• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aula endo tme   obturação (blog)
 

Aula endo tme obturação (blog)

on

  • 4,693 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,693
Views on SlideShare
3,860
Embed Views
833

Actions

Likes
1
Downloads
107
Comments
0

5 Embeds 833

http://endoulbracds.blogspot.com.br 383
http://www.endoulbracds.blogspot.com.br 215
http://endoulbracds.blogspot.com 150
http://www.endoulbracds.blogspot.com 80
url_unknown 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aula endo tme   obturação (blog) Aula endo tme obturação (blog) Presentation Transcript

    • UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CAMPUS CACHOEIRA DO SUL CURSO DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE ENDODONTIA IOBTURAÇÃO DOS CANAIS RADICULARES Prof. Charles da Cunha Pereira
    • OBJETIVOS  Selar o canal radicular sanificado emodelado, impedindo a infecção ou reinfecçãodo mesmo;  Favorecer o processo de reparo apical eperiapical.
    • MOMENTO OPORTUNO NB EI CO RP OU  Modelagem completa PL UP  Canal radicular seco, livre de exsudatos LE PC ET  Ausência de sintomatologia dolorosa CO TM  Selamento provisório íntegro OI MA I A
    • LIMITE APICAL IDEALDEVE SER O MESMO DA MODELAGEM
    • MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Sólido – Cones de Guta-PerchaCONES PRINCIPAIS CONES ACESSÓRIOS
    • MATERIAIS USADOS NA OBTURAÇÃO – Estado Plástico – CIMENTO ENDODÔNTICO FUNCIONA COMO AGENTE DE UNIÃO
    • PROPRIEDADES IDEAIS DE UM CIMENTO ENDODÔNTICO Prinz, 1912; Grossman, 1958; Branstetter, 19821. Não devem ser agentes putrefativos;2. Devem ter qualidades anti-sépticas permanentes;3. Devem ser de fácil introdução no canal;4. Devem ser biocompatíveis;5. Não devem descolorir as estrutura dentais;6. Não devem ser porosos e devem manter-se estáveis dimensionalmente;7. Devem ser de fácil remoção do interior do canal;
    • 8.  Devem obturar hermeticamente os canalículos dentinários e o forame apical contra a invasão bacteriana;9.  Devem ser radiopacos;10.  Devem apresentar boa adesividade com as paredes do canal;11. Devem possibilitar uma consistência satisfatória.
    • Cimento a base de Óxido de Zn e Eugenol (Grossman)
    • TÉCNICAS DE OBTURAÇÃODEVEM REUNIR QUALIDADE E PRATICIDADE Técnica da Condensação Lateral Técnica da Condensação Vertical Técnica da Compactação Termodinâmica Técnicas da guta-percha termoplastificada
    • TÉCNICA DACONDENSAÇÃO LATERAL
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 1. TOALETE FINAL EDTA 17% - 3 a 5 min Remoção da Smear Layer
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 2. SECAGEM DO CANAL RADICULAR Calibre da última lima
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 3. DESINFECÇÃO DOS CONES DE GUTA-PERCHA Hipoclorito de Sódio 5% - 1 min
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL CRITÉRIOS  Percorrer o CRT  Apresentar travamento
    • E SE O CONE NÃO PERCORRER O CRT ?
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
    • E SE O CONE NÃO TRAVAR ?
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 4. SELEÇÃO DO CONE PRINCIPAL Radiografia Conométrica
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 5. PREPARO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 6. INSERÇÃO DO CIMENTO ENDODÔNTICO
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 7. CONDENSAÇÃO LATERAL
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 8. RADIOGRAFIA DA QUALIDADE DA OBTURAÇÃO
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 9. CORTE DA OBTURAÇÃO E CONDENSAÇÃO VERTICAL
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 10. LIMPEZA DA CÂMARA PULPAR Álcool 96%
    • TÉCNICA DA CONDENSAÇÃO LATERAL 11. SELAMENTO CORONÁRIO E RADIOGRAFIA FINAL
    • E quando o dente apresenta mais deum canal radicular ?
    • “Podemos dizer que o tratamentoendodôntico só termina quando aregião apical neutraliza o transtornoproduzido pelo tratamento ou reparauma lesão pré-existente.” MAISTO, 1967