BPM Global Trends 2012 - Furlan

459 views
383 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
459
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

BPM Global Trends 2012 - Furlan

  1. 1. BPM Global TrendsGreen BPMSetembro 2012José Davi FurlanDirector of Education ServicesABPMP International 1
  2. 2. Todos ganham, certo?Indústria de insumos Indústria de produtos ao Logística fatura $$$ com fatura $$$ vendendo consumidor fatura $$$ transporte e distribuiçãopara outras indústrias com produção e vendas Governo arrecada Consumidor feliz com a oferta para consumo Varejo e bancos faturam $$$ $$$ com atividade com venda ao consumidor econômica 2
  3. 3. Quem perde no modeloeconômico atual? 3
  4. 4. Business as usualA humanidade está movimentando cerca de 48 bilhões de toneladas de materiais por ano -- desse valor 30 bilhões viram lixo Fonte: Waldman, Mauricio – “Lixo: cenários e desafios “. Ed. Cortez, 2011 “A humanidade precisa definir se quer viver agora e pagar depois (business as usual) ou pagar agora e continuar vivendo depois” Eduardo Giannetti da Fonseca, Economista Organizações, governo e consumidores buscam lucrar, arrecadar ou satisfazer suas necessidades isoladamente , e o fazem bem. Coletivamente, contudo, caminham para o ecocídio 4
  5. 5. “Business as usual é sinônimo de ecocídio”(*)Pela visão organizacional Pela visão da sociedade Processos desenhados Pessoas com carência para grande consumo de material eterna e um senso recursos, pilhagem do meio de competição do ter, ambiente, emprego de consumo desnecessário e tóxicos, geração de lixo, desperdício associados degradação, desperdício e visceralmente ao modo de produção ineficiente vida moderno 5 (*) Frase de André Trigueiro
  6. 6. A formulação do consumidor segundo Lebow “Nossa enorme economia produtivademanda que façamos o consumo nosso modo de vida, que transformemos a compra e uso de produtos emrituais, que busquemos nossa satisfação espiritual e de ego em consumo... Omaior sentido de significância de nossas vidas expressadas em termos de consumo... Precisamos que as coisas sejamconsumidas, queimadas, desgastadas, substituídas e descartadas a um ritmo cada vez maior...” 6
  7. 7. Triple Bottom Line “Atender as necessidades atuais sem comprometer a habilidade de futuras gerações atender as suas”Definição de desenvolvimento sustentável de acordo com WCED – World Commission on Economic Development, 1987, p.43 Prosperi- dade Integridade Equidade Econômi- Ambiental Social ca 7
  8. 8. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 8
  9. 9. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 9
  10. 10. Política Nacional de Resíduos SólidosNo Brasil, em 2010 foiimplantada a Política Nacionaldos Resíduos Sólidos, a PNRSLei nº 12.305Aplica o princípio daresponsabilidadecompartilhada entre as trêsesferas de governo, cidadãos einiciativa privada Até 2014, municípios terão de se adaptar a ela Não só o governo, mas produtores e consumidores também serão responsáveis pela destinação do lixo 10
  11. 11. DefiniçõesCiclo de vida do Logística reversa produto/serviço Conjunto de ações, Série de etapas que procedimentos e meios envolvem o destinados a viabilizar a coleta desenvolvimento do e a restituição dos resíduos ao produto/serviço, a setor empresarial, para obtenção de matérias- reaproveitamento, em seu primas e insumos, o ciclo ou em outros ciclos processo produtivo, o produtivos, ou outraconsumo e a disposição destinação final final ambientalmente adequada 11
  12. 12. Pros: •Redução do custo com tratamento lixo •Redução do impacto ambiental Cons: •Não atendimento da demanda •Rupturas em mudanças de governoPros: Pros:•Mudança de paradigmas Municipalidade •Sentirem-se parte da onda Consumidores•Redução de custos •Novas acepções de consumo Produtores•Criação de novos produtos •Menor culpa ao consumir•Novos consumidores Cons:Cons: •Não se engajar•Business as usual •Transferir responsabilidade•Resistência a investir •Não fazer sua parte•Manutenção do status quo •Resistência à mudança Cooperativas Pros: •Resgate cidadania de catadores •Profissionalização de recicladores •Elo inicial da logística reversa Cons: •Depende de apoio do poder público •Depende de apoio da iniciativa privada 12
  13. 13. Logística reversa Óleo lubrificante Embalagens de cosméticos Pilhas e baterias Garrafas PET Pneus usados Embalagens de agrotóxicosEletrônicos e utensílios Vidro, metal, plástico Entulho de obras Papel, papelão, isopor 13
  14. 14. Todos pensam no processo de construção do produto, mas poucos pensam no processo de desconstrução 14
  15. 15. Pensando na desconstrução e logística reversa 15
  16. 16. Princípio para Processos Sustentáveis #01:Resíduos convertidos em insumos: Processos delogística reversa participando da cadeia de valordas organizações Forças contrárias: Manutenção do status-quo, foco intraorganizacional , desconexão com mundo exterior, não contabilização dos verdadeiros custos associados à atividade econômica 16
