Your SlideShare is downloading. ×
0
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Achados de TCAR na Doença Pulmonar
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Achados de TCAR na Doença Pulmonar

1,411

Published on

Achados na Doença Pulmonar - Apresentação e CategoriasL …

Achados na Doença Pulmonar - Apresentação e CategoriasL
1. Opacidades lineares e reticulares;
2. Nódulos e opacidades lineares;
3. Aumento da opacidade pulmonar;
4. Anormalidades associadas com a diminuição da opacidade pulmonares.
Radiology - Diagnostic Imaging. Fonte: Webb

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,411
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Emanuel R. Dantas Emanuel R. Dantas
  • 2.  De um modo geral, os achados na TCAR da doença pulmonar podem ser classificados em 4 grandes categorias: Opacidades lineares e reticulares;  Nódulos e Opacidades Nodulares;  Aumento da opacidade pulmonar;  Anormalidades associadas com diminuição da opacidade pulmonar  Emanuel R. Dantas
  • 3. Opacidades Reticulares e Lineares Emanuel R. Dantas
  • 4.  Ocasionado principalmente pelo espessamento da rede de fibras intersticiais dos pulmões, causado por: 1. 2. Líquido ou tecido fibroso (principal); Infiltração intersticial por céls ou outros materiais. Emanuel R. Dantas
  • 5. • As opacidades reticulares ou lineares podem se manifestar por: Sinal da interface – Espessamento intersticial peribroncovascular – Espessamento dos septos interlobulares – Bandas parenquimatosas – Espessamento intersticial subpleural – Espessamento intersticial intralobular – Faveolamento – Opacidades lineares irregulares e linhas subpleurais – Emanuel R. Dantas
  • 6. Emanuel R. Dantas
  • 7.    Definição: interfaces irregulares entre o parênquima pulmonar aerado e os brônquios, os vasos ou a superfície pleural visceral É inespecífico e é comumente visto em pcts com anormalidades intersticiais. Em geral, está associado a:   Aumento da reticulação pulmonar Presença de opacidades lineares finas em contato com os brônquios, vasos ou as superfícies pleurais Emanuel R. Dantas
  • 8. Sinal da Interface. Pct com fibrose pulmonar idiopática e faveolamento, são visíveis interfaces irregulares entre o parênquima pulmonar aerado e estruturas como vasos (grandes setas brancas), fissuras (pequenas setas brancas) e superfície pleural visível (setas pretas). Este achado é visto freqüentemente em pcts com alteração intersticial, independente da sua causa, mas é mais comum em pcts com opacidades reticulares anormais e fibrose. Emanuel R. Dantas
  • 9.   Ocorre em muitas doenças que causam anormalidades intersticial generalizada. É comum nos pcts com: Disseminação linfangítica de carcinoma;  Linfoma  Leucemia  Dças linfoproliferativas, como a pneumonia intersticial linfocítica  Edema pulmonar intersticial  Dças que resultam em nódulos com distribuição perilinfática (ex.: sarcoidose);  Emanuel R. Dantas
  • 10.  Aparência Radiológica:    Aumento da espessura da parede brônquica ou Aumento do diâmetro dos ramos das artérias pulmonares Obs.: Espessamento do interstício peribroncovascular não pode ser diferenciado da opacidade pulmonar subjacentes das paredes brônquicas ou da artéria pulmonar. Emanuel R. Dantas
  • 11. Emanuel R. Dantas
  • 12. • O espessamento do interstício pode se apresentar como: – – – • Liso: mais típico da linfangite carcinomatosa ou linfoma e edema pulmonar intersticial Nodular: particularmente comum na sarcoidose Irregular em diferentes doenças. Obs.: Na linfangite carcinomatosa e sarcoidose, o espessamento do interstício é com freqüência unilateral ou esparsa, poupando algumas áreas do pulmão. Emanuel R. Dantas
  • 13. Emanuel R. Dantas
  • 14. Emanuel R. Dantas
  • 15.   Uma extensa fibrose peribroncovascular também pode resultar na presença de grandes massas conglomeradas de tecido fibroso. Isso pode ocorrer nos casos de: Sarcoidose  Silicose  Tuberculose  Talcose  Emanuel R. Dantas
  • 16. Emanuel R. Dantas
  • 17.  Espessamento do interstício peribroncovascular x Bronquiectasias: Baseada nos sintomas e alterações funcionais.  O Espessamento do interstício freqüentemente associado com outras alterações intersticiais, como espessamento septal, faveolamento, enquanto as bronquiectasias não.  Nas bronquiectasias, os brônquios dilatados parecem muito mais largos os ramos das artérias pulmonares adjacentes.  Emanuel R. Dantas
  • 18. Emanuel R. Dantas
  • 19.  O espessamento septal interlobular pode ser visto na presença de: Líquido pleural;  Infiltração celular;  Fibrose.    Na superfície pleural, podem ter aparências variáveis, lembrando sempre cones. Nas regiões centrais, os septos contornam os lóbulos, demonstrando um aspecto poligonal, por vezes hexagonal. Emanuel R. Dantas
  • 20. Emanuel R. Dantas
  • 21. • • O espessamento dos septos interlobulares é visto com freqüência nos pcts com doença pulmonar intersticial. O espessamento septal pode ser: – – – • Liso: Edema pulmonar, linfangite carcinomatosa, linfoma, leucemia, algumas pneumonias, bem como em uma pequena parcela de pcts com fibrose pulmonar. Nodular ou em “rosário”: linfangite carcinomatosa ou linfoma, sarcoidose, silicose e na pneumoconiose dos mineiros de carvão Irregular: fibrose intersticial Obs.: Espessamento septal interlobular liso + opacidade em vidro fosco = pavimentação em mosaico Emanuel R. Dantas
  • 22. Emanuel R. Dantas
  • 23. Emanuel R. Dantas
  • 24. Emanuel R. Dantas
  • 25. Emanuel R. Dantas
  • 26. Emanuel R. Dantas
  • 27. Emanuel R. Dantas
  • 28. Espessamento Septal Interlobular Irregular, distorção pulmonar Faveolamento (sarcoidose, asbestose) Liso Espessamento septal predominante Tumor Linfangítico Edema Pulmonar Hemorragia Amilodose (rara) Fibrose (rara) Nodular Vidro fosco predominante “Pavimentação em mosaico” Emanuel R. Dantas Tumor Linfangítico Sarcoidose PIL (raro) Amiloidose (rara)
  • 29.    Definição: Opacidade reticular que não se afila, em geral com vários mm de espessura e com 2 a 5 cm de comprimento. É, em geral, periférica e faz contato com a superfície pleural. Pode representar espessamento dos septos interlobulares contíguos, possuindo o mesmo significado e diagnóstico diferencial do espessamento septal. Emanuel R. Dantas
