• Like
  • Save
Manual Do Engenheiro Goldsztein Cyrela R9
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Manual Do Engenheiro Goldsztein Cyrela R9

  • 3,378 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,378
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 MANUAL DOENGENHEIRO (REVISÃO 9) DEZEMBRO/08 (data da 1ª revisão)
  • 2. 2Não basta ter sabedoria, é necessário pô-la em prática. "Aquelecuja sabedoria é maior do que suas obras, é como árvore commuitas folhas e poucas raízes; a primeira ventania a joga no chão,desenraizada".Pirkei Avot, 3:22
  • 3. 3 SUMÁRIOItem Assunto pág. 1 Objetivo e Metodologia 4 2 A Função Engenheiro de Obra 5 3 hierarquia na produção 6 4 gerência de engenharia 8 relação e interface gerente de engenharia 5 x 12 engenheiro de obra relação e interface engenheiro de obra 6 x 14 mestres de obra relação e interface engenheiro de obra 7 x 15 estagiários relação e interface engenheiro de obra 8 x 15 técnicos de segurança relação e interface engenheiro de obra 9 x 16 administrativos relação e interface engenheiro de obra10 x 17 engenheiros de obra procedimentos, processos, atividades e retroalimentação para11 melhoria contínua 17 (11.1 procedimento final feliz incluso neste tópico à pag. 17)12 fluxos de obra, escadinhas e sequenciamento da produção 1813 gestão de contratos, medições e liberação de serviços 1914 gestão à vista 2015 Treinamentos 2116 kanbans e fichas de controle de produção 2317 reuniões periódicas e convocações para treinamentos 2618 apresentações e relatórios 2619 rotina semanal e link’s importantes 2720 rotina mensal e link’s importantes 3121 rotinas referentes ao andamento da obra 3122 Link com a manutenção 3323 Solicitação de vagas e movimentação de pessoal 3324 Conclusão 34
  • 4. 4 1. OBJETIVO E METODOLOGIA:1.1. OBJETIVO:O presente trabalho tem por objetivo orientar aos engenheiros da empresa osprincípios que norteiam a nossa “engenharia de produção”, bem como afilosofia de trabalho a qual adotamos.1.2. METODOLOGIA:O método para montagem deste manual, é aplicado de maneira a que ele sirvacomo um guia de consulta rápida para as dúvidas que surgem com relação àempresa e posturas necessárias à preservação dos nossos métodos e melhoriacontínua dos mesmos.Questões técnicas, organizacionais e/ou comportamentais serão tratadas demodo a mantermos um nivelamento comportamental com foco no método daempresa e não apenas nas questões pontuais e pessoais de cada um.O método a ser aplicado deve ser o da empresa e não apenas do engenheiro daobra. Desta maneira evitamos a variabilidade dos resultados tão comuns nasáreas inerentes à produção.  Adotamos a cor azul para caracterizar os caminhos facilitadores para procedimentos, planilhas, etc.  Adotamos a cor vermelha em itálico para enfatizar os casos “clássicos” de justificativas ao erro de maneira a não haver necessidade da mesma.
  • 5. 52. A FUNÇÃO ENGENHEIRO DE OBRAO engenheiro de obra é o gestor do empreendimento, ele deve entender a obracomo seu negócio e tal deverá ter resultados positivos em qualidade, custoprazo e segurança, para a manutenção da empresa como um todo.Para tal desempenho é fundamental a aplicação do PDCA ( plan, do, check,action) conforme esquema abaixo:A figura do engenheiro é essencialmente de planejar, promover a execução, aconferência e o replanejamento do empreendimento sob sua responsabilidade.É fundamental que o engenheiro planeje e acredite naquilo que escreveu.Também é inadmissível expressões do tipo: “- Isto não é comigo!”; oengenheiro é o “comandante do barco”.
  • 6. 6 Da mesma forma o engenheiro deve ter consciência de que é um gestor de pessoas, administrando-as de maneira a obter o melhor resultado possível. 2. HIERARQUIA NA PRODUÇÃO: Nossa empresa opta por uma hierarquia vertical. Porém, permite e necessita deslocamentos horizontais conforme o caso. A mobilidade horizontal, permite que o “tempo de resposta” às questões produtivas seja mais dinâmico e rápido dentro do respeito aos níveis mais altos. Para alcançar melhores resultados, é fundamental que o engenheiro tenha conhecimento da escala hierárquica conforme segue abaixo: Organograma: DIRETOR TÉCNICO - DIRETOR TÉCNICO - LOGÍSTICA OBRAS Marco Antônio Shirmer Rogério Raabe SECRETÁRIA GERENTE DE GERENTE DE GERENTE DE GERENTE DE GERENTER DE GERENTEES COMPRAS GERENTE DE PROJETOS ATENDIMENTO PÓS ATENDIMENTO PRÉ OBRAS DE OBRAS Seno Luiz dos OBRAS PARCEIROS Sonia de Antoni VENDA VENDA ECONÔMICOS CONVENCIONAIS Santos Carla Picolli Denise Rodrigues Daisy Pellacani COORDENADOR DE COORDENADOR DE ENGENHEIRO DE COORDENADOR DE ENGENHEIROS DE COORDENADOR DE DIVISÃO DE MÃO DE PROJETOS PLANEJAMENTO SEGURANÇA ORÇAMENTO OBRAS APROVAÇÕES OBRA Lucimar Rodrigues Juliana Thompson Marco Felix Débora Horn 14 engenheiros Vera Silveira Giovana Muller FUNÇÕES TÉCNICOS DE ENGENHEIRO MESTRES DE ANALISTAS DE ESTAGIÁRIA SECRETÁRIA DAC OPERACIONAIS SEGURANÇA ORÇAMENTISTA OBRAS PROJETOS ENCARREGADO ESTAGIÁRIOS DE ESTAGIÁRIOS FUNÇÕES DEPÓSITO SEGURANÇA DO ORÇAMENTISTAS OPERACIONAIS TRABALHOAPONTADORES E ASSISTENTE DE TÉCNICOS EDIF. COMPRAS FUNÇÕES ASSISTENTE PÓS- ESTAGIÁRIO OPERACIONAIS ENTREGA ENGENHARIA
