Your SlideShare is downloading. ×
Aula tme (blog)   abertura coronária - anteriores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aula tme (blog) abertura coronária - anteriores

10,124
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
10,124
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
117
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CAMPUS CACHOEIRA DO SUL CURSO DE ODONTOLOGIA TÉCNICAS E MATERIAIS EM ENDODONTIA ABERTURA CORONÁRIA - Mono e birradiculares - Prof. Charles da Cunha Pereira
  • 2. ABERTURA CORONÁRIA É a projeção mecânica da anatomia interna da câmara pulpar sobre a superfície do dente.
  • 3. ABERTURA CORONÁRIA OBJETIVO Permitir que o instrumento endodôntico penetre no canal de maneira livre e direta, atuando em toda a extensão do comprimento de trabalho.
  • 4. ABERTURA CORONÁRIA DIFICULDADES pouca visibilidade pouca luminosidade campo op. diminuto
  • 5. ABERTURA CORONÁRIA AVALIAÇÃO PRELIMINAR Radiografia inicial Remoção de tecido cariado
  • 6. ABERTURA CORONÁRIA AVALIAÇÃO PRELIMIINAR RADIOGRAFIA INICIAL Tamanho e localização da câmara pulpar Alterações de contorno (fisiológicas, patológicas) Calcificações Número de canais Inclinações dentárias
  • 7. ABERTURA CORONÁRIA CUIDADO PAC. JOVEM C. P. AMPLA ABERTURA AMPLA PAC. IDOSO C. P. ATRÉSICA ABERTURA PEQUENA
  • 8. ABERTURA CORONÁRIA CUIDADO CÁRIE, ABRASÃO, ATRIÇÃO MODIFICAM ANATOMIA INT. DA CAV. PULPAR CALCIFICAÇÕES PULPARES DIFICULTAM O ACESSO AOS CANAIS
  • 9. AVALIAÇÃO PRELIMIINAR PRESENÇA DE CÁRIE REMOÇÃO TOTAL FONTE DE CONTAMINAÇÃO ABERTURA CORONÁRIA
  • 10. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS A abertura coronária deverá ser feita de tal maneira que nos ofereça um acesso direto ao canal radicular por meio de uma linha reta. ABERTURA CORONÁRIA O assoalho da câmara pulpar nunca deverá ser deformado, uma vez que auxiliará, em muito, a localização da entrada dos canais radiculares.
  • 11. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Todas as saliências do teto da câmara pulpar deverão ser eliminadas. O limite desta deverá ser tal que inclua, no seu interior, todos os cornos pulpares. ABERTURA CORONÁRIA
  • 12. ABERTURA CORONÁRIA FASES
    • Ponto de eleição
    • Forma de contorno
    • Trepanação
    • Remoção completa do teto
    • Desgastes compensatórios
    • Limpeza e assepsia da cavidade
  • 13. ABERTURA CORONÁRIA INCISIVOS E CANINOS
  • 14. INCISIVOS E CANINOS
    • Ponto de eleição
    = área de abordagem inicial = 1 a 2mm abaixo/acima do cíngulo Quadrilátero central ABERTURA CORONÁRIA Face palatina
  • 15. INCISIVOS E CANINOS
    • Ponto de eleição
    TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica com tamanho compatível à CP - RX Ponta perpendicular à face palatina ABERTURA CORONÁRIA
  • 16. INCISIVOS 2. Forma de contorno TRIAN- GULAR DE BASE INCISAL ABERTURA CORONÁRIA
  • 17. CANINOS 2. Forma de contorno OVÓIDE ABERTURA CORONÁRIA
  • 18. INCISIVOS E CANINOS 2. Forma de contorno TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica Ponta perpendicular à face palatina ABERTURA CORONÁRIA Desenhar na face palatina a forma de contorno Desgastar o correspondente a parte ativa
  • 19. INCISIVOS E CANINOS 3. Trepanação = rompimento do teto da CP = ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação Broca esférica de tamanho compatível com a CP Broca inicialmente perpendicular à face palatina, após 45 o , até ter sensação de “caindo no vazio” = IRRIGAÇÃO =
  • 20. INCISIVOS E CANINOS 4. Remoção completa do teto ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação Broca esférica Movimento de tração em direção incisal = IRRIGAÇÃO =
