0
Para conduzir este tutorial, optou-se por um pequeno projeto exemplo,que será desenvolvido passo a passo, desde seu lançam...
Este programa, diferente do que é feito nos programas convencionais baseados em desenhos isolados, trabalha com a noção de...
Para incluir outro pavimento ao projeto, deve-se:
Clicar o botão "Insere acima" e digitar na coluna "Pavimentos" o nome do...
O trabalho efetuado no projeto elétrico é feito sempre sobre uma planta de arquitetura. Embora seja possível desenhar a pr...
Pressionando-se OK, será adicionada uma entrada ao projeto, com o nome informado na janela de título, sob o item "Arquivos...
Os arquivos contendo as plantas arquitetônicas raramente vêm prontos para utilização direta no lançamento de elementos. O
...
Inicialmente, as plantas devem ser preparadas de tal forma que possam ser utilizadas sem a ocorrência de problemas. O requ...
Neste programa, é feito o modelamento dos condutos da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve...
A idéia básica é mover as plantas de forma que este ponto escolhido esteja na mesma posição nas duas plantas. Para isto, p...
Quando se for importar esta planta arquitetônica para o projeto, através do comando Ler DXF, será possível converter o des...
Conferindo a conversão da escala
Após converter a escala, deve-se verificar se esta operação foi feita corretamente. Caso ...
Informe um título para o arquivo (este é um nome usado para referenciá-lo na Janela de Projeto) e pressione OK.
Mais infor...
Inicialmente, as plantas devem ser preparadas de tal forma que possam ser utilizadas para o lançamento dos condutos. O req...
Neste programa, é feito o modelamento da tubulação da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve...
A idéia básica é mover as plantas de forma que este ponto escolhido esteja na mesma posição nas duas plantas. Para isto, p...
Quando se for importar esta planta arquitetônica para o projeto, através do comando Ler DXF, será possível converter o des...
Conferindo a conversão da escala
Após converter a escala, deve-se verificar se esta operação foi feita corretamente. Caso ...
Neste ponto, tem-se duas plantas arquitetônicas, uma correspondente ao pavimento Térreo (INFERIOR.DXF) e outra ao paviment...
- Converter logo após a leitura: define se a conversão da escala será feita para o arquivo lido. Uma vez que já convertemo...
Deve-se salvar o projeto periodicamente, evitando a perda de informações ainda não gravadas. Vamos gravar o projeto neste
...
A filosofia de trabalho adotada é a de definir o Projeto (seja Elétrico, Telefônico ou de Cabeamento) como um todo no prog...
O nível do pavimento é definido somando-se as alturas dos pavimentos inferiores ao nível do pavimento inferior.
Para alter...
Projetos elétricos
Projetos de cabeamento estruturado
Projetos telefônicos
Projetos genéricos ou complementares (telefônic...
Elevação: distância vertical entre a caixa e o nível do pavimento. A soma da elevação da caixa com o nível do pavimento
co...
Quadro Características
Quadro de distribuição - possui circuito associado;
- permite circuitos terminais.
Quadro geral - i...
No programa, o Conduto é um elemento gráfico linear que é inserido em uma das janelas de entrada gráfica. Sempre que um
co...
Um Ponto representa, neste programa, um elemento lógico do projeto. Não se deve confundir o Ponto com a Caixa, que represe...
As ligações são as combinações possíveis de fiação que podem ligar um ponto ao outro. Por exemplo, uma Ligação "F+N" pode ...
Nos projetos telefônicos e de cabeamento estruturado, não é usual a definição de esquemas de ligações, uma vez que o
funci...
Uma Peça possui as seguintes informações:
Nome: nome que identifica a peça em seu Grupo. Trata-se de um nome explicativo, ...
Itens associados. A qualquer instante, pode-se emitir uma lista de materiais do desenho corrente, do pavimento
atual ou do...
Através de um arquivo formato texto delimitado.
Este arquivo pode ser posteriormente lido por programas de gerenciamento d...
Um Condutor apresenta as seguintes propriedades, dependendo do tipo de projeto ao qual pertence:
Projeto elétrico
Circuito...
Descrição: descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório.
Quadro: quadro principal ao qual esse circuito está...
Esta informação está disponível apenas quando a norma selecionada na configuração Normas é a NBR
5410 (Brasil). Na AEA 903...
Se estiver ligado, o programa não alterará o disjuntor definido pelo usuário quando for feito o dimensionamento do
circuit...
Descrição: Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório.
Quadro: Quadro principal ao qual esse circuito está...
Os seguintes dados estão disponíveis:
Nome: Nome que identifica o circuito.
Descrição: Descrição da aplicação do circuito,...
Tipo: todos os condutores no projeto telefônico possuem o mesmo tipo e são representados da mesma forma;
Número de pares: ...
Existem dois tipos de circuitos:
Circuitos terminais: circuitos que partem de um Quadro e agrupam Pontos do projeto. São c...
Os seguintes dados estão disponíveis:
Nome
Nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-s...
Identificação das fases utilizadas pelo circuito. Dependendo do esquema adotado, podem ser escolhidas uma, duas ou
três en...
Pressionando o botão "Dimensionamento", o circuito é dimensionado e os dados Fiação e Proteção são atualizados no diálogo....
A quantidade necessária de blocos é calculada automaticamente pelo programa, em função do nº de pares
máximo por bloco (de...
Os seguintes dados estão disponíveis:
Nome: Nome que identifica o circuito.
Descrição: Descrição da aplicação do circuito,...
Neste tipo especial de CAD, existem outros elementos mais complexos, destinados a descrever a tubulação. Por exemplo, inse...
Uma Conexão sempre tem uma Peça associada, sendo que desta é escolhida uma das representações gráficas
cadastradas para el...
Um elemento elétrico é também um elemento gráfico, possuindo certas propriedades que controlam o modo como este será
exibi...
Os elementos utilizados para representar a tubulação são, a princípio, elementos gráficos, sobre os quais aplicam-se as me...
O comando Espelhar pode ser aplicado a elementos de entrada gráfica. Na cópia do projeto ou parte dele, no croqui, serão
m...
O comando Ajustar, que tem a função de cortar um elemento sobre outro selecionado, não pode ser aplicado diretamente sobre...
Neste programa, é feito o modelamento dos condutos da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve...
Reenquadrar o desenho, pressionando o botão .
Ao final, o desenho estará aparentemente igual, mas posicionado de tal forma...
Digitar a distância desejada entre os dois pontos, que no caso é 810cm. Com isto, o programa converterá a escala do desenh...
As seguintes opções estão presentes:
Converter logo após a leitura: define se a conversão da escala será feita para o arqu...
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Tutorial elétrico 270 págs   lumine
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Tutorial elétrico 270 págs lumine

12,097

Published on

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
12,097
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1,164
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Tutorial elétrico 270 págs lumine"

  1. 1. Para conduzir este tutorial, optou-se por um pequeno projeto exemplo,que será desenvolvido passo a passo, desde seu lançamento até a confecção das plantas finais de detalhamento. Este projeto é o de uma casa de dois pavimentos, organizado da seguinte forma: Como será visto a seguir, o lançamento do projeto pode ser feito diretamente a partir de plantas arquitetônicas previamente desenhadas em ambiente CAD. As plantas deste projeto exemplo são fornecidas juntamente com o programa e estão armazenadas em formato DXF, sendo: DEMO.DXF: plantas baixas do pavimento térreo e superior agrupadas. São fornecidos com o programa arquivos contendo o projeto completo, em etapas, para fins de comparação.
  2. 2. Este programa, diferente do que é feito nos programas convencionais baseados em desenhos isolados, trabalha com a noção de projeto como um todo. Um projeto engloba os diversos pavimentos da edificação (com suas respectivas plantas baixas) e todos os detalhes lançados nestes pavimentos. Todos os componentes elétricos são modelados como uma única estrutura no computador. Além disto, podem estar associados ao projeto uma série de desenhos acessórios, como, por exemplo, plantas de detalhes típicos, pranchas finais, entre outros. Estes arquivos, embora sejam independentes, podem ser tratados no mesmo ambiente do projeto. Ao entrar no programa, o primeiro passo deve ser criar um novo projeto ou abrir outro já existente. Não é possível trabalhar com desenhos isolados. Para criar o projeto exemplo, basta pressionar o botão (ou acessar o menu "Projeto-Novo") na barra de ferramentas principal do programa. A ordem dos pavimentos na lista é fundamental para o correto lançamento do projeto. A lista reproduz a estrutura da edificação, com os pavimentos superiores no topo da lista e os inferiores no fim. Por exemplo, a sequência correta é "Superior" e "Térreo" e não "Térreo" e "Superior". A coluna Altura indica a distância do pavimento corrente em relação ao pavimento imediatamente superior. O primeiro passo é a escolha do modelo do projeto. Nos modelos, são armazenadas todas as configurações relativas a um projeto selecionado. Ao iniciar um projeto novo, garante-se que serão usadas as configurações escolhidas. Ao escolher "Nenhum", o programa usa as configurações do último projeto. Para este Tutorial, vamos escolher o modelo "ABNT (Brasil)", no qual as configurações estão ajustadas para obedecer às prescrições da norma NBR 5410 ("Instalações Elétricas de Baixa Tensão - Procedimentos"). Para incluir o primeiro pavimento no projeto, deve-se: Selecionar a coluna "Pavimentos" e definir o nome do primeiro pavimento. Informe o nome "Térreo"; Definir as propriedades do pavimento. Informe como altura do pavimento 280 cm. Na coluna "Repetições", será indicado o número 1, já que estamos criando um pavimento "Térreo".
  3. 3. Para incluir outro pavimento ao projeto, deve-se: Clicar o botão "Insere acima" e digitar na coluna "Pavimentos" o nome do pavimento. Informe o nome "Superior"; Definir as propriedades do pavimento. Informe como altura do pavimento 280 cm. Na coluna "Repetições", será indicado o número 1, já que não estamos criando um pavimento "Tipo". Pressione OK. Desejando excluir algum pavimento que tenha sido lançado errado, permaneça com o cursor na linha correspondente e acesse o botão "Excluir". Se a ordem dos pavimentos for lançada errada, pode-se corrigir através dos botões "Para cima" e "Para baixo". Mais informações sobre o diálogo de Projeto-Novo Pressionando o botão "OK", o diálogo será fechado, sendo aberta uma janela em forma de árvore, contendo os dois pavimentos definidos na lista "Pavimentos". Esta janela, a Janela de Projeto, representa o projeto que será criado." Deve-se salvar o projeto periodicamente, evitando a perda de informações ainda não gravadas. Vamos gravar o projeto neste momento. Para isto, pressione o botão na barra de ferramentas principal do programa (ou o menu "Projeto-Salvar"). Será aberto um diálogo padrão do Windows solicitando a informação do local e nome do arquivo a ser gravado. Dica: é interessante gravar cada projeto em uma pasta diferente. Pode-se criar uma pasta mesmo dentro do diálogo padrão de gravação de arquivos, pressionando-se o botão . Para este exemplo, vamos utilizar a pasta Tutorial que já foi criada durante a instalação. Deve-se: Navegar até a pasta desejada (neste caso, basta executar um duplo-clique sobre a pasta Tutorial); Informar o nome do arquivo (podemos utilizar o nome TUTORIAL.PRE) e pressionar o botão "Salvar".
