prova

  • 2,730 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,730
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7

Actions

Shares
Downloads
19
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CONCURSO PÚBLICO 6. PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Diretor de Escola INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS, ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES OBJETIVAS E O CADERNO DA PROVA DISSERTATIVA. CONFIRA SEU NOME E NÚMERO DE INSCRIÇÃO NAS CAPAS DOS CADERNOS. LEIA CUIDADOSAMENTE AS QUESTÕES E ESCOLHA A RESPOSTA QUE VOCÊ CONSIDERA CORRETA. MARQUE NA TIRA A ALTERNATIVA QUE JULGAR CERTA E TRANSCREVA-A PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE TINTA AZUL OU PRETA. A DURAÇÃO DAS PROVAS É DE 4 HORAS. A SAÍDA DO CANDIDATO DO PRÉDIO SERÁ PERMITIDA APÓS TRANSCORRIDA 1 HORA DO INÍCIO DA PROVA. O CANDIDATO SOMENTE PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES APÓS DECORRIDAS 2 HORAS DO SEU INÍCIO. AO TERMINAR AS PROVAS, VOCÊ ENTREGARÁ AO FISCAL A FOLHA DE RESPOSTAS E O CADERNO DA PROVA DISSERTATIVA. AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. 01.06.2008 manhã www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 2. 2PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 3. 3 PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã CONHECIMENTOS GERAIS LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto para responder às questões de números 01 a 10. Princípios e valores Uma mãe quer saber se deve ou não permitir que sua filha, de nove anos, viaje com a família de uma colega num fim de sema- na. Ela diz que a garota nunca fez isso antes e que ela considera precoce esse passeio mais longo sem a família, mas que está em dúvida porque muitas crianças da mesma idade já fazem isso. Um pai diz que o filho de 15 anos leva a namorada para dormir em casa e que ele fica constrangido com a situação, mas acredita que, se impedir, vai se afastar do filho. Finalmente, um outro leitor afirma que quer ensinar valores aos filhos, mas, ao mesmo tempo, considerando o clima competitivo de nosso tempo, quer saber como ensinar que há momentos em que é preciso abrir mão desses valores para não ser ingênuo. O mundo contemporâneo tornou a educação uma tarefa muito mais complexa. Até o final da década de 50, a maioria não enfrentava questões como as citadas e tampouco tinha de tomar diariamente decisões sobre o tipo de educação a praticar com os filhos. A educação era uma só, os rumos faziam parte de um grande consenso social e assim caminhavam os pais, sem grandes conflitos. Vale dizer que pais e filhos sofriam muito mais, já que eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum. Hoje, os pais ganharam a liberdade da escolha sobre como educar seus filhos e, por outro lado, assumiram também uma responsabilidade muito maior por eles. Afinal, cada escolha feita produz efeitos significativos na vida dos filhos, já que estes estão em formação. Vale refletir a respeito das dúvidas dos pais. À primeira vista, todas parecem questões práticas sobre como agir. Mas cada uma delas guarda em si conteúdos bem mais amplos, que tratam de moral, ética, conceito de infância, limites entre privacidade e convívio social e relação entre pais e filhos. E talvez esse seja o nó da questão da educação contemporânea que os pais podem desatar ou, ao menos, afrouxar: ao educar os filhos, precisam ter clareza de alguns princípios dos quais não abrem mão e, a partir desse norte, tomar as decisões sem se im- portar tanto com as decisões dos outros pais. Afinal, já que temos a oportunidade hoje de ter a riqueza da diversidade em educação, há que se aprender a conviver com ela, não? “O que quero ensinar aos meus filhos, priorizar na educação deles?” Essa é a questão que os pais devem se fazer quando enfrentam situações que demandam decisões. Afinal: de festas, namoros, aprendizados diversos etc. eles terão muitas chances para desfrutar, mas da educação familiar, só enquanto estiverem sob a tutela dos pais. E esse tempo é curto, acreditem. (www.blogdaroselysayao.blog.uol.com.br/, 27.03.2008. Adaptado) 01. De acordo com