  • 21. INCISIVOS E CANINOS 5. Desgastes compensatórios ABERTURA CORONÁRIA REMOÇÃO DA PROJEÇÃO DE DENTINA OMBRO PALATINO/LINGUAL
  • 22. INCISIVOS E CANINOS 5. Desgastes compensatórios ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação Broca largo “contra” parede palatina = IRRIGAÇÃO =
  • 23. INCISIVOS E CANINOS 6. Limpeza e assepsia da cavidade ABERTURA CORONÁRIA
  • 24. HIPOCLORITO DE SÓDIO ABERTURA CORONÁRIA IRRIGAÇÃO ABUNDANTE E ASPIRAÇÃO
  • 25. ABERTURA CORONÁRIA PRÉ-MOLARES SUPERIORES
  • 26. PRÉ-MOLARES SUPERIORES
    • Ponto de eleição
    = área de abordagem inicial = No centro do sulco principal ABERTURA CORONÁRIA Face oclusal
  • 27. PRÉ-MOLARES SUPERIORES
    • Ponto de eleição
    TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica com tamanho compatível à CP - RX Ponta paralela ao longo eixo do dente ABERTURA CORONÁRIA
  • 28. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 2. Forma de contorno ELÍPTICA ABERTURA CORONÁRIA
  • 29. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 2. Forma de contorno TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica Ponta paralela ao longo eixo do dente ABERTURA CORONÁRIA Desenhar na face oclusal a forma de contorno Desgastar o correspondente a parte ativa
  • 30. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 3. Trepanação = rompimento do teto da CP = ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação Broca esférica de tamanho compatível com a CP - RX Broca paralela ao longo eixo do dente, em direção ao canal de maior volume (palatino), até sensação de “caindo no vazio” = IRRIGAÇÃO =
  • 31. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 4. Remoção completa do teto ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação broca esférica com movimento de tração para a superfície = IRRIGAÇÃO = Alta rotação broca Endo-Z com movimento de tração lateral
  • 32. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 5. Desgastes compensatórios ABERTURA CORONÁRIA NÃO HÁ NECESSIDADE!
  • 33. PRÉ-MOLARES SUPERIORES 6. Limpeza e assepsia da cavidade ABERTURA CORONÁRIA
  • 34. HIPOCLORITO DE SÓDIO ABERTURA CORONÁRIA IRRIGAÇÃO ABUNDANTE E ASPIRAÇÃO
  • 35. ABERTURA CORONÁRIA PRÉ-MOLARES INFERIORES
  • 36. PRÉ-MOLARES INFERIORES
    • Ponto de eleição
    = área de abordagem inicial = No sulco principal, deslocado para mesial ABERTURA CORONÁRIA Face oclusal
  • 37. PRÉ-MOLARES INFERIORES
    • Ponto de eleição
    TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica com tamanho compatível à CP - RX Ponta paralela ao longo eixo do dente ABERTURA CORONÁRIA
  • 38. PRÉ-MOLARES INFERIORES 2. Forma de contorno OVÓIDE ABERTURA CORONÁRIA
  • 39. PRÉ-MOLARES INFERIORES 2. Forma de contorno TÉCNICA OPERATÓRIA Alta rotação Ponta diamantada esférica Ponta paralela ao longo eixo do dente ABERTURA CORONÁRIA Desenhar na face oclusal a forma de contorno Desgastar o correspondente a parte ativa
  • 40. PRÉ-MOLARES INFERIORES 3. Trepanação = rompimento do teto da CP = ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação Broca esférica de tamanho compatível com a CP - RX Broca paralela ao longo eixo do dente até sensação de “caindo no vazio” = IRRIGAÇÃO =
  • 41. PRÉ-MOLARES INFERIORES 4. Remoção completa do teto ABERTURA CORONÁRIA TÉCNICA OPERATÓRIA Baixa rotação broca esférica com movimento de tração para a superfície = IRRIGAÇÃO = Alta rotação broca Endo-Z com movimento de tração lateral
  • 42. PRÉ-MOLARES INFERIORES 5. Desgastes compensatórios ABERTURA CORONÁRIA NÃO HÁ NECESSIDADE!
  • 43. PRÉ-MOLARES INFERIORES 6. Limpeza e assepsia da cavidade ABERTURA CORONÁRIA
  • 44. HIPOCLORITO DE SÓDIO ABERTURA CORONÁRIA IRRIGAÇÃO ABUNDANTE E ASPIRAÇÃO