  • 7. 7Dentro do objetivo deste trabalho, vamos nos focar nas questões referentes esucessoras à Direção Técnica com devida referencia à Direção de Logística aqual interfere diretamente nas questões do dia-a-dia do Engenheiro de Obra.De maneira a simplificar o entendimento do organograma, nos dispusemos aapresentá-lo conforme abaixo: DIRETOR DIRETOR DE DE LOGÍSTICA OBRAS GERENTE DE ENGENHARIA GERENTE ENGENHEIRO DE DE COMPRAS SEGURANÇA ENGENHEIRO DE OBRAS MESTRE TÉCNICOADMINISTRATIVO DE DE OBRAS SEGURANÇA
  • 8. 84. GERÊNCIA DE ENGENHARIA:Abaixo segue o manual do Gerente de Engenharia de maneira ao Engenheirode Obra compreender e auxiliar seu Gerente no desenvolvimento dos trabalhoscorrelatos às atividades: MANUAL DO GERENTE DE ENGENHARIA 1. OBJETIVO A função do Gerente de Engenharia é representar a diretoria técnica junto ao gestordo empreendimento (engenheiro), cobrando e apoiando o mesmo, para que as obrasalcancem os resultados esperados, quanto a custo, qualidade, prazo e segurança. O Gerente de Engenharia será o responsável pela uniformização da gestão dasobras, através da implementação e cobrança das ferramentas específicas e itens de controleda empresa. Os Gerentes de Engenharia deverão apresentar em suas inspeções a mesmalinguagem de fiscalização e verificação apresentando um foco definido e objetivandosempre o padrão. 2. ATIVIDADES As principais atividades dos Gerentes de Engenharia serão:  Visitar a obra periodicamente, aferindo os resultados de prazo, qualidade, custo e segurança, pelo uso das ferramentas de gestão;  Cobrar a divulgação dos dados planejados e aferidos através da gestão a vista;  Garantir a manutenção e revisão dos procedimentos operacionais padrão (POP);  Atuar junto ao departamento de projetos e personalização no sentido de que os projetos cumpram os prazos, com qualidade;  Participar da análise dos orçamentos de obra;  Acompanhar e desenvolver a montagem do Project com os gestores de obra, atuando fortemente nas reprogramações;  Participar do recrutamento e seleção dos gestores, mestres e técnicos;
  • 9. 9  Identificar a necessidade e providenciar treinamento adequados para o uso das ferramentas pelos gestores, mestres e técnicos;  Participar da definição do lay-out de implantação do canteiro: acessos, alojamentos, refeitório, banheiros, engenharia, guincho, etc...  Desenvolver a conscientização de manutenção das condições das instalações do canteiro ao longo de todo o período da construção;  Promover reuniões de Planejamento Estratégico com os seus coordenados;  Promover e estimular treinamentos periódicos para gestores, mestres, técnicos e estagiários ( 6m, 5w2h, 7 perdas, 5 porquês, etc );  Criar planos de desenvolvimento de novos talentos;  Buscar soluções, atuar na implementação das mesmas e difundi-las nas obras da empresa, quanto a técnicas construtivas, soluções de projeto e ferramentas de gestão;  Orientação e conscientização quanto a importância dos cuidados com a segurança do trabalho;  Fazer o interface trazendo o feedback para os departamentos de projeto e orçamentação;  Verificar Liberações de pagamentos de MO;  Logística para distribuição de MO entre obras;  Gestão da MO própria (Principalmente Equipe Carpintaria) de maneira à otimizar a utilização da mesma. 3. FERRAMENTAS O Gerente de engenharia fará cumprir o uso das seguintes ferramentas paraalcançar as metas planejadas: 3.1. PLANEJAMENTO  Cronograma de obra atualizado semanalmente (MS Project);  Programação semanal dos serviços – percentual planejado concluído – PPC e PPS;  Mapa escadinha 1ª e 2ª fase das etapas drywall e acabamentos internos;  Fluxo de obra das 4 fases: fundação, estrutura, drywall e acabamentos;
  • 10. 10 Logística da estrutura ( respeito ao ciclo de execução da laje); Cronograma de contratações (materiais e mão de obra); Projeto de fachada; Planejamento específico e detalhado da implantação ( Projeto Final Feliz).3.2. CONTROLE Kanbam de alvenaria, argamassa; drywall, azulejo e cerâmica, tintas, etc; Controle de execução de atividades alvenaria e reboco, aferindo consumos e produtividades; Controle da resistência das peças estruturais ( concreto e/ou alvenaria); Controle de perda de concreto e aço; Controle de nivelamento e deformação lenta das lajes; Procedimentos operacionais padrões – POP; Quadro de Qualidade Percebida para a avaliação do desempenho das equipes de trabalho; Quadro de Efetivo para a avaliação da presença da mão de obra no canteiro; Avaliação do ambiente (IBP); Dossiês de contratações e fechamento de atividades; Quadro de localização do efetivo; Check list; Projeção do resultado financeiro da obra (EVCO).4. RESPONSABILIDADESO Gerente de Engenharia será co-responsável pela obra, emitindo ART para tanto. Osgestores serão responsáveis.Os dados de obra apresentados serão de responsabilidade dos gestores das obras. OGerente de Engenharia é co-responsável.Validação para mudanças de cronograma e interface com cronogramas de banco.
