Your SlideShare is downloading. ×
0
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Assistência de Enfermagem baseada em evidências científicas

9,015

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,015
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
226
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TESTE SELETIVO PARA PROFESSORES COLABORADORES SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM Assistência de EnfermagemBaseada em Evidências Científicas PROFª ESP. MARÍLIA CAVALCANTE Área: Fundamentos de Enfermagem GUARAPUAVA 2011
  • 2. SUMÁRIO• Conceito• Objetivos• Etapas• Aplicabilidade• Competências exigidas• Principais barreiras
  • 3. INTRODUÇÃO• “Prática Baseada em Evidências” (PBE) – Déc. 70: utilizada no Sistema de Saúde do Reino Unido (aplicação de recursos) – Déc. 80: movimento da Medicina Baseada em Evidências, no Canadá – Déc. 90: Cochrane Collaboration • rede internacional de informações de revisões com ensaios clínicos (LACERDA et al, 2011)
  • 4. • No Brasil, esse movimento desenvolve-se na medicina, principalmente em universidades dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul;• na enfermagem é um movimento incipiente e a maioria da literatura disponível encontra- se em língua estrangeira. (LACERDA et al, 2011)
  • 5. Conceito de PBE• “o uso consciente, explícito e criterioso da melhor evidência atual para a tomada de decisão sobre o cuidar individual do paciente” (Atallah; Castro, 1998 apud DOMENICO; IDE, 2003)• levando em consideração as necessidades individuais e preferências (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)• Compreende = Competência clínica individual + resultados de pesquisas + Epidemiologia clínica (DOMENICO; IDE, 2003)
  • 6. • É um processo de descoberta, avaliação e aplicação de evidências científicas para o tratamento e gerenciamento da saúde.• Combina a pesquisa com a experiência clínica e as preferências do paciente para realizar uma decisão sobre um problema específico. (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)
  • 7. Relevância do tema• Minimizar distanciamento entre avanços científicos e prática assistencial• Melhoria da qualidade da assistência de enfermagem• Destina-se à solução de problemas da assistência à saúde (DOMENICO; IDE, 2003; GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002; LACERDA et al, 2011)
  • 8. Objetivos da PBE• Proporcionar uma assistência integral e individualizada;• Possibilitar a implementação de intervenções que atendam as reais necessidades do paciente;• Incentivar a busca do conhecimento científico; (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)
  • 9. Etapas para a PBE1. Formulação de questões (problemas clínicos) originárias da prática profissional;2. A investigação da literatura ou outros recursos relevantes de informações na busca das evidências;3. A avaliação das evidências em termos de validade e confiabilidade metodológica, além da sua aplicabilidade clínica;4. O uso da melhor evidência disponível, habilidade clínica e as preferências do cliente no planejamento e implantação do cuidado;5. A avaliação do enfermeiro em relação a sua própria prática. (DOMENICO; IDE, 2003; GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)
  • 10. Formulação de questões• Por que fazemos isso dessa forma...?• Qual a melhor maneira de...?Exemplos:• O uso diário sobre a dor, no cuidado paliativo de pacientes com câncer, resulta em melhor controle dela? (CULLUM et al, 2010)
  • 11. Elementos de uma questão• População (indivíduo ou grupo)• Intervenção (terapêuticas, preventivas, diagnósticas, administrativas)• Comparação• Resultado (esperado após a intervenção)• Cronologia (período de tempo)• Dar atenção a cada um desses elementos assegura que todos os aspectos da incerteza clínica que se tenta abordar estejam incluídos na questão. (CULLUM et al, 2010)
  • 12. Tipos de questões• Quais os resultados de saúde das diferentes intervenções?• O que pode estar causando a doença/ má saúde/ efeitos adversos?• Quais os futuros resultados potenciais da condição?• O exame diagnóstico diferencia as pessoas com e sem a condição?• Descrever, explorar e explicar os aspectos da saúde e da doença.• Estudo da eficiência econômica das intervenções e dos programas de atendimento de saúde. (CULLUM et al, 2010)
  • 13. Onde procurar a melhor evidência?• Livros-textos – Informações “estáveis”• Periódicos – mecanismo para contínua atualização em pesquisa• Bases bibliográficas eletrônicas – acesso a citações e resumos (MEDLINE e BDEnf)• Fontes de informação refinadas (sinopses) – Período Evidence-Based Nursing• Bases de informações consolidadas – Cochrane Collaboration• Internet – Google (CRUZ; PIMENTA, 2005; GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003; CULLUM et al, 2010)
  • 14. Os estudos ou revisões clinicamente relevantes, com resultadosque merecem atenção, são selecionados e resumidos emabstracts estruturados, acompanhado de um comentáriovinculando os achados do estudo à prática clínica.
