Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
AULA DICA SARTRECOC 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

AULA DICA SARTRECOC 2013

  • 2,360 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,360
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
6

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. XÔ ANSIEDADE
  • 2. Matemática e suas tecnologias
  • 3. Matemática POLÍGONOS REGULARES INSCRITOS . l l O .a l/2 Prof. Arthur e Rodrigo l/2
  • 4. Matemática Polígono Segmento Triângulo Hexágono Quadrado Equilátero Regular a R 2 R2 2 R3 2 l R3 R2 R Prof. Arthur e Rodrigo
  • 5. Matemática PRISMA CILINDRO ÁREA LATERAL = PERÍMETRO DA BASE X ALTURA ÁREA TOTAL = 2 X ÁREA DA BASE + ÁREA LATERAL VOLUME = ÁREA DA BASE X ALTURA Prof. Arthur e Rodrigo
  • 6. ENEM Prof. Arthur e Rodrigo
  • 7. ENEM Prof. Arthur e Rodrigo
  • 8. Matemática PIRÂMIDE CONE ÁREA LATERAL = SEMI-PERÍMETRO DA BASE X APÓTEMA(GERATRIZ) ÁREA TOTAL = ÁREA DA BASE + ÁREA LATERAL VOLUME = Prof. Arthur e Rodrigo 1 3 (ÁREA DA BASE X ALTURA)
  • 9. Matemática FUNÇÃO DO 1º GRAU f :RR x  ax  b; (a  0) FUNÇÃO DO 2º GRAU f :RR x  ax  bx  c; (a  0) 2 Prof. Arthur e Rodrigo
  • 10. ENEM Prof. Arthur e Rodrigo
  • 11. Matemática Prof. Arthur e Rodrigo
  • 12. Evite uso excessivo
  • 13. Linguagens e suas tecnologias
  • 14. Redação Prof. Eduardo e Paulo Reis
  • 15. Redação #AtiveOTema #Explore OCampoLexicalDos ElementosTemáticos Prof. Eduardo e Paulo
  • 16. Redação #UseAs Estratégias Argumentativas Prof. Eduardo e Paulo
  • 17. Redação #InvistaEmRetomadas #TodaDeclaraçãoNova DevePartirDeUm ElementoJáConhecido Prof. Eduardo e Paulo
  • 18. Redação #FocoNaArticulação #MarqueAsRelaçõesDeSentido ComOsOperadoresArgumentativos #DigaOQueVocêEstáFazendo Prof. Eduardo e Paulo
  • 19. Redação #LembreAFórmula Elemento de Retomada + Marca Linguística + PROPOSTA (O quê?) + Detalhamento (Como? Quem?) + Reforço da validade da proposta, retomando aspecto(s) do texto Prof. Eduardo e Paulo
  • 20. AÇÃO DE VÉSPERA
  • 21. Linguagens #TodaLínguaÉHeterogênea #PreconceitoLinguísticoÉPreconceitoSocial #AVariaçãoÉUmaPotência #NoisErraQuemReclamáNoisExpulsa #LinguistasPensamEmAdequação #GramáticosPensamEmErro Prof. Eduardo
  • 22. Linguagens Não são poucas as pesquisas que levaram à conclusão de que não existe uma norma única, mas sim uma pluralidade de normas, normas distintas segundo os níveis sociolinguísticos e as circunstâncias da comunicação... (Dinah Callou) Prof. Eduardo
  • 23. Linguagens A realidade é que as divisões ‘dialetais’ no Brasil são menos geográficas que socioculturais Prof. Eduardo
  • 24. Linguagens Prof. Eduardo Norma-padrão Língua A norma linguística deve ser vista, assim, no quadro mais amplo dos comportamentos sociais sem desconsiderar o papel do prestígio da correção linguística... Variedades prestigiadas/ prestígio social Variedades estigmatizadas/ estigma social
  • 25. Linguagens Prof. Eduardo
  • 26. Linguagens #FocoNosOperadoresArgumentativos #FocoNaProgressãoReferencial “Estou sozinho, tenho a alma magoada, vida triste E abandonada, tô tentando te esquecer. MAS é difícil, POIS alguém da casa ao lado vive com o rádio ligado e ISSO faz lembrar você” Prof. Eduardo
