Shiatsu para os pes e os misterios do hara

  • 258 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
258
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Shiatsu Para Pernas e Pés Cansados Dizem os orientais que os pés são o segundo coração, pois cabe a eles, a função de bombear o sangue que chega até eles e não tem impulso para retornar sozinho. Os pés suportam o peso do corpo e agem como alavancas para levantá-lo e movê-lo para frente. É, pois, importante que os nossos pés sejam mantidos em boas condições. Pés que não causem incômodo e funcionem adequadamente, são essenciais ao bem-estar do corpo inteiro. Pés anormais, com dores, podem levar à má postura, à fadiga, às cãibras e à dor nas costas. O problema inicia nos pés, segue pela coluna cervical até atingir a área do pescoço e ombros. Os pés de muitas pessoas são prejudicados pelo uso de sapatos inadequados; sapatos com saltos muito altos afetam o equilíbrio; os de bico fino favorecem o aparecimento de joanetes e outras deformações. Além de prejudicar a postura, a pressão que certos sapatos exercem em determinadas áreas dos pés influem nos pontos reflexos localizados nos pés. Na visão da Reflexologia Podal, no pé encontram-se pontos reflexos de todo o organismo. 1
  • 2. Em termos ideais, deveríamos caminhar descalços sempre que possível, permitindo que os pés se movam livremente e a pele possa respirar. Ultimamente, as pessoas quase não caminham porque a tecnologia facilita os meios de locomoção e também, porque a vida moderna exige que as pessoas trabalhem sentadas e tenham vida sedentária; outras trabalham o dia inteiro em pé; o que também não é bom, pois no final do dia, o inchaço é visível. Com exceção das lesões traumáticas, a atividade mais extenuante para o membro inferior é ficar em pé por períodos longos, ainda mais se a postura estiver desequilibrada. Pessoas com excesso de peso também sofrem com dores nas pernas e pés; principalmente em dias muito quentes; a fadiga e os edemas são muito doloridos. Os principais músculos que controlam os pés são encontrados na perna. A fadiga atinge principalmente o músculo gastronêmio e o músculo tibial anterior quando parados por muito tempo. Uma boa massagem ou um Shiatsu, ou, melhor ainda, uma combinação dessas técnicas, é excelente para nos sentirmos com o ânimo renovado; porém devemos eliminar as causas, a origem dos males que nos afligem e também procurar melhorar nossa atitude, mudando hábitos prejudiciais. Mexa-se, caminhe e depois sim, experimente deixar os pés em imersão, com sais perfumados e receba “aquele” tratamento de Shiatsu para pernas e pés cansados! SEQÜÊNCIA DE SHIATSU NO PÉ, PERNAS E COXAS (FOTOS 1 ATÉ 16) Foto 1 –Pressionar o pé como se o estivesse abraçando, direcionando a pressão como na seta em cinco pontos. 2
  • 3. Foto 2 – Com os polegares cruzados, pressionar em cinco pontos no meio do pé. Parar de 3 a 5 segundos em cada ponto. Foto 3 – Abaixo do osso maléolo, pressionar 3 vezes de 3 a 5 segundos. Foto 4 – Colocar três dedos no dorso do pé, pressionando no sulco entre os dedos, 3 vezes. 3
  • 4. Foto 5 – Flexionar a perna do paciente e pressionar a tíbia,correspondente ao meridiano da vesícula biliar, 5 vezes, repetindo em cinco pontos. Foto 6 – Paciente com a perna flexionada, terapeuta pressiona com os polegares o músculo tibial anterior, percorrendo todo o trajeto do meridiano do estômago. Foto 7 – Inclinar a perna flexionada em direção ao terapeuta., pressionar com os polegares cruzados, percorrendo o meridiano da vesícula biliar. Foto 8 – Deitar o paciente de bruços, apoiar a perna na coxa do terapeuta, pressionar com 4
  • 5. os polegares cruzados no músculo gastrocnêmio, correspondente ao meridiano da bexiga, 5 vezes em 5 pontos. Foto 9 – Pressionar com o polegar, a fossa poplítea.O local é geralmente muito dolorido; deve-se pressionar com cuidado, 3 vezes. Foto 10 – Pressionar a região do músculo gastrocnêmio, com o antebraço, bombeando levemente. Foto 11 – Paciente com a perna flexionada; o terapeuta pressiona com o antebraço e o cotovelo, na região glútea para liberar a tensão. 5
  • 6. Foto 12 – Pressionar com o antebraço, descendo pela coxa até o joelho. 5 pontos, três vezes. Foto 13 – Usando o antebraço, descer até o tornozelo, 5 pontos. Foto 14 – Pressionar com os polegares cruzados em direção ao fêmur, 5 pontos. 6
  • 7. Foto 15 – Com a perna do paciente dobrada sobre a outra, pressionar em direção à tíbia, 3 vezes. Foto 16 – Pressionar com os polegares cruzados, no meio da coxa, desde a fossa poplítea até o sulco da nádega,correspondente ao meridiano da bexiga.(5 pontos). Foto 17 – Iniciando na ponta dos dedos, ir direcionando a drenagem, com pressão de shiatsu, até o joelho, usando 4 dedos, fora o polegar, como na foto. O terapeuta deve soltar o ar ao pressionar . Foto 18 – Para retirar a pressão, o terapeuta inspira e abre as mãos, suavemente, como na foto. 7
