• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Puericultura
 

Puericultura

on

  • 43,786 views

 

Statistics

Views

Total Views
43,786
Views on SlideShare
43,741
Embed Views
45

Actions

Likes
60
Downloads
0
Comments
19

3 Embeds 45

http://educacionvirtual.uta.edu.ec 42
https://www.facebook.com 2
http://www.facebook.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

110 of 19 previous next Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…

110 of 19 previous next

Post Comment
Edit your comment

    Puericultura Puericultura Presentation Transcript

    • Acompanhamento do Crescimento e do Desenvolvimento Infantil
    • Ações prioritárias para Atenção Básica Promoção do aleitamento materno Acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento Imunizações Prevenção e controle das doenças diarréicas Prevenção e controle das infecções respiratórias agudas
    • CARTÃO DA CRIANÇA Elaborado em 1984 pelo Programa de Atenção Integral à Saúde da Criança (PAISC/MS) para o acompanhamento individual de crianças nas unidades de saúde e para o diagnóstico presumível de desnutrição energético-proteica. A mãe ou responsável deve ser muito bem orientada para compreender as informações contidas no Cartão da Criança. O peso da criança e os marcos do desenvolvimento devem ser anotados neste Cartão, que fica com a mãe ou responsável.
    • Fundamentos de Importância para a Prática Clínica
    • O crescimento pós-natalEvolução Elevada → até os 2 anos Período de grande Declínio gradativo e pronunciado → até 5 anos vulnerabilidade Constante (5 a 6 cm/ano) - a partir do 5º ano Estirão da adolescência - 11 anos (meninas) e 13 anos (meninos)
    • Fatores que influenciam ocrescimento Potencial genético + condições de vida  Fatores intrínsecos  genéticos, metabólicos e malformações, muitas vezes correlacionados, ou seja, podem ser geneticamente determinadas  > 5 anos  Fatores extrínsecos  alimentação, a saúde, a higiene, a habitação e os cuidados gerais com a criança  < 5 anos
    • Fatores de risco para o crescimento: Baixo peso ao nascer Baixa escolaridade materna Idades maternas extremas (<19 anos e >35 anos) Gemelaridade Intervalo intergestacional curto (inferior a dois anos) Criança indesejada Desmame precoce Mortalidade em crianças menores de 5 anos na família Condições inadequadas de moradia Baixa renda Desestruturação familiar
    • Medidas Antropométricas ESTATURA PESO
    • Relação peso/idade
    • Destravar a balançaVerificar se a balança estácalibrada Girar levemente o calibrador até que a agulha do braço e o fiel estejam nivelados
    • Quando calibrada, travar a balança. Despir a criança com o auxílio da mãe. Destravar a balança, mantendo a criança parada oColocar a criança sentada ou deitada máximo possível no centro do prato, de modo a nessa posição distribuir o peso igualmente;
    • Mover os cursores sobre a escala numérica: - primeiro o maior para os quilosDepois o menor para os gramas Até que a agulha do braço e o fiel estejam nivelados
    • travar a balança realizar a leitura
    • fazer a anotação do peso na ficha do SISVAN/prontuário retirar a criança e retornar os cursores ao zero na escala numérica;marcar o peso no Cartão da Criança
    • Ganho ponderal nos dois primeiro anos de vida1º trimestre 700 g/mês2º trimestre 600 g/mês3º trimestre 500 g/mês4º trimestre 400 g/mês1º trimestre do 2º ano 200 g/mês2º trimestre do 2º ano 180 g/mês
    • Registro de Peso/Idade Curvas de crescimento Peso/Idade MENINAS de 0 a 6 anos Traçado de Peso ou Curva da Criança Sobrepeso FAIXA DE NORMALIDADE NUTRICIONAL situação de risco ou alerta nutricional PESO MUITO BAIXO PARA A IDADE
    • Interpretação da curva decrescimentoa) Na primeira medição:  observar a posição do peso em relação aos pontos de corte superior e inferior  > P 97: Sobrepeso;  P 97 e P 3: Faixa de normalidade nutricional;  P 10 e P 3: Risco nutricional;  P 3 e P 0,1: Peso Baixo;  < P 0,1: Peso Muito Baixo.b) Nas medições seguintes:  observar a posição e também o sentido do traçado da curva de crescimento da criança Ver: Condutas recomendadas para algumas situações de crescimento da criança com até 6 anos de idade
    • Estatura È a medida fiel do crescimento da criança. A desnutrição é retratada com a “medição da altura da criança, ou seja, uma lentidão no crescimento da criança pode indicar um inicio de desnutrição.
    • Relação altura/idade Ao nascer: 49 cm = meninas 50 cm = meninos
    • Cálculo do peso: P=nx2+8N = idade em anos ( 2 a 12 anos)
    • Cálculo da altura: Altura = n x 5 + 80N = idade em anos ( 2 a 12 anos)
    • Tempo de vida Ganho Estatural1º mês 4 cm2º e 3º mês 3 cm4º ao 9º mês 2 cm10º ao 18º mês 1 cm10º - 24º mês 0,7 cm/mês
