Tornozelo e Pé - RM (Resumão)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Tornozelo e Pé - RM (Resumão)

on

  • 2,343 views

Técnica - Adquirindo Imagens ...

Técnica - Adquirindo Imagens
Anatomia:
- Tendões posteriores do tornozelo: aquiles
- Tendões mediais do tornozelo: tibial posterior, flexor longo dos dedos, flexor longo do hálux;
- Tendões laterais do tornozelo: fibulares (curto e longo)
- tendões anteriores do tornozelo: tibial anterior
Ligamentos do Tornozelo:
- tibifibular
- talofibular
- calcaneofibular
Patologias:
- Tendinoses
- Lacerações / Roturas
- Bursites
- Luxações
- Síndrome do seio do tarso;
- Fasceíte plantar;
- Síndrome do túnel do tarso;
- Neuroma de Morton;

Statistics

Views

Total Views
2,343
Views on SlideShare
2,339
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
15
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideee.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Tornozelo e Pé - RM (Resumão) Tornozelo e Pé - RM (Resumão) Presentation Transcript

  • Pé  e  Tornozelo  -­‐‑  RM Dr. Emanuel R. Dantas Médico Radiologista - Membro Titular do CBR
  • Seqüências de Pulso / Regiões de Interesse •  As seqüências de pulso são escolhidas selecionando-se umas das seguintes categorias clínica: o  Rotina (dor, trauma); o  Infecção, massa o  Neuroma de Morton o  Rotina: •  T1 ou PD sem supressão sagital e coronal •  PD com supressão de gordura nos 3 planos ortogonais (básico). •  T2* usado na suspeita de neuropatias. •  Corte: 2 a 3 mm •  FOV: 12 a1 4 cm •  Matriz: 256 x 256 ou 512 x 256 •  Contraste: Neuroma Morton, Processos Inflamatórios Sinoviais, Certas condições tendíneas (lesões parciais, processo de reparação e lesões infiltrativas). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Posteriores  do   Tornozelo •  Tendão de Aquiles: o  Localizado na linha média da porção posterior do tornozelo. o  É o maior tendão do corpo, formado pela confluência de tendões dos músculos gastrocnêmico e sóleo. o  Não apresenta bainha tendinosa; logo, ele não pode apresentar alterações de tenossinovite, mas apenas de paratendinite. o  Triangulo de Kager: Coxim gorduroso localizado anteriormente ao tendão de aquiles. o  O tendão-de-aquiles geralmente tem uma margem anterior plana ou côncava nas imagens axiais; se ele se torna difusamente convexo, existe um tendão anormalmente espessado. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Achilles tendon: normal. A, T1W sagittal image of the ankle. The Achilles tendon (arrows) is low signal, taut, and with parallel straight anterior and posterior margins. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Achilles tendon: normal B, T1W axial image of the ankle. The Achilles tendon has a flat or concave anterior margin, but a focal convexity (arrow) is a normal finding in many individuals. The paratenon is shown posterior to the tendon (arrowheads) as intermediate signal. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Tendão de Aquiles – Sujeito a uma varieade de Patologias: •  Degenerações intrassubstanciais, manifestada por espessamento fusiforme (tendinose). •  Tendinite insercional (espessamento distal ao longo da sua inserção no calcâneo) •  Lacerações longitudinais, parciais ou completas. •  Anormalidades associadas: o  Bursites retrocalcaneas o  Inflamação dos tecidos ao redor do tendão (paratendinite). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Degenerações / lacerações parciais ou completas: o  Degenerações ou tendinoses e lacerações parciais ou completas do tendão-de-aquiles ocorrem cerca de 2-6 cm acima da sua inserção (zona hipovascular), mas podem existir em qualquer local ao longo do comprimento do tendão. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Degeneração ou Tendinose – Achados MR: o  Espessamento focal ou fusiforme do tendão de Aquiles; o  Baixo sinal ou, no máximo, intermediário, nas seqüências T2, PD e STIR. o  Outros sinais secundários: •  Aumento do diâmetro nas imagens axiais, notadamente ânteroposterior; •  Convexidade anterior proeminente •  Calcificação ou degeneração óssea associado a espessamento do tendão Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendinopatia insercional Dr. Emanuel R. Dantas
  • Insertional tendinitis with hyperintensity of the thickened distal Achilles tendon. Retrocalcaneal bursal inflammation and calcaneus marrow edema are shown. In contrast to non-insertional degenerative tendinosis, the process of insertional Achilles tendinitis demonstrates an inflammatory process histologically. Achilles enthesopathy is another term for insertional Achilles tendinitis. FS PD FSE (A) sagittal and (B) axial images Dr. Emanuel R. Dantas
  • (A) Lateral color graphic of the normal anatomy of Kager's fat pad. Fat deposition deep to the Achilles tendon separates it from the deep compartment of the leg. Paratendinitis (also referred to as peritendinitis) demonstrates hypointensity and effacement of pre- Achilles fat on a sagittal T1-weighted image (B) Dr. Emanuel R. Dantas
  • ( C ) Hyperintensity of the anterior soft tissue on a sagittal FS PD FSE image Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Lacerações parciais: o  Ocorrem geralmente 2-6 cm proximal a sua inserção no calcâneo (zona hipovascular) à parciais ou completas; o  Aparência MR: •  Áreas de significativo aumento e sinal associado a espessamento, porém sem um gap à lesões menos extensas; •  Redução do diâmetro do tendão sem perda da sua continuidade à lesões mais extensas Dr. Emanuel R. Dantas
