A urgência da formação cidadã e política de jovens à sustentabilidade de cidades
inovadoras na pós-modernidade: um relato ...
Resumo A pós-modernidade tem requerido grandes mudanças nas diversas esferas da
vida em comunidade. O crescimento e desenv...
A concepção de desenvolvimento passa a considerar a sustentabilidade, através
de pilares econômicos, sociais e ambientais ...
Para uma liderança sustentável de cidades, este paper articula sobre pósmodernidade, urbanização, inteligência emocional,s...
com termo próximo ou distante - alinhadas com interesses de toda a ordem; aparências
querendo ser percebidas como seres.
O...
nossas emoções. Tradicionalmente, associam-se às emoções os erros e enganos, por
isso, as emoções deveriam ser castradas o...
depositárias de todos esses segmentos da população que lutam para sobreviver, bem
como daqueles grupos que querem mostrars...
O indivíduo em sociedade precisae necessita se mobilizar e atuar exercendo sua
cidadania, desempenhando papeis públicos ou...
sustentável. Ser um bom gestor e um cidadão responsável não se resume a conhecer as
leis da cidade. Certamente, esta é uma...
considerando aspectos políticos, de cidadania, de sustentabilidade, dentre outros. Um
conjunto complexo abraça a educação ...
saberes e com isso o desenvolvimento seja ampliado via papel de agentes
multiplicadores. Porém, as escolas ainda não criar...
destacam. Erroneamente, para afastar-se desta realidade, o indivíduo passou a acreditar
que poderia viver melhor estando à...
2002.
[11] Lyotard, JF The PostmodernCondition, trans. José Bragança de Miranda. Lisbon:
Gradiva, 2003, the original Frenc...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Paper icim formação cidadã port atualizado 281013

437 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
437
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Paper icim formação cidadã port atualizado 281013

  1. 1. A urgência da formação cidadã e política de jovens à sustentabilidade de cidades inovadoras na pós-modernidade: um relato da Escola do Legislativo de Pouso Alegre (MG). The urgency of civic education and youth policy to sustainability of innovative cities in postmodernity: a report of the Legislative’s School of PousoAlegre (MG). Áreas Temáticas do Congresso:Cidades Inovadoras e Sustentáveis / Educação e Sustentabilidade Tema: Formação cidadã e política de jovens na pós modernidade para maior participação na vida pública rumo a cidades sustentáveis Beatriz Marcos Telles, mestra em Administração (PUCSP), Escola de Economia e Administração de Negócios-Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP),Núcleo de Estudos do Futuro (NEF), biatelles@gmail.com Maria do Carmo Freitas Macedo,especialista em Administração Pública (SENAC), Escola do Legislativo da Câmara Municipal de Pouso Alegre (MG), madumacedo@hotmail.com Ana Carolina de Faria Silvestre,doutoranda em Filosofia Jurídica na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM), Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação (FAI),fariasilvestre@yahoo.com.br Arnoldo de Hoyos Guevara,pós doutor (Universidade de Oxford-UK), Escola de Economia e Administração de Negócios-Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), Núcleo de Estudos do Futuro (NEF), dehoyos@pucsp.br Mônica Fonseca Franco, graduanda em Direito (FDSM),Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM), Escola do Legislativo de Pouso Alegre(MG), Brasil;monicafonsecafranco@gmail.com
  2. 2. Resumo A pós-modernidade tem requerido grandes mudanças nas diversas esferas da vida em comunidade. O crescimento e desenvolvimento das cidades têm exigido novos saberes e práticas, tanto das lideranças como do povo que escolhe seus representantes.A insustentabilidade do planeta ocasionada pelas atitudes predatórias do ser humano frente ao consumo dos recursos naturais, banhada pela ganância e busca desesperada pelos interesses particulares de grupos elitistas têm ocasionado efeitos devastadores na população contribuindo a uma vida alienada, instigada ao consumo e distante de participações ativas na vida pública.A formação cidadã e política poderia amenizar parte dos problemas gerados. Este artigo articula conceitos de pósmodernidade, inteligência emocional, sustentabilidade de cidades, ressaltando o projeto da Câmara Mirim da Escola do Legislativo em Pouso Alegre (MG), que atua na formação cidadã e política de jovens estudantes do município. Palavras Chaves: cidades sustentáveis, formação cidadã e política, liderança sustentável, pós-modernidade Abstract Postmodernismhas requiredmajor changesin the variousspheresof community life. The growth anddevelopment of citieshave requirednew knowledge and practices, both the leadersandthe peopletochoosetheir representatives. Theunsustainabilityof the planetcausedbyhumanpredatory attitudestowards the consumptionof natural resources, bathedby greed anddesperate searchby the particular interestsofelitist groupshavecauseddevastating effectson the populationcontributingto analienated life, instigatedconsumptionand away fromactive participationin public life. Thecivic educationandpolicy couldalleviatesome of the problemsgenerated. This articlearticulatesconcepts ofpostmodernity, emotional intelligence, sustainabilityofcities, underscoringthe PousoAlegre (MG) Junior Parliament, which operates in thepoliticalandcivic educationof youngstudentes from the municipality. Key Words: sustainable cities, civic educationandpolicy, sustainable leadership, postmodernity 1 Introdução A discussão sobre modelo de desenvolvimento e meio ambiente passa obrigatoriamente pela forma como os centros urbanos são organizados e geridos. É nas cidades – que hoje concentram a maior parte da população mundial – que as decisões políticas são tomadas, e elas são o terreno mais fértil para uma mudança de paradigma sobre desenvolvimento, tanto pelos seus inúmeros problemas quanto pela sua importância econômica e social. As estimativas trazem que 60% da populaçãomundial deverá residir em cidades até 2030. Na América latina o Brasil é o país mais urbanizado, oriundo da estruturação de cidades iniciado na década de 50, concentrando 85 % de sua população em áreas urbanas com previsões de chegar a 90% até 2020. Os municípios enfrentam problemas diversos que se acentuam com a pós-modernidade, relacionados à desigualdade social, poluição, destino de resíduos, mobilidade, precariedade na habitação, violência, dentre outros (Programa Cidades Sustentáveis, 2013) Gestores têm sido desafiados a atuarem levando mais sustentabilidade às cidades, desafio aparente a titãs frente ao nível de complexidade existente e tendendo a aumentar na gestão dos municípios.
