• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
 

Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental

on

  • 3,416 views

O artigo apresenta uma experiência de leitura de filmes e documentários que versam sobre a origem do cinema e sua importância para a sociedade contemporânea na perspectiva de redimensionar a ...

O artigo apresenta uma experiência de leitura de filmes e documentários que versam sobre a origem do cinema e sua importância para a sociedade contemporânea na perspectiva de redimensionar a prática educativa em sala de aula do ensino fundamental, e desencadear a formação do aluno como leitor e produtor de imagens, conseqüentemente, um aluno capaz de fazer uma leitura de mundo. Utilizamos o documentário 100 anos luz produzido pela Rede Globo de Televisão por ocasião das homenagens aos 100 anos de cinema, que versa sobre a história do cinema em vários países, o filme Tempos Modernos de Charles Chaplin que trata da sociedade capitalista que começava a se desenhar na Europa a partir do século XVIII, e o documentário A fábrica de Sonhos, que contextualiza a forte influência da cultura americana nos nossos usos e costumes.

Statistics

Views

Total Views
3,416
Views on SlideShare
3,396
Embed Views
20

Actions

Likes
1
Downloads
54
Comments
0

2 Embeds 20

http://elizetearantes.blogspot.com 12
http://www.elizetearantes.blogspot.com 8

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental Document Transcript

    • 1 Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental: uma prática que redimensiona a leitura e a escrita no processo educativo Dalva Simône Linhares1 Orientação: Elizete Vasconcelos Arantes Filha2Resumo: O artigo apresenta uma experiência de leitura de filmes e documentários que versamsobre a origem do cinema e sua importância para a sociedade contemporânea na perspectiva deredimensionar a prática educativa em sala de aula do ensino fundamental, e desencadear aformação do aluno como leitor e produtor de imagens, conseqüentemente, um aluno capaz de fazeruma leitura de mundo. Utilizamos o documentário 100 anos luz produzido pela Rede Globo deTelevisão por ocasião das homenagens aos 100 anos de cinema, que versa sobre a história docinema em vários países, o filme Tempos Modernos de Charles Chaplin que trata da sociedadecapitalista que começava a se desenhar na Europa a partir do século XVIII, e o documentário Afábrica de Sonhos, que contextualiza a forte influência da cultura americana nos nossos usos ecostumes. O projeto desenvolvido “O despertar da sétima Arte” visou à compreensão, interpretaçãoe produção de textos visuais a partir da leitura da imagem e foi desenvolvido na Escola MunicipalProfessora Terezinha Paulino de Lima nos anos de 2008-2009 com alunos do 7ª a 9ª séries doensino fundamental. Utilizou-se as teorias de Vygotsky à luz do sóciointeracionismo, que a partirdo estudo de Oliveira (2000), subsidiou a análise e a metodologia, a participação e interação dosalunos, como também, as transformações reveladas em cada participante. Para compreender eexplicar todo o processo experimentou-se as colocações de Delors (2006), quando propõe eixosnorteadores da educação para o século XXI, mencionando os quatro pilares: Aprender a Conhecer,Aprender a Fazer, Aprender a Viver Juntos e Aprender a Ser. Assim, ficou evidenciado que utilizara leitura de imagens na escola torna melhor o processo de ensino e aprendizado, a convivência, atolerância e o respeito com as pessoas, devido à essência multicultural do cinema e às múltiplasleituras que se podem construir juntos, principalmente, a leitura de um novo mundo.Palavras chave: Cinema, Arte, Vídeo, Sóciointeracionismo, Leitura da imagem, AlfabetizaçãoVisual.Introdução Em um contexto de globalização, é latente a necessidade de se trabalhar a educaçãonuma perspectiva multicultural. O cinema, integrando som e cor, espaço e tempo, palavra e1 Pós-Graduada pela Faculdade Internacional de Curitiba (2007), graduada em Letras (UFRN), educadora da rede públicade ensino municipal e estadual de Natal/RN. Autora do livro As Cinco Estações (2007). Contato:sy_linhares@hotmail.com2 Mestre em Educação pela UFRN, especialista em Metodologias de arte aplicada à educação com ênfase em cinema evídeo. Professara Formadora presencial e a distância de produção audiovisual aplicada à educação. Ministra atualmenteos cursos “introdução à produção de vídeos”, “Professor: de espectador a produtor de vídeos” e “ Edição de vídeosaplicada à educação utilizando softweres livres”, no Núcleo de Tecnologia Educacional de Natal-RN e professoraconteudista e formadora em educação a distância pelo IFRN. Contato: elizetearantes@gmail.com
