Grupo de-estudo-cursos-de-posgraduacao-de-tic-v1

  • 60 views
Uploaded on

O objetivo do grupo de estudo é identificar as demandas do mercado de TI para alinhar com a oferta dos cursos de pós-graduação de TI.

O objetivo do grupo de estudo é identificar as demandas do mercado de TI para alinhar com a oferta dos cursos de pós-graduação de TI.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
60
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SUCESU - Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações - São Paulo Rua Professor Tamandaré Toledo, 69 3º andar. CEP: 04532-020 - Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel.: (11) 2165-1331 / (11) 2165-1332 | sucesusp@sucesusp.org.br GRUPO DE ESTUDOS: CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TI E TELECOMUNICAÇÕES SUMÁRIO DA PROPOSTA O objetivo do grupo de estudo é identificar as demandas do mercado de TI para alinhar com a oferta dos cursos de pós-graduação de TI. Assume-se como premissa que os cursos de graduação tem a finalidade de formação generalista e prepara os alunos para o ingresso no mercado de trabalho. Os cursos de pós-graduação tem o objetivo de qualificar os profissionais em determinadas áreas de conhecimento para melhorar seu desempenho e permitir seu crescimento na organização. A criação de novos cursos de especialização deve acompanhar a dinâmica e a velocidade das demandas do mercado, tanto em conteúdo como em número de vagas para atender às necessidades do mercado. O atraso da introdução de uma nova tecnologia no mercado pode ser ocasionada pela ausência de pessoal qualificado. As empresas pioneiras acabam pagando um alto custo para introduzir novas tecnologias, que podem em alguns casos pode ser inviabilizada pela ausência de pessoal especializado. Em geral, os primeiros profissionais capacitados tem um custo maior. Atraídos pelo alto salários, novos profissionais se especializam nas áreas de baixa oferta de profissionais e alta demanda pelas empresas, iniciando um processo que com o tempo atinge a saturação do mercado e, consequentemente, o valor dos salários diminui. De uma forma geral, os cursos de pós-graduação só detectam as novas demandas quando a curva de demanda está próxima a saturação. Isso reduz a atratividade dos cursos e se estabelece uma situação crônica de baixa procura e, muitas vezes, as turmas não fecham por falta do número mínimo de alunos. O objetivo do grupo de estudos é antecipar a demanda e permitir que as escolas desenvolvam novos cursos para atender a demanda de mercado antes de atingir a linha de saturação. Serão beneficiadas as empresas que aceleram e reduzem seus custos de implantação de novas tecnologias, os fornecedores que aumentam suas vendas e, consequentemente, devem contratar mais especialistas e as escolas que aumentam sua relevância no mercado com novos conteúdos e trabalhos acadêmicos com as necessidade do mercado, além de aumento de receita. O conteúdo detalhado de cada curso será desenvolvido por cada escola de pós-graduação com o objetivo de fomentar a competição sadia no mercado, onde cada instituição aproveitará seus recursos humanos e tecnológicos para criar os diferenciais de mercado. O grupo identificará o conhecimento e habilidades necessárias para cada função existente nos usuários finais e fornecedores de TI. A partir desse levantamento serão discutidas as novas tecnologias e habilidades gerenciais necessárias para o aumento de desempenho desses profissionais e, consequentemente, das equipes das organizações. O grupo de estudos será coordenado pela vice-presidência de inovação da SUCESU-SP e serão convidados seus associados, fornecedores de TI e escolas de pós-graduação, devidamente credenciadas pelo MEC. Os representantes do interior do Estado de São Paulo participarão através de vídeo ou áudio conferencia, ficando aberta sua participação presencial na sede da SUCESU-SP em São Paulo. Com o objetivo de suportar os custos intrínsecos ao projeto (contratações de serviços de pesquisa, infraestrutura para eventos, viagens, confecção de material para distribuição, etc.) será formado um fundo para o projeto com contribuições dos participantes e entidades que venham solicitar o conteúdo dos trabalhos. Os valores das contribuições serão discutidas e aprovadas pelo grupo.