  • Achilles  tendon:  par1al  tears.  A,  T1W  sagi*al  .  The  tendon  has  a  fusiform  thickening  (arrows)  with  a  convex  anterior  margin   in  its  midsubstance,  approximately  4  cm  above  the  calcaneal  inserBon.  The  increased  signal  throughout  the  Achilles  tendon   could  be  tendinosis  (myxoid  degeneraBon)  or  parBal  tears.  B,  FSE-­‐T2W  sagi*al  image  of  the  ankle.  The  tendon  is  thickened   in  the  anteroposterior  direcBon  (arrows)  and  has  increased  signal,  which  indicates  a  parBal  tear.  Tendinosis  does  not  get   fluid-­‐bright  on  T2W  sequences   Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Lacerações completas: o  Aparência MR: •  Gap tendíndeo preenchido ou não por gordura •  Desgaste das margens do tendão associado a retração proximal; •  Na ausência de sobreposição dos cotos tendíndeos à ausência de fibras tendíneas •  Hemorragia ou edema intratendíneo ou dos tecidos circunvizinhos (paratendinite) •  Degeneração intratendínea Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • (B) Sagittal T1-weighted image. (C) Axial FS PD FSE image. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Achilles  tendon:  full-­‐thickness  tear.  A,  T1W  sagi*al  .  There  is  a  full-­‐thickness  tear  of  the  Achilles  tendon  at   the  myotendinous  juncBon  (arrowhead).  The  enBre  tendon  is  thickened  and  has  abnormal  high  signal  within   it  from  parBal  tears  as  well.  B,  T2*W  axial  image  of  the  ankle.  A  cut  through  the  torn  tendon  (arrow)  shows   the  tendon  to  be  markedly  thick,  with  a  diffusely  convex  anterior  margin.  There  is  a  sBppled  appearance  as   the  result  of  hemorrhage  and  edema  separaBng  the  low  signal  collagen  fibers  in  the  tendon  Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  Há 2 bolsas relacionadas à inserção distal do tendão- de-aquiles: o  Bolsa retrocalcânea: •  Estrutura em forma de lágrima que se encontra normalmente localizada entre o tendão e a face posterior do calcâneo •  Ela contém pouco ou nenhum líquido no seu interior quando não está inflamada. o  Bolsa do tendão aquileu (retroaquilea): •  Bolsa adquirida ou adventícia, localizada imediatamente posterior à porção distal do tendão-de-aquiles na gordura subcutânea. •  A distensão dessas bolsas com líquido ou o espessamento inflamatório dos revestimentos sinoviais indica bursite. Dr. Emanuel R. Dantas
  • The retrocalcaneal bursa is located between the Achilles tendon and the posterosuperior calcaneal prominence. The adventitial bursa or tendo-Achilles bursa is located between the Achilles tendon and the skin. Lateral color graphicDr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões Posteriores do Tornozelo – Tendão de Aquiles •  A tríade de Haglund: o  Bursite retroaquilea + retrocalcalcânea + espessamento do porão distal do tendão de aquiles = deformidade de Haglund ou “inchaço das das sapatilhas”. o  Obs.: O uso de sapatos altos é fator predisponente. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Haglund's  deformity.  A,  T1W  sagi*al  image  of  the  ankle.  The  Achilles  tendon  is  mildly  thickened  and  has  high  signal  in  it   from  parBal  tears.  Anterior  to  the  tendon  is  a  rounded  mass  (black  arrow),  represenBng  the  enlarged  and  inflamed   retrocalcaneal  bursa.  Posterior  to  the  tendon  is  an  inflamed  bursa  of  the  Achilles  tendon  (white  arrow).  B,  T2*W  sagi*al   image  of  the  ankle.  The  triad  of  Haglund's  deformity  is  evident  as  high  signal  in  the  retrocalcaneal  and  Achilles  tendon   bursae,  and  in  the  parBally  torn  Achilles  tendon  (arrow).     Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Os tendões flexores estão localizados na face medial do tornozelo e passam através do túnel do tarso. •  São representados pelo mnemônico, de anterior para posterior: “Tom, Dick And Harry”: o  ”Tom”: Tendão tibial posterior o  “Dick”: Tendão do flexor longo dos dedos; o  “AND”: Artéria, nervo e veias tibiais posteriores; o  “Harry”: Tendão flexor longo do hálux. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Tendão Tibial Posterior: o  É o maior dos três tendões flexores mediais. o  Formato oval e aproximadamente 2x maior que os tendões redondos adjacentes. o  Passa por baixo do maléolo medial, o qual ele utiliza como polia, e fixa: •  Face medial do osso navicular: geralmente a única porção identificada pela RM. •  Três cuneiformes •  Bases do primeiro ao quarto metatarsais. o  A maioria das lacerações do tendão tibial posterior ocorrem ao nível do maléolo medial, em vez de mais distalmente. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Tendão Tibial Posterior: o  Observações: •  Em geral, não valorizamos alta intensidade de sinal nesse tendão no seu sítio de fixação ao navicular (variação do normal). •  Alta intensidade de sinal ou espessamento de tendão em qualquer outra parte na extensão do tendão são considerados patológicos. o  O tendão tibial posterior é o tendão mais alterado na face medial do tornozelo. o  As lacerações: •  Levam ao pé plano; •  Mais comumente associada a sd do seio do tarso e osso navicular acessório. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Tendão Tibial Posterior: o Lacerações – Aparência MR: •  Hipertrofia do tendão com sinal alto heterogêneo (estriações no seu interior) ou mesmo com sentido vertical (lesões em split) – Lacerações tipo 1 •  Afilamento do tendão ao nível do maléolo medial com níveis variáveis de alteração de alto sinal no seu interior – Tipo 2 •  Completa descontinuidade do tendão com sinal baixo a intermediário com gap tendíneo preenchido por líquido – Tipo 3 Dr. Emanuel R. Dantas
  • Posterior tibial tendon: partial tear. A, T1W axial image of the ankle. The posterior tibial tendon is markedly enlarged (arrow) and has increased signal within. B, FSE-T2W axial image of the ankle. The intermediate signal in the posterior tibial tendon seen on the T1W image in A is fluid-bright on the T2W image (arrow), indicating that this is a partial tear.Dr. Emanuel R. Dantas