  4. 4. O trabalho efetuado no projeto elétrico é feito sempre sobre uma planta de arquitetura. Embora seja possível desenhar a própria planta arquitetônica no ambiente do programa, utilizando-se as ferramentas básicas de desenho e manipulação de linhas, este não é o objetivo do programa. Usualmente, tem-se a planta arquitetônica previamente desenhada em ambiente CAD e pode-se simplesmente importá-la para efetuar o projeto. O programa permite a importação de desenhos em formato DXF (Data eXchange Format), um formato público que pode ser lido por praticamente todos os programas CAD do mercado. Para este exemplo, vamos trabalhar com um arquivo DXF fornecido na instalação, que corresponde a uma planta arquitetônica simples, chamado DEMO.DXF. Pode-se incluir um arquivo já existente em disco no projeto, facilitando sua manipulação. Para isto, deve-se selecionar o item "Arquivos" da árvore da Janela de Projeto e pressionar o botão direito sobre o mesmo. Selecione a opção "Inserir Arquivo". É aberto um diálogo padrão de seleção de arquivos do Windows. Deve-se: Alterar a caixa de seleção "Arquivos do tipo", na parte inferior do diálogo, para "Arquivos DXF"; acessar a pasta TutorialElétrico, contida no diretório de instalação do programa; selecionar o arquivo DEMO.DXF e pressionar o botão "Abrir". Após seleção do arquivo, o programa exibe um diálogo que permite vincular o arquivo externo ao projeto.
  5. 5. Pressionando-se OK, será adicionada uma entrada ao projeto, com o nome informado na janela de título, sob o item "Arquivos". Um arquivo associado permanece gravado separadamente no disco. Utiliza-se tal recurso para que este possa ser acessado mais facilmente no futuro. Uma vez que o arquivo está associado ao projeto, pode-se abri-lo para manipulação. clique com o botão direito do mouse sobre o item na Janela de Projeto; selecione a opção "Abrir". Será aberta uma janela de CAD padrão contendo o desenho importado do arquivo DXF.
  6. 6. Os arquivos contendo as plantas arquitetônicas raramente vêm prontos para utilização direta no lançamento de elementos. O princípio básico que rege a entrada de dados é o de que os elementos (condutos, caixas, etc.) serão lançados de acordo com suas coordenadas. A importação de uma planta arquitetônica apenas tem a finalidade de prover a determinação destas coordenadas via mouse (sobre a planta) ao invés de via teclado. Desta forma, qualquer erro no desenho arquitetônico original pode acarretar erros no lançamento do projeto. O problema se agrava no caso de se lerem diversas plantas arquitetônicas, correspondentes a diversos pavimentos. Caso as coordenadas destes desenhos não sejam exatamente coincidentes, haverá, com certeza, problemas no lançamento dos condutos. Além disto, os desenhos importados via arquivo DXF não possuem informação de escala. Para este exemplo, foi escolhida uma planta arquitetônica simples, desenhada em uma escala qualquer (suposta desconhecida) onde ambos os pavimentos estão desenhados lado a lado.
  7. 7. Inicialmente, as plantas devem ser preparadas de tal forma que possam ser utilizadas sem a ocorrência de problemas. O requisito fundamental é que as plantas possam ser sobrepostas exatamente. Para isto, cada pavimento deve compor um arquivo DXF separado. Inicialmente, vamos gravar uma planta para o pavimento Térreo. Para isto, basta apagar o desenho do pavimento Superior e gravar um novo desenho. Para isto: Visualize o desenho na posição mais adequada (pode-se usar o comando Visualizar-Enquadrar e depois o comando Visualizar- Afastar; Acesse o comando Manipular-Apagar; Selecione toda a região à direita do desenho. A linha de comando deve indicar "Apagar-Selecione elementos (117 sel)"; Pressione <Enter> para excluir os elementos selecionados. Com isto, tem-se a planta separada para o pavimento Térreo.
  8. 8. Neste programa, é feito o modelamento dos condutos da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve estar situado exatamente na mesma posição, garantindo o alinhamento vertical dos condutos. As plantas arquitetônicas importadas para o projeto devem, portanto, estar nas mesmas coordenadas de CAD para garantir o alinhamento entre os pavimentos. Desta forma, para preparar as plantas arquitetônicas dos diversos pavimentos, você deve eleger um ponto da estrutura que seja comum a todas as plantas (um canto, caixa de elevador, etc). Neste caso, vamos eleger o canto inferior esquerdo, que está na mesma prumada em ambas as plantas.
  9. 9. A idéia básica é mover as plantas de forma que este ponto escolhido esteja na mesma posição nas duas plantas. Para isto, pode-se utilizar o comando Mover ou outro comando específico para esta aplicação, que é o comando Posicionar Origem. Para isto, vamos: Verificar se a captura de pontos ligada é a correta. Vamos utilizar a captura "Intersecção". Para isto, o botão , na barra de ferramentas do CAD, deve estar pressionado. DICA: Esta é a captura usada em 95% dos casos. Vamos mantê-la ligada sempre, alterando para outro tipo de captura apenas quando for necessário. Existe uma diferença muito grande entre a captura de pontos e as ferramentas de captura, que são os botões disponíveis na paleta "Captura". Posicionar a janela de visualização mais perto do ponto que se deseja utilizar como referência. Isto depende, evidentemente, da prática de cada usuário na operação do ambiente CAD. Pode-se utilizar, por exemplo, o comando Zoom e definir uma janela um pouco mais próxima; Acessar o comando Ferramentas-Posicionar origem. A linha de comando passará a indicar "Posicionar origem-Ponto de referência"; Selecionar o ponto inferior esquerdo (destacado na figura) com o mouse; Reenquadrar o desenho, pressionando o botão . Ao final, o desenho estará aparentemente igual, mas posicionado de tal forma que o vértice inferior esquerdo esteja exatamente nas coordenadas (0,0). Pode-se confirmar isto executando um duplo-clique sobre a linha horizontal inferior do desenho. Será aberto um diálogo contendo suas propriedades, onde pode-se observar as coordenadas X e Y dos pontos inicial e final. Um deles deve ser (0,0).
  10. 10. Quando se for importar esta planta arquitetônica para o projeto, através do comando Ler DXF, será possível converter o desenho para a escala do pavimento. Todavia, como estamos preparando previamente as plantas, podemos deixá-las gravadas já na escala correta, evitando que isto tenha que ser feito mais tarde. A escala corrente do desenho está definida na barra de ferramentas do CAD. Nos desenhos independentes, pode-se trabalhar com escalas diversas no mesmo desenho, enquanto que, nas janelas de entrada gráfica, existe apenas uma escala em todo o desenho. Mais informações sobre a escala do desenho A preparação da planta baseia-se em dois pontos: Define-se previamente qual a escala que será adotada nas plantas dos pavimentos. Neste caso, vamos usar a escala padrão 1:50. Deve-se saber ao menos uma dimensão contida no desenho. Informando-se ao programa este ponto e qual a distância desejada, ele pode converter a escala do desenho de forma a corresponder a estas informações. Existe um comando que se destina especificamente a corrigir a escala de desenhos importados de arquivos externos: o comando Converter para escala. Deve-se proceder da seguinte forma: Alterar a escala da janela para a escala desejada (no caso, 1:50), na barra de ferramentas do CAD; Escolher uma distância que seja conhecida; Uma escolha interessante pode ser um dos comprimentos totais da edificação, caso se saiba com certeza seu valor. A escolha de pequenas distâncias para conversão da escala poderia levar a possíveis erros numéricos nesta conversão. Acessar o comando Ferramentas-Converter para escala. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Primeiro ponto"; Selecionar, com o mouse, os dois pontos que definem a largura total do alinhamento menor da fachada. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Distância"; Digitar a distância desejada entre os dois pontos, que no caso é 810cm. Com isto, o programa converterá a escala do desenho de tal forma que, para a escala corrente, a distância entre os dois pontos seja exatamente a digitada; IMPORTANTE: Independentemente de qualquer configuração ou da escala corrente, as coordenadas informadas no ambiente CAD devem ser feitas sempre em centímetros. Reenquadrar o desenho, pressionando o botão .
  11. 11. Conferindo a conversão da escala Após converter a escala, deve-se verificar se esta operação foi feita corretamente. Caso contrário, ao utilizar uma planta com coordenadas incorretas para lançar a tubulação, pode-se ter erros significativos. Uma forma de conferir a conversão da escala é medir outras distâncias no desenho para verificar se estas estão corretas. Para isto: Acesse o comando Ferramentas-Medir; Escolha uma distância a ser medida. Por exemplo, pode ser a largura da parede. Todas as paredes utilizadas neste exemplo têm 15 cm; Informar os dois pontos que definem a distância. No canto inferior direito, uma pequena janela indicará a distância obtida. O campo "parcial" corresponde à distância entre os dois últimos pontos; O programa continua solicitando outro ponto, para medida de perímetros. Pressione <Enter> para encerrar o comando. Após posicionar a planta e converter sua escala para 1:50, deve-se gravar o desenho gerado em um novo arquivo para que possa ser posteriormente importado para um pavimento do projeto. Como este desenho é uma planta arquitetônica, desejamos gravá-lo novamente no formato DXF. Para isto: Acesse o comando Ferramentas-Gravar DXF; Informe o nome desejado para o arquivo. Neste caso, podemos usar INFERIOR.DXF; Pressione Salvar para gravar o arquivo. O programa abre um diálogo que permite vincular o arquivo gravado ao projeto, para que possa ser mais facilmente acessado;
  12. 12. Informe um título para o arquivo (este é um nome usado para referenciá-lo na Janela de Projeto) e pressione OK. Mais informações sobre a gravação de arquivos externos Neste ponto, o trabalho com esta planta está encerrado. Pode-se fechar esta janela para fazer o trabalho com outro pavimento. O programa exibirá uma mensagem "Salvar alterações no desenho?". Responda "Não" e retorne à Janela de Projeto. O programa pede pela gravação do arquivo porque ele não foi gravado, mas sim exportado em formato DXF. Poderíamos ter gravado o arquivo também no formato interno usado pelo programa, com o comando Projeto- Salvar arquivo, mas isto não é necessário neste caso. Para este exemplo, foi escolhida uma planta arquitetônica simples, desenhada em uma escala qualquer (suposta desconhecida) onde ambos os pavimentos estão desenhados lado a lado.
  13. 13. Inicialmente, as plantas devem ser preparadas de tal forma que possam ser utilizadas para o lançamento dos condutos. O requisito fundamental é que as plantas possam ser sobrepostas exatamente. Para isto, cada pavimento deve compor um arquivo DXF separado. Neste ponto, a Janela de Projeto contém dois itens sob "Arquivos": a planta arquitetônica original e a planta do pavimento Térreo, que já foi gravada separadamente. Para gravar uma planta para o pavimento Superior, devemos abrir novamente a planta original e apagar, desta vez, o desenho do pavimento Térreo e gravar um novo desenho. Para isto: Clique com o botão direito do mouse sobre o item "Planta arquitetônica", que corresponde ao desenho original, e acesse a opção "Abrir". Será aberta novamente uma janela de CAD contendo o desenho completo. Visualize o desenho na posição mais adequada (pode-se usar o comando Visualizar-Enquadrar e depois o comando Visualizar- Afastar; Acesse o comando Manipular-Apagar; Selecione toda a região à esquerda do desenho. A linha de comando deve indicar "Apagar-Selecione elementos (132 sel.)"; Pressione <Enter> para excluir os elementos selecionados; Com isto, tem-se a planta separada para o pavimento Superior;
  14. 14. Neste programa, é feito o modelamento da tubulação da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve estar situado exatamente na mesma posição, garantindo o alinhamento vertical dos condutos. As plantas arquitetônicas importadas para o projeto devem, portanto, estar nas mesmas coordenadas de CAD para garantir o alinhamento entre os pavimentos. Desta forma, para preparar as plantas arquitetônicas dos diversos pavimentos, você deve eleger um ponto da estrutura que seja comum a todas as plantas (um canto, caixa de elevador, etc). Neste caso, vamos eleger o canto inferior esquerdo, que está na mesma posição em ambas as plantas.
