 1914 à década de 20 x
    • Patriotismo
    • Persuasão aos cidadãos para empréstimo de dinheiro Troféu A importância e grande utilização dos elementos e das características de design gráfico surgiram não apenas nos pôsteres, mas também na própria guerra pela grande utilização dos sistemas de signos para organizar e identificar suas equipes e seus suprimentos.
    • O futurismo e a Itália Foi na Itália que o futurismo irrompeu como um vendaval, detonador de uma série de idéias anarquistas na arte e na vida e contra o classicismo rigoroso imposto pelas academias oficiais de arte de Roma.
    • Manifesto futurista “ (...)Queremos destruir os museus, as bibliotecas e as academias de todas as espécies, e combater o moralismo, o feminismo e todas as torpezas oportunistas e utilitárias. Cantaremos as grandes multidões excitadas pelo trabalho, o prazer ou os motins, as marés multicoloridas e de milhares de vozes da revolução em capitais modernas.(...)” Fillipo Tomaso Marinetti(1876-1944) O primeiro manifesto futurista foi publicado em 20 de fevereiro de 1909 na primeira página do jornal “Le Figaro”
    •  
      • Chocar o público era parte do programa futurista
      • Seus membros rejeitavam o moralismo e o passado
      • Suas obras tratavam da velocidade e do desenvolvimento tecnológico do final do século XIX
      • O artista futurista não está interessado em pintar um automóvel, mas captar a forma plástica a velocidade descrita por ele no espaço.
    • Grupo futurista: Carrà, Russolo, Marinetti, Boccioni e Severini
    •  
    • A Rússia Soviética
      • O Design se desenvolveu na Rússia, junto com o cinema, nos anos que se seguiram a Revolução de 1917.
      • A Rússia tinha uma poderosa tradição visual, expressa através dos ícones lubok
      • Nos primeiros anos da Revolução, os pôsteres tornaram-se oradores públicos.
      • Podem-se distinguir claramente três tipos de design de pôster.
      • Destaques: Viktor Deni, D.S Moor
    • Viktor Deni Capital (1919) Dmitri Moor Morte ao Imperialismo Mundial (1919)
      • Muitos dos pôsteres de Moor e Deni utilizavam o preto e o vermelho.
      • Pôsteres em xilogravura, assumiram nova forma como “Janela Rosta”.
      • Destaque: Vladimir Maiakóvski
      • Pôsteres que prenunciavam o amadurecimento do design gráfico soviético.
      • Destaque: Design criado por Telingater, em 1934.
      • Revista Mensal URSS em construção
    • Design criado por Telingater (1934) para o livro De Ilya Feinberg “ 1914-i ” (o ano de 1914) Capa de uma revista “URSS em construção” de 1933
      • Designers soviéticos também se dedicavam a criação de bandeiras e decorações para as paradas de rua.
      • Lissitzki
      • Destaque do Design gráfico soviético
    • “ Derrote os brancos com a cunha vermelha” El Lissitzki (1920)
    • As origens do Modernismo: Alemanha
      • Apesar da situação de caos político, econômico e social vivida pela Alemanha após a Primeira Guerra Mundial, o país foi palco da emergência do design gráfico como parte da sociedade moderna: em pôsteres, letreiros, folhetos publicitários...
    • Movimentos artísticos em destaque após a Primeira Guerra Mundial
      • Expressionismo: ilustração agressiva e cheia de contrastes, combinada com letras desenhadas livremente ou com tipos pesados.
      • 2. Dadaísmo: utilização de montagens, misturando imagens prontas e variadas letras e ornamentos.
      Movimentos artísticos em destaque após a Primeira Guerra Mundial
    • Bauhaus
      • Famosa escola de artes e ofícios fundada em Weimar, em 1919.
      • O símbolo, o perfil geométrico de uma cabeça, adotado a partir de 1924, podia ser reproduzido de maneiras simples – usando apenas “fios” de impressão.
      • Esses fios se tornaram a marca registrada da tipografia Bauhaus.
