Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Tardif o trabalho docente resumido (1)

  • 16,259 views
Published

Tardif O trabalho docente

Tardif O trabalho docente

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
16,259
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9

Actions

Shares
Downloads
407
Comments
0
Likes
7

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Maurice TARDIF e Claude LESSARD Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes, 2005.
  • 2. Docência = compreendida como uma atividade em que o trabalhador se dedica ao seu "objeto" de trabalho, que é justamente um outro ser humano, no modo fundamental da interação humana. Abordagem da docência como um trabalho interativo
  • 3. O trabalho docente hoje: elementos para um quadro de análise • Representações que se tem do Ensino:  Ensino = é visto como uma ocupação secundária ou periférica em relação ao trabalho material e produtivo.  Docência e seus agentes = ficam subordinados à esfera da produção sua missão primeira é preparar os filhos dos trabalhadores para o mercado de trabalho manutenção e desenvolvimento do capitalismo agentes de reprodução sociocultural.  O tempo de aprender não tem valor por si mesmo = é uma preparação para o trabalho produtivo.
  • 4. Qual é o lugar da docência e qual o significado do trabalho dos professores em relação a esses postulados e ao ethos (usos e costumes de um grupo) que eles impõem? Longe de ser uma ocupação secundária ou periférica em relação à hegemonia do trabalho material, o trabalho docente constitui uma das chaves para a compreensão das transformações atuais das sociedades do trabalho. Todos os profissionais devem necessariamente ser instruídos antes de ser o que são e para poderem fazer o que fazem
  • 5. Quatro constatações dessa tese: Primeira constatação: há cinquenta anos, a categoria dos trabalhadores produtores de bens materiais está em queda livre em todas as sociedades modernas avançadas. Segunda constatação: na sociedade dos serviços, grupos de profissionais, cientistas e técnicos ocupam progressivamente posições importantes e dominantes em relação aos produtores de bens materiais = sociedade da informação ou do conhecimento Adaptada a uma nova economia, estaria surgindo progressivamente a "sociedade cognitiva" .
  • 6. Terceira constatação: o crescimento das profissões está ligado ao crescimento dos conhecimentos formais, das informações abstratas e das tecnologias, que exigem uma formação longa e de alto nível. Quarta constatação: crescente status de que gozam os ofícios e profissões que têm seres humanos como "objeto de trabalho". Estas ocupações se referem ao trabalho interativo = relação entre um trabalhador e um ser humano que se utiliza de seus serviços.
  • 7. Qual o lugar da docência entre essas transformações? • Estudo da docência = análise do trabalho dos professores e do trabalho escolar. 1.A escola e o ensino têm sido historicamente invadidos por modelos de gestão e de execução do trabalho oriundos diretamente do contexto industrial e de outras organizações econômicas hegemônicas = controle burocrático, tarefas e conteúdos prescritivos, controle do tempo (horas/aula) 2. Impossível compreender o que os professores realmente fazem sem elucidar os modelos de gestão e de realização de seu trabalho = modelos heterogêneos ou contraditórios orientando a organização do seu trabalho na escola.
  • 8. 3. Necessário ligar a profissionalização do ensino ao trabalho docente = profissional docente – possui autoridade sobre a execução de tarefas e conhecimentos para sua realização. • Ensinar é trabalhar com seres humanos, sobre seres humanos, para seres humanos. • A docência é um trabalho cujo objeto não é constituído de matéria inerte ou de símbolos (números, conceitos, palavras), mas de relações humanas com pessoas capazes de iniciativa e dotados de capacidade de resistir ou de participar da ação dos professores.