  17. 17. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 17
  18. 18. Extensão do ciclo de vida do produtoRefil/Reuso Recarga, reutilização de forma diferenteReforma/recondicionamento Limpeza, lubrificação ou outra melhoriaReparo Substituição de componentes danificados para que o produto retorne às suas funções originaisReimplantação e canibalização Organizações poderão não querer, Utilização de partes funcionais em mas os consumidores vão insistir outro produto nissoRemanufatura Retratamento completo do produto para garantir desempenho funcional 18 e atualizado do produto
  19. 19. Extensão do ciclo de vida do produtoProgramas de troca: Trade-in 19
  20. 20. Ciclo de vida completo do produto/serviço Foco do cliente expandido para foco da sociedadeVisão interorganizacional ponta-a-ponta prevalecendo sobre a visão intraorganizacional e funcional 20
  21. 21. Processos ponta-a-ponta de ciclo completoMatéria prima ou Processamento Consumo Descarte Reprocessamento reprocessada Procure to Pay Production to Stock Order to Delivery Consumption to Discard Discard to Reprocessing 21
  22. 22. Princípio para Processos Sustentáveis #02:Processos de negócio pensados ponta-a-ponta nociclo de vida completo do produto/serviço e nãoponta-a-ponta do pedido a entrega ao cliente Forças contrárias:Pensamento inside-out e funcional, resultados financeirosé o que importa, visão de curto prazo, cliente descartável ou sem identidade para a organização, operação virtualizada desconectada da realidade 22
  23. 23. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 23
  24. 24. Acepções de status e consumo requerem revisãoProcesso não sustentável Processo sustentávelConsumo emocional Consumo consciente Compra impulsiva ou irracional Consumo racional (econômico) (psicológica) de itens de baixa ou baseado em necessidades reais e nenhuma utilidade que, muito uma vida saudável rapidamente, são destinados ao desuso e ao descarte Muitas organizações nãoConsumo de ostentação sobreviveriam a uma Compra de itens especialmente sociedade pautada pelo caros e não necessários de forma consumo consciente, mas à pessoa ser notada ou ter destaque na sociedade abriria oportunidade para criação de novos tipos deConsumo pelo vicio negócio 24
  25. 25. Pessoas ávidas por incorporar velhos hábitos Tragédia dos comunsComo será possível satisfazer a necessidade de novos consumidores ou de consumidores ascendendo a pirâmide social sem incorrer em falhas do passado? Sonham em adotar os mesmos padrões e hábitos que coletivamente nos remetem ao colapso 25
  26. 26. A formulação do consumidor segundo Lebow “...Produtos e serviços devem ser oferecidos ao consumidor comespecial urgência. Não apenas levá- lo a um consumo forçado, mas também a um consumo caro. Precisamos que as pessoas comam, bebam, vistam-se, desloquem-se, vivam através de um consumo cada vez mais complicadoe, portanto, constantemente mais caro” 26
  27. 27. Consumo consciente “Quanto maior a pressão sobre o indivíduo para se conformar à segurança eaos padrões sociais aceitos, maior será a tendência deexpressar suas aspirações eindividualidade em termosdo que veste, dirige, come, sua casa, seu carro, seus hábitos de alimentação, hobbies” 27
  28. 28. Princípio para Processos Sustentáveis #03:Organizações moldando hábitos sustentáveis emseus consumidores para perpetuar seus própriosprodutos e serviços Forças contrárias: Resultados financeiros de curto prazo, mentalidade de exploração até esgotamento, negócio fundamentado em consumo não consciente 28
  29. 29. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 29
  30. 30. Hierarquia do desperdício Menor desperdício Eliminação Redução Desperdício Refil/reusoReforma/Reparo/Recondicionamento/Remanufatura Reimplantação/canibalização Reciclagem Descarte para aterro Maior 30 desperdício
  31. 31. Desperdício e custos não contabilizadosHoje Desperdício como padrão organizacional e social Custos de impactos não contabilizadosAmanhã Fazer mais com menos ou com o mesmo Atender mais pessoas com menor impacto ambiental Washington Novaes Mudar padrões ineficientes por padrões eficientes Contabilizar custos reais 31
  32. 32. Foco no que realmente agrega valorReduzir ou eliminar gastos, consumose uso de recursos em processos quenão agregam valor Redução de insumos Menos embalagens, menos cores em embalagens, menos sacolas descartáveis, menos papel, menos dinheiro em espécie, menos consumo de água, menos fertilizantes, menos agrotóxicos Redução do uso de energia Redução da quantidade de passos em processosRever produtos e serviços para focarna essência e não no acessório 32