  • 11. 115. AGENDA FIXAOs Gerentes de Engenharia seguirão uma Rotina pré estabelecida em seus eventosprincipais:Haverá semanalmente conforme agenda fixa:  Uma reunião de Gerentes (participam os Gerentes de Engenharia);  Uma reunião de Gerência / Direção (participam Gerentes de Engenharia e Diretores);  Uma reunião de Engenharia (Gerentes de Engenharia e seu núcleo de Gestores de Obra);Mensalmente haverá reunião geral dos engenheiros (Gestores de Obra), Gerentes deEngenharia e Diretores, na sede na empresa, para apresentação e debate de indicadorese temas gerais.Mensalmente haverá reunião geral dos engenheiros (Gestores de Obra), Gerentes deEngenharia, na sede na empresa, para apresentação e debate de indicadores e temasgerais. Nesta ocasião participam todos os núcleos de engenharia e seus Gerentes comobjetivo de integrar e debater assuntos de interesse comum.As reuniões de Engenharia devem gerar relatório para conhecimento da Diretoria.As placas de obra serão adaptadas com descrição dos nomesdos Diretores, Gerente de Engenharia e Gestor Residente.
  • 12. 125. RELAÇÃO E INTERFACE GERENTE DE ENGENHARIA XENGENHEIROS DE OBRA:A Goldsztein Cyrela trabalha em um modelo de gestão baseada em resultados.Os resultados são alcançados através do padrão da empresa. O foco dotrabalho deve ser o resultado, os processos e nunca a pessoa independente donível hierárquico resguardadas as autoridades de cargo.Os Gerentes são cobrados para garantir o nivelamento de resultados dentro deuma padronização dos processos (vide manual do Gerente de Engenharia).Desta maneira, é fato que existirão observações que, muitas vezes, contrariamos métodos resguardados dentro dos conhecimentos adquiridos na vidaprofissional de cada um, estes métodos podem e devem ser discutidos, esta é abase da melhoria contínua, porém, a visão de grupo é função dos Gerentes edeve ser acatada e respeitada pelos engenheiros de obra.Dentro dos processos produtivos comprometidos na busca de metas, é comuma emoção prevalecer à razão. Este quadro é danoso para a empresa eindivíduo. A maturidade na assimilação de uma retomada de método éfundamental para a efetivação da estratégia.Regularmente os Gerentes de Engenharia e os Diretores, em suas visitastécnicas, fazem observações e solicitações importantes na estratégia donegócio.O tempo de retorno destas solicitações é fundamental. Desta maneira, se assolicitações não forem formalizadas, é importante que o engenheiro anote demaneira a evitar esquecimentos.O tempo de retorno considerado bom é de 48 horas. Em caso de dificuldadee/ou dúvidas o engenheiro deve recorrer ao Gerente de Engenharia.A melhor maneira de demonstrar o resultado à solicitação é discutindo asobservações de maneira organizada e itemizada ao solicitante. As afirmaçõesde cumprimento às solicitações quando vem em forma de pensamentos nãodão segurança de uso de método e acabam por gerar desgaste para ambos oslados.Use uma prancheta e mostre os itens que estão sendo trabalhados com método,data de término e responsáveis pela efetivação. O Mestre deve usar a mesmalinguagem.Nos casos de orientações divergentes entre Diretor e Gerência, deveprevalecer a orientação do Gerente até que haja contato entre as partes paraa opção de uma das diretrizes.
  • 13. 13Isto não significa que a Gerência tenha poderes sobre a Direção, o que seriailógico, porém, é a maneira que optamos para a solução de conflitos e fluxode produção.5.1 Os Gerentes são instruídos para a aplicação de metodologia tipo:“COACHING”O que é Coaching?É um relacionamento no qual uma pessoa se compromete a apoiar outra aatingir um determinado resultado: seja ele o de adquirir competências e/ouproduzir uma mudança específica. Mas não significa um compromisso apenascom os resultados, mas sim com a pessoa como um todo, seu desenvolvimentoe sua realização. Através do processo de Coaching, novas competênciassurgem, tanto para o coach quanto para seu cliente.Não é o caso de somente competência técnica ou capacidades específicas, dasquais um bom programa de treinamento poderia dar conta perfeitamente.Coaching é mais do que treinamento, o coach permanece com a pessoa até omomento em que ela atingir o resultado. É dar poder para que a pessoaproduza, para que suas intenções se transformem em ações que, por sua vez,se traduzam em resultados.O termo inglês coach tem origem no mundo dos esportes e designa o papel detreinador, preparador, "o técnico" como conhecemos. Devido as distorçõesque os próprios técnicos fazem do real significado deste papel, usaremos otermo em inglês para evitar contaminações. E para enfatizar as diferenças,chamamos de "cliente" a pessoa a quem o coach atende. É o coach que dásuporte ao "cliente", e não o contrário.No papel de coach, este compromisso é fundamental na medida em que ocoach atua no campo do desempenho - resultado e realização pessoal - einfluencia no desenvolvimento de padrões éticos, comportamentais e deexcelência.Na relação com o cliente, o coach deve: 1. estimulá-lo a identificar seus valores essenciais e a expressá-los, desenvolvendo uma postura de integridade pessoal;
  • 14. 14 2. desafiá-lo a "sonhar acordado", a criar para si mesmo uma visão de futuro que o entusiasme e que utilize ao máximo a sua energia criadora.Coaching é uma relação dinâmica que permite romper antigos paradigmas eestabelecer novas fronteiras.É necessário que a relação entre coach e cliente seja de muita confiança. Paraisto é imprescindível que haja feedback constante entre os dois, facilitando acompreensão mútua dos valores e a troca de experiências. Esta prática deabertura, central em Coaching, abre espaço para um alto padrão dedesempenho. O coach incentiva o cliente a compreender todo feedback que aexperiência proporciona e a analisar a situação sob novas perspectivas. Comseu feedback, o cliente amplia sua consciência e fortalece sua auto-estima.5.2 Ouvidorias:Para questões de relacionamento e melhoria de resultado são disponibilizadosencontros de “ouvidoria” entre Gerentes de Engenharia e Engenheiros de obra.Se o engenheiro sentir necessidade de alguma retomada de relacionamento,idéias divergentes e/ou simplesmente quiser conversar em particular com seuGerente, o engenheiro pode solicitar uma reunião de “ouvidoria”. Para istobasta agendar com a secretária da Diretoria hora e local para tal.Os Gerentes também podem solicitar estas reuniões.6. RELAÇÃO E INTERFACE ENGENHEIROS DE OBRA X MESTRESDE OBRA:Da mesma forma que os gerentes são orientados para o processo de“coaching” com seus liderados, a relação é a mesma de engenheiros de obrapara com os mestres.As ferramentas citadas no manual do Gerente de Engenharia (as quaisfalaremos mais tarde), não terão eficácia sem a participação e envolvimentodos mestres.Os engenheiros de obra devem treinar e cobrar dos mestres o uso dasferramentas de engenharia de produção as quais fazem parte do escopo deobra.A responsabilidade sobre o desenvolvimento do trabalho dos mestres é doengenheiro de obra o qual tem a obrigação de cobrar o uso das Fichas deVerificação e ferramentas de planejamento.