  15. 15. A idéia básica é mover as plantas de forma que este ponto escolhido esteja na mesma posição nas duas plantas. Para isto, pode-se utilizar o comando Mover ou outro comando específico para esta aplicação, que é o comando Posicionar Origem. Para isto, vamos: Verificar se a captura de pontos ligada é a correta. Vamos utilizar a captura "Intersecção". Para isto, o botão , na barra de ferramentas do CAD, deve estar pressionado; DICA: Esta é a captura usada em 95% dos casos. Vamos mantê-la ligada sempre, alterando para outro tipo de captura apenas quando for necessário. Existe uma diferença muito grande entre a captura de pontos e as ferramentas de captura, que são os botões disponíveis na paleta "Captura". Posicionar a janela de visualização mais perto do ponto que se deseja utilizar como referência. Isto depende, evidentemente, da prática de cada usuário na operação do ambiente CAD. Pode-se utilizar, por exemplo, o comando Zoom e definir uma janela um pouco mais próxima; Acessar o comando Ferramentas-Posicionar origem. A linha de comando passará a indicar "Posicionar origem-Ponto de referência"; Selecionar o ponto inferior esquerdo (destacado na figura) com o mouse; Reenquadrar o desenho, pressionando o botão . Ao final, o desenho estará aparentemente igual, mas posicionado de tal forma que o vértice inferior esquerdo esteja exatamente nas coordenadas (0,0). Pode-se confirmar isto executando um duplo-clique sobre a linha horizontal inferior do desenho. Será aberto um diálogo contendo suas propriedades, onde pode-se observar as coordenadas X e Y dos pontos inicial e final. Um deles deve ser (0,0).
  16. 16. Quando se for importar esta planta arquitetônica para o projeto, através do comando Ler DXF, será possível converter o desenho para a escala do pavimento. Todavia, como estamos preparando previamente as plantas, podemos deixá-las gravadas já na escala correta, evitando que isto tenha que ser feito mais tarde. A escala corrente do desenho está definida na barra de ferramentas do CAD. Nos desenhos independentes, pode-se trabalhar com escalas diversas no mesmo desenho, enquanto que, nas janelas de entrada gráfica, existe apenas uma escala em todo o desenho. Mais informações sobre a escala do desenho A preparação da planta baseia-se em dois pontos: Define-se previamente qual a escala que será adotada nas plantas dos pavimentos. Neste caso, vamos usar a escala padrão 1:50; Deve-se saber ao menos uma dimensão contida no desenho. Informando-se ao programa este ponto e qual a distância desejada, ele pode converter a escala do desenho de forma a corresponder a estas informações; Existe um comando que se destina especificamente a corrigir a escala de desenhos importados de arquivos externos: o comando Converter para escala. Deve-se proceder da seguinte forma: Alterar a escala da janela para a escala desejada (no caso, 1:50), na barra de ferramentas do CAD; Escolher uma distância que seja conhecida; Uma escolha interessante pode ser um dos comprimentos totais da edificação, caso se saiba com certeza seu valor. A escolha de pequenas distâncias para conversão da escala poderia levar a possíveis erros numéricos nesta conversão. Acessar o comando Ferramentas-Converter para escala. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Primeiro ponto"; Selecionar, com o mouse, os dois pontos que definem a largura total do alinhamento menor da fachada. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Distância"; Digitar a distância desejada entre os dois pontos, que no caso é 810cm. Com isto, o programa converterá a escala do desenho de tal forma que, para a escala corrente, a distância entre os dois pontos seja exatamente a digitada; IMPORTANTE: Independentemente de qualquer configuração ou da escala corrente, as coordenadas informadas no ambiente CAD devem ser feitas sempre em centímetros. Reenquadrar o desenho, pressionando o botão .
  17. 17. Conferindo a conversão da escala Após converter a escala, deve-se verificar se esta operação foi feita corretamente. Caso contrário, ao utilizar uma planta com coordenadas incorretas para lançar a tubulação, pode-se ter erros significativos. Uma forma de conferir a conversão da escala é medir outras distâncias no desenho para verificar se estas estão corretas. Para isto: Acesse o comando Ferramentas-Medir; Escolha uma distância a ser medida. Por exemplo, pode ser a largura da parede. Todas as paredes utilizadas neste exemplo têm 15 cm; Informar os dois pontos que definem a distância. No canto inferior direito, uma pequena janela indicará a distância obtida. O campo "parcial" corresponde à distância entre os dois últimos pontos; O programa continua solicitando outro ponto, para medida de perímetros. Pressione <Enter> para encerrar o comando. Após posicionar a planta e converter sua escala para 1:50, deve-se gravar o desenho gerado em um novo arquivo para que possa ser posteriormente importado para um pavimento do projeto. Como este desenho é uma planta arquitetônica, desejamos gravá-lo novamente no formato DXF. Para isto: Acesse o comando Ferramentas-Gravar DXF; Informe o nome desejado para o arquivo. Neste caso, podemos usar SUPERIOR.DXF; Pressione OK para gravar o arquivo. O programa abre um diálogo que permite vincular o arquivo gravado ao projeto, para que possa ser mais facilmente acessado; Informe um título para o arquivo (este é um nome usado para referenciá-lo na Janela de Projeto) e pressione OK. Mais informações sobre a gravação de arquivos externos Neste ponto, o trabalho com esta planta está encerrado. Pode-se fechar esta janela para fazer o trabalho com outro pavimento. O programa exibirá uma mensagem "Salvar alterações no desenho?". Responda "Não" e retorne à Janela de Projeto. O programa pede pela gravação do arquivo porque ele não foi gravado, mas sim exportado em formato DXF. Poderíamos ter gravado o arquivo também no formato interno usado pelo programa, com o comando Projeto- Salvar arquivo, mas isto não é necessário neste caso.
  18. 18. Neste ponto, tem-se duas plantas arquitetônicas, uma correspondente ao pavimento Térreo (INFERIOR.DXF) e outra ao pavimento Superior (SUPERIOR.DXF), cada uma delas identificada, na janela de projeto, pelo título que foi informado. Antes de iniciar o projeto, vamos conferir de forma definitiva se as plantas gravadas estão corretas. A forma de fazer isto é colocando uma sobre a outra para verificar se a sobreposição é perfeita. Para isto: Abra uma das plantas. Por exemplo, a planta do Térreo; Acesse o comando Ferramentas-Ler DXF. Será aberta uma caixa de diálogo padrão de seleção de arquivo; Selecione o outro pavimento (no caso, o arquivo SUPERIOR.DXF) e pressione OK. Neste ponto, o programa exibirá um diálogo que permite definir a forma como a planta será lida; As seguintes opções estão presentes:
  19. 19. - Converter logo após a leitura: define se a conversão da escala será feita para o arquivo lido. Uma vez que já convertemos ambas as plantas para a escala correta, pode-se desativar esta opção; - Níveis de desenho: define o tratamento para os níveis do desenho lido. Escolha "Inserir em novos níveis". Pressionando-se OK, o desenho será sobreposto ao desenho existente. Deve-se ter uma sobreposição perfeita. Verifique atentamente o desenho. Caso as plantas não estejam sobrepostas, algo deve ter sido feito errado na preparação das plantas. Volte ao ponto inicial e refaça o processo. Pode-se fechar a janela sem salvar as alterações no desenho e prosseguir com o projeto. Ao final desta etapa, deve-se ter a seguinte disposição para os pavimentos:
  20. 20. Deve-se salvar o projeto periodicamente, evitando a perda de informações ainda não gravadas. Vamos gravar o projeto neste momento. Para isto, pressione o botão (ou o menu "Projeto-Salvar") na barra de ferramentas principal do programa. Neste ponto, o conteúdo do arquivo sendo elaborado deve coincidir exatamente com o do arquivo "Tutorial (passo 1).pre" gravado no diretório TutorialElérticoEtapas. Programas convencionais de CAD utilizam elementos simples de desenho para elaborar projetos elétricos, telefônicos e de cabeamento estruturado. Usualmente, cada desenho do projeto é tratado separadamente e os condutos e pontos são apresentados como linhas simples. Blocos e códigos de controle são inseridos para vincular partes do desenho a dados de dimensionamento e listas de materiais. Todavia, isto faz uso de simples artifícios. Neste programa, a filosofia de trabalho é completamente diferente. Elementos gráficos inteligentes representam condutos e caixas. Tais elementos têm associados a si, além das características de desenho, todos os dados necessários ao seu dimensionamento e à geração das listas de materiais. Uma alteração no diâmetro de um conduto, por exemplo, pode ser refletida imediatamente na lista de materiais no desenho e, mais ainda, pode definir que suas conexões inicial e final devem ser atualizadas para refletir a mudança. Com base nos pontos definidos dentro de uma caixa, ligados a uma conexão, pode-se buscar diretamente do cadastro as peças adequadas, ao invés de forçar o usuário a pesquisar em todos. Pode-se ter a visão do projeto como um todo, com os seus pavimentos, gerando listas e fazendo o dimensionamento de forma global. Estas e outras vantagens definem a superioridade de um programa orientado a objetos inteligentes sobre um programa direcionado a desenhos. Para permitir o uso destas vantagens, uma nova filosofia de trabalho deve ser estabelecida. Deve-se pensar inicialmente na "estrutura da tubulação" e depois nos desenhos em si. Para tal, existem janelas de CAD predefinidas nas quais devem ser inseridos os elementos que representam a tubulação. Para cada pavimento, existe um "Croqui" no qual sobre ele podem ser definidos também um número qualquer de janelas de detalhe.
  21. 21. A filosofia de trabalho adotada é a de definir o Projeto (seja Elétrico, Telefônico ou de Cabeamento) como um todo no programa. Para tal, deve-se reduzir todo o projeto, independentemente de sua representação gráfica (desenhos finais), a uma estrutura unifilar, na qual as linhas representam Condutos e os nós representam Conexões. Deve-se reduzir ao máximo a complexidade da geometria, procurando concentrá-la em seus eixos. Uma Conexão, para o programa, não representa exatamente a peça individual que será comprada em uma loja (a isto se chama Item), mas um ponto geométrico no espaço que pode conter tanto uma simples Caixa 2x4" como uma composição de várias peças representando a montagem de uma entrada de alimentação, por exemplo. Na figura acima, por exemplo, uma única conexão representa ao mesmo tempo dois itens distintos (uma caixa e uma tampa com tomada). Este ponto é criado no programa através de uma Conexão. A fim de que este elemento geométrico seja listado corretamente, através de seus Itens individuais, é associado a ele uma Peça, que tem a responsabilidade de descrever o que é exatamente este ponto do espaço. Neste programa, a filosofia de trabalho é a de modelar a estrutura da tubulação como um todo, obtendo desta os parâmetros de dimensionamento e os desenhos finais. Uma visão unifilar da estrutura, que reduz a geometria a Condutos e Conexões, substitui a antiga visão orientada a desenhos. Desta forma, um único arquivo de projeto contém todos os pavimentos da edificação. A cada pavimento está associada uma janela de entrada gráfica ("croqui") e em cada um deles devem ser adicionados os elementos que representam a tubulação. O gerenciamento dos pavimentos é feito através da Janela de Projeto. Cada pavimento possui como informação básica, além do seu nome, a altura (distância em relação ao nível inferior).