  • 30. Emanuel R. Dantas
  • 31. • As bandas parenquimatosas podem ainda significar: – – – • Áreas de fibrose peribroncovascular Cicatrizes grosseiras Atelectasias associada com infiltração pulmonar ou fibrose pleural. As bandas têm sido descritas com mais freqüência nos pcts com: – – – – Dça pulmonar e pleural relacionado ao asbesto Sarcoidose com fibrose intersticial Silicose associada com fibrose maciça Tuberculose Emanuel R. Dantas
  • 32. Emanuel R. Dantas
  • 33. Emanuel R. Dantas
  • 34. Emanuel R. Dantas
  • 35. • • • • Em geral, o espessamento dos septos interlobulares na periferia dos pulmões está associado ao espessamento do interstício subpleural. É mais fácil de ser reconhecido adjacente às grandes fissuras. Assim, o espessamento da fissura visível na TCAR com freqüência representa o espessamento do interstício subpleural. De um modo geral, o diagnóstico diferencial do espessamento intersticial subpleural é o mesmo para o espessamento dos septos interlobulares. Emanuel R. Dantas
  • 36. Emanuel R. Dantas
  • 37. • • • • O espessamento intersticial intralobular resulta, na TCAR, em um padrão reticular fino, com as linhas de opacidades separadas por poucos milímetros. Podem estar associado ou não ao espessamento interlobular. Reflete o espessamento do interstício peribroncovascular distal e do interstício intralobular. É inespecífico, podendo estar associado à fibrose intersticial ou à infiltração intersticial difusa sem fibrose. Emanuel R. Dantas
  • 38. Emanuel R. Dantas
  • 39.   Pode ser visto na ausência de fibrose significativa, não se observando, nestes casos, as bronquiectasias de tração ou outras manifestações de fibrose. Pode ser observado a espessamento interlobular nos casos de linfangite carcinomatosa e edema pulmonar. Emanuel R. Dantas
  • 40. Emanuel R. Dantas
  • 41. Emanuel R. Dantas
  • 42. Emanuel R. Dantas
  • 43.    A fibrose intersticial e alveolar extensa, que resulta em ruptura alveolar e bronquiectasia, produz o clássico faveolamento. Definição: pequenos cistos de conteúdo aéreo, em geral revestidos por epitélio bronquiolar e apresentando paredes espessadas, medindo, em média, 1 cm de diâmetro Localização: Os cistos freqüentemente predominam nas regiões subpleurais e periféricas do pulmão  Os cistos de faveolamento ocorre tipicamente em muitas camadas, favorecendo a distinção de enfisema parasseptal.  Emanuel R. Dantas
  • 44. Emanuel R. Dantas
  • 45.  Muitas vezes o faveolamento está associado a outros achados de fibrose pulmonar, como: Distorção da arquitetura pulmonar  Espessamento intersticial intralobular  Bronquiectasias de tração  Espessamento intersticial subpleural irregular  Opacidades lineares irregulares  Emanuel R. Dantas
  • 46. Emanuel R. Dantas
  • 47.  A observação de faveolamento indica fibrose pulmonar significativa e, na maioria dos casos, deve levar ao diagnóstico de PIU e de suas causas mais comuns. Emanuel R. Dantas
  • 48. Emanuel R. Dantas
  • 49. Emanuel R. Dantas
  • 50. • • • • Representa uma opacidade curvilínea de poucos mm de espessura, a menos de 1 cm da superfície pleural e paralela à pleura. Originalmente, sugeriu-se que a linha subplural refletia a presença de fibrose associada a faveolamento. É um indicador inespecífico de atelectasia, fibrose ou inflamação. Uma linha subpleural é muito mais freqüente nos pcts que apresentam asbestose do que naqueles com FPI ou outras causas de PIU Emanuel R. Dantas
  • 51. Emanuel R. Dantas
  • 52. Emanuel R. Dantas
  • 53.   Uma linha subpleural também pode ser observada em pcts normais, como resultado de atelectasia decúbito-dependente. Essas linhas ou opacidades de localização posterior são transitórias e desaparecem na posição de pronação. Emanuel R. Dantas
  • 54. Emanuel R. Dantas
  • 55. Nódulos e Opacidades Nodulares Emanuel R. Dantas
  • 56. • Classificação didática: – – • Pequenos nódulos: nódulos < 1 cm Grande nódulos: 1 cm < nódulos < 3 cm Nódulos intersticiais: – – Def.: Em geral, bem definidos, com atenuação de partes moles e borram as bordas dos vasos ou outras estruturas que toquem. Podem ser identificados em dças intersticiais tais como : – TB, sarcoidose, histiocitose das céls de Langerhans, silicose, PMC e tumores metastáticos. Emanuel R. Dantas
  • 57. Emanuel R. Dantas
  • 58.  Nódulos do espaço aéreo:   Tendem, em geral, a ser mal definidos Podem ser homogêneos, com atenuação de partes moles ou imprecisos e menos densos que os vasos adjacentes (opacidade em vidro fosco). Emanuel R. Dantas
  • 59. Emanuel R. Dantas
  • 60. Emanuel R. Dantas
  • 61.   A distribuição ou localização dos pequenos nódulos em geral é de maior valor para o diagnóstico. O nódulos podem ter distribuição:    Perilinfática Distribuição randômica Predominantemente centrolobular Emanuel R. Dantas
  • 62. • Distribuição Perilinfática: Predominam no interstício peribroncovascular perihilar, no septo interlobular, nas regiões subpleurais e no interstício centrolobular. – Esse padrão é mais típico nos pcts com sarcoidose, silicose, PMC e linfangite carcinomatosa. – Nódulos subpleurais são em geral observados em pcts com distribuição perilinfática dos nódulos. – Nódulos subpleurais confluentes podem resultar no aparecimento de pseudoplacas. – Emanuel R. Dantas
  • 63. Emanuel R. Dantas
  • 64. Emanuel R. Dantas
  • 65.  Disseminação Linfangítica de Tumores:   Mais freqüênte dentro do interstício peribroncovascular espessado e dos septos interlobulares O espessamento septal resulta no aspecto de septo “em rosário”. Emanuel R. Dantas
  • 66. Emanuel R. Dantas
  • 67.  Distribuição Randômica:    São freqüentemente vistos na TB miliar, nas infecções fúngicas miliares e nas metástases hematogênicas. Na TCAR, o mais típico é uma distribuição uniforme dos nódulos pelos pulmões. O envolvimento pulmonar tende a ser bilateral e simétrico. Emanuel R. Dantas
  • 68. Emanuel R. Dantas