o texto, as dúvidas que os pais têm em relação à forma como educar os filhos (A) não se justificam na sociedade atual, que prescreve, implicitamente, uma educação homogênea a todos. (B) não devem ser tomadas como relevantes, uma vez que as crianças e os jovens modernos são iguais aos de tempos passados. (C) revelam a imaturidade dos pais modernos que, não sabendo aproveitar a liberdade, limitam-se às próprias opiniões. (D) ganham relevância à medida que se torna mais importante a opinião alheia na educação das crianças e dos jovens. (E) são consideradas legítimas, já que a educação hoje ga- nhou uma complexidade não vivida em outros tempos. 02. Pode-se afirmar que, na sociedade moderna, os pais (A) têm mais liberdade de escolha quanto à forma de educar os filhos e, ao mesmo tempo, mais responsabilidade por eles. (B) têm menos liberdade de escolha quanto à forma de educar os filhos e, ao mesmo tempo, menos responsabilidade por eles. (C) têm mais liberdade de escolha quanto à forma de educar os filhos e, ao mesmo tempo, menos responsabilidade por eles. (D) têmmenosliberdadedeescolhaquantoàformadeeducaros filhos e, ao mesmo tempo, mais responsabilidade por eles. (E) têm mais liberdade de escolha quanto à forma de educar os filhos e, paradoxalmente, nenhuma responsabilidade por eles. 03. Os exemplos dos dois parágrafos iniciais do texto apresentam situações (A) vivenciadas antes da década de 50. (B) comuns desde a década de 50. (C) raras nas famílias modernas. (D) inusitadas para os pais modernos. (E) combatida pelos pais e por seus filhos. 04. Quanto à educação, os exemplos apresentados nos dois pri- meiros parágrafos mostram que os pais estão (A) confiantes, principalmente por saberem que hoje é mais fácil educar do que em outros tempos. (B) receosos, já que hoje os filhos vivem mais preocupados com os amigos do que com a família. (C) decididos, sabendo qual conjunto de valores éticos e morais é imprescindível aos filhos. (D) desnorteados, pois reconhecem que a educação caminha como no final da década de 50. (E) confusos, sobretudo por se sentirem pressionados pelas decisões alheias. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 4. 4PMRP0703/06-DiretorEscola_manhã 05. A conclusão do texto deixa claro que (A) os pais não devem se questionar sobre a educação dada aos filhos. (B) os filhos devem aproveitar a diversão e, depois, a família. (C) os pais devem priorizar uma boa educação familiar a seus filhos. (D) os filhos devem ser livres e definir seus caminhos na vida. (E) o tempo dos filhos com os pais é curto para uma boa educação. 06. Em – ... só enquanto estiverem sob a tutela dos pais. – o sinônimo de tutela é (A) proteção. (B) cautela. (C) orientação. (D) companhia. (E) observação. 07. Analise as afirmações. I. Em – ... porque muitas crianças da mesma idade já fazem isso. – o pronome isso refere-se a passeio mais longo sem a família. (1.º parágrafo) II. Em – ... ele fica constrangido com a situação... – o pro- nome ele refere-se a filho. (2.º parágrafo) III. Afrase – “O que quero ensinar aos meus filhos, priorizar na educação deles?” – pode ser reescrita, com emprego correto de pronome, da seguinte forma – O que quero priorizar na educação dos meus filhos, ensinar-lhes? (último parágrafo) Está correto o que se afirma em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 08. Vale dizer que pais e filhos sofriam muito mais, já que eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum. Assinale a alternativa em que se reescreve corretamente a frase, respeitando seus sentidos e adequando a pontuação. (A) Vale dizer. Eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum, mas pais e filhos sofriam muito. (B) Vale dizer: como eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum, pais e filhos sofriam muito. (C) Vale dizer? Eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum e pais e filhos sofriam muito. (D) Vale dizer – conforme fossem tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum, pais e filhos sofriam muito. (E) Vale dizer, como eram tão diferentes e tinham de se ajustar a um rumo comum, portanto, pais e filhos sofriam muito. 