  • 9. Como analisar o trabalho dos professores? • Como qualquer trabalho humano. • A docência carrega um peso de normatividade, de saberes, técnicas, objetivos, um objeto, resultados, um processo... • Primeiro passo para analisar o trabalho dos professores:  fazer uma crítica as visões normativas e moralizantes da docência = se interessam pelo que os professores deveriam ou não fazer, deixando de lado o que eles realmente são e fazem  Durante muito tempo, ensinar foi sinônimo de obedecer e de fazer obedecer Como superar os pontos de vista moralizantes e normativos sobre a docência? • Privilegiando mais o estudo do que os docentes fazem e não tanto prescrições a respeito do que deveriam ou não fazer.
  • 10. • Existem diferentes maneiras de descrever e compreender o trabalho docente: • Docência como trabalho codificado = atividades regidas por procedimentos metódicos. • Docência como trabalho flexível = comporta diversos elementos "informais", indeterminados, incertezas, imprevistos. Qual das duas imagens de docência é válida? • O trabalho dos professores possui aspectos formais e informais. • Trata-se ao mesmo tempo de um trabalho flexível e codificado, controlado e autônomo = trabalho heterogêneo
  • 11. Nunca se pode controlar perfeitamente uma classe na medida em que a interação em andamento com os alunos é portadora de acontecimentos e intenções que surgem da atividade dela mesma.
  • 12. • O trabalho docente pode ser analisado, como todo trabalho humano socializado, em função de 3 dimensões: • Trabalho como atividade = ensinar é agir na classe e na escola em função da aprendizagem e da socialização dos alunos, atuando sobre sua capacidade de aprender, para educá-los com a ajuda de programas, métodos, livros, normas etc. • Trabalho como status = remete à questão da identidade do professor tanto na escola quanto na organização social • Trabalho docente como experiência = professor experiente para saber lidar com as situações de sala de aula e quanto suas competências profissionais.
  • 13. A escola como organização do trabalho docente • A docência se realiza numa escola = lugar organizado, espacial e socialmente separado dos outros espaços da vida social cotidiana. • A escola possui características organizacionais e sociais que influenciam o trabalho dos agentes escolares : a) Como lugar de trabalho = ela não é apenas um espaço físico, mas também um espaço social que define como o trabalho dos professores é repartido e realizado, como é planejado, supervisionado, remunerado e visto por outros. b) Esse lugar também é produto de convenções sociais e históricas que se traduzem em rotinas organizacionais relativamente estáveis através do tempo.
  • 14. c) Os objetivos do trabalho da escola são simbólicos e materialmente intangíveis = tratam de concepções socioculturais da criança, do adolescente e do adulto = como eles devem ser, fazer e saber enquanto membros educados (socializados e moralizados) e instruídos de uma determinada sociedade. d) Necessário considerar outras categorias de funcionários = sua relação entre si e com os professores. e) Levar em conta o surgimento das estruturas burocráticas e de instâncias ou poderes internos e externos à escola que, de um modo ou de outro, controlam o trabalho docente ou interferem sobre ele.
  • 15. Fins gerais e ambiciosos = promover uma nova ética social, formar cidadãos esclarecidos, melhorar o destino das classes trabalhadoras Fins heterogêneos e contraditórios = assegurar o bem estar de todos e garantir o respeito às diferenças, favorecer o sucesso da maioria dos alunos, valorizando, ao mesmo tempo, os alunos mais dotados, funcionar segundo o princípio da igualdade, mas estimula a competição.