  • Posterior tibial tendon: tendinosis. FSE-T2W axial image of the ankle. The posterior tibial tendon is markedly enlarged (arrow) and has abnormal high signal within it. It is more than twice the size of the adjacent flexor digitorum and flexor hallucis tendons. The increased signal is not fluid-bright— hence this is tendinosis rather than a partial tear. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Flexor Longo do Hálux (“Harry”): o  É o mais lateral dos 3 tendões mediais. o  Atravessa um sulco na face medial do processo posterior do tálus, e então por baixo do sustentáculo do talus, que utiliza como uma polia. o  Passa também ao longo da face plantar do pé, entre os sesamóides do hálux na cabeça do primeiro metatarsal, para se fixar à base da falange distal do grande dedo. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Flexor Longo do Hálux (“Harry”): o  A bainha sinovial do tendão do flexor longo do hálux encontra-se em comunicação com articulação em 20% das pessoas: •  O líquido que circunda o tendão é comum, e pode não ter nenhum significado se um derrame da articulação também estiver presente. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Flexor hallucis longus tendon: communication between ankle and tendon sheath. STIR sagittal image of the ankle. A large ankle joint effusion (black arrow) is present. Also, fluid surrounds the flexor hallucis longus tendon (white arrows), which runs beneath the sustentaculum tali. Fluid in this tendon sheath has no significance and cannot be called tenosynovitis when an ankle joint effusion is present because the two structures communicate in about 20% of individuals. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Flexor Longo do Hálux (“Harry”): o  Tenossinovite Estenosante: •  Ballet. •  Etiologia: o  FLH funciona com flexor primário do primeiro metacárpico e articulações interfalangianas do primeiro dedo. o  Na posição de ballet, o tendão torna-se esticado e encarcerado no túnel osteofibroso (entre o malélo medial poserior e calcâneo) o  Com a cronicidade, pode haver neoformação óssea logo posteriormente ao tornozelo, local de atrito (os trigonum) o  Aparência – MR: •  O acúmulo focal e assimétrico de líquido dentro da bainha do tendão proximal ao túneo osteofibroso. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Flexor hallucis longus tendon: stenosing tenosynovitis and os trigonum syndrome. STIR sagittal image of the ankle. The tendon sheath of the flexor hallucis is distended with fluid proximally (open arrow). There is a septation in the fluid (arrowhead), indicating this is a stenosing tenosynovitis. There also is very high signal between the os trigonum and the talus (white arrow) because of disruption of the normal synchondrosis between the two structures (posterior impingement syndrome), which often is associated with stenosing tenosynovitis of the flexor hallucis Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Mediais  do   Tornozelo •  Flexor Longo do Hálux (“Harry”): o  Lacerações do tendão do flexor longo do hálux são raras, e a tenossinovite é muito mais comum. o  Lembrar: Bailarinas à Grande causa de tenossinovites do FLH. o  Outro local de Acometimento (laceração ou tenossinovite): •  Espaço confinado entre os ossos sesamóides do hálux; •  Profundamente ao retináculo flexor Dr. Emanuel R. Dantas
  • Flexor hallucis longus tendon: distal tenosynovitis. T2*W axial image of the forefoot. The distal flexor hallucis longus tendon (arrow) is positioned between the hallux sesamoids (S) beneath the first metatarsal head. There is high signal fluid (arrowhead) from tenosynovitis in this long-distance runner with pain. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões Fibulares: o  Os tendões fibulares curto e longo estão localizados na face póstero-lateral do tornozelo, o  Atuam como principais eversores do pé. o  Esses tendões passam posteriormente e inferiormente ao maléolo lateral, que eles utilizam como polia. o  O curto geralmente está localizado distalmente ao longo (embora possa, algumas vezes, se encontrar medialmente ao longo) e corre em um sulco retromaleolar raro na face posterior do maléolo lateral. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões Fibulares: o  São mantidos no seu lugar relativamente ao maléolo lateral pelo retináculo fibular superior. o  Os tendões são freqüentemente separados pelo pequeno tubérculo fibular na face lateral do calcâneo, com o curto passando anteriormente ao tubérculo. o  O curto, em última instância, se fixa à base do quinto metatarsal. o  O longo tem uma superfície plantar da base do primeiro metatarsal e do cuneiforme medial, após atravessar a face plantar do pé. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Peroneal tendons: normal. A, T1W axial image of the ankle. The peroneus brevis tendon (solid arrow) is flat and sandwiched between the posterior aspect of the lateral malleolus and the peroneus longus tendon (open arrow). The longus is more round than the brevis and located posteriorly. The intermediate signal muscle adjacent to the tendons is the peroneal muscle. B, T1W long axis coronal image of the foot. The peroneus brevis and longus tendons (arrows) are typically located anterior and posterior to the peroneal tubercle of the calcaneus, respectively, but can lie either anterior or posterior to the tubercle. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões fibulares Curto o  Pacientes: •  Principalmente adultos jovens com associação a esportes (especialmente futebol). •  Lesões degenerativas em split são mais vistas em pacientes adultos; o  Etiologia (longo e curto): •  Subluxação crônica do tendão por retináculo frouxo ou lacerado; •  Ventre muscular do curto de implantação baixa ou músculo acessório quarto fibular (predispõe à compressão). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões fibulares Curto – Patologias: o  Aparência MR: •  O defeito é geralmente centrado próximo ao sulco retrofibular e ao nível do maléolo lateral. •  Lacerações longitudinais (lesões em split): o  Tem extensão de 2,5 a 5 cm e apresentam configuração em “C” em relação ao fibular longo. o  Alto sinal no interior do tendão, separando o componente anterior do posterior. •  Tenossinovites: o  Aumento do sinal ao longo da bainha do tendão (não no seu interior). Dr. Emanuel R. Dantas