    • Bauhaus
      • Princípios elementares de Tschichold:
      • Tipografia moldada por necessidades funcionais;
      • O objetivo do layout tipográfico é a comunicação clara e concisa – rejeição de ornamentos;
      • Organização interna (conteúdo ordenado) e externa (material tipográfico adequado).
      • Importância da fotografia, dos tipos sem serifa e das áreas em branco.
    •  
      • Schwitters: iniciou o movimento de uma só pessoa com seu jornal Merz. Criou as letras optofonéticas (um sinal para cada som).
      • Dexel e Baumeister: resolveram o problema da caixa-alta e caixa-baixa utilizando apenas letras maiúsculas sem serifa.
    •  
      • Burchartz: Sintetiza os elementos do design gráfico moderno: imagem fotográfica com letras sem serifa, formando uma única unidade de significado.
      • A obra de Moholy Nagy - um dos pioneiros da Bauhaus - “Pintura, fotografia e filme” dizia que
      • A fotografia é apresentação visual daquilo que pode ser percebido opticamente.
      • A tipofoto é a maneira mais exata de retratar visualmente a comunicação...
      O uso da fotografia
    • O uso da fotografia
      • Heartfield valia-se de junção de imagens – ou partes de imagens - onde o resultado era refotografado e os pontos de junção, retocados.
      Idioma de Berlim
    • Com a ascensão do partido nazista ao poder...
      • A Bauhaus foi fechada, a publicidade se tornou monopólio do Estado e muitos designers progressistas perderam seus empregos, levando consigo o design gráfico para Suíça, Itália, EUA, etc.
    • As origens do Modernismo: Países Baixos
      • O design holandês era impregnado de geometria.
      • Berlage: geometria não apenas útil, como necessária ao design.
    • De Stijl – O Estilo
      • Movimento holandês de vanguarda na arte e na arquitetura;
      • Rejeitava a subjetividade da época;
      • Retangularidade, rejeição às curvas;
      • Influenciou fortemente todo o material publicitário criado para a exposição da Bauhaus em 23.
    • Cartaz criado por Van der Leck para a rota marinha Rotterdam – Londres
    • Piet Zwart
      • Composição livre e alegre, em estilo dadaísta, com material exclusivamente topográfico;
    • Piet Zwart
      • 2. Ângulos e círculos
    • Piet Zwart
      • 3. Fotogramas
    • Cartazes e selos de Zwart para a PTT (companhia de correio, telégrafo e telefonia)
      • Assim, foi “graças à iluminada tradição de designs criativos nos serviços públicos, levada adianta pelos discípulos de Zwart, Schuitema e Kiljan, que os Países Baixos mantiveram sua importância na história do design gráfico. (Hollis, 2000, p. 76)
    • Suíça
      • Ferdinand HODLER
      • Elimina a perspectiva
      • Bidimensionalidade
      • Expressionismo
    •  
      • 2) Burkhard MANGOLD
      • Uso de letras
      • Formas Geométricas
      • Ênfase na FALTA de relevo
      • 3) Hugo LAUBI
      • Precursor dos pôsteres ABSTRATOS
      4) Herbert MATTER Montagens Surrealistas Superposição de Imagens
      • 5) Anton STANKOWSKI
      • Design Gráfico Industrial
      • Clareza
      • +
      • Informações Essenciais
      • 6) Max BILL
      • Expoente da BAUHAUS
      • Teoria do FUNCIONALISMO
      • Arte Concreta
      • Rigor Matemático
      • 7) Jan TSCHICHOLD
      • Bases do RACIONALISMO
      • Assimetria
              • MARCO: REDESIGN
              • livros de bolso
      • Art Déco: predominam as linhas retas ou circulares estilizadas, as formas geométricas e o design abstrato;
      • No período entre guerras a capital francesa conservou sua imagem de modernidade graças, principalmente ao “ spetacle dans la rue ”;
      • Os pôsteres eram fruto de dois fenômenos interligados: a industrialização e a urbanização; e eram, ao mesmo tempo, qualificados como obras de arte e como meios de comunicação claros;
      França e o art déco
      • Cassandre começava seu trabalho pela palavra: “É o texto, a letra que... inspira as idéias que geram as formas plásticas.”
