• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Microsoft Word   ExecuçãO De Alvenaria NãO Estrutural   RevisãO [11] 21.08
 

Microsoft Word ExecuçãO De Alvenaria NãO Estrutural RevisãO [11] 21.08

on

  • 2,267 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,267
Views on SlideShare
2,262
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 5

http://www.linkedin.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Microsoft Word   ExecuçãO De Alvenaria NãO Estrutural   RevisãO [11] 21.08 Microsoft Word ExecuçãO De Alvenaria NãO Estrutural RevisãO [11] 21.08 Document Transcript

    • EXECUÇÃO DE ALVENARIA NÃO ESTRUTURAL (REVISÃO 4) Agosto/09
    • O segredo é não correr atrás dasborboletas...é cuidar do jardim para que elas venhamaté você.Mário Quintana 2
    • 10 MANDAMENTOS PARA ALVENARIA NÃO ESTRUTURAL1º Kanban2º Depósito de massa3º Uso correto da Tela de ancoragem4º Massa cheia primeira fiada5º Massa cheia contra pilar6º Bloco compensador7º Espaço de cunha 2 a 3 cm8º Uso do escantilhão9º Disponibilidade e assentamento de prémoldados10º Instalações embutidas ao mesmo tempo 3
    • SUMÁRIO1. OBJETIVO: .................................................................................................. 62. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ................................................................ 63. MATERIAIS .................................................................................................. 74. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ................................................................ 75. PLANEJAMENTO E PREPARAÇÃO PARA EXECUÇÃO ........................ 105.1 Montagem do Kanban de Blocos e Argamassa ........................................ 95.2 Levantamento e Montagem da Ordem de Serviço de Mão-de-Obra....... 125.3 Estabelecer seqüência na execução das vistas ...................................... 135.4 Montagem do Painel de Vistas................................................................ 115.5 Depósitos ................................................................................................ 115.6 Central de Blocos Tapados e Chumbados (Blocos Elétricos) ................. 125.7 Treinamento dos Guincheiros / Abastecimento....................................... 126. MÉTODO EXECUTIVO .............................................................................. 156.1 Ciclo do Serviço Antecessor (Chapisco Rolado) ..................................... 136.2 Fixação e Tipos de Amarração ............................................................... 136.3 Primeira Fiada ......................................................................................... 166.4 Assentamento dos Blocos ....................................................................... 176.4.1 Preparo da Argamassa de Assentamento ........................................... 176.4.2 Juntas Horizontais e Verticais .............................................................. 186.4.3 Junta Vertical Contra o Pilar ................................................................ 186.4.4 Limpeza das Juntas após o Assentamento ......................................... 196.4.5 Utilização dos Caixilhos na Área de Serviço ........................................ 196.5 Assentamento de Pré-Moldados ............................................................. 206.5.1 Cuidados no Assentamento das Tampas de Ar Condicionado ............ 206.5.2 Cuidado na Colocação do Peitoril Pré-Moldado .................................. 216.6 Cunha ..................................................................................................... 216.6.1 Bloco Cunha ........................................................................................ 216.6.2 Espaçamento do Encunhamento ......................................................... 22 4