  • 15. 15É inaceitável o mestre desconhecer o planejamento da obra e não usar asferramentas de produção.Nossos mestres devem, obrigatoriamente, portar prancheta com os controlesdos serviços em execução. Do contrário, nosso método de gestão estará fadadoao descaso.As FVS obrigatórias estão listadas no PQO da obra e disponibilizadas nowww.qualityweb.com.brA conferência de todos os serviços deve fazer parte da rotina dos mestresobrigatoriamente. O treinamento para tal tarefa e a certeza de que a mesmafoi executada adequadamente é de responsabilidade do engenheiro de obra.7. RELAÇÃO E INTERFACE ENGENHEIROS DE OBRA XESTAGIÁRIOS:A Goldsztein Cyrela prioriza na formação, manutenção e efetivação de seucorpo técnico. Desta maneira, está no plano de metas do engenheiro formarseu sucessor. O engenheiro de obra tem por obrigação treinar o estagiáriotornando-o apto para assumir como Engenheiro Trainee na ocasião daconclusão de sua formação.Para isto, na medida do possível, funções devem ser delegadas de maneira acomprometer e somar conhecimento ao aspirante do cargo de engenheiro deobra.É importante relembrar que a responsabilidade do canteiro é do engenheirotitular. Funções que exijam capacitação técnica e/ou possam comprometer oresultado dos trabalhos não devem ser delegadas. A sensibilidade e opção dequando e como delegar tarefas é do engenheiro titular.Um esboço das rotinas do estagiário pode ser verificada noH:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinROTINAS DEENGENHEIROS E ESTAGIÁRIOS8. RELAÇÃO E INTERFACE ENGENHEIROS DE OBRA XTÉCNICOS DE SEGURANÇA:Apesar de os Técnicos de Segurança estarem sob a responsabilidade doEngenheiro de Segurança da empresa (ver organograma), é função do
  • 16. 16Engenheiro de Obra orientar o Técnico de maneira a efetivamente existircontrole das atividades relacionadas ao item.A responsabilidade sobre as questões de segurança do trabalho no canteiro édo engenheiro de obra.TODOS OS QUESITOS DE SEGURANÇA DEVEM SEGUIR O PCMAT. OAGENTE FISCALIZADOR (DRT) COBRA O QUE ESTÁ NO PCMAT ASSIMCOMO NAS ROTINAS DA ISO.CASO SEJA OBSERVADA ALGUMA MELHORIA NOS QUESITOS DESEGURANÇA, O MESMO DEVERÁ SER ALTERADO NO PCMAT PARAPOSTERIOR APLICAÇÃO.9. RELAÇÃO E INTERFACE ENGENHEIROS DE OBRA XADMINISTRATIVOS:Apesar do Administrativo estar sob a responsabilidade do Gerente deCompras, é dever do Engenheiro de Obras dar condições para o bom trabalhodos administrativos envolvendo-se nas questões de organização e respeito aosprocedimentos de estoque.O engenheiro deve prover a função com recursos suficientes para o bomdesenvolvimento dos trabalhos.A responsabilidade sobre pedidos de material, estoque e organização é doengenheiro de obra.De maneira equivocada, usualmente o engenheiro também delega aosempreiteiros hidráulicos e elétricos toda a gestão sobre tais materiais,gerando desembolsos antecipados, estoques ociosos, sobra de materiais. Cabeao engenheiro cobrar a execução de protótipos para elaboração de kits, quedeverão gerar controles logísticos de abastecimento.Esclarecimentos sobre alocação de custos estão disponíveis no endereço:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinCUSTO Escopo orçamentoGoldsztein.pdfOS CAPACETES DAC (Departamento de Atendimento ao Cliente) NÃODEVEM SER FORNECIDOS À EMPREITEIROS.
  • 17. 1710. RELAÇÃO E INTERFACE ENGENHEIROS DE OBRA XENGENHEIROS DE OBRA:Como meio de interagir e estimular a cooperação entre colegas, a GoldszteinCyrela estimula a troca de experiências entre seus engenheiros.Desta maneira, uma obra que está começando terá como “PADRINHO” oengenheiro da obra imediatamente anterior à sua.Esta prática faz com que as melhorias alcançadas na obra anterior não sejaperdida na subsequente fechando um ciclo de “contenção e fixação doconhecimento adquirido”.O Engenheiro, desta forma, tem o Gerente de Engenharia como apoio e umcolega de engenharia como “monitor” ou facilitador de seus processos.De forma geral, isto gera um ciclo de debate crítico para os processosalimentando a melhoria contínua.11. PROCEDIMENTOS, PROCESSOS, ATIVIDADES ERETROALIMENTAÇÃO PARA MELHORIA CONTÍNUA.Todos os procedimentos padrão da empresa estão no site Qualityweb(www.qualityweb.com.br) .O manual encontra-se no: H:EngenhariaIso Manual Quality Web.docÉ dever do engenheiro garantir o total cumprimento dos procedimentos, bemcomo treinar todos os envolvidos para atingir tal objetivo.Todas as tabelas necessárias estão no qualityweb.É dever do engenheiro revisar os procedimentos em uso na sua obra demaneira a atualizar o que estiver “não conforme”.Caso não haja procedimento para alguma atividade específica, é dever doengenheiro montar e publicar o procedimento no qualityweb.No caso de dúvida ou dificuldade, fale com seu Gerente de Engenharia e eledará as orientações necessárias.