  • (A) Color illustration of a peroneus brevis partial tear. Tenosynovitis (paratenonitis) with tendinosis including longitudinal tears and tendinosis of the peroneus brevis usually occurs at the level of the fibular groove at the distal lateral malleolus. Longitudinal tendon tear is shown on sagittal FS PD FSE (B) and axial FS PD FSE (C, D) images. The resultant two subtendons distal to the lateral malleolus are shown in (D Dr. Emanuel R. Dantas
  • (A) Color illustration of a peroneus brevis partial tear. Tenosynovitis (paratenonitis) with tendinosis including longitudinal tears and tendinosis of the peroneus brevis usually occurs at the level of the fibular groove at the distal lateral malleolus. Longitudinal tendon tear is shown on sagittal FS PD FSE (B) and axial FS PD FSE (C, D) images. The resultant two subtendons distal to the lateral malleolus are shown in (DDr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões fibulares: o  O tendão fibular longo também se encontra parcialmente lacerado em cerca de 30% dos indivíduos com uma laceração do curto. o  Rupturas do fibular longo estão associadas com lacerações do fibular curto ao nível do maléolo lateral. o  Lacerações por atrito do fibular longo podem levar a neoformação óssea à formação de os peroneum no interior do sulco cubóide para o tendão fibular (próximo ao 5 metacárpico). o  POPS (Painful os peroneum syndrome): associada a fratura por avulsão do os peroneum que ocorre na inversão ou eversão forçada de um pé supinado. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Sagittal FS PD FSE image of a partial tear of the peroneus longus tendon associated with a fractured os peroneum. Peroneus longus tears are associated with an avulsion fracture in the painful os peroneum syndrome (POPS). In a bipartite os peroneum, separation greater than 6 mm is associated with a fracture and complete tear of the peroneus longus. In a non- bipartite os peroneum, proximal displacement greater than 10 mm is associated with a peroneus longusDr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendões fibulares - Luxação: o  Os tendões fibulares estao entre os poucos que podem sofrer luxação ou subluxação, exceto quando o retináculo dos flexores é rompido. o  Diagnóstico de luxação: •  Tendões fibulares localizados lateralmente à porção distal da fíbula (em vez de posteriormente a ela) ou •  Retináculo lacerado for identificado. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Peroneal tendons: dislocation. A, T1W axial image of the ankle. Both peroneal tendons are dislocated laterally (arrow). The flexor retinaculum is not evident. B, T1W axial image of the ankle with contrast enhancement and fat suppression. One of the peroneal tendons is dislocated laterally (arrow), whereas the other remains in normal position posterior to the lateral malleolus (arrowhead). The Achilles tendon is thickened and convex anteriorly from partial tears.Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Anteriores  do   Tornozelo •  Há 4 tendões que podem ser encontrados anteriormente ao tornozelo. •  Partindo-se do aspecto medial para o lateral, eles são os tendões: o  Tendão tibial anterior o  Extensor longo do hálux o  Extensor longo dos dedos o  Tendão do terceiro fibular •  Obs.: Estes tendões servem para fletir dorsalmente o tornozelo e o pé, e raramento são afetados por patologias, em comparação com os tendões flexores. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendão Tibial Anterior: o  É o que representa, de todos os tendões do compartimento anterior, a maior probabilidade de estar alterado. o  É o mais medial e o maior tendão dos anteriores. o  As rupturas ocorrem entre o retináculo extensor e sua inserção no primeiro cuneiforme medial e base adjacente do primeiro metatarso. o  Laceração – Clínica: •  Muitos pacientes apresentam uma massa suspeita de ser um tumor em vez de sintomas de uma alteração do tendão. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tendões  Laterais  do   Tornozelo •  Tendão Tibial Anterior: o  Lacerações – Aparência MR: •  Gap tendíneo prenchido por líquido de alto sinal com retração dos cotos tendíneos; •  Espessamento fusiforme do tendão e sua bainha •  Líquido no interior da bainha do tendão (tenossinovite) Dr. Emanuel R. Dantas
  • Anterior tibial tendon: tear. T1W axial image of the ankle. There is a large, round intermediate signal structure (arrowheads) anterior to the ankle from a complete tear of the tibialis anterior tendon. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos do Tornozelo •  Ligamentos do Tornozelo: o  Em geral, os ligamentos são estruturas delgadas, retesadas, com baixa intensidade de sinal; o  Entretanto, as faixas espessas de colágeno podem criar uma aparência estriada em certos ligamentos: •  Tibiofibular anterior •  Talofibular posterior •  Camadas profundas (tibiotalar) e superficial (tibiocalcânea) do deltóide. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Mediais  do   Tornozelo •  O complexo ligamentar medial colateral (ligamento deltóide) situa-se profundamente aos tendões dos flexores mediais. •  Possui vários componentes: o  Componente Superficial (aspecto triangular): •  Tibiocalcaneo •  Tibionavicular •  Ligamento elástico (entre o sustentáculo do calcâneo e o osso navicular) ou tibiospring •  Tibiotalar: anterior e posterior (fibras superficiais) o  Componente Profundo (aspecto retangular): •  Pequeno componente de fibras do superficial (tibitalar) •  Principalmente tibiotalar posterior (fibras profundas) e ligamento talotibial. •  Apresenta componente intra-articular recoberto por sinóvia Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Mediais  do   Tornozelo •  Pacientes: o  Adultos jovens com aumento de carga ou trauma local o  Menos comum que alterações do ligamentos laterais, representando apenas 10-15% das entorses de tornozelos. •  Aparência MR: o  Áreas focais de aumento de sinal melhor visualizadas no plano axial. o  Anormalidades associadas / secundárias: •  Fraturas / edema do maléolo medial •  Ossificação do ligamento •  Gap preenchido por líquido nas lacerações completas. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Medial ankle ligaments: tears. FSE-T2W coronal image of the ankle. The deep tibiotalar ligament (arrow) has lost its striated appearance and is enlarged secondary to a tear with some retraction of the tendon Dr. Emanuel R. Dantas