    • 2movimento, favorece a troca de informações e conhecimento entre culturas diferentes, oque importaria uma sensibilização para a pluralidade de valores e universos culturais cadavez mais presentes no cotidiano de educadores e alunos. Nesse sentido, a linguagem docinema presente na vida do homem, é uma via no processo de ensino e aprendizagem queabre espaço para ativar e socializar o conhecimento oportunizando aos alunos a seinserirem na vida social e cultural, promovendo a cidadania, na perspectiva de desenvolvera autonomia intelectual, o pensamento crítico, o resgate da auto-estima pessoal ecomunitária sob um “novo olhar” para o mundo. A necessidade de desenvolver esse projeto se deu ao perceber a disponibilidade deespaço na escola, a importância de mudanças de estratégias que proporcionassemenvolvimento mais ativo dos alunos, como também a possibilidade de utilizar os materiaisdisponíveis na escola, alguns vídeos e cartazes sobre cinema, que já existia e não tinha sidoutilizado até o momento. Ao organizar o projeto buscou-se apoio para concretizar as ideiase montar a telessala, um ambiente novo, dinâmico e pedagogicamente interativo queagradou a professores e alunos, motivando o desenvolvimento do Projeto 7ª Arte. Desse modo, esse artigo vem relatar a experiência vivida, inicialmente, com alunosde 7ª e 9ª séries de Ensino Fundamental na Escola Municipal Professora Terezinha Paulinode Lima, que visou construir a prática da leitura do cinema na escola, e, num processo decomunicação e interação mais amplo possibilitou o registro em vídeo, pelos própriosalunos, desencadeando a formação do aluno como produtor de imagens. Para isso, foiformada, através de um teste seletivo e voluntário, uma equipe de 15 alunos. Organizou-secom esse grupo, semanalmente, um encontro presencial e encontros vivenciais, de acordocom a necessidade de cada pessoa envolvida, fosse aluno ou professor. Utilizamos comometodologia de trabalho, pesquisas estruturadas através de leitura e produção de textos,orientados especificamente para temas que explicassem com maior propriedade a históriado cinema, que resultaram em apresentação de seminários, enquetes teatrais, entrevistascom professores da Escola, projeção de filmes mudos e em preto e branco. Utilizou-secomo registro a criação de um livro onde foram registradas todas as etapas vivenciadas euma produção em vídeo como documento para socialização entre a comunidade em tornoda escola.
    • 3Aprendendo com o cinema O tempo e o espaço na escola passam por uma ressignificação que exige que seinsira na educação culturas heterogêneas e o entorno das tecnologias. Segundo osParâmetros Curriculares Nacionais, o cinema, a televisão e o vídeo estão inseridos nasartes visuais e resultam dos avanços tecnológicos e transformações estéticas a partir damodernidade (PCNs, 1999). Dessa forma, não mais se pode falar em Educação seminteração e educar assume epistemologicamente as tecnologias da informação e dacomunicação. A relação entre as informações transmitidas nas imagens dos filmesassistidos e analisados em sala de aula, por exemplo, possibilita o relacionamento e a trocade conhecimentos em todos os seus aspectos. No caso do aluno, esse “feedback” se dá apartir do momento em que, aos seus prévios conhecimentos se somam novos, à medida queseus sentidos captam as transmissões da tela e as informações se reorganizam. Há mais de um século o cinema seduz, provoca e emociona pessoas em todo omundo, dentre elas seguramente estão milhões de professores e alunos. A partir deexperiências, nasceu o cinema, através de várias inovações que vão desde o domíniofotográfico até a síntese do movimento, utilizando a persistência da visão com a invençãode jogos ópticos. Em 1900, Charles Pathé, industrial do ramo cinematográfico, já se referia aosfilmes do futuro como sendo “[...] o Teatro, o Jornal e a Escola de amanhã.” (Pathé apudSilveira, p.27, 1978 in Arantes, 2004). Ainda não