  • 18. 1811.1 PROCEDIMENTO PARA FINAL DE OBRA COM GARANTIADE PRODUTO “CONFORME” “FINAL FELIZ”Este procedimento visa a garantia da entrega do produto acabado(empreendimento) dentro dos nossos padrões de qualidade.Para isto temos um fluxo de produção conforme: H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinDEFEITO ZEROFLUXOCHECK LIST.xlsTambém encontrado no qualityweb (SGI 28) conforme:http://www.qualityweb.com.br/goldsztein/modulo01.nsf/df18e5b5b96ff07283256af6000999e3/306459cdf03a731483257420007089f5?OpenDocumentNeste endereço estão todas as informações necessárias para aplicação dométodo.Como apoio, temos ainda o procedimento:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinDEFEITO ZEROprocedimentode check list.docE a apresentação:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinDEFEITO ZEROApresentaçãoDefeito zero.pptA enfatização à este procedimento confirma a sua importância. Desta maneira,a não aplicação será considerada falta grave na avaliação do engenheiro e detoda a sua equipe de obra.12. FLUXOS DE OBRA, ESCADINHAS E SEQUENCIAMENTO DAPRODUÇÃO.Trabalhar com visão aberta do fluxo de trabalho facilita muito o planejamentocom relação à “look ahead” (visão futura e/ou de curto a médio prazo)permitindo que o engenheiro consiga se provisionar de todos os insumosnecessários para a atividade específica (6M).Todos os fluxos estão disponíveis no www.qualityweb.com.br ouH:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoMACRO FLUXOS É PROIBIDO fugir à seqüência de produção.Exemplo:  Instalar portas antes da louça;
  • 19. 19  Executar dry wall sem esquadrias e vidros instalados;  Executar piso antes do forro e ou instalações suspensas;  Etc.Existem escadinhas (logística de produção) para três fases de obra:  Obra bruta (que vai da estrutura ao reboco interno) H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoCronograma de atividades fase inicial;  Dry Wall (que vai do início do dry wall (frames) até os azulejos) H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas Padrãoescadinha dry-wall 1a fase;  Final (Pintura até limpeza fina) H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas Padrãoescadinha dry-wall 2a faseA fundamentação destas escadinhas, as quais devem ser de conhecimentogeral e gestionadas à vista assim como discutidas nas reuniões semanais, estádiretamente relacionada ao controle de planejamento e averiguação dorespeito ao fluxo de trabalho.Através da análise da “escada” que se forma através do avanço das atividadesé possível, rapidamente, detectar “anomalias” do processo produtivo.O não cumprimento desta diretriz configura falta grave e será levada emconta na avaliação do engenheiro.13. GESTÃO DE CONTRATOS, MEDIÇÕES E LIBERAÇÃO DESERVIÇO:Todas as liberações e pagamentos de fornecedores são de responsabilidade doengenheiro de obras. Porém, existem contratos efetuados pelo setor decompras, pela divisão de mão de obra e também através de ordem de serviço(OS).As liberações de pagamento só podem ser efetivadas através das Fichas deVerificação citadas no Plano de Qualidade da Obra (PQO) e disponibilizadasno www.qualityweb.com.br conforme o serviço.Sem verificação não há garantia de produto conforme e esta atitudecompromete todo o sistema de qualidade da empresa.Estas planilhas são gestionadas à vista de maneira a corroborar o seu corretouso conforme abaixo:
  • 20. 20 O procedimento para gestão de contratos está no endereço: H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinInstrução para montagem de contratos de MO CivilÉ importante que o engenheiro de obra tenha conhecimento e contato com ossetores responsáveis de maneira a gestionar os contratos.São Eles:  Gerente de Compras (é o contato que pode bloquear recursos de contratos fechados com datas de pagamento programadas e parceladas como é o caso de esquadrias de alumínio, vidros, etc);  Divisão de Mão de Obra (é o contato onde o engenheiro deve montar seus contratos de maneira a melhor medir e aplicar as fichas de verificação através do ajuste de lotes como é o caso de atividades de estrutura e obra bruta);Os contratos montados pela divisão de mão de obra não são deresponsabilidade da DVMO no quesito de itemização. Caso o engenheiro nãoprocure o setor, o contrato será efetivado da maneira compreendida por estesetor como a melhor. Porém, não será passível de críticas e terá uma situaçãomais difícil de gestão e ajuste. Mesmo assim, a responsabilidade da gestão docontrato ainda será do engenheiro de obra.Fale com seu Gerente de Engenharia a respeito de gestão de contratos.14. GESTÃO À VISTA
  • 21. 21Temos várias situações de gestão à vista tais quais:  Quadro de Qualidade Percebida / Quadro de Efetivo  Placas orientativas e de índices;  Entre outros.
