Fisiologia Vegetal
CONDUÇÃO E
TRANSPIRAÇÃO II
PROF.: MARCOS AURÉLIO
Condução da Seiva Elaborada
• Após a fotossíntese: seiva bruta → seiva elaborada;
• Seiva elaborada= 80% de água + 20% de ...
Modelo de Münch ou pressão
positiva de seiva

Folha

Raiz
Afídeo(pulgão)

Seiva elaborada
Demonstração do transporte de seiva
Elaborada: Anel de Malphighi



Retirando um anel completo da casca (anel de Malpighi...
TRANSPIRAÇÃO


PERDA DE ÁGUA NA FORMA DE VAPOR
Transpiração

CUTICULAR = Pouco intensa e constante
ESTOMÁTICA = Principal...
TRANSPIRAÇÃO


CAUSAS DA TRANSPIRAÇÃO
FATORES EXTERNOS
TEMPERATURA
SOLO
UMIDADE DO AR
VENTILAÇÃO
LUZ

↑ T → ↑ transpiraçã...
TRANSPIRAÇÃO


CAUSAS DA TRANSPIRAÇÃO
FATORES INTERNOS
ÁREA DE EVAPORAÇÃO

↑ superfície foliar → ↑ transpiração

ESPESSUR...
TRANSPIRAÇÃO

-

-

CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA
Os estômatos são os principais responsáveis pela
regulação da transpi...
TRANSPIRAÇÃO

-

CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA
O controle dos estômatos é realizado pelo efeito
hidroativo das células-...
TRANSPIRAÇÃO

-

-

-

CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA
A entrada e saída de água nas células-guardas é
regulado pelos íon...
A transpiração depende da abertura ou do
fechamento dos estômatos.
transpiração
Isso está diretamente
fotossíntese
ligado ...
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II

1,168

Published on

BIOLOGIA - MARCOS AURÉLIO
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,168
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
70
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II"

  1. 1. Fisiologia Vegetal CONDUÇÃO E TRANSPIRAÇÃO II PROF.: MARCOS AURÉLIO
  2. 2. Condução da Seiva Elaborada • Após a fotossíntese: seiva bruta → seiva elaborada; • Seiva elaborada= 80% de água + 20% de matéria orgânica; Hipótese de Münch • FONTE (FOLHAS) → DRENO (TECIDOS)  Floema após a fotossíntese = ↑ [glicose] → ↑ pressão osmótica → água do Xilema p/ Floema;  Floema após distribuição glicose p/ tecidos = ↓ [glicose] floema → ↑ [glicose] tecidos → água F p/ tecidos → água do Tecidos p/ Xilema.
  3. 3. Modelo de Münch ou pressão positiva de seiva Folha Raiz
  4. 4. Afídeo(pulgão) Seiva elaborada
  5. 5. Demonstração do transporte de seiva Elaborada: Anel de Malphighi  Retirando um anel completo da casca (anel de Malpighi) que envolve o vegetal, interrompemos a distribuição de seiva elaborada em direção à raiz, pois os vasos liberianos são lesados, levando à morte das raízes depois de certo tempo. Com a morte das raízes, não ocorre absorção de água e sais minerais do solo e, conseqüentemente, ocorrerá a morte do vegetal, pois as folhas não receberão mais água.
  6. 6. TRANSPIRAÇÃO  PERDA DE ÁGUA NA FORMA DE VAPOR Transpiração CUTICULAR = Pouco intensa e constante ESTOMÁTICA = Principal mecanismo  90% 99% da água absorvida nas raízes é perdida nas folhas pela transpiração. A TRANSPIRAÇÃO CUTICULAR é um processo físico que não é regulado pela planta e ocorre de forma lenta e constante. A TRANSPIRAÇÃO ESTOMÁTICA é desencadeada pelos mecanismos hídrico e fotoativo. Ocorre por um processo de difusão: no interior da planta (umidade de 98 a 100%)  meio externo (menor umidade).
  7. 7. TRANSPIRAÇÃO  CAUSAS DA TRANSPIRAÇÃO FATORES EXTERNOS TEMPERATURA SOLO UMIDADE DO AR VENTILAÇÃO LUZ ↑ T → ↑ transpiração ↑ umidade → ↑ transpiração ↑ umidade do ar → ↓ transpiração ↑ ventilação → ↑ transpiração (obs.: ventilação excessiva → estômatos se fecham → transpiração diminui ↑ exposição luminosa → ↑ transpiração
  8. 8. TRANSPIRAÇÃO  CAUSAS DA TRANSPIRAÇÃO FATORES INTERNOS ÁREA DE EVAPORAÇÃO ↑ superfície foliar → ↑ transpiração ESPESSURA CUTÍCULA ↑ espessura → ↓ transpiração PELOS ATIVIDADE ESTOMÁTICA CONCENTRAÇÃO VACUOLAR céls. vivas → ↑ transpiração; céls. mortas → ↓ transpiração ↑ tempo abertura estômatos → ↑ transpiração ↑ Concentração vacúolo → ↑ retenção de água → ↓ transpiração
  9. 9. TRANSPIRAÇÃO  - - CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA Os estômatos são os principais responsáveis pela regulação da transpiração; São formados por uma associação entre célulasguardas e ostíolo (abertura).
  10. 10. TRANSPIRAÇÃO  - CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA O controle dos estômatos é realizado pelo efeito hidroativo das células-guardas: Mecanismo Hidroativo = Depende da quantidade de água disponível: - entrada de água nas células-guardas= Estômato túrgido  Ostíolo abre e ocorre a transpiração. - saída de água nas células-guardas = Estômato murcho  Ostíolo fecha, reduz a transpiração (economia hídrica).
  11. 11. TRANSPIRAÇÃO  - - - CONTROLE DA ABERTURA ESTOMÁTICA A entrada e saída de água nas células-guardas é regulado pelos íons K+: Presença de luz +  [CO2] = entrada de K+ nas células-guardas  osmose para as células-guardas = túrgidas e abrem o ostíolo  transpiração + entrada de CO2; ABA = ajuda no bombeamento de K para fora das célulasguardas.
  12. 12. A transpiração depende da abertura ou do fechamento dos estômatos. transpiração Isso está diretamente fotossíntese ligado a trocas gasosas  Regulação da abertura Estomática Noite- não faz fotossíntese Dia – faz fotossíntese
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×