  • 27. Linguagens #FocoNosOperadoresArgumentativos #FocoNaProgressãoReferencial “Todas as canções falam de amor E de prazer, sonhos E paixões que a gente sempre quis viver. SÓ que o teu amor eu já não tenho aqui e tento não lembrar, MAS, da casa ao lado, o rádio a insistir, vai me fazer chorar.” Prof. Eduardo
  • 28. Linguagens #FocoNosOperadoresArgumentativos #FocoNaProgressãoReferencial “Acho que eu não fico mais um dia sem te ver, ta faltando tudo só por falta de você. Vivo aquela amor que diz na letra da canção, faz rimar a dor de machucar meu coração. Acho que eu preciso novamente te encontrar, COMO diz na música que o rádio vai tocar, que você sem mim também está na solidão, acho que é melhor te procurar” Prof. Eduardo
  • 29. Linguagens #TodoTextoTemSuaFunção #FunçãoReferencial #FunçãoApelativa #FunçãoPoética #FunçãoEmotiva #FunçãoMetalinguística #FunçãoFática Prof. Paulo Monteiro
  • 30. Linguagens #TextoPublicitário #InformaçãoPrevençãoComercialização Profª Paula
  • 31. Linguagens #TextoPublicitário #InformaçãoPrevençãoComercialização Profª Paula
  • 32. Linguagens #TextoPublicitário #InformaçãoPrevençãoComercialização Profª Paula
  • 33. Linguagens #HistóriaEArte #ArtistasTelasMovimentos Profª Paula
  • 34. Linguagens #HistóriaEArte #ArtistasTelasMovimentos «Interior da Igreja de Santa Costanza, Roma - séc IV. construída sobre o magnífico mausoléu de Constantina, filha de Constantino. Profª Paula
  • 35. Linguagens #HistóriaEArte #ArtistasTelasMovimentos Profª Paula
  • 36. Linguagens #HistóriaEArte #ArtistasTelasMovimentos Profª Paula
  • 37. Linguagens #HistóriaEArte #ArtistasTelasMovimentos Profª Paula
  • 38. Avalie as provas anteriores
  • 39. Inglês O que se espera do aluno : 1- domínio da linguagem Saber ler e entender textos informativos, diagramas, gráficos, ilustrações, quadrinhos, pinturas, charges, esquemas etc. Profª Wilma
  • 40. Inglês Estratégias de leitura: • pré-leitura do texto Observe: Profª Wilma Fotos e gravuras Tabelas Gráficos Título e subtítulo Referência do texto
  • 41. Inglês Leitura superficial do texto - confirmar as previsões anteriores - apreender o tema central - associar as palavras cognatas - buscar informações - focar aspecto gramatical Profª Wilma
  • 42. Enem 2012 A respeito dos tumultos causados na Inglaterra em agosto de 2011, as palavras de alerta de David Cameron têm como foco principal A) enfatizar a discriminação contra os jovens britânicos e suas famílias. B) criticar as ações agressivas demonstradas nos tumultos pelos jovens. Profª Wilma
  • 43. Enem 2012 C) estabelecer relação entre a falta de limites dos jovens e o excesso de amor. D) reforçar a ideia de que os jovens precisam de amor, mas também de firmeza. E) descrever o tipo de amor que gera problemas às famílias de jovens britânicos. Profª Wilma
  • 44. Quotes of the Day Friday Sep 02.2011 ObjetivoObjetivo Enem 2012 “There probably was a shortage of not just respect and boundaries but also love, but you do need, when they cross the line and break the law, to be very tough.” British Prime Minister DAVID CAMERON, arguing that those involved in the recent riots in England need “tough love” as he vows to “get to grips” with the country’s problems families. Disponível em wwwtime.com. Acesso em 5 nov. 2011 (adaptado) Profª Wilma