    • 6.7 Chumbação de Contramarco .................................................................. 226.8 Fixação dos Guarda-Corpos ................................................................... 236.9 Terminalidade e Limpeza ........................................................................ 236.10 Alvenarias Fora do Ciclo ......................................................................... 246.10.1 Térreo .................................................................................................. 246.10.2 Coberturas ........................................................................................... 246.10.3 Elemento Vazado................................................................................. 247. SEGURANÇA ............................................................................................ 257.1 Cabo de Linha de Vida............................................................................ 257.2 Retirada das Telas de Periferia ............................................................... 257.3 Retirada das Bandejas de Proteção........................................................ 257.4 Guarda-Corpo de Proteção ..................................................................... 25 5
    • SISTEMA DE GESTÃO Código: INTEGRADO SGI-008 Título: Revisão: EXECUÇÃO DE ALVENARIA NÃO ESTRUTURAL 4 Eminente: Aprovador: Data André Garcia Ademir Voss Fernanda Gerhard Guilherme Loureiro 03/08/2009 Thiago Medeiros1. OBJETIVO: Este procedimento visa padronizar e fornecer diretrizes para o processo de Execução de AlvenariaNão Estrutural de forma a racionalizar o serviço e obter maior produtividade sem a ocorrência dedesperdício ou retrabalho.2. DOCUMENTOS NECESSÁRIOSProjetos: Projeto de Modulação da Alvenaria: Plantas-Baixa e Vistas (Modulações) Projeto Hidrossanitário Projeto Elétrico Projeto de Ar Condicionado Projeto de Escada Pressurizada Projeto de Gás Projeto dos ElevadoresSegurança (PCMAT). 6
    • 3. MATERIAISBlocos Cerâmicos – com especificações definidas no projeto de modulação da alvenaria. Bloco Tradicional Bloco Cunha Bloco EspecialArgamassa Grossa – utilizada para o assentamento dos blocos e produzida conforme o traçopadronizado. (Anexo 01)Elementos Pré-Moldados – fabricados na obra ou fornecidos prontos, conforme medidas estipuladas noprojeto. Na fabricação em obra, existe a vantagem da utilização da sobra de concreto da tubulação ecocho da bomba quando das concretagens da supra-estrutura. Neste caso deve-se prever a solicitaçãodas fôrmas metálicas. Pré-moldado para peitoril de granito 7
    • Pré-moldado para pingadeira de concreto aparenteTela de Amarração – serão utilizadas duas medidas da tela, conforme a espessura do bloco. No bloco de14cm – uma tela de 12cm, e no bloco de 19cm v– duas telas de 6cm x 25cm.Tiros e pinos – para a fixação das telas de amarração com o uso da pistola.4. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 8
    • Máquinas e Ferramentas para uso dos pedreiros: 04 escantilhões até a viga com h=2,22m, por pedreiro; 02 escantilhões até a laje com h=2,62m, por pavimento; 02 armações com roda (carrinho) para suporte da caixa de argamassa, por pedreiro; 03 cavaletes metálicos com h=0,40m, por pedreiro; 04 tábuas de 0,30m x 3,00, por pedreiro; 01 colher de pedreiro; 01 colher meia-cana com comprimento de 30 a 40 cm e ø = 25mm; 01 tela azul de nylon para limpeza da alvenaria, por pedreiro; 01 balde por pedreiro; 01 trincha média por pedreiro; 01 pistola finca-pino por torre; 01 caixa por pedreiro, preferencialmente confeccionada em obra com retalhos de compensado, conforme figura; linha de nylon, prumo e metro; luvas de borracha.Ferramentas para uso do guincheiro: 01 paleteira; 02 giricas para limpeza; 01 carrinho de carga para transporte dos blocos – tipo Coca-Cola; luvas de borracha;Ferramentas para uso do masseiro e serventes: 01 misturador por pavimento (masseira); 01 carrinho de carga para transporte dos blocos – tipo Coca-Cola; 02 carrinhos de mão para transportar a massa; 02 tonéis para água; 01 vassoura para limpeza; paletes para depósito da argamassa; ponto de água e energia no pavimento. 9