  • 69. • Distribuição centrolobular: – – – Podem ser densos e homogêneos ou ter atenuação em vidro fosco e podem variar de poucos mm a 1 cm de tamanho. O achado de árvore em brotamento pode estar presente nos pcts com uma distribuição centrolobular de nódulos. Estão, em geral, separados da superfície pleural, das fissuras e dos septos interlobulares, de forma que o pulmão subpleural está preservado. Emanuel R. Dantas
  • 70. Emanuel R. Dantas
  • 71. • Distribuição centrolobular:  São perivasculares, envolvendo e obscurecendo as pequenas artérias pulmonares  Em alguns casos, o bronquíolo centrolobular cheio de ar pode ser identificado como uma transparência redonda dentro de um nódulo centrolobular. Emanuel R. Dantas
  • 72. Emanuel R. Dantas
  • 73. Centrilobular nodules in a patient with bronchopneumonia. A: Scattered ill-defined nodules represent peribronchiolar consolidation and may contain a visible bronchiole (arrow). B: At the lung bases, consolidated lobules surround air-filled bronchioles in several locations. Bronchopneumonia is also termed lobular pneumonia because of this appearance. Emanuel R. Dantas
  • 74.  Distribuição centrolobular: Podem ser vistos em pcts com distribuição perilinfática da doença.  Contudo, na distribuição perilinfática, os nódulos também podem ser vistos em outras localizações (ex.: regiões subpleurais).  O diagnóstico diferencial é grande.  As doenças que resultam neste aspecto podem ser classificadas como:   Bronquiolares e peribronquiolares  Vasculares e perivasculares. Emanuel R. Dantas
  • 75. Ill-defined centrilobular nodules and rosettes in a patient with hypersensitivity pneumonitis. The nodules are separated from the pleural surfaces and fissures by a distance of several millimeters. As is typical, the nodules often appear to be evenly spaced and, in this case, are diffusely distributed. This is a common appearance Emanuel R. Dantas in hypersensitivity pneumonitis.
  • 76. Centrilobular tree-in-bud (arrow) in a patient with cystic fibrosis and chronic airway infection. Also note bronchial wall thickening and inhomogeneous lung attenuation due to airways obstruction and air-trapping with mosaic perfusion. Emanuel R. Dantas
  • 77. • Nódulos centrolobulares – Dças Bronquiolares e Peribronquiolares: São as causas mais freqüentes das opacidades centrolobulares vistas na TCAR. – O diagnóstico diferencial das dças das vias aéreas associadas a anormalidades centrolobulares inclui: • Disseminação endobrônquica da TB e outras infecções granulomatosas • Broncopneumonia • Bronquiolite infecciosa • Bronquiectasias • Asma e Aspergilose broncopulmonar alérgica • Pneumonite por hipersensibilidade • BOOP • Bronquiolite obliterante e respiratória • Disseminação endobrônquica de neoplasia. – Emanuel R. Dantas
  • 78.  Nódulos centrolobulares – Disseminação endobrônquica de TB e outras infecções granulomatosas:   Os nódulos, ou aglomerados de nódulos, refletem a consolidação peribronquiolar Os bronquíolos cheios de material infectado podem resultar no aspecto de árvore em brotamento Emanuel R. Dantas
  • 79. Centrilobular nodules and rosettes in a patient with endobronchial spread of tuberculosis. Multiple small nodules occurring in clusters (arrows) are common in patients with this disease. The nodules, being centrilobular, spare the pleural surfaces Emanuel R. Dantas
  • 80. Nontuberculous mycobacterial infection with endobronchial spread. Coned view of the right lower lobe in a patient with chronic obstructive lung disease and Mycobacterium avium-intracellulare complex infection on sputum cultures. Central bronchi are dilated and thick walled; centrilobular bronchioles are also dilated, and have a tree-in-bud appearance (arrows) Emanuel R. Dantas
  • 81.  Nódulos centrolobulares – Broncopneumonia:   Associada com a presença de exsudatos inflamatórios brônquicos e peribronquiolares, que também envolvem os alvéolos adjacentes. Os achados são muitos semelhantes àqueles da disseminação endobrônquica de TB. Emanuel R. Dantas
  • 82. Supine (A) and prone (B and C) HRCT in a patient with bronchopneumonia due to Haemophilus influenzae. Illdefined centrilobular nodules are visible bilaterally, with a predominance on the left. An appearance of tree-inbud is visible in many locations Emanuel R. Dantas
  • 83. • Nódulos Centrolobulares – Pneumonite por Hipersensibilidade: Também chamada de alveolite alérgica extrínseca, – Ccaracteriza-se por uma infiltração peribronquiolar e perivascular de linfócitos e céls plasmáticas, com formação de granulomas mal definidos. – Podem estar associados a tampões de tecido de granulação dentro da luz bronquiolar. – Nódulos centrolobulares com atenuação em vidro fosco, vistos na TCAR, são típicos. – Emanuel R. Dantas
  • 84. Centrilobular nodules of ground-glass opacity in a patient with hypersensitivity pneumonitis. The ill-defined opacities are visible in relation to small vascular branches throughout the lung. The most peripheral nodules are centered 5 to 10 mm from the pleural surface. The subpleural lung region appears spared. Emanuel R. Dantas
  • 85. • Nódulos centrolobulares – Bronquiolite Obliterante com Pneumonia em Organização: Caracterizada pela presença de céls inflamatórias revestindo as paredes dos bronquíolos terminais e respiratórios, com tampões de tecido de granulação dentro da luz das vias aéreas e pneumonia em organização. – Pode haver a presença de opacidades centrolobulares. Contudo, consolidação franca ou gdes áreas de opacidade em vdro foscos são mais comuns. – O padrão de árvore em brotamento é visto ocasionalmente. – Emanuel R. Dantas
  • 86. Bronchiolitis obliterans organizing pneumonia with centrilobular opacities. A: Ill-defined nodular opacities (arrows) are scattered throughout the left upper lobe in this patient who had received an allogenic bone marrow transplant several years previously. Their centrilobular location can be inferred in that they surround small artery branches. B: Open lung biopsy shows bronchioles (arrows) partially occluded by plugs of granulation tissue. Inflammation Emanuel R. Dantas surrounding the bronchioles probably accounts for the opacities seen on HRCT.
