Noções de Histologia

2,305 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
2,305
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
75
Actions
Shares
0
Downloads
118
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Noções de Histologia

  1. 1. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 1 Histologia Animal PARTE I – TECIDO EPITELIAL E TECIDO CONJUNTIVO 1. INTRODUÇÃO Uma observação superficial dos seres vivos, mostra-nos que sua grande maioria é representada por espécies pluricelulares. Neles, a existência de muitas células, com diferentes graus de especialização, fez prever a existência de um complexo arranjo estrutural, cujos níveis de organização estão a seguir. A Histologia, portanto, é o ramo da Biologia que estuda os tecidos animais e vegetais. Tecidos são grupos de células especializadas, separadas ou não por líquidos e substâncias intercelulares, provenientes de células embrionárias que sofreram diferenciação, distinguindo-se cada grupo por sua estrutura e pelas funções específicas que desempenha. CLASSIFICAÇÃO DOS TECIDOS ANIMAIS 1. Tecidos Epiteliais 2. Tecidos Conjuntivos • Tecido Conectivo • Tecido Adiposo • Tecido Cartilaginoso • Tecido Ósseo • Sangue e Hematopoético 3. Tecidos Musculares • Tecido Muscular Liso • Tecido Muscular Estriado Esquelético • Tecido Muscular Estriado Cardíaco 4. Tecido Nervoso Substância Intercelular ou Intersticial É uma substância que pode ocupar o espaço entre as células de um tecido. Pode ser líquida, como o plasma, no sangue; sólida ou semissólida como no osso e nas cartilagens. Alguns tecidos são classificados pela quantidade de substância intersticial, como, por exemplo, o tecido epitelial (pouca substância) e o conjuntivo (abundante substância intersticial). ANATOMIA E FISIOLOGIA FisiologiaCITOLOGIA CÉLULA A TECIDO ÓRGÃO SISTEMA ORGANISMO CITOLOGIA HISTOLOGIA
  2. 2. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 2 A composição química desta substância é variável de tecido para tecido. 2. ESTUDO DOS EPITÉLlOS Os Epitélios são constituídos, geralmente, por células poliédricas justapostas, entre as quais encontramos pouca substância intercelular. Uma das propriedades dos tecidos epiteliais é a capacidade de coesão entre suas células, que formam camadas contínuas revestindo a superfície e cavidades do corpo, como acontece com a pele e mucosas. As células epiteliais provêm dos três folhetos embriológicos. A maior parte das células que cobrem a pele e algumas cavidades naturais (boca, ânus, fossas nassais) tem origem do ectoderma. Os epitélios que revestem quase todo o tubo digestivo e árvore respiratória provêm do endoderma; as glândulas do sistema digestório, com pâncreas e fígado, também originam-se do endoderma. A maioria dos epitélios restantes tem origem no mesoderma, como o rim, por exemplo. Como os tecidos epiteliais são formados por células muito próximas e sem substância intercelular, neles não se encontram vasos sanguíneos. As trocas gasosas e nutritivas são feitas por difusão, célula a célula, com o tecido conjuntivo subjacente. Na superfície de contato com o tecido conjuntivo subjacente, os epitélios apresentam uma lâmina ou membrana basal. Esta membrana é composta por glicoproteínas associadas a colágeno, visível ao microscópio óptico, é permeável à água, O2,CO2 e nutrientes. Os tecidos epiteliais têm como funções principais: a) Revestimento das superfícies (epiderme). b) Revestimento e absorção (epitélio intestinal). c) Secreção (observável nas glândulas). d) Função sensorial (neuroepitélios). TIPOS DE TECIDO EPITELIAL: a) Revestimento (proteção ou absorção). b) Glandular ou de secreção. Epitélio de Revestimento São classificados com base em diferentes aspectos, como a forma de suas células, o número de camadas celulares e as funções que desempenham. Quanto à forma das células Quanto ao Número de Camadas Celulares a) Simples: apenas uma camada de células. b) Estratificados: várias camadas celulares. c) Pseudo-estratificado: só uma camada, porém as células apresentam alturas diferentes, dando um aspecto de várias camadas. d) Misto ou de Transição: as células têm formas diferentes de uma camada para a outra. De forma geral, os epitélios estratificados estão ligados à função de proteção, e os epitélios simples, à função de absorção.