      • Alfred Tolmer: “Paginação: a teoria e a prática do layout”, livro publicado em 1931 e apresentava de maneira radical a nova estética gráfica francesa.
    •  
      • Wyndham LEWIS + Ezra POUND
      • VORTICISMO IMAGISMO
      • Modernismo Inglês
      Grã-Bretanha ↓ ↓
      • 2) Edward JOHNSTONS
      • The Imprint
      • Classical Roman – Cia Metrô Londre
      • 3) Eric GILL
      • Gill Sans – tipo SERIFADO
      • 4) Stanley MORISON
      • * Times New Roman
      Criação de Tipos
      • 5) Edward KAUFFER
      • Imitação das texturas alemãs
      • Palavras X Imagens
      • Variedade Gráfica
      • Falta de CLAREZA
      • Mascote da SHELL
      • 6) Tom PURVIS
      • Cores Uniformes
      • 7) Maurice BECK
      • Homem controlando a tecnologia
      • 8) Ashley HAVINDEN
      • Principal designer modernista britânico
      • Famosa Campanha da CHRYSLER
      • ASHLEY SCRIPT
    •  
      • A aproximação entre o design das revistas e das páginas de propaganda se deu por causa da dependencia econômica entre ambas. Ambas tinham título, colunas em texto e o mesmo tipo de ilustracao.
      • Com a maior dependência em relação à imagem, o diretor de arte passou a ser o responsável pela reproducão e pelo layout tanto de jornais quanto da publicidade. Essa profissão veio antes do que a de designer.
      Os Estados Unidos nos anos 30
      • 1932- O fotografo Mehemed Fehmy Agha introduziu a foto totalmente colorida na revista Vogue. Mais tarde ele traria para a revista a folha dupla quadriculada e o espelho que ajudava a colocacão precisa do layout e dispensava os esbocos à lápiz.
      • Os europeus admiravam o dinamismo da atividade comercial norte-americana enquanto que os norte-americanos admiravam a cultura e a sofisticacao européia.
      • Ele introduziu ainda técnicas de composicao no qual os textos imitavam o arranjo das fotos adjacentes, artifícios de diagramacao que uniam as páginas formando, assim, uma unidade indistinta dentro da revista.
      A justaposicao dos símbolos utilizada na revista Vanity Fair tornou-se uma praxe no design gráfico.
      • Agha era considerado um diretor de arte moderno pois utilizava fotos coloridas em suas capas.
      • Através da manipulação do diretor de arte, a foto acabou substituindo grande parte das ilustrações desenhadas.
      • A direção de arte foi uma contribuiçao especificamente americana ao design gráfico, porém esse envolvimento do diretor com a embalagem do produto deixou de existir com a utilizacao de agencias de publicidade e do gerenciamento especializado nas comanhias.
      • O primeiro design corporativo completo foi utilizado pela Container Corporation of América.
      • Só depois da Segunda Guerra é que a combinação de imagem e palavra para se transmitir uma mensagem, foi sendo aceita.
      • Houve um estímulo do chamado design de informação, muito utilizado pelas indústrias farmacêuticas com seus folhetos promocionais pelo uso
      • de tabelas, mapas e diagramas.
      • O design gráfico moderno europeu espalhou-se pelos Estados Unidos por causa da imigração para o país de muitos profissionais da área.
      • Os livros de Moholy-Nagy como The New Vision, Vision in Motion contribuíram para o surgimento de novas posturas em relação à percepcão, em um mundo dominado pela fotografia. A integração de textos, imagem e legenda influenciaram muito o design de livros e o layout de revistas.
      • Paul Rand utilizava a montagem e a colagem, combinado com recortes de papel coloridos e com desenhos de traço econômico (técnicas já utilizadas por Matisse, Picasso e Miró) e que mais tarde veio a ser reconhecido como design gráfico.
    • Guerra e Propaganda: década de 20 à 1945
      • 1939 – início da 2ª Guerra mundial
        • Design gráfico ganha importância na vida política dos países (muros cheios de pôsteres e cartazes)
        • Imagens dos líderes nas capas de jornais e nos pôsteres fez com que se tornassem ícones.