  • 87.  Nódulos Centrolobulares – Disseminação Endobrônquica de Neoplasias:   Podem ser vistos nódulos centrolobulares em carcinoma bronquíolo-alveolar ou papilomatose traqueobrônquica. Os nódulos podem ser bem ou mal definidos. Emanuel R. Dantas
  • 88. Endobronchial spread of tracheobronchial papillomatosis. Multiple small, illdefined, centrilobular nodules are present in the posterior left lower lobe. Many appear to be approximately 1 cm from the pleural surface or are related to small vessels. Emanuel R. Dantas
  • 89. • Dças Vasculares e Perivasculares: As dças vasculares, tanto localizadas nas paredes das artérias como nos tecidos perivasculares, podem causar alterações centrolobulares. – Como as vias aéreas não são afetadas, bronquiectasias e árvores em brotamento estão ausentes. – O diagnóstico diferencial inclui: – • • • • Edema Pulmonar Vasculite Hemorragia Pulmonar Calcificações metastáticas Emanuel R. Dantas
  • 90.  Nódulos centrolobulares – Edema Pulmonar: Casos discretos de edema podem mostrar opacidades centrolobulares mal definidas.  Uma proeminência da artéria centrolobular também é visível com freqüência.  Espessamento septal comumente está associado.  Pode haver presença de derrame pleural  Emanuel R. Dantas
  • 91. Emanuel R. Dantas
  • 92. • Distribuição Centrolobular com Árvore em Brotamento: – – – – Achado de grande valor no Dx, refletindo a presença de bronquíolos centrolobulares dilatados, com sua luz sob o impacto de muco, líquido ou pus. Na periferia do pulmão, pode observar um aspecto típico de ramificação. Pode aparecer como cachos de nódulos centrolobulares a depender do plano de corte. Bronquíolos anormais produzindo árvore em brotamento podem ser diferenciado dos vasos centrolobulares normais pelo seu aspecto mais irregular e pelo aspecto bulboso nas pontas dos pequenos ramos. Emanuel R. Dantas
  • 93. Tree-in-bud in a patient with airway infection. Branching, impacted, pus-filled bronchioles (arrows) are visible in the peripheral lung. A parenchymal band seen more anteriorly represents focal atelectasis. Emanuel R. Dantas
  • 94. Tree-in-bud in a patient with Mycobacterium avium complex infection. A: In addition to patchy consolidation, branching centrilobular structures (arrows) in the right lung are typical of tree-in-bud, and strongly suggest the presence of infection. Tree-in-bud can be distinguished from normal branching arteries because of their more irregular appearance, lack of tapering, and a knobby or bulbous appearance. B: At a lower level, centrilobular nodules and treein-bud are visible in several locations. Emanuel R. Dantas
  • 95. Pequenos Nódulos Sem nódulos pleurais Distribuição Centrolobular Nódulos Pleurais Esparsos, subpleurais, peribroncovasculares e com predomínio septal Dças das Vias Aéreas Dças Vasculares Distribuição Perilinfática Difusos e uniformes, Sem predomínio Distribuição Randômica Sarcoidose, Linfangite Carc, Silicose E Pneumoconiose Árvore em Brotamento Presente Dça Bronquiolar (infecção ou retenção de muco) Árvore em Brotamento ausente Dça Bronquiolar ou Emanuel VascularR. Dantas TB Miliar Micoses Miliares Metástases hematogênicas
  • 96.  Nódulos Conglomerados ou Massas na Doença Pulmonar Difusa:  Nos pcts com dças caracterizadas por pequenos nódulos, a conglomeração ou confluência dos nódulos pode resultar em gdes opacidades nodulares, podendo simular massas. Emanuel R. Dantas
  • 97. Emanuel R. Dantas
  • 98. • Nódulos Conglomerados ou Massas na Doença Pulmonar Difusa – Sarcoidose: Pode estar associada à presença de nódulos confluentes na metade dos pcts. – Predominam nos lobos superiores e regiões peribroncovasculares – Têm freqüentemente formas irregulares, envolvendo brônquios e vasos centrais, podendo mostras nódulos pequenos e discretos na sua periferia. – Nos pcts com fibrose em estágio final, não é raro que se vejam massas conglomeradas nos lobos superiores como resultado da fibrose peribroncovascular. – Emanuel R. Dantas
  • 99. Conglomerate masses of nodules in a patient with sarcoidosis. These masses, which surround central bronchi and vessels, Emanuel small discrete nodules at their margins show R. Dantas
  • 100.  Nódulos Conglomerados ou Massas na Doença Pulmonar Difusa – Silicose:  Na silicose e na PMC complicadas com fibrose, podem se observar massas conglomeradas nos lobos superiores, mas são tipicamente de densidade homogênea e não associadas a bronquiectasias de tração, como visto na sarcoidose. Emanuel R. Dantas
  • 101. Conglomerate masses of fibrosis in silicosis. Central areas of peribronchovascular fibrosis (arrows) are associated with small nodules, typical of silicosis, and distortion of Emanuel R. Dantas lung architecture.