  • 15. Identificando o melhor tipo de estudo para ajustar-se á questão• Para avaliar a qualidade das evidências, o profissional de saúde deve compreender a abordagem metodológica na qual a pesquisa está inserida.• Cada desenho de pesquisa tem sua finalidade, forças e limitações; o importante é assegurar que o desenho apropriado de pesquisa seja utilizado para responder a pergunta formulada. (DOMENICO; IDE, 2003; CRUZ; PIMENTA, 2005; GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003; CULLUM et al, 2010)
  • 16. Tipos de abordagem metodológica• Questões de pesquisa orientadas para a causa, prognóstico, diagnóstico, prevenção, tratamento ou custos sobre problemas de saúde são melhores respondidas utilizando a abordagem quantitativa;• Questões sobre o significado ou experiência de doença e compreensão dos sentimentos do paciente sobre os efeitos de uma intervenção são melhores respondidas utilizando a abordagem qualitativa. (GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)
  • 17. Tipos de pesquisa• As revisões sistemáticas e ensaios clínicos randomizados são os melhores delineamentos de estudos para responder a questões sobre intervenções;• diferentemente, estudos transversais respondem, de forma mais adequada às questões sobre a efetividade de instrumentos de avaliação e diagnósticos. (CRUZ; PIMENTA, 2005; CULLUM et al, 2010)
  • 18. • As Revisões Sistemáticas construídas com a meta-análise são consideradas as melhores evidências em determinados assuntos. (DOMENICO; IDE, 2003)
  • 19. Revisão Sistemática• Uma forma de síntese das informações disponíveis em dado momento, sobre um problema específico, de forma objetiva e reproduzível, por meio de método científico.• Uma das etapas da revisão sistemática é a síntese dos dados resultantes de cada estudo incluído na revisão. Essa síntese pode ser realizada por meio de uma análise descritiva ou metanálise. (GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)
  • 20. Metanálise• É um procedimento no qual métodos estatísticos são empregados para combinar e resumir os resultados de vários estudos.• Utilizado na abordagem quantitativa quando os estudos apresentam a mesma questão de investigação, usam a mesma população, administram a intervenção de maneira semelhante, mensuram os resultados da mesma forma e empregam a mesma metodologia na sua elaboração (delineamento de pesquisa). (GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)
  • 21. “Evidência”• Alguma coisa que fornece provas para a tomada de decisão, abrange resultados de pesquisas, bem como consenso de especialistas reconhecidos (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)• A qualidade da evidência é um aspecto crucial na prática baseada em evidências. (GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)• As pesquisas clínicas são as fontes de evidências fortes e, quanto mais bem delineadas, mais forte a evidência.