  3. 3. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 3 Os epitélios podem apresentar cílios em sua superfície livre. O batimento destes cílios garante o deslocamento de substâncias sobre as células. Epitélio de Secreção (As glândulas) Os epitélios glandulares são constituídos por células que apresentam como atividade característica a produção de secreção fluida, de composição diferente da do plasma sanguíneo ou do fluido tecidual. Quase sempre estes produtos de secreção são elaborados e acumulados dentro do citoplasma sob a forma de pequenas partículas envolvidas por membranas (grânulos de secreção). As glândulas originam-se de grupos de células que proliferam a partir do epitélio e se aprofundam, formando, inicialmente, canais ou então cordões. A maioria das células do epitélio granular apresenta retículo endoplasmático rugoso e Complexo de Golgi bem desenvolvidos. De forma geral, as glândulas podem apresentar uma estrutura chamada adenômero (porção secretora) e um Ducto excretor. As glândulas, geralmente, são pluricelulares; as mais simples, no entanto, são unicelulares, como as células mucosas ou caliciformes. Esquema ilustrando como se originam as glândulas a partir das superfícies epiteliais. O epitélio prolifera e se afunda no conjuntivo, mantendo ou não contato com a superfície, conforme venha a ser a glândula exócrina ou endócrina. Nas glândulas endócrinas, as células podem agrupar-se em cordões ou folículos. Nos folículos, o produto de secreção é acumulado em grande quantidade. Na glândula cordonal, o produto de secreção é acumulado em pequena quantidade no interior das células. (Redesenhado e reproduzido com permissão de Ham AW: Histology 6th ed. Lippincott, 1969).
  4. 4. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 4 Classificação das Glândulas a) Quanto à natureza química da secreção • Mucosas: produzem secreção viscosa, de natureza glicoproteica (muco). Ex.: Glândulas caliciformes da traqueia. • Serosas: produzem uma secreção aquosa, clara, rica em proteínas. Ex.: Lacrimais. • Seromucosas: secretam uma secreção mista. Ex.: Salivares sublinguais. b)Quanto ao destino da secreção • Endócrinas: secreção interna, não possuem ducto excretor. Ex.: Hipófise, tireoide, adrenais. • Exócrinas: secreção externa, possuem ducto excretor, a secreção vai para o meio externo ou cavidade de um órgão. Ex.: Mamárias, sebáceas. • Anficrinas ou Mistas: secreção mista, possuem uma parte externa e outra interna. Ex.: Testículos, pâncreas. Tecidos Conjuntivos Os tecidos conjuntivos caracterizam-se, morfologicamente, por apresentarem diversos tipos de células, separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. A riqueza material intercelular é uma de suas características mais importantes. Este material é representado por uma parte com estrutura microscópica definida, as fibras do conjuntivo, e por uma parte não estruturada, a substância fundamental amorfa. O tecido conjuntivo preenche espaços, dá sustentação mecânica, transporta substâncias, acumula reservas, protege contra agentes infecciosos, garante processos de regeneração e cicatrização, proporciona pigmentação, e produz substâncias especiais que entram na sua própria composição. A maior parte dos tecidos conjuntivos origina-se do mesênquima, que é um tecido embrionário derivado do mesoderma. Dentre as diversas modalidades de conjuntivos, uma se destaca como a principal na finalidade de conjunção, fazendo melhor que as demais o papel de preenchimento de espaços vazios. Essa variedade recebeu o nome de tecido conjuntivo propriamente dito (TCPD). Os componentes do TCPD É formado basicamente por três componentes: substância fundamental, fibras e células. 1. A substância fundamental É homogênea, amorfa, constituída de água, sais, proteínas é mucopolissacarídeos. Possibilita a difusão de nutrientes e catabólitos de uma célula para a outra e as trocas entre as células e o sangue. Dessa maneira, é alcançado um equilíbrio tecidual (tissular). Qualquer variação nestes mecanismos pode promover a excessiva retenção de água na substância fundamental. É dessa forma que surgem os edemas ou inchaços. 2. As fibras Existem três tipos de fibras, todas de natureza proteica, produzidas por células chamadas de fibroplastos. a) Fibras colágenas São formadas por uma proteína chamada colágeno, são fortes, resistentes à tração, agrupam-se em feixes de cor branca. b) Fibras elásticas Formadas por uma proteína chamada elastina. São finas, ramificadas, têm boa elasticidade. c) Fibras reticulares Formadas por uma proteína chamada reticulina. São as mais finas, formam redes em alguns tecidos.