  • 102.  Grandes Nódulos nas Dças Pulmonares Infiltrativas Difusas – Carcinoma Metastático:  Resulta comumente em grandes nódulos ou massas, podendo ser bem ou mal definidos e com predomínio tipicamente periférico e basal. Emanuel R. Dantas
  • 103.  Grandes Nódulos nas Dças Pulmonares Infiltrativas Difusas – Linfoma:  Resulta mais comumente em consolidação do espaço aéreo e em grandes nódulos, em geral mal definidos às vezes contendo broncogramas aéreos. Emanuel R. Dantas
  • 104. • Grandes Nódulos nas Dças Pulmonares Infiltrativas Difusas – Atelectasia Redonda: Representa uma região pulmonar focal colapsada. – Quase sempre ocorre em associação com doença pleural ipsilateral e é típico que entre em contato com a superfície pleural. – É característico o arqueamento dos brônquios e dos vasos para a área de atelectasia, formando o sinal do cometa. – Às vezes, pode ser visto broncrograma aéreo dentro da massa. – Emanuel R. Dantas
  • 105. Peripheral fibrotic mass in a patient with pulmonary fibrosis. The focal fibrotic mass (arrow) is irregular in shape and associated with other findings of fibrosis. Emanuel R. Dantas
  • 106. Aumento da Opacidade Pulmonar Emanuel R. Dantas
  • 107.   Achado comum na TCAR de pcts com doença pulmonar crônica. Podem ser dos tipos: Consolidação;  Opacidade em vidro fosco.  Emanuel R. Dantas
  • 108. HRCT appearances of increased lung opacity. Groundglass opacity does not result in obscuration of underlying vessels, whereas consolidation does. Both can be associated with air bronchograms and can be nodular, lobular, or patchy and geographic. Emanuel R. Dantas
  • 109. • • • Termo inespecífico, que se refere à presença na TCAR de um aumento da opacidade pulmonar que não está associado com o obscurecimento dos vasos adjacentes. Se os vasos estiverem obscurecidos  consolidação. A opacidade em vidro fosco pode refletir: – – – Espessamento mínimo do interstício alveolar ou “septal” Espessamento das paredes alveolares Presença de céls ou líquidos enchendo parcialmente os espaços aéreos. Emanuel R. Dantas
  • 110. • • Pode ser usado para designar aumento da densidade pulmonar resultante de aumento do volume sangüíneo capilar, embora isto seja mais bem denominado como perfusão em mosaico, se a etiologia for conhecida. Pode apresentar-se com distribuição centrolobular e peribronquiolar, resultando no aspecto de nódulos centrolobulares maldefinidos. Emanuel R. Dantas
  • 111. A, B: Patchy ground-glass opacity associated with hypersensitivity pneumonitis. Abnormalities had an upper lobe predominance. Emanuel R. Dantas
  • 112.  Estas alterações quase sempre tem distribuição esparsa, afetando algumas regiões pulmonares enquanto outras parecem poupadas. Emanuel R. Dantas
  • 113. A-C: HRCT at three levels in a patient with Pneumocystis carinii pneumonia associated with acquired immunodeficiency syndrome. Diffuse ground-glass opacity predominates in the upper lobes and perihilar regions (A). In the lower lobes (C), ground-glass opacity is more patchy in distribution. Emanuel R. Dantas
  • 114.   A opacidade em vidro fosco com freqüência indica presença de processo ativo, progressivo e potencialmente tratável. Exceções se faz nos pcts com sinais de fibrose, onde a opacidade em vidro fosco pode representar dça crônica, mas também crônica agudizada. Emanuel R. Dantas
  • 115. Ground-glass opacity with a peripheral and posterior predominance in a patient with idiopathic pulmonary fibrosis. In addition to the increased lung opacity, there is evidence of increased reticulation, traction bronchiectasis, and some subpleural honeycombing. These findings indicate the presence of fibrosis. Endstage fibrosis was found on biopsy, without evidence of active disease. Emanuel R. Dantas
  • 116.  As causas mais comuns de opacidade em vidro fosco em pcts com sintomas agudos são: PIA  SARA  Edema pulmonar de causas variadas  Hemorragia Pulmonar  Pneumonias de todos os tipos  Emanuel R. Dantas
  • 117. • As causas mais comuns de opacidade em vidro fosco em pcts com sintomas subagudos ou crônicos são: Pneumonias intersticiais, como PINE ou PIU, tanto idiopáticas como associadas com dças específicas, como esclerodemia ou outras causas dças colágenovasculares. – Pneumonite por hipersensibilidade – Pneumonia eosinofílica crônica – Sarcoidose – Proteinose alveolar – Emanuel R. Dantas
  • 118. Emanuel R. Dantas
  • 119. • • • PAVIMENTAÇÃO EM MOSAICO: Opacidade em vidro fosco + Superposição de um padrão reticular Inicialmente descrito em pcts com proteinose alveolar pulmonar. O diagnóstico diferencial de pavimentação em mosaico inclui: – – – – – PAP Edema Pulmonar Hemorragia Pulmonar SARA Dano Alveolar difuso Emanuel R. Dantas
  • 120. Geographic ground-glass opacities in association with interlobular septal thickening, characteristic of alveolar proteinosis. This pattern, characterized by the association of ground-glass opacity and interlobular septal thickening or reticulation, is termed crazyEmanuel R. Dantas paving.