  • (A) Posterior view color illustration of a partial tear of the superficial and deep fibers of the deltoid ligament. The deep layer posterior talotibial ligament runs obliquely inferiorly and posteriorly to insert on the medial surface of the talus. Posterior talotibial ligament sprain is usually associated with severe lateral collateral ligament sprain. Coronal (B) and axial (C) FS PD FSE images with contusions indicating combined inversion and ankle eversion. Deltoid ligament injuries are also associated with syndesmotic injuries Dr. Emanuel R. Dantas
  • Complete tear of the deep fibers of the deltoid in a football player sustaining a high ankle sprain with associated syndesmotic and lateral ligamentous injury. (A) Coronal FS PD FSE image. (B) Axial FS PD FSE image Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Laterais  do   Tornozelo •  O complexo ligamentar lateral colateral é afetado em 80-90% de todas as lesões ligamentares do tornozelo. •  Obs.: Esses ligamentos são mais bem avaliados em imagens axiais. •  Os ligamentos laterais localizados superiormente incluem: o  Ligamentos tibiofibular anterior e posterior: •  Localizados logo acima da articulação tibiotalar. •  Esses ligamentos (tibiofibulares anterior e posterior), juntamente com a membrana interóssea entre a tíbia e a fíbula, constituem a sindesmose. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • T2*W axial image of the ankle. Intact anterior and posterior tibiofibular ligaments (arrowheads) are present Dr. Emanuel R. Dantas
  • T2*W coronal image of the ankle. The posterior tibiofibular ligament (arrowhead) and the posterior talofibular ligament (arrow) are seen as striated structures on this image. There is a ganglion cyst medially. D, T2*W sagittal image of the ankle. The posterior tibiofibular ligament is seen in cross section (arrow) at the ankle joint line. This ligament must not be confused with an intra-articular loose body. There is an os trigonum below the ligament with a similar size and appearance. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Laterais  do   Tornozelo •  Segundo grupo de ligamentos laterais: localizados imediatamente distal à articulação tibiotalar. •  Esse grupo é constituído por, de frente para trás: o  Ligamentos talofibular anterior o  Ligamento calcaneofibular o  Ligamento talofibular posterior. •  Obs.: Os ligamentos talofibulares anterior e posterior são melhores vistos em imagens axiais imediatamente abaixo da articulação tibiotalar, ao nível da concavidade na face medial do maléolo lateral, chamada de fossa maleolar. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Dr. Emanuel R. Dantas
  • Inferior set of lateral ankle ligaments. Diagram of anterior talofibular, calcaneofibular, and posterior talofibular ligaments from sagittal and axial perspectives. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Inferior lateral ankle ligaments: normal. A, T2*W axial image of the ankle. The anterior talofibular ligament (arrowhead) and striated posterior talofibular ligament (solid arrow) are well seen at the level of the malleolar fossa (open arrow). B, T1W coronal image of the ankle. The calcaneofibular ligament (arrow) is best seen on this view. The posterior talofibular ligament is seen above it. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Laterais  do   Tornozelo •  Ligamento talofibular anterior: o  Lacerações – Aparência MR: •  Entorse: sinal alto em PD no seu trajeto + / - hemorragia (alto sinal em T2*) •  Laceração Parcial com entorse do calcaneofibular: alto sinal em PD + afilamento + borramento das suas margens •  Laceração total: ausência do ligamento + / - ruptura capsular com efusão tibiotalar e edema de partes moles na goteira anterolateral + / avulsão do ligamento da fíbula distal associado ou não a fratura. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Laterais  do   Tornozelo •  Ligamento talofibular anterior: o  É o ligamento do tornozelo mais comumente lacerado, associado a mecanismo de inversão, rotação interna e flexão plantar. o  Geralmente ocorre uma laceração isolada. o  O ligamento talofibular anterior é um espessamento da cápsula da articulação do tornozelo à lacerações ≈ ruptura capsular = extravasamento capsular de líquido. Dr. Emanuel R. Dantas
  • (A) Grade 2 ATFL sprain with thickened ligament and poorly defined margins on an axial T2-weighted FSE image. (B) Associated lateral malleolus edema and calcaneofibular sprain are demonstrated on a coronal FS PD FSE image. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Talofibular ligaments: tears. A, T2*W axial image of the ankle. Torn fragments of the anterior talofibular ligament are seen (arrows), with hemorrhage/edema leaking from the ankle joint into the soft tissues. The striated posterior talofibular ligament remains intact. B, T2*W axial image of the ankle (different patient than in A). The arrow points to edema in the soft tissues, but no anterior talofibular ligament is evident because of a tear. The posterior ligament is not torn Dr. Emanuel R. Dantas