  22. 22. O nível do pavimento é definido somando-se as alturas dos pavimentos inferiores ao nível do pavimento inferior. Para alterar o nível do lance inferior, deve-se selecionar o nome do pavimento inferior na Janela de Projeto com o botão direito do mouse e acessar a opção "Propriedades do pavimento" . Os elementos componentes da entrada gráfica possuem informação de posicionamento 3-D, ou seja, coordenadas X, Y e Z para posicionamento. Comparativamente, os elementos básicos de desenho (linhas, círculos, etc), possuem informação apenas 2-D, ou seja, coordenadas X e Y de um plano suposto sempre como Z=0. A informação Z (chamada "Elevação") de uma conexão, todavia, não representa a sua ordenada real Z em relação à edificação, mas sim a ordenada relativa ao nível do pavimento no qual está contida. Pelo fato de que as ordenadas são relativas, pode-se acrescentar ou excluir pavimentos à estrutura sem que os elementos lançados devam ser modificados. Usualmente, a representação de um pavimento funciona da seguinte forma: A arquitetura do pavimento é considerada sempre no nível do pavimento, ou seja, a planta arquitetônica do pavimento Térreo deve ser inserida no mesmo pavimento Térreo do projeto; A tubulação é representada com elevações positivas, situando-se entre o pavimento no qual está inserida e o pavimento superior. Na prática, nada impede que seja informada uma elevação negativa para uma conexão. Isto indica que o trecho de tubulação formado está passando por baixo do piso do pavimento. Com isto, a conexão estará, na verdade, ocupando o espaço do pavimento inferior, mas será representada no pavimento atual. O mesmo raciocínio vale para elevações superiores à distância entre os pavimentos. A princípio, um Conduto lançado em qualquer pavimento pode unir apenas conexões lançadas no mesmo pavimento. Para ligar um pavimento com o outro, deve-se fazer uso de um comando específico, o comando Elementos-Condutos-Ligar com o pavimento inferior. Dependendo dos módulos que estiverem disponíveis no AltoQi Lumine, pode-se elaborar os seguintes tipos de projeto:
  23. 23. Projetos elétricos Projetos de cabeamento estruturado Projetos telefônicos Projetos genéricos ou complementares (telefônicos, de rede lógica e de TV a cabo) Para os projetos genéricos, o programa inclui apenas a definição dos pontos (com correspondente cadastro de peças e listagem de materiais) e o traçado dos condutos, sem abranger a parte de dimensionamento, fiação e geração de esquemas. O programa permite trabalhar conjuntamente com todos os projetos, inclusive com representação na mesma planta baixa. Para visualizar separadamente os projetos, basta selecionar os perfis de níveis correspondentes. Outro recurso é a exportação de plantas, através das diversas opções disponíveis no menu Pavimento - Exportar planta da Janela de Projeto. Uma forma de manter as plantas dos projetos separadas é criar janelas de detalhe sobre o pavimento, cada uma correspondendo e um projeto sendo elaborado e exibindo o perfil de níveis adequado. Na geração das pranchas, pode-se escolher os desenhos que se deseja incluir, já convenientemente separados por projeto. Define-se por Rede o tipo de projeto ao qual pertence o elemento, identificado por sua utilização. Existem disponíveis as seguintes redes no projeto: Projeto Redes Elétrico Elétrica Telefônico Telefônica Cabeamento Cabeamento Genérico Telefônica (dutos) Lógica TV Cabo Cada rede possui associada uma configuração de Níveis Padrão. Desta forma, pode-se controlar a aparência dos desenhos finais. Uma Caixa (também chamada Conexão) é um elemento geométrico inteligente que representa um ponto no espaço. Este ponto no espaço contém a representação unifilar de um nó de tubulação, que pode ser composto, fisicamente, por um ou mais itens. Pode representar, portanto, desde uma simples Caixa 2x4" até uma composição de várias peças. No programa, a Caixa é um elemento gráfico pontual (ou seja, possui uma única dimensão) que é inserido em uma das janelas de entrada gráfica. Possui as seguintes propriedades: Rede: propriedade que define a qual Rede lógica pertence a caixa; Coordenadas X, Y: posição da caixa no plano horizontal XY; Posição: classe de posicionamento do ponto, definindo uma das elevações padronizadas utilizadas para os pontos. Existem as seguintes possibilidades: Piso, Baixa, Média, Alta e Teto. A Posição é utilizada também para pesquisar as peças adequadas no cadastro, que são definidas com base nas elevações padronizadas;
  24. 24. Elevação: distância vertical entre a caixa e o nível do pavimento. A soma da elevação da caixa com o nível do pavimento corresponde à ordenada absoluta Z da caixa; Com base na Posição escolhida e nos valores definidos na configuração Padrões - Geral, grupo "Alturas", o programa preenche o valor da Elevação. Eventualmente, o usuário pode alterar a Elevação para outro valor, diferente do definido pela Posição. O programa usará a Elevação informada para o cálculo do comprimento dos condutos e a Posição para a definição das peças adequadas. Propriedades de desenho: da mesma forma que os demais elementos CAD, uma caixa possui as propriedades Nível, Cor e Tipo de linha; Peça associada: Uma conexão, por si só, representa apenas um ponto no espaço. O elemento que faz a ligação entre a Caixa e seus dados de cálculo e também seus itens associados é a Peça. Uma Caixa pode ter ou não uma peça associada. Na inserção, a peça é indicada por "<indefinida>", o que significa que não há peça associada; Pontos: lista de pontos associados à caixa. Um Quadro é um tipo especial de Conexão. Apresenta as mesmas propriedades de Rede, Coordenada, Posição, Elevação, Peça associada e Pontos de uma Caixa, mas com a função de agrupar e organizar os diversos circuitos de um projeto. Diferente das conexões, um Quadro possui uma identificação para o projeto. Todos os Quadros criados são identificados no Gerenciador de circuitos, abaixo do nome do pavimento ao qual pertencem. Ao invés de possuir Pontos associados, um Quadro possui Circuitos associados. Esses circuitos podem referir-se tanto a circuitos terminais como a circuitos de distribuição (que se referem a outros quadros), criando a "árvore" de circuitos de um projeto. Em cada tipo de projeto, existem tipos de quadros específicos, com pequenas diferenças entre eles. Não existe a definição de quadros nos projetos genéricos. Quadro Características Quadro de distribuição - possui circuito associado; - permite circuitos terminais. Quadro transformador - possui circuito associado; - permite circuitos terminais, todos definidos com a mesma Tensão do circuito ou com uma tensão diferente na saída. Quadro de medição - possui circuito associado; - não permite circuitos terminais (apenas outros quadros). Alimentador predial -não possui circuito associado (refere-se ao início da rede); - não permite circuitos terminais (apenas outros quadros). Transformador - não permite circuitos terminais (apenas outros transformadores lançados fora de quadros de distribuição). - permite associar apenas um quadro, com a mesma Tensão do transformador ou com uma tensão diferente na saída.
  25. 25. Quadro Características Quadro de distribuição - possui circuito associado; - permite circuitos terminais. Quadro geral - igual ao Quadro de distribuição. Entrada telefônica -não possui circuito associado (refere-se ao início da rede); - não permite circuitos terminais (apenas outros quadros). Quadro Características Quadro de telecomunicações - possui circuito associado; - permite circuitos terminais. Ponto de consolidação - possui circuito associado; - não permite associar outros quadros (apenas circuitos terminais). Quadro de equipamentos - possui circuito associado; - não permite circuitos terminais (apenas outros quadros). Quadro de entrada -não possui circuito associado (refere-se ao início da rede); - não permite circuitos terminais (apenas outros quadros). A utilização de Quadros diferentes é feita também para permitir a numeração automática dos mesmos. Os critérios que estabelecem a nomenclatura de cada tipo de quadro estão definidos na configuração Numeração. Um Conduto é um elemento linear que liga duas Conexões. Pode ser traçado tanto com uma linha reta quanto com uma curva. Não é possível existir um conduto sem duas conexões associadas. Desta forma, o Conduto em si não possui informações de sua posição no espaço. Caso qualquer uma de suas conexões seja movida, o conduto se moverá da mesma forma.
  26. 26. No programa, o Conduto é um elemento gráfico linear que é inserido em uma das janelas de entrada gráfica. Sempre que um conduto é inserido, pode ligar-se a conexões existentes ou adicionar novas à tubulação. Possui as seguintes propriedades: Rede: propriedade que define a qual Rede lógica pertence o conduto; No lançamento de um conduto, caso este seja ligado a uma Caixa com rede diferente da dele (por exemplo, um conduto da rede "Telefônica" ligado a uma caixa da rede "Elétrica"), o programa emite uma mensagem de aviso, permitindo ao usuário confirmar ou não o lançamento. Peça associada: elemento que faz a ligação entre o conduto e seus dados de cálculo e também seus itens associados. Diferente da Conexão, um Conduto sempre tem uma peça associada. Na inserção, o programa obriga que seja definida uma peça para o conduto; Posição: classe de posicionamento do ponto, definindo uma das elevações padronizadas utilizadas para os pontos. Existem as seguintes possibilidades: Piso, Baixa, Média, Alta, Teto e Direta. A Posição é utilizada também para pesquisar as peças adequadas no cadastro, que são definidas com base nas elevações padronizadas; A posição Direta é utilizada no lançamento de um conduto, para ligar duas conexões. Quando for escolhida, o programa ligará as duas conexões de forma inclinada e direta e não será mais contabilizado os trechos verticais devido à diferença, caso haja, entre as elevações de duas conexões. Neste caso, o dado "Elevação" não é utilizado. Este tipo de posição é usada automaticamente quando é lançado um conduto para ligar dois pavimentos através do comando Condutos - Ligar ao pavimento inferior. Elevação: distância vertical entre a conexão e o nível do pavimento. A soma da elevação da conexão com o nível do pavimento corresponde à ordenada absoluta Z da conexão; Fios: conjunto de Condutores associados a este conduto. Os condutores só podem ser acrescentados ao projeto como parte dos condutos, representando a fiação que passa por este conduto; O programa só permite a um conduto conter a fiação da mesma rede na qual foi definido. Os botões "Fios" e "Dimensionar" são acessíveis apenas para as redes "Elétrica" e "Telefônica". No diálogo de edição do conduto, ao ser trocado o tipo de rede, o programa verifica se existem fios e, se for o caso, avisa o usuário de que a fiação será eliminada antes de continuar. Propriedades de desenho: da mesma forma como os demais elementos CAD, um conduto possui as propriedades Nível, Cor e Tipo de linha; Repetições: opção que permite repetir o lançamento de condutos na ligação de duas conexões. Em projeto de edificações, é usual o lançamento e a representação das "Repetições" dos condutos necessários para ligar quadros, caixas de passagem ou pontos elétricos em vários pavimentos. Lançando os condutos com repetições, será aumentada a área útil disponível para passar a fiação e este acréscimo terá influência direta no dimensionamento dos condutos e dos condutores e será contabilizado na geração da lista de materiais.