  5. 5. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 5 Tecido conjuntivo propriamente dito 1. Fibroblastos; 2. Macrófagos; 3. Plasmócitos; 4. Mastócitos; 5. Fibras colágenas; 6. Fibras elásticas; 7.Fibras reticulares 3. As células Originam-se da mesoderme embrionária. Com o desenvolvimento do organismo, e, portanto, com a diferenciação dos tecidos, apenas alguns grupos destas células permanecem totipotentes, garantindo a produção de novas células conjuntivas. As células conjuntivas mais comuns são: a) Fibroblastos São as células mais numerosas e típicas desse tecido. São alongadas com algumas ramificações, núcleo oval e grande. Possuem RER e aparelho de Golgi bem desenvolvidos. São caracterizados pela intensa produção de fibras colágenas, elásticas e reticulares. Os fibroblastos também produzem os mucopolissacarídeos da substância amorfa. Em fase de repouso temporário ou permanente, são chamados fibrócitos. b) Macrófagos São células acentuadamente grandes (até 25 m) e de contorno irregular, possuem elevada capacidade de fagocitose. Movem-se através de pseudópodos, sendo responsáveis pelo englobamento e destruição de partículas estranhas, que penetram no organismo. Quando inativos, permanecem fixos, retraindo seus pseudópodos. Recebem, então, o nome de histiócitos. Os macrófagos têm ampla distribuição pelo corpo. c) Mastócitos São células grandes, globosas. O citoplasma é rico em granulações basófilas. Estes grânulos são acúmulos de heparina (anticoagulante) e histamina (liberada em reações alérgicas e inflamatórias). Ocorrem em grande número, principalmente junto aos vasos sanguíneos. d) Plasmócitos São menores, o citoplasma não possui granulações. Desempenham uma importante função imunológica, que é a produção de anticorpos. e) Leucócitos (Glóbulos brancos) Eles são esféricos, com cromatina compacta e densa. O núcleo é grande e o citoplasma forma uma fina camada sem granulações ao redor do núcleo. Relacionam-se à proteção de anticorpos e acumulam-se, junto com os plasmócitos, em regiões com processos infecciosos. Eles são numerosos no sangue, linfa e órgão linfoides. f) Células Adiposas São muito grandes, esféricas, com núcleo pequeno e deslocado para a periferia. No centro, há uma grande gota de gordura. Esta célula será estudada com mais detalhes, quando falarmos de tecido adiposo. 4. Tipos de TCPD TCPD      Denso Frouxo O tecido conjuntivo frouxo não tem predominância de nenhum tipo de célula e fibra. É um tecido moldável, macio, que normalmente preenche espaço entre feixes musculares, funcionando como amortecedor entre vários órgãos viscerais e ainda na pele.     )Fibroso(eladomodNão )Tendinoso(Modelado
  6. 6. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 6 O tecido conjuntivo denso apresenta uma predominância das fibras colágenas sobre os demais elementos. Se estas fibras se organizam paralelamente, o tecido assume uma consistência rígida e com pouca elasticidade. É este tecido que caracteriza os tendões, que fazem ligações dos músculos estriados aos ossos. Ex.: "Tendão de Aquiles" ou tendão calcâneo comum. No tecido conjuntivo denso não-modelado, as fibras colágenas formam feixes que se distribuem sem qualquer arrumação, num emaranhado que confere ao tecido uma consistência fibrosa, resistente à tração. Normalmente, ele é encontrado nas cápsulas articulares ou envoltórias de certos órgãos, como os testículos, baço, fígado. etc. Tecido conjutivo frouxo Tecido tendinoso Esquema simplificado das transformações que ocorrem entre as células dos tecidos de natureza conjuntiva. As setas interrompidas indicam a existência de tipos celulares intermediários entre os apontados. As células do retângulo da esquerda, embora de origem conjuntiva (mesenquimatosa), morfologicamente são células epiteliais. Neste esquema, o tamanho das células não representa suas dimensões reais (os adipócitos, megacariócitos e osteoclastos são muito maiores).
