Sociologia

1,567 views
1,429 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,567
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
195
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sociologia

  1. 1. Escola Estadual Adventor Divino de Almeida Professora: Vanja Disciplina: SociologiaAlunos: Gustavo H., José N., Júlio C., Karoline R., Luis F., Rafael, Thais, Vanessa Série: 1º Ano Turma: B
  2. 2. O contexto histórico do surgimento e da formação da sociologiacoincidiu com um momento de grande expansão do capitalismo, infundindootimismo em diversos sociólogos com relação à civilização capitalista. Osacontecimentos históricos que permearam o seu desenvolvimentotornaram, no mínimo, problemáticas, as esperanças de democratizaçãoque vários sociólogos nutriam com relação ao capitalismo. Odesenvolvimento desta ciência tem como pano de fundo a existência deuma burguesia que se distanciara de seu projeto de igualdade efraternidade, e que, crescentemente, se comportava no plano político deforma menos liberal e mais conservadora, utilizando intensamente os seusaparatos repressivos e ideológicos para assegurar a sua dominação. O aparecimento das grandes empresas, monopolizando produtos emercados, a eclosão de guerras entre as grandes potências mundiais, aintensificação da organização política do movimento operário e a realizaçãode revoluções socialistas em diversos países, eram realidades históricasque abalavam as crenças na perfeição da civilização capitalista.
  3. 3. A sociologia também, em boa medida, passou a ser empregada comotécnica de manutenção das relações dominantes. As pesquisas deinúmeros sociólogos foram incorporadas à cultura e à prática das grandesempresas, ao Estado moderno, aos partidos políticos, à luta cotidiana pelapreservação das estruturas econômicas, políticas e culturais do capitalismomoderno. O sociólogo de nosso tempo passou a desenvolver o seu trabalhoem complexas organizações privadas ou estatais que financiam suasatividades e estabelecem os objetivos e as finalidades da produção doconhecimento sociológico. Envolvido nas malhas e nos objetivos quesustentam suas atividades, tornou-se para ele extremamente difícil produzirum conhecimento que possua uma autonomia crítica e uma criatividadeintelectual. O desenvolvimento da sociologia na segunda metade do nosso séculofoi profundamente afetado pela eclosão das duas guerras mundiais. Tal fatonão poderia deixar de quebrar a continuidade dos trabalhos que vinhamsendo efetuados, interrompendo drasticamente o intercâmbio deconhecimentos entre as nações.
  4. 4. A sociologia, a partir dos anos cinqüenta, seria arrastada e envolvidana luta pela contenção da expansão do socialismo, pela neutralização dosmovimentos de libertação das nações subjugadas pelas potênciasimperialistas e pela manutenção da independência econômica e financeiradestes países em face dos centros metropolitanos. É neste contexto que surge a melancólica figura do sociólogoprofissional, que passa a desenvolver as suas atividades de correção daordem, adotando uma atitude científica “neutra” e “objetiva”. Na verdade, ainstitucionalização da sociologia como profissão e do sociólogo como “umtécnico”, um “profissional como outro qualquer“, foi realizada a partir dapromessa e rentabilidade que os sociólogos passaram a oferecer a seusempregadores potenciais, como o Estado moderno, as grandes empresasprivadas e os diversos organismos internacionais empenhados naconservação da ordem em escala mundial. A profissionalização dasociologia, orientada para legitimar os interesses dominantes, constituicampo fértil para uma classe média intelectualizada ascender socialmente.
  5. 5. A sociologia surgiu num momento de grande expansão docapitalismo e por isto mesmo alguns sociólogos otimistasassumiram, diante da sociedade capitalista nascente, que osinteresses e os valores da classe dominante eram representativos doconjunto da sociedade, e que os conflitos entre as classes sociaiseram passageiros. As idéias dos conservadores eram um ponto de referência paraos pioneiros da sociologia, interessados na preservação da novaordem econômica e política que estavam sendo implantadas.
  6. 6. Preocupado em estabelecer um objeto de estudo e um método para asociologia, Durkheim, dedicou-se a esta questão, salientando que nenhumaciência poderia constituir-se sem uma área própria de investigação. Asociologia deveria ocupar-se com os fatos sociais que se apresentavam aosindivíduos como exteriores e coercitivos. Isto quer dizer que o indivíduoquando nasce já encontra a sociedade formada criada pelas geraçõespassadas, cuja organização deverá ser transmitida às gerações futurasatravés da educação. O seu pensamento marcou decisivamente a sociologiacontemporânea, principalmente as tendências que têm se preocupado comas questões da manutenção da ordem social. A sua influência fora do meioacadêmico francês começou por volta de 1930, quando, na Inglaterra, doisantropólogos, Malinowski e Radcliffe-Brown, armaram a partir de seustrabalhos os alicerces do método de investigação funcionalista(busca de explicação das instituições sociais e culturais em termos dacontribuição que estas fornecem para a manutenção da estrutura social).