  27. 27. Um Ponto representa, neste programa, um elemento lógico do projeto. Não se deve confundir o Ponto com a Caixa, que representa uma localização física no projeto. Por exemplo, se um dado projeto contém um elemento que representa uma caixa com um interruptor e uma tomada, este é representado por um elemento Caixa, que contém a sua posição no espaço, sua simbologia e dois Pontos: um Interruptor e uma Tomada. Dessa forma, a aplicação de uma Caixa é definida pelos Pontos que ela contém. Outra aplicação dos pontos é definir a vinculação da Caixa com sua Peça associada. Cada peça é cadastrada, na Configuração Peças, contendo os dados de simbologia, lista de materiais e uma lista de Pontos. No momento da escolha da peça mais adequada a um ponto, o programa compara a lista de pontos presentes na Caixa com aquela de pontos presentes em cada uma das peças cadastradas, exibindo apenas as peças correspondentes. Os Pontos não são elementos fixos, mas sim dinâmicos, pois além dos Pontos disponíveis na instalação do programa, é possível o cadastramento de novos, na configuração Tipos de pontos. Para que o programa passe corretamente a fiação entre os pontos, devem ser cadastrados também os esquemas de ligação e, se for o caso, os tipos de ligações. O próprio funcionamento do programa é cadastrado através da definição dos tipos de pontos. Os dados a informar são diferentes de acordo com o tipo de projeto: Projeto elétrico Rede: Elétrica (não editável) Tipo de dados para cálculo: Define se o ponto possui dados de Força (como, por exemplo, uma Tomada), de Luz + Força (como uma Lâmpada) ou nenhum deles (como um Interruptor) Imagem bitmap: Para inclusão na barra de ferramentas "Pontos elétricos" Funcionamento do comando de inserção: Se deve criar com circuito e comando indefinidos, se deve selecionar o comando no momento da inserção ou outras possibilidades. Projeto telefônico Rede: Telefônica (não editável). Tipo de dados para cálculo: Define o número de pares da fiação a ser passada no ponto. Imagem bitmap: Para inclusão na barra de ferramentas "Pontos telefônicos". Funcionamento do comando de inserção: Define se deve criar com circuito indefinido, se deve selecionar o comando no momento da inserção ou outras possibilidades. Projeto de cabeamento estruturado Rede: Cabeamento (não editável) Tipo de dados para cálculo: Define o tipo de conector, que define o número de pares da fiação a ser passada no ponto Imagem bitmap: Para inclusão na barra de ferramentas "Pontos cabeamento" Funcionamento do comando de inserção: Define se deve criar com circuito indefinido, se deve selecionar o comando no momento da inserção ou outras possibilidades Projetos genéricos Rede: Permite escolher entre: "Lógica", "TV cabo" e "Telefônica (dutos)"
  28. 28. As ligações são as combinações possíveis de fiação que podem ligar um ponto ao outro. Por exemplo, uma Ligação "F+N" pode ser definida especificando que será passado um fio Fase e um Neutro entre dois pontos. O programa já possui vários tipos de ligações que são necessárias para compor a fiação dos pontos disponíveis para as redes: Elétrica, Telefônica e Cabeamento. Com a combinação dos pontos com o tipos de ligações respectivos para interligá-los o programa gera esquemas de ligações que são utilizados para a colocação automática da fiação. O usuário poderá cadastrar um novo tipo de ponto, por exemplo, um novo relé, mas para isso será necessário verificar se a combinação de fios para efetuar a sua ligação encontra-se disponível no programa (menu "Configurações - Tipos de ligações") para que seja possível cadastrar o seu esquema de ligação (menu "Configurações - Esquemas de ligações"), caso contrário será necessário o seu cadastramento. Nos projetos telefônicos e de cabeamento estruturado, embora seja possível cadastrar uma Ligação, que seria uma combinação de Condutores, isso não tem aplicação prática, pois todos os condutores têm a mesma aplicação, ligando diretamente o ponto ao quadro que o alimenta. Assim, usualmente, o conceito de Ligação coincide com o de Condutor. O AltoQi Lumine V4 ao invés de trabalhar apenas com tipos predefinidos (como Lâmpada, Tomada, Interruptor, etc), o programa permite ao usuário cadastrar novos tipos de pontos e suas respectivas ligações através de Esquemas, que podem cobrir diversas variações atuais e futuras. Com isso, novos elementos como Minuteria, Relé fotoelétrico, Relé de impulso, entre outros, estão presentes no cadastro e suas fiações também são feitas automaticamente (mais informações). Os Esquemas de ligações possuem a função de cadastra os "algoritmos" de fiação em si, agrupando os Tipos de pontos e suas Ligações. Cada esquema é composto por um conjunto de tipos de pontos inter-relacionados (por exemplo, o Quadro, a Lâmpada e o Interruptor simples) e as ligações especificadas entre um e outro. O usuário poderá com essa filosofia cadastrar novos pontos e utilizar o recurso de fiação automática disponível no programa para colocar a sua fiação. Para isso existem as seguintes configurações, utilizadas para cadastrar e configurar os parâmetros necessários ao correto lançamento da fiação no Lumine: Tipos de pontos, Tipos de ligações e Esquemas de ligações.
  29. 29. Nos projetos telefônicos e de cabeamento estruturado, não é usual a definição de esquemas de ligações, uma vez que o funcionamento de praticamente todos os tipos de pontos é controlado diretamente a partir do Quadro que o alimenta. Assim, um esquema genérico, que liga o tipo de ponto definido ao seu Quadro, é suficiente para descrever o funcionamento de qualquer tipo de ponto. Caso o usuário crie um novo tipo de ponto na configuração Tipos de pontos, deverá cadastrar um Esquema correspondente na configuração Esquemas de ligações. Caso contrário, a fiação não será passada até o ponto. Um Item representa exatamente um elemento do mundo real, um componente que pode ser adquirido individualmente para ser utilizado na tubulação. Representa, portanto, as conexões, tubos, luvas, etc, constantes dos catálogos de diversos fabricantes. A idéia fundamental de um item é a noção de Item de Orçamento. Para o programa, um Item é apenas uma indicação, um nome de algo que será utilizado na construção da edificação. Não possui qualquer informação geométrica. Os itens são reunidos em grupos e subgrupos. Esta organização, bem como o gerenciamento de todos os itens cadastrados no sistema, é feita pela Configuração Itens. Um Item não pode existir individualmente no projeto. Não é possível incluir um item isolado a uma conexão ou a uma lista de materiais. Para ligar os itens ao projeto, existe a definição de Peça, que é o elemento que pode ser efetivamente incorporado ao mesmo. A função básica dos itens é compor as Listas de Materiais do projeto. Uma Conexão representa um ponto geométrico no espaço que pode ser composto, fisicamente, por um ou mais itens. Sua representação gráfica pode ser apenas um ponto como um Símbolo complexo. Tem-se sempre um conjunto formado pela representação gráfica e pelos itens que ela representa. Ao invés de definir separadamente estes elementos para cada conexão, o programa provém uma entidade especial, denominada Peça, que faz a ligação entre os itens, os símbolos e as conexões. A inserção de um símbolo no desenho (através do comando Inserir Símbolo) não significa nada em termos de Lista de Materiais. Da mesma forma, a simples inserção de uma Conexão não inclui qualquer item à lista. Apenas quando a Conexão possui uma Peça associada, os itens cadastrados como componentes desta peça serão incluídos na Lista de Materiais.
  30. 30. Uma Peça possui as seguintes informações: Nome: nome que identifica a peça em seu Grupo. Trata-se de um nome explicativo, que deve fornecer indicação sobre sua finalidade. A descrição incluída na Lista de Materiais não será esta, mas aquela dos Itens; Descrição: nome utilizado para a geração de Legendas no projeto. Peças diferentes podem ter a mesma Descrição, por serem indicadas da mesma forma no projeto (por exemplo, lâmpadas de diferentes potências apresentam, usualmente, a mesma descrição); Posição: classe de posicionamento do ponto, definindo uma das elevações padronizadas utilizadas para os pontos. Existem as seguintes possibilidades: Piso, Baixa, Média, Alta e Teto. Possui a função, neste ponto de segmentar o cadastro, permitindo uma diferenciação automática das peças disponíveis em relação à posição informada para o elemento; Indicação: texto resumido, opcional, que pode ser incluído no desenho como parte da simbologia adotada (por exemplo, a indicação "CH" para uma tomada destinada a um chuveiro). Possui a finalidade de simplificar a criação dos símbolos, permitindo que seja criado um símbolo único, contendo um Campo "Indicação", que é preenchido pelo programa quando este é associado à peça; Símbolo: representação gráfica associada à peça. Quando esta peça for associada a uma conexão, este símbolo será inserido no desenho; Itens associados: lista de Itens englobados pela peça. Uma Peça pode representar tanto um único item como uma composição de vários itens. Define-se, para cada peça, uma lista de itens, com suas respectivas quantidades, que será inserida na Lista de Materiais sempre que esta peça for associada a um elemento do projeto; Pontos: lista de pontos associados à peça, possuindo duas finalidades: permitir ao programa selecionar do cadastro as peças que mais se adequam a uma determinada caixa, com base nos pontos que ela contém e definir os dados para dimensionamento e fiação automática desses pontos; Aplicação: define a aplicação da peça, na qual pode-se optar por diversos tipos de Quadro, por exemplo, ou pelo tipo "Caixa". Se a peça for do tipo "Caixa", pode ser informada a ela uma lista de Pontos, sendo cada um destes Pontos possíveis definidos na configuração Tipos de pontos. Nas peças tipo "Disjuntor" e "Bloco de ligação", que são usadas como informação dos circuitos e não lançadas diretamente em planta, não é permitido definir simbologia, "Local" ou "Requer aterramento". O conjunto de peças possíveis é organizado em forma de cadastro no sistema. Estas peças são reunidas em Grupos e Subgrupos. A organização e gerência das peças cadastradas no sistema é feita na configuração Peças. Um dos objetivos essenciais a um programa que se destine à elaboração de projetos de instalações prediais é a correta elaboração dos quantitativos associados ao projeto. Entende-se por Lista de Materiais a soma dos diversos Itens, associados à respectiva quantidade de repetições, existentes no projeto. A idéia básica deste programa é a seguinte: A estrutura da tubulação deve ser modelada no computador e, a cada elemento, deve ser associada uma Peça trazida do cadastro. Este cadastro define, para cada peça, um conjunto de
  31. 31. Itens associados. A qualquer instante, pode-se emitir uma lista de materiais do desenho corrente, do pavimento atual ou do projeto inteiro. O programa listará os itens associados às peças relacionadas aos elementos. Existem quatro formas de representar uma lista de materiais: Através de um elemento gráfico inserido no próprio desenho; Através de um relatório em formato HTML; Através de um relatório em formato RTF;
  32. 32. Através de um arquivo formato texto delimitado. Este arquivo pode ser posteriormente lido por programas de gerenciamento de banco de dados (por exemplo, pelo programa Microsoft Access®), a fim de compor relatórios personalizados. Um Condutor representa um trecho de fiação contido dentro de um trecho de Conduto. Tem a função de representar, simultaneamente, a fiação real, para fins de lista de materiais, e a fiação lógica, para fins de dimensionamento. Isto significa que os Condutores são contabilizados na lista de materiais sem que seja necessário cadastrar um Item equivalente.
  33. 33. Um Condutor apresenta as seguintes propriedades, dependendo do tipo de projeto ao qual pertence: Projeto elétrico Circuito: define o circuito ao qual pertence o condutor. Não é possível criar condutores que não estão associados a circuitos; Tipo: define a aplicação do condutor, para fins de traçado e dimensionamento. Podem ser utilizados os seguintes valores: Fase, Neutro, Terra, Retorno e Campainha. Cada tipo de condutor possui uma representação gráfica diferente no desenho; Comando: no caso de condutores do tipo Retorno ou Campainha, define o comando elétrico ao qual pertence o condutor; Seção: seção do condutor, definida da seguinte forma: Tipo Seção Fase - seção do circuito ao qual pertence o condutor Neutro - seção de neutro equivalente à seção do circuito, considerada como fase (mais informações) Terra -seção de proteção equivalente à seção do circuito, considerada como fase (mais informações) Retorno ou Campainha - caso a configuração Dimensionamento, item "Permitir fiação de retorno com seção diferente da principal" esteja ativada, é definida com base na seção dimensionada para o comando; caso contrário, com base na seção do circuito Família: família de condutores ao qual pertence o condutor, conforme definida na Configuração Condutores. O condutor utiliza a Família definida para o Circuito. Um Circuito representa um agrupamento de pontos no projeto, contendo uma fiação comum e partindo de uma ligação única em um mesmo Quadro. A definição de circuitos é feita para os elementos das Redes Elétrica, Telefônica e Cabeamento, cada uma possuindo sua lista independente em cada pavimento. Existem dois tipos de circuitos: Circuitos terminais: circuitos que partem de um Quadro e agrupam Pontos do projeto. São criados como parte de um pavimento do projeto, fazendo parte de sua lista de circuitos disponíveis. Um pavimento pode ter tantos circuitos terminais quanto for desejado pelo usuário. Circuitos de distribuição: circuitos que ligam um Quadro a outro. São criados sempre que um Quadro é criado, fazendo parte deste. No projeto de cabeamento estruturado, a idéia de "circuito" que liga um quadro a outro é um pouco mais complexa. Na verdade, cada quadro contém uma lista de Equipamentos e as ligações são feitas equipamento a equipamento, entre o quadro e o quadro que o alimenta. Todos os tipos de circuito possuem os seguintes dados: Nome: nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro.
  34. 34. Descrição: descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Inicialmente, quando o circuito é criado, não está associado a nenhum quadro. Além disso, dependendo do tipo de projeto sendo elaborado, existem dados específicos para os circuitos, acessados em seu diálogo de edição: Projeto elétrico Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador ou através do botão "Circuito" no diálogo de edição do quadro, no caso dos circuitos de distribuição Os seguintes dados estão disponíveis: Nome Nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro. Descrição Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Tipo É a informação utilizada pelo programa para que seja realizado o cálculo da Demanda no dimensionamento dos circuitos. Mais...