  3. 3. A concepção de desenvolvimento passa a considerar a sustentabilidade, através de pilares econômicos, sociais e ambientais e com isso os modelos de gestão adotados ficam em evidência. “Nós precisamos mudar o modelo de desenvolvimento, porque a ciência nos mostra que estamos esgotando os recursos do planeta e aumentando a desigualdade entre as pessoas. E os grandes desafios estão nas cidades, onde a maioria da população mundial vive atualmente”. Grajew in Toledo (2012) salienta uma questão bem delicada e dificultadorada questão, pois existem muitos interesses em jogo, de grupos que se beneficiam do modelo atual. Por exemplo, se você privilegia um sistema de transporte público amplo e eficiente, você acaba obstaculizando os interesses da indústria automobilística e das construtoras, que, pela relevância no cenário econômico acabam tendo grande influência sobre as decisões políticas. Interesses de ordem pessoal e interesses coletivos entram, não raro, em choque devido às pressões de grupos e organizações corporativas (e corporativistas), detentoras do poder que pretendem priorizar os seus interesses próprios, em detrimento dos objetivos e interesses da coletividade. Na questão sustentabilidade de cidades, nos deparamos com vários sujeitos e áreas que são afetadas pelo tema. O problema maior está na governança do espaço urbano, afirma-nos o economista Dowbor in Toledo (2012). As cidades são polos de consumo e, sob este olhar, elas passam a serem inseridas nas discussões atuais de desenvolvimento econômico e de meio ambiente. A questão gira em torno da necessidade de aprender a consumir com consciência de que os recursos naturais são finitos. Há a necessidade de uma grande mudança de paradigma nas consciências dos indivíduos, independente de seu poder econômico. Resistir, no entanto, não é tarefa fácil, pois todos nós somos diuturnamente sabatinados com os apelos midiáticos direcionados à exacerbação de um consumo desenfreadoe inconsciente. Assim, uma formação cidadã e política é necessária para todos os indivíduos; incluindo valores e princípios humanos, visão holística e da sustentabilidade requerendo a disseminação de saberes sobre a interligação das partes no todo da teia da vida. A transparência das ações de nossos representantes políticos nos chega com atraso, mas resta ainda aprendermos a querer acompanhar estas práticas e perceber de uma vez por todas que estes tratam-se somente de representantes do povo então não faz sentido ficarmos criticando suas ações de forma passiva ou ingênua sem entender e participar de fato desta gestão e dos desafios existentes pelas comunidades que pertencemos e a própria época que chegamos e ajudamos a construir, com nossas ações e omissões. "Nós precisamos mudar o modelo de desenvolvimento, porque a ciência nos mostra que estamos esgotando os recursos do planeta e aumentando a desigualdade entre as pessoas. E os grandes desafios estão nas cidades, onde a maioria da população mundial vive atualmente” traz Grajew in Toledo (2012). As discussões sobre modelo de desenvolvimento e meio ambiente sem dúvida permeiam a forma como os centros urbanos são organizados e geridos, como bem lembra Dowbor in Toledo (2012), em que a apropriação da cidadania torna-se necessária para que as mudanças aconteçam com equilíbrio entre aspectos racionais e emocionais, favorecendo o bem comum.