  • 16. Século XX  entrada massiva de alunos na organização escolar  necessidade do sistema escolar oferecer serviços cada vez mais diversificados a uma clientela cada vez mais diferenciada  escolas maiores e necessidade de grande investimento financeiro e mão-de-obra nas escolas  aumento do número de professores e de problemas de coordenação do aparelho escolar  entrada de especialistas no sistema educativo (pedagogos, psicólogos, avaliadores)  ambiente escolar dinâmico e maleável no plano organizacional  relações marcadas por colaborações recíprocas e por conflitos e negociações sobre a própria intervenção e sobre a gestão do trabalho escolar
  • 17. Da classe ao sistema escolar • Ensinar é trabalhar em um ambiente organizacional fortemente controlado, saturado de normas e regras e, ao mesmo tempo, agir em função de uma autonomia importante e necessária (na sala de aula) para a realização dos objetivos da própria escola. • Professor = posição de “executante autônomo” dentro da organização escolar
  • 18. A carga de trabalho dos professores - fatores a considerar: 1. Carga de trabalho • local de trabalho e recursos materiais disponíveis ou não; • localização da escola, situação socioeconômica dos alunos, violência; • tamanho das turmas, diversidade da clientela, presença de alunos com necessidades especiais etc.; • tempo de trabalho, número de matérias a dar, vínculo empregatício, outras tarefas além do ensino – tutoria, supervisão; • observância do horário, avaliação dos alunos, atendimento aos pais, reuniões; • tempo de profissão, experiência, dupla jornada das professoras – escola e casa
  • 19. 2. Componentes da tarefa dos professores • Aulas em classe com presença de alunos • Tarefas diversificadas – recuperação, atividades paraescolares, tutoria, conselheiro pedagógico, supervisor de estágios etc. • Tarefas escolares fora das horas normais de trabalho = preparação das aulas, deveres de casa, preparação de provas e correção, atualizar-se em filmes, programas televisivos • Avaliação dos alunos • Aperfeiçoamento profissional
  • 20. 3. A relação dos professores com os alunos revela-se: • mais complexa que antigamente = o mundo dos jovens muda mais depressa que a escola, os alunos estão mais pragmáticos e utilitaristas (conhecimentos mais funcionais) • variada e comporta tensões = falta de respeito pelas pessoas e materiais, indisciplina, falta de motivação, dificuldades de concentração • determinada por fatores ambientais = pobreza, violência, origem étnica etc. • comporta dilemas importantes = investimento emocional, equidade do tratamento que devem garantir a todos os alunos, apesar das diferenças individuais, sociais e culturais
  • 21. Os trabalhos e os dias • Quando se estuda as jornadas de trabalho dos professores: todos os eventos cotidianos estão encaixados em ritmos e atividades relativamente uniformes. • Todos os alunos conhecem perfeitamente o ciclo cotidiano e repetitivo do trabalho escolar, com suas alternâncias de aulas e pausas. • Com o tempo, todas as aulas, todos os recreios, todos os professores acabam ficando parecidos e se confundindo.
  • 22. • Docência = atividade estruturada e orientada para objetivos no contexto de um trabalho relativamente planejado no seio de uma organização escolar burocrática. • Trabalho dos professores = obriga a encarar dilemas fundamentais: seguir um programa padronizado e coletivo ou considerar as diferenças entre os alunos. • O essencial da atividade profissional docente = consiste em entrar numa classe e deslanchar um programa de interações com os alunos Ensinar é essencialmente um trabalho interativo.
  • 23. Os fins do trabalho docente • Trabalho docente - do ponto de vista de seus resultados ou de seu produto - tem um alcance relativamente indeterminado:  nenhum professor é responsável sozinho pela educação de um aluno;  é um trabalho coletivo de longa duração; • é difícil ou até impossível precisar claramente se o objetivo do trabalho foi mesmo realizado. (ex: socialização dos alunos)
  • 24. • Objetivos curriculares/ programas escolares:  pertencem ao mandato do professor;  impõem certas ideologias, pois veiculam bem ou mal, valores pedagógicos, culturais, intelectuais, sociais;  permitem aos professores organizarem sua ação – objetivos, expectativas, sequências, cronologias etc.;  unificam a ação coletiva dos professores;  contribuem para homogeneizar as práticas escolares;  servem para avaliar e comparar os conhecimentos escolares transmitidos aos alunos;  dependem da experiência dos professores.
  • 25. • Os objetivos e programas escolares se transformam e se modelam a partir das escolhas de ensino e das estratégias pedagógicas feitas pelos professores. • Três situações são importantes: o planejamento do ensino, o ensino propriamente dito a avaliação do ensino.
