Aula endo tme   obturação (blog)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Aula endo tme obturação (blog)

on

  • 5,113 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,113
Views on SlideShare
4,252
Embed Views
861

Actions

Likes
2
Downloads
114
Comments
0

5 Embeds 861

http://endoulbracds.blogspot.com.br 390
http://www.endoulbracds.blogspot.com.br 235
http://endoulbracds.blogspot.com 151
http://www.endoulbracds.blogspot.com 80
url_unknown 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula endo tme obturação (blog) Presentation Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CAMPUS CACHOEIRA DO SUL CURSO DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE ENDODONTIA IOBTURAÇÃO DOS CANAIS RADICULARES Prof. Charles da Cunha Pereira
  • 2. OBJETIVOS  Selar o canal radicular sanificado emodelado, impedindo a infecção ou reinfecçãodo mesmo;  Favorecer o processo de reparo apical eperiapical.
  • 3. MOMENTO OPORTUNO NB EI CO RP OU  Modelagem completa PL UP  Canal radicular seco, livre de exsudatos LE PC ET  Ausência de sintomatologia dolorosa CO TM  Selamento provisório íntegro OI MA I A
  • 4. LIMITE APICAL IDEALDEVE SER O MESMO DA MODELAGEM
  • 5. MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Sólido – Cones de Guta-PerchaCONES PRINCIPAIS CONES ACESSÓRIOS
  • 6. MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Plástico – CIMENTO ENDODÔNTICO FUNCIONA COMO AGENTE DE UNIÃO
  • 7. PROPRIEDADES IDEAIS DE UM CIMENTO ENDODÔNTICO Prinz, 1912; Grossman, 1958; Branstetter, 19821. Não devem ser agentes putrefativos;2. Devem ter qualidades anti-sépticas permanentes;3. Devem ser de fácil introdução no canal;4. Devem ser biocompatíveis;5. Não devem descolorir as estrutura dentais;6. Não devem ser porosos e devem manter-se estáveis dimensionalmente;7. Devem ser de fácil remoção do interior do canal;
  • 8. 8.  Devem obturar hermeticamente os canalículos dentinários e o forame apical contra a invasão bacteriana;9.  Devem ser radiopacos;10.  Devem apresentar boa adesividade com as paredes do canal;11. Devem possibilitar uma consistência satisfatória.
  • 9. Cimento a base de Óxido de Zn e Eugenol (Grossman)
  • 10. TÉCNICAS DE OBTURAÇÃODEVEM REUNIR QUALIDADE E PRATICIDADE Técnica da Condensação Lateral Técnica da Condensação Vertical Técnica da Compactação Termodinâmica Técnicas da guta-percha termoplastificada
  • 11. TÉCNICA DACONDENSAÇÃO LATERAL
  • 12. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 1. TOALETE FINAL EDTA 17% - 3 a 5 min Remoção da Smear Layer
  • 13. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 2. SECAGEM DO CANAL RADICULAR Calibre da última lima
  • 14. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 3. DESINFECÇÃO DOS CONES DE GUTA-PERCHA Hipoclorito de Sódio 5% - 1 min
  • 15. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL CRITÉRIOS  Percorrer o CRT  Apresentar travamento
  • 16. E SE O CONE NÃO PERCORRER O CRT ?
  • 17. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
  • 18. E SE O CONE NÃO TRAVAR ?
  • 19. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
  • 20. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL Radiografia Conométrica
  • 21. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 5. PREPARO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
  • 22. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 6. INSERÇÃO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
  • 23. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 7. CONDENSAÇÃO LATERAL
  • 24. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 8. RADIOGRAFIA DA QUALIDADE DA OBTURAÇÃO
  • 25. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 9. CORTE DA OBTURAÇÃO E CONDENSAÇÃO VERTICAL
  • 26. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 10. LIMPEZA DA CÂMARA PULPAR Álcool 96%
  • 27. TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 11. SELAMENTO CORONÁRIO E RADIOGRAFIA FINAL
  • 28. E quando o dente apresenta mais deum canal radicular ?
  • 29. “Podemos dizer que o tratamentoendodôntico só termina quando aregião apical neutraliza o transtornoproduzido pelo tratamento ou reparauma lesão pré-existente.” MAISTO, 1967