chegamos a esse ponto, mas nãopodemos negar que o cinema é um veiculo poderoso na transmissão de informaçõesculturais, sociais, políticas e econômica. Através dele pode-se observar como uma culturase comporta em sociedade ou saber como aconteceu algo em uma determinada época e deque forma aconteceu. Portanto, transformar o cinema em escola ainda está distante, masutilizar os filmes como veículos de interação entre o ensino e o aprendizado, já vem seconcretizando e se tornando um instrumento inerente ao ensino. Dessa forma, podemosafirmar com propriedade que hoje se ensina com a imagem e se aprende com a imagem(ARANTES, 2004, p.62 ). Nessa perspectiva, fazer o “despertar da sétima arte” na comunidade escolar, emequipe, é formar multiplicadores de conhecimento – segundo Aranha e Martins (p. 133,2005), “o artista atribui sentido à realidade que o cerca e organiza a experiência, o vivido,
    • 4transformando-a em objeto de conhecimento” – num trabalho social de aprendizagem queapresenta além de uma função cognitiva, uma função emocional. Nessas condições,constituiu-se um grupo de alunos que, fora de seu horário de aula, se reunia semanalmentenas dependências da escola, freqüentando ambientes que outrora não eram tão comuns,como a telessala, biblioteca, sala de informática ou até mesmo em casa, para pesquisar,fazer resumos, anotar dúvidas e discutir sobre temas relacionados ao cinema mundial comtemáticas acerca da História do Cinema, O Cinema Mudo, a história da vida e obra deCharles Chaplin, A Evolução do Cinema e Gêneros Cinematográficos. Esses temas deramsubsídios aos professores para que fossem trabalhadas, subjetivamente, as teorias de LevSemenovích Vygotsky, que enfatiza o papel da linguagem no processo de desenvolvimentoe aprendizagem social, cultural e histórica, baseados em estudos de Oliveira (2000),Doutora em psicologia da educação – EUA - e professora da Faculdade de Educação daUSP, que dedicou seus estudos para conhecer a teoria do desenvolvimento humano noâmbito educacional. Segundo Vygotsky apud Oliveira, 2000, p.40): “As origens das funções psicológicas superiores devem ser buscadas nas relações sociais entre o indivíduo e os outros homens: para Vygotsky o fundamento do funcionamento psicológico tipicamente humano é social e, portanto histórico. Os elementos mediadores na relação entre o homem e o mundo – instrumentos, signos e todos os elementos do ambiente humano carregados de significado cultural – são fornecidos pelas relações entre os homens”. A escola, de modo geral, tem uma relação estreita com o mundo da cultura e com asociedade. A abordagem de Vygotsk sobre o desenvolvimento humano, em seu contextohistórico-cultural, analisada sob a ótica de Oliveira, constitui um norte para a prática deatividades com o cinema, no âmbito escolar. Enquanto os alunos se reúnem pra estudar,vão se envolvendo com a pesquisa, ampliando o interesse pelas informações como tambémvão se descobrindo e descobrindo o outro. Logo, a partir dessa “preparação”, abre-se umseminário de discussões, oportunizando a comunicação oral, formando para o aprender aouvir e respeitar a opinião dos outros e, através do objeto de conhecimento, com sentido esignificado, o aluno partilha, questiona e reflete sobre o cinema e a experiência que vemvivenciando no decorrer das atividades. Fica evidente que essa socialização favorece oraciocínio, a consciência crítica, desenvolve o pensamento divergente e a descoberta deaptidões, despertando o desejo da conquista e da iniciativa de cada indivíduo do grupo.
    • 5 Na realidade, a cultura é uma produção humana cuja fonte é a vida social, pois énas relações grupais que o indivíduo se comunica, ação fundamental no processo dedesenvolvimento e aprendizagem, diga-se de passagem, que essas relações grupais sãofundamentais no processo de desenvolvimento e aprendizagem, ou seja, ainda maisabrangente – cultural, social e histórica. Para Oliveira (2000, p. 36), “[...] é o grupo culturalonde o indivíduo se desenvolve que lhe fornece formas de perceber e organizar o real, asquais vão constituir os instrumentos psicológicos que fazem a mediação entre o indivíduo eo mundo”. Assim também, interessado nas relações sociais enquanto fundamento dodesenvolvimento humano, Vygotsky deslocou a questão da realidade biológica para