  • C, T2*W axial image of the ankle (different patient). The anterior and the posterior talofibular ligaments (arrows) are not identified, indicating they are torn. By definition, the intervening calcaneofibular ligament also must be torn. The space between the talus and fibula is widened. D, T2*W axial image of the ankle (different patient). The lateral aspect of the anterior talofibular ligament is markedly thickened (arrowheads) and low signal. This indicates a previous rupture with scarring and fibrosis that mimics an intact ligament. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Ligamentos  Laterais  do   Tornozelo •  Várias entidades têm uma associação com lacerações do ligamento lateral do tornozelo, incluindo: o  Sd do seio do tarso o  Sd compressiva ântero-lateral o  Lacerações longitudinaisem divisão do tendão do fibular curto Dr. Emanuel R. Dantas
  • Condições Inflamatórias Diversas – Sd do Seio do Tarso •  Anatomia: o  O seio do tarso é um espaço em forma de cone formado entre o calcâneo e o tálus. o  A extremidade estreita do cone está localizada medialmente, enquanto a extremidade maior está localizada lateralmente, abaixo do maléolo lateral. o  Contém gordura, vários ligamentos, estruturas neurovasculares e porções da cápsula articular da articulação subtalar posterior. o  A estabilidade desta região é parcialmente mantida pelos ligamentos talocalcâneos localizados dentro do seio do tarso. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Sinus tarsi: anatomy. Diagram of the sinus tarsi (tarsal sinus) between the talus and calcaneus from sagittal and axial perspectives. The different talocalcaneal ligaments are shownDr. Emanuel R. Dantas
  • Intermediate and deep ligaments. (A) Axial view of the subtalar joint demonstrates the deep ligaments. (B) Coronal section of the subtalar joint shows the course of the interosseous talocalcaneal ligament in relation to the cervical ligament and surrounding roots Dr. Emanuel R. Dantas
  • C) Corresponding T1-weighted sagittal image of the cervical and intermediate root of the inferior extensor retinaculum (intermediate layer of subtalar ligaments). Dr. Emanuel R. Dantas
  • The interosseous talocalcaneal ligament (part of the deep layer of the subtalar ligaments) is demonstrated on T1-weighted coronal (D) and sagittal (E) images Dr. Emanuel R. Dantas
  • Condições Inflamatórias Diversas – Sd do Seio do Tarso •  Clínica: o  Dor na região lateral do pé e sensação subjetiva de instabilidade da região posterior do pé. o  Patologicamente, é encontrado tecido inflamatório ou fibrose no seio do tarso, dependendo da cronicidade das alterações. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Condições Inflamatórias Diversas – Sd do Seio do Tarso •  Causa: o  Trauma (70%), geralmente com a presença de lesões laterais e lacerações dos ligamentos talofibular anterior e calcaneofibular. o  Os ligamentos cervicais e interósseos do seio do tarso são lesionados por uma lesão por inversão, juntamente com os ligamentos laterais do tornozelo. o  Outras causas: artropatias inflamatórias com extensão de pannus da articulação subtalar e lacerações crônicas do tendão tibial posterior. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Condições Inflamatórias Diversas – Sd do Seio do Tarso •  Aparência – MR: o  Melhor avaliado em imagens sagitais. o  Deve-se utilizar seqüencias T1 (gordura) e contraste (sinovite, tumores, etc.) o  Lacerações dos ligamentos do seio do tarso associado a dos ligamentos colaterais: •  Margens mal definidas dos ligamentos interósseos e cervical. •  Obliteração da gordura por material da baixa densidade em T1 e alta ou baixa intensidade em T2 à Infiltração do seio por sinovite ou fibrose difusa •  Múltiplos cistos sinoviais •  Esclerose subcondral no teto do seio e calceneo. •  Aumento do sinal nas raízes mediais e intermediárias Dr. Emanuel R. Dantas
  • Sinus tarsi: normal. A, T1W sagittal image of the ankle. The sinus tarsi (arrowheads) is filled with high signal fat except for the linear low signal talocalcaneal ligaments coursing through it. B, T1W coronal image of the ankle. Another perspective of the fat-filled space between the talus and calcaneus (arrows) with a talocalcaneal ligament (arrowhead) passing through it. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Sinus tarsi: abnormal. A, T1W sagittal image of the ankle. The fat in the sinus tarsi is obliterated with intermediate signal material (arrow). There is a vascular remnant in the calcaneus (arrowhead). B, T2*W sagittal image of the ankle. The sinus tarsi is high signal, indicating inflammatory tissue that has not yet become fibrotic (arrow). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Poorly defined cervical (A) and interosseous talocalcaneal (B) ligaments associated with synovitis and fibrosis in a patient with lateral foot pain and clinical hindfoot instability. Tibialis posterior tendon dysfunction, spring ligament pathology, and sinus tarsi syndrome may represent a continuum of progressive and related pathologies. Loss of proprioceptive function of the nerve endings in the ligaments in the sinus and tarsal canal secondary to injury may be another causative factor in the progression of sinus tarsi syndromeDr. Emanuel R. Dantas
  • Condições Inflamatórias Diversas – Sd do Seio do Tarso •  Importante: o  Não se deve confundir um gde derrame articular do tornozelo ou da articulação subtalar estendendo-se para o seio do tardo como evidência de um seio do tarso normal. o  A gordura no seio do tardo pode ser obscurecida por líquido ou hemorragia nas entorses agudas do tornozelo; logo, um diagnóstico de seio do tarso não deve ser feito na vigência de trauma agudo! Dr. Emanuel R. Dantas