  • 22. Classificação da força das evidências Inclui apenas estudos de abordagem quantitativa Fonte: CRUZ; PIMENTA, 2005; GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002
  • 23. Classificação da força das evidências Inclui também pesquisas qualitativas (GALVÃO; SAWADA; MENDES, 2003)
  • 24. Questões básicas para avaliação dos estudos• Os resultados são válidos?• Quais são os resultados?• Os resultados me ajudarão no cuidado do paciente? (CRUZ; PIMENTA, 2005; CULLUM et al, 2010)
  • 25. Aplicabilidade da PBE• Etapas do Processo de Enfermagem – Coleta de dados • evidência baseada nas informações e nas condições clínicas do paciente – Julgamento clínico • estabelecer os diagnósticos de enfermagem, planejar e avaliar as respostas à assistência implementada (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)
  • 26. Competências do profissional para a PBE• Capacidade de analisar criticamente o contexto da prática;• Habilidade de converter situações-problema em foco investigativo• Conhecimento sobre metodologia de pesquisa• Capacidade de associar os achados científicos ao seu contexto de prática• Habilidade de implementar mudanças e de avaliá-las continuamente (DOMENICO; IDE, 2003)
  • 27. Principais barreiras para a PBE• Falta de motivação• Falta de convicção do valor da pesquisa• Não considerar a pesquisa como atividade do enfermeiro• Falta de preparo e de tempo• Atitude negativa da equipe médica frente à pesquisa de enfermagem• Falha dos enfermeiros na implementação dos resultados• Falta de confiança de outros profissionais da equipe• Descrédito dos próprios enfermeiros• Deficiência de impacto das pesquisas na prática de enfermagem (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)
  • 28. Constata-se forte expansão multiprofissional da PBE no Brasil, contribuindopara a busca de práticas mais criteriosas pela reunião, reconhecimento eanálise crítica dos conhecimentos produzidos.
  • 29. Resumindo... Fonte: DOMENICO; IDE, 2003
  • 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS• Desde a graduação, o aluno deveria habituar- se a questionar e investigar o contexto da prática.• A enfermagem ainda não dispõe de pesquisas em quantidade e com as características necessárias para sustentar a prática baseada em evidências. (CRUZ; PIMENTA, 2005)
  • 31. CONSIDERAÇÕES FINAIS• Trilhar a trajetória de uma PBE compreende: – Redimensionar prioridades, – Reinvestir na avaliação clínica da clientela e – Disponibilizar tempo para empreendimentos relacionados à busca de resultados de pesquisa, ou mesmo à sua execução. (DOMENICO; IDE, 2003)• Essa construção, embora incipiente, árdua e apaixonante, é fundamental para a afirmação da enfermagem como ciência. (CRUZ; PIMENTA, 2005)
  • 32. • O desenvolvimento de pesquisas na enfermagem é fundamental, pois... – permite a construção de um corpo de conhecimento próprio, – propicia a melhoria da assistência de enfermagem prestada ao cliente/paciente, embasada em conhecimento científico, – enriquecimento do profissional e da sua prática, – possibilita a busca de soluções para os problemas vivenciados no cotidiano. (GALVÃO; SAWADA; ROSSI, 2002)
  • 33. REFERÊNCIAS• CRUZ, D.A.L.M.; PIMENTA, C.A.M. Prática baseada em evidências, aplicada ao raciocínio diagnóstico. Rev Latino-am Enfermagem. 2005. mai.-jun.; 13(3):415-22.• CULLUM, N.; CILISKA, D.; HAYNES, R.B.; MARKS, S. Enfermagem baseada em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2010.• DOMENICO, E.B.L.D.; IDE, C.A.C. Enfermagem baseada em evidências: princípios e aplicabilidades. Rev Latino-am Enfermagem. 2003. jan.-fev.; 11(1):115-8.• GALVAO, C. M.; SAWADA, N. O.; MENDES, I. A. C. A busca das melhores evidências. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2003, vol.37, n.4, pp. 43-50.• GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O.; ROSSI, L.A. A prática baseada em evidências: considerações teóricas para sua implementação na enfermagem perioperatória. Rev Latino-am Enfermagem. 2002. set.-out.; 10(5):690-5.• LACERDA, R. A. et al. Práticas baseadas em evidências publicadas no Brasil: identificação e análise de suas vertentes e abordagens metodológicas. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2011, vol.45, n.3, pp. 777-786.
  • 34. EXERCÍCIOS PARA FIXAÇÃO
  • 35. OBRIGADA! Marília Cavalcanteprofmarilia@live.com

×