aquestão da realidade cultural e entendeu esta transição como espaço de desenvolvimento damente humana. Contudo, para elucidar essa questão buscamos em Oliveira, 2000, p.45: “O grupo humano teve de criar um sistema de comunicação que permitisse troca de informações específicas, e ação no mundo com base em significados compartilhados pelos vários indivíduos empenhados no projeto coletivo. O surgimento do pensamento verbal e da linguagem como sistema de signos é um momento crucial no desenvolvimento da espécie humana, momento em que o biológico transforma-se em sócio- histórico”. Nessa concepção, reconhece-se que o ponto de partida e de chegada da educação ésempre o mundo humano em sua configuração histórico-cultural, com suas contradições,ambigüidades e possibilidades. Diante dessas colocações, afere-se que o cinema permeia osóciointeracionismo vygotskyano, tendo em sua essência um forte apelo social, inserindo-se nas mais diversas culturas, com uma versatilidade de recursos e atividades que podemser utilizados no que se refere à aprendizagem, através dos sistemas simbólicos e processosde internalização. Com esse propósito, apresentou-se ao grupo de alunos envolvidos nesse estudo, osdocumentários “A Fábrica dos Sonhos”, documentário experimental produzido por alunosde jornalismo da UFRN em 2007 e utilizado como vídeo aula no curso de “Introdução àProdução de Vídeo da TV/escola do Núcleo de Tecnologia de Natal, que versa sobre aorigem do cinema, com ilustrações de filmes raros em preto e branco seguindo acronologia, opiniões de críticos, estudantes e professores de comunicação sobre seusconceitos sobre cinema, e sobre a forte influência da cultura americana nos nossos usos ecostumes, como também, o documentário “100 Anos Luz”, produção da Rede Globo de
    • 6televisão – que versa sobre a história do cinema em vários países nos últimos 100 anos, e ofilme “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin (1936). Este último versa sobre a vidaurbana nos Estados Unidos nos anos 30, após a crise de 1929, quando a depressão atingiutoda sociedade norte-americana, levando grande parte da população ao desemprego e àfome. A partir da projeção dessas imagens, os alunos foram convidados a observarem asproduções e identificarem o tema proposto, como também a leitura e interpretação deimagens relacionando à condição de poder pensar, interagir a partir do lido e ser capaz dedizer a sua palavra através da idéia e emoção “via tela”. Nesse ínterim, passou-se aobservar o comportamento dos alunos envolvidos no projeto e suas atitudes em relação aoato da leitura de imagens e a perceber o desenvolvimento de habilidades relacionadas àatenção, à memória, à associação, à análise, à síntese, à orientação espacial, ao pensamentológico e criativo, além da percepção da organização dos elementos da linguagem visual -luzes, sombras, cenário - e de como esses elementos estão associados a outros - música,ideias e história. A leitura da imagem de forma coletiva instigou a pesquisa com outras linguagens.O trabalho segue com a produção de um texto para entrevista, com professores da escola,sobre o tema em estudo, como também, o uso de filmes na prática pedagógica do docente.Isso feito caminhou-se para a confecção de cartazes e a organização de murais a fim dedivulgar um “encontro com a sétima arte”, através de uma exposição na telessala comapresentação da pesquisa realizada, como também o documentário “A Fábrica de sonhos”e uma esquete teatral baseada em uma cena do filme “Tempos Modernos”, de CharlesChaplin representando a cena que mais emocionou, com a qual houve maior identificaçãopara o grupo de alunos. A cada etapa, um grupo de alunos registra em fotografias osacontecimentos e professores registraram em vídeo as opiniões, as perguntas e também asrespostas que cada aluno faz aos colegas envolvidos. À medida que as atividades vão sendo realizadas, percebe-se a elevação da auto-estima dos alunos e o desenvolvimento gradual de suas habilidades e competências, comgrande envolvimento e interação com o grupo. Cada um cumpre a sua responsabilidadecabida sem as cobranças tão comuns no cotidiano escolar. Percebe-se uma melhordesenvoltura na expressão oral em todo o processo cênico da apresentação do esquete, oexperimentar ser o que não é, e ter a idéia de como seria se fosse outra pessoa, o fazercoisas diferentes das que faz cotidianamente, vivendo em outro tempo e em outro lugar.