  • 2. SUCESU - Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações - São Paulo Rua Professor Tamandaré Toledo, 69 3º andar. CEP: 04532-020 - Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel.: (11) 2165-1331 / (11) 2165-1332 | sucesusp@sucesusp.org.br Contexto Os cursos universitários de bacharelado em informática disponíveis no Brasil: Ciência da Computação, Engenharia da Computação e Sistemas de Informação. Na leitura leiga dos propósitos dos cursos é difícil distinguir as diferenças marcantes de atuação dos profissionais de Ciência da Computação e Sistemas de Informação. A diferença do campo de atuação fica na Engenharia da Computação, onde os profissionais têm uma vocação maior para equipamentos, porém com habilidades para análise de sistemas. Ciência da Computação: cria e desenvolve softwares e aplicativos para computadores. Gerencia equipes e instala sistemas de computação, desde um simples programa de controle de estoque até sofisticados sistemas de processamento de informações. Sistemas de Informação: planeja o uso adequado da informática para empresas. Desenvolve programas para a geração, o processamento, o armazenamento e a recuperação de informações em redes de computadores. Engenharia da Computação: atua na supervisão e orientação técnica de construção, operação e assistência de equipamentos elétricos e eletrônicos e sistemas de comunicação e telecomunicações. Realiza estudos, projetos e operação de equipamentos. Também atua na análise de sistemas computacionais. Entretanto, o mercado de trabalho faz uma equalização dos profissionais, denominando-os simplesmente como Analistas de Sistemas. Para regulamentar a profissão de Analista de Sistema existe uma definição das atividades e atribuições dos profissionais para efeito de lei: I - planejamento, coordenação e execução de projetos de sistemas de informação, como tais entendidos os que envolvam o processamento de dados ou utilização de recursos de informática e automação; II – elaboração de orçamentos e definições operacionais e funcionais de projetos e sistemas para processamento de dados, informática e automação; III – definição, estruturação, teste e simulação de programas e sistemas de informação; IV – elaboração e codificação de programas; V – estudos de viabilidade técnica e financeira para implantação de projetos e sistemas de informação, assim como máquinas e aparelhos de informática e automação; VI – fiscalização, controle e operação de sistemas de processamento de dados que demandem acompanhamento especializado; VII – suporte técnico e consultoria especializada em informática e automação; VIII – estudos, análises avaliações, vistorias, pareceres, perícias e auditorias de projetos e sistemas de informação; IX - ensino, pesquisa, experimentação e divulgação tecnológica; X - qualquer outra atividade que, por sua natureza, se insira no âmbito de suas profissões. A partir da redação da lei, a análise de sistemas é uma profissão, cujas responsabilidades concentram-se na análise do sistema e na administração de sistemas computacionais. Cabe a este profissional parte da organização, implantação e manutenção de aplicativos e redes de computadores, ou seja, o analista de sistemas é o responsável pelo levantamento de informações sobre uma empresa a fim de utilizá-las no
  • 3. SUCESU - Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações - São Paulo Rua Professor Tamandaré Toledo, 69 3º andar. CEP: 04532-020 - Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel.: (11) 2165-1331 / (11) 2165-1332 | sucesusp@sucesusp.org.br desenvolvimento de um sistema para a mesma ou para o levantamento de uma necessidade específica do cliente para desenvolver este programa especifico com base nas informações colhidas. Observamos que em nenhum momento é enfatizado os aspectos de negócios. A descrição das atividades do analista de sistema coloca-o numa posição de passividade frente aos desafios empresariais, remetendo-o ao nível estritamente operacional. Com esse perfil de atuação, dificilmente a organização enxergará a TI com potencial para liderar inovações tecnológicas na transformação de negócios na busca de diferencial competitivo. Cabe aos cursos de pós-graduação a especialização e o desenvolvimento de habilidades gerenciais para capacitar os profissionais de TI para ocupar posições de executivas nas organizações. SUCESU-SP A SUCESU-SP foi fundada em janeiro de 1967, como a denominação original de Sociedade dos Usuários de Computadores e Equipamentos Subsidiários. Era a iniciativa de um grupo de usuários empreendedores, que se reunia para debater e buscar soluções em conjunto para suas necessidades de “computação”. Hoje, com a mesma sigla SUCESU-SP, o nome foi atualizado para Sociedade dos Usuários de Informática e Telecomunicações do Estado de São Paulo sendo a maior, mais antiga e mais experiente entidade sem fins lucrativos na defesa dos usuários e do desenvolvimento da Informática e Telecomunicações do estado. Assim como as demais regionais SUCESU em vários estados brasileiros, congregadas através da SUCESU Nacional, a SUCESU-SP tem a missão de representar e defender os usuários de Informática e Telecomunicações do Estado de São Paulo. Atua por meio de ações políticas, institucionais e técnicas, assim como mantêm um canal direto e positivo entre os que utilizam e os que produzem soluções de TI e Telecom. O objetivo é sempre propiciar ganhos de produtividade e melhores resultados para as empresas, as organizações e os profissionais que utilizam ou que fornecem produtos e serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação. A SUCESU-SP conta com associados (pessoas físicas e jurídicas), parceiros e apoiadores entre as principais empresas de todos os setores da economia do País.