  4. 4. Para uma liderança sustentável de cidades, este paper articula sobre pósmodernidade, urbanização, inteligência emocional,sustentabilidade de cidades e formação cidadã. 2. Metodologia A pesquisa realizada é bibliográfica e exploratóriae concretiza uma reflexão prático-cultural dirigida a uma experiência político-comunitária situada: a Escola do Legislativo em Pouso Alegre (MG). Para tal,assumimos o desafio de enfrentar os temas da sustentabilidade nas cidades, no contexto pós-moderno, e suas idiossincrasias. O trabalho é fortalecido com a experiência da Escola do Legislativo e seus contributos para a formação cidadã de jovens. O tratamento interdisciplinar das temáticas impeliu-nos a transitar entre a filosofia, a ciência política, a economia, a administração pública e o direito. 3. Pós-modernidade Vivemos tempos cunhados pela mudança, pela percepção da sensação de passagem, pela instabilidade e incompletude. Para muitos, tratar-se-iam de tempos pós-modernos1 (BIRMAN, 2000). No entanto, cabe esclarecer ab initio que a atribuição adjetiva à nossa contigência presente de ‘pós-moderna’ não é unânime. Outras expressões foram sugeridas como mais adequadas para designar o status quo: “supermodernidade” (AUGÉ, 2004); “modernidade reflexiva” (BECK; GIDDENS; LASH,1995); “modernidade tardia” (HALL, 2002) etc. No entanto – e a par do dissenso reconhecido (que nos remete desde ao seu nascimento ao uso/emprego) – foi essa a expressão que logrou maior receptividade no âmbito das investigações filosófica e sociológicas contemporâneas (BITTAR, 2005). A contingência sócio-cultural atual se revela problemática (às vezes ao limite da aporia!) porque, como transição, tem que lidar com as tensões geradas entre o ‘passado’ (e seus pressupostos de inteligibilidade) e o ‘presente multifacetário’ (que não tem pudores em interrogar criticamente esses mesmos pressupostos e, inclusive, de afastá-los). A interrogação perscrutante da condição atual dirigida ao passado erodido nos leva a experienciar a ‘condição contemporânea’, no seio da qual não existem verdades absolutas, somente discursos compossíveis ancorados na cultura, nas ideologias, mas escolhas políticas e, inclusive, no inconsciente. A condição atual exige, de todos nós, abertura, tolerância e alteridade. O presente é uma construção possível dentre outras compossibilidades histórico-socialmente cunhadas – a experiência moderna não foi capaz de resistir ao teste proposto pela consciência crítica contra o ser, assumido como dado natural, a-histórico e, portanto, perene. As instituições, os conceitos, as classes sociais e as coisas em si mesmas se nos revelam nuas - como construções ou possibilidades nascidas, criadas no horizonte da cultura e 1 Segundo Joel Birman, a atribuição à contingência presente de “pós-moderna” ou de “modernidade tardia” relacionar-se-ia, dentre outros aspectos, a aspectos políticos (que estão inseridos em um contexto social global). Autores defensores da “pós-modernidade” se alinhariam à cultura americana – a ascensão da cultura e do modo de ser americano, ocorrida no século XX, se difundiu através dos meios de comunicação de massa, enquanto autores defensores do emprego da expressão “modernidade tardia” alinhar-se-iam à cultura europeia – berço das revoluções e tradições que marcaram indelevelmente a cultura e o modo de ser ocidentais Cf. BIRMAN, J. Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação, 2000.
  5. 5. com termo próximo ou distante - alinhadas com interesses de toda a ordem; aparências querendo ser percebidas como seres. O mundo da vida – retirado o véu de ingenuidade que obscurecia os olhares e os acalmava – deixa de ser assumido como uma realidade natural perante a qual nos restaria apenas um exercício de natureza especulativo-desveladora e passa a ser assumido como uma possibilidade ou uma experiência possível dentre outras. A natureza das coisas2 deixa de ser assumida como inevitabilidade, galgando ao status de hipótese experimentável e falsificável. O mundo não é o somatório de regularidades e constâncias matemáticas que incidem sobre as coisas e sobre os homens inevitavelmente, mas um espaço essencialmente aberto cujo espetáculo – ainda que, iniludivelmente, limitado pelos recursos disponivéis e acessíveis aos seus atores – pode ser idealizado e concretizado de maneiras diversas. O mundo não é uma criação finalizada e constante cujo sentido e inteligibilidade sustentar-se-iam em uma ratio superior e mais excelente – laica ou não. O absurdo deixou de ser a cobra morta aos pés do homem moderno (SARTRE, 2011) – penetrável pela racionalidade moderna de tipo cartesiano que tudo conhece e vê (ainda que a sua potencialidade plena nos remeta a uma apologia ao futuro que virá!) –, sinaliza, ao contrário, a percepção da crise gerada pela sensação de passagem, inconstância e finitude. Afinal, a chave da existência e das nossas náuseas está no esfacelamento das certezas, das distinções, dos conceitos assumidos como verdades assentadas na natureza das coisas, no absurdo e no desencantamento do mundo moderno. O termo pós-modernidade pode pretender designar um estado atual de coisas ou um processo de modificações que se projeta sobre todas as dimensões da experiência contemporânea atual. Nossos hábitos, valores, necessidades individuais e coletivas; nossa experiência mundanal cunhada pela ruptura é convocada a se (re)pensar criticamente com vistas a aceitar-propor novas maneiras de ser e estar no mundo mais adequadas às demandas do tempo presente. Nesse contexto atual de crise, há pouco (ou quase nenhum!) espaço para afirmações que vão buscar a sua força lógica na ‘natureza das coisas’ ou na ‘naturalidade’ da ‘condição’contemporânea construída sobre as vigas da universalidade, abstração e generalidade. A crítica alcança os imperialismos da racionalidade moderna que se assume como redentora da sociedade, capaz de iluminar as trevas da ignorância3 e de libertar o homem de sua contigência corpórea. A razão, assumida como faculdade superior do humano, teria o condão de guiar os homens e as sociedades ao encontro da beleza dos conceitos e da libertação dos vícios inerentes à condição corpórea. No entanto, razão pode ser pensada de maneira apartada das emoções? Ou mais apropriadamente, razão e emoção devem ser assumidas como dimensões essencialmente diversas, imiscíveis? Estudos atuais no horizonte da neurociência, da psicologia e da psicanálise sugerem que não. As emoções são cognitivas e desempenham um destacado papel na vida pessoal, social e profissional das pessoas. No entanto, e a par das inúmeras evidências que sustentam essa afirmação, não somos estimulados a pensar acerca de 2 A crítica proposta pelo materialismo histórico de Karl Marx nos convida a ver a realidade como aparência e não como causa. É ela efeito das ideologias, assumidas como fenômenos sociais e históricos, que se nos apresentam como evidências ou realidades pertencentes à natureza das coisas. O efeito se nos apresenta como causa, legitimando o status quo e a sua imutabilidade. 3 Ignorância pensada como ausência de conhecimentos científicos provenientes, desejavelmente, das ciências empíricas e matemáticas e não nos moldes socráticos, como sinônimo de educação das almas (educação moral).
