Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3

2,041 views

Published on

HISTÓRIA - CÍCERO BARATTA
Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,041
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Independência do Brasil - Aula 1,2 e 3

  1. 1. Processo de Independência do Brasil A Revolução do Porto, a regência de D. Pedro e a independência
  2. 2. A situação de Portugal (1807-1820)    Após a fuga da família real, Portugal ficou abandonado aos invasores franceses; Com o auxílio de tropas inglesas, os próprios portugueses defenderam o seu território, formando milícias e combatendo com táticas de guerrilha; Apesar da expulsão dos franceses (1814), o país ficou arrasado e não tinha mais o monopólio comercial sobre o Brasil.
  3. 3. Revolução Constitucionalista do Porto (1820)  Diante da demora de D. João VI em voltar para Portugal, e diante dos problemas econômicos do país, os comerciantes do Porto (cidade no norte do país) iniciou uma revolução burguesa; esse movimento exigia: a) a volta do rei a Portugal; b) a criação de uma Constituição, que limitasse os poderes reais; c) a retomada do Pacto Colonial sobre o Brasil.
  4. 4. Revolução Constitucionalista do Porto (1820)   Em 1821 o rei voltou a Portugal, levando consigo deputados brasileiros, que fariam parte das Cortes de Lisboa (Assembleia Constituinte); No entanto, deixou seu filho mais velho, D. Pedro, como regente no Brasil; D. Pedro deveria representar o governo do pai que, após 13 anos, deixava o Rio de Janeiro.
  5. 5. A regência de D. Pedro (1821-22)  No entanto, as Cortes não aprovaram essa atitude, e passaram a exigir mudanças quanto a relação do governo português com o Brasil, entre elas: a) nomeação de comandantes portugueses para as tropas brasileiras; b) extinção dos tribunais brasileiros; c) controle dos governos das regiões brasileiras por Lisboa (e não mais pelo Rio);
  6. 6. A regência de D. Pedro (1821-22)   d) ordem para que os navios brasileiros em direção à Europa, parassem primeiro em Lisboa (para o “registro de carga”); e) retorno imediato de D. Pedro a Portugal. Diante dessas decisões das Cortes, os deputados brasileiros deixam Lisboa e retornam ao Brasil, em forma de protesto; Aqui, a elite organiza-se em torno do príncipe, contra a dominação portuguesa.
  7. 7. A regência de D. Pedro (1821-22)   Em 9 de janeiro de 1822, após receber um abaixo-assinado, D. Pedro decidiu pela permanência no Brasil (Dia do Fico); D. Pedro ordenou, nas semanas seguintes: a) a convocação de uma Assembleia Constituinte brasileira; b) a criação de um Conselho dos Procuradores Gerais das Províncias, com representantes de todas as regiões;
  8. 8. A regência de D. Pedro (1821-22)   c) que fossem consideradas inimigas todas as tropas enviadas por Portugal; d) que funcionários enviados por Portugal não tomassem posse dos cargos. D. Pedro aceitou também o título de Defensor Perpétuo do Brasil; Após alguns meses, em 7 de setembro do mesmo ano, a independência foi proclamada, pelo mesmo D. Pedro!
  9. 9. Os limites da independência Realizada pelo herdeiro do trono português, incentivado pela elite brasileira, a independência do Brasil manteve:  1) 2) 3) 4) a economia agroexportadora de gêneros tropicais, baseada no latifúndio; a monarquia absolutista (Aulas 15 e 16); o trabalho escravo (até 1888); o controle político da elite rural sobre o novo país.
  10. 10. Um pouquinho de patriotismo... Embeyba Ypiranga sui, pitúua, Ocendu kirimbáua sacemossú Cuaracy picirungára, cendyua, Retama yuakaupé, berabussú. Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante, E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos, Brilhou no céu da Pátria nesse instante.
  11. 11. Um pouquinho de patriotismo... As margens calmas do Ipiranga ouviram o grito forte de um povo heróico, e nesse instante, com raios brilhantes, o sol da liberdade brilhou no céu da Pátria...
  12. 12. Independentes?     Independência ou dependência dos ingleses? Financiamento e Compromisso da Dívida dos portugueses; Necessidade de paz interna; Separação da Cisplatina em 1823;
  13. 13. Reconhecimento Externo      Estados Unidos e a Doutrina Monroe; Dois milhões de esterlinas pago a Portugal; Tratado de Paz e Aliança (D. João VI, Imperador Honório do Brasil); Inglaterra reconhece a independência; D. Pedro garantiria o fim do tráfico de escravos até 1830;
  14. 14. Assembléia Constituinte de 1823    90 deputados; Não queriam ceder tantos poderes ao Imperador; “a Constituição só entra em vigor, se ela for digna do Brasil e de seu imperado”
  15. 15. Constituição de caráter absolutista      Voto censitário; (Constituição da Mandioca) D. Pedro I, dissolveu a Assembléia; Noite da Agonia; Conselho de Estado; 25 de março de 1824 (Carta Magna): I Constituição nos moldes da constituição francesa dos Bourbons (1814)
  16. 16. "Havendo eu convocado como tinha direito de convocar a Assembléia Geral no ano próximo passado (...) Hei por bem, como imperador e defensor perpétuo do Brasil, dissolver a mesma Assembléia e convocar uma outra (...) a qual deverá trabalhar sobre o projeto de Constituição que eu hei de em breve apresentar, que será duplicadamente mais liberal do que a extinta assembléia acaba de fazer". Noite do dia 11 ao dia 12 de novembro de 1823
  17. 17. Coroação de D. Pedro I – 01 de dezembro de 1822.

×