  • Fasceíte Plantar •  Anatomia: o  A fáscia ou aponeurose plantar origina-se da face plantar da tuberosidade do calcâneo. o  Composta por uma porção central (espessa), em forma de cordão, e de expansões mais finas, semelhantes a membranas, lateral e medial. o  O cordão central da fáscia se origina da face medial do calcâneo e se fixa distalmente às superfícies plantares das falanges e superficialmente na pele. o  É normalmente uma estrutura de baixa intensidade em todas seqüências de pulso, que não deve medir mais que 4 mm de espessura em sua fixação mais espessa ao calcâneo. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Plantar fascia: normal. STIR sagittal image of the ankle. The low signal plantar fascia (arrows) attaches to the calcaneal tuberosity proximally and gradually tapers as it extends distally. It originates medially (note the flexor hallucis longus tendon passing beneath the sustentaculum tali, indicating the medial side of the foot). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Fasceíte Plantar •  Clínica: o  Dor e hipersensibilidade, geralmente próximo à sua fixação tuberosidade calcânea ântero-medial. •  Causas: o  Microtraumatismos em atletas corredores e mulheres obesas de meia-idade. o  Espondiloartropatias soronegativas à geralmente bilateral. •  Diagnóstico: o  Geralmente clínico, sem necessidade de RM, exceto nos casos rompimento da fáscia plantar (fracasso do tto). Dr. Emanuel R. Dantas
  • Fasceíte Plantar •  RM: o  Espessamento da fáscia (> 4 mm), geralmente próximo à fixação ao calcâneo, com intensidade de sinal intermediária em T1 e alta em T2. o  Freqüentemente visualiza-se edema circundando a fáscia, e edema de MO ou erosões adjacentes são comuns na face plantar da tuberosidade do calcâneo. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Plantar fasciitis. A, T1W sagittal image of the hindfoot. The proximal plantar fascia is thickened and high signal (between arrowheads). There is an erosion of the adjacent calcaneal tuberosity (arrow). B, T2*W sagittal image of the hindfoot. The same findings are seen as in A, but the signal in the fascia is higher, and the abnormality is easier to identify. Dr. Emanuel R. Dantas
  • T1W coronal image of the hindfoot. The calcaneal erosion and marrow edema are evident (arrow). The plantar fascia on the medial side of the calcaneus is about four times its normal thickness (between arrowheads) and higher signal than normal Dr. Emanuel R. Dantas
  • Fasceíte Plantar •  Lacerações: o  Geralmente ocorre na porção média da fáscia, distalmente à localização típica da fasciíte (fixação do calcâneo). o  RM: Descontinuidade da fáscia, circundada por alta intensidade de sinal nos tecidos moles em imagens T2, secundária à hemorragia e edema. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Plantar fascia: rupture. STIR sagittal image of the hindfoot. There is disruption of the plantar fascia (arrow) about 2 cm from its origin on the calcaneus. There is surrounding high signal edema/ hemorrhage Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Sd do Túnel do Tarso •  Anatomia: o  Túnel fibro-ósseo localizado na face medial e na região posterior do pé, estendendo-se do maléolo medial ao osso navicular. •  Dentro dos limites destas estruturas, encontra-se o túnel, que contém: o  Nervo tibial posterior e suas divisões o  Artéria e veias tibiais posteriores o  Tendão do tibial posterior o  Tendão do flexor longo dos dedos o  Tendão do flexor longo do hálux. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Sd do Túnel do Tarso •  Limites: o Crânio-caudal: maléolo medial ao navicular o Lateral: tálus e calcâneo o Medial: retináculo dos flexores, músculo abdutor do hálux Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tarsal tunnel: normal. T1W coronal image of the hindfoot. The tarsal tunnel is located between the flexor retinaculum (arrowheads) and the abductor hallucis muscle (ah) medially, and the osseous structures laterally. The flexor tendons are located in this tunnel. The posterior tibial nerve, artery, and vein (arrow) pass through the tunnel. D, flexor digitorum; H, flexor hallucis; T, tibialis posterior. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Sd do Túnel do Tarso •  Clínica: o  Parestesias ao longo da planta do pé, com distribuição para os pododáctilos. o  Sintomas motores geralmente encontram-se ausentes até tardiamente. •  Causas: o  Cistos ganglionicos o  Tumores da bainha do nervo originando-se dentro do túnel. o  Tenossinovite do tendão flexor longo do hálux o  Junção tarsal com hipertrofia óssea da faceta média da articulação subtalar. o  Hemangiomas o  Fibrose pós-traumática. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Sd do Túnel do Tarso •  RM: o  Cistos gangliônicos e tumores da bainha dos nervos são as 2 causa mais comum desta sd vista na RM, podendo parecer idênticas: •  Sinal de baixa intensidade homogêneo em T1 e alta intensidade em T2. •  A administração de contraste vai permitir a distinção destas 2 patologias. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tarsal tunnel syndrome: from schwannomas. A, T1W contrast-enhanced sagittal image of the hindfoot. Three round masses (arrows) that show enhancement are running through the tarsal tunnel. B, T2*W axial image of the hindfoot. One of the schwannomas is shown as a high signal mass (arrow) in the space normally occupied by the posterior tibial nerve, artery, and vein. d, flexor digitorum tendon; h, flexor hallucis tendon; t, tibialis posterior tendon. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tarsal tunnel syndrome: from ganglion cyst. A, T2*W sagittal image of the hindfoot. There is a long, septated mass (arrowheads) posterior to the flexor digitorum tendon in the tarsal tunnel. B, T1W coronal image of the hindfoot with contrast enhancement and fat suppression. The mass in the tarsal tunnel (arrowheads) shows enhancement only at its periphery, indicating this is a cystic lesion. The ganglion cyst lies adjacent to the posterior tibial nerve in the tunnel.Dr. Emanuel R. Dantas