  6. 6. nossas emoções. Tradicionalmente, associam-se às emoções os erros e enganos, por isso, as emoções deveriam ser castradas ou fortemente contidas sob pena de se comprometer, muitas vezes irremediavelmente, o julgamento e a ação do “homem racional”. As emoções, segundo os filósofos antiemotivos, deveriam ser assumidas com desconfiança e comedimento. A pessoa sábia, segundo aqueles pensadores, não orienta a sua ação e suas decisões com vistas a alcançar a felicidade. A busca do sábio é por ataraxia, ou seja, pela virtude da impassividade da alma. Assim como as águas de um rio que flui, o homem deveria cultivar o estado de impassividade perante os eventos exteriores que o atingem, sejam eles bons ou maus. A felicidade que o cultivo da filosofia traria àqueles que a buscam comprometidamente era, ela sim, assumida como duradoura e, portanto, valeria a pena a sua busca (à custa de sacrifício e abnegação). A felicidade que os eventos e coisas externas ao eu-sujeito lhe são capazes de propiciar são fulgazes. Assim como lhe alcançam abruptamente, gerando, como resultado necessário, grande prazer, ao serem retirados pela roda do destino que roda incessantemente e aquém de nosso controle, podem gerar grande dor. Viver segundo o acaso e os caprichos da contingência predispõe os homens à dor e à loucura. A castração (ou contenção) da emoção através do exercício racional nos predispõe à felicidade duradoura que constrói as bases sólidas para uma sociedade harmônica. O homem pós-moderno é herdeiro dessa racionalidade que separa, distingue e hierarquiza emoção e razão. O sucesso profissional só será alcançado, nos levaram a acreditar, se a emoção for subjugada pela razão. As emoções nada (ou muito pouco) têm a ver com o ambiente profissional, o ambiente escolar ou com a tomada pública de decisão. O reino das emoções limita-se à esfera privada – onde, tendencialmente, costumamos a não nos sairmos muito bem, haja vista que o tema das emoções é assumido como auto-evidente e autoexplicativo. Não somos estimulados a pensar sobre nossas emoções ou ensinados a como lidar com elas, quer seja na escola ou em casa, daí a nossa inabilidade patente de conviver e desenvolver nosssa competência emocional, absolutamente necessária para nos tornarmos, também, cidadãos. Segundo Martha Nussbaum, não é possível pensar a esfera pública e as tomadas públicas de decisão sem convocar as emoções. As emoções, diferentemente do que afirma o senso comum, não estão perigosamente “perto de casa” de modo egonarcísico. (NUSSBAUM, 1995).A experiência das emoções racionais situam-nos no mundo e na cidade; a instância natural do homem, segundo Aristóteles (2008). Somos seres de cidade imersos na praxis que só poderá se concretizar de modo justo e tendente à felicidade dos seus se assumirmos o homem-pessoa como corolário e referente desta experiência comunitária. A experiência cidadã inicia-se na assunção radical do homem como fundamento e referente da experiência comunitária. Uma experiência que, mais a cada dia, se torna complexa.As megacidades, impessoais e sem rosto, colocam desafios de toda ordem ao homem perspectivado como cidadão. Como exercer a cidadania em um mar de pedra fria e sem vida em que sentimo-nos reduzidos a seres informes, sem história, memória e futuro? 3.1 Cidades Castells (1999) alerta sobre a urbanização do terceiro milênio através das megacidades quando diz que as grandes cidades articulam a economia global, relacionam as redes informacionais e monopolizam opoder mundial. “Mas também são
  7. 7. depositárias de todos esses segmentos da população que lutam para sobreviver, bem como daqueles grupos que querem mostrarsua situação de abandono, paraque não morram ignorados em áreas negligenciadas pelasredes de comunicação”.(CASTELLS, 1999, p. 492). Atores sociais concebem, decidem e implementam a lógica espacial, que são determinadas por uma elite empresarial tecnocrática e financeira que ocupa posições de liderança em nossas sociedades que naturalmente farão exigências espaciais específicas relativas ao suporte material/espacial de seus interesses e práticas, assim como também se manifesta espacial a elite informacional. Castells (1999) faz provocação quando discorre sobre a dominação da nossa sociedade que se baseia na capacidade organizacional da elite dominante,que caminha interligada com sua capacidade de desorganizar os grupos da sociedade que “embora constituam maioria numérica, veem (se é que veem) seus interesses parcialmente representados apenas dentro da estrutura do atendimento dos interesses dominantes”. “A articulação das elites e a segmentação e desorganização da massa parecem ser os mecanismos gêmeos de dominação social em nossas sociedades”. (CASTELLS, 1999, p.505). A gestão de cidades sustentáveis requer um modelo de gestão integrado. O desenvolvimento da visão holística e sistêmica é urgente para se atuar neste contexto de planejamento urbano sustentável. Diversas áreas interagem nas cidades como a