  7. 7. Nos Estados Unidos, a partir daquela data, as suas idéias começarama ganhar terreno no meio universitário, exercendo grande fascínio eminúmeros pesquisadores. No entanto, foram dois sociólogos americanosMertom e Parsons, em boa medida, os responsáveis pelo desenvolvimentodo funcionalismo moderno e pela integração da contribuição de Durkheimao pensamento sociológico contemporâneo, destacando a sua contribuiçãoao progresso teórico desta disciplina. A formação e o desenvolvimento do conhecimento sociológico crítico enegador da sociedade capitalista, sem dúvida liga-se à tradição dopensamento socialista, que encontra em Marx (1818-1883) e Engels(1820-1903) sua elaboração mais expressiva. Estes pensadores nãoestavam preocupados em fundar a sociologia como disciplina específica.Eles, em suas obras, interligavam disciplinas como antropologia, ciênciapolítica, economia, procurando oferecer uma explicação da sociedade comoum todo, colocando em evidência as suas dimensões globais. Seustrabalhos não foram elaborados nos bancos das universidades, masfreqüentemente, no calor das lutas políticas.
  8. 8. A intenção é conferir à sociologia uma reputação científica, eencontra, em Max Weber (1864-1920), um marco de referência. Durantetoda sua vida, ele insistiu em estabelecer uma clara distinção entre oconhecimento científico, fruto de cuidadosa investigação, e os julgamentosde valor sobre a realidade. A busca de uma neutralidade científica levou Weber a estabeleceruma rigorosa fronteira entre o cientista, homem do saber, das análises friase penetrantes, e o político, homem de ação e de decisão comprometidocom as questões práticas da vida. Essa posição de Weber, que tantasdiscussões têm provocado entre os cientistas sociais, constitui, ao isolar asociologia dos movimentos revolucionários, um dos momentos decisivos daprofissionalização dessa disciplina. A sociologia por ele desenvolvida considerava o indivíduo e a sua açãocomo ponto chave da investigação. Com isso, ele queria salientar que overdadeiro ponto de partida da sociologia era a compreensão da ação dosindivíduos e não a análise das “instituições sociais” ou do “grupo social”,tão enfatizada pelo pensamento conservador.
  9. 9. Do pãozinho às guerras: a Antiguidade influencia nossocotidiano em vários campos.
  10. 10. Existe uma série de coisas que nos pode indicar que nossa era tão“moderna” e “tecnológica” deve muito para as idéias que surgiram hávários séculos. Se examinarmos bem, a Antiguidade está presente até nocafé da manhã, já que o pão é uma invenção dos egípcios. No campo militar, os antigos puderam nos oferecer grandescontribuições na hora de dominar os inimigos. Os babilônios, por exemplo,foram os primeiros a aproveitar os seus conquistados para formarem umarentável força de trabalho com a adoção do escravismo. Por outro lado, osgregos quiseram melhorar os planos quando entravam em choque com osinimigos criando a chamada falange: um grupo de soldados bem munidosque ataca de maneira sincronizada.
  11. 11. Na hora de construir, contar e transportar devemos nos lembrar dascontribuições obtidas nas ciências exatas e na engenharia. Os sumérios,preocupados com o gasto de suas obras, desenvolveram a primeiracalculadora do Mundo Antigo. Os fenícios, criaram embarcações ágeis queos permitiam realizar comércio com vários povos estrangeiros. Várias de nossas ações políticas e institucionais foram, em certamedida, experimentadas pelos gregos. Em Atenas, os legisladores Clístenese Péricles lançaram as bases de uma nova forma de governo que inspirounossa democracia moderna. Além disso, foram os primeiros povos acriarem concursos para a ocupação de cargos públicos. No campo das artes, os greco-romanos desenvolveram técnicas dereprodução corporal. Na medicina, os egípcios se aventuravam narealização de várias cirurgias, inclusive, cerebrais.
  12. 12. A instalação das ditaduras representou um períodoobscuro na história do continente americano.
  13. 13. O processo de independência das nações latino-americanas, ao longodo século XIX, deu origem a uma série de Estados independentes em suamaioria influenciados pelo ideário iluminista. No entanto, a obtenção dessasoberania política não foi capaz de dar fim à dependência econômica quesubmetia tais países aos interesses das grandes potências econômicas daépoca. Ao mesmo tempo, a consolidação da democracia ainda eraprejudicada pela ação de governos tomados por uma elite conservadora eentreguista. No século XX, a desigualdade social e a exclusão econômica aindaeram questões que permaneciam pendentes nas várias nações latino-americanas. A insistência em manter as classes populares excluídas dojogo político e, ao mesmo tempo, preservar a economia nacional atreladaaos interesses dos grandes centros capitalistas começou a sofrer seusprimeiros abalos.
  14. 14. Após a Segunda Guerra Mundial, a instalação da ordem bipolar(guerra fria) e o sucesso do processo revolucionário cubano inspiraramdiversos movimentos de transformação política no continente americano.Em contrapartida, os Estados Unidos – nação que tomava a dianteira dobloco capitalista – preocupava-se com a deflagração de novas agitaçõespolíticas que viessem a abalar a hegemonia política, econômica eideológica historicamente reforçada nos combalidos Estados latino-americanos. Nesse contexto, ao longo das décadas de 1960 e 1970, os diversosmovimentos de transformação que surgiram em nações americanas foramatacados pelo interesse das elites nacionais. Para tanto, buscavam orespaldo norte-americano para que pudessem dar fim aos movimentosrevolucionários que ameaçavam os interesses da burguesia industrialresponsável por liderar essas ações golpistas.
  15. 15. A perseguição política, a tortura e a censura às liberdades individuaisforam integralmente incorporadas a esses governos autoritários que seestabeleceram pelo uso da força. Dessa forma, os clamores por justiçasocial que ganhavam espaço no continente foram brutalmente abafadosnessa nova conjuntura. Ainda hoje, as desigualdades sociais, o atrasoeconômico e a corrupção política integram a realidade de muitos dessespaíses que sofreram com a ditadura.

×