  • 121. Pneumocystis carinii pneumonia in an immunosuppressed patient with leukemia. Patchy areas of groundglass opacity are associated with distinct interlobular septal thickening. Emanuel R. Dantas
  • 122. Emanuel R. Dantas
  • 123. Emanuel R. Dantas
  • 124.    Def.: Aumento da atenuação pulmonar com obscurecimento dos vasos pulmonares subjacentes Broncogramas aéreos podem estar presentes. Freqüentemente associado a nódulos do espaço aéreo ou áreas focais de opacidade em vidro fosco Emanuel R. Dantas
  • 125. A, B: Bronchiolitis obliterans organizing pneumonia with patchy areas of consolidation and ground-glass opacity. A peripheral distribution is typical. Emanuel R. Dantas
  • 126. • A consolidação que representa a alteração predominante tem o diagnóstico diferencial limitado, que inclui: Pneumonias de diferentes causas – Pneumonia eosinofílica – Pneumonite por hipersensibilidade – Pneumonite por radiação – Proteinose alveolar – Sarcoidose – Emanuel R. Dantas
  • 127. Emanuel R. Dantas
  • 128.   Obs1.: Avaliar padrão de distribuição e aspecto  As dças pulmonares que causam consolidação podem apresentar aspectos e distribuições amplamente diferentes Obs2.: As dças pulmonares crônicas que resultam em consolidação freqüentemente envolvem o pulmão de modo esparso. Emanuel R. Dantas
  • 129. Emanuel R. Dantas
  • 130. A, B: Eosinophilic pneumonia with focal areas of consolidation having a peripheral and subpleural distribution. Emanuel R. Dantas
  • 131. Diminuição da Opacidade Pulmonar, Cistos e Anormalidades das Vias Aéreas Emanuel R. Dantas
  • 132. • Várias anormalidades resultam em diminuição da atenuação do pulmão, que incluem: – – – – – – – – – Faveolamento Cistos Pulmonares Enfisema Bolhas Pneumatoceles Nódulos Cavitados Bronquiectasias Perfusão em Mosaico Aprisionamento Aéreo decorrente de doenças das vias aéreas. Emanuel R. Dantas
  • 133. • • Formado por cistos decorrentes de fibrose intersticial, ruptura alveolar e dilatação dos ductos alveolares. É caracterizado por: – – – • Espaços císticos cheios de ar, de mm a cm de diâmetro, Predomínio periférico ou subpleural, ocorrendo em múltiplas camadas, Os cistos são caracterizados por terem paredes classicamente definidas, com 1-3 mm de espessura. Obs.: Diferente dos cistos pulmonares vistos LAM, histiocitose de céls de Langerhans e PIL, os cistos do faveolamento têm tendência de compartilhar paredes. Emanuel R. Dantas
  • 134. Honeycombing in a patient with idiopathic pulmonary fibrosis. A, B: On HRCT, honeycombing cysts have clearly definable walls a few millimeters in thickness. In areas of honeycombing, lobular anatomy cannot be resolved because of architectural distortion. Bronchial irregularity and traction bronchiectasis (arrows, B) are often present in patients with severe fibrosis and may be difficult to distinguish from honeycombing. Emanuel R. Dantas
  • 135.  Obs.: Espaços císticos grandes, com muitos cm de diâmetro, podem estar associados a faveolamento, simulando a aparência de bolhas Emanuel R. Dantas
  • 136. Idiopathic pulmonary fibrosis with asymmetric honeycombing and large lung cysts. Peripheral honeycombing and irregular reticular opacities are associated with large lung Emanuel R. Dantas cysts. These are predominantly subpleural in location.
  • 137. • • • • Def.: Lesão bem definida e arredondada, com uma parede que pode ser uniforme ou variada em espessura, mas que normalmente é fina. Em geral contém ar, mas também pode conter material sólido ou líquido. A LAM, a histiocitose de céls de Langerhans e a PIL com freqüência produzem cistos pulmonares múltiplos e dispersos entre as áreas pulmonares com aparência normal. Obs.: Este termo em geral não é usado para descrever os espaços aéreos nos pcts com enfisema. Emanuel R. Dantas
  • 138. Langerhans histiocytosis with lung cysts. HRCT at two levels show numerous thin-walled lung cysts. The cysts are larger and most numerous in the upper lobes (A) than in the lower (B), as is characteristic of this disease. Some cysts (arrows) are confluent, branching, or irregular in shape. Note that the intervening lung appears normal. The peripheral predominance commonly seen with honeycombing is absent. Emanuel R. Dantas
  • 139. HRCT in a patient with tuberous sclerosis and lymphangiomyomatosis. Cystic airspaces have clearly defined walls measuring up to 2 mm in thickness Emanuel R. Dantas
  • 140. Emanuel R. Dantas
  • 141. • • Def.: Aumento permanente e anormal dos espaços aéreos distais ao bronquíolo terminal, acompanhado pela destruição das paredes dos espaços aéreos envolvidos. Enfisema Centrolobular: – – – Presença de múltiplas transparências pequenas que predominam nos lobos superiores, e em algumas regiões, centrolobulares. Mesmo a localização centrolobular não seja visível, uma distribuição em pequenos focos é típica. Em muitos casos, não têm paredes visível, embora paredes muitos finas possam ocasionalmente ser visíveis representando áreas de fibrose. Emanuel R. Dantas
  • 142. Centrilobular emphysema in an isolated lung. A: More severe, but patchy, emphysema is visible on the HRCT. The areas of destruction cluster about the centrilobular arteries (arrows). (From Webb WR, Stein MG, et al. Normal and diseased isolated lungs: HRCT. Radiology 1988;166:81, with permission.) B: On the pathologic specimen, some lobules (large arrows) show extensive destruction. In some, the centrilobular artery remains visible (small arrow) within the area of emphysema. Emanuel R. Dantas
  • 143. Centrilobular emphysema on HRCT. Spotty areas of lucency predominate in the upper lobes. This appearance is typical and diagnostic. The small areas of emphysema lack visible walls. Emanuel R. Dantas
  • 144.  Enfisema Panlobular (pan-acinar):   Resulta em diminuição geral da atenuação pulmonar ou em redução do calibre dos vasos pulmonares, sem as áreas focais de transparência. Obs.: O enfisema centrolobular grave ou confluente pode simular esta aparência. Emanuel R. Dantas
  • 145. Panlobular emphysema in two patients. A: On HRCT, lung volumes are increased, the lungs appear lucent, and the size of pulmonary vessels is diminished. Focal lucencies, as seen in patients with centrilobular emphysema, are not visible. B: Panlobular emphysema in a patient who has had a right lung transplantation. The right lung is normal in appearance and attenuation. The emphysematous left lung is abnormally lucent, increased in volume, and contains fewer and smaller visible vessels. Emanuel R. Dantas
  • 146. Confluent centrilobular emphysema. Areas of centrilobular emphysema have coalesced in the posterior right lung (arrows), resulting in an area of very low attenuation that mimics the appearance of panlobular emphysema. Mild interlobular septal thickening is also visible, usually indicative of someEmanuel R. Dantas associated fibrosis.