  7. 7. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 7 O TECIDO ADIPOSO Este tipo de tecido conjuntivo é rico em uma célula especializada chamada adipócito, que tem a função básica de armazenar gordura. No tecido adiposo, os fibroblastos, macrófagos e mastócitos, bem como as fibras colágenas, estão em número bem reduzido. Este tecido se desenvolve abaixo da pele (tecido subcutâneo ou hipoderme) em todas as partes do corpo, porém predominantemente no abdome e nas nádegas. É um tecido de armazenamento energético, uma vez que as lípidas, quando oxidadas, oferecem várias calorias. Funciona também como isolante térmico que impede ou dificulta perdas de calorias do organismo com o meio ambiente. Esta camada de gordura (panícula adiposo) é muito abundante em animais homeotérmicos que habitam regiões frias. A medula óssea amarela é rica neste tecido. TECIDO CARTILAGINOSO Juntamente com os ossos, compõe o sistema de sustentação do organismo. As cartilagens normalmente estão associadas aos ossos, constituindo os meniscos, cápsulas das articulações, ligamentos, septos, discos intervertebrais. Representam, assim, um papel de estruturas amortecedoras de choques, dando, ao mesmo tempo, uma certa flexibilidade ao conjunto esquelético. Nos embriões, o esqueleto é basicamente cartilaginoso e, aos poucos, vai se ossificando. A célula cartilaginosa é chamada condrócito. Ela se origina de células embrionárias chamadas condroblastos. A substância fundamental ou matriz é rica em mucopolissacarídeos e emcolágeno. Tecido cartilaginoso (cartilagem hialina). 1.Cápsula envoltora de um ninho de células: 2. Condrócito; 3 Substância intercelular. No interior da matriz não há vasos sanguíneos. A nutrição das células é feita, então, a partir da camada envolvente da cartilagem, o pericôndrio, este vascularizado. As substâncias se difundem lentamente do pericôndrio para a matriz, o que
  8. 8. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 8 explica o baixo metabolismo e a dificuldade de regeneração. Na matriz também não há nervos e, portanto, as cartilagens não têm sensibilidade. HÁ TRÊS TIPOS DE CARTILAGENS: a) Cartilagem Hialina É a mais comum no embrião. No indivíduo adulto, pode ser encontrada nas cartilagens costais (costelas), cartilagens articulares, traqueia e brônquios. Têm predomínio de substância intercelular e, dentre as fibras, só possui as fibras colágenas. b) Cartilagem Elástica Rica em fibras elásticas. É encontrada na epiglote, orelha e septo nasal. c) Cartilagem Fibrosa É a mais resistente das três. Possui abundantes fibras colágenas e elásticas. As fibras colágenas formam grossos feixes. É vista nos meniscos, discos intervertebrais e ligamentos. TECIDO ÓSSEO É o tecido de sustentação mais característico dos vertebrados. É o principal formador dos ossos. É fundamental o entendimento de que o osso é um órgão e não pode ser confundido com o tecido ósseo. Primeiramente, vamos falar sobre os ossos e, depois, sobre o tecido ósseo. Os ossos têm várias funções, como: armazenar sais de cálcio; armazenar lipídios na medula óssea amarela (tutano) dos ossos longos; função hematopoiética na medula óssea vermelha; função de proteção; locomoção passiva (sistemas de alavancas), etc. Dessa maneira, observa-se que o osso não é simplesmente um tecido, mas uma estrutura complexa com vários tecidos. No tecido ósseo, devemos distinguir as células (osteócitos) e a substância intercelular (matriz óssea). Os osteócitos originam-se de células jovens chamadas de osteoblastos, que são responsáveis pela produção de fibras, glicoproteínas e outras substâncias. À medida que se completa a calcificação da matriz, osteoblastos ficam presos em lacunas e passam a ser chamados osteócitos. É através