09. Na frase — À primeira vista, todas parecem questões práticas sobre como agir. — o sentido da preposição sobre é o mesmo que se verifica em: (A) Durante a discussão, o cliente, com ira, avançou sobre o advogado. (B) Sobre sua cabeça estava uma maçã, que seria partida por uma flecha. (C) Deitado sobre a relva, o jovem casal enamorado obser- vava o pôr-do-sol. (D) Não discutiam muito aquele assunto, pois ela sabia pouco sobre ele. (E) Sobre a mesa, com tinta ainda fresca, estava aquela triste carta de despedida. 10. Considere as frases reescritas a partir de frases do texto. I. Um pai acredita de que é preciso ensinar aos filhos que existe certos momentos que é preciso abrir mão de deter- minados valores. II. Uma mãe tem dúvida que os passeios de sua filha sem a família possa acontecer no momento adequado. III. Até o final da década de 50, a maioria das famílias não enfrentava questões como as citadas nem tinha de tomar bastantes decisões sobre a educação dos filhos. Quanto à concordância e à regência, está correto o contido em (A) II, apenas. (B) III, apenas. (C) I e II, apenas. (D) I e III, apenas. (E) I, II e III. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. Segundo Cortella, a percepção que o educador tem de seu trabalho pedagógico depende da concepção que adota sobre a relação entre a sociedade e a escola. Dessa forma, quando acredita que a função da escola é a reprodução das desigualdades sociais, o educador sabe que ela assume o papel de (A) transformar a realidade social em que está inserida. (B) promover o desenvolvimento e o progresso da nação. (C) adequar as pessoas ao modelo institucional vigente. (D) rejeitar a interferência de grupos sociais, políticos ou partidários. (E) conservar e promover a inovação da sociedade em que se insere. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 5. 5 PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã 12. A escola pode ser percebida segundo diferentes pontos de vista. Um deles é percebê-la sob a perspectiva sistêmica, o que significa dizer que ela se caracteriza pela (A) indicação das relações sociais que nela se estabelecem. (B) independência dos elementos que compõem sua estrutura. (C) autonomia dos níveis hierárquicos a que está submetida. (D) conexão íntima de todas as partes e elementos que a compõem. (E) organização do seu espaço independente de sua proposta pedagógica. 13. Para Edgar Morin, a educação do futuro, em qualquer cultura e em qualquer sociedade, deve envolver alguns saberes que ele considera como fundamentais. Entre esses saberes está o de ensinar a ensinar a enfrentar a incerteza, o que significa partir da visão de que (A) o futuro é repetitivo e progressivo e, por isso, pode ser previsto com a ajuda de análises histórico-econômico- sociais. (B) a época em que vivemos se caracteriza por mudanças, por valores ambivalentes e por ligação entre tudo o que existe. (C) o tempo obedece a ciclos decorrentes de transformações provocadas pelo homem na busca de antecipar o futuro. (D) a história é linear e avança sem desvios por meio de progressões e regressões complexas e ordenadas. (E) a vida passa por crises sem que a humanidade se afaste da religiosidade e da ciência. 14. Considere os seguintes temas educacionais: I. Educação e mulher; II. Educação e orientação sexual; III. Educação e relações étnicas; IV. Educação indígena. É considerado como objeto de estudo multicultural o contido em (A) I e IV, apenas. (B) II e III, apenas. (C) I e IV, apenas. (D) II, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. 15. Segundo Mantoan, uma escola deixará de ser considerada inclusiva quando (A) constituir classes para alunos portadores de necessidades especiais. (B) desenvolver habilidades mínimas para o exercício da cidadania, solidariedade, cooperação e diálogo. (C) considerar o respeito à diferença como um fundamento do seu projeto pedagógico. (D) ensinar à turma toda, sem exceção, atendendo a todos os alunos, sem diferenciar o ensino para cada um. (E) garantir aos alunos tempo e liberdade para aprender a fim de que possam desenvolver suas predisposições naturais. 