Banca e Ambiente - Recursos Naturias e Análise de Risco
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Banca e Ambiente - Recursos Naturias e Análise de Risco

on

  • 842 views

Apresentação de Sofia Santos

Apresentação de Sofia Santos

Statistics

Views

Total Views
842
Views on SlideShare
842
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Banca e Ambiente - Recursos Naturias e Análise de Risco Banca e Ambiente - Recursos Naturias e Análise de Risco Presentation Transcript

  • Banca e Ambiente - Recursos Naturais e Análise de Risco Sofia Santos, 28 Março 2011, ISG, Lisboa
  • Actualmente, já consumimos 50% a mais de recursos naturais,face à capacidade de regeneração da terra 2 0 1 0 2 2 0 0 8 4 0 0 (Living Planet Report 2006, WWF) (Living Planet Report 2006, WWF)
  • No futuro vamos ser muitos mais .... No mesmo espaçoEntre 2008 e 2050:•População Mundial + 36%•População dos Paises desenvolvidos + 2%•População dos Paises menosdesenvolvidos + 44%Fonte: Adaptado de Nações Unidas e WWF ?
  • Grandes números: mais pessoas, mais restrições HOJE Em 2050 •2050 seremos 9 mil milhões•5,000 pessoas morrem diariamente devidoa água contaminada •30% das pessoas terão mais de 65 anos•70% das cidades estão situadas na costa. na UE em 2060As alterações climáticas causarãoalterações na forma como as cidades hoje •Poderão existir cerca de 200 milhões deexistem. refugiados ambientais em 2050•Mais de 50% dos cereais comercializados •80% de redução de Gases com Efeitossão destinados à alimentação de animais de Estufa nos países desenvolvidos emou à produção de biofuel 2050•¾ da do potencial da área de pesca está •84% dos Europeus viverá em zonasesgotado ou em sério declínio urbanas em 2050•20% da população mundial consome 80%da riqueza gerada
  • O Papel Dos Bancos
  • O papel catalisador dos bancos no desenvolvimento sustentável “A movimentação de dinheiro está intrinsecamente ligada ao movimento de matérias primas, bens acabados, trabalho e, em última instância, com a qualidade do ambiente ... se queremos atingir o desenvolvimento sustentável temos de estar dispostos a financiá-lo.” Sarokin and Schulkin (1991)
  • “Em muitos países, os bancos são os intermediários financeirosmais importantes na economia” Jeucken (1999) São eficientes - A eficiência está associada com a capacidade dos bancos gerirem os problemas associados com a informação assimétrica e moral hazard Têm poder estrutural - podem induzir as atividades de outros stakeholders que dependem do seu apoio financeiro para desenvolver as suas atividades, o que significa que o financiamento afeta o tamanho e a evolução do sistema económico (Schaper, 2008)
  • Os Bancos Podem Promover o Ambiente induzindocomportamentos “Quando um banco usa critérios não usuais ao nível do mercado, como por exemplo, as preocupações ambientais, ele está a utilizar ...o seu poder estrutural para tornar os projectos mais amigos do ambiente” (Schaper, 2008).
  • Os bancos podem contribuir para uma economia verde, gerindoos riscos e criando produtosPara implementar o seu papel catalizador, os bancos podem :• Analisar se quem recebe os empréstimos está a cumprir com Análise deos standards ambientais; Negar empréstimos àqueles que não Riscocumprem com esses standards; Ambiental• Encorajar os clientes a adoptarem práticas ambientais,fornecendo-lhes informação acerca desses temas e acerca dospotenciais riscos ambientais que afectam vários sectores; Criação de• Podem desenvolver produtos financeiros Produtos Ambientais Fonte: (Thompson, 1998)
  • 3 riscos ambientais : directos, indirectos e reputacionais O banco pode ficar responsável por danos ambientais causados por Risco Directo um cliente. Este risco pode ocorrer através de legislação ou simplesmente via posse do colateral associado a um empréstimo. As empresas clientes têm mais dificuldade em cumprir com as obrigações financeiras para com o banco: Risco Indirecto - devido a custos ambientais não acautelados (coimas, correcçao de danos, compra de equipamento, etc ...). - Alterações ocorrida ao nível das matérias-primas base à produção, ou na cadeia de valor, como consequência de perdas de Biodiversidade O risco reputacional dos bancos proveniente de aspectos ambientais Risco está associado à forma como o dinheiro emprestado é utilizado, ou em Reputacional que tipo de negócios o banco está a investir.
  • Riscos directos: Lei e Colateral O banco pode ficar responsável por danos ambientais causados por Risco Directo um cliente. Este risco pode ocorrer através de legislação ou simplesmente via posse do colateral associado a um empréstimo.Alguma legislação existente: UE Reconhece, para já, o potencial dos bancos ...1980 – EUA: Comprehensive “O sector financeiro também pode incentivar aEnvironmental Response, sustentabilidade ambiental através das suasCompensation and actividades de crédito e investimentoLiability Act (CERCLA - ou a incentivando políticas e providenciandoSuperfund Law) informação financeira”1990 – UK: Environmental “ ... temos de assegurar que aqueles queProtection Act causam danos ao ambiente sejam responsabilizados pelos seus actos. O princípio do “poluidor-pagador” significa que a responsabilidade financeira pelos danos causados ao ambiente cabe a quem polui”