  • 8. Foto 19 – Pressionar com a técnica da palma, encaixando bem os polegares, por toda a extensão da perna. Foto 20 – Continuação da foto 19.A mão deve envolver toda a região, sem apertar, mas largando o peso do terapeuta. Seqüência de Drenagem Linfática com técnica de Shiatsu: (17 até 20) Obs: Primeiramente, liberar os linfonodos na região inguinal, usando a técnica do polegar, 5 vezes, então, a paciente está pronta para receber a drenagem. Seqüência de Tui-Na (Massagem Chinesa): (21, 22 e 23) Obs: O shiatsuterapeuta deve ter sempre o cuidado de adequar a intensidade da pressão ao seu paciente. Deve expirar para pressionar e inspirar para reduzir a pressão. Foto 21 – Segurar o pé com firmeza usando a técnica de deslizamento. Foto 22 – Deslizar, pressionado com o polegar, seguindo o meridiano tendino-muscular do estômago. 8
  • 9. Foto 23 – Com a técnica da palma, circular o joelho, para liberar a tensão dos ligamentos. OS MISTÉRIOS DO HARA “HARA” significa “barriga”, em japonês. É um termo que já se popularizou na área das terapias alternativas. É a região ao redor do umbigo, onde estão guardados os órgãos e as vísceras. Podemos compará-lo à caixa-preta de um avião; ou a um cofre, onde depositamos nossas emoções. Tudo fica ali registrado.No Shiatsu, o diagnóstico principal é feito através do “hara”. Quando o shiatsuterapeuta, bem concentrado, toca nessa área, pode visualizar claramente o quadro geral do paciente. Não só as disfunções físicas se tornam visíveis, como também as emocionais. Através do toque, afloram as emoções acumuladas. Em muitos casos, através do choro ou mesmo do riso, as pessoas liberam suas mágoas, angústias e todas as emoções, recentes ou muito antigas, contidas nesse cofre. Os orientais falam em uma energia que circula através da emoção. A energia emocional pode servir de indicador da saúde dos órgãos e como fonte de orientação de grande valor com relação ao bem-estar pessoal. As emoções, quando em excesso, aliadas a elementos externos, como os fatores climáticos, podem prejudicar o fluxo de energia. As mudanças emocionais causam alterações químicas, já comprovadas cientificamente, através de pesquisas feitas pela Universidade da Califórnia, de Los Angeles, USA, que afirmam que o corpo libera determinados hormônios quando as pessoas estão perturbadas emocionalmente.As emoções reprimidas, ao longo dos anos, vão se alojando, causando desconforto e desequilíbrio geral do organismo.Quando o shiatsuterapeuta toca no “hara”, está tocando no centro do universo pessoal do indivíduo. É um trabalho que deve ser feito com muita concentração e sintonia entre terapeuta e paciente. Sete emoções em excesso, são responsáveis pelas disfunções: * medo * raiva * tristeza * angústia * depressão * ansiedade * alegria Os elementos externos, que aliados às emoções, também prejudicam o organismo, são: * calor 9
  • 10. * frio * seca * umidade * vento Tanto as emoções, como os fatores climáticos são indispensáveis para o ser humano, apenas quando em excesso, é que causam problemas para a saúde. Para que o terapeuta consiga fazer seu diagnóstico, através do “hara”, é importante observar se, ao tocar, o paciente demonstrar: * dor * contração * movimentação Para trabalhar com o diagnóstico do “hara”, o terapeuta deve estar bem preparado; deve ser dedicado, estudioso, capaz de entender e transmitir os sinais que o corpo envia para seu dono; deve ser o elo do entendimento dessa linguagem, orientando e auxiliando seu paciente a recuperar a saúde e tornar-se uma pessoa mais feliz. O tipo ideal de barriga é a que apresenta o tecido macio, porém firme, com resistência ao ser tocado, pele brilhante e com certa umidade. As figuras abaixo mostram os tipos de barriga que apresentam problemas e devem ser tratadas. Fig. 1 – Barriga tipo inchada, saliente, onde o indivíduo não sente dor ou desconforto. Porém, ao ser tocado pelo terapeuta, sente dor e mal-estar. O terapeuta utilizará a técnica da palma, para fazer tonificação ou sedação, dependendo do estado da barriga; se apresentar-se mole, tonificará; pois há escassez de energia; se apresentar-se dura, sedará, pois há excesso de energia. 10
  • 11. Fig. 2 – O formato dessa barriga assemelha-se ao casco de um navio. É própria de pessoas muito magras e fracas, sofrendo de alguma doença grave. Esse tipo de barriga requer calor localizado. Tocar com muito cuidado. Fig. 3 – Esse tipo de barriga apresenta a região do estômago inchada, com a energia estagnada, causando fastio e mal-estar, toda a vez que for se alimentar. Fig. 4 – Barriga com a região pélvica e também a do estômago inchadas. É o tipo de barriga próprio, principalmente, de mulheres após cirurgia na região pélvica ou útero; também pessoas idosas, com bexiga caída. 11
  • 12. Fig. 5 – Tensão e inchaço concentrados ao redor do umbigo. Provoca muitos gases e aerofagia. É próprio de pessoas com estômago caído. 12
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. 15
  • 16. 16
  • 17. 17
  • 18. Observação Importante : Muitas vezes, quando o terapeuta coloca suas mãos nessa região, a reação do paciente é chorar, não de dor, mas pela libertação de suas emoções acumuladas. É uma reação normal, o terapeuta deverá manter-se neutro, nunca abraçar ou consolar seu paciente. 18