de um sistema de canais que é feita a troca de substâncias entre os osteócitos. Estas lacunas comunicam- se umas com as outras por meio de uma vasta rede de canalículos que desembocam em canais largos, formados por lâminas ósseas concêntricas, denominado canal de Havers. Os canais de Havers de sistema vizinho são conectados transversalmente pelos canais de Volkmann. Há também no tecido ósseo células grandes e multinucleadas, os osteoclastos; eles participam, principalmente, dos processos de regeneração do tecido, após as fraturas. Os ossos são revestidos por uma membrana fibrosa chamada periósteo. À direita, ostcócitos cm grande aumento, retraídos, já isolados. À esquerda, osteoblastos interligados. Num osso longo, distinguimos duas regiões: a diáfise, ou corpo do osso, e as epífises, ou extremidades ósseas. Na maior extensão da diáfise, seu interior é oco, constituído pelo canal medular, que é preenchido quase totalmente pela medula óssea amarela. Já nas epífises, o osso adquire um aspecto esponjoso, e seus territórios são ocupados pela medula óssea vermelha. SANGUE E TECIDO HEMATOPOIÉTICO O sangue é um tecido líquido e fundamentalmente um tecido de transporte. O sangue garante um equilíbrio hídrico e osmótica; funciona como sistema tampão, mantendo o equilíbrio ácido-base; participa do mecanismo termorregulador; pela ação dos leucócitos, o sangue exerce importante ação protetora. O volume total do sangue de um adulto é aproximadamente 8% do seu peso corporal (5 a 6 litros).
  9. 9. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 9 O sangue apresenta uma substância fundamental líquida, o plasma, e os elementos figurados, ou celulares, que são as hemácias, os leucócitos e as plaquetas. É no plasma que se dissolvem as substâncias transportadas pelo sangue. Ele tem 90% de água e 10% de substâncias orgânicas e inorgânicas. A fração de sais é pequena, da ordem de apenas 0,9%. Hemácias (4 500 000/mm3 de sangue) Elementos figurados do sangue Leucócitos (6 a 10 000/mm3 de sangue) Granulócitos Acidófilos (3%) Neutrófilos (65%) Basófilos (1%) Agranulócitos Linfócitos (25%) Monócitos (6%) Plaquetas (250 000/ mm3 de sangue) a) Hemácias ou Eritrócitos No homem, as hemácias são células discoidais, bicôncavas, altamente especializadas para o transporte de gases. Em todos os mamíferos, elas são anucleadas. As hemácias são células pequenas, ricas em hemoglobina (proteína conjugada, em cuja composição entra o elemento ferro). A hemoglobina é responsável pela cor vermelha do sangue e tem alto poder de combinação com o oxigênio. Na produção de hemácias são indispensáveis fatores nutricionais, como a vitamina Bl2, o ácido fólico e o ferro. Quando ocorre diminuição na taxa de hemácias, diz-se que há anemia. O excesso é a policitemia. b) Leucócitos ou Glóbulos Brancos São responsáveis pela defesa do organismo, apresentam uma grande variedade em número, forma, tamanho e funções. Podem atravessar as paredes dos capilares (diapedese) indo para outros tecidos. Um pequeno aumento do número de leucócitos é chamado leucocitose e a redução, leucopenia. Os núcleos dos leucócitos apresentam várias formas, sendo simples ou lobulados, e o citoplasma pode ou não apresentar granulações; eles são assim classificados: Linfócitos Agranulócitos Monócitos Leucócitos Neutrófilos Granulócitos Acidófilos (eosinófilos) Basófilos Leucócitos agranulócitos e suas variedades. Leucócitos granulócitos e suas variedades. Os linfócitos predominam neste grupo. Os neutrófilos são os mais numerosos -Leucócitos Agranulócitos Apresentam pouca granulação no citoplasma. Os linfócitos são particularmente ativos nas reações para produção de anticorpos, participam também do mecanismo de rejeição em transplantes.