    • 5. PLANEJAMENTO E PREPARAÇÃO PARA EXECUÇÃO 5.1 Montagem do Kanban de Blocos e Argamassa O kanban de blocos é elaborado a partir das vistas de modulação da alvenaria, as quais devem ser analisadas criteriosamente, prevendo-se possíveis agrupamentos ou desmembramentos das vistas, amarrações dos panos perpendiculares e em níveis diferentes, assim como os vãos a serem executados em outros momentos, como a parede do guincho e os vãos de lareiras, churrasqueiras e shafts. O kanban de argamassa é estabelecido a partir da área de alvenaria, utilizando-se o indicador de 0,93 sacos de argamassa grossa por metro quadrado de alvenaria. É recomendado o abastecimento do pavimento com os elementos pré-moldados anteriormente aos blocos, definindo-se um kanban independente para tais materiais. Após a execução do primeiro lote de serviço, é fundamental que se faça o ajuste dos quantitativos presentes no kanban (blocos e argamassa), assim como a seqüência de execução, não só de cada parede, mas também do plano de ataque ao pavimento, priorizando aspectos voltados à segurança (vãos de elevadores e escadaria) e facilidade de execução. Consumos esperados Consumo de blocos: 16,67 bl/m² (blocos inteiros sem vãos e sem blocos especiais). Consumo de argamassa: 0,93sc/m². 10
    • Kanban de Blocos e Pré-MoldadosLocal onde deverá ser utilizado o Determinação do kanban quantitativo do kanban Referência sobre o tipo de Bloco Referência sobre a quantidade de peças 11
    • Kanban de Argamassa Tipo de Massa do kanbanData do inicio do abastecimento Marcação das massas extrasQuantidade para um pavimento Motivo das massas extras Pavimento abastecido Quantidade estabelecida para carga do guincho 5.2 Levantamento e Montagem da Ordem de Serviço de Mão-de-Obra Considerando os critérios de medição de serviço de alvenaria, deve ser levantada toda a mão-de-obra necessária para a execução da tarefa. Na montagem da O.S. é importante a definição dos lotes de pagamento, que devem ser vinculados a FVS e aos lotes de serviços predecessores e sucessores. Modelo no Anexo 04. CRITÉRIOS DE MEDIÇÕES ITEM CRITÉRIOS UN. Salpique, Limpeza e Medir área de lajes, vigas e pilares. m² Fixação de tela Medir área das paredes, descontando todos os vãos acima de 4,00 m². Alvenaria de Blocos m² Medir do piso ao fundo da viga / laje. Descontar todos os pilares inseridos na alvenaria. Quantidade de peitoril, taipás e tampa de ar Elementos Pré-Moldados un. condicionado. Chumbação de Quantidade aplicada. un. contramarco 12
    • 5.3 Estabelecer Seqüência na Execução das VistasEste estudo tem como objetivo a melhora da logística de abastecimento, vedação, fechamento daprumada do guincho, fixação dos guarda-corpos de sacada e outros critérios estabelecidos pelo corpotécnico da obra. Esta seqüência deverá ser indicada no Painel de Vistas.5.4 Montagem do Painel de VistasDeve ser prevista a montagem de um painel, com fácil mobilidade, com o objetivo de expor os projetosde vistas para visualização dos pedreiros no pavimento. Neste painel também deverá ser fixado o“Croqui de Alerta aos Problemas Freqüentes”. Croqui no Anexo 05.5.5 DepósitosEste estudo deve ser iniciado na definição da localização do guincho. Também devem serconsideradas as áreas do térreo, as quais serão destinadas a depósitos de argamassa, de blocos eáreas de circulação de materiais. Lembrando que o depósito de argamassa deverá ser fechado comporta em dimensões suficientes para a entrada de um palete e seguindo as recomendações dearmazenagem do IBP.Blocos: O estoque deve estar em local limpo e sem contato direto com o solo; Deve ser feita a separação e identificação de blocos por tipo; O estoque deve estar em local protegido de chuva ou coberto com lona.Argamassas: A argamassa deve estar em um local coberto e cercado; O acesso ao depósito deve ser restrito; Na estocagem deve ser praticado o PEPS; As pilhas de argamassas sobre pallets devem estar com uma distância de 20 cm em relação às paredes. 13
    • As planilhas de estoque e kanban devem estar expostas junto ao depósito.5.6 Central de Blocos Tapados e Chumbados (Blocos Elétricos)Dentro do estudo da localização dos depósitos, é importante estabelecer uma área destinada àprodução dos blocos tapados e chumbados.5.7 Treinamento dos Guincheiros / AbastecimentoCom o kanban montado, o guincheiro deve ser treinado para entender e abastecer os pavimentosconforme as informações do kanban. Ele passa a ser uma importante ferramenta para a execução doserviço conforme o procedimento e controle de desperdício. Registrar estes treinamentos em ata. 14
