Hidrografia Brasileira

1,915 views

Published on

Bacias hidrográficas brasileira e suas características.

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,915
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
74
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • O Aquífero Guarani consiste primariamente de sedimentos arenosos que, depositados por processos eólicos durante o período Triássico (há aproximadamente 220 milhões de anos), foram retrabalhados pela ação química da água e pela temperatura e pela pressão e se transformaram em uma rocha sedimentar chamada arenito . Essa rocha é muito permeável e assim permite a acumulação de água no seu interior. Mais de 90% da área total do aquífero é recoberta por extrusões de basalto , rocha ígnea e de baixa permeabilidade, depositada durante o período Cretácio na fase do vulcanismo fissural .
  • Hidrografia Brasileira

    1. 1. Professor Elves Geografia www.professorelves.webnode.com.br Hidrografia
    2. 2. Ciclo da água.
    3. 3. Disponibilidade de água no mundo
    4. 4. Disponibilidade de água no mundo
    5. 5. Consumo de água no mundo
    6. 6. Dia Mundial da Água <ul><li>Declaração Universal dos Direitos da Água </li></ul><ul><li>Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.  Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.  Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.  Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.  Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.  Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.  Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.  Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.  Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.  Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.  </li></ul>
    7. 7. Correntes Marítimas
    8. 8. Relevo Submarino
    9. 9. HIDROGRAFIA MUNDIAL <ul><li>AMÉRICA DO NORTE – Mississipi – Missouri e São Lourenço </li></ul><ul><li>AMÉRICA DO SUL – Amazônia e Platina </li></ul><ul><li>ÁFRICA – Nilo, Congo e Níger </li></ul><ul><li>EUROPA – Volga, Danúbio, Reno, Tejo </li></ul><ul><li>ÁSIA – Ganges, Indo, Yang-tse-kiang </li></ul>
    10. 10. HIDROGRAFIA BRASILEIRA <ul><li>Ricos em rios e pobreza em lagos </li></ul><ul><li>Predomínio de rios perenes, planálticos e de drenagem exorréica </li></ul><ul><li>Regime dos rios – Pluvial (exceção: Rio Amazonas – Regime plúvio-nival) </li></ul><ul><li>Predomínio de rios com foz em estuário </li></ul>
    11. 11. Foz de Estuário <ul><li>Caracterizada pela presença de apenas um canal que faz a ligação com o oceanos </li></ul>
    12. 12. Foz em Delta <ul><li>A foz em delta possui diversos canais de ligação com o oceano. </li></ul>
    13. 13. Os rios <ul><li>Quanto à idade, os rios podem ser: </li></ul><ul><li>novos- mais encachoeirados, produzem forte erosão em seu leito, e suas nascente ficam em locais altos; </li></ul><ul><li>Intermediários - tem um traçado mais plano, velocidade das águas constantes e todos os sedimentos retirados de sue leito são distribuídos ao longo de seu curso; </li></ul><ul><li>Senis - após o trabalho de sedimentação, o traçado das águas vai sendo definido, formando meandros. </li></ul>
    14. 14. Os rios podem apresentar os seguintes tipos de drenagem: <ul><li>Endorreica- quando o rio corre para um lago fechado, geralmente localizado no interior do continente; </li></ul><ul><li>Ex: Negro, o Purus, o Iguaçu, o Tietê. </li></ul><ul><li>Exorreica- quando o rio corre diretamente para o mar; </li></ul><ul><li>Arreica- quando o rio termina numa vala ou se dirige para camadas subterrâneas </li></ul>
    15. 15. Quanto à temporalidade, os rios podem ser: <ul><li>Intermitentes - ficam reduzidos a um pequeno volume de água; em muitos casos, o leito chega a secar; </li></ul><ul><li>Perenes - sofrem alterações apenas no volume, jamais atingem situações de extrema diminuição das águas; portanto, correm o ano todo. </li></ul>
    16. 16. Curso de um rio
    17. 17. Divisor de água Leito maior Leito maior
    18. 18. Hidrografia Brasileira
    19. 19. Águas subterrâneas

    ×