16. A colaboração é um movimento valorizado em nossas esco- las e, diante da cultura do individualismo em que estamos envolvidos, nunca foi tão necessária. Fullan e Hargreaves afirmam, no entanto, que a simples colaboração não pode ser confundida com a cultura da colaboração. Um modo de colaboração que pode provocar um impacto positivo em nossas escolas é aquele que (A) se realiza em grupos pequenos, que envolve professores com os quais se trabalha mais proximamente, com quem se gasta mais tempo e com quem mais se socializa em situações coletivas. (B) surge de forma não impositiva, mas que é sujeita à inter- venção e à orientação administrativa caracterizadas pelo apoio e pela facilitação, visando criar oportunidades de trabalho conjunto, em horário escolar. (C) se manifesta pelo oferecimento de conselhos, pela troca de atividades e pelo compartilhar materiais e atividades de natureza imediata, específica e técnica. (D) confia na tradição oral por considerar desnecessários os registros escritos e em que o esforço é o de tornar cooperativas decisões de toda e qualquer natureza. (E) é feito por meio de um colegiado arquitetado, cuja in- tenção é tornar mais ágil a tomada de decisão e objetiva facilitar o planejamento conjunto, as consultas e outros trabalhos em equipe. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 6. 6PMRP0703/06-DiretorEscola_manhã 17. Considere a seguinte situação: O diretor de uma escola observou que um professor entra na sala de aula com revistas e jornais com notícias da semana que passou. Coloca-os sobre a mesa e diz aos alunos para os explorarem da forma que acharem melhor.Após certo tempo, interrompe a exploração e começa a fazer perguntas sobre diferentes aspectos dos materiais. Relaciona as respostas de alguns alunos com as de outros, pede esclarecimentos, faz novas perguntas até julgar que os alunos já dispõem de material necessário para produzir algumas representações. Prossegue a aula sintetizando junto com eles o que fizeram e como fizeram, até que o tempo se esgota e ele propõe um desafio para a próxima aula. Aprática pedagógica indica, para o diretor, que o professor ado- ta como orientação de seu trabalho educativo uma tendência (A) diretiva, tradicional. (B) não diretiva, laissez-faire. (C) diretiva, conteudista. (D) relacional, construtivista. (E) diretiva, tecnicista. 18. Um diretor de escola, irritado com alguns professores, de- sabafa dizendo: “... se eles passassem um mês na direção entenderiam como é complicado dirigir sozinho esta escola.” O desabafo indica que esse diretor assume um modelo de gestão baseado (A) na autonomia da escola que permite que todo corpo docente participe das decisões. (B) no compartilhamento das decisões por todos os educa- dores da escola. (C) na participação de todos os segmentos envolvidos na concretização do projeto da escola. (D) na democratização das relações de poder que foram estabelecidas na escola. (E) em uma estrutura administrativa autocrática, vertical e hierarquizada. 19. ParaAlarcão, a escola reflexiva é aquela que se considera como uma instituição em desenvolvimento e em aprendizagem. Nesse sentido, a gestão de uma escola reflexiva implica (A) assegurar uma atuação sistêmica que integre todas as atividades nela desenvolvidas. (B) acreditar que seus educadores já dispõem de todo o conhecimento necessário para educar os alunos. (C) desconsiderar seu projeto pedagógico ao perceber a dificuldade em realizar o que ele estabelece. (D) mobilizar seus educadores mais competentes e compro- metidos para as mudanças que devem ser feitas. (E) reforçar a dicotomia entre a decisão casuística e a decisão determinada por princípios gerais. 20. Em uma conversa entre a orientadora educacional e o diretor da escola, ela lhe afirma que todo seu trabalho é orientado pela concepção da pedagogia crítica dos conteúdos. Isso significa que a orientadora acredita que seu papel educacional é (A) proceder ao ajustamento do educando à sociedade tal como está constituída. (B) justificar a seletividade da educação para o desenvolvi- mento dos que apresentam maior potencial de sucesso no trabalho. (C) assessorar o trabalho docente, fazendo a sua mediação com a organização escolar. (D) promover o desenvolvimento integral e harmonioso da personalidade, a partir de uma concepção ideal do homem. (E) apoiar o trabalho do professor, oferecendo-lhe infor- mações obtidas sobre o educando por meio de testes psicológicos. 