  • 45. Enem 2012 A respeito dos tumultos causados na Inglaterra em agosto de 2011, as palavras de alerta de David Cameron têm como foco principal A) enfatizar a discriminação contra os jovens britânicos e suas famílias. B) criticar as ações agressivas demonstradas nos tumultos pelos jovens. Profª Wilma
  • 46. Enem 2012 C) estabelecer relação entre a falta de limites dos jovens e o excesso de amor. D) reforçar a ideia de que os jovens precisam de amor, mas também de firmeza. E) descrever o tipo de amor que gera problemas às famílias de jovens britânicos. Profª Wilma
  • 47. Espanhol O Enem é Interpretação de texto poemas reportagens publicidade charges Prof. Jérfeson
  • 48. Espanhol zurdo tocaya polvo botiquín cuidado com os HETEROSEMÂNTICOS todavía Prof. Jérfeson crianza escoba ano apellido
  • 49. Espanhol enquanto mientras No entanto Sin embargo mientras En cuanto Palavras importantes pero todavía mas ainda Prof. Jérfeson aún ainda aun inclusive
  • 50. Lengua Española Modelo de texto Prof. Jérfeson
  • 51. Enem 2011 Desmachupizar” el turismo aquela história Es ya un lugar común escuchar aquello de que hay que desmachupizar el turismo en Perú y buscar visitantes en las demás atracciones (y son muchas) que tiene el país, naturales y arqueológicas, pero la ciudadela inca tiene un imán innegable. Prof. Jérfeson
  • 52. Lengua Española La Cámara Nacional de Turismo considera que Machu entradas Picchu significa el 70% de los ingresos por turismo en Perú, ya que cada turista que tiene como primer destino la ciudadela inca visita entre tres y cinco lugares más (la ciudad de Cuzco, la de Arequipa, las líneas de Nazca, el média Lago Titicaca y la Selva) y deja en el país um promedio de 2 200 dólares (unos 1 538 euros). Prof. Jérfeson
  • 53. Lengua Española A reportagem do jornal espanhol mostra a preocupação diante de um problema no Peru, que pode ser resumido pelo vocábulo “desmachupizar”, referindo-se: a) à escassez de turistas no país. b) ao difícil acesso ao lago Titicaca. c) à destruição da arqueologia no país. d) ao excesso de turistas na terra dos incas. e) à falta de atrativos turísticos em Arequipa Prof. Jérfeson
  • 54. Espanhol ! Excelente evaluación! Prof. Jérfeson
  • 55. DURMA O SUFICIENTE
  • 56. Matemática e suas tecnologias
  • 57. Matemática ESCALA TAMANHONO DESENHO ESCALA  TAMANHOREAL CUIDADO AO VERIFICAR AS UNIDADES TRABALHADAS EM CADA GRANDEZA ! Prof. Arthur e Rodrigo
  • 58. ENEM Sabe-se que a distância real, em linha reta, de uma cidade A, localizada no Estado de São Paulo, a uma cidade B localizada no Estado de Alagoas, é igual a 2000 km. Um estudante, ao analisar um mapa, verificou com sua régua que a distância entre essas duas cidades, A e B, era de 8 cm. Os dados nos indicam que o mapa observado pelo estudante está na escala de a) 1: 250 b) 1: 25 000 c) 1 : 25 000 000 d) 1: 2 500 e) 1: 250 000 Prof. Arthur e Rodrigo
  • 59. ENEM 2 000 km = 200 000 000 cm TAMANHONO DESENHO ESCALA  TAMANHOREAL 8 cm ESCALA  200 000 000 cm 1 ESCALA  ou 1 : 25 000 000 25 000 000 Prof. Arthur e Rodrigo
  • 60. Matemática PORCENTAGEM(%) É uma razão com denominador 100, ou seja, é dividir um número por 100. 15 15%   0,15 100 Prof. Arthur e Rodrigo
  • 61. Matemática RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO CATETO OPOSTO SENO  HIPOTENUSA CATETO ADJACENTE COSSENO  HIPOTENUSA CATETO OPOSTO TANGENTE CATETO ADJACENTE Prof. Arthur e Rodrigo HIP.  C.A. C.O.
