Cap5  final-1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Cap5 final-1

on

  • 335 views

 

Statistics

Views

Total Views
335
Views on SlideShare
335
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cap5 final-1 Presentation Transcript

  • 1. Capitulo 5 Inovação Capítulo 5 tecnológica INOVAÇÃO TECNOLÓGICAQualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 1
  • 2. Inovação tecnológica Capítulo 5 O que é Inovação Tecnológica? Não confundir inovacão com invenção • Inovação X Invenção • Biblioteca Virtual • Exemplo Inovação: Carros F-1 • Exemplo Invenção: Máquina CopiadoraQualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 2
  • 3. Inovação tecnológica Capítulo 5 Qual a Diferença entre Ciência e Tecnologia? A relação com o mercado distingue os dois conceitos • Ciência = Conhecimento • Tecnologia = Aplicação • Brasil: Cientistas nas Universidades • Exemplo – DuPontQualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 3
  • 4. Inovação tecnológica Capítulo 5 Há Relacão entre Inovação Tecnológica e o Progresso Socioeconômico? Os países mais ricos são os que mais investem em P&D e inovação • EUA, Japão, Ingraterra, Coréia do Sul, França e Alemanha: 3% do PIB • Brasil: 1% do PIB • Agentes de Desenvolvimento: FINEP, CNPq, BNDES e SEBRAEQualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 4
  • 5. Inovação tecnológica Capítulo 5 Como a Inovação Tecnológica pode criar um Ambiente Competitivo? No Brasil, o bem-sucedido caso da Embraer é o exemplar • Embraer: Mesmo importando 80% dos componentes a empresa conseguiu inovar. • Unilever: Líder no mercado de alimentos na América Latina.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 5
  • 6. Inovação tecnológica Capítulo 5 Como a Inovação Tecnológica é Praticada nas Organizações? Não existe apenas um padrão consagrado no mercado • Existem várias formas de se fazer inovação: • Embraco, J&J e Mercedes-Benz: P&D estruturado • Multinacionais: Inovação geralmente é feita na Matriz.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 6
  • 7. Inovação tecnológica Capítulo 5 Qual a Interface entre P&D, Marketing e Produção? A palavra de ordem dessas áreas é harmonia • Marketing: Quer vender do jeito que o cliente quer; • Produção: Produzir com o menor custo, e menor prazo; • P&D: Quer inventar, sem se preocupar com a parte comercial. • Até 1980: "Torres de Marfim"Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 7
  • 8. Inovação tecnológica Capítulo 5 Como proteger as inovações da concorrência? Faça o registro de patente. Isso é tão importante quanto o seguro do seu imóvel ou uma aposentadoria antecipada. • Governo protege a invencão (propriedade industrial) concedendo uma patente; • P&D requerem grandes investimentos; • Patente previne a concorrencia de copiar sua ideia sem autorização; • Patente e registro de desenho indutrial fazem a invencão um investimento rentável.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 8
  • 9. Inovação tecnológica Capítulo 5 Como obter uma patente? Todas as informações estão contidas no site: www.inpi.gov.br • Para ser patenteada, a invencao tem que ter aplicação e ser comercializavel, nao podendo ser nada abstrato; • O Brasil foi um dos 14 primeiros paises a • INPI – Instituto Nacional da Propriedade aderir a Convenção da União de París Industrial; (CUP) de 1883; • Qualquer pessoa fisica ou juridica pode depositar uma patente; • Patente de Invenção (PI) vigora por 20 anos.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 9
  • 10. Inovação tecnológica Capítulo 5 Como explorar uma patente e ganhar dinheiro com ela? Procure negociar sua patente com o setor privado. Registros de patente no INPI: • 690 em nome de universidades; • 467 em nome de centros de pesquisa; • 26 em nome de escolas técnicas; Jose Antonio Martinelli (UFRS) vendeu um processo que melhora a qualidade dos grãos, para uma empresa beneficiadora mediante contrato; Primeira patente da UFRS a ser vendida.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 10
  • 11. Inovação tecnológica Capítulo 5 É possível medir o retorno do investimento em P&D? Existem alguns índices: • Percentual do faturamento advindo de produtos novos (<5 anos); • Economia de custos decorrente de melhorias de processo; O Industrial Research Institute (IRI) definiu uma fórmula de cálculo envolvendo essas duas grandezas, dividindo-as pelo lucro. Para as empresas brasileiras prevalecem os indicadores de produtos lançados e de economia de custos, devido à complexidade e difícil adaptação à realidade local.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 11
  • 12. Inovação tecnológica Capítulo 5 O que é mais adequado: comprar ou fazer tecnologia? As opções devem ser complementares, não excludentes. Quando a empresa se volta apenas para a tecnologia se arrisca a produzir algo que já existe no mercado. Países como Inglaterra e Canadá compram do exterior mais de 25% da tecnologia de que necessitam. Por outro lado, quando a única estratégia é comprar tecnologia, pode haver perda de eficiência Para a máxima eficiência do uso da tecnologia adquirida, é preciso manter uma equipe para fazer adaptações.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 12
  • 13. Inovação tecnológica Capítulo 5 A empresa brasileira que respira inovação Fundada em 1961 com aporte de capital de US$ 12.000. Faturou R$ 1.530.000.000 em 2002. Faturamento gerado por produtos com menos de cinco anos é de 70%, índice encontrado apenas nas empresas mais inovadoras do mundo. Na divisão de motores elétricos, a fábrica produz em média 60 novos protótipos por mês.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 13
  • 14. Inovação tecnológica Capítulo 5 WEG: Estratégia Centro tecnológico, área de engenharia e processos e a constante parceria com universidades e consultores externos. A empresa reserva cerca de US$ 3,5 milhões por ano para cursos de treinamento de pessoal. Eggon J. da Silva afirma: “Se faltam máquinas, você pode comprá-las; se não há dinheiro, você toma emprestado; mas homens você não pode comprar nem pedir emprestado. Homens motivados por uma idéia são a base do êxito”.13Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 14
  • 15. Inovação tecnológica Capítulo 5 WEG: Os momentos da inovação Nem todas as áreas vivem o mesmo momento de inovação. Durante os primeiros anos da WEG Acionamentos, criada em 1982, a divisão comprava tecnologia do exterior. Em função da dificuldade de acesso a sistemas de ponta, a empresa viu-se obrigada a criar tecnologia própria. Assim a empresa reuniu 16 pesquisadores do grupo WEG e estabeleceu parcerias com universidades estrangeiras. O processo de estruturação do departamento de P&D da área terminou em 2000. Hoje a companhia já precisa comprar tecnologia do exterior.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 15
  • 16. Inovação tecnológica Capítulo 5 WEG: Particularidades Moacir Sens, superintendente da WEG, conta que a empresa desenvolveu algumas maneiras diferentes de observar os competidores: São gastos cerca de US$ 100 mil por ano na compra de produtos concorrentes para checar se as especificações conferem com as informações do manual do proprietário. A cada 4 anos a WEG compra ferramentas de indústrias italianas para aprender a melhorar seus próprios produtos. Para o executivo, desenvolver um produto e lançá-lo rapidamente no mercado pode ser uma estratégia mais eficaz que correr atrás de uma patente. “Patentear no Brasil ainda é um processo muito burocrático”.Qualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 16
  • 17. Inovação tecnológica Capítulo 5 ... Acadêmicos André C. Beck Fernando Silveira Hugo F. da Rosa Raphael G. da SilveiraQualidade e InovaçãoEngenharia de Materiais - UFSC 17