    • 7Somado a tudo isso, aprecia-se o crescimento humano nos valores e relações sociaisvivenciados em sua pluralidade.Os quatro pilares da educação e o cinema na sala de aula Naturalmente, o cinema na sala de aula favorece uma educação voltada para acultura de paz, pois quando o aluno passa a observar outras culturas e comparar com a sua,torna-se capaz de compreender e aceitar com naturalidade as diferenças, com isso, passa ater um comportamento menos violento em relação ao outro, passa a aceitar-se na suacondição de ser, ou não ser, passa a se ver como integrante de um espaço e de umarealidade e passa a ter noções e incentivo para mudar, se for preciso. Na escola, a atividade“O Despertar da Sétima Arte”, contextualiza as colocações de Delors quando propõe eixosnorteadores da educação para o século XXI citando os quatro pilares: Aprender aConhecer, Aprender a Fazer, Aprender a Viver Juntos e Aprender a Ser. (DELORS, 2006,p. 98): “A educação tem por missão, por um lado, transmitir conhecimentos sobre a diversidade da espécie humana, e por outro, levar as pessoas a tomar a consciência das semelhanças e da interdependência entre todos os seres humanos do planeta [...] Quando se trabalha em conjunto sobre projetos motivadores e fora do habitual, as diferenças e até os conflitos interindividuais tendem a reduzir-se, chegando a desaparecer em alguns casos. Uma nova forma de identificação nasce destes projetos que fazem com que se ultrapassem as rotinas individuais, que valorizam aquilo que é comum e não as diferenças”. Esses pilares estão no Relatório para a Organização das Nações Unidas para aEducação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), realizado pela Comissão Internacional sobreEducação para o Século XXI, cuja missão é efetuar um trabalho de estudo e reflexão sobreeducar e aprender neste século. A partir dessas considerações, a recepção doconhecimento, através da sétima arte, se dá em qualquer disciplina de acordo com aatividade proposta para o objetivo informativo e formativo de seu conteúdo. Os filmesconseguem prender a atenção do aluno de forma natural, prazerosa e curiosa. Da mesmaforma, cultivam a memória e o raciocínio nas relações com os diferentes contextos comque se pode trabalhar – universos de tempo, espaço, culturas e outros.
    • 8 “A cultura geral, enquanto abertura para outras linguagens e outros conhecimentos, permite, antes de tudo comunicar-se. [...] A formação cultural, cimento das sociedades do tempo e no espaço, implica a abertura a outros campos do conhecimento e, deste modo, podem operar-se fecundas sinergias entre as disciplinas. [...] Aprender a conhecer supõe, antes de tudo, aprender a aprender, exercitando a atenção, a memória e o pensamento (DELORS, 2006, p. 91-92). Sob esse olhar, percebe-se que, quando o aluno domina seus próprios instrumentosde conhecimento, ele compreende o mundo que o rodeia, exercendo sua cidadania. Esseconhecimento estimula a compreensão e a descoberta de novos paradigmas apresentadosna sociedade em que se vive. O trabalho com cinema, seus textos e contextos traz oconhecimento e ensina a refletir, a ter uma visão crítica, a se posicionar, a fazer relações. E assim, no Aprender a Conhecer, recorda Delors (2006, p. 91): “O aumento dos saberes, que permite compreender melhor o ambiente sob os seus diversos aspectos, favorece o despertar da curiosidade intelectual, estimula o sentido crítico e permite compreender o real, mediante a aquisição de autonomia na capacidade de discernir”. Sucede a esse desenvolvimento, o Aprender a Fazer, que está diretamente ligado aoAprender a Conhecer. O “Fazer” lembra construção, trabalho em equipe; requercompetências para sua concretude. Percebe-se assim, como “O Despertar da Sétima Arte”insere-se nesse contexto, em seu processo e ao final dele, em que os alunos reúnem todo omaterial pesquisado para a confecção de um livro e todos os registros de imagem para aprodução de um documentário. Enfim, evidencia-se que, através da pedagogia estruturadacom a sétima arte, chega o conhecimento dos vários aspectos que norteiam o processo deensino e aprendizagem e a promoção das relações entre as pessoas quando na abrangênciade sua socialização.Uma arte que interage com a vida dos alunos A escola deve criar mecanismos que oportunizem a aprendizagem trazendo novasperspectivas, novas referências que melhorem conhecimento e valores. Diante dessascolocações, observa-se o depoimento de alguns alunos que participaram do projeto 7ª arte. “Meu pai tem um quadro de Chaplin, só que eu nem sabia o que ele significava, o que ele foi na história [...] tive que parar para pesquisar, estudar prá poder fazer certo, fazer bonito. Me senti realizada. É uma coisa que a gente tem guardado prá sempre como forma de