  • 147.  Enfisema Parasseptal: Presença de transparências subpleurais que com freqüência compartilham paredes finais  Pode ser visto como anormalidade isolado, mas geralmente está associado com o enfisema centrolobular.  Emanuel R. Dantas
  • 148. HRCT in a patient with paraseptal and centrilobular emphysema. The larger areas of subpleural emphysema (arrows) are most appropriately termed bullae Emanuel R. Dantas
  • 149. • Enfisema Parasseptal x Faveolamento: – Enfisema Parasseptal: • As áreas de destruição pulmonar são tipicamente cercadas por opacidades lineares que se estende à superfície pleural, que representa fibrose. • Ocorrem em uma única camada na superfície pleural – Faveolamento: • Os cistos são, em geral, menores. • Ocorrem em diversas camadas no pulmão subpleural • Associados a distorção da arquitetura pulmonar e outros achados de fibrose, como bronquiectasias de tração. Emanuel R. Dantas
  • 150. HRCT at three levels in a patient with combined honeycombing and centrilobular and paraseptal emphysema. A: In the upper lobes, clear-cut areas of centrilobular emphysema (white arrows) can be seen, with subpleural bullae due to paraseptal emphysema (black arrow). B: At a lower level, findings of both emphysema and fibrosis are visible. Areas of paraseptal emphysema are visible anteriorly (black arrows) whereas honeycombing and traction bronchiectasis are visible in the posterior lung (white arrows). Paraseptal emphysema occurs in a single layer whereas honeycomb cysts occur in multiple layers. C: Near the lung bases, findings of honeycombing and fibrosis predominate. Emanuel R. Dantas
  • 151.  Bolhas: Def.: Área bem demarcada de enfisema, que mede 1 cm ou mais de diâmetro e tem uma parede epitelizada fina, em geral menos de 1 mm de espessura.  Nem sempre é possível diferenciá-la do cisto.  As bolhas são incomuns como achados isolados.  Podem atingir mais de 20 cm de diâmetro, mas normalmente têm 2-8 cm.  Emanuel R. Dantas
  • 152. HRCT in a patient with paraseptal and centrilobular emphysema associated with large bullae. Small lucencies lacking walls in the central lung (white arrows) represent centrilobular emphysema. Subpleural lucencies (black arrow) reflect associated paraseptal emphysema. Large bullae are also subpleural in location. Emanuel R. Dantas
  • 153.   Def.: Espaço cheio de ar, de paredes finas e dentro do pulmão, que em geral ocorre em associação com a PNM e é invariavelmente transitória. Tem aspecto parecido com o cisto pulmonar ou da bolha, não podendo ser diferenciada nos achados da TCAR. Emanuel R. Dantas
  • 154. Emanuel R. Dantas HRCT at two levels in an acquired immunodeficiency syndrome patient with recurrent Pneumocystis carinii pneumonia associated with pneumatoceles and pneumothorax. A: Patchy areas of ground-glass opacity are associated with a number of small cystic spaces representing pneumatoceles. A moderate pneumothorax is present on the right, and a small pneumothorax is visible on the left. B: At a lower level, one of the cystic lesions (arrow) in the right lung is visible protruding into the air-filled pleural space. The rupture of such a lesion likely accounts for the pneumothorax.
  • 155. – – – Def.: Dilatações brônquicas localizadas e irreversíveis, normalmente com espessamento da parede brônquica. De maneira genérica, um brônquio é considerado dilatado quando o seu diâmetro interno é maior do que a artéria que o acompanha. São em geral decorrentes de infecção crônica, obstrução das vias aéreas por tumor, estenose, material impactado ou anormalidades hereditárias. Emanuel R. Dantas
  • 156. Bronchiectasis and pseudobronchiectasis. Bronchiectasis is considered to be present if the internal diameter of a bronchus is greater than that of its accompanying artery (i.e., the signet ring sign) (large white arrow). In the left lower lobe, a bronchus appears to be dilated because its adjacent artery has divided into two branches (small white arrows). In the left upper lobe (black Emanuel R. Dantas arrow), a cardiac pulsation or “doubling” artifact results in the appearance of bronchiectasis.