    • Estimativa da estatura Estimativa da estatura Ao nascer aprox. 50 cm 1 ano aprox. 75 cm 2 anos aprox. 82 cm 3 anos aprox. 91 cm 4 anos aprox. 1 metro
    • Medidas Antropométricas  PERÍMETRO CEFÁLICO: ≈ 34 cm ao nascer  PERÍMETRO TORÁCICO: ≈ 32 cm ao nascer  PERÍMETRO ABDOMINAL
    • Perímetro cefálico Ate 1 ano de idade é realizado a verificação do perímetro cefálico. Que é utilizado com objetivo de verificar se existe alguma anormalidade cerebral. PC= altura/2 + 10
    • Perímetro torácico A característica dessa medida consiste na mudança de sua relação com o perímetro cefálico. Idade Relação entre PC e PT Até 6 meses PC > PT 6 meses PC = PT Acima de 6 meses PC < PT
    • Fundamentos e Princípios para a Prática Clínica
    • Conceitos DESENVOLVIMENTO  Refere-se a uma transformação complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui, além do crescimento, a maturação, a aprendizagem e os aspectos psíquicos e sociais
    • Conceitos DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL  É o processo de humanização que inter-relaciona aspectos biológicos, psíquicos, cognitivos, ambientais, socioeconômicos e culturais, mediante o qual a criança vai adquirindo maior capacidade para mover-se, coordenar, sentir, pensar e interagir com os outros e o meio que a rodeia;  Em síntese, é o que lhe permitirá incorporar-se, de forma ativa e transformadora, à sociedade em que vive
    • O atraso de uma dessas habilidadespor si só não significanecessariamente um problemapatológico já que entendemos quecada ser humano se desenvolve apartir de suas possibilidades e domeio em que está inserido.A criança deverá ser sempre vistacomo um todo e em relação comseu ambiente, pais e família.
    • Uso da Ficha deAcompanhamentodo DesenvolvimentoP = PresenteA = AusenteNV = Não Verificado
    • Poderá ser observado, e anotado no prontuário o acompanhamento do DNPMda criança, ou seja: Se sorri espontaneamente no 2° mês, Se a criança apresenta lalação ou balbucio e rola no berço no 3° mês; O sorriso social deve estar presente entre o final do 2° mês e início do 3° (revela acuidade visual e capacidade de comunicação); Ao final do 4° mês de vida todas as crianças nascidas de termo estarão conseguindo firmar a cabeça de modo completo, pega objetos e os leva à boca; Em torno do 4° e 5° mês, firma os ombros e dorso no 5° mês,; Senta-se com apoio a partir do 6° mês; Ao final de 9 meses a criança nascida de termo já deve ficar sentada sem apoio com a cabeça e o tronco erétil; Põe-se de pé apoiada no 11° ou 12° mês; Aos 18 meses já deve estar andando sozinha.
    • Ao se aplicar a ficha, algumas das seguintes situações podemocorrer: presença das respostas esperadas para a idade.  A criança está se desenvolvendo bem e o profissional de saúde deve seguir o calendário de consulta; falha em alcançar algum marco do desenvolvimento para a idade  Antecipar a consulta seguinte;  investigar a situação ambiental da criança, relação com a mãe, oferta de estímulos.  Sugere-se orientar a mãe para brincar e conversar com a criança durante os cuidados diários; persistência do atraso por mais de duas consultas (ou ausência do “marco” no último quadro sombreado).  Se verificado, encaminhar a criança para referência ou serviço de maior complexidade.
    • Atendimento sistematizado à criança de zero a dois anos de idade, de forma a acompanhar periodicamente o seu crescimento e desenvolvimento,com orientações para o período e avaliação do grau de risco.
    • Metas Acompanhar 100% das crianças, residentes na área de abrangência da Unidade Básica de Saúde - UBS; Realizar atendimento de puericultura a 100% das crianças, com prioridade para as menores de 2 anos, da área de abrangência da UBS; Garantir consultas médicas ou de enfermagem, de rotina ou eventuais para as crianças residentes na área de abrangência;
    • Objetivos específicos Diminuir o índice de morbi-mortalidade infantil Prevenir doenças evitáveis na infância Aumentar cobertura vacinal Realizar calendário de atendimento da criança no município Proporcionar assistência diferenciada e vigilância sobre o recém nascido e outras Estimular o aleitamento materno Proporcionar um sistema de vigilância e combate à desnutrição infantil Promover a intersetorialidade. Encaminhar para consulta médica a qualquer agravo e/ou alteração