econômica, cultural, social, ambiental, tecnológica, tributária, demográfica, dentre outras. Responsáveis por todas estas áreas nos municípios precisam ser envolvidos, mobilizados e integrados para que se conscientizem e se comprometam ao exercício de uma governança ética, transparente, responsável e assertiva às demandas da população e do bem comum. O Programa Cidades Sustentáveis que nasceu por iniciativa da sociedade civil organizada, que visa a melhoria da qualidade de vida e o bem-estar da população em geral, propõe 12 eixos temáticos, que agrupam princípios e valores: governança; bens naturais comuns; equidade, justica social e cultura de paz; gestão local para a sustentabilidade; planejamento e desenho urbano; cultura para a sustentabilidade; educação para a sustentabilidade e qualidade de vida; economia local dinâmica, criativa e sustentável,consumo responsável e opções de estilo de vida; melhor mobilidade, menos tráfego; ação local para a saúde; do local para o global. (PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS, 2013).Este programa propõe uma metodologia relativamente simples de apoio aos municípios considerando: o mapeamento estratégico do município, a priorização de indicadores, a visão de futuro das cidades e a elaboração do plano de metas. Para cada eixo temático a ser trabalhado sugere-se a aplicação deste método facilitador. Os detalhes do programa podem ser encontrados no Guia GPS, Gestão Pública Sustentável (PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS, 2013). Frente ao nível de complexidade que os problemas se apresentam nas cidades e na vida em sociedade neste nosso contexto pós-moderno - pressionado por tecnologias avançadas e por mídias influentes, sendo muitas delas instigadoras do consumo inconsciente - cabe ao indivíduo se organizar interiormente, filtrar informações e manter o equilibrio entre razão e emoção, pois a vida lhe solicitará constantemente atuações rápidas (quer se tratem de decisões pessoais ou profissionais) em que estes aspectos precisarão estar harmonizados para que se viva (e sobreviva) com qualidade e sustentabilidade.
  8. 8. O indivíduo em sociedade precisae necessita se mobilizar e atuar exercendo sua cidadania, desempenhando papeis públicos ou somente o papel de cidadão consciente, capaz de reagir criticamente às manipulações das elites dominantes, se quiser de fato um futuro próspero, feliz e sustentável. 3.2. Inteligência e emoção na Modernidade Líquida O contexto pós-moderno, sugere o diagnóstico de Bauman (2001), hipertrofia na dimensão do trabalho à custa da dimensão pessoal. À modernidade líquida e seus ideólogos interessa que nos tornemos trabalhadores zero drag, ou seja, sem peso e com notável (porque atualizado!) saber técnico. Ao invés de grandes famílas, devemos ser livres e “desfamiliados” a fim de que tenhamos tempo e disponibilidade para desenvolver nossas competências técnicas. A educação é para a vida, insistem. Para que nos tornemos uma mão de obra valiosa no mercado de trabalho, devemos investir nosso tempo e dinheiro em cursos de capacitação intermináveis sob pena de obsolescência – rápida e cruel no horizonte de uma sociedade onde a técnica esforça-se por se sobrepor ao saber. O saber, no contexto pós-moderno, restringe-se somente àquilo que pode ser traduzido em bits de informação, segundo o diagnóstico de Lyotard (1979). A busca, desejavelmente solitária pelo saber – que se resume àquilo que pode ser convertido em bits de informação e cuja validade é breve ou brevíssima -, situa-nos falsamente no meio da sociedade. A educação para a vida restringe-se, no horizonte desse modelo, à educação formal que nada tem a ver com a educação moral ou com o desenvolvimento de competências emocionais que, sustentamos, devem ser desenvolvidas segundo uma nova perspectiva de razão e de racionalidade. Razão e emoção são, ambas as dimensões, importantes para a vida em sociedade e para a construção de uma experiência comunitária mais feliz e harmônica. Tradicionalmente, inteligência restringe-se ao quociente de inteligência (QI) de uma pessoa. A cada um de nós nos teria sido legada pela natureza uma certa quantidade de força intelectual ou potência, que estaríamos aptos a mobilizar a fim de conhecer o mundo que no cerca e/ou concretizarmos nossas tarefas cotidianas nas esfera pessoal e profissional. A identificação entre inteligência e quociente de inteligência, que poderia ser, inclusive, medido segundo testes de QI, tem sido rompida por estudos atuais acerca da cognição, inteligência e emoção em diferentes áreas do saber. O que significa ser inteligente? Por que dizemos, acerca de algumas pessoas, que tratam-se de pessoas inteligentes? Segundo Goleman (2007), a medida da inteligência é muito mais complexa do que um teste de QI é potencialmente capaz de medir. A medida da inteligência não pode ser mensurada, se é que pode, sem levarmos em consideração as seguintes competências: empatia, autocontrole, zelo, persistência e automotivação (GOLEMAN, 2007). Essas competências, que segundo o autor podem ser moldadas desde a infância (GOLEMAN, 2007, p. 24), relacionam-se à inteligência emocional ou QE, dimensão constitutiva da inteligência. Em Pouso Alegre (MG) existe um projeto sobre formação cidadã realizado pela Escola do Legislativo, voltado para os estudantes da rede pública e privada.Neste projeto, questões políticas, de cidadania e de equilíbrio entre razão e emoção são trabalhados no seu percurso, contribuindo para futuras gerações de pessoas mais conscientes sobre as questões da cidadania, com participação política ativa e