  • 22. 22Utilizar a gestão à vista sem manutenção é pior do que não ter.É obrigação do engenheiro manter os quadros atualizados, só assimmanteremos nosso padrão de excelência.O não cumprimento desta diretriz configura falta grave e será levada emconta na avaliação do engenheiro.15. TREINAMENTOS:É dever do engenheiro treinar as equipes de produção ANTES de iniciarqualquer atividade.Para isto, com uso do qualityweb, o engenheiro deve conversar com asequipes sobre o procedimento, disponibilizando o mesmo para críticas eexecução.O mesmo deve ocorrer com o Mestre.Independente do tempo de empresa do Mestre, o engenheiro deve treinar, ecobrar o padrão de execução.Caso haja alguma situação específica onde o engenheiro tenha dúvida notreinamento, este deve procurar seu Gerente de Engenharia paraesclarecimentos.Existem treinamentos preparatórios especiais para as atividades de:  Alvenaria de Casca;
  • 23. 23  Cunhamento;  Reboco Externo;  Dry Wall;  Kanbans;  Final Feliz.TODOS OS TREINAMENTOS DEVEM SER FORMALIZADOS EM ATAESPECÍFICA CONFORME:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinATAS DE REUNIÃO ETREINAMENTOSE no qualityweb, conforme SGI.Converse com seu Gerente de Obras para melhor aplicação dos mesmos.16. KANBANS E FICHAS DE CONTROLE DE PRODUÇÃO.A Goldsztein Cyrela, dentro do espírito da Engenharia de produção eembasado no “Sistema Toyota de Produção”, trabalha com sistema deKanban.O sistema Kanban é uma das ferramentas usadas nos sistemas de produção“puxados” (chama-se puxado em função da eficácia, a atividade concluídadentro de um processo sadio solicita a entrada da subsequente efetivando ométodo).Os sistemas “puxados”, diferem dos “empurrados” no quesito da eficácia.Solicitar a entrada de uma nova atividade difere de inserir outra de maneira apressionar o final gerando “invasões de território” e perdas comuns aosprocessos ineficientes.Para entender o funcionamento da produção através do sistema de puxar,pode-se usar dois tipos de kanbans. 16.1. O kanban de requisição:Autoriza o envio de materiais para um processo subseqüente à produção deum processo precedente utilizado para blocos, dry wall, argamassas, etc.  BLOCOS: H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoKan Ban Alvenaria
  • 24. 24  DRY WALL: H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoKanban dry wall  ARGAMASSA:H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoKan ban argamassa  AZULEJOS: H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoKan Ban azulejo  ELÉTRICA (para este ítem monta-se Kit): H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoKan Ban elétrica (kit)  HIDRÁULICA (para este ítem monta-se Kit):  TINTAS e MASSA CORRIDA (para este ítem monta-se Kit): 16.2. O kanban de produção (na Goldsztein chamado de: “Fichas de Controle de Produção”):O qual autoriza a produção no processo precedente do produto que forarequisitado pelo processo subseqüente. (“passagem do bastão”)  DRY WALL: H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas Padrãodry wall atividadeOs dois métodos são aplicados na empresa, porém, o kanban de requisição é oque utiliza específicamente este nome para a aplicação.Monta-se Kanbans para blocos cerâmicos, argamassas diversas, fios, materiaisde dry wall, sempre nas atividades de comportamento cíclico (são as que serepetem).O método necessita de controle e “sintonia fina” o que caracteriza o ajustedo lote à atividade.A sintonia fina deve ocorrer no segundo ciclo à sua aplicação:Exemplo:Aplica-se os quantitativos teóricos de projeto no abastecimento de blocoscerâmicos no 1º ciclo (1º pavimento tipo).Ao final da atividade avalia-se o que sobrou e o que faltou de maneira aeliminar este fato no próximo ciclo (2º pavimento tipo)
  • 25. 25Kanbans montados unicamente sobre quantitativos teóricos não tem efeitode Kanban.Notadamente modificações “padrão” do tipo living extendido ou cozinhaamericana requerem kanbam específicos que irão empedir sobras demateriais.Ao final da atividade, se não há conferência nem devolução do material quesobra, o kanban perde sua razão de ser.O responsável pelo controle do kanban é o engenheiro da obra. Para que okanbam funcione adequadamente é necessário o treinamento intenso doguincheiro e a troca de informações entre ele o engenheiro.Os Kanbans de produção, são as fichas de atividade as quais devempermanecer no acesso das unidades de produção contendo a atividade, nomedo operador, data de início e de fim das atividades as quais utilizamos a partirdo evento do “dry wall”.Para estes Kanbans, daremos o nome de “Fichas de Controle de Produção”.H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas Padrãodry wall atividadeEstas fichas tem diversas razões de aplicação tais como:  Rastreabilidade em caso de produto não conforme (localiza-se o operador da atividade);  Feed Back para os tempos de ciclo (análise e manutenção do ciclo padrão);  Libera a atividade subsequente (é a dita “passagem do bastão”, onde o operador libera e solicita a entrada da atividade seguinte.)A não utilização destas fichas traz prejuízo ao sistema aplicado na GoldszteinCyrela e caracteriza falta de comprometimento com a empresa.Cabe ao engenheiro promover o uso das fichas, bem como impedir que aatividade tenha continuidade na unidade subseqüente sem que seja verificadaa unidade executada.
  • 26. 2617. REUNIÕES PERIÓDICAS E CONVOCAÇÕES PARATREINAMENTOS:As reuniões periódicas, já comentadas no manual do Gerente de Engenharia,tem como objetivo o debate e treinamento da equipe.É importante que o engenheiro de obra entenda que estes encontros são“momentos de verdade” entre o time da engenharia.A pontualidade, respeito ao apresentador e a participação são fundamentaisnestas situações.Quando se debate sobre algum assunto, o intuíto é treinar e dividirconhecimento. Nestas situações deve-se evitar conversas paralelas, saídasfrequentes sem necessidade e, obviamente, faltas injustificadas.A avaliação do engenheiro constitui-se de observação às atitudes do mesmo.Um profissional que não é pontual, demonstra desprezo ao debate com saídasalheias ao assunto em questão, não apresenta os relatórios solicitados, fazcolocações degenerativas e/ou não comparece nas reuniões certamente teráuma avaliação negativa por parte de seus superiores e colegas.Este tipo de profissional e de perfil, não se enquadra nas necessidades daempresa.As reuniões devem ser objetivas, com ações concretas a serem desenvolvidas,anotadas numa ata específica.A Goldsztein Cyrela preza pelo profissional pró ativo, envolvido, participativoe comprometido com seus líderes e metas.18. APRESENTAÇÕES E RELATÓRIOS:As apresentações são momentos importantes para o Engenheiro mostrar seuempenho e desenvolvimento. Sendo assim, é importante perceber que otrabalho apresentado estará sujeito à críticas e observações.Um trabalho mau apresentado, com fotos comprometedoras e sem estudocertamente será mau avaliado.O momento da apresentação é a chance de mostrar as boas práticas, ocomprometimento e a capacidade do engenheiro.Venda sua idéia, valorize o que está bom e, se for necessário mostrar algo nãoconforme, apresente a solução para o fato com embasamento e método.Lembre-se: Você é um engenheiro!