  10. 10. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 10 Os monócitos possuem intensa atividade fagocitária, junto com os macrófagos. -Leucócitos Granulócitos Os neutrófilos são muito ativos e mais numerosos. Geralmente, morrem ao fagocitar bactérias. São, então, chamados de piócitos (pus). Os acidófilos, comuns na mucosa intestinal, participam de processos alérgicos. Coram-se por corantes ácidos (eosina), Os basófilos são menos numerosos, produzem heparina (anticoagulante) e histamina. Têm afinidade por corantes básicos. c) Plaquetas Também chamadas trombócitos, não constituem células, mas fragmentos de células. Decorrem da fragmentação dos megacariócitos na medula óssea vermelha. São delimitadas por fina membrana e repletas de microvesículas contendo tromboplastina, enzima de relevante papel no mecanismo da coagulação sanguínea. Existem na proporção de 250 000 a 300 000 por milímetro cúbico de sangue, na pessoa normal. O seu aumento numérico constitui a trombocitose e sua diminuição, a trombocitopenia. d) Plasma O plasma é uma solução aquosa rica em sais, proteínas, lipídios, hidratos de carbono (nutrientes para as células), íons, vitaminas, anticorpos, hormônios e produtos de excreção, como a ureia, além dos gases respiratórios, como o oxigênio e o dióxido de carbono ou gás carbônico. Tem alto índice de viscosidade. O plasma possui uma proteína – o fibrinogênio –-, de elevada importância no mecanismo da coagulação do sangue. Quando se retira o fibrinogênio do plasma, deixa de haver condição para a coagulação. O plasma (isolado dos elementos figurados), destituído do fibrinogênio, constitui o soro. A COAGULAÇÃO SANGUÍNEA Para que o sangue se coagule, é preciso que o fibrinogênio (proteína globular encontrada no plasma) se transforme em fibrina (proteína fibrosa que só aparece no sangue na hora da coagulação). Mas, para que haja essa transformação, tem de atuar sobre o fibrinogênio uma enzima chamada trombina (fibrinofermento). Você pode deduzir que não se pode ter a trombina livre na circulação, pois isso acarretaria a coagulação contínua do sangue dentro dos vasos, isto é, uma trombose generalizada. Logo, a trombina só deve aparecer na hora certa. Ela se forma à custa de um precursor – a protrombina, que normalmente já existe no sangue circulante. Por que a protrombina não passa naturalmente a trombina a qualquer hora? É porque ela é bloqueada por uma substância anticoagulante – a antitrombina ou heparina, que também existe no sangue circulante. A heparina é produzida pelos mastócitos do tecido conjuntivo propriamente dito. No sangue circulante são encontrados normalmente o fibrinogênio, a protrombina e a heparina. Os outros integrantes da cadeia mencionados só aparecem na hora da coagulação. Bem, agora vejamos como ocorre o desencadeamento da coagulação. Quando há lesão na parede de um vaso sanguíneo, as células endoteliais desse vaso e notavelmente as plaquetas (naquela região) liberam uma substância chamada tromboplastina ou tromboquinase que inativa a heparina. Então, destrava-se todo aquele mecanismo que estava travado. Sem a heparina (e em presença de íons Ca++ ), a protrombina passa a trombina. A trombina age sobre o fibrinogênio e o leva à fibrina. Como a fibrina é uma proteína fibrosa longa, ela forma uma rede – a rede de fibrina –, em cujas malhas encalham as hemácias, os leucócitos e as plaquetas. Forma-se uma massa compacta, que é o coágulo. Esse veda o orifício do vaso e estanca a hemorragia. Tromboplastina ou Tromboquinase Antitrombina ou Heparina Protrombina 1 inibe 2 e desencadeia o processo Trombina Fibrinogênio Fibrina 5 6 4 3 2 1 sem 2, 3 fica livre 3 passa a 4 4 atua sobre 5 5 passa a 6