  9. 9. sustentável. Ser um bom gestor e um cidadão responsável não se resume a conhecer as leis da cidade. Certamente, esta é uma dimensão importante e fundamental para a experiência cidadã e a cidadania responsável. No entanto, o que significa, concretamente, o justo no horizonte da cidade? Esta resposta é complexa, mas não devemos afastar a pergunta devido à sua complexidade. O justo na cidade não pode ser concretizado autoritariamente, mas somente à luz de emoções sociais importantes como a compaixão. Ter compaixão, esclarece-nos Martha Nussbaum, não é ter pena ou empatia. Compaixão não pressupõe a crença de que a pessoa que sofre não merece o mal que lhe pesa sobre os ombros (piedade), nem a semelhança que nos aproxima (empatia), mas o simples e cru fato de que o sofrimento, experienciado pelo outro, é um sofrimento humano e que, mesmo em potência, pode vir a ser experienciado por mim ou por outra pessoa que me é cara (NUSSBAUM, 1995). A inteligência que se deseja do gestor é técnico-científica-empático-emocional, ou seja, ela não se resume a conhecimentos técnico-científicos, mas demanda, para além, a percepção emocional, ancorada na compaixão, da sua responsabilidade. A escola do legislativo não se preocupa somente em disponibilizar e disseminar informações aos seus educandos sobre os trâmites e processos legislativos, sobre a rotina dos vereadores e prefeito, sobre a dinâmica fria das leis da cidade, mas assume uma tarefa muito mais complexa e apaixonante como a educação holística de seus educandos-pessoas. A seguir apresentamos este projeto assim como discutimos sobre resultados de uma pesquisa realizada sobre ele. 4. A Escola do Legislativo em Pouso Alegre (MG) O atual contexto político do Brasil não cria expectativas de participação popular na política devido a fatores de corrupção, de descrédito no que tange a implementação de políticas públicas e na insustentabilidade presente nas cidades, o que é evidenciado pela falta de gestão e de valoração no desenvolvimento sustentável pautado pela organização e planejamento. Ressalta-se também a ineficiência para a efetivação dos direitos sociais e serviços públicos em geral. Diante de diversos fatores constata-se um grande desinteresse da população em acompanhar e realmente efetivar a participação política. E para minimizar esse quadro de desinteresse político e levar a população, sobretudo os jovens, para participarem e acompanharem a política nacional, reconhecendo-se como verdadeiros atores políticos, titulares de direitos, fazendo jus ao poder soberano do povo fundamentado no preâmbulo da Constituição Federal, foi criado em Pouso Alegre a Câmara Mirim com o objetivo da formação política e de despertar a vivência da cidadania a estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental II. A Câmara Mirim propicia aos estudantes uma oportunidade de conhecer realmente a política, as formas de participação e saber a importância de ser ativo diante dos acontecimentos políticos do nosso país. O espaço de debate e de voz para os estudantes participantes da Câmara Mirim os coloca em um cenário de vivência real da prática democrática e os leva a uma formação consciente do papel do cidadão e do trabalho de gestão e liderança nos ambientes que se fazem presentes. Para o desenvolvimento da formação cidadã e política a Câmara Mirimincentiva também a troca de experiências e de saberes entre os participantes oriundos de realidades e contextos distintos. O trabalho ocorre de forma holística
  10. 10. considerando aspectos políticos, de cidadania, de sustentabilidade, dentre outros. Um conjunto complexo abraça a educação para a cidadania considerando ao mesmo tempo a adesão a valores, a aquisiçãode conhecimentos e a aprendizagem de práticas na vida pública. “Não pode, pois ser considerada como neutra doponto de vista ideológico”.