21. Arroyo afirma que normalizar o cotidiano da escola – tendo em vista mantê-lo sob controle – é a solução mais tranqüila para os gestores, técnicos, direção e até os professores. Para o autor, uma forma que os professores vêm encontrando para enfrentar o legalismo autoritário e o trato infantilizado e que é por ele incentivada é a (A) submissão ao que está estabelecido nas normas escolares. (B) resignação ao que consideram inadequado na escola. (C) aceitação consciente dos regulamentos estabelecidos. (D) valorização dos hábitos de cumprir e seguir normas. (E) transgressão pedagógica em sala de aula. 22. Aeducação escolar, tal como confirmado por Scarpato, envol- ve diferentes níveis de planejamento e, entre eles, encontra-se o do ensino, cujas características principais são: (A) ser elaborado em nível nacional, estadual e municipal e refletir as políticas educacionais da Nação. (B) expressar o posicionamento político e o pedagógico de uma escola, envolvendo todos os seus segmentos. (C) apresentar a filosofia e os objetivos da escola e definir fundamentos, conteúdos e avaliação de cada disciplina. (D) referir-se a uma disciplina e ser elaborado pelo professor responsável, podendo ser anual ou semestral. (E) ser elaborado pelo professor e representar elemento orientador do desenvolvimento de uma aula. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 7. 7 PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã 23. Muitas são as concepções de currículo que orientam as práticas pedagógicas cotidianas dos educadores. Se considerarmos o currículo como a seleção dos conteúdos a serem desenvolvi- dos na escola, seu planejamento envolverá (A) a organização do seu projeto e das condições em que ele será desenvolvido. (B) a estruturação do que deverá ser ensinado e aprendido. (C) os problemas referentes à seqüência de progressão dos alunos pelas habilidades correspondentes. (D) a organização dos processos pedagógicos e dos ambientes que os favorecem. (E) a estruturação de todos os fatores relacionados com a práti- ca pedagógica a fim de atingir determinados resultados. 24. Se uma escola opta por introduzir em seu currículo os Projetos de Trabalho, na perspectiva apontada por Hernández, como forma de vincular teoria e prática, isso significa que essa escola pretende (A) gerar uma série de mudanças na organização dos conhe- cimentos escolares. (B) propor temas sobre conteúdos escolares que sejam estu- dados ao mesmo tempo por toda a turma. (C) reforçar a estrutura linear e seqüencial de abordagem dos conteúdos escolares. (D) ressaltar o papel do professor como único responsável pe- las atividades a serem desenvolvidas em sala de aula. (E) eliminar os efeitos do currículo oculto sobre as atividades desenvolvidas em sala de aula. 25. O diretor de uma escola convoca os educadores e funcionários para desencadear a elaboração do projeto pedagógico e lhes explica que o envolvimento de todos significa que serão com- partilhadas as decisões acerca do quê fazer, do como fazer e em qual direção. O fato de pretender compartilhar o processo de decisão indica que esse diretor concebe o planejamento educacional como um processo (A) técnico. (B) administrativo. (C) político. (D) estratégico. (E) tático. 26. Veiga aponta a crise de paradigmas como impulsora de mu- danças na educação e na escola. No que se refere ao projeto político-pedagógico, ela afirma a necessidade de um novo modelo conceitual que se centre (A) no treinamento para um melhor ‘saber fazer’. (B) na formação de cidadãos pensantes e criativos. (C) na reprodução de idéias cientificamente comprovadas. (D) na decodificação da estrutura do pensamento contempo- râneo. (E) no distanciamento da atual realidade socieconômica e cultural. 