    • 6 MÉTODO EXECUTIVO 6.1 Ciclo do Serviço Antecessor (Chapisco Rolado) Para o início da atividade de alvenaria é fundamental a conferência e a liberação do serviço que a antecede. O chapisco rolado deve estar concluído no prazo mínimo de 3 dias antes do início da alvenaria (SGI-016). 6.2 Fixação e Tipos de Amarração Instalação das telas anco-fix para amarração e ancoragem dos blocos cerâmicos junto aos elementos estruturais com gabarito indicando posição das juntas: Nas paredes com blocos de 14 cm, colocar tela de 12 cm de largura com comprimento de aproximadamente 25 cm (5 cm para fixação junto ao pilar e 20 cm para amarração entre os blocos) colocadas em fiadas alternadas. 15
    • Nas paredes com blocos de 19 cm, colocar duas telas de 06 cm de largura, afastadas 5 cm entre elas, com comprimento de aproximadamente 25 cm (5 cm para fixação junto ao pilar e 20 cm para amarração entre os blocos) colocadas em fiadas alternadas.Um kit com a quantidade e tipo de telas utilizadas no pavimento deve ser elaborado e disponibilizadono local após a execução do chapisco rolado, evitando-se qualquer desperdício do material. Éfundamental a conferência da fixação e aplicação das telas, assim como a inspeção do chapiscorolado, como forma de liberar o início da alvenaria no pavimento.6.3 Primeira FiadaEsta etapa garante a qualidade dos serviços subseqüentes, já que visa optimizar o consumo derevestimento e a correção de possíveis defeitos da estrutura de concreto armado. A marcação deveiniciar pelas paredes da fachada, a partir das quais se fará a locação das paredes internas. Após aconclusão é importante a conferência de esquadro das áreas. Neste serviço, são usados escantilhõesmetálicos devidamente alinhados e aprumados, linha de nylon e esquadro. 16
    • 6.4 Assentamento dos BlocosA seqüência de execução das vistas de assentamento deve respeitar a ordem estabelecida no “planode seqüência de execução das vistas”, que deve estar exposto no “Painel de Vistas”. 6.4.1 Preparo da Argamassa de Assentamento É realizado com argamassa grossa industrializada, misturada com água em misturador horizontal apropriado. O indicador de traço deve estar sempre junto ao equipamento. Cada misturador tem um servente responsável e identificado, de forma a possibilitar um controle quanto à limpeza e manutenção do equipamento. 17
    • 6.4.2 Juntas Horizontais e VerticaisAs juntas horizontais de argamassa devem ter espessura em torno de 1cm. A ferramenta a serutilizada é a meia-cana, gerando dois cordões contínuos, um em cada extremidade docomprimento da parede. 6.4.3 Junta vertical contra o pilarNas juntas que unem os pilares à alvenaria deve-se ter o cuidado de preencher a face do bloco emseu todo, evitando assim futuros problemas de fissuras. 18
    • 6.4.4 Limpeza das Juntas após o AssentamentoCom a finalidade de obter um melhor acabamento, as juntas de assentamento são limpas com umatela azul de nylon. 6.4.5 Utilização dos Caixilhos na Área de ServiçoNas alvenarias em que são previstas aberturas para ventilação, locais a se colocar grelhasposteriormente, deve-se prever a inserção de caixilhos de madeira de boa qualidade no momentoda elevação da alvenaria. 19
    • 6.5 Assentamento de Pré-MoldadosNão é permitida a colocação do elemento pré-moldado após a conclusão da alvenaria, ou seja, a peçadeve ser obrigatoriamente assentada quando da elevação da vista a qual pertence. 6.5.1 Cuidados no Assentamento das Tampas de Ar Condicionado Nos projetos onde se prevê a colocação de tampas pré-moldadas de ar condicionado tipo gaveta, os blocos que servem de apoio para peça, devem estar tapados com cimento e areia, para obter-se melhor sustentação da peça e evitar-se infiltração das intempéries externas. Blocos Tapados 20
    • 6.5.2 Cuidado na Colocação do Peitoril Pré-Moldado Nos projetos onde se prevê a colocação de peitoril pré-moldado, com acabamento em pedras ou não, os blocos que servem de apoio para peça, devem estar tapados com cimento e areia. O seu assentamento é feito com a mesma argamassa das juntas da alvenaria, após a peça ser devidamente umidecida. Um cuidado importante é o controle da espessura da massa que serve de assentamento ao peitoril, que deve variar de 1,0 cm a 1,5 cm. Assentamento da peça umidecida com espessura de argamassa entre 1cm a 1,5cm.6.6 Cunha 6.6.1 Bloco cunha Este tipo de bloco é utilizado na última fiada da vista, por ter sua face superior fechada, possibilitando que a massa de cunha preencha todo o vão entre o bloco e a estrutura. Deve haver um cuidado especial nas descidas de tubulações elétricas e hidráulicas, nos quais, necessitam dos blocos vazados na última fiada. Neste caso, o vão do bloco não utilizado para as passagens deve ser tapado. 21