  11. 11. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 11 O mecanismo da coagulação sanguínea. O processo só se destrava quando há liberação de tromboplastina no sangue. Por fim, a fibrina forma uma rede onde encalham os elementos figurados. Surge o coágulo. PARTE II – TECIDOS MUSCULARES 1. INTRODUÇÃO O tecido muscular é de origem mesodermal, as células que compõem este tecido passam por profundas transformações, tornando-se altamente especializadas no mecanismo da contração. Durante a diferenciação, elas se tornam longas, acumulam no citoplasma grande número de fibrilas: assim, elas se transformam em fibras musculares. Um conjunto de fibras agrupadas em feixes formam os músculos, que são os principais efetuadores do organismo. Por se tratar de um tecido com células altamente especializadas para uma única função, suas estruturas apresentam nomenclatura própria. Temos, assim: Célula  Fibra Citoplasma  Sarcoplasma Plasmalema  Sarcolema Fibrilas Contráteis  Miofibrilas Numa fibra muscular, como em qualquer célula, a análise química do protoplasma mostra uma predominância de proteínas. As duas proteínas mais importantes para a contração são a actina e a miosina. A mioglobina é uma proteína conjugada, semelhante à hemoglobina, que parece estar ligada a concentração do oxigênio. É a mioglobina que dá cor vermelha ao músculo. Distinguem-se três variedades de tecido muscular, de acordo com a apresentação e a fisiologia de suas fibras:  Tecido Muscular Liso  Tecido Muscular Estriado Esquelético  Tecido Muscular Estriado Cardíaco Características Lisa Estriada Cardíaca Forma Fusiforme Filamentar Filamentar ramificada (anastomosada) Tamanho (valores médios) Diâmetro: 7 Comprimento: 100 30 Centímetros 15 100 Estrias transversais Não há Há Há Núcleo 1 central Muitos Periféricos (sincício) 1 central Discos Intercalares Não há Não há Há Contração Lenta, involuntária Rápida voluntária Rápida involuntária Apresentação Formam camadas envolvendo órgãos Formam pacotes bem definidos, os músculos esqueléticos Formam as do coração (miocárdio) 2. TECIDO MUSCULAR LlSO É formado por células fusiformes pequenas, uninucleadas (núcleo central) e dotadas de capacidade de contração involuntária. Também nessas fibras encontram-se miofibrilas de actina e miosina. Mas suas fibras são muito finas e se dispõem em feixes sem organização precisa no sarcoplasma. As fibras musculares lisas se reúnem, dispostas paralelamente, formando feixes. Esses feixes caracterizam o que chamamos de músculos lisos ou musculatura lisa. A musculatura lisa tem contrações lentas e involuntárias. Ela se localiza nas paredes dos vasos sanguíneos e na estrutura dos órgãos ocos, conferindo-lhes a capacidade de contrações e movimentos. Os movimentos peristálticos do esôfago, do estômago e dos intestinos, bem como a contração da bexiga e do útero, decorrem da atividade da musculatura lisa que existe nesses órgãos.