27. É consenso no meio educacional a idéia de que a função da educação tem sido a de selecionar os melhores em relação à sua capacidade para seguir uma carreira universitária ou para obter qualquer outro título de prestígio reconhecido. Isso significa que os objetivos educacionais perseguidos pelos sis- temas educacionais têm sido os que focam as capacidades (A) cognitivas. (B) afetivas. (C) psicomotoras. (D) de equilíbrio pessoal. (E) de interrelacionamento. 28. Uma escola que compreende o currículo como um conjunto estruturado de objetivos educativos e para ele determina meios e fins segue a perspectiva teórica denominada (A) academicista. (B) experimentalista. (C) dialética. (D) eficienticista. (E) reconstrucionista. 29. O ensino por competência tem sido apontado como o cami- nho para a superação do ensino baseado em conteúdos. Por competência, na visão de Perrenoud, entende-se (A) capacidade de fazer bem feito algo de natureza manual ou intelectual. (B) qualidade de quem é capaz de apreciar ou resolver certos assuntos. (C) mobilização de conhecimentos para enfrentar um con- junto de situações complexas. (D) soma de conhecimentos ou de habilidades que uma pessoa dispõe para resolver problemas. (E) capacidade objetiva de um indivíduo para resolver pro- blemas, realizar atos definidos e circunscritos. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 8. 8PMRP0703/06-DiretorEscola_manhã 30. Considere os quatro pilares da aprendizagem: I. Aprender a conhecer; II. Aprender a fazer; III. Aprender a conviver; IV. Aprender a ser. Se um diretor de escola orienta seus professores a desen- volverem o ensino buscando levar os alunos a reproduzirem as informações transmitidas, é correto dizer que o diretor desconsidera o que está indicado em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e II, apenas. (D) III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. 31. Sobre os saberes necessários à prática educativa, em relação ao que trata em sua obra A Pedagogia da Autonomia, Paulo Freire faz inúmeras afirmações dentre as quais excetua-se (A) ensinar não é transmitir conhecimentos. (B) quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. (C) formar é treinar o educando em destrezas necessárias ao mercado de trabalho. (D) não há ensino sem pesquisa, nem pesquisa sem ensino. (E) o intelectual memorizador fala bonito de dialética, mas pensa mecanicamente. 32. Em sua proposta de avaliação da aprendizagem, Perrenoud faz uma releitura do modo formativo de realizá-la. Essa afir- mativa é verdadeira, considerando-se que, para Perrenoud, a avaliação formativa é aquela que (A) procura, por meio de uma prática contínua, contribuir para a melhoria da aprendizagem em qualquer situação de ensino. (B) objetiva oferecer ao professor e aos alunos resultados so- bre seus desempenhos, sobretudo dos erros cometidos. (C) está associada à criação de hierarquias de excelência em que os alunos são comparados entre si e classificados segundo critérios pré-estabelecidos. (D) assume um papel de negociação entre professor e alunos, levando-os a trabalharem, a aplicarem-se e a esforçarem- se para passar de ano. (E) busca atestar as aquisições de um aluno em relação a seus futuros empregadores, mediante uma certificação de competências. 33. SegundoRomão,algumasvezesosdocentesusamotermômetro paramediravelocidade.Aofazeressaafirmaçãoeleestáfazendo uma analogia com o fato de que, às vezes, os docentes (A) acreditam que medir o conhecimento é o mesmo que avaliar a aprendizagem. (B) podem utilizar qualquer tipo de instrumento de avaliação para avaliar a aprendizagem. (C) sabem que os instrumentos de avaliação podem ser usa- dos apenas para aprendizagem que são observáveis. (D) utilizam instrumentos de medida inadequados para ava- liar a aprendizagem. (E) escolhem os instrumentos com os quais estão mais fa- miliarizados para avaliar a aprendizagem. 34. Considere os 3 tipos de regulação apontados por Perrenoud a respeito da avaliação formativa: I. Regulação retroativa; II. Regulação interativa; III. Regulação pró-ativa. Uma escola, em que os professores desenvolvem a avaliação formativa, por meio de comunicação contínua com seus alu- nos, realiza a regulação que está indicada apenas em (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. 