  • 62. Matemática y3 y1 SEMELHANÇA Y RAZÕES y2 x1 x2 x3 X S s 2 2 L H  2      K l h HOMOTETIA = SEMELHANÇA Prof. Arthur e Rodrigo
  • 63. Matemática ESTATÍSTICA x1  x 2  ...  x n M édia  n Moda : a classe mais frequente Mediana : classe que ocupa a posição central do ROL Prof. Arthur e Rodrigo
  • 64. ENEM Prof. Arthur e Rodrigo
  • 65. ENEM Prof. Arthur e Rodrigo
  • 66. ESCOLHA A ROUPA
  • 67. Ciências humanas e suas tecnologias
  • 68. HISTÓRIA Movimentos sociais CONJURAÇÃO MINEIRA • • • Prof. Edgard INDEPENDÊNCIA REPÚBLICA MANUTENÇÃO DA ESCRAVIDÃO
  • 69. HISTÓRIA Movimentos sociais CONJURAÇÃO BAIANA • INDEPENDÊNCIA • REPÚBLICA • ABOLIÇÃO Prof. Edgard
  • 70. HISTÓRIA Movimentos sociais GUERRA DE CANUDOS • CORONELISMO • MESSIANISMO • EXTERMÍNIO DA POPULAÇÃO Prof. Edgard
  • 71. HISTÓRIA Movimentos sociais REVOLTA DA CHIBATA • MAUS TRATOS • MELHORES SALÁRIOS • REPRESSÃO VIOLENTA Prof. Edgard
  • 72. HISTÓRIA Movimentos sociais CANGAÇO • ROBIN HOOD DO NORDESTE • CORONELISMO • BANDITISMO SOCIAL Prof. Edgard
  • 73. HISTÓRIA Movimentos sociais INTENTONA COMUNISTA • DERRUBADA DE VARGAS • NOVA ORDEM SOCIAL • SEM ADESÃO DO POVO Prof. Edgard
  • 74. HISTÓRIA Movimentos sociais LIGAS CAMPONESAS • REFORMA AGRÁRIA • PODEROSA NO NORDESTE • ESTÁ NO LIVRO QUARUP Prof. Edgard
  • 75. HISTÓRIA Independência da América Espanhola Prof. Miguel
  • 76. HISTÓRIA Prof. Miguel
  • 77. HISTÓRIA Prof. Miguel
  • 78. HISTÓRIA MACHU-PICCHU Prof. Miguel
  • 79. HISTÓRIA Principais Diferenças entre a Colonização da América Portuguesa e Espanhola Portuguesa Espanhola Exploração agrícola Exploração Mineral Mão de obra escrava negra Predominância da Escravidão Indígena População urbana significativa População essencialmente rural Grande Miscigenação Racial Prof. Miguel Miscigenação limitada
  • 80. HISTÓRIA CHAPETTONES CRIOLLOS MESTIÇOS Prof. Miguel
  • 81. HISTÓRIA Movimentos Liberais do Século XVIII Independência dos EUA Prof. Miguel Revolução Francesa
  • 82. HISTÓRIA Europa: 1807 -1808  Expansão Napoleônica  Invasão da Espanha Prof. Miguel
  • 83. HISTÓRIA América: 1808 - 1812 • Saída das tropas espanholas para socorrer a pátria invadida • Revoltas populares fidelidade à Espanha – Cabildos juram • A Inglaterra apoia a independência das colônias em troca da abertura dos mercados aos seus produtos Prof. Miguel
  • 84. HISTÓRIA Consequências:  Dependência econômica para com a Inglaterra  Grande desnível sócio-econômico  Marginalização das populações indígenas e negras  Instabilidade Política Prof. Miguel
  • 85. HISTÓRIA PRIMAVERA NA HISTÓRIA Prof. João
  • 86. HISTÓRIA PRIMAVERA DOS POVOS (1848): LIBERALISMO, TRABALHISMO E SOCIALISMO Prof. João
  • 87. HISTÓRIA PRIMAVERA DE PRAGA (1968) Humanização do socialismo Prof. João
  • 88. HISTÓRIA Prof. Fábio
  • 89. HISTÓRIA Ditaduras na América Latina Prof. Fábio
  • 90. FILOSOFIA/SOCIOLOGIA A ESCOLA DE FRANKFURT Nietzsche, Marx e Freud - Desconstrução Denuncia o irracional que existe na história e na sociedade. Razão Iluminista - necessidade do Estado Razão totalitarista – uso do Estado Prof. Ronaldo
  • 91. FILOSOFIA/SOCIOLOGIA Pensamentos Políticos e Ativismo Não importa o que faremos de nós. O que importa é o que faremos daquilo que fizeram de nós. Jean Paul Sartre O poder do discurso e o discurso do poder. Michel Foucault A cultura é redefinida pela ordem existente - “saber é poder” Hebert Marcuse "A Transformação Estrutural da Esfera Pública" Jürgen Habermas Prof. Ronaldo
  • 92. PRIMAVERA ÁRABE(2010 -?) USO DAS REDES SOCIAIS, PROFUNDAS DESIGUALDADES SOCIAIS... LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO Prof. João
  • 93. À ESPERA DE UMA PRIMAVERA (OU MILAGRE) Prof. João
  • 94. HORÁRIO DE VERÃO 12:00h
  • 95. GEOGRAFIA Prof. Cadu
