Dengue em Campinas

1,036 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,036
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dengue em Campinas

  1. 1. AÇÃO CONTRA A DENGUE NACIDADE DE CAMPINASANA CRISTINA SILVACLÉBIO BRITOROBERTA CRISTINA MORAESVANDERSON MARQUESTurma: 4º semestre CED 112AProfessora: Eni Bertolini
  2. 2. OBJETIVO GERALApresentar o histórico, as causas, os efeitos eos dados dos casos da dengue na cidade deCampinas.
  3. 3. OBJETIVO ESPECÍFICOInformar e conscientizar sobre os riscos dadengue a fim de evitar a grande propagaçãoda doença na cidade.
  4. 4. JUSTIFICATIVACom o crescente número de casos da dengue,esse trabalho visa informar e conscientizarpara diminuir os casos da dengue na cidadede Campinas.
  5. 5. HISTÓRICO O mosquito transmissor da dengue é originário doEgito, na África.
  6. 6. HISTÓRICO Chegou às regiões tropicais por meio dos naviosnegreiros.
  7. 7. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO No Brasil, os primeiros relatos de dengue aconteceramno final do século XIX, em Curitiba (PR), e no início doséculo XX, em Niterói (RJ).
  8. 8. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO Além de transmissor do vírus da dengue o mosquito,aedes aegypt também transmite a febre amarela, o quecausou alerta na população carioca em 1908.
  9. 9. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO Antonio GonçalvesPeryassú, pesquisador doentão InstitutoSoroterápico Federal, fezdescobertas sobre o ciclode vida, os hábitos e abiologia do Aedes aegypti.
  10. 10. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO Peryassú realizoupesquisa por dois anos; Suas descobertasauxiliaram a erradicaçãoda febre amarela; Até hoje seus estudosajudam o combate àdengue.
  11. 11. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO A primeira confirmaçãolaboratorial do dengueno Brasil aconteceu em1981-1982, em Boa Vista(RR), causada pelos vírusDENV-1 e DENV-4.
  12. 12. DENGUE NO BRASILHISTÓRICO Em em 1986 acontece novamente epidemias da dengueno Nordeste e no Rio de Janeiro.
  13. 13. CONTÁGIO, SINTOMAS ETRANSMISSÃODO VÍRUS DA DENGUE O contágio do vírus da Dengue se dá por meio dapicada do mosquito Aedes aegypt fêmea infectado comesse vírus.
  14. 14. CONTÁGIO, SINTOMAS ETRANSMISSÃODO VÍRUS DA DENGUE
  15. 15. CONTÁGIO, SINTOMAS ETRANSMISSÃODO VÍRUS DA DENGUE Muitas vezes a dengue nãoapresenta sintomasespecíficos; É confundica com gripeforte, sarampo, rubéola,entre outros.
  16. 16. CONTÁGIO, SINTOMAS ETRANSMISSÃODO VÍRUS DA DENGUE Quando há sintomas,geralmente são:• dores pelo corpo;• febre (que dura cerca desete dias);• manchas vermelhas;• fraqueza;• falta de apetite;• cefaléia;• dores nos olhos.
  17. 17. DENGUE CLÁSSICA EDENGUE HEMORRÁGICA Dengue Clássica:ocorre geralmentequando o indivíduo épicado pela primeiravez, tendo os sintomascomuns, relatadosanteriormente;
  18. 18. DENGUE CLÁSSICA EDENGUE HEMORRÁGICA Dengue Hemorrágica:geralmente é areincidêndia dadoença; é a manifestação maisgrave da doença, Causa hemorragias Pode levar à morte.
  19. 19. DENGUE CLÁSSICA EDENGUE HEMORRÁGICA Os sintomas da denguehemorrágica são os mesmosda dengue comum. Adiferença é quando acaba afebre e começam a surgir ossinais de alerta.
  20. 20. DENGUE CLÁSSICA EDENGUE HEMORRÁGICA
  21. 21. O DIAGNÓSTICO O diagnóstico da denguesó pode ser 100%confirmado através detestes laboratoriais; A prova do laço ajuda adiagnosticar a dengue.
  22. 22. TRATAMENTO O tratamento da dengue requer bastante repousoe a ingestão de muito líquido, como água, sucosnaturais ou chá; Também são usados medicamentos antitérmicoscom a prescrição médica; Remédio a base de ácido acetil salicílico (AAS,Aspirina, etc) é proibido no tratamento dadengue;
  23. 23. TRATAMENTO Os sintomas começam a melhorar após 4 dias doinicio do tratamento; É preciso ficar alerta para os quadros maisgraves da doença; Se os sintomas continuarem após os 4 dias irimediatamente ao pronto socorro, pode serdengue hemorrágica.