35. O erro cometido pelo aluno, durante a aprendizagem, pode ter um caráter construtivo se for trabalhado de forma adequada pelo docente. Hoffmann considera como uma forma constru- tiva de lidar com o erro do aluno, a intervenção do professor caracterizada como (A) impositiva, em que ele aponta firmemente o erro, dizen- do, por exemplo, ‘não é isso!’ (B) retificadora,emqueeleindicaemdetalhesarespostacorreta, deixando ao aluno a tarefa de identificar a fonte do erro. (C) encorajadora, na qual ele recomenda ao aluno maior atenção antes de responder qualquer pergunta feita. (D) não-prescritiva, em que ele propositadamente ignora o erro cometido para evitar sua fixação. (E) desafiadora, em que, por exemplo, ele trabalha os erros do aluno por meio de perguntas. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 9. 9 PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã 36. Ao fazer uma analogia com uma representação teatral, Bon- dioli destaca os focos de um trabalho de observação do con- texto educativo. O foco que privilegia as ações representadas pelos atores (educadores e educandos em observação) é o (A) dos participantes. (B) das atividades. (C) das modalidades de gestão. (D) da duração. (E) da posição na seqüência temporal. 37. O uso da Internet em sala de aula tem se mostrado um ex- celente facilitador da motivação dos alunos. Pela novidade e pelas possibilidades que oferece, pode vir acompanhado de problemas entre os quais se destaca (A) privilegiar a acumulação de informações. (B) distinguir a informação acidental da essencial. (C) estabelecer uma hierarquia entre as idéias obtidas. (D) assinalar coincidências e divergências entre informações. (E) escrever de forma mais formal e erudita. 38. Piaget e Vygotsky, pesquisadores do comportamento infantil, partem de pressupostos filosóficos diferentes, mas concordam em alguns aspectos. Em relação a isso, é correto dizer que ambos concordam que (A) a inteligência sensório-motora desenvolve-se antes de qualquer linguagem ou pensamento conceitual. (B) existe uma relação entre linguagem e pensamento já que ambos fazem parte da constituição da função simbólica. (C) existe uma lógica anterior à linguagem, cujas origens se encontram na ação. (D) o pensamento da criança é qualitativamente diferente do pensamento do adulto. (E) a Zona de Desenvolvimento Proximal representa o espaço de mediação docente. 39. Para Zabala, os materiais curriculares são determinantes para as decisões que o professor toma em sala de aula e podem ser classificados a partir de diferentes critérios. Livros, projeção estática, quadro-negro e revistas se enquadram, segundo Zabala, no critério de (A) âmbitos de intervenção. (B) finalidades. (C) conteúdos. (D) currículo. (E) suporte. 40. Em relação ao conceito, fundamentos e pressupostos de “professor reflexivo”, percebe-se entre alguns estudiosos do assunto (A) uma concordância absoluta. (B) uma clara discordância teórica. (C) um perceptível desinteresse. (D) muitas dúvidas teóricas. (E) uma certeza inquestionável. 41. Quando Paulo Freire, ao abordar a importância do ato de ler, refere-se a uma ‘visão mágica da palavra escrita’ ele está fazendo uma crítica ao fato de os professores (A) proporem a memorização mecânica de um texto com o objetivo de promover o conhecimento do objeto que ele aborda. (B) desenvolverem momentos de leitura de um texto de forma cadenciada, mecânica e enfadonha. (C) insistiremnaleituradeumagrandequantidadedetextossem se preocuparem com a compreensão do que deve ser lido. (D) orientarem os alunos a descreverem um objeto que co- nheceram por meio da leitura. (E) entenderem a leitura da palavra como algo que sucede à leitura do mundo e que implica a continuidade da sua leitura. 