  • 96. GEOGRAFIA AGRONEGÓCIO • Setor formado por um conjunto de atividades interdependentes, tendo como seu centro a agropecuária. Prof. Cadu
  • 97. GEOGRAFIA O Agronegócio articula os três setores da atividade econômica: Prof. Cadu
  • 98. GEOGRAFIA • O agronegócio reúne as atividades que mais cresceram no início do século 21 no Brasil. Em 2012 o setor gerou em negócios mais de 22% do PIB, com exportações superiores a R$ 100 bilhões. Prof. Cadu
  • 99. GEOGRAFIA • Nas cifras do agronegócio estão incluídas a produção agrícola, extração de madeira, insumos e equipamentos (sementes, fertilizantes, defensivos, máquinas agrícolas...), processamento industrial, transporte e comercialização. Prof. Cadu
  • 100. GEOGRAFIA LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO • Apesar da modernização do sistema produtivo, os sistemas de transporte e de armazenamento constituem graves entraves ao desenvolvimento contínuo. • Pontos frágeis: Prof. Cadu
  • 101. GEOGRAFIA MAPITOBA • Nova fronteira agrícola do país, que envolve principalmente milho, algodão e soja. Integra os estados da MA, PI, TO e BA. Prof. Cadu
  • 102. GEOGRAFIA RECURSOS HÍDRICOS Prof. Ademir
  • 103. GEOGRAFIA Prof. Ademir
  • 104. GEOGRAFIA IMPORTANTE Prof. Ademir
  • 105. GEOGRAFIA HIDROCONFLITOS Prof. Ademir
  • 106. GEOGRAFIA HIDROCONFLITOS Prof. Ademir
  • 107. GEOGRAFIA CONTINENTE ESPELHADO  LATITUDE  CORRENTES MARÍTIMAS Prof. Ademir
  • 108. O que estamos fazendo... Prof. Ademir
  • 109. GEOGRAFIA LIXÕES OCEÂNICOS Prof. Ademir
  • 110. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 111. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 112. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 113. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 114. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 115. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 116. GEOGRAFIA X Prof. Bartilotti
  • 117. GEOGRAFIA Lixão Prof. Bartilotti Líquido percolado (Chorume)
  • 118. GEOGRAFIA Aterro sanitário Prof. Bartilotti
  • 119. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 120. GEOGRAFIA Expectativa de Vida Fertilidade Prof. Bartilotti
  • 121. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 122. GEOGRAFIA Prof. Bartilotti
  • 123. GEOGRAFIA #Diferenciados #Queridões #Danadinhos #UmForteAbraço #DeusNoComando Prof. Bartilotti
  • 124. DEVO LEVAR
  • 125. Matemática e suas tecnologias
  • 126. Matemática ANÁLISE COMBINATÓRIA Prof. Arthur e Denilton
  • 127. Matemática FATORIAL n ! = n.(n-1).(n-2).(n-3).......1 OBS. Prof. Arthur e Denilton 0!=1 1!=1
  • 128. Matemática ARRANJOS SIMPLES SÃO AGRUPAMENTOS DE ELEMENTOS DISTINTOS NOS QUAIS A ORDEM DO ELEMENTOS É IMPORTANTE. An, p n!  (n  p)! Prof. Arthur e Denilton A10,3  10.9.8 A8, 4  8.7.6.5  1680
  • 129. Matemática Dentre os oito diretores de uma empresa, deve ser escolhida uma chapa constituída de um presidente e um vice-presidente. Se x é o número de chapas distintas que podem ser formadas então x é igual a: a) b) c) d) e) 8 28 32 56 336 P V Denilton e Elizeu ou Elizeu e Denilton Prof. Arthur e Denilton A8, 2  8.7  56
  • 130. Matemática COMBINAÇÕES SIMPLES SÃO AGRUPAMENTOS DE ELEMENTOS DISTINTOS NOS QUAIS A ORDEM DOS ELEMENTOS NÃO É IMPORTANTE. Cn , p  An , p p! Prof. Arthur e Denilton C10, 2 A10, 2 10.9    45 2! 2.1
  • 131. Matemática Numa empresa trabalham 7 baianos e 4 pernambucanos. Deseja-se formar um número de comissões com 5 nordestinos. Considerando-se que cada comissão será constituída por 3 baianos e 2 pernambucanos, pode-se afirmar que o número de comissões a se formar é igual a: a) 210 B1 B2 B3 e P1 P2 b) 180 c) 160 7.6.5 4.3 C7,3 .C4, 2  x  210 d) 90 3.2.1 2.1 e) 40 Prof. Arthur e Denilton
  • 132. Matemática PERMUTAÇÃO SIMPLES É UM ARRANJO SIMPLES NO QUAL n = p. An , n  P  n! n PERMUTAÇÃO COM REPETIÇÃO x, y n P Prof. Arthur e Denilton n!  x!. y!