    • 9 aprendizagem [...] Pude aprender coisas que eu não imaginava um dia aprender.” J.K.O.H (16 anos). Essa declaração remete ao “Aprender a Conhecer”, a compreender melhor omundo, processando, segundo as teorias vygotskyanas (Pino, 2005), as significaçõesculturais em significações pessoais. Portanto, há toda uma construção de internalizaçãosimbólica com novos paradigmas sociais. E já que, para Vygotsky (2005), cultura é,simultaneamente, o produto da vida social e da atividade social dos homens, pode-setambém destacar, com as palavras do aluno, citadas abaixo, o “Aprender a Viver Juntos”,colocado por Delors. Essas teorias e estudos são intrínsecas à educação e foramamplamente vivenciadas no desenvolvimento da atividade descrita. “Trabalhar em grupo com os colegas, com pessoas que eu não conhecia foi legal. O que aprendi com a 7ª Arte, posso dizer que é importante, um trabalho que a gente tá vendo resultado.” M.C.S.S (14 anos). Dentre os alunos participantes do referente projeto, J.R.N.A (17 anos) refere-se asua experiência como algo inovador em sua vida, algo que o fez viajar no “túnel dotempo”, onde ele pode construir novos conceitos, o que para Vygotsky (Oliveira, 2005)revela a intencionalidade do ato educativo e representa o núcleo das mudanças dopensamento do adolescente. “Com esse projeto, tive a oportunidade de conhecer melhor a história do cinema, pude interpretar personagens do tempo passado; conheci sobre o grande gênio Charles Chaplin. Pude participar bastante, com mais vontade, mais força [...] foi muito diferente dos trabalhos que participei.” J.R.N.A (17 anos). Interessado nas relações sociais enquanto fundamento do desenvolvimento humano,Vygotsky deslocou a questão da realidade biológica para a questão da realidade cultural eentendeu esta como espaço de desenvolvimento da mente humana, segundo Smolka eLaplane (2005). Vem somar-se a esse argumento, a expressão do aluno abaixo, cujavivência social mais intensa, com mais diálogo, contatos com diferentes pessoas, o fezconhecer, assimilar, experimentar, construir e desenvolver-se enquanto cidadão e pessoa. “Eu aprendi muita coisa que não sabia. Conheci pessoas mais velhas, conversei, pessoas que eu pensava que nunca ia falar.[...] Foi uma experiência que me fez ver e aprender coisas novas.” S.S.N ( 14 anos).
    • 10 Para o modelo histórico-cultural inspirado por Vygotsky, a escola tem um papelsingular e insubstituível na apropriação da experiência culturalmente acumulada. E é nodepoimento do aluno abaixo onde se pode perceber que a conclusão do trabalho resultou,dentre tantos outros aprenderes, no “Aprender a Fazer”, em que se constata todo odesenvolvimento da aprendizagem. “Pude aplicar o desenvolvimento da pesquisa e foi uma experiência muito importante e gratificante para mim. [...] Uma novidade boa para nós é que vamos deixar nossa pesquisa em um livro e todos os alunos que chegarem no colégio poderão aprender mais um pouco sobre o despertar da 7ª arte.” W.P.N (14 anos). Assim, ao analisar as relações e efeitos desse estudo temático acerca do processo deensino e aprendizagem, aprova-se a prática da pedagogia cinematográfica na escola,compreendendo que esta atividade favorece a participação integral do indivíduo enquantopessoa e ser social com acesso a vários bens culturais. Assim, pois, promover um ensinardiferente, com novas práticas é também promover a comunicação que possibilita ao alunointegrar-se ao mundo histórico, atual e interdependente, ajudando-o a crescer afetiva eintelectualmente. Na educação pós-moderna, o conhecimento humano tende a combinar-se com acapacidade deste de interagir intencionalmente na busca da plena compreensão, ou seja, decomunicar-se. Últimas palavras Nesse sentido, o cinema revela um caráter sóciointeracional à proporção quepermite aos educandos a troca de experiências, sentimentos, emoções e valores, ao tempoem que sons e imagens agem sobre o corpo e a cognição, construindo conhecimento. Aqui,depara-se com os aspectos lingüísticos e comunicativos dos textos que, dando aoportunidade de uma leitura de mundo, também conseguem trabalhar semântica,interpretação, produção, expressão verbal (argumento, opinião), favorecendo aaprendizagem, a comunicação e o relacionamento com outras pessoas. Os registrosfotográficos e em vídeo culminaram na produção audiovisual Construindo a Leitura do