  • 27. 27Os modelos para as apresentações semanais estão no:H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas Padrãoavaliação semanal19. ROTINA SEMANAL E LINK`S IMPORTANTESA Goldsztein Cyrela tem uma rotina semanal de trabalho “burocrático”importante na retro-alimentação dos nossos processos.De maneira a facilitar a atuação do engenheiro abaixo seguem as rotinas elink`s básicos:19.1. Rotina fixa com periodicidade semanal:Segundas Feiras:No final de tarde os engenheiros devem se encaminhar até a sede da empresapara liberação das notas de empreiteiros (MO).Este evento dar-se-à com o setor de contratos através da pessoa do SrCarlinhos.Lembre-se: Conforme item 13 deste manual, as liberações de medição devemser validadas com embasamento sobre uma medição previamente existenteentre empreiteiro e engenheiro residente.É importante que o engenheiro tenha conhecimento e entenda o que estáliberando.Não deverão ser aceitas medições não acordadas.O material de apoio aos contratos está no:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinInstrução para montagem decontratos de MO CivilTerças Feiras.A tarde de terça feira é destinada às reuniões de engenharia conforme item 6 –agenda fixa – formalizado no Manual do Gerente de Engenharia anexo nestemanualQuartas Feiras:No final da tarde os engenheiros devem se encaminhar até a sede da empresapara validação de seus pedidos de materiais e Ordens de Serviço (OS).
  • 28. 28Este evento dar-se-à com a Direção Técnica e de Logística através da pessoado Engº Marcos Antônio Shirmer.Lembre-se: Os materiais solicitados só serão validados através deapresentação de memórias de cálculo e levantamentos do engenheiroresidente.Levantamentos de material feitos pelos empreiteiros só servem comocomparativo dos levantamentos do engenheiro. Nesta ocasião o engenheiroresidente deve estar apto a responder todas as questões levantadas peloDiretor.A responsabilidade dos pedidos, faltas, enganos e excessos é do engenheiroresidente.As questões relacionadas às Ordens de Serviço (OS) para Mão de obra devemseguir o padrão conforme:H:EngenheirosPlanilhas e Tabelas PadrãoOrdem de ServiçoE devem ser montadas em lotes de maneira a amarrar as fichas de verificaçãoe medições quinzenais.veja: H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinInstrução para montagemde contratos de MO CivilÉ proibido o empreiteiro iniciar os trabalhos sem o mesmo estar contratadono formato padrão.Este item é polêmico e em caso de dúvida contate se Gerente de Engenharia.Sexta feira:Elaboração do PPC, PPS e atualização do Project. Na última sexta do mês oengenheiro deverá gerar o look ahead do próximo mês e adequá-lo de maneirasimples e objetiva para entrega a equipe da obra na forma das metas mensais.Obrigatoriamente o planejamento deverá estar na mão dos envolvidos eexposto no quadro de qualidade percebida na primeira hora da semana detrabalho.É de suma importância também o acompanhamento do cumprimento dasatividades planejadas.
  • 29. 2919.2. OUTROS EVENTOS SEMANAIS:Além dos compromissos “fixos” explanados acima, existem, também, eventosobrigatórios para os gestores de obra:19.2.1 Reunião de empreiteiros:Devem participar os empreiteiros, encarregados, Engenheiro residente,estagiário, mestres, contra mestres, técnicos e todos aqueles que estãodiretamente envolvidos na etapa de obra com funções táticas.Neste evento, necessariamente devem ser discutidas questões sobre:  Quadro de qualidade percebida H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinQUADRO DE QUALIDADE PERCEBIDA  Prazos :  PPC: H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinPPC PPS  PPS : H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinPPC PPSEste evento deve gerar ata de conhecimento comum e colhidas as devidasassinaturas dos presentes conforme :H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinATAS DE REUNIÃO ETREINAMENTOS19.2.2. Reunião interna da equipe de Obra:Esta reunião ocorre apenas entre a equipe Goldsztein e tem o intuito de mantera união da equipe.O Engenheiro Residente deve ter a sensibilidade de conduzir a mesma demaneira a solucionar os conflitos existentes direcionando o diálogo para aprodução.Este evento deve gerar ata de conhecimento comum e colhidas as devidasassinaturas dos presentes conforme:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinATAS DE REUNIÃO ETREINAMENTOS19.2.3. Manutenção do quadro de qualidade percebida (foto Item 14):H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinQUADRO DE QUALIDADEPERCEBIDA19.2.4. Manutenção do Quadro de Efetivo (foto Item 14):Manutenção diária pelo administrativo.
