Your SlideShare is downloading. ×
Integrao curricular e trabalho pedaggico sem grupos emi
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Integrao curricular e trabalho pedaggico sem grupos emi

641
views

Published on

material trabalhado na formação EMI

material trabalhado na formação EMI


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
641
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Integração curricular e o trabalho pedagógico escolar Questões norteadoras: 1. Quais são as características do conhecimento escolar? 2. Por que o conhecimento escolar se organiza geralmente de forma disciplinar? 3. Que fontes/tipos de conhecimento podemos identificar? 4. Quais são as críticas à disciplinaridade escolar? 5. Quais seriam as vantagens da integração curricular? 6. Quais são as possíveis formas de integração curricular?
  • 2. Questão 1. O que caracteriza o conhecimento escolar? O conhecimento escolar é peculiar porque: 1. Não é neutro, possui ideologia, visões de mundo, concepções. *exemplos* 2. É selecionado culturalmente (seleção cultural dos conteúdos) * alta cultura/ cultura letrada / cultura ocidental...
  • 3. 3. O conhecimento escolar não é o conhecimento acadêmico pois:  É produzido especialmente na/para a escola (adaptado à seriação, estrutura de pré-requisitos, processos de avaliação, adequado às propostas curriculares,...) * processos de simplificação /modelização/ descontextualização Transformação do conhecimento acadêmico em conhecimento escolar / a didatização dos conteúdos: Transposição didática (Chevallard)/ mediação didática (Lopes)/ recontextualização (Bernstein)
  • 4. Outras características: 4. É mediado pelos materiais didáticos, pelo professor, pelo tipo de trabalho pedagógico 5. É disciplinar: organizado segundo a estrutura conceitual e as formas de representação próprias das disciplinas Questão 2. Por que o conhecimento escolar é disciplinar?
  • 5. Questão: qual é a principal referência para a constituição do conhecimento escolar? * âmbitos de referência do currículo Conhecimento científico transposição didática conhecimento escolar disciplinar Ciência
  • 6. Consequências:  distanciamento do cotidiano;  hierarquia de determinadas áreas do conhecimento (respectiva distribuição de carga horária na escola);  relação entre escolarização e inserção social/ trabalho modelo de sociedade Há outras referências para a constituição do conhecimento escolar? questão 3. Que fontes/ tipos de conhecimento podemos identificar?
  • 7. Conhecimento científico (acadêmico/pesquisa)  Conhecimento cotidiano (dia a dia/ empírico)  Conhecimento religioso, simbólico (tradições)  Conhecimento popular (comunidades) * Senso comum (grupos sociais, mídias,...) 
  • 8. O conhecimento escolar é composto por diversos tipos de saberes    Tradicionalmente predomina o conhecimento científico na constituição do conhecimento escolar, é a referência básica das disciplinas escolares O conhecimento científico é produzido fora da escola, no contexto acadêmico e é transposto para se transformar em conhecimento escolar O conhecimento científico precisa ser estudado, se contrapõe ao conhecimento cotidiano dos alunos
  • 9.      Características do conhecimento científico: critérios próprios de legitimação reconhecidos por determinada comunidade produtora deste conhecimento; Método científico na produção do conhecimento (base teórica e formal) É conceitual: explica os fenômenos por meio de conceitos, veiculado por um tipo de linguagem É um conhecimento abstrato que se distancia da vivência, da opinião
  • 10. Características do conhecimento cotidiano :  Não muda ou muda lentamente no âmbito social , o conhecimento científico se transforma  Serve de guia às nossas ações, é um conhecimento pragmático; conhecimento científico geralmente não é pragmático  A linguagem cotidiana não basta para compreender os fenômenos do ponto de vista científico: há um processo de tradução no ensino  Ideias que regem o conhecimento cotidiano não se elevam a uma teoria  Conhecimento cotidiano generaliza o fenômeno e pode se mostrar inapropriado.