  • 133. Matemática O número de anagramas distintos da palavra sucesso é igual a a) 840 b) 720 c) 600 d) 540 e) 400 s u c e s s o 3 7 P Prof. Arthur e Denilton 7!   840 3!
  • 134. Matemática PROBABILIDADE Prof. Arthur e Denilton
  • 135. Matemática PROBABILIDADE DO EVENTO n( E ) P  n(U ) n(E) : NÚMERO DE ELEMENTOS DO EVENTO n(U) : NÚMERO DE ELEMENTOS DO ESPAÇO AMOSTRAL Prof. Arthur e Denilton
  • 136. Matemática PROBABILIDADE DA UNIÃO DE EVENTOS P( A  B)  P( A)  P(B)  P( A  B) Prof. Arthur e Denilton
  • 137. Matemática Observe a tabela abaixo, na qual consta a distribuição de alunos por sexo e turma de uma determinada série de uma escola. TURMA A TURMA B TURMA C NÚMERO DE MENINOS 17 18 15 NÚMERO DE MENINAS 23 22 25 Sorteando-se um estudante do curso, a probabilidade de ser uma menina ou ser da turma A é de: a) b) c) d) e) 87/120 110/120 97/120 90/120 107/120 P(M  A)  P(M )  P( A)  P(M  A) 70 40 23 87 P( M  A)     120 120 120 120 Prof. Arthur e Denilton
  • 138. Matemática A PROBABILIDADE DOS ALUNOS DO SARTRE COC FAZEREM UMA ÓTIMA PROVA DO ENEM É DE... 100 % UM GRANDE ABRAÇO E BOA PROVA!!!! Prof. Arthur e Denilton
  • 139. TÔ COM SONINHO
  • 140. Ciências da natureza e suas tecnologias
  • 141. Química Prof. Muricy
  • 142. Química Aumento da concentração dos produtos 1N2(g) + 3H2(g) Aumento da concentração dos reagentes Prof. Muricy REAGENTES 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal PRODUTOS
  • 143. Química Aumento da concentração dos produtos 1N2(g) + 3H2(g) Aumento da concentração dos reagentes Prof. Muricy REAGENTES 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal PRODUTOS
  • 144. Química Aumento da concentração dos produtos 1N2(g) + 3H2(g) Aumento da concentração dos reagentes Prof. Muricy REAGENTES 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal PRODUTOS
  • 145. Química Redução da concentração dos produtos 1N2(g) + 3H2(g) Redução da concentração dos reagentes Prof. Muricy PRODUTOS 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal REAGENTES
  • 146. Química Redução da concentração dos produtos 1N2(g) + 3H2(g) Redução da concentração dos reagentes Prof. Muricy PRODUTOS 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal REAGENTES
  • 147. Química Aumento da temperatura 1N2(g) + 3H2(g) Redução da temperatura Prof. Muricy SENTIDO ENDOTÉRMICO 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal SENTIDO EXOTÉRMICO
  • 148. Química Aumento da temperatura SENTIDO ENDOTÉRMICO 1N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal Redução da temperatura SENTIDO EXOTÉRMICO Prof. Muricy
  • 149. Química Aumento da pressão MENOR VOLUME 1N2(g) + 3H2(g) 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal Redução da pressão MAIOR VOLUME Prof. Muricy
  • 150. Química Aumento da pressão 1N2(g) + 3H2(g) Redução da pressão Prof. Muricy MENOR VOLUME 2NH3(g) ∆H = - 46 Kcal MAIOR VOLUME
  • 151. Química Prof. Júlio Xavier
  • 152. Química Oxirredução Oxidação: perda de elétrons REDUTOR Redução: ganho de elétrons OXIDANTE oxidação Prof. Júlio Xavier
  • 153. Química Prof. Júlio Xavier
  • 154. Química Prof. Júlio Xavier
  • 155. Química Dica: Soluções e estequiometria Prof. Júlio Xavier
  • 156. Química Dica: Expressões da concentração Prof. Júlio Xavier
  • 157. Química 4 mL de etanol ------ 100 mL de SOLUÇÃO Prof. Júlio Xavier
  • 158. Química CHUVA ÁCIDA Prof. Fábio
  • 159. Química CHUVA ÁCIDA HNO3 H2SO4 Prof. Fábio
  • 160. Química CHUVA ÁCIDA Prof. Fábio
  • 161. Química CHUVA ÁCIDA Prof. Fábio
  • 162. Química CHUVA ÁCIDA como reduzir Prof. Fábio
  • 163. Química CHUVA ÁCIDA Como reduzir Catalisadores Automotivos Prof. Fábio
  • 164. Química Prof. Fábio
  • 165. Química Clique aqui!!!!!