      • Pôsteres na guerra
        • Levantar a moral dos civis
        • Encorajar a produção
        • Instruir sobre como lidar com a guerra
        • Técnicas: caricaturas humorísticas, fotografias de estúdio
        • Linguagem direta
        • Imagens em preto-e-branco com algumas áreas em cores
        • Fotografia
          • Objetividade
          • Meio de protesto mais eficiente do que as ilustrações caricaturadas
          • Empregada como ilustração documental , registrando serviços sociais
          • Aerógrafo
          • Manipulação
        • Abram Games
          • Imagens fundidas e vinculadas umas as outras
          • Slogans simples
          • Imagens e slogans independentes – “As palavras especialmente precisam trabalhar juntamente com o design , e não ser uma simples reflexão acrescentada depois....Os pôsteres não devem contar uma história, mas dar um recado.”
      • Exposições - moderno meio de propaganda
        • Exposição da Revolução Fascista – Roma, 1933
        • Exposição “dê-me quatro anos” – 1937 (Hitler)
        • Exposição “Caminho para a vitória” – Nova York, 1942
        • Exposição “Rota aérea para a paz” – Nova York, 1943
        • Exposição “Orgulho de Londres” – Londres
        • Exposição “Gás venenoso” - Londres
      Com o advento das revistas os pôsteres caem em desuso como meio de publicidade. Desenvolvimento de design de informação
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Thoughts on Design , Paul Rand, 1947 Art Directors Annual , 2008
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60
      • Categorias de design impresso:
      • Revistas;
      • Jornal;
      • Publicidade em Periódicos;
      • Mala direta e Jornais de empresa;
      • Pôsteres, Anúncios, Calendários, Capas de Disco e Sobrecapas de Livros;
      • Design Editorial (revistas).
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 As novas técnicas de impressão e os novos materiais deram ao Designer maior controle sobre suas criações. Arte do século XX: Coleção Arensberg, 1948
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Capas de livros e pôsteres, Paula Rand, 1946/1968 Nova Publicidade
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Woman’s Day , 1951, Gene Federico
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 “ Sempre que uma mera recitação dos fatos for insuficiente, excessivamente demorada ou confusa para o leitor, e que uma intensa organização visual for necessária à sua exposição, temos o design como resultado. Esse design precisa ter as mesmas qualidades de uma boa prosa. Ele precisa ser lido com facilidade” Will Burtin Manual de manutenção de armas da Força Aérea , 1944/1948
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Capas da Revista Scope
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Westvaco Inspirations , 1949, Bradbury Thompson
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Catalog Design Progress, Advancing Standards of Visual Communications, 1950, Ladislav Sutnar “ Uma necessidade gráfica precisa ser analítica e radicalmente dicotomizada em função e forma, conteúdo e formato, utilidade e beleza, racional e irracional e assim por diante. A função do design pode então ser definida como a resolução do conflito entre tais dicotomias, cirando-se uma nova entidade.”
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Móveis Knoll , 1959, Herbert Matter
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Átomos para a paz , General Dynamics, 1955, Erik Nitsche
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Pôsteres de filmes, Saul Bass
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 “ No fundo da arte gráfica americana está a idéia, o conceito. Tudo mais – a fotografia, a tipografia, a ilustração e o design – está a seu serviço” Herb Lubalin
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 “ no complicado negócio de extrair mensagens de uma mente para colocar em outra (comunicação, como eles chamam), as revistas são únicas.” Henri Wolf
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 “ um trabalho planejado não serve para a parte da frente de uma revista. O design é uma harmonia de elementos. A capa é uma declaração .” George Lois
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 “ imagem corporativa é a impressão geral que uma companhia deixa no público por meio de seus produtos, políticas, ações e esforços publicitários.” William Golden Anúncio da CBS , 1962, Lou Dorsfsman
    • OS ESTADOS UNIDOS: 1945 à década de 60 Revistas mensais sobre design gráfico
    • A Suíça e o Neue Graphik
      • Estudantes reimprimiram os trabalhos mais importantes da década de 20.