  • 30. 3019.2.5. Medição Física:Este evento deve ser pré agendado com a coordenação de Planejamento napessoa da Engª Juliana Thompson.Na verdade, este evento apenas corrobora a medição pré existente e feitasemanalmente pelo engenheiro residente conforme procedimento(H:EngenheirosPLANEJAMENTO DE OBRAS - somente os projectsválidos).19.2.6. Montagem e distribuição do PPC (Percentual PlanejadoConcluído).Ferramenta de “Lean Construction” este controle é de fundamentalimportância em nossos processos e deve ser executado conforme:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinPPC PPSNa Goldsztein a nossa meta de atividades planejadas e executadas dentro daSemana é de 90%, porém, o sistema se baseia em resultados que beiram os80%. Diz a teoria que quem cumpre 80% de seus planos consegue atingir suasmetas.O PPC não deve ser usado como ferramenta de marketing, mas sim comintuito real de medir o desempenho da produção.Apenas atividades críticas devem ser observadas no PPC, itens como limpezanão devem ser mensurados nesta ferramenta.Como apoio à compreensão do PPC recomenda-se a leitura da apresentaçãocontida no (H:EngenhariaEngenheiro Padrão Goldsztein PPC EngaFernanda Gerarhdt)19.2.7. Montagem e Distribuição do PPS (percentual Planejado deSegurança)O PPS é semelhante ao PPC, porém, baseado nas questões de segurança.Apesar do PPS ser executado pelo técnico de segurança, a responsabilidade édo engenheiro da obra conforme item 8 deste manual.Vide: H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinPPC PPS
  • 31. 3120. ROTINA MENSAL E LINK`S IMPORTANTES:Dentro da rotina mensal, o engenheiro tem como metas:Manutenção do Planejamento e “Look Ahead” de 90 dias:O engenheiro deve dispor em seu container o “Look Ahead” afixado demaneira a disponibilizar e difundir o conhecimento dos eventos que ocorrerãodentro de 90 dias separado por evento (torre, garagem, implantação).Este trabalho é apresentado através da ferramenta MS project e temprocedimento no endereço abaixo:H:EngenhariaEngenheiro Padrão Goldszteinmanual atualização project20.1. INDIGOLD:Esta ferramenta explicita os indicadores da obra relacionados à produção demaneira a manter o conhecimento e “know how” da empresa.O facilitador do processo é o Coordenador de Planejamento na pessoa da EngªJuliana ThompsonAs planilhas utilizadas estão no: H:EngenhariaIndigold O apoio para utilização é através do Coordenador de Planejamento.20.2. EVCO:Integra o Indigold e refere-se aos indicadores de custo da empresaO facilitador do processo é o Coordenador de Planejamento na pessoa da EngªJuliana ThompsonVide (H / ENGENHARIA / CONTROLE DE CUSTOS / EVCO / EVCOmodelo Goldsztein)20.3. IBP:Integra o Indigold e mede o resultado da obra específica sob validação doGerente de Engenharia.Este é aplicado no final do mês.20.4. PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA:Deve ser encaminhado mensalmente ao setor de contratos na pessoa do SrCarlinhos.
  • 32. 3220.5. MANUTENÇÃO DO QUADRO DE BOAS PRÁTICAS: Abaixo o Quadro de Boas Práticas do Indigold:21. ROTINAS REFERENTES AO ANDAMENTO DA OBRA.Existem rotinas que acompanham o avanço da obra, são necessárias para amontagem da apresentação do Indigold e manutenção da rotina gerencial deobra.São elas:21.1. Dossiês de serviço:Os dossiês de serviço são a retroalimentação do orçamento e servem debalizador para o mesmo.A explanação sobre este tópico está em:H:EngenhariaEngenheiro Padrão Goldszteinapresentação gestão orçamentoplanejamentoAs respostas sobre: o quê, onde, quando, como, quem e porquê destes dossiêsestá no endereço:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinCUSTO gestão de custos.xlsA maneira de se obter os relatórios via JCO (Software gerencial daGoldsztein) está no endereço:H:EngenhariaEngenheiro Padrão GoldszteinCUSTO JCO_relatórios.pptOutros itens estão observados no PQO e disponíveis no:www.qualityweb.com.br.
  • 33. 3322. LINK COM A MANUTENÇÃO:É de responsabilidade direta do engenheiro toda a manutenção da obra peloperíodo de 4 meses para obras até 20.000 m2 e de 6 meses para obras maioresdesde a data do habite-se.Ao final deste período deverá haver uma passagem formal da obra amanutenção, onde poderão haver solicitações por parte deste setor nassoluções de potenciais problemas futuros. Tal repasse não isentará oengenheiro de eventuais problemas decorrentes de patologias ocultas ourecorrentes durante toda a vida útil da obra. Para minimizar tais problemas, éde fundamental importância a cobrança e certeza do cumprimento dosprocedimentos.23. SOLICITAÇÕES DE VAGAS E MOVIMENTAÇÃO DE PESSOALTodas as vagas a serem solicitadas, deverão acessar o arquivo que se encontrano H:publicodvmosolicitação de vagas.A rotina do atendimento das vagas seguirão os seguintes critérios:  Nas Segundas-feiras preenchimento da planilha com a vaga, histograma e efetivo atual;  Nas Quintas-feiras validação pela DVMO das solicitações, para Central de Seleções;  Preenchimento da demanda das vagas nas Terças-feiras pela Central de Seleção;  Nas Quartas-feiras, movimentação de mão de obra interna.Este material foi elaborado com o objetivo de organizar o processo desolicitação de vagas e para que todos possam ter acesso on line. Portanto, nãoserá mais admitido transferências e movimentações de equipes sem oconhecimento da área de DVMO.
  • 34. 3424. CONCLUSÃOEste manual destina-se à manutenção dos nossos processos dentro de umaempresa que, em função de seu tamanho, agrega muitos profissionais os quaisnão estão interados com métodos de trabalho padronizados.A maneira compreendida pela Goldsztein Cyrela para perpetuar sua situaçãode líder de mercado é justamente manter nosso padrão técnico semprebuscando a melhoria.O Gerente de Engenharia é a pessoa que o engenheiro de obras tem comofacilitador à sua função.Sempre que houver dúvida, o Engenheiro deve procurar o seu Gerente.