  24. 24. O TRANSMISSOR:O MOSQUITO AEDES AEGYPT Primeira descriçãocientifica foi em 1762; Seu primeiro nome foi oCulex aegypti; O nome Aedes aegyptiexiste desde 1818.
  25. 25. O TRANSMISSOR:O MOSQUITO AEDES AEGYPT O mosquito possui hábitos urbanos; Se desenvolve em água parada, seja limpa ou suja; Os ovos do mosquito aderem à superfície.
  26. 26. O TRANSMISSOR:O MOSQUITO AEDES AEGYPT O mosquito vive geralmente 45 dias; Só transmite a doença a partir do 30º dia;
  27. 27. CULTIVANDO O MOSQUITO DADENGUE Determinados tipos deplantas, como abromélia, facilita aproliferação do mosquito. Todo recipiente queacumula água se tornacriadouro para o Aedesaegypti.
  28. 28. OUTRO VETOR: AEDES ALBOPICTUS Predominante na Ásia,onde tem o apelido“Tigre Asiático”; Detectado pela primeiravez no Brasil em 1986; É potencial transmissorda febre amarela urbana; Seu ciclo de vida ésimilar ao Aedes aegypti;
  29. 29.  É resistente às baixastemperaturas; É encontradoprincipalmente emambiente silvestre; Chegou a outroscontinentes por meio denavios que transportampneus para reciclagem;OUTRO VETOR: AEDES ALBOPICTUS
  30. 30. OUTRO VETOR: AEDES ALBOPICTUS Se reproduzemdepositando seus ovosem água limpa e parada; Prefere locaisarborizados paradepositar seus ovos; Se diferencia fisicamentedo Aedes aegypti poruma listra branca nacabeça.
  31. 31. A DENGUE EM NÚMEROS
  32. 32. A DENGUE EM NÚMEROSBRASIL
  33. 33. A DENGUE EM NÚMEROSBRASIL
  34. 34. A DENGUE EM NÚMEROSCAMPINAS30213822Locais com maiorescasos de dengue nacidade de Campinasem 2011
  35. 35. DENGUE EM NÚMEROSCAMPINAS
  36. 36. PLANO DE AÇÃO CONTRA ADENGUE EMCAMPINAS
  37. 37. FERRAMENTA 5W2H A ferramenta 5W2H éuma ferramentaessencial para aelaboração deplanejamentos no inicioda maioria dos projetosde tomada de decisão.
  38. 38. FERRAMENTA 5W2H O que? (What)Conscientizar a populaçãosobre a doença. Quem? (Who)Pessoas envolvidas nocombate a dengue de formadireta (agentes de saúde) eindireta (multiplicadores) Onde? (Where)Bairros com maioresíndices de contágio dadengue Quando? (When)O ano todo Por que? (Why)Para erradicar a doençaperigosa que leva a morte.
  39. 39. FERRAMENTA 5W2H Como? (How)Por meio de mídias sociaise visitas dos agentes desaúde. Quanto? (How much)O custo depende daabrangência que acampanha terá.
  40. 40. PDCA O Ciclo PDCA é umaferramenta, assim comoo 5W2H que auxilia atomada de decisão. O PDCA tem comoobjetivo garantir ocumprimento das metas.
  41. 41. PDCA Os casos de dengue na cidade de Campinas aumentaram300% no inicio de 2013, devido devido à demissões nosetor da saúde; Há na maioria dos centros de saúde da cidade, grupos depacientes, como:• Matriciamento (vários pacientes que necessitam deconsulta de uma determinada especialidade sãoatendidos no mesmo dia);• Grupos anti tabagismo;• Grupos de obesidade;• Grupos de hipertensão.
  42. 42. PDCA PLANEJAR: Criar material dedivulgação do controle dadengue para serapresentado nos gruposde apoio que existe nosCentros de Saúde.
  43. 43. PDCA EXECUTAR (D)Visita aos grupos de apoioInformar sobre a dengue,orientar quanto a visita doagente da saúde e agendara visita do agente,ajudando assim melhordistribuição dos poucosagentes de saúdedestinados para essetrabalho.
  44. 44. PDCAEXECUTAR Durante a palestra informativa é necessárioressaltar que:• Os agentes da saúde são treinados;• Utilizam uniforme e crachá informando o nome e oCentro de Saúde que pertence;• E possuem materiais de coleta da água.
  45. 45. PDCA VERIFICAR:Após as visitas iniciaisfaz-se um controle dosnovos números dos casosde dengue naquele centrode saúde.
  46. 46. PDCA AÇÃO:Continuar com as visitas eorientações, e em caso deaumento nos casos dedengue inicia-se o fumacê,intervenção nos terrenosbaldios onde há acumulode lixo e entulho.
  47. 47. Mais do que elaborar um plano de ação paraos outros executarem é executar esse planode ação na sua casa.Não se esqueça a luta contra a denguecomeça com você.
  48. 48. BIBLIOGRAFIA www.fiocruz.com.br Prefeitura Municipal de Campinas www.campinas.sp.gov.br/ www.saudevidaonline.com.br www.g1.com/campinas

×