      • Tschichold
        • Sustentava que esses trabalhos haviam introduzido duas noções erradas.
        • “ A assimetria não é de jeito nenhum superior à simetria; ela só é diferente. Ambos os métodos são válidos.
        • Interessado na geometria e nas proporções das páginas de um livro.
      • Karl Gerstner
        • Pintor da escola pós-construtivista suíça, a escola de artistas “concretistas” que usavam sistemas e ideias matemáticas.
        • Desenvolvia o controle da grade.
        • 1959: passou a dirigir junto com Markus Kutter uma agência publicitária na Basiléia, quando então faz experiências com as unidades básicas de tipografia.
      • Livro de Markus Kutter
    • A Suíça e o Neue Graphik
      • Siegfried Odermatt
        • Na Werk descreveu os quatro princípios que norteavam a publicidade:
          • Chamar atenção.
          • Apresentação clara e objetiva do produto, serviço ou ideia.
          • Apelo aos instintos do consumidor.
          • Ficar na memória do consumidor o item anunciado.
        • - Junto com a parceira Rosmarie Tissi, refinou o uso do espaço.
    • A Suíça e o Neue Graphik
      • Um veículo de influência mais especificamente suíço era a revista Neue Grafik.
      • Fur das Alter , pôster, 1949 [Carlos Vivarelli]
      • Um veículo de influência mais especificamente suíço era a revista Neue Grafik.
      • Muller-Brockmann começou criando ilustrações extravagantes e amaneiradas, totalmente incompatíveis com um designer comprometido com o Neue Graphik.
    • A Suíça e o Neue Graphik
      • 1957: surgiu um design sem serifa, a família de tipos conhecida como Neue Haas Grotesk, que logo foi rebatizada como Helvética.
      • Armin Hofmann
        • Junto com Ernst Keller e Alfred Willimann em Zurique, pela criação de centenas de bons logotipos e marcas suíços.
        • 1955: Leupin criou uma das mais econômicas composições de texto e imagem, combinando “manhã” e “jornal”
      • Tribune de Lausanne , pôster, 1955 [Herbet Leupin]
    • A Itália e o Estilo Milanês
      • Antonio Boggeri
        • Foi uma das forças propulsoras do movimento vanguardista na década de 30.
      • Xanti Schawinsky
        • Trouxera consigo técnicas típicas do último período da Bauhaus.
        • Vinculou a máquina de escrever à ideia de glamour sofisticado.
      • Máquina de escrever portátil da Olivetti
      • Pôster, 1934
      • Xanti Schawinsky
        • Desenhou um novo logotipo para a firma Olivetti.
      A Itália e o Estilo Milanês
      • Erberto Carboni
        • Especialista em design de exposição.
        • Trabalhos posteriores demonstraram rigoroso modernismo nos símbolos estritamente geométricos criados para a rádio e tevê italianas,
      A Itália e o Estilo Milanês
      • Televisão Italiana. Símbolo, 1953 [Erberto Carboni]
      • Max Huber
        • O primeiro de uma série de designer suíços a chegar em Milão.
        • Também criou trabalhos em áreas de design que efetivamente só foram surgir em muitos países 20 anos mais tarde.
        • O progresso de seus métodos acha-se bem ilustrado na série de pôsteres que criou para a corrida de automóveis de monza.
      A Itália e o Estilo Milanês
      • Grand Prix de Monza,
      • design de pôster, 1957 [Max Huber]
        • 1950: Começou a ajudar a loja de departamentos La Rinascente.
      A Itália e o Estilo Milanês
      • La Rinascente, design de pôster, 1950 [Max Huber]
      • Olivetti foi uma das primeiras empresas multinacionais a estabelecer um estilo corporativo padronizado, utilizado em todos os seus escritórios espalhados pelo mundo.
      • A Pirelli , fabricante internacional de pneus, visava não apenas a padronização de seus designs, mas também uma alta qualidade gráfica.