  33. 33. Programa de sustentabilidade da Best Buy O ponto de vendacompleta o ciclo devida do produto aorecolher, reciclar e vender as partes Ganha com a venda, uma possível nova venda de reposição e com as Reciclagem requer a desmontagem do produto commodities derivadas da ao nível de material componente para que seja reciclagem e fechamento reprocessado em novas formas : •Mesmos materiais: Closed loop recycling do ciclo de vida do •Novos materiais: Open loop recycling produto 33
  34. 34. Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) 34
  35. 35. Produtos autossustentáveis 35
  36. 36. C2C - Cradle to Cradle 36
  37. 37. Princípio para Processos Sustentáveis #04:Processos, produtos e serviços desenhadosvisando redução de desperdícios, redução deinsumos e energia, reaproveitamento de materiaise resíduos, e autossustentáveis Forças contrárias: Pedagogia do desperdício, mentalidade produtiva atrasada, perpetuação de métodos obsoletos com tecnologia melhorada, 37
  38. 38. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 38
  39. 39. Produtos como parte de serviçosUma economia onde as necessidades das pessoassão satisfeitas com em vez de produtosotimiza a utilização de recursos e permite acessopor um número maior de pessoasQuando não é possível substituir produtos porserviços que incluam o produto, prover meios parasubstituir antigos produtos por novos Ex: Programas trade-in 39
  40. 40. Exemplo: Traduzindo produtos em serviços Em vez de carro como propriedade particular, utilizá- los por km e tempo viajado Não ter de investir em algo que deprecia 15% ao ano e que é utilizado somente 15% do tempo Não ter de se preocupar com seguro, impostos, manutenção, abastecimentoCar sharing Não ter de pagar ou se preocupar com estacionamento 40
  41. 41. Usar sem adquirirEstabilidade versus Otimiza a utilização dosflexibilidade: Ser ativos pelo usoproprietário ou locatário compartilhando evitando Da sociedade da desperdícios propriedade para a sociedade da locaçãoConsumidores seguindoum padrão já adotadopelas organizações by The Wall Street Journal 41
  42. 42. Processos ponta-a-ponta: Serviços Prestação de Manutenção doInsumos Reprocessamento serviço serviço Procure to Pay Service to conclusion Follow-up to Reprocessing 42
  43. 43. Princípio para Processos Sustentáveis #05:Produtos como parte de serviços em vez deprodutos como fins em si mesmos Forças contrárias:Apego à posse, insegurança material, insegurança macroeconômica, conveniência da propriedade mesmo que custosa 43
  44. 44. Princípios para Processos SustentáveisLogística reversaExtensão do ciclo de vida de produtos e serviçosNovas acepções de consumoEliminação de desperdícioProdutos como parte de serviçosPensamento outside-in e simplificação 44
  45. 45. Outside-in process designDesenho de processos defora para dentro daorganização: Foco DOcliente A era das organizações imporem seus produtos e serviços ficou para trás Em vez de empurrar, produtos e serviços serão puxados pelos clientes Não adianta melhorarmos o que nem deveria existir 45
  46. 46. Simplicidade é a sofisticação máximaSimplificação do modusoperandi organizacional Os clientes estão cada vez mais sobrecarregados de complexidade desnecessária, e buscam uma forma de viver mais fluída e simplificadaSimplificar, simplificar, “Besides the noble art of getting thingssimplificar done, there is the noble art of leaving things undone. The wisdom of life consists in the Quanto mais simples, menor elimination of non-essentials” — Lin Yutang o impacto 46
  47. 47. Pensamento “Outside-in”Estabelecer a experiência do cliente como ponto focal parao desenho de processo (outside-in process design) Descobrir como cliente define pontos de início e fim, tempo de resposta aceitável, e critérios de satisfação são elementos críticos para compreender a experiência do cliente no processo 47
  48. 48. Princípio para Processos Sustentáveis #06:Desenho de processos com foco docliente, simplificação de processos, foco no querealmente agrega valor e eliminação do que nãoimporta Forças contrárias: Dificuldade de se colocar no lugar do cliente, cliente deve ser mantido à distância, mentalidade de “empurrar” produtos e serviços, encarar organizações como acima dos clientes 48
  49. 49. Sustentabilidade = Cidadania Corporativa Credibilidade Capacidade Coerência Comprometimento 49MIRVIS, Philip; GOOGINS, Bradley, Stages of corporate citizenship, 2006
  50. 50. Princípios para Processos Sustentáveis – SumárioProcessos de logística reversaparticipando da cadeia de valor dasorganizaçõesProcessos de negócio pensadosponta-a-ponta no ciclo de vidacompleto do produto/serviçoOrganizações moldando hábitossustentáveis em seus consumidorespara perpetuar seus própriosprodutos e serviçosRedução de desperdícios, reduçãode insumos e energia ereaproveitamento de materiais emprocessos Vendo o mundo através de novas lentes “Carta da Terra”Produtos como parte de serviçosDesenho de processos com foco docliente, simplificação deprocessos, foco no que realmenteagrega valor e eliminação do que não 50
  51. 51. ABPMP BRTowards a sustainable world 51

×