  • 166. EU SEI CHEGAR?
  • 167. Física Caso Snowden aumenta pressão por lançamento de satélite geoestacionário brasileiro Prof. Ipiaú
  • 168. Física Qual a finalidade de seu lançamento? Proteger e expandir as redes de internet. Segurança militar. Controle de queimadas e fronteiras Quebra da dependência de serviços estrangeiros Prof. Ipiaú
  • 169. Física Órbita Equatorial Porque geoestacionário? Porque o período de TRANSLAÇÃO do satélite coincide com o período de ROTAÇÂO da Terra (24h) Prof. Ipiaú
  • 170. Física Órbita Equatorial Quais as suas principais características? TS (Translação) = TT (Rotação) ωS = ωT. VS > VT Prof. Ipiaú V = ω. R
  • 171. Física Órbita Equatorial No interior do satélite a gravidade é nula? Não, a gravidade que atua no satélite é diferente de zero. Se g = 0 Prof. Ipiaú Fg = 0 Fr = 0 MRU
  • 172. Física Indução eletromagnética – Produção de energia Condição: Promover variação no fluxo magnético (φ).   B  A  cos  Prof. Antônio Marcos
  • 173. Física Prof. Antônio Marcos
  • 174. Física Prof. Antônio Marcos
  • 175. Física TURBOGERADOR DE ENERGIA Prof. Antônio Marcos
  • 176. Física DÍNAMO DE BICICLETA Prof. Antônio Marcos
  • 177. Física Luz no coração pode substituir choques de desfibriladores e marca-passos Prof. Antônio Marcos
  • 178. Física Os dínamos são geradores de energia elétrica utilizados em bicicletas para acender uma pequena lâmpada. Para isso, é necessário que a parte móvel esteja em contato com o pneu da bicicleta e, quando ele entra em movimento, é gerada energia elétrica para acender uma lâmpada. Dentro desse gerador, encontram-se um imã e uma bobina. O princípio de funcionamento desse equipamento é explicado pelo fato de que a: a) A corrente elétrica no circuito fechado gera um campo magnético nessa região. b) Bobina imersa no campo magnético em circuito fechado gera uma corrente elétrica. c) Bobina em atrito com o campo magnético no circuito fechado gera corrente elétrica. d) Corrente elétrica é gerada em um circuito fechado por causa da presença de um campo magnético. e) Corrente elétrica é gerada em um circuito fechado quando há variação do campo magnético. Prof. Antônio Marcos
  • 179. Física Radar quântico anulando tecnologia de aviões invisíveis Fótons emitidos Fótons falsos Fótons refletidos Prof. Moysés
  • 180. Física Uma das razões para o uso de micro-ondas nos radares quânticos ao invés de ondas ultrassônicas seria que a) As micro-ondas são sempre mais velozes do que as ondas ultrassônicas. b) As micro-ondas se propagam no ar com velocidade superior a qualquer aeronave. c) Apesar de ambas sofrerem polarização, as micro-ondas têm maior poder de alcance. d) As ondas ultrassônicas poderiam produzir ecos indesejáveis no processo de detecção. e) As ondas ultrassônicas poderiam sofrer difração ao invés de se reflexão ao atingir o alvo Prof. Moysés
  • 181. Física Pixel inteligente abre caminho para TVs 3D holográficas 4.096 antenas de luz dentro de um chip que mede 0,5 x 0,5 milímetro. Prof. Moysés Controlando independentemente cada antena, torna-se possível fazer com que as ondas individuais se reforcem ou se cancelem, efetivamente movimentando a luz como se fosse um projetor. Por assim dizer, um "pixel inteligente", capaz de produzir padrões de luz complexos, variáveis e móveis.