      • Franco Grignani
        • Explorou os sucessos do modernismo, especialmente a austeridade tipográfica, acrescentando a seus trabalhos elementos gráficos criativamente elaborados
      A Itália e o Estilo Milanês
        • Após esgotar as técnicas convencionais de design, Grignani começou a improvisar.
      A Itália e o Estilo Milanês
      • Alfieri & Lacroix, “símbolo de impressão rotativa...” [Franco Grignani]
      • Bruno Munari
        • Um exemplo quase único do uso de colagem em publicidade.
      A Itália e o Estilo Milanês
      • Campari, pôster, 1960 [Bruno Munari]
        • Os designer italianos adotavam um individualismo que os protegia de serem plagiados no exterior.
    • França O design gráfico francês reteve no pós-guerra muitas das características que apresentava nos anos 30. “ Uma única imagem para uma única ideia”. – Raymond Savignac Formato de letra extravagante e vistoso, típico de muitas outras letras francesas.
    • Expressão gráfica em diferentes meios Revistas Reconhecia-se agora que a fotografia tinha uma qualidade simbólica e que não era meramente o registro de um momento. Clube de livros
    • Identidade Corporativa A identidade corporativa passou a incluir a escolha meticulosa e racional dos símbolos. Os novos símbolos pertencem à era do design gráfico e não à da arte comercial; deixaram de pertencer à cultura para pertencer ao comércio. Logotipo – Loewy Renault, símbolo – Vasarely
    • Norte da Europa
      • Guerra debilitou os países do norte da Europa
      • Pôster cada vez mais usado
      • Destaques: Abram Games, Tom Eckersley, G. R. Morris, Reginal Mount, entre outros.
      • DRU – Unidade de Pesquisa de Design
      • Revista Alphabet and Image
      • Revista Typographica, designer Herbert Spencer
      GRÃ - BRETANHA
    • Abram Games – 1947 Tom Eckersley
      • Revista “Design” , publicada pelo Council of Industrial Design (Conselho de Desenho Industrial).
      • Exposição “Graphic Design London”
      • Edição de revistas: “Picutre Post” – conservadora, e “Contact” – ousada
      • Anos 60: testemunharam o lançamento e relançamento de várias revistas.
      • Design da Revista “Twen”, uma influência importante, principalmente para a revista mensal feminina “Nova”, lançada em 1965.
      • A televisão, que seria descrita como “indústria da comunicação” haviam transferido os designers dos estúdios para escritórios.
      • A Society of Industrial Artists (Sociedades de Artistas Industriais)
    • Capas da Revista – “Twen”
    • Norte da Europa
      • Com o fato de o país ter sido desvastado pela guerra, demorou cerca de uma década para que o design gráfico começasse a renascer.
      • Destaques: F. H. Ehmcke, Hans Leistikow e Max Burchartz
      • Revista Mensal Twen
      • Indústria química responsável pelo crescimento de um outro grupo de design formado na década de 60, o Graphicteam.
      • Alemanha era líder também no design de livros de capa mole.
      ALEMANHA
    • Hans Leistikow Max Burchartz
    • Norte da Europa
      • Estilo gráfico distinto
      • Reconhecida por seus pôsteres.
      • Destaque: Mieczyslaw Szczuka, Jan Lenica, Waldemar Swierzy, Julian Palka, entre outros.
      POLÔNIA
    • Mieczyslaw Szczuka Waldemar Swierzy
    • Norte da Europa
      • Designer holandês com maior influência internacional foi Willem Sandberg
      • Produziu livretes escritos a mão contendo colagens, como: “experimenta typographica”.
      • Design tipográfico: maduro, informal, improvisado.
      PAÍSES BAIXOS
    • Willem Sandberg
      • A grade (típica do design suíço) foi muito bem explorada por Wim Crouwel.
      • Primeiro grupo de design dos países baixos: Total Design.
      • Destaque: Zwart.
      • Uso de técnicas fotográficas e eletrônicas que libertaram os designers das restrições impostas pela retangularidade.
    • Wim Crouwel Total Design
      • Design gráfico (arte visual e verbal)
        • Solução para problemas de comunicação.