  • 11. Como os diversos tipos de conhecimento se relacionam? Que escolhas fazemos na construção do conhecimento escolar? [científico, cotidiano, simbólico, comunitário]
  • 12. Conhecimento científico Conhecimento cotidiano Conhecimento escolar (Conhecimento escolar é o fruto do diálogo entre conhecimento científico e conhecimento cotidiano)
  • 13. Questões da Realidade social/ interesse dos alunos Conhecimento cotidiano Conhecimento científico (tratamento interdisciplinar) Conhecimento cotidiano reconstruído Questões da Realidade social / objetos de interesse ( Abordagem temática / Enfoque globalizador / projetos nterdisciplinares)
  • 14. Conclusões importantes: 1. há diversas possibilidades para a organização do conhecimento escolar 2. organização depende de escolhas sobre tipos de conhecimento/fontes 3. A integração curricular está baseada no questionamento dos conhecimentos em questão e da forma de organização destes conhecimentos na escola.
  • 15. O que caracteriza a organização estritamente disciplinar (disciplinaridade/ multidisciplinaridade)     Modelo característico do ‘ensino tradicional’: ponto de partida e chegada é o conhecimento científico não há relações entre as áreas de conhecimento professores trabalham individualmente concepção cartesiana de conhecimento (da parte ao todo) Questão 4. Quais as críticas ao modelo estritamente disciplinar na escola ?
  • 16. Segundo Santomé (1998), as características do currículo disciplinar e suas principais críticas são:        Considera muito pouco o interesse dos alunos, sua experiência prévia, seus ritmos de aprendizagem Favorece a aprendizagem por memorização dos conteúdos Ignora a problemática sociocultural e ambiental Ignora problemas locais O currículo não estimula questionamentos sociais e culturais importantes para a formação crítica dos alunos Dificuldades de aprendizagem devido à falta de articulação entre as aulas/ matérias Causa falta de flexibilidade de tempos e espaços, dificultando atividades integradas como visitas, seminários, saídas de campo, etc.
  • 17. Não incentiva a pesquisa nem a curiosidade intelectual  Se adapta bem ao livro didático, tornando o professor mero transmissor de conteúdos prontos. EM GERAL:  Disciplinaridade corresponde à uma fragmentação excessiva do fenômeno  Considera a ciência como modelo único de referência do ‘bom saber’  Pressupõe a linearidade; causalidade simples como visão de mundo, ocultando a complexidade dos fenômenos  ênfase na compreensão conceitual dos fenômenos (detrimento da compreensão simbólica, estética)  lógica do controle na escola, através das disciplinas: relação saber/poder no modelo disciplinar  Portanto: A disciplinaridade é um modo de ensinar mas também uma visão de mundo
  • 18. Alternativas à disciplinaridade: a integração curricular    debate sobre a interdisciplinaridade se inicia nos anos 60 com as diversas críticas ao modelo disciplinar (contribuições das teorias críticas de currículo) contribuição de Paulo Freire (anos 70): temas geradores e suas implicações na alfabetização, no ensino de ciências anos 80 até a atualidade: ampliação do debate sobre as diversas maneiras de integrar os currículos
  • 19. Integração curricular Questão 5. Quais seriam as vantagens da integração curricular? Vários tipos de argumentos a favor da integração curricular:  1. argumentos epistemológicos e metodológicos associados à estrutura das ciências  2. argumentos psicológicos (aprendizagem)  3. argumentos sociológicos
  • 20. 1. Argumentos epistemológicos:  O que torna a produção científica criativa é quando há mistura de conceitos e métodos entre as disciplinas Disciplinas podem se reforçar mutuamente, cruzando conceitos e princípios de pesquisa A integração curricular favorece a compreensão dos fenômenos de maneira complementar  