  • 26. Planejamento de O trabalho ensino curricular em classe - curto, médio e - a maneira de longo prazo; transmitir a - ajustado matéria, durante o - manter o processo interesse, - ajustar a matéria para a compreensão dos alunos, - gestar o tempo Avaliação - das aprendizagens - das ações de ensino
  • 27. Os fundamentos interativos da docência • Interatividade = principal objeto do trabalho do professor. • Exemplos de interação cotidianas em sala de aula:  Comportamentos perturbadores do grupo e reações da professora;  Interações entre o professor e o grupo: instruções coletivas, esclarecimentos sobre tarefas ;  Atividade central da aula = fazer um exercício de matemática;  Interações entre o professor e os alunos no contexto da tarefa coletiva: correções de exercícios, instruções sobre a tarefa, avaliação, reforço.
  • 28. • A interatividade do trabalho docente não se limita a ações físicas e comportamentos observáveis. • Há também a dimensão comunicativa das interações, que opera em três planos: a) Interpretação = o professor interpreta o que acontece em sala de aula (movimentos dos alunos, suas reações, seus progressos, suas motivações) b) Imposição = o professor impõe à classe regras, conhecimentos, significações – ele é superior aos alunos c) Comunicação = o professor comunica alguma coisa aos alunos, os alunos comunicam-se com o professor e entre si. Elemento essencial do trabalho docente e tensão central deste ofício: lidar com coletividades atingindo os indivíduos que as compõem.
  • 29. • Os professores utilizam, no dia a dia de suas atividades, conhecimentos práticos tirados das suas vivências, saberes do senso comum, competências sociais. • Os conhecimentos provenientes das ciências da educação e das instituições de formação de mestres não têm poder de dar aos professores respostas simples e claras sobre o "como fazer". • Entram em cena as tecnologias do ensino = correspondem às tecnologias da interação graças às quais um professor pode chegar a seus fins nas atividades com os alunos.
  • 30. • Tecnologia do Ensino = são os meios utilizados pelo professor para atingir seus objetivos em suas interações com os alunos. • Pode-se identificar três grandes tecnologias da interação: a coerção, a autoridade e a persuasão. • Elas permitem ao professor impor seu programa de ações em detrimento das ações desencadeadas pelos alunos, contrárias a esse programa.
  • 31. Coerção • Reside em condutas punitivas reais e simbólicas desenvolvidas pelos professores na interação com os alunos em sala de aula. • Uma olhada ameaçadora, uma cara feia, insultos, ironia, apontar o dedo etc. • A coerção reside também nos procedimentos desenvolvidos pelas instituições escolares para controlar as clientelas: exclusão, estigmatização, isolamento, seleção, suspensão etc. • Se existe educação sem coerção física, não existe, pelo contrário, educação sem exigência e coerção simbólica. • Coerção simbólica = o desprezo, a reticência ou a recusa de considerar alguns alunos como sendo capazes de aprender, a vontade de excluir alguns, considerados como nocivos, a resignação ou a falta de atenção, voluntária ou não, em relação a alunos "lentos", o racismo etc.
  • 32. Autoridade • Autoridade tradicional = ligada tanto ao estatuto de adulto do professor em relação às crianças e aos jovens quanto ao seu estatuto de “mestre'', conferido a ele pela escola. • Autoridade carismática = capacidades subjetivas do professor para suscitar a adesão dos alunos à sua "personalidade" profissional como meio utilizado na ação. • Autoridade racional-legal = regulamento da organização escolar e da classe. • A autoridade reside no respeito que o professor é capaz de impor sem coerção aos alunos.
  • 33. Persuasão • É a arte de convencer o outro a fazer alguma coisa ou a acreditar em alguma coisa. • Ela se apoia em todos os recursos teóricos da linguagem falada - promessas, convicção, dramatização etc. • As crianças e os adolescentes são seres de paixões suscetíveis de se deixarem impressionar, adular, dobrar, convencer . • Sua importância se deve ao fato de o meio linguístico ser o vetor principal da interação entre professores e alunos. • Ensinar é agir falando.