    • Organização do atendimentoA - Equipe Básica:  Pediatra, enfermeiro e auxiliar de enfermagem.B - Equipe de Apoio:  Profissionais de Saúde Mental, Saúde Bucal e outros especialistas quando necessário.C - Fluxo de Atendimento:  A captação da criança deve ser o mais precoce possívelD – Agendamento  Conforme calendário propostoE – Controle dos faltosos  controle de crianças faltosas (mais de 30 dias), através de visita domiciliária, objetivando verificar motivo do não comparecimento, enfatizar importância do controle periódico da criança e oferecer agendamento de nova consulta
    • Calendário Recomendado pelo Ministério da Saúde:Consulta da 1ª semana de vida, entre o 3º e o 7º dia - Visita domiciliar
    • Etapas da Puericultura: Pesar e medir a criança, inclusive o PC/PT; Registrar no Cartão da Criança (posse da mãe ou responsável) e também no prontuário; Verificar e orientar quanto ao calendário de vacinação, cuidados gerais e higiene; Acompanhar o desenvolvimento psicomotor, social e psíquico da criança; Anotar no cartão da criança intercorrências patológicas ou eventos de saúde importantes; Estimular o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida; Orientar a alimentação complementar apropriada após os 6 meses; Verificar e estimular a atividade física regular, principalmente para crianças acima de 4 anos.
    • Aspectos importantes Local de atendimento privado para consulta; Manter o local arejado, observando temperatura; Ter a mão ficha de acompanhamento com anotações anteriores; Respeitar o horário agendado; Troca do lençol do colchonete e da balança sempre na presença da mãe; Lavagem das mãos também na presença da mãe; Criança totalmente despida para dados exatos; Deixar a mãe participar, tirar a roupa do bebê, segurá-la para medir por exemplo;
    •  Explicar tudo o que está fazendo a mãe; Respeitar as crenças, procurando explicações científicas; Usar linguagem de fácil compreensão para orientações; Não sobrecarregar a mãe de informações; Observar as mudanças que ocorrerem em cada mês, elogiando a mãe; Ter brinquedos laváveis para distrair a criança; Interromper a consulta se for necessário amamentar ou acalmar a criança;
    •  Deixar a mãe relatar as queixas e tirar as dúvidas, sempre anotando na ficha de acompanhamento; Manter bom funcionamento de aparelhos; Saber ouvir, mostrar-se receptivo, relacionar-se com a criança e a família; Observar carteira vacina e teste do pezinho.
    • 1. Abertura da Folha Geral de Atendimento (F.G.A), e número de prontuário;2. Registrar na F.G.A:• Data;• Sinais vitais;• Medidas Antropométricas;
    • Dados Subjetivos – (S)• Condições de nascimento (CN)- tipo de parto, a termo ou pré-termo (meses ou semanas);- peso ao nascer, APGAR no 1º e 5º minuto;- quem fez o parto;- se apresentou problemas ao nascer e o que foi feito;
    • • Dieta Alimentar (DA):- amamentação: seio exclusivo, misto ou mamadeira (tipo de leite e quantas ao dia).- Em crianças maiores de 6 anos pesquisar outros alimentos;• Eliminações:- se o intestino funciona bem ou não,- características das fezes e urina,- gases e cólicas;
    • • Sono  se dorme bem e que tipo de acomodações;• Umbigo  como realiza a limpeza e a condição da cicatrização;• Queixa principal (Q.P)  se estiver doente, febre, diarréia, resfriado, dor de ouvido, coriza (cor), vômitos ou refluxo e/ou sem queixas;
    • Fatores de risco RISCO AMBIENTAL: ausência de saneamento básico, tipo de moradia, morador distante da UBS; perda materna RISCO SOCIOECONÔMICO: desemprego, ausência de escolaridade materna, área social de risco, idade materna, parto fora de ambiente hospitalar, nº de filhos vivos e mortos > = 5 anos; mãe portadora de alguma patologia e/ou deficiência mental, renda familiar RISCO NUTRICIONAL: desmame precoce, aleitamento misto, introdução precoce de alimentos inadequados para idade; desnutrição RISCO BIOLÓGICO: baixo peso ao nascer, prematuridade, patologia com internação após alta materna, malformação congênita, gemelaridade.
    • Dicas para se obter uma história completa: Fazer a mãe e a família se sentirem bem-vindos. Ajudá-los a se sentirem à vontade ao explicar porque as perguntas são importantes. Conversar com eles em privacidade. Fazer perguntas de maneira respeitosa, gentil e interessada. Ouvir atentamente a todas as respostas. Verificar os registros da mãe na clínica, se disponíveis, e pedir para ver seus registros de casa, se ela os trouxe. Fazer todas perguntas sobre os sinais e os sintomas para decidir quais são as necessidades ou problemas.
    • Dados Objetivos (O) • Exame físico do bebê Anotar todos os achados seguindo o roteiro e DNPM – (utilizar a avaliação de reflexos)
    • Plano de cuidado (PC)• Orientações: sobre alimentação para a idade, higiene, vacinas e retornos mensais, acomodação da criança;• Encaminhamentos: S/N – consulta medica, vacinação, outros. OBS:Todos os dados devem ser anotados na caderneta da criança.