  • 182. Física A tecnologia que permite formação das imagens holográficas citadas se fundamenta: a) Na polarização da luz produzida nas antenas. b) Na ressonância produzida nas antenas. c) Nas variações do fluxo magnético através das antenas. d) No efeito Doppler produzido devido à movimentação das antenas. e) Nas interferências construtivas e destrutivas produzidas pelas antenas. Prof. Moysés
  • 183. CONTRATEMPOS
  • 184. BIOLOGIA DNA “A vida é mais do que a mera expressão de um programa genético escrito na química do DNA” Profª Cristina
  • 185. BIOLOGIA Meselson e Stahl (1958) ENEM- 2011 DICA: A replicação é semiconservativa, isto é, as fitas filhas consistem de uma parental e uma recém-sintetizada. Profª Cristina
  • 186. BIOLOGIA Modelo de transmissão da informação genética nos sistemas biológicos. 1 DNA DNA 2 3 RNAm 4 PROTEINAS “a”, “ b”, “ c” ENEM-2009 DICA: ••• ÉO DNA não informação genética, participar Opossível obter diferentes variantes fluxo de é a única molécula a nos proteicas a proteica um mesmo produto de da síntesebiológicos, não é unidirecional. sistemas partir de transcrição. Profª Cristina
  • 187. BIOLOGIA Processos biológicos relacionados com a modificação da expressão do gene. 1) Mutações cromossômicas • Aneuploidias - Alteração parcial do número de cromossomos (2n + 1) (2n + 2) • Euploidias - Alteração total do conjunto haplóide (3n, 4n) Profª Cristina
  • 188. BIOLOGIA Processos biológicos relacionados com a modificação da expressão do gene. 2) Mutações gênica - Substituição, deleção, adição Pareamento de bases alterado Profª Cristina
  • 189. BIOLOGIA Processos biológicos relacionados com a modificação da expressão do gene. 3) Epigenética - Mudanças na atividade dos genes sem alterações na sequência do DNA. Profª Cristina
  • 190. BIOLOGIA DICAS: • O principal mecanismo epigenético é a metilação do DNA. • A metilação pode promover o silenciamento do GENE. • A epigenética está intimamente relacionada com o aumento de variabilidade fenotípica. Profª Cristina
  • 191. BIOLOGIA Imunização Ativa Passiva Prof Bira Cabral
  • 192. BIOLOGIA a) Ativa – O organismos fabrica anticorpos • Vacina - Introdução de antígenos • Criação de memória imune • Profilática • Longa duração Prof Bira Cabral Natural ou artificial
  • 193. BIOLOGIA Vacina contra Poliomielite Vacina Sabin Vírus atenuado Prof Bira Cabral Vacina Salk Vírus inativado
  • 194. BIOLOGIA Vacina contra esquistossomose Dra. Miriam Tendler Prof Bira Cabral
  • 195. BIOLOGIA b) Passiva – O organismo recebe anticorpos prontos • Soro – introdução de anticorpos • Sem memória imunológica • Curativa • Curta duração Prof Bira Cabral Natural ou artificial
  • 196. BIOLOGIA Resposta Anticorpo secundária Resposta primária 1º contato Prof Bira Cabral 2º contato Tempo
  • 197. BIOLOGIA DICA 01 Fluxo de energia é unidirecional A energia é consumida, dissipada e transferida Ecossistema Fluxo de matéria é cíclico A matéria cicla Prof. Emanuel
  • 198. BIOLOGIA Mediados por proteínas Transporte ativo Difusão facilitada DICA 02 Matriz lipídica Difusão simples Moléculas pequenas Apolares Sem carga Prof. Emanuel
  • 199. BIOLOGIA Uso e desuso Herança adquirida Seleção natural Prof. Emanuel DICA 03
  • 200. BIOLOGIA DICA 04 Reino Monera Seres estruturalmente simples e com alta diversidade metabólica Reino Monera Prof. Emanuel
  • 201. BIOLOGIA Impulso nervoso unidirecional Dendrito Prof. Emanuel Pericário Axônio DICA 05
  • 202. BIOLOGIA Sinapse Química Com neurotransmissor Pro.f Emanuel DICA 06 Sinapse Elétrica Sem neurotransmissor
  • 203. BIOLOGIA Prof Emanuel
  • 204. Sucesso no ENEM
  • 205. BOA PROVA!!!