  • 21. 2. Argumentos psicológicos (aprendizagem)     É importante considerar as necessidades e interesses dos estudantes Os estudantes não aprendem necessariamente na mesma ordem lógica das disciplinas científicas A ação e a experiência são fundamentais na aprendizagem (Bruner, Piaget, Vygostky) É preciso manejar na escola uma gama maior de conhecimentos com significação (situações de aprendizagem que sejam interessantes)
  • 22.    Os processos de aprendizagem são mais importantes que os resultados/ aquisições A motivação para aprender é fundamental, daí a importância de escolher temas, manejar procedimentos de pesquisa, escolher conceitos. É preciso favorecer as relações entre os saberes e a sociedade de modo a favorecer a formação crítica
  • 23. 3. Argumentos sociológicos  É preciso humanizar os currículos, discutindo o papel dos sujeitos ( a disciplinaridade oculta a historicidade dos fenômenos, o papel das relações sociais e das produções culturais da humanidade)  A integração promove a interpretação crítica dos fenômenos sociais  Permite compreender os múltiplos fatores em jogo nos fenômenos sociais e históricos  A integração favorece a visibilidade de valores, ideologias e interesses Referência: Santomé, J.T. Globalização e Interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed Editora, 1998, p.103-124
  • 24.   Questão 6. Quais são as possíveis formas de integração curricular ?  Princípios de integração curricular: Integração intradisciplinar Integração interdisciplinar (diferentes graus de integração entre disciplinas): projetos temáticos, Transversalidade (temas transversais) Integração por um princípio integrador comum (abordagem transdisciplinar). Ex: integração por competências gerais compartilhadas (DCNEM/PCN+).
  • 25. PCN+ Ensino Médio (Ciências Humanas e suas Tecnologias) – 2002 (parte 1. Reformulação do ensino médio e as áreas do conhecimento)     Qual a reformulação? O EM deixa de ser preparatório para o ensino superior ou estritamente profissionalizante para completar a educação básica: “ preparar para a vida; qualificar para a cidadania e capacitar para aprendizado permanente” (p.8) Formação geral exige articulação entre as disciplinas dentro de cada área e entre áreas Há evidente falta de sintonia entre o ensino e este objetivo formativo
  • 26. Proposta: Em cada disciplina: conceitos estruturadores  Competências gerais para a área (ciências humanas)  Saberes disciplinares (conhecimentos) tornam-se inseparáveis de aprendizagens compartilhadas (linguagens, valores éticos, estéticos) Articulação entre: conceitos estruturadores, conhecimentos específicos e competências comuns (metas fomativas comuns) 
  • 27. Proposta: “as linguagens, as ciências e as humanidades continuam sendo disciplinares, mas é preciso desenvolver seus conhecimentos de forma a constituírem, a um só tempo, cultura geral e instrumento para a vida, ou seja, desenvolver, em conjunto, conhecimentos e competências” (p.15). ** Discussão sobre competências, disciplinas e conceitos p.15-16 * “O caráter interdisciplinar de um currículo escolar não reside nas possíveis associações temáticas entre diferentes disciplinas que, em verdade, para sermos rigorosos, costumam gerar apenas integrações e/ou ações multidisciplinares. O interdisciplinar se obtém por outra via, ou seja, por uma prática docente comum na qual diferentes disciplinas mobilizam, por meio da associação ensino-pesquisa, múltiplos conhecimentos e competências gerais e particulares, de maneira que cada disciplina dê a sua contribuição para a construção de conhecimentos por parte do educando, com vistas a que o mesmo desenvolva plenamente sua autonomia intelectual” (p.16).
  • 28. Exemplo (p.33) Competências compartilhadas Conceitos estruturadores Reconhecer e aceitar diferenças, Relações sociais mantendo e/ou transformando Cultura a própria identidade, Identidade percebendo-se como sujeito social construtor da história. Obter informações contidas em diferentes fontes e expressas em diferentes linguagens, associando-as às soluções possíveis para situaçõesproblema diversas. Relações sociais Dominação Poder Ética Cultura