        • Mudança de estilo
        • Marshall McLuhab
        • Fotografia – inovação fundamental
        • Acontecimentos que influenciaram o surgimento de uma nova linguagem gráfica.
        • Estilo suíço substituído pelo gosto popular.
      Final dos anos 60
    • Cuba
      • Pôsteres anunciando eventos culturais, comícios públicos
      • e conquistas revolucionarias.
      • Designers
        • Não seguiam nenhuma estética ideológica.
        • Empregavam uma mistura de técnicas (Saul Boss, estúdios Push Pin e pôsteres tchecos e poloneses).
        • Simplicidade técnica devido a necessidades econômicas
      • Imagens simples, fotos em alto-contraste
      • Formas em cores uniformes e letras sem serifa
      • Slogans banais – Hasta la Victoria Siempre
      • Ícone – Che Guevara com sua boina preta e a estrela de cinco pontas.
      • Design gráfico – auxiliou na transformação do país.
      Final dos anos 60
    • Califórnia, o underground e o alternativo
      • Pôsteres “psicodélicos” desenhados para concertos de rock.
      • As visões causadas por drogas alucinógenas eram simuladas nas produções gráficas.
      • Victor Moscovo – combinava efeitos de vibração óptica com letras formais que ele tornava quase ilegíveis.
      • Movimento underground – tecnologia gráfica do faça-você-mesmo (estilo informal)
      • Designers decidindo o layout das páginas.
    •  
    • Protesto: 1968 e Vietnã
      • Estudantes e grupos de protesto dominando as técnicas de impressão
      • Pôsteres dramáticos e marcantes
      • Paris – maio de 1968
        • Pôsteres produzidos no Atelier Populaire ( Escola de Belas Artes)
        • Técnica da serigrafia ( processo econômico)
        • Slogans inspirados nos gritos de guerra usados nas ruas
      • Pôsteres em preto-e-branco (inversão do preto e do branco)
      • Simplicidade dos meios gráficos em questionamento ao complexo aparato de impressão de imagens da sociedade do consumo.
      • Apelos à paz e ao desarmamento
      • Design gráfico deixa de ser associado apenas a interesses comerciais
    •  
    • Anos 70 em diante
      • Internacionalização do design no marketing: Uso do estilo suíço de forma inteligente.
    • Anos 70 em diante
      • Alternativas ao estilo tipográfico internacional: INFORMALISMO
      Movimento Punk “ Nova Onda”
      • O designer toma o controle
      Anos 70 em diante
      • Uso do computador possibilita simplicidade no processo de produção.
      • Menor formalismo das técnicas antigas.
    • Anos 70 em diante
      • Grã Bretanha
      Movimento Punk “ O dadaísmo fora contra a arte; o punk era antidesign.” Logo da banda Blockhead por Barney Bubbles Sex Pistols, ícones do movimento punk
    • Anos 70 em diante Holanda Design no cotidiano: Case PPT
    • Anos 70 em diante Holanda Jan Van Toorn Wild Plakken e Hard Werken
    • Anos 70 em diante França Tendência Polonesa – Ilustração Grapus Postura Objetiva Suíça Jean Widmer
    • Anos 70 em diante Suíça Reconhecimento da nova tecnologia Wolfgang Weingart Hans-Rudolf Lutz
    • Anos 70 em diante Alemanha Eficiência na Identidade Visual Jogos Olímpicos de Munique, 1972
    • Anos 70 em diante Alemanha Publicidade de Teatros Municipais Hans Hillmann
    • Anos 70 em diante Itália
      • Prestígio do design italiano
      • Destaque para trabalhos individuais de design
    • Anos 70 em diante Itália Design presente em obras municipais Noorda e o Metrô de Milão
    • Anos 70 em diante Japão Maior influência estrangeira Inovação Tecnológica
    • Anos 70 em diante Japão Exemplos de Mon Masaru Katzumie
    • Anos 70 em diante Estados Unidos Saul Bass Convergência Oriente/Ocidente Paul Rand Identidades Corporativas April Greiman “ Nova Onda” Design Coquetel Revista Emigré Vários tipos de design