(DELORS, 1996,p.62). A educação para a cidadania se torna requisito fundamental para a formação de cidades sustentáveis em todos aspectos, relacionando o político, o social, o econômico e sobretudo revelando valores e resgatando-os para o fortalecimento da ética e do bem comum na sociedade.Para constatar os resultados obtidos com o programa Câmara Mirim, coordenado por Maria do Carmo Freitas Macedo, foi realizada em 2008, uma pesquisa de caráter exploratório com a Câmara Mirim de Pouso Alegre, com detalhamento completo em Macedo e Cols. (2013). A pesquisa investigou o funcionamento, estrutura, organização e dificuldades para implantação do programa, o procedimento de escolha dos estudantes, e a participação e avaliação da sociedade em geral, sobretudo, dos sujeitos envolvidos diretamente no programa, como: pais, professores e vereadores mirins. Este espaço coloca os estudantes em contato direto com a política, os faz sentir responsáveis e comprometidos com a representação de sua escola. Pelos Temas Transversais(MEC 2000),o ensino da ética pode favorecer ao aluno vários entendimentos como por exemploconceitos de justiçabaseados na equidade podendo também sensibilizar-se pela necessidade de construção de uma sociedade justa, quando se adota atitudes desolidariedade, cooperação e repúdio às injustiças sociais, com discussão da moral em vigor e tentandocompreender os valores atuais desta sociedade, assim como entender a medida em que eles podem e devem ser mudados. Foram entrevistados 10 professores, 10 pais de adolescentes que participam da Câmara Mirim e/ou de seus projetos, 05 autoridades do Sistema de Ensino de Pouso Alegre: representante da Superintendência de Ensino,secretária municipal de educação, diretor de escola, orientador pedagógico - inspetor de alunos, 05 conselheiros tutelares de Pouso Alegre e15 vereadores mirins, de um total de 24 (vinte e quatro). Os resultados da pesquisa sugerem que o aluno introduzido nos trâmites e funcionamentos do poder legislativo passa a compreender a política de forma diversa àquela anteriormente perspectivada. Para os pais, a alteração comportamental dos jovens concretizou-se para melhor. Ressaltam ser nítido o entusiasmo em participar da Câmara Mirim e compartilhar as novas informações com os colegas, amigos e familiares. Este movimento sugere que a participação dos educandos na Câmara Mirim não surtiu efeitos apenas no âmbito da aquisição de conhecimentos acerca do poder legislativo, mas teve consequências emocionais interessantes e desejáveis como a aproximação dos elementos do núcleo familiar, a aproximação do educando com outras pessoas integrantes do seu meio, o orgulho e reconhecimento de seu valor e importância, entre outras. A educação cidadã, para além de repercutir na construção de cidadãos mais conscientes e potencialmente ativos, desembocou também em orgulho, reconhecimento, alteridade e abertura. Fato interessante foi observado sobre a avaliação do projeto pelas escolas do ensino tradicional, em que se constatou pouca notoriedade. Análises feitas pelos pesquisadores indicaram que as escolas ainda não estão preparadas para acolher estes jovens mais conscientes politicamente, especialmente se considerarmosos espaços de atuação oferecidos a eles nestas instituições, para que sejam praticados os vários
  11. 11. saberes e com isso o desenvolvimento seja ampliado via papel de agentes multiplicadores. Porém, as escolas ainda não criaram espaços para inclusão destes conhecimentos políticos e de cidadania no cotidiano didático pedagógico. Observa-se talvez a necessidade de um trabalho transversal e interdisciplinar interligando espaços e conhecimentos entre as escolas tradicionais do ensino fundamental e o projeto da Escola do Legislativo. O verdadeiro processo de formação e constituição do cidadão se dá no espaço pedagógico, conforme Arroyo (2002), pela luta da cidadania, pelo legítimo e pelos direitos. “A educação não é uma precondição da democracia e da participação, mas é parte, fruto e expressão do processo de sua constituição” (ARROYO, 2002, p.79) Expressa Dowbor in Toledo (2012), que a apropriação da cidadania torna-se necessária para que as mudanças aconteçam com equilíbrio entre aspectos racionais e emocionais, favorecendo o bem comum. Pensar o bem comum e agir através de atividades que estimulam o debate, o respeito, e os trabalhos em grupo, despertando os jovens para o acompanhamento político, são aspectos que desenvolvem a gestão inovadora e consciente. Estas caracteristicas são estimuladas na Escola do Legislativo de Pouso Alegre, por meio dos diversos projetos desenvolvidos na Câmara Mirim, tais com: O Grande Debate, A Gincana do Saber, O Prêmio Educador do Ano e a Urna da Cidadania. Atualmente pensar em uma estrutra que ofereça ações e iniciativas para o futuro sustentável das nossas comunidades, é o ideal para atingir a formação de cidades inclusivas, prósperas, criativas, educadoras, saudáveis e democráticas, que proporcionem uma boa qualidade de vida aos cidadãos e que permitam a participação da sociedade em todos os aspectos relativos à vida pública.(PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS, 2013) 4 Considerações Finais Na contemporaneidade o ser humano se depara com grandes avanços tecnológicos facilitadores à sua existência em sociedade, porém estes avanços chegam com altos custos como por exemplo a falta de tempo comprometendo sua qualidade de vida. Pesquisas apontam a uma urbanização crescente tendendo à falta de controle gerando consequências drásticas caso não se cuide de questões que tangenciam a mobilidade, a segurança, a infraestrutura das cidades, o espaço urbano, o meio ambiente dentre outros e para tal precisa-se ter adequadas políticas públicas assim como maior consciência dos cidadãos, maior engajamento em questões coletivas e maior participação das políticas locais e globais. Faz-se necessário o desenvolvimento de lideranças sustentáveis comprometidas com o bem comum que atuem de forma engajada e junto a uma comunidade consciente, engajada e articulada. Para se ter sustentabilidade nas cidades precisamos desenvolver pessoas que atuem de forma equilibrada em momentos de opinar, analisar, criticar e decidir, sem se esquivar, sem se omitir e sem agir de forma colérica e leviana. Para tal uma formação cidadã ativa e que empodera por meio da consciência política se faz necessária. A pesquisa trouxe a experiência da Escola do Legislativo em Pouso Alegre (MG) em que constatou que a raiz da apatia e desinteresse político da sociedade nasce da desilusão e indignação silenciosa diante do quadro político em que a corrupção e ineficiência se
  12. 12. destacam. Erroneamente, para afastar-se desta realidade, o indivíduo passou a acreditar que poderia viver melhor estando à margem da política e da vida pública, estabelecendo um ilusório abismo entre ele e as decisões políticas, como se pudessem ficar imunes a essas. A Escola do Legislativo, por meio de seus programas, demonstra a impossibilidade dessa ruptura.Esclarece aos educandos que não há como separar a busca do bem viver das decisões políticas que afetam diretamente o cotidiano dos sujeitos.A escola valoriza e desenvolve a autopercepção do jovem que ao sair da sua realidade (autocentrada e ego-narcísica), experimenta a sensação de pertencimento e de fortalecimento na experiência societária.Ele deixa de se sentir a parte e passa a fazer parte, ou seja, percebe muito claramente que pode atuar além das suas fronteiras pessoais, transcender a sua condição de indivíduo para alcançar o status de cidadão comprometido com a comunidade. A prática relatada na Escola do Legislativo traz autoconfiança, desenvolve competências emocionais e promove o refinamento cidadão. Os educandos integrantes do projeto passam a conhecer mais e melhor acerca de seus direitos e deveres objetivamente, mas também devido à percepção holística de que integram uma sociedade a qual devem se responsabilizar mutuamente por ela. Para a construção de uma vida em comum unidade (comunidade) em que a sustentabilidade esteja presente,não basta conhecer e fazer valer leis, normas, regras e procedimentos. Precisa-se ir além, gerando reflexões e avaliações sobre si próprio, sobre as governanças e sobre o que se pretende fazer no presente para se garantir a existência de futuras gerações mais conscientes, atuantes e engajadas em cidades mais sustentáveis. References [1] Aristotle. Policy. Sao Paulo: Scale, col. Master Thinkers, 2008. [2] ARROYO, Miguel G. Education exclusion and citizenship. In: BUFFA, e. (Ed.). Education and citizenship: who educates the citizen? Sao Paulo: Cortez, 2002. [3] AUGÉ, M. No places: introduction to an anthropology of super modernity. Sao Paulo: Papyrus, 2004. [4] Bauman, Zygmunt. Liquid modernity.Trad. Pliny Dentzein. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. [5] Beck, Ulrich, Giddens, Anthony; LASH, Scott. Reflexive Modernity: Politics tradition and aesthetics in the modern social order. São Paulo: Editora UNESP, 1995. [6] BIRMAN, Joel. Malaise at present: Malaise today psychoanalysis and new forms of subjectivity. 2nd ed. Rio de Janeiro: Brazilian Civilization, 2000. [7] BITTAR, Eduardo C. B. The right in postmodernity. Rio de Janeiro: Forensic University, 2005. [8] Castells, M. The Network Society. The Information Age: Economy, Society and Culture, vol. I. New York: Continuum, 1999. [8] Delors, Jacques. The Four Pillars Education, Report to UNESCO of the International Commission on Education for the Twenty-First Century 1996 [9] Goleman, Daniel. Emotional intelligence: The revolutionary theory that redefines what it is to be smart. Rio de Janeiro: Purposes, 2007. [10] HALL, Stuart. The cultural identity of postmodernity.Rio de Janeiro: DP & A,
  13. 13. 2002. [11] Lyotard, JF The PostmodernCondition, trans. José Bragança de Miranda. Lisbon: Gradiva, 2003, the original French La Condition Postmoderne Paris: Editions de Minuit, 1979. [12] Macedo and Cols. Citizenship education: an interdisciplinary challenge. Interdisciplinary Journal, v.1, n.3, October, 2013.São Paulo: PUC, 2013. [13] Ministry of Education and Culture - Transversal Themes 2000. [14] Nussbaum, Martha. Poetic Justice: the literary imagination and public life. Boston: Breacon Press, 1995. [15] PROGRAM SUSTAINABLE CITIES. GPS Guide - Sustainable Public Management. Available in <http: //www.cidadessustentaveis.org.br/GPS> Accessed on June 17, 2013. [16] Sartre, Jean-Paul. La Nausea, Madrid: Alianza Editorial, 2011. [17] TOLEDO B. (2012) Radar Rio +20 Sustainable Cities Debate <http://www.gvces.com.br/index.php?r=site/conteudo&id=198>Accessed on June 13, 2013

×