    • 11Cinema na Escola e veio possibilitar a socialização do projeto com a comunidade escolar,parentes e amigos numa grande festa com a participação de todos os envolvidos, eposteriormente, compartilhados na Internet. À luz dessas considerações, evidencia-se que tal prática, na escola, torna melhor aconvivência, a tolerância e o respeito com as pessoas, devido a sua essência multicultural.A cultura inerente ao cinema propicia uma retomada de algo que alguém vivenciou não sóem seu plano habitual, mas também de coisas que foram desconhecidas e podem serresgatadas a partir do processo de transmissão. Da mesma forma, contribui paradescobertas, gerando transformações. Essas mudanças criam possibilidades de descobrirnovas potencialidades para as quais o indivíduo não havia despertado. Nessa perspectiva,educar utilizando o cinema e a sua gama de possibilidades amplia seus objetivos,ultrapassa suas expectativas, contribuindo para a construção da cidadania e favorecendo aparticipação social, ao permitir que os alunos ampliem a compreensão do mundo em quevivem, reflitam sobre ele e possam nele intervir. Assim, o Projeto 7ª Arte terá continuidade na escola com a proposta de inovar seustemas e ações, acompanhando o tempo, o espaço e a sociedade com propostas flexíveispara que a aprendizagem, a formação e o conhecimento adquirido, através do estudo docinema, aconteçam na vida dos alunos. Para o educador os desafios são vários, incontáveis; no entanto, reconhecer o novocontexto educativo, as novas tendências pedagógicas, as modernas tecnologias, atitudes,modos de pensamento e valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento e asmudanças na comunicação é ação decisiva na constituição das novas formas de conhecer,aprender e gerenciar o conhecimento humano. Daí, a necessidade do professor sempre sedisponibilizar a acompanhar e intervir, se permitir e propiciar práticas que o levem arefletir sobre seus conhecimentos e ações pessoais e educativas.ReferênciasARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia.3.ed. São Paulo: Moderna, 2005.ARANTES FILHA, Elizete Vasconcelos. Devaneio do olhar: uma experiência deprodução e leitura da imagem através do vídeo na prática pedagógica. Natal/RNBS/CCSA/2004. p. 180.DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
    • 12OLIVEIRA, Marta Kohl. Vygotsky – aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 2000.OLIVEIRA, Marta Kohl. Escola e Desenvolvimento Conceitual. Revista Viver – mente &cérebro. Coleção memória da pedagogia – Lev Semenovich VYGOTSKY. São Paulo, nº2, p. 68-75, 2005.Parâmetros Curriculares Nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília:MEC, 1998.PINO, Angel. Cultura e Desenvolvimento Humano. Revista Viver – mente & cérebro.Coleção memória da pedagogia – Lev Semenovich VYGOTSKY. São Paulo, nº 2, p.14-21,2005.SMOLKA, A.L.B; LAPLANE, A.L.F. Processos de Cultura e Internalização. RevistaViver – mente & cérebro. Coleção memória da pedagogia – Lev SemenovichVYGOTSKY. São Paulo, nº 2, p. 76-83.FILMOGRAFIAA fábrica de Sonhos (Natal/Brasil, 2007). Orientação: professora Elizete Arantes(produção de avaliação de final de curso de Jornalismo, 2007. UFRN). Cópias disponíveisno Núcleo de Tecnologia Educacional do Natal-RN.100 anos luz. Documentário (em homenagem aos 100 anos de cinema) produzido pelaRede Globo de televisão.Tempos Modernos (Modern Times, EUA 1936). DIREÇÃO:Charles Chaplin, 87 min.preto e branco, Continental).Link de compartilhamento da produção audiovisual:Construindo a leitura do Cinema na Escola. Direção Simône Linhares. 2009. Duração: 8’46”. http://www.youtube.com/watch?v=9PsY-NpEWGk. Acessado em 10 de setembro de 2010.