42. Um sistema de ensino preocupado com a garantia da qualidade do ensino oferecido em suas escolas deve, no mínimo, (A) cuidar do registro correto e preciso das informações sobre seus alunos, docentes e corpo administrativo e pedagógico. (B) informar alunos, pais e responsáveis sobre as normas referentes aos horários de entrada e saída e ao uso do uniforme pelas crianças. (C) garantir a participação da comunidade em todas as ati- vidades festivas que constituírem o calendário escolar. (D) criar condições para uma adequada preparação dos que nelas desenvolvem atividades administrativas, pedagó- gicas e docentes. (E) conscientizar os alunos sobre a necessidade de cuidados referentes a seus materiais de estudo. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 10. 10PMRP0703/06-DiretorEscola_manhã 43. ALei de Diretrizes e Bases (LDB) define, no art. 6.º, ser dever dos pais ou responsáveis matricular, no ensino fundamental, os menores (A) a partir dos 3 anos. (B) a partir dos 6 anos. (C) a partir dos 7 anos. (D) entre 6 e 7 anos. (E) entre 7 e 8 anos. 44. Uma escola, que permite que um de seus alunos menores seja fotografado por um jornal do bairro por ter pichado os muros externos com críticas à direção, será objeto de processo por desrespeito à (A) integridade física do aluno. (B) autonomia de pensamento do aluno. (C) preservação da imagem e identidade do aluno. (D) liberdade de opinião e de expressão do aluno. (E) possibilidade de participar da vida política. 45. O FUNDEB é compostos por recursos (A) da União e complementados, quando necessário, pelos Estados, Distrito Federal e Municípios. (B) dos Estados, Distrito Federal e Municípios, sem aporte da União. (C) dos Estados e Distrito Federal os quais são repassados aos Municípios e complementados pela União quando necessário. (D) da União, dos Estados e Municípios quando obtiverem receitas acima de 60% do que apurado no ano anterior. (E) dos próprios Estados, Distrito Federal e dos Municípios e complementados pela União. 46. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, os temas transversais, no que devem permear as áreas, objetivos, con- teúdos e orientações didáticas do 3.º e 4.º ciclos do Ensino Fundamental, são (A) Ética, Saúde, Meio ambiente, Pluralidade cultural, Orien- tação sexual e Trabalho e Consumo. (B) Filosofia, Metodologia, Iniciação científica, Preparação para o trabalho, Artes e ofícios. (C) Português, Matemática, Ciências, História, Geografia, Educação Física e Artes. (D) Educação ambiental,Artes cênicas, Empreendedorismo, Novas Tecnologias da Comunicação e Informação, (E) Formação profissional, Esporte, Lazer, Inclusão digital, Educação para a diversidade. 47. Pela Indicação 02/2001, do Conselho Municipal de Educação de São José do Rio Preto, o Plano Escolar deverá ser elaborado anualmente pela escola e deverá estabelecer as atualizações das ações para a concretização (A) do sistema de ensino do Município. (B) do Conselho da Escola. (C) da proposta pedagógica da escola. (D) da Associação de Pais e Mestres. (E) do Grêmio estudantil. 48. A Indicação 03/2001, que estabelece diretrizes para a elabo- ração do Regimento Escolar, define que um dos critérios de promoção é a freqüência mínima de 75% (A) dos dias letivos. (B) da carga horária anual. (C) de 200 dias anuais letivos. (D) das aulas dadas. (E) das 800 aulas anuais previstas. 49. Pela Lei Municipal n.º 8.053 em seu art. 5.º, o Plano Munici- pal de Educação da Prefeitura de São José do Rio Preto deve conduzir, entre outros, à(ao) (A) formação para o trabalho. (B) atendimento escolar da população de baixa renda. (C) preservação do patrimônio público. (D) promoção de concurso de acesso ao magistério público. (E) erradicação do analfabetismo de jovens e adultos. 50. Considere as seguintes iniciativas: I. Introdução de um determinado tema no currículo das escolas Municipais. II. Oferta de cursos de capacitação aos professores. III. Fomento a estudos de pesquisa e assistência técnica. IV. Intercâmbio com outros países. Aproposta de inclusão do Município de São José do Rio Preto a respeito do ensino de História e CulturaAfro-Brasileira, nos estabelecimentos de ensino oficiais e particulares, envolve o que está indicado apenas em (A) I. (B) I e II. (C) II e III. (D) I, II e III. (E) I, II e IV. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 11. 11 PMRP0703/06-DiretorEscola-manhã www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo
  • 12. www.pciconcursos.com.br ProfEfetivo