  • Tarsal tunnel syndrome: from hemangioma. A, Fast-T2W sagittal image of the hindfoot with fat suppression. High signal linear structures (arrows) course through the tarsal tunnel. These are vessels from a hemangioma. B, Fast-T2W coronal image of the hindfoot with fat suppression. The tortuous vessels are evident in the tarsal tunnel (arrow) and within the abductor hallucis musDr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Neuroma de Morton •  Acreditava-se ser um processo neoplásico do nervo, mas , na verdade, representa um processo secundário: o  Encarcenramento neural crônico, com fibrose perineural e degeneração neural subseqüente o  Bursite intermetatarsal adajcente. •  Localização: ao redor do nervo digital plantar do 2 ou 3 espaço intermetatarsal. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Neuroma de Morton •  Clínica: o Dor, freqüentemente de natureza elétrica e de latejamento no espaço interdigital afetado com irradiação para os pododáctilos. •  Seqüencia de Imagem: o Todos os planos tanto em T1 e T2 e administração de contraste. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Morton's neuroma: anatomy. Diagram of the forefoot in cross section. The plantar digital nerves are located deep to the transverse metatarsal ligament between metatarsal heads. Above the nerves are the intermetatarsal bursae. Entrapment of the plantar digital nerve may lead to perineural fibrosis and neural degeneration (Morton's neuroma). Intermetatarsal bursitis is a common accompaniment Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Neuroma de Morton •  RM: o  Massa de tecido mole em forma de lágrima entre as cabeças dos metarsais, projetando-se inferiormente para o interior da gordura subcutânea plantar. o  Apresenta intensidade de sinal intermediária em T1 e geralmente baixa em T2, devido à fibrose abundante presente. o  Líquido na bolsa intermetarsal adjacente secundário à inflamação freqüentemente está presente (a bolsa intermetatarsal corre numa direção vertical entre, não abaixo, as cabeças dos metatarsos). o  A bursite mostra baixa intensidade de sinal em T1 e alta em T2. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Morton's neuroma. A, T1W short-axis axial image of the forefoot. A low signal, teardrop-shaped mass (arrow) from Morton's neuroma is seen below the metatarsal heads in the third web space. B, STIR short-axis axial image of the forefoot. Morton's neuroma (arrow) becomes high signal, but is more difficult to see than on the T1W image. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações dos Nervos – Neuroma de Morton •  Outras entidades que podem ocorrer no espaço intermetarsal incluem: o Neuroma verdadeiro do nervo plantar; o Cisto gangliônico o Bursite intermetarsal não relacionada ao neuroma de Morton Dr. Emanuel R. Dantas
  • Morton's neuroma. A, T1W short-axis axial image of the forefoot. There is a mass (arrow) in the third web space beneath the metatarsal heads that is difficult to detect on this sequence. B, T1W short-axis axial image of the forefoot with contrast enhancement and fat suppression. The mass enhances diffusely (arrow) and is an easy diagnosis on this image. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações Ósseas •  Ossos Acessórios e Sesamóides: o As sd mais comuns no pé são: •  Sd do osso triangular •  Alterações associadas com o osso navicular •  Alterações associadas com os sesamóides do hálux. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Alterações Ósseas •  Navicular Acessório: o  Também chamado de tuberosidade medial proeminente do osso navicular ou osso tibial externo. o  Desenvolvimento congênito de uma tuberosidade navicular decorrente de centro de ossificação secundário. o  Pode causar dor por: •  Há uma incidência muito maior de lacerações do tendão do tibial posterior. •  Alterações degenerativas entre o ossículo acessório e o navicular, levando a edema de MO dentro do ossículo: o  Uma bolsa dolorosa pode se desenvolver nos tecidos moles superficialmente à proeminência navicular Dr. Emanuel R. Dantas
  • Type I accessory navicular is seen as a small (marrow fat-containing) ossicle imbedded within the distal tibialis posterior (posterior tibial tendon) on a T1- weighted axial image. Dr. Emanuel R. Dantas
  • Type II accessory navicular on a superior view color illustration. (B, C) Symptomatic type II accessory navicular in a professional basketball player with prominent marrow edema on either side of the synchondrosis. The connection of the accessory ossification is through a fibrous or cartilaginous bridge. Repetitive contraction of the tibialis posterior tendon insertion onto the accessory navicular can generate painful shearing forces across the synchondrosis at the level of the medial aspect of the midfoot. (B) Axial T1- weighted image. (C) Axial FS PD FSE image.Dr. Emanuel R. Dantas
  • Type II accessory navicular on a superior view color illustration. (B, C) Symptomatic type II accessory navicular in a professional basketball player with prominent marrow edema on either side of the synchondrosis. The connection of the accessory ossification is through a fibrous or cartilaginous bridge. Repetitive contraction of the tibialis posterior tendon insertion onto the accessory navicular can generate painful shearing forces across the synchondrosis at the level of the medial aspect of the midfoot. (B) Axial T1- weighted image. (C) Axial FS PD FSE image.Dr. Emanuel R. Dantas
  • Type III or cornuate navicular on an axial T1-weighted image. Both the type II and type III navicular are associated with tibialis posterior tendon degeneration and tear and a painful os naviculare syndrome. Degenerative sclerosis may be observed without hyperintensity on FS PD FSE images but may coexist with reactive edema. Edema in the type II and cornuate navicular is associated with more acute clinical symptoms Dr. Emanuel R. Dantas