  • Riscos indirectos: crédito As empresas clientes têm mais dificuldade em cumprir com as Risco Indirecto obrigações financeiras para com o banco Riscos Operacionais das Empresas podem transformar- se em risco de crédito dos bancos:-Custos ambientais não acautelados (correcçao de danos, compra de equipamento, etc ...)- Legislação ambiental não é cumprida- Alterações ocorrida ao nível das matérias-primas base à produção, ou na cadeia de valor, comoconsequência de perdas de Biodiversidade
  • Risco indirecto: potenciais custos adicionais para as empresas 2004/2007 – EU: Directiva de responsabilidade ambiental Princípio do Poluidor Pagador: evitar os danos potenciais e tornar o Risco Indirecto causador (“operador”) do dano ambiental responsável financeiramente pela sua Reparação. Podem os Bancos ser “Operadores” se forem accionistas de uma dessas empresas? Enquadramento legal exigente para com todas as empresas que criem danos ambientais. Outros custos ambientais e que devem ser inseridos na análise financeira de uma Empresa, uma vez que podem afectar o business plan da empresa: • Manter as licenças ambientais • Investir em equipamento •um sistema de gestão ambiental robusto /melhoria continua • Novos skills, de forma a garantir cumprimento com as exigências legais • Alterações de disponibilização de matérias-primas , ou na cadeia de valor • etc
  • Riscos reputação: ter clientes que usam o dinheiro em projectosque descontentam a sociedade O risco reputacional dos bancos proveniente de aspectos ambientais Risco está associado à forma como o dinheiro emprestado é utilizado, ou em Reputacional que tipo de negócios o banco está a investir.It takes 20 yearsto build areputation andfiveminutes to ruin it.If you think aboutthat, you’ll dothings differently”Warren Buffett
  • O que têm feito os bancos?? E a crisefinanceira?
  • Os Bancos são sofisticados ou estão desactualizados?
  • Acordos voluntários em matéria de sustentabilidade na Banca Criada a Associação dos Princípios do Equador, 2010 Financial Times e Banco Mundial lançam prémio Anual para melhor Banco Sustentável, 2006 Lançamento, pela ONU, na Bolsa de NY, dos Princípios para o Investimento Responsável 2006 Princípios de Equador e a Declaração de Collevecchio 2003 Directrizes da GRI guidelines – suplemento para os Bancos (2002, 2003) London Principles, 2002 WBCSD: (Relatório sobre o papel da banca - 2002) FTSE4GOOD (2001) Dow Jones Sustainability Index (1999) 92 UNEP FI (1992)
  • Desde os anos 90 são realizados estudos sobre a incorporação dosriscos ambientais pelos bancos mainstream
  • Alguns exemplos de políticas de credito existentes
  • Ambiente na matriz de risco dos bancos, primeiros passosFonte: http://www.unepfi.org/fileadmin/documents/CEO_DemystifyingMateriality.pdf
  • European banking association: European Savings Banks Group In 2008, the European Savings Banks Group (ESBG), a European banking association focused on retail banking issues, has published a charter for responsible business in banks, which includes the recognition that environmental issues are becoming one “one of the main collective hazards ever experienced worldwide” (ESBG, 2008, pp.2). Between other contributions towards environmental that they intend to do, the ESBG stated to be aware that they needed to “consider the impact of their business on the environment, both direct … and indirect in terms of clients and suppliers; …; promote products and services that respect social, environmental and sustainable development criteria” (ESBG, 2008, pp.2)
  • No Reino Unido os consumidores já “fiscalizam” a forma como osbancos utilizam os seus depósitoshttp://www.yourethicalmoney.org/banking/
  • Em suma, porque devem os bancospreocuparem-se com os riscos ambientais?
  • Porque devem os bancos preocuparem-se com os riscosambientais? 1. Riscos ambientais Provenientes de Lei e da dinâmica dos ecossistemas (já visto nos slides anteriores) 2. Pressão da Sociedade Manter a legitimidade para operar
  • Bancos necessitam de manter a sua legitimidade Definição de legitimidade: “ perceção generalizada de que as acções de uma entidade são desejáveis, correctas ou apropriadaas, de acordo com um sistema de normas socialmente construídas, valores, crenças e definições.” (Suchman, 1995, p. 574). SUCESSO: Uma organização para ser bem sucedida necessita de ser percecionada pela sociedade como sendo uma entidade que vai ao encontro das expectativas, crenças e valores que vigoram nessa sociedade, numa dada altura (Gray, et al., 1996). Sucesso = Lucro = > Lucro necessita de ser redefinido
  • O agente económico tem uma outra função de utilidade, queimplica uma nova noção de “lucro” e “crescimento” Global World Consumer Citizen Me We More Enough Materialism Holism Quantity Quality Greed Need Short- Short-term Long-Term Long- Rights Responsibilities Fonte: John Elkinton, Cannibals with Forks, 1997
  • Bancos como catalizadores de comportamentos numa novaeconomia
  • Em Portugal: “Banca e Ambiente”UNEP FI | CGD | BES | Sustentare com Quercus, APB, BCSD, Fundação Luso Americana www.bancaeambiente.org/
  • Sustentare Lda Palácio Sant’AnnaRua do Instituto Bacteriológico N. 8 1150-190 Lisboa Portugal phone + 351 21 3849390