  • 34. • A coerção, a autoridade e a persuasão = lembram que a docência assemelha-se à atividade política ou social, que lida com a presença de seres humanos. • Ele mobilizará durante seu exercício um amplo espectro de saberes, recursos e habilidades que cobre várias modalidades de interação humana: afetiva, normativa, instrumental etc. • Dimensão ética do trabalho docente = fundamentada no respeito aos alunos e no cuidado constante de favorecer seu aprendizado.
  • 35. Conclusão Docência: •trabalho humano sobre seres humanos; •trabalho interativo – o trabalhador se relaciona com seu objeto de trabalho de maneira interativa; • constitui uma atividade social fundamental no âmbito das sociedades modernas. •Três dimensões solidárias do trabalho docente: a atividade, o status, a experiência.
  • 36. A atividade docente A docência na organização do trabalho escolar: •Plano de trabalho = fonte de tensões e de dilemas internos à atividade de ensino •Célula-classe = dispositivo relativamente estável ao longo do tempo e espaço; •Classe = define uma atividade autônoma, solitária, separada da comunidade de trabalho; •Tarefas incontornáveis na classe= assegurar a ordem, trabalhar na forma da visibilidade diante dos grupos, lidar com o coletivo de alunos atingindo, ao mesmo tempo, os indivíduos; •Dentro da classe = predomina o elemento humano e a interação com os alunos •As interações acontecem em um ambiente social já ordenado e regulado •Classe = é, ao mesmo tempo, uma ordem social dada através dos controles institucionais e uma ordem construída nas interações entre professores e alunos;
  • 37. A docência na organização do trabalho escolar: •Organização do trabalho docente = é um dispositivo espacial (classe), mas também temporal ( rege o tempo de trabalho) e social ( formas de colaboração na coletividade de trabalho dos estabelecimentos); •Trabalho interativo em classe e os alunos = são centrais, as demais atividades e elementos que compõem a tarefa docente são periféricos; •Relações com os demais colegas professores – colaboração acaba no limite da sala de aula; •Trabalho em classe = leva marcas da organização escolar: o professor trabalha em função dos programas e das finalidades escolares, persegue objetivos heterogêneos e ambíguos, o trabalho se rege pelo tempo, ritmos e rotinas escolares; •Diferentes grupos atuam e trabalham na organização escolar = relações complexas entre os atores; •Trabalho docente = se confronta com dilemas e pressões do ambiente escolar: trabalho solitário e trabalho coletivo, autonomia na classe e controle na escola, tarefa prescrita e tarefa real, currículo formal e currículo real, educação e instrução dos alunos.
  • 38. Docência e seu processo interacional de realização •As relações dos professores com os alunos se desdobram em diversas modalidades – de relações afetivas a relações de poder; •Interações significativas são mediatizadas pela linguagem; •O trabalho curricular do professor = processo de negociação e de ajustamento entre os programas e a realidade cotidiana do ensino em classe.
  • 39. O status •Compreende a identidade dos professores como modelada por múltiplas interações com os outros atores educativos e com os alunos; •Fragilização do status docente = revela-se pela multiplicidade de atores escolares que assumem missões e papéis tradicionalmente atribuídos ao professor.
  • 40. A experiência •Experiência:  remete a um sujeito ativo, que aprende fazendo, também se caracteriza pelo fenômeno da rotinização ( experiência garante as mesmas ações, respostas e soluções no cotidiano da sala de aula) •Experiência do trabalho docente = é multidimensional e cobre diversos aspectos (domínio, identidade, personalidade, conhecimento, crítica etc.); •Não se reduz a uma simples sobreposição linear de receitas e conhecimentos práticos adquiridos com o tempo.