  35. 35. Esta informação está disponível apenas quando a norma selecionada na configuração Normas é a NBR 5410 (Brasil). Na AEA 90364 (Argentina), o cálculo da potência demandada é feito exclusivamente com base no grau de eletrificação. Quadro Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". A associação entre os quadros é atualizada pelo programa se esta informação for alterada. Esquema Esquema adotado para a fiação do circuito, o que determina a fiação que será adotada pelo programa. Fases Identificação das fases utilizadas pelo circuito. Dependendo do esquema adotado, podem ser escolhidas uma, duas ou três entre as fases disponíveis no projeto. Tensão Tensão adotada para o dimensionamento do circuito. Método de instalação Método de referência para o dimensionamento, utilizado para a determinação da capacidade de corrente dos condutores. Mais... Fiação Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. A seção definida no circuito é considerada a seção fase, sendo que o programa utiliza automaticamente uma tabela de referência para definir a seção de neutro e de proteção. Durante o dimensionamento, o programa escolhe outro condutor (outra Seção) dentro da mesma Família definida. Manter seção fixa Pode-se alterar a seção adotada para o circuito livremente. O programa utilizará essa seção na fiação, quadro de cargas e diagramas, independentemente da seção originalmente calculada. Quando o circuito for dimensionado, todavia, esta alteração será abandonada, a não ser que seja ativado o item "Manter seção fixa". Neste caso, a seção escolhida pelo usuário será sempre mantida, mesmo que o circuito seja redimensionado. Fixar seção do retorno Esta opção permite fixar a seção do condutor de retorno. Desta maneira, ao dimensionar o projeto novamente, o programa não alterará a seção estipulada pelo usuário, independente da seção calculada para o circuito. Proteção Disjuntor a ser utilizado como proteção ao circuito, colocado em seu Quadro principal. Define-se como dado do circuito o tipo do disjuntor (Grupo e Subgrupo) e a peça escolhida. Durante o dimensionamento, o programa escolhe outro disjuntor (outra Peça) dentro do Subgrupo definido. Pode-se alterar o disjuntor adotado para o circuito livremente. O programa utilizará esse disjuntor no quadro de cargas e diagramas, independentemente do disjuntor originalmente calculado. Quando o circuito for dimensionado, todavia, esta alteração será abandonada. Manter fixo
  36. 36. Se estiver ligado, o programa não alterará o disjuntor definido pelo usuário quando for feito o dimensionamento do circuito. O programa emite mensagem de erro se o disjuntor fixado for menor que o necessário e acrescenta um comentário "Definido pelo usuário" no Relatório de dimensionamento ao lado do título "Dispositivo de proteção". IDR Permite escolher como será feita a proteção deste circuito às correntes diferenciais. Caso o disjuntor escolhido seja do tipo "DR", o circuito já se encontra protegido. Caso contrário, será protegido por um interruptor DR adicional, disposto dentro do quadro, nas opções: Dispensar: define que o circuito não precisa de proteção DR (não recomendável) Adotar: define que o circuito precisa de proteção DR e que essa proteção pode ser feita em conjunto com outros circuitos, caso o esquema escolhido no diálogo "Proteção" do quadro seja "Por grupo de circuitos". Individual: define que o circuito precisa de proteção DR e que essa proteção deve ser feita por um interruptor DR independente, mesmo que o esquema escolhido no diálogo "Proteção" do quadro seja "Por grupo de circuitos". Essa opção é usada em circuitos de maior importância, onde deseja-se evitar o seu desligamento por sobrecorrente em outros circuitos. Pressionando o botão "Dimensionamento", o circuito é dimensionado e os dados Fiação e Proteção são atualizados no diálogo. O programa abre uma janela de mensagens mostrando a sequência de dimensionamento desse circuito. Projeto telefônico Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador ou através do botão "Circuito" no diálogo de edição do quadro, no caso dos circuitos de distribuição Os seguintes dados estão disponíveis: Nome: Nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro.
  37. 37. Descrição: Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". A associação entre os quadros é atualizada pelo programa se esta informação for alterada. Fiação: Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. Os circuitos telefônicos usualmente possuem uma informação definida de número de pares, não sendo necessário o dimensionamento posterior. Bloco de ligação: Bloco a ser utilizado para ligação dos ramais que partem do quadro. Define-se como dado do circuito uma peça definida com a aplicação "Bloco de ligação" na configuração Peças. A quantidade necessária de blocos é calculada automaticamente pelo programa, em função do nº de pares máximo por bloco (definido na configuração Peças) e no nº total de pares ligado ao quadro. Pressionando o botão "Dimensionamento", o circuito é dimensionado e os dados são atualizados no diálogo. O programa abre uma janela de mensagens mostrando a sequência de dimensionamento desse circuito: Circuitos terminais: são pesquisados todos os pontos lançados no circuito; em cada ponto, a informação do número de pares necessário é obtido na configuração Tipos de pontos; o maior número encontrado (usualmente, é igual em todos os pontos) é atribuído à informação "Número de pares" da fiação no circuito telefônico. Circuitos de alimentação: soma-se o número de pares em cada circuito telefônico associado a ele, independente de ter sido lançado em planta ou não (pode-se definir um ramal "vazio", sem ponto lançado, e ele será contado também); somam-se também os pares acumulados em cada quadro subordinado, se houver. é aplicado o índice de expansão para a determinação do número de pontos previstos e com isso é definido o número de pares para a determinação do cabo. Neste caso, não é usado como total o número de pares definido no circuito do quadro (pois usualmente está ajustado para cima), mas sim a soma dos números de pares dos seus circuitos terminais. Projeto de cabeamento Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador
  38. 38. Os seguintes dados estão disponíveis: Nome: Nome que identifica o circuito. Descrição: Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". Equipamento: Equipamento, dentro do quadro principal, no qual o circuito está inserido. Tipo de conector: Tipo, definido na configuração Tipos de conectores, da seguinte forma: quando é inserido um Ponto no circuito, é utilizado o tipo de conector definido para o tipo de ponto quando existem pontos de tipos diferentes, o tipo fica "<Indefinido>" e os demais dados não podem ser informados quando não existe nenhum ponto lançado, o tipo pode ser informado pelo usuário Fiação: Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. São listados apenas os condutores compatíveis com o tipo de conector do circuito (mesmo nº de pares e mesmo tipo físico) e a informação de nº de pares é preenchida automaticamente pelo programa. Conector: Peça, definida na configuração Peças com a aplicação "Conector", utilizada para a ligação do circuito ao equipamento informado. São listadas apenas as peças com mesmo tipo de conector do circuito. Projeto telefônico Circuito: define o circuito ao qual pertence o condutor. Não é possível criar condutores que não estão associados a circuitos;
  39. 39. Tipo: todos os condutores no projeto telefônico possuem o mesmo tipo e são representados da mesma forma; Número de pares: nº de pares, definido para o Circuito. Família: família de condutores ao qual pertence o condutor, conforme definida na Configuração Condutores. O condutor utiliza a Família definida para o Circuito. Projeto de cabeamento Circuito: define o circuito ao qual pertence o condutor. Não é possível criar condutores que não estão associados a circuitos; Tipo: todos os condutores no projeto de cabeamento possuem o mesmo tipo e são representados da mesma forma; Número de pares: nº de pares, definido para o Circuito com base na informação do Tipo de conector. Família: família de condutores ao qual pertence o condutor, conforme definida na Configuração Condutores. O condutor utiliza a Família definida para o Circuito. Mais informações sobre a indicação da fiação Os condutores são reunidos em grupos e famílias. Esta organização, bem como o gerenciamento de todos os condutores cadastrados no sistema, é feita pela Configuração Condutores. Na montagem das listas de materiais, cada Condutor gera automaticamente um Item de orçamento na lista de materiais, obedecendo à seguinte correspondência: Projeto elétrico Item Condutor Nome do grupo Nome do grupo Nome do subgrupo Nome da família Nome do item Texto da seção, acrescido da indicação do Tipo (mais informações) Projeto telefônico / Projeto de cabeamento Item Condutor Nome do grupo Nome do grupo Nome do subgrupo Nome da família Nome do item <Nome da família>+<Nº de pares>+<Dado "Indicação" no grupo> Um Circuito representa um agrupamento de pontos no projeto, contendo uma fiação comum e partindo de uma ligação única em um mesmo Quadro. A definição de circuitos é feita para os elementos das Redes Elétrica, Telefônica e Cabeamento, cada uma possuindo sua lista independente em cada pavimento.
  40. 40. Existem dois tipos de circuitos: Circuitos terminais: circuitos que partem de um Quadro e agrupam Pontos do projeto. São criados como parte de um pavimento do projeto, fazendo parte de sua lista de circuitos disponíveis. Um pavimento pode ter tantos circuitos terminais quanto for desejado pelo usuário. Circuitos de distribuição: circuitos que ligam um Quadro a outro. São criados sempre que um Quadro é criado, fazendo parte deste. No projeto de cabeamento estruturado, a idéia de "circuito" que liga um quadro a outro é um pouco mais complexa. Na verdade, cada quadro contém uma lista de Equipamentos e as ligações são feitas equipamento a equipamento, entre o quadro e o quadro que o alimenta. Todos os tipos de circuito possuem os seguintes dados: Nome: nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro. Descrição: descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Inicialmente, quando o circuito é criado, não está associado a nenhum quadro. Além disso, dependendo do tipo de projeto sendo elaborado, existem dados específicos para os circuitos, acessados em seu diálogo de edição: Projeto elétrico Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador ou através do botão "Circuito" no diálogo de edição do quadro, no caso dos circuitos de distribuição
  41. 41. Os seguintes dados estão disponíveis: Nome Nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro. Descrição Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Tipo É a informação utilizada pelo programa para que seja realizado o cálculo da Demanda no dimensionamento dos circuitos. Mais... Esta informação está disponível apenas quando a norma selecionada na configuração Normas é a NBR 5410 (Brasil). Na AEA 90364 (Argentina), o cálculo da potência demandada é feito exclusivamente com base no grau de eletrificação. Quadro Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". A associação entre os quadros é atualizada pelo programa se esta informação for alterada. Esquema Esquema adotado para a fiação do circuito, o que determina a fiação que será adotada pelo programa. Fases
  42. 42. Identificação das fases utilizadas pelo circuito. Dependendo do esquema adotado, podem ser escolhidas uma, duas ou três entre as fases disponíveis no projeto. Tensão Tensão adotada para o dimensionamento do circuito. Método de instalação Método de referência para o dimensionamento, utilizado para a determinação da capacidade de corrente dos condutores. Mais... Fiação Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. A seção definida no circuito é considerada a seção fase, sendo que o programa utiliza automaticamente uma tabela de referência para definir a seção de neutro e de proteção. Durante o dimensionamento, o programa escolhe outro condutor (outra Seção) dentro da mesma Família definida. Manter seção fixa Pode-se alterar a seção adotada para o circuito livremente. O programa utilizará essa seção na fiação, quadro de cargas e diagramas, independentemente da seção originalmente calculada. Quando o circuito for dimensionado, todavia, esta alteração será abandonada, a não ser que seja ativado o item "Manter seção fixa". Neste caso, a seção escolhida pelo usuário será sempre mantida, mesmo que o circuito seja redimensionado. Fixar seção do retorno Esta opção permite fixar a seção do condutor de retorno. Desta maneira, ao dimensionar o projeto novamente, o programa não alterará a seção estipulada pelo usuário, independente da seção calculada para o circuito. Proteção Disjuntor a ser utilizado como proteção ao circuito, colocado em seu Quadro principal. Define-se como dado do circuito o tipo do disjuntor (Grupo e Subgrupo) e a peça escolhida. Durante o dimensionamento, o programa escolhe outro disjuntor (outra Peça) dentro do Subgrupo definido. Pode-se alterar o disjuntor adotado para o circuito livremente. O programa utilizará esse disjuntor no quadro de cargas e diagramas, independentemente do disjuntor originalmente calculado. Quando o circuito for dimensionado, todavia, esta alteração será abandonada. Manter fixo Se estiver ligado, o programa não alterará o disjuntor definido pelo usuário quando for feito o dimensionamento do circuito. O programa emite mensagem de erro se o disjuntor fixado for menor que o necessário e acrescenta um comentário "Definido pelo usuário" no Relatório de dimensionamento ao lado do título "Dispositivo de proteção". IDR Permite escolher como será feita a proteção deste circuito às correntes diferenciais. Caso o disjuntor escolhido seja do tipo "DR", o circuito já se encontra protegido. Caso contrário, será protegido por um interruptor DR adicional, disposto dentro do quadro, nas opções: Dispensar: define que o circuito não precisa de proteção DR (não recomendável) Adotar: define que o circuito precisa de proteção DR e que essa proteção pode ser feita em conjunto com outros circuitos, caso o esquema escolhido no diálogo "Proteção" do quadro seja "Por grupo de circuitos". Individual: define que o circuito precisa de proteção DR e que essa proteção deve ser feita por um interruptor DR independente, mesmo que o esquema escolhido no diálogo "Proteção" do quadro seja "Por grupo de circuitos". Essa opção é usada em circuitos de maior importância, onde deseja-se evitar o seu desligamento por sobrecorrente em outros circuitos.