  12. 12. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 12 Feixe de fibras musculares lisas. 3. O TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO O tecido muscular estriado esquelético é o tecido que se apresenta em maior volume no corpo. As fibras musculares estriadas esqueléticas formam, em grupo, os músculos esqueléticos, isto é, os músculos que se inserem nos ossos do esqueleto e de cujas contrações resultam os movimentos do indivíduo. Os músculos estriados esqueléticos, na maioria dos mamíferos e grande parte das aves, são ricos numa proteína especial muito parecida com a hemoglobina do sangue, chama da miglobina, responsável pela cor vermelha desse tecido. Nas aves, alguns músculos não possuem essa proteína (ou a têm em pequena quantidade) e, por isso, se mostram claros, sendo conhecidos como carne branca. A mioglobina parece ter papel no transporte de oxigênio dentro da célula. Sua presença é, portanto, mais notável nos músculos que têm muita atividade e intensas contrações. Nas aves não voadoras (galinha, peru), a coxa tem carne vermelha ou escura, porém o peito tem carne branca. É porque os músculos das pernas têm muito mais atividade do que os músculos do peito. Nas aves voadoras, ocorre o contrário. A fibra muscular estriada esquelética é uma célula cilíndrica na sua maior extensão e afilada nas extremidades. Ela é muito longa (pode chegar a 30 centímetros de comprimento, ainda que seu diâmetro seja microscópico, com cerca de 30 micrômetros), multinucleada e com os núcleos periféricos. Durante a formação embrionária, a fibra estriada esquelética surge da reunião de várias células embrionárias uninucleadas. Por isso, ela é considerada um sincício (do grego syn. ' união' e kytos ‘célula’). Entretanto, durante o desenvolvimento ontogenético do indivíduo, a fibra muscular esquelética alonga-se acompanhando o crescimento dele. Ela não se reproduz mais, após a conclusão do desenvolvimento embrionário. Para suprir funcionalmente o longo sarcoplasma que se distende, os núcleos se dividem, enquanto os novos núcleos acompanham o alongamento da fibra. Assim, a fibra estriada passa a se comportar como um plasmódio. Ela é, de início, um sincício, depois, um plasmódio. Examinada ao microscópio, a fibra estriada revela uma intercalação de faixas claras e escuras, que justifica sua denominação. O músculo estriado esquelético tem contrações rápidas e voluntárias, ou seja, atendendo à vontade do indivíduo. O controle da contração é feito por um nervo motor cujas terminações vão se ramificar dentro da fibra muscular, numa região chamada placa motora ou junção neuromuscular. 4. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO CARDÍACO O tecido muscular estriado cardíaco constitui uma variedade especial de músculo estriado na qual as fibras possuem bifurcações que se anastomosam e são habitualmente uninucleadas. Ocasionalmente, podem ser encontradas fibras binucleadas. O núcleo é central. Essas fibras têm contração rápida, porém involuntária. Este tecido, por suas características, situa-se entre o tecido muscular liso e tecido muscular estriado esquelético. É encontrado unicamente na constituição da parede do coração, formando o miocárdio. 5. A CONTRAÇÃO MUSCULAR Cada fibra muscular, quando observada ao microscópio eletrônico, revela detalhes da estrutura das miofibrilas. As moléculas proteicas de activa e miosina organizam-se de maneira que surge a unidade fundamental da contração, que é o sarcômetro. A miofibrila apresenta estrias claras (faixa ou disco I) que são formadas por filamentos finos de activa. As estrias escuras (faixas ou disco A) são formadas pelos filamentos grossos de miosina.
  13. 13. BIOLOGIA MÓDULO 2 ─ 2014.1 13 No meio da faixa I, fica uma linha fina e escura chamada linha 2; no meio da faixa A, fica uma linha clara chamada linha ou zona H O segmento entre duas linhas 2 consecutivas chama-se sarcômeo. Agora, observe a figura e complete nela onde estão os discos A e I, as linhas Z e H. Você, também, pode observar que o sarcômero é uma estrutura que pode estar contraído ou relaxado. Logo, conclui-se que o sarcômero é a unidade contrátil, pois é a menor porção da miofibrila com capacidade de encurtamento. Observe que os filamentos de activa, deslizam sobre os filamentos de miosina; dessa maneira, as linhas Z se aproximam, determinando, assim, o encurtamento do sarcômero. Se todos os sarcômeros da miofibrila se contraírem, toda a miofibrila se encurtará. Ora, se todas as miofibrilas fizerem isso ao mesmo tempo, toda a fibra muscular diminuirá de comprimento e se todas as fibras assim o fizerem, haverá contração do músculo por inteiro.

×