  • 157.  Classificação das Bronquiectasias:  Cilíndricas: Forma mais branda, representa brônquios de paredes espessas que se estendem para a periferia (normalmente não são vistos na periferia) e não mostram afilamento normal.  Varicosas: Semelhante a cilíndrica, porém com brônquios de paredes irregulares  Císticas: Aparecem como um grupo de “cistos” cheios de ar. Diferem dos cistos por terem distribuição irregular.  De Tração: Bronquiectasias “varicosas” que ocorrem num pulmão com fibrose. Emanuel R. Dantas
  • 158. Cystic bronchiectasis involving the right middle lobe. The focal distribution allows distinction of this entity from cystic lung disease, such as in lymphangiomyomatosis. Emanuel R. Dantas
  • 159.   Conceito: Na TCAR, a densidade pulmonar é parcialmente determinada pela quantidade de sangue presente no tecido pulmonar. Perfusão em Mosaico: Opacidade pulmonar não homogênea que resulta de diferenças regionais de perfusão pulmonar em pcts com dça respiratória ou vascular pulmonar com distribuição em mosaico. Emanuel R. Dantas
  • 160.   Mais freqüente em pcts com dças das vias aéreas que resultam em aprisionamento aéreo ou pobre ventilação do parênquima Nas Dças das Vias Aéreas:   Áreas mal ventiladas  reflexo de vasoconstrição  mal perfundidas Nas Dças Vasculares:  Permanente redução do leito vascular pulmonar. Emanuel R. Dantas
  • 161.  Causas: Mais freqüentes em pcts com bronquiolite obliterante ou outras dças associadas à obstrução das pequenas vias aéreas como fibrose cística ou bronquiectasias.  Também é descrito nos casos de obstrução vascular pulmonar como da embolia pulmonar crônica.  Emanuel R. Dantas
  • 162.   Conceito: Independente da causa, os vasos pulmonares nos locais de atenuação aumentada apresentam com seus diâmetros reduzidos em relação a das áreas de maior densidade. Esta discrepância no diâmetro dos vasos reflete as diferentes de fluxo de sangue regional e ajuda a diferenciar de opacidade em vidro fosco. Emanuel R. Dantas
  • 163. A-C: Mosaic perfusion in three patients with cystic fibrosis. In each patient, vessels appear larger in relatively dense lung regions, a finding of great value in making the diagnosis of mosaic perfusion. The relatively dense lung regions are normally perfused or overperfused because of shunting of blood away from the abnormal areas. Also note that abnormal airways (i.e., bronchiectasis, bronchial wall thickening, tree-in-bud) are often visible in relatively lucent lung regions. These areas are poorly ventilated and poorly perfused. Emanuel R. Dantas
  • 164.  Perfusão em Mosaico nas Doenças das Vias Aéreas:  Anormalidade das vias aéreas está presente na maioria dos casos, demonstrado por espessamento e dilatação das paredes brônquicas.  Pode ser visto em: bronquiectasias, fibrose cística e bronquiolite constritiva.  Nestes pcts, áreas lobulares de baixa atenuação são comuns  Aprisionamento aéreo pode ajudar a confirmar o diagnóstico. Emanuel R. Dantas
  • 165. HRCT in a patient with bronchiolitis obliterans related to rheumatoid arthritis. Bronchiectasis is visible, along with patchy lung attenuation, a finding that reflects mosaic perfusion. Note that the pulmonary vessels in the lucent-appearing peripheral left lung (black arrows) are smaller than vessels in the denser medial left lung (white Emanuel R. Dantas arrows).
  • 166.  Perfusão em Mosaico nas Dças Vasculares:  Atenuação heterogênea dos pulmões e aumento do calibre dos vasos nas regiões de maior densidade são achados freqüentes em pcts em embolia pulmonar crônica.  Decorrente da redução do leito vascular pulmonar normal.  Nestes pcts, áreas lobulares de baixa atenuação são incomuns.  Causas: todas que levem a hipertensão arterial pulmonar. Emanuel R. Dantas
  • 167. Mosaic perfusion with patchy lung attenuation in three patients with pulmonary embolism. A: In a patient with chronic pulmonary embolism, peripheral pulmonary vessels are largest in the relatively dense anterior right upper lobe. The main pulmonary artery appears enlarged. B: In a patient with acute pulmonary embolism, vessels appear larger in a wedge-shaped area of the relatively dense right upper lobe (arrows). C: Multidetector-row HRCT through the right lower lobe in a patient with chronic pulmonary thromboembolism shows areas of reduced attenuation caused by vascular obstruction. Emanuel R. Dantas
  • 168.  Atenuação Heterogênea dos Pulmões – Perfusão em Mosaico x Opacidade em Vidro Fosco:  Nas TC inspiratórias, é freqüentemente possível fazer essa diferenciação com base na redução do calibre dos vasos nas áreas de maior atenuação. Emanuel R. Dantas
  • 169.  Atenuação Heterogênea dos Pulmões – Perfusão em Mosaico x Opacidade em Vidro Fosco:  Perfusão em Mosaico nas Dças das Vias Aéreas:  Nos pcts com perfusão em mosaico devido a dças de vias aéreas, brônquios de paredes espessadas e dilatadas podem ser vistos nas áreas de alta atenuação, como também áreas lobulares de aumento da atenuação.  Na TC expiratórias, áreas de aprisionamento aéreo é freqüentemente observado. Emanuel R. Dantas
  • 170. Dynamic inspiratory (A) and expiratory (B) HRCT in a patient with postinfectious bronchiolitis obliterans. On expiration, marked inhomogeneity in lung attenuation is noted, with focal air-trapping in the left upper lobe (asterisk). Note the relatively small size of pulmonary vessels in the region of air-trapping. A region of interest placed in the area of air-trapping shows a paradoxical decrease in lung attenuation of 30 HU during expiration. Emanuel R. Dantas
  • 171.  Atenuação Heterogênea dos Pulmões – Perfusão em Mosaico x Opacidade em Vidro Fosco:  Perfusão em Mosaico nas Dças Vasculares:  Dilatação das artérias pulmonares centrais pode estar presente  Áreas de atenuação aumentada tipicamente lobulares estão tipicamente ausentes,  Grandes áreas de baixa atenuação são geralmente visíveis. Emanuel R. Dantas
  • 172.  Atenuação Heterogênea dos Pulmões – Perfusão em Mosaico x Opacidade em Vidro Fosco:  Opacidade em vidro fosco:  Facilmente diagnosticada quando associada a outros achados de dça infiltrativa, como consolidação, opacidades reticulares ou nódulos.  Obs.: Estes achados não são visíveis nos pcts com perfusão em mosaico resultante de dças das vias aéreas.  Pode ser também simplesmente diagnosticada por ser simplesmente de densidade maior que a perfusão, embora isso seja subjetivo e a depender da janela. Emanuel R. Dantas

×