  43. 43. Pressionando o botão "Dimensionamento", o circuito é dimensionado e os dados Fiação e Proteção são atualizados no diálogo. O programa abre uma janela de mensagens mostrando a sequência de dimensionamento desse circuito. Projeto telefônico Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador ou através do botão "Circuito" no diálogo de edição do quadro, no caso dos circuitos de distribuição Os seguintes dados estão disponíveis: Nome: Nome que identifica o circuito. No caso dos circuitos de distribuição, refere-se sempre ao nome do quadro. Descrição: Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". A associação entre os quadros é atualizada pelo programa se esta informação for alterada. Fiação: Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. Os circuitos telefônicos usualmente possuem uma informação definida de número de pares, não sendo necessário o dimensionamento posterior. Bloco de ligação: Bloco a ser utilizado para ligação dos ramais que partem do quadro. Define-se como dado do circuito uma peça definida com a aplicação "Bloco de ligação" na configuração Peças.
  44. 44. A quantidade necessária de blocos é calculada automaticamente pelo programa, em função do nº de pares máximo por bloco (definido na configuração Peças) e no nº total de pares ligado ao quadro. Pressionando o botão "Dimensionamento", o circuito é dimensionado e os dados são atualizados no diálogo. O programa abre uma janela de mensagens mostrando a sequência de dimensionamento desse circuito: Circuitos terminais: são pesquisados todos os pontos lançados no circuito; em cada ponto, a informação do número de pares necessário é obtido na configuração Tipos de pontos; o maior número encontrado (usualmente, é igual em todos os pontos) é atribuído à informação "Número de pares" da fiação no circuito telefônico. Circuitos de alimentação: soma-se o número de pares em cada circuito telefônico associado a ele, independente de ter sido lançado em planta ou não (pode-se definir um ramal "vazio", sem ponto lançado, e ele será contado também); somam-se também os pares acumulados em cada quadro subordinado, se houver. é aplicado o índice de expansão para a determinação do número de pontos previstos e com isso é definido o número de pares para a determinação do cabo. Neste caso, não é usado como total o número de pares definido no circuito do quadro (pois usualmente está ajustado para cima), mas sim a soma dos números de pares dos seus circuitos terminais. Projeto de cabeamento Onde acessar: executando um duplo-clique sobre o nome do circuito na janela Gerenciador
  45. 45. Os seguintes dados estão disponíveis: Nome: Nome que identifica o circuito. Descrição: Descrição da aplicação do circuito, para fins de relatório. Quadro: Quadro principal ao qual esse circuito está subordinado. Pode-se escolher entre um dos quadros do projeto ou entre "Nenhum". Equipamento: Equipamento, dentro do quadro principal, no qual o circuito está inserido. Tipo de conector: Tipo, definido na configuração Tipos de conectores, da seguinte forma: quando é inserido um Ponto no circuito, é utilizado o tipo de conector definido para o tipo de ponto quando existem pontos de tipos diferentes, o tipo fica "<Indefinido>" e os demais dados não podem ser informados quando não existe nenhum ponto lançado, o tipo pode ser informado pelo usuário Fiação: Tipo e seção do Condutor utilizado no circuito. Toda a fiação do circuito utilizará o tipo (Grupo e Família) definido. São listados apenas os condutores compatíveis com o tipo de conector do circuito (mesmo nº de pares e mesmo tipo físico) e a informação de nº de pares é preenchida automaticamente pelo programa. Conector: Peça, definida na configuração Peças com a aplicação "Conector", utilizada para a ligação do circuito ao equipamento informado. São listadas apenas as peças com mesmo tipo de conector do circuito.
  46. 46. Neste tipo especial de CAD, existem outros elementos mais complexos, destinados a descrever a tubulação. Por exemplo, insere-se elementos gráficos lineares para representar condutos no pavimento. Estes elementos, embora possuam uma série de propriedades adicionais (peça, rede, entre outros), comportam-se também como elementos gráficos. Os elementos de projeto possuem atributos gráficos como nível, cor e tipo de linha e sobre estes aplicam-se também todas as ferramentas de captura. Devido à natureza especial destes elementos, alguns comandos de manipulação utilizados sobre as estruturas básicas funcionam de forma diferente quando aplicados sobre estes elementos. O item Comandos de manipulação relaciona os comandos que possuem comportamento diferente no croqui. Os elementos de projeto são representados, graficamente, apenas por uma linha (no caso dos condutos) ou um ponto (para os demais). As demais informações são colocadas através de elementos associados. Estes elementos são inseridos juntamente com aqueles da entrada gráfica e possuem vínculo com estes, permitindo que sejam atualizados sempre que necessário. Os elementos elétricos presentes no projeto possuem uma série de informações associadas. Estes referem-se aos seus próprios dados (como o nome ou a potência, por exemplo) ou aos dados de sua Peça associada. Estas informações são representadas de forma heterogênea no projeto, variando conforme o tipo de planta que está sendo elaborada ou de acordo com a preferência pessoal. Ao invés de fazer uma representação complexa para os elementos, utilizam-se os elementos associados. Sempre que um elemento da entrada gráfica é adicionado ao projeto, são acrescentados também diversos elementos secundários, que podem ser, dependendo do caso, elementos Texto, elementos Campo ou elementos Grupo. Cada um destes elementos associados representa uma informação diferente. Existe um vínculo permanente entre o elemento associado e o elemento elétrico que lhe serve como origem. Por exemplo, caso seja alterada a peça de um conduto, o elemento de texto que indica seu diâmetro será modificado também.
  47. 47. Uma Conexão sempre tem uma Peça associada, sendo que desta é escolhida uma das representações gráficas cadastradas para ela. Cada uma das simbologias cadastradas pode ter um conjunto de Campos diferente, fazendo variar a representação final da conexão. Os elementos associados podem ser manipulados como qualquer outro elemento de CAD. Por exemplo, pode-se movê-los, alterar sua cor ou nível no qual estão inseridos, sem perder a ligação com o elemento elétrico original. Pode-se até mesmo apagar os elementos associados. Caso se deseje restaurar os elementos associados de um determinado elemento ao seu estado original (por exemplo, após ter apagado inadvertidamente algum elemento associado), deve-se utilizar o comando Reinicializar textos. O raciocínio contrário é um pouco diferente: caso o elemento elétrico original seja apagado, os elementos associados também o serão, estejam selecionados ou não. Caso este seja movido, os elementos associados serão movidos proporcionalmente. Pode-se sempre acessar o elemento elétrico original através de um de seus elementos associados. Executando-se um duplo-clique sobre o elemento, pode-se acessar seu diálogo de propriedades. Cada elemento possui um diálogo específico, mas todos os elementos que são associados possuem um botão especial no diálogo que permite acessar o elemento elétrico original. Os elementos associados podem ser copiados (através do comando Manipular-Copiar), mas os elementos gerados não terão qualquer ligação com o elemento elétrico original. Existem tipos diferentes de desenho que podem ser gerados através do programa: Plantas baixas, compostas pelas janelas de Croqui; Detalhes, gerados a partir do croqui, para representar projetos auxiliares ou destacar porções do pavimento. O mesmo elemento pode ser colocado em duas plantas diferentes, sendo representado de forma diferente nos dois desenhos. Para tal, existem conjuntos de elementos associados diferentes para as janelas de croqui e de detalhe. O princípio básico é o seguinte: Os elementos elétricos compõem a estrutura da tubulação. Esta estrutura pertence ao projeto como um todo. Sejam os tubos adicionados no croqui ou no detalhe, estão sempre presentes no croqui do pavimento. Desta forma, pode-se, por exemplo, manter os campos de indicação em um dos detalhes e apagá-los na planta baixa.
  48. 48. Um elemento elétrico é também um elemento gráfico, possuindo certas propriedades que controlam o modo como este será exibido. Estas são o nível, cor e tipo de linha. Diferentemente dos elementos básicos, quando um elemento novo é inserido no desenho, a este são atribuídas as propriedades correntes do desenho, as propriedades gráficas dos elementos estruturais são definidas pela configuração Níveis padrão . Existe uma configuração distinta para cada uma das Redes possíveis do projeto. Em cada uma, cada item controla a inserção de um elemento específico. Por exemplo: Condutos: define a cor e o nível no qual serão inseridos os elementos Conduto; Textos conduto: define a cor e o nível nos quais serão inseridos os elementos de texto associados aos condutos (indicação da peça); Fios: define a cor e o nível no qual serão inseridas as representações da fiação dos condutos. Uma alteração nesta configuração irá afetar apenas os próximos elementos a serem inseridos. Caso se deseje alterar as propriedades de elementos já existentes, deve-se utilizar o comando Manipular-Propriedades . Caso se deseje redefinir todos os elementos associados a um conduto ou conexão, pode-se utilizar também o comando Elementos-Reinicializar textos.
  49. 49. Os elementos utilizados para representar a tubulação são, a princípio, elementos gráficos, sobre os quais aplicam-se as mesmas regras de captura, visualização, propriedades, etc. Sobre eles, também, pode-se usar os comandos existentes nos menus Manipular e Ferramentas . Todavia, devido à sua natureza especial, existem certos comandos que não se aplicam a determinados elementos, ou que sofrem algum tipo de modificação. Abaixo, estão listados os comandos cujo comportamento é diferente quando utilizados sobre os elementos do croqui. Os elementos elétricos podem ser apagados da mesma maneira que qualquer elemento gráfico. Ao se fazer isto, serão apagados também todos os elementos associados, independentemente destes estarem selecionados ou não. No caso dos elementos pontuais (Conexão, Quadro, etc), caso o elemento esteja associado a um conduto (ou seja, caso exista um conduto ligado a ele), não poderá ser apagado até que o conduto seja apagado. Caso contrário, o comando será cancelado. Os elementos elétricos podem ser movidos da mesma maneira que qualquer elemento gráfico, com exceção do elemento Conduto, que não pode ser movido individualmente, devendo-se mover seus nós (conexões) inicial e final. O conduto será alterado, acompanhando o contorno. Os elementos Conexão são os que realmente definem a geometria do pavimento. Movendo-os, movem-se os tubos associados. Além disso, o comando Mover pode ser utilizado para alterar o próprio lançamento da tubulação. Isto porque, quando um elemento como este é movido, a definição de sua posição destino é tratada como na inserção, ou seja, caso uma conexão seja movida para uma posição sobre um conduto, este será automaticamente dividido. Caso uma conexão seja movida para a posição de outra, todos os condutos ligados serão agrupados. O comando Copiar pode ser aplicado a elementos de entrada gráfica. Na cópia do projeto ou parte dele, no croqui, serão mantidas as características dos condutos e conexões, inclusive seus elementos associados. Os quadros serão renomeados. A primeira cópia do quadro QD-1, por exemplo, receberá o nome QD-1-1, a segunda QD-1-2 e assim, sucessivamente. Os detalhes presentes no croqui serão copiados e renomeados da mesma maneira que as colunas. Os detalhes resultantes são gerados novamente a partir dos elementos copiados. Portanto, a cópia não contém as alterações do original (por exemplo, cotas ou textos adicionados). Para copiar todas as informações contidas no croqui, inclusive a arquitetura, deve-se tomar o cuidado de manter o "Filtro" desligado e o perfil de nível em Geral. Para refazer a numeração dos quadros e detalhes, pode-se aplicar o comando Elementos-Numeração. Ao ser executado sobre um ou mais elementos da entrada gráfica, o comando Copiar emite para o usuário a mensagem "Deseja gerar cópias dos circuitos e comandos referenciados pelos elementos selecionados?". Caso a resposta seja "Sim", será gerada uma cópia de cada circuito presente nos elementos originais, sendo os elementos copiados colocados nos circuitos novos. Isto é feito, por exemplo, para copiar porções inteiras de um pavimento. Ao copiar as lâmpadas e seus interruptores para outra posição, essa opção gera um novo comando para os novos elementos, o que também é correto. Caso a resposta seja "Não", os elementos gerados serão colocados nos mesmos circuitos dos elementos originais. Essa opção é mais usual na cópia de um elemento isolado dentro do mesmo circuito, apenas para aproveitar suas características sem ter que lançá-lo de novo.