    • Bloco Cunha 6.6.2 Espaçamento do Encunhamento O vão deve variar entre 2 e 3 cm e o material utilizado deve ser específico para o encunhamento por ter elevada capacidade de absorsão de deformações devido à deformação lenta da estrutura. Esta etapa deve ser retardada o máximo possível, para que grande parte das deformações e acomodação da estrutura tenha ocorrido, evitando-se fissuras posteriores. Para o início da atividade de encunhamento, no mínimo 4 pavimentos acima devem estar com a alvenaria concluída. O Espaçamento deve variar entre 2 e 3cm.6.7 Chumbação de ContramarcoA chumbação dos contramarcos deve ser feita com argamassa pronta de piso ou cimento e areia, notraço 1:3, bem cheia e bem apertada para garantir a estanqueidade. Um cuidado importante é omomento da retirada das cunhas de madeira, usadas para a fixação dos contramarcos. Após a cura 22
    • da massa de chumbação são retiradas as cunhas e preenchidos os vãos deixados pelas mesmas,antes que a atividade de reboco interno inicie no pavimento.6.8 Fixação dos Guarda-CorposNas situações onde existe a fixação de guarda-corpos na alvenaria, deve-se prever um enchimentonos blocos onde ocorrerá a chumbação.6.9 Terminalidade e LimpezaTerminalidade, limpeza e liberação, através da FVS, são critérios para o início das atividades dealvenaria no pavimento superior. Um modo para controlar este processo, é a liberação controlada daprodução de argamassa de assentamento no próximo pavimento. 23
    • 6.10 Alvenarias Fora do Ciclo 6.10.1 Térreo A alvenaria dos pavimentos térreos pode ser iniciada antes dos pavimentos, sendo, neste caso, necessário um estudo de logística de acesso ao guincho, depósitos e abastecimento da torre. A conclusão das alvenarias externas do térreo deve ser realizada antes do início do revestimento externo, visando a terminalidade. 6.10.2 Coberturas Antes do início da atividade de alvenaria na cobertura, deve ser realizado um estudo de seqüência de execução, visando à liberação do revestimento de fachada e a instalação dos reservatórios, quando necessário. Na elevação das platibandas executa-se três fiadas de bloco (aproximadamente 60cm) e concretam-se os pilaretes até a respectiva altura, repetindo-se este processo até a cota especificada no projeto. Para a execução das cintas, recomenda-se que a última fiada da platibanda seja realizada com bloco cunha (h=20cm). Para evitar fissuras entre a laje da cobertura e a alvenaria da platibanda é importante analizar a alternativa de avançar esta alvenaria 3 cm para fora da prumada da torre. 6.10.3 Elemento Vazado Nas paredes que possuem elementos vazados, o vão na parede deve ser galgado de acordo com as dimenções do elemento informado em projeto, pois as peças não permitem arremates. A execução do serviço só inicia após a conclusão do reboco interno e externo. Para o assentamento dos pré-moldados é utilizada a argamassa de piso. As juntas horizontais devem ter uma barra de aço de Ø6,3mm centralizada em toda a sua extensão. O encunhamento no encontro do elemento vazado com a viga é realizado com mastique poliuretânico com espaçamento variando entre 0,5cm e 1,0cm. Apenas o último elemento vazado necessita arremate realizado pelo lado externo. 24
    • 7 SEGURANÇA 7.1 Cabo de Linha de Vida Na atividade de alvenaria, o cabo de linha de vida deverá estar fixado na estrutura com as especificações conforme PCMAT da obra. Lembrando que a instalação dos cabos ocorre antes do início da atividade que antecede a alvenaria (chapisco rolado). 7.2 Retirada das Telas de Periferia A retirada das telas de proteção de periferia deve respeitar a ordem de execução das vistas, não possibilitando a ocorrência de vãos sem proteção. 7.3 Retirada das Bandejas de Proteção Nos pavimentos que possuem bandejas de proteção, elas são removidas somente após a conclusão dos três próximos pavimentos de alvenaria, no qual está reposicionada a próxima proteção. A bandeja de proteção do 2º pavimento deve ser mantida até o final da atividade de revestimento externo. 7.4 Guarda-Corpo de Proteção Como na proteção de periferia, é necessário prever a proteção dos vãos de escada e poço de elevador até que a alvenaria seja concluída no andar. 25