  50. 50. O comando Espelhar pode ser aplicado a elementos de entrada gráfica. Na cópia do projeto ou parte dele, no croqui, serão mantidas as características dos condutos e conexões, inclusive seus elementos associados. Os quadros serão renomeados. A primeira cópia do elemento QD1, por exemplo, receberá o nome QD1-1, a segunda QD1-2 e assim, sucessivamente. Os detalhes presentes no croqui serão espelhados e renomeados da mesma maneira que os quadros. Os detalhes resultantes são gerados novamente a partir dos elementos copiados. Portanto, a cópia não contém as alterações do original (por exemplo, cotas ou textos adicionados). Para espelhar todas as informações contidas no croqui, inclusive a arquitetura, deve-se tomar o cuidado de manter o "Filtro" desligado e o perfil de nível em Geral. Para refazer a numeração dos quadros e detalhes, pode-se aplicar o comando Elementos-Numeração. Ao ser executado sobre um ou mais elementos da entrada gráfica, o comando Espelhar emite para o usuário a mensagem "Deseja gerar cópias dos circuitos e comandos referenciados pelos elementos selecionados?". Caso a resposta seja "Sim", será gerada uma cópia de cada circuito presente nos elementos originais, sendo os elementos copiados colocados nos circuitos novos. Isto é feito, por exemplo, para espelhar porções inteiras de um pavimento. Ao espelhar as lâmpadas e seus interruptores para outra posição, essa opção gera um novo comando para os novos elementos, o que também é correto. Caso a resposta seja "Não", os elementos gerados serão colocados nos mesmos circuitos dos elementos originais. Essa opção é mais usual na cópia de um elemento isolado dentro do mesmo circuito, apenas para aproveitar suas características sem ter que lançá-lo de novo. O comando Escalar , que tem a função de alterar a escala de elementos selecionados do desenho, não existe na janela de croqui. Em seu lugar, há o comando Alterar escala. A diferença entre os dois é que o primeiro solicita a seleção dos elementos que serão alterados, enquanto que o segundo aplica-se imediatamente sobre todos os elementos da janela. Isto ocorre porque um CAD normal (uma planta de forma, um detalhamento, etc) pode possuir elementos em escalas diferentes, enquanto que a entrada gráfica da estrutura deve obrigatoriamente ser feita em uma escala determinada. Com o comando Alterar escala, pode-se mudar a escala de todo o croqui, sem afetar o lançamento propriamente dito. Pode-se, inclusive, utilizar escalas diferentes em cada pavimento. O comando Offset, que apresenta a função de criar uma cópia do elemento, paralela a este e a uma certa distância, não pode ser aplicado diretamente sobre os elementos da entrada gráfica. O comando Unir não se aplica aos elementos da entrada gráfica. O comando Estender, que tem a função de posicionar a extremidade de um elemento sobre o outro selecionado, não pode ser aplicado diretamente sobre os elementos da entrada gráfica. O comando Cortar não se aplica aos elementos da entrada gráfica.
  51. 51. O comando Ajustar, que tem a função de cortar um elemento sobre outro selecionado, não pode ser aplicado diretamente sobre os elementos da entrada gráfica. Neste ponto, inicia-se o projeto elétrico propriamente dito. Este programa utiliza objetos gráficos inteligentes, chamados aqui elementos elétricos. Antes de começar, você deve estar informado sobre alguns conceitos importantes e sobre a terminologia adotada. Leia com atenção o capítulo "Leitura preliminar: Conceitos importantes", caso ainda não o tenha feito. Para acessar o pavimento, ative a Janela de Projeto e, nesta, execute um duplo-clique sobre o pavimento Térreo na lista de pavimentos. Esta é uma janela especial, chamada janela de croqui. Nela, estão disponíveis um conjunto adicional de comandos, que visam inserir e manipular os elementos que definirão o projeto elétrico. Mais informações sobre a janela de croqui O croqui corresponde ao tipo de janela no qual é feito o lançamento elétrico de cada pavimento. A filosofia de trabalho do programa divide o lançamento modelado em pavimentos, e a cada pavimento está associada uma Janela de Croqui que contém os elementos gráficos que representam o lançamento elétrico. A Janela de Croqui possui uma série de diferenças em relação a uma janela de CAD básico: Apresenta uma escala constante, diferente das janelas de CAD básico, que podem combinar desenhos em diferentes escalas; Permite a inclusão de elementos especiais, denominados elementos elétricos, destinados a representar a estrutura da tubulação; Uma ferramenta especial de seleção, denominada Filtrar Desenhos, permite deixar ativos apenas os elementos elétricos da janela, de forma independente do estado de níveis da janela; O conteúdo da janela de croqui pode ser gravado, assim como as demais janelas de CAD, através do menu "Projeto-Salvar arquivo", mas, neste caso, a gravação significa exportar os elementos complexos na forma de elementos simples. Vamos inserir a planta arquitetônica do pavimento Térreo, previamente gravada em formato DXF. Deve-se lembrar que esta planta já foi preparada anteriormente, em duas operações importantes: correção das coordenadas absolutas
  52. 52. Neste programa, é feito o modelamento dos condutos da edificação como um todo no computador. Para tal, cada pavimento deve estar situado exatamente na mesma posição, garantindo o alinhamento vertical dos condutos. As plantas arquitetônicas importadas para o projeto devem, portanto, estar nas mesmas coordenadas de CAD para garantir o alinhamento entre os pavimentos. Desta forma, para preparar as plantas arquitetônicas dos diversos pavimentos, você deve eleger um ponto da estrutura que seja comum a todas as plantas (um canto, caixa de elevador, etc). Neste caso, vamos eleger o canto inferior esquerdo, que está na mesma prumada em ambas as plantas. A idéia básica é mover as plantas de forma que este ponto escolhido esteja na mesma posição nas duas plantas. Para isto, pode-se utilizar o comando Mover ou outro comando específico para esta aplicação, que é o comando Posicionar Origem. Para isto, vamos: Verificar se a captura de pontos ligada é a correta. Vamos utilizar a captura "Intersecção". Para isto, o botão , na barra de ferramentas do CAD, deve estar pressionado. DICA: Esta é a captura usada em 95% dos casos. Vamos mantê-la ligada sempre, alterando para outro tipo de captura apenas quando for necessário. Existe uma diferença muito grande entre a captura de pontos e as ferramentas de captura, que são os botões disponíveis na paleta "Captura". Posicionar a janela de visualização mais perto do ponto que se deseja utilizar como referência. Isto depende, evidentemente, da prática de cada usuário na operação do ambiente CAD. Pode-se utilizar, por exemplo, o comando Zoom e definir uma janela um pouco mais próxima; Acessar o comando Ferramentas-Posicionar origem. A linha de comando passará a indicar "Posicionar origem-Ponto de referência"; Selecionar o ponto inferior esquerdo (destacado na figura) com o mouse;
  53. 53. Reenquadrar o desenho, pressionando o botão . Ao final, o desenho estará aparentemente igual, mas posicionado de tal forma que o vértice inferior esquerdo esteja exatamente nas coordenadas (0,0). Pode-se confirmar isto executando um duplo-clique sobre a linha horizontal inferior do desenho. Será aberto um diálogo contendo suas propriedades, onde pode-se observar as coordenadas X e Y dos pontos inicial e final. Um deles deve ser (0,0). conversão da escala Quando se for importar esta planta arquitetônica para o projeto, através do comando Ler DXF, será possível converter o desenho para a escala do pavimento. Todavia, como estamos preparando previamente as plantas, podemos deixá-las gravadas já na escala correta, evitando que isto tenha que ser feito mais tarde. A escala corrente do desenho está definida na barra de ferramentas do CAD. Nos desenhos independentes, pode-se trabalhar com escalas diversas no mesmo desenho, enquanto que, nas janelas de entrada gráfica, existe apenas uma escala em todo o desenho. Mais informações sobre a escala do desenho A preparação da planta baseia-se em dois pontos: Define-se previamente qual a escala que será adotada nas plantas dos pavimentos. Neste caso, vamos usar a escala padrão 1:50. Deve-se saber ao menos uma dimensão contida no desenho. Informando-se ao programa este ponto e qual a distância desejada, ele pode converter a escala do desenho de forma a corresponder a estas informações. Existe um comando que se destina especificamente a corrigir a escala de desenhos importados de arquivos externos: o comando Converter para escala. Deve-se proceder da seguinte forma: Alterar a escala da janela para a escala desejada (no caso, 1:50), na barra de ferramentas do CAD; Escolher uma distância que seja conhecida; Uma escolha interessante pode ser um dos comprimentos totais da edificação, caso se saiba com certeza seu valor. A escolha de pequenas distâncias para conversão da escala poderia levar a possíveis erros numéricos nesta conversão. Acessar o comando Ferramentas-Converter para escala. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Primeiro ponto"; Selecionar, com o mouse, os dois pontos que definem a largura total do alinhamento menor da fachada. A linha de comando passa a indicar "Converter escala-Distância";
  54. 54. Digitar a distância desejada entre os dois pontos, que no caso é 810cm. Com isto, o programa converterá a escala do desenho de tal forma que, para a escala corrente, a distância entre os dois pontos seja exatamente a digitada; IMPORTANTE: Independentemente de qualquer configuração ou da escala corrente, as coordenadas informadas no ambiente CAD devem ser feitas sempre em centímetros. Reenquadrar o desenho, pressionando o botão . Conferindo a converssão da escala. Após converter a escala, deve-se verificar se esta operação foi feita corretamente. Caso contrário, ao utilizar uma planta com coordenadas incorretas para lançar a tubulação, pode-se ter erros significativos. Uma forma de conferir a conversão da escala é medir outras distâncias no desenho para verificar se estas estão corretas. Para isto: Acesse o comando Ferramentas-Medir; Escolha uma distância a ser medida. Por exemplo, pode ser a largura da parede. Todas as paredes utilizadas neste exemplo têm 15 cm; Informar os dois pontos que definem a distância. No canto inferior direito, uma pequena janela indicará a distância obtida. O campo "parcial" corresponde à distância entre os dois últimos pontos; O programa continua solicitando outro ponto, para medida de perímetros. Pressione <Enter> para encerrar o comando. Para importar a planta arquitetônica, vamos utilizar o comando Ler DXF: Acesse o comando Ferramentas-Ler DXF. Será aberta uma caixa de diálogo padrão de seleção de arquivo; Selecione o arquivo (no caso, o arquivo INFERIOR.DXF) e pressione OK. Neste ponto, o programa exibirá um diálogo que permite definir a forma como a planta será lida;
  55. 55. As seguintes opções estão presentes: Converter logo após a leitura: define se a conversão da escala será feita para o arquivo lido. Uma vez que já convertemos a planta para a escala correta, pode-se desativar esta opção; Níveis de desenho: define o tratamento para os níveis do desenho lido. Escolha "Inserir todos no nível" e escolha "Arquitetura". Com esta opção, insere-se todo o desenho em um único nível definido. A outra opção inseriria o desenho nos mesmos níveis no qual foi desenhado. Mais